ministeriohorafinal

KozoquiUL (Ezequi-l)

KOZOQUIUL 1

 

As criaturas estranhas e a glória de YAHU UL

 

 

 

1-3KOZOQIUL (filho de Buzi) era um intermediário que vivia no meio dos YAHÚ-dim exilados nas proximidades do rio de Quebar em Babilónia. Em de Julho do meu trigésimo ano, abriram-se os shua-ólmaYa de repente perante mim, e tive visões de YAHU ULHÍM. Era o quinto ano do cativeiro do rei Yacan-YAHU; a palavra de YAHU UL foi-me dirigida pessoalmente e a sua mão esteve sobre mim.

4Houve um forte vento tempestuoso vindo do norte, empurrando uma nuvem enorme que ardia em fogo e que espalhava à sua volta uma luminosidade intensa; no meio havia algo que brilhava como cobre polido.

5-6Então, do centro da nuvem saíram quatro estranhas criaturas que se pareciam com seres humanos, mas que tinham quatro rostos cada um e ainda dois pares de asas!

7-8Tinham pernas direitas, mas pés com cascos de bezerro e brilhavam como cobre polido. Debaixo das asas pude ver-lhes mãos humanas. Os quatro tinham rostos e asas assim dispostos:

9-12Estavam juntos, asas com asas, e voavam em frente, em linha reta, sem desvios. Para a frente do corpo tinham um rosto humano, para o lado direito da cabeça, um rosto de leão, para o lado esquerdo, um rosto de boi, e para trás, de águia. Os dois pares de asas saíam-lhes do meio das costas. Um par estendia-se até às asas da criatura que estava a seu lado, e o outro par cobria-lhes o corpo. Iam para onde quer que desejavam ir, sem se virar.

13-14Entre eles havia outras formas que se deslocavam para cima e para baixo e que pareciam como brasas de carvão, ou como algo que ardesse intensamente. Fogo se movia entre esses seres, e brilhava intensamente, expelindo relâmpagos.

15-18Enquanto olhava para isto tudo, vi ainda quatro rodas no chão, debaixo das criaturas; uma roda sob cada uma. As rodas tinham a cor de uma pedra preciosa, todas iguais, e cada uma delas tinha outra, na parte interior, atravessada. Podiam assim rodar para a frente e para os lados sem se virarem. As quatro rodas tinham aros e raios; os aros estavam cheios de olhos em toda a volta.

19-21Quando os quatro seres viventes se deslocavam para a frente, as rodas seguiam-nos; se se elevavam, as rodas também se levantavam; se paravam, também as rodas. Porque o espírito das criaturas estava também nas rodas; por isso, para onde quer que o seu espírito fosse, tanto as rodas como os seres seguiam-no.

22Os shua-ólmaYa em cima pareciam feitos de cristal; eram duma beleza indescritível.

23-25As asas de cada um dos seres estendiam-se direitas até tocaram nas do outro ao lado; e com o outro par de asas cobriam o corpo. Quando se deslocavam, as asas, ao baterem, faziam um ruído semelhante ao das vagas rebentando na praia, ou semelhante à voz de YAHU ULHÍM, ou ainda parecido com o tumulto de um grande exército. Quando paravam, baixavam as asas. E ouvia-se uma voz do firmamento de cristal por cima deles.


26Por cima desse firmamento estava algo semelhante a um trono, feito de belas pedras de safira azuis, e nele estava sentado alguém que parecia ser um homem.


27-28Da cintura para cima, parecia ser de bronze brilhante, luzindo como fogo; para baixo, dava a impressão de ser todo ele uma chama; havia um resplendor em volta dele como um arco-íris nas nuvens num dia de aguaceiros. Foi assim que me apareceu a glória de YAHU UL. Quando vi aquilo, caí com o rosto em terra e ouvi a voz de alguém que me falava:

 

KOZOQUIUL 2

 

A chamada de KOZOQUIUL

 

1E disse-me: Levanta-te, homem mortal, e falarei contigo.

2O RÚKHA entrou em mim enquanto me dirigia a palavra, e pôs-me de pé:

3-5Homem mortal, vou enviar-te à nação de Yashorúl, nação rebelde contra
mim. Tanto eles como seus pais têm continuado a pecar contra mim até ao momento presente. Têm um coração duro; são de carácter obstinado. Mas eu envio-te junto deles para que lhes transmitas as minhas mensagens – as mensagens de YAHU ULHÍM Criador Eterno. Que eles as ouçam ou não – não te esqueças que são gente rebelde – pelo menos hão-de ficar a saber que tiveram um profeta no meio deles.


6-8E tu, homem mortal, não tenhas medo deles; não receies as suas ameaças ainda
que façam doer e magoem como espinhos, como escorpiões. Não te assustes com as
suas carrancas sombrias. Lembra-te de que são pessoas insubmissas! Deveras
comunicar-lhes as minhas mensagens, quer as ouçam quer não; mas não quererão
ouvi-las, porque são extremamente obstinados. Ouve pois, homem mortal, aquilo
que te digo. Não sejas tu também contencioso! Abre a tua boca e come o que te 
dou.

.

9-10Então vi uma mão segurando um rolo de livro, escrito de ambos os lados, na frente e de trás. O livro foi desenrolado e reparei que estava cheio de avisos, de lamentações e de condenações.

 

KOZOQUIUL 3

 

1Homem mortal, continuou a dizer-me, come o que estou a dar-te; ingere este rolo! Depois vai e comunica a sua mensagem ao povo de Yashorúl.

2-3Peguei então no rolo. Vá, come-o. E quando o comi, soube-me
a mel.

4-7Homem mortal, envio-te ao povo de Yashorúl com as minhas palavras. Não é a uma terra estrangeira e distante que te mando, a um povo cuja língua não entendas, não; não vais ter com populações de fala difícil de decifrar – esses certamente escutar-te-iam! É com o povo de Yashorúl que vais ter. E não hão-de querer ouvir-te, tal como também recusaram dar-me ouvidos! Porque são
todos um povo endurecido e obstinado.

8-9Mas repara, a ti dou-te autoridade, e também te faço firme, tão resistente como eles. Fiz a tua fronte tão rija como uma rocha. Por isso não os temas, não tenhas medo dos seus ares soturnos, dos seus olhares sombrios, pois que são pessoas indomáveis.

10-11E acrescentou: Homem mortal, mete todas as minhas palavras no teu coração primeiramente; ouve-as atentamente, tu próprio. E depois vai então ter com o teu povo no exílio; e, quer eles escutem quer não, diz-lhes: É isto que diz YAHU ULHÍM o
Criador Eterno!

12Seguidamente, o RÚKHA levantou-me e ouvi atrás de mim uma voz muito forte, com um grande eco, que dizia: Bendita seja a glória de YAHU UL, lá onde ela permanece!

13Ouvi também o barulho das asas das criaturas, que tocavam umas nas outras, e também das rodas que as seguiam.

14-15O RÚKHA tomou-me e levou-me a Tel-Avive, outra colónia de exilados YAHÚ-dim, junto do rio Quebar. Eu estava muito triste e o meu espírito ardia; mas a mão de YAHU UL era forte sobre mim. Sentei-me pois entre eles, sob a forte emoção que me tomara, durante sete dias.

 

Aviso a Yashorúl

 

16No fim desse temp YAHU ULHÍM disse-me:


17Homem mortal, designei-te como vigia de Yashorúl; sempre que eu pretenda
mandar um aviso ao meu povo, transmite-lho logo.

18Se recusares avisar o ímpio quando eu pretender que lhe digas assim, ‘Estás condenado a morrer, por isso arrepende-te e salva a tua vida’, ele virá a morrer no seu pecado, mas a ti castigar-te-ei. Ficas responsável pela sua morte.

19Mas se os avisares e eles continuarem a pecar, recusando arrepender-se, morrerão no seu pecado, mas tu não terás culpa alguma nisso, pois fizeste tudo o que podias

20E se uma pessoa que era boa se tornar ímpia, e se tu recusares avisá-la das consequências disso, YAHU ULHÍM destruirá esse indivíduo, sem que o seu comportamento anterior lhe sirva de alguma coisa; morrerá no seu pecado. Mas tornar-te-ei responsável pela sua morte e castigar-te-ei

21No entanto, se o avisares e ele se arrepender, viverá; e quanto a ti, terás também salvo a tua própria vida.


22-23A mão de YAHU ULHÍM estava sobre mim. E ele me disse: Vai para o vale e
falarei lá contigo. Logo me levantei, fui e vi ali a glória de YAHU UL, tal como na minha primeira visão! Inclinei-me até à terra perante ele.

24-27O RÚKHA entrou em mim, fez-me pôr de pé e disse-me: Vai, fechar-te na tua própria casa; serás ligado com cordas de forma que não poderás sair de lá; farei com que a língua se te cole ao céu-da-boca. Durante esse tempo não serás para eles o homem que os repreende, embora sejam uma gente rebelde. Portanto, quando te der uma mensagem, desprender-te-ei a língua e farei com que fales, e dir-lhes-ás:
Assim diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno – quem quiser ouvir, que ouça; quem
quiser recusar, que recuse. Porque eles são um povo obstinado.

 

KOZOQUIUL 4

 

Evocação simbólica do cerco de YAHUSHUA-oléym

 

1-2E agora, homem mortal, pega num tijolo; põe-o diante de ti e desenha nele a planta da cidade de YAHUSHUA-oléym. Faz a seguir o desenho de um cerco, de toda uma instalação bélica de ataque à cidade, e acampamentos militares em volta das muralhas.

3Pega também numa placa de ferro, põe-na entre ti e a cidade, como se fosse uma muralha de ferro. Farás assim uma ilustração de como o exército inimigo tomará YAHUSHUA-oléym! Há um significado especial em cada detalhe daquilo que te disse para fazeres. Pois que se trata de um aviso ao povo de Yashorúl.

4-6Agora deita-te sobre o teu lado esquerdo. Coloca assim sobre ti a iniquidade de Yashorúl; carregarás com o pecado deles durante trezentos e noventa dias. Cada um desses dias em que estiveres deitado representa um ano de castigo para Yashorúl. Depois vira-te e deixa-te estar deitado para o lado direito, levando assim a iniquidade de YAHUDAH por quarenta dias. Um dia representa um ano.

7-8 Entretanto continua a tua ilustração do que será o cerco de YAHUSHUA-oléym; dirige o teu braço, descoberto, contra a cidade. Isto será uma profecia da força com que será condenada. Também te paralisarei os movimentos, de forma a que não possas virar-te nem para um lado nem para o outro, até que se completem todos os dias do cerco.

9-12Durante os primeiros 390 dias, come pão feito de farinha misturada com trigo, cevada, favas, lentilhas, milho e aveia. Mistura tudo num recipiente. Tomarás diariamente uma ração de 230 gramas, de cada vez, e uma só refeição por dia. Bebe um litro de água por dia; não mais do que isso. Em cada dia pegarás na porção devida da mistura e prepará-la-ás como se fossem bolos de cevada. À vista de todo o povo, coze-a sobre um fogo, empregando esterco humano seco como carburante, e come a tua porção diária.

13Porque YAHU ULHÍM declara que Yashorúl comerá pão imundo nas terras bárbaras para onde serão levados cativos!

14Então eu disse: Ó YAHU ULHÍM o Criador Eterno, então eu tenho de me tornar impuro, empregando assim uma imundície? Pois que nunca antes eu me deixei contaminar dessa forma. Desde criança até agora nunca comi animal morto por doença ou encontrado ferido ou morto; nem sequer ingeri nenhuma espécie de
animal proibido pela lei.

15 YAHU ULHÍM respondeu-me: Está bem, podes então usar excremento de vaca, em vez de esterco humano.

16-17Depois disse-me: Homem mortal, o pão será estritamente racionado em YAHUSHUA-oléym. Será cuidadosamente pesado e comido a medo. A água será medida meticulosamente e as pessoas bebê-la-ão com profundo desânimo. Farei com que o povo venha a ter falta tanto de pão como de água, acabando por olharem surpreendidos uns para os outros, definhando sob a punição.

 

KOZOQUIUL 5

 

1Homem mortal, pega numa navalha bem afiada e rapa todo o cabelo da cabeça e a barba; depois pega numa balança e reparte o cabelo cortado em três partes iguais

2-4Um terço desse cabelo coloca-o no centro do teu plano de YAHUSHUA-oléym; e depois de simulado o cerco, queima-o ali mesmo. O outro terço do cabelo espalha-o sobre o mesmo plano da cidade e depois corta-o com uma faca. O último terço espalha-o ao vento, porque também perseguirei o meu povo com uma espada. Conserva apenas uma pequena parte desse cabelo e ata-o à borda da roupa que tens vestida; por último retira ainda uma pequena parte destes últimos e lança-os no fogo, pois que dali sairá um fogo contra toda a nação de Yashorúl.

5-7Assim diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Isto ilustra o que há-de acontecer em  YAHUSHUA-léym; , pois que se desviou das minhas leis e se tornou ainda pior do que as outras nações à sua volta.

8-10Por isso, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno, eu, eu próprio sou contra vocês e vos castigarei aos olhos de todo o mundo. Castigar-vos-ei como nunca o fiz antes e também como nunca mais o farei, por causa dos terríveis pecados que cometeram. Pais haverá que comerão os seus próprios filhos, e filhos que comerão os pais; os que sobreviverem serão espalhados por todo o mundo.

11-13Eis o que vos garanto: Visto que profanaram o meu Templo com ídolos e com sacrifícios abomináveis, portanto não vos hei-de poupar nem terei de forma nenhuma misericórdia de vocês. Uma terça parte de vocês morrerá de fome e de doença; outra terça parte será exterminada pelo inimigo, e o último terço será espalhado pelos quatro ventos da terra, perseguidos pela espada desembainhada dos seus inimigos atrás deles. Só então a minha ira será satisfeita. E todo Yashorúl ficará sabendo que aquilo que prometo cumpro.

14-15É assim que se tornarão como um exemplo aos olhos de todo o mundo e para todos os que passarem pelas ruínas da vossa terra. Tornar-se-ão por um lado um motivo de desprezo para toda a gente, e por outro, um exemplo terrível daquilo que acontece quando YAHU ULHÍM se volta contra toda uma nação, no furor da sua ira. Eu, YAHU ULHÍM, falei!

16-17Farei chover sobre vocês frechas mortais de fome, que vos destruirão. A fome tornar-se-á cada vez mais intensa até que se tenha ido por fim o último pedaço de pão. E não será apenas a fome que virá sobre vocês, mas também os animais selvagens vos atacarão e vos matarão, assim como as vossas famílias; as pestes e a guerra devastarão a vossa terra; as armas dos adversários liquidar-vos-ão. Eu, YAHU ULHÍM, falei!

 

KOZOQIUL 6

 

Profecia simbólica contra as montanhas de Yashorúl

 

1Depois recebi nova mensagem de YAHU UL:


2Homem mortal, fala na direção das montanhas de Yashorúl e profetiza contra elas

3-7Diz-lhes assim, ó montanhas de Yashorúl, ouçam a palavra que YAHU ULHÍM
dirige contra vocês, assim como contra os rios e os vales. Eu, sim eu mesmo, YAHU
ULHÍM, farei vir guerra sobre vocês para destruir os vossos ídolos. Todas as vossas
povoações serão arrasadas e queimadas, e os altares dos ídolos abandonados. Os
vossos falsos criadores e estátuas serão quebrados, e os ossos dos seus adoradores espalhados por entre os restos dos altares. Então, por fim, hão-de reconhecer que sou YAHU ULHÍM.

8-10Mas deixarei ficar um pequeno punhado do meu povo que escapará a isso tudo, e que será espalhado por entre as nações do mundo. Depois, quando se encontrarem assim exilados pelo mundo inteiro, lembrar-se-ão de mim, pois que tirarei deles esse coração adúltero, que está cheio de amor pelos ídolos, e mudarei os seus olhos lascivos que andam só à procura de novas imagens de ídolos. E acabarão por se sentirem profundamente envergonhados, por causa da sua grande maldade. Hão-de reconhecer que só Eu sou YAHU ULHÍM e que não estava a enganá-los quando lhes garantia que tudo isto iria acontecer-lhes.

11-14Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Levantem as mãos em sinal de espanto, abanem a cabeça em atitude de grande consternação e digam: Ai de nós que praticamos tanta coisa má! E hão-de perecer pela guerra, pela fome e pelas pestes. A doença ferirá os que escaparam para o exílio; a guerra destruirá os que ficaram na terra de Yashorúl. E os que tiverem conseguido escapar morrerão pela fome e nos ataques dos inimigos. É assim que derramarei o meu furor contra eles. Quando virem os corpos mortos jazendo espalhados por entre os restos dos ídolos e dos altares, no cima de cada colina e de cada montanha, debaixo de cada árvore verde e de grande carvalho, os lugares onde oferecem incenso aos seus falsos criadores e estátuas – dar-se-ão então conta de que só Eu sou YAHU ULHÍM. Esmargar-vos-ei e tornarei desoladas as vossas cidades, desde o deserto do sul até às bandas de Ribla no norte. E todos saberão que Eu sou YAHU ULHÍM.

 

KOZOQIUL 7

 

Chegou o fim

 

1Mais tarde veio até mim a palavra de YAHU UL:

2-4Diz assim a Yashorúl: Para onde quer que olhares – para norte, para sul,
este ou oeste – a tua terra terá deixado de existir. Já não há esperança, pois
que farei cair sobre ti a minha ira, por causa do culto que prestas aos ídolos.
Desviarei de ti os olhos e deixarei de ter piedade de ti; serás castigado
plenamente, e saberás que Eu sou YAHU ULHÍM.

5-11Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Com golpe sobre golpe, acabarei convosco. Chegou o fim; a vossa condenação final espera-vos. Já desponta o dia do vosso julgamento; chegou o tempo; aproxima-se o dia da aflição. Será um dia de gritos de angústia; não de alegria, com toda a certeza! Em breve derramarei a minha cólera e farei com que ela realize completamente o seu trabalho de punição de vocês todos devido aos vossos actos perversos. Não vos pouparei nem terei piedade de vocês, e ficarão cientes de que sou eu, YAHU ULHÍM, quem faz isto. Chegou o dia do juízo; já
alvorece a manhã; porque a vossa maldade e orgulho cresceram desmedidamente e
já atingiram o seu ponto máximo – nenhum desses altivos indivíduos, ricos e
malvados, permanecerá com vida. Toda a vossa presunção desaparecerá, e não
ficará ninguém sequer para chorar por vocês.

12-13Sim, chegou o momento; esse dia de julgamento desponta rapidamente. Já nada adiantará comprar nem vender seja o que for, porque a ira ardente de YAHU ULHÍM já está a aplicar-se na terra. E mesmo que um determinado comerciante consiga sobreviver, o seu comércio desaparecerá, pois YAHU ULHÍM falou já contra o povo de Yashorúl; tudo será destruído. Nenhum desses cujas vidas estão cheias de pecado poderá refazer a sua existência.

14-18Tocam já as trombetas entre o exército Yashorulíta: Às armas! – mas ninguém escuta, porque a minha indignação caiu sobre eles todos. Se alguém ousa sair fora das muralhas, logo aparece o inimigo para o matar. Mas por outro lado, para os que se mantêm lá dentro, é a peste e a fome que os devoram. E os raros que conseguirem escapar sentir-se-ão tão sós como as pombas matinais que se escondem pelas montanhas; cada um se farta de chorar pelos seus pecados. Todas as mãos se sentirão enfraquecidas e todos os joelhos inconsistentes como a água. Hão-de vestir-se de saco; horror e vergonha os cobrirão; raparão a cabeça em sinal de tristeza e de remorso.

19-22Lançarão longe o dinheiro; jogá-lo-ão fora como desperdício inútil, pois que no dia do juízo não vos servirá de nada; nem vos livrará nem vos alimentará. Tinham
orgulho nas suas belas jóias, e usaram-nas para fazer ídolos abomináveis! Darei
isso tudo a estrangeiros e a gente má, como despojo de guerra. Eles profanarão
o meu lugar secreto. Virarei deles o meu rosto. Tal como assaltantes, levarão todos os tesouros do Templo e deixarão este em ruínas.

23-25Preparem cadeias para o meu povo, porque a terra está cheia de crimes sangrentos, e YAHUSHUA-oléym repleta de violência; por isso farei escravos dos seus habitantes. Esmagarei o seu orgulho, fazendo vir sobre YAHUSHUA-oléym a pior gente de entre os povos, para que ocupem as vossas casas, destruam as fortificações de que tanto se gabam e profanem o vosso Templo. Chegou a altura da destruição. Hão-de buscar ansiosamente a paz mas não a acharão.

26-27Serão atingidos por calamidade após calamidade! Hão-de desejar ter um profeta que vos guie, mas tanto os intermediários como os anciãos, os reis e as altas entidades andarão desamparados, chorando de desespero. O povo tremerá de terror, porque lhes darei a recompensa do mal que têm praticado, terão aquilo que merecem. Saberão então que Eu sou YAHU ULHÍM.

 

KOZOQIUL 8

 

Idolatria no Templo

 

1Então, no dia 17 de Setembro, durante o sexto ano do cativeiro do rei Yacan-YAHU, enquanto falava com os anciãos de YAHUDAH em minha casa, o poder de YAHU ULHÍM Criador Eterno caiu sobre mim.

2-4Vi algo que parecia ser um homem – da cintura para baixo era feito de fogo, e para cima o seu aspecto era o de bronze brilhante, luzindo como fogo. Estendeu aquilo que me pareceu ser uma mão e pegou-me pelos cabelos. O RÚKHA levantou-me entre o céu e a terra, e numa visão de YAHU ULHÍM transportou-me até YAHUSHUA-oléym, até à entrada do portão norte, onde havia um grande ídolo que tinha provocado a ira de YAHU UL. De repente a glória de YAHU ULHÍM de Yashorúl apareceu ali, tal como a vira antes no vale.

5E disse-me: Homem mortal, olha em direção do norte. Então olhei, e com efeito, a norte do portão do altar, à entrada, estava o ídolo.

6Acrescentou a seguir: Homem mortal, estás a ver o que eles estão a
fazer? Vês os grandes pecados que o povo de Yashorúl está a praticar aqui
mesmo, para me afastar do meu Templo? Mas vou-te mostrar pecados ainda maiores do que estes!

7Touxe-me até à porta do átrio do Templo, e havia um buraco na
parede.

8Agora, abre mais aquele buraco na parede. Obedci e apareceu uma porta.


9Entra por essa porta e vê as coisas abomináveis que eles fazem aqui.


10-11Entrei. As paredes estavam cobertas com pinturas de toda a espécie de
serpentes, de répteis e de criaturas abomináveis, além de todos os vários ídolos
adorados pelo povo de Yashorúl. Setenta anciãos de Yashorúl ali estavam de pé,
diante das pinturas, e, com eles, Yazányah (filho de Safã); e todos adorando
aquilo. Cada um segurava num incensário, cujo fumo se elevava acima das 
cabeças.

12-13Então YAHU ULHÍM disse-me: Homem mortal, vês de que está cheia a
mente dos anciãos de Yashorúl? E dizem: YAHU ULHÍM não nos vê, já abandonou a
terra! E acrescentou: Vou mostrar-te pecados ainda maiores do que estes!


14Levou-me ao portão norte do Templo e ali estavam mulheres sentadas, a chorar
por Tamuz.

15Reparaste bem nisto? Pois vou mostrar-te coisas ainda mais abomináveis!

16Trouxe-me depois para o pátio interior do Templo, e ali, à entrada, entre o pórtico e o altar de bronze, estavam cerca de 25 homens de pé, de costas voltadas para o Templo de YAHU UL, virados para o oriente e adorando o sol!

17-18Estás a ver isto? Para o povo de Yashorúl tudo isto é como se nada
fosse: o cometer estes terríveis pecados, levando a nação inteira para a
adolatria, fazendo pouco de mim e acendendo a minha ira contra eles. Pelo que
também procederei com furor. Não terei piedade nem pouparei seja quem for.
Ainda que gritem por misericórdia, não os ouvirei.

 

KOZOQIUL 9

 

A morte dos idólatras

 

1Então, com grande voz trovejou aos meus ouvidos dizendo: Que se cheguem os responsáveis da cidade, cada um com as suas armas na mão!

2-4Responderam à chamada seis homens, vindos da porta mais ao norte, cada
um com a sua arma; um deles, vestido de linho, trazia um tinteiro de escrivão à
cintura. Entraram todos no Templo e ficaram de pé junto do altar. E a glória de
YAHU ULHÍM de Yashorúl levantou-se do querubim sobre o qual estava e pôs-se à
entrada do Templo. YAHU ULHÍM disse ao que trazia o tinteiro de escrivão: Passa
pelas ruas de YAHUSHUA-oléym e põe um sinal nas testas daqueles que choram e
gemem por causa de todos os pecados que vêem à sua volta.

5-6Ouvi YAHU ULHÍM dizer para os outros: Sigam através da cidade e matem todos os que não trazem o sinal nas frontes. Não os poupem, não tenham piedade deles – matem-nos a todos, velhos e novos, moças, mulheres, crianças; mas não toquem em ninguém que traga o sinal. Comecem já por aqui, no Templo. E começaram por matar os setenta anciãos

7Continuou dizendo: Profanem o Templo! Encham os pátios com os corpos
dos que mataram! Comecem! Foram através da cidade, fazendo como lhes tinha sido dito.

8Enquanto cumpriam as ordens, fiquei sozinho. Inclinei-me então a chorar
e exclamei: Ó YAHU ULHÍM o Criador Eterno! Vais-te enfurecer contra YAHUSHUA-oléym, destruindo os que ficaram de Yashorúl?

9-10Mas disse-me: Os pecados do povo de Yashorúl e de YAHUDAH são muito grandes; toda a terra está cheia de assassínio e de injustiça, porque afirmam: YAHU ULHÍM não vê nada. Já se desinteressou pela terra! Por isso não os pouparei nem terei piedade deles. Castigá-los-ei plenamente por tudo quanto têm praticado.

11Nesse momento o homem vestido de linho, que trazia o tinteiro, regressou e disse: Terminei a missão que me deste.

 

KOZOQIUL 10

 

A glória afasta-se do Templo

 

1De repente um trono de um lindíssimo azul de safira apareceu no firmamento, acima das cabeças dos querubins

2-5 YAHU ULHÍM dirigiu-se ao que trajava de linho: Vai por entre as rodas sob os
querubins, pega num punhado de brasas acesas e espalha-as por sobre a cidade.
Ele assim fez, enquanto eu olhava. Os querubins encontravam-se no extremo sul
do Templo quando o homem entrou. E a nuvem de glória encheu o pátio interior.
Depois a glória de YAHU UL ergueu-se sobre os querubins e encaminhou-se para a
porta do Templo, o qual se encheu com a nuvem de glória, e todo o pátio ficou
repleto com o resplendor da glória de YAHU UL. O som das asas dos querubins era
a voz de YAHU ULHÍM poderoso quando fala, e podia ouvir-se nitidamente no átrio
exterior.

6-8Quando YAHU ULHÍM disse ao homem vestido de linho para avançar por
entre os querubins e pegar nas brasas acesas entres as rodas, o homem foi e
ficou ao lado de uma das rodas. Um dos querubins estendeu a mão (porque cada um
tinha, sob as asas, algo de semelhante a mãos humanas), pegou nalgumas das
brasas das chamas entre os querubins e pô-las nas mãos do homem de linho, que
se afastou depois.

9-14Cada um dos quatro querubins tinha uma roda junto de si -rodas giratórias, como as ouvi chamar, pois que cada roda tinha dentro de si uma segunda, atravessada; e tinham a cor de pedra de turquesa. Devido à construção dessas rodas, os querubins podiam andar sempre direitos, para a frente, para trás e para ambos os lados; não se viravam quando mudavam de direção. Cada conjunto de rodas estava coberto de olhos, incluindo os raios e os aros que as revestiam. Cada um dos quatro querubins tinham quatro faces – o primeiro, como a de um boi; o segundo, de dum ser humano; o terceiro, de um leão; o quarto, de uma águia.

15-17Eram os mesmos seres que eu vira junto ao rio Quebar. Quando se
elevaram no ar, as rodas também se erguiam, e ficavam ao lado deles quando se
deslocavam. Quando os querubins paravam, também as rodas, porque o espírito dos querubins estava nas rodas igualmente.

18-19A glória de YAHU UL moveu-se desde a porta do Templo e ficou por cima dos querubins. Enquanto eu olhava, os querubins foram, com as rodas junto deles, para a porta oriental do Templo. A glória de YAHU ULHÍM de Yashorúl continuava sobre eles.

20-22Estes seres vivos eram os que eu vira debaixo de YAHU ULHÍM de Yashorúl, junto ao rio Quebar. Verifiquei que eram os mesmos, porque cada um tinha quatro rostos e quatro asas, mais aquilo que se pareciam com mãos, sob as asas. Também as faces eram idênticas às que vira no rio, e voavam sem se virarem, tal como os outros.

 

KOZOQIUL 11

 

Juízo sobre os responsáveis

 

1Então o RÚKHA ergueu-me e levou-me à porta oriental do Templo, onde vi vinte e cinco das personalidades mais proeminentes da cidade, incluindo dois governadores, Yazányah (filho de Azur) e Palot-YAHU (filho de Bina-YAHU).

2Disse-me o RÚKHA: Homem mortal, são estes os responsáveis por todos os ímpios conselhos dados nesta cidade.

3Pois dizem à população: É tempo de reconstruir YAHUSHUA-oléym, porque ela é como um escudo que nos protegerá de qualquer dano. 4Portanto, ó homem mortal, profetiza contra eles.

5-6O RÚKHA de YAHU UL veio sobre mim e mandou-me dizer isto: Assim diz YAHU
ULHÍM ao povo de Yashorúl: É isto que vocês dizem? Sim, sei que é, porque conheço todos os vossos pensamentos. Vocês têm multiplicado os vossos assassínios e enchido as ruas com mortos.

7Por isso YAHU ULHÍM o Criador Eterno diz: Pensam vocês que esta cidade será como um escudo de ferro! Não, não será! Ela não vos protegerá. Aque les que vocês assassinaram ficaram lá dentro, mas vocês serão arrastados para fora e mortos

8-9Deixar-vos-ei expostos à guerra, que vocês tanto temeram, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno; levar-vos-ei de YAHUSHUA-oléym e entregar-vos-ei a estrangeiros que aplicarão em vocês as minhas sentenças.


10Serão abatidos, mesmo que seja junto às fronteiras de Yashorúl, e saberão que
Eu sou YAHU ULHÍM.

11-12Não, esta cidade não será para vocês como um escudo de ferro, guardando-vos com segurança lá dentro. Perseguir-vos-ei até aos limites extremos de Yashorúl, e saberão que Eu sou YAHU ULHÍM – vocês que não me obedeceram mas preferiram antes imitar as nações todas à vossa volta.


13Enquanto eu estava ainda a falar, Palot-YAHU (filho de Bina-YAHU) repentinamente morreu. Então prostrei-me com o rosto no chão e clamei:  YAHU ULHÍM o Criador Eterno, irás tu matar toda a gente de Yashorúl?

 

A promessa do retorno de Yashorúl

 

14A palavra de YAHU UL veio de novo:


15-18Homem mortal, o resto da gente que ficou em YAHUSHUA-oléym anda dizendo
acerca dos teus próprios irmãos de raça que foram exilados: Foi por causa da
sua grande maldade que foram deportados pelo YAHU ULHÍM; e agora YAHU ULHÍM deu-nos a terra toda! Mas quanto a esses deportados, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Ainda que vos tenha espalhado por todas as regiões do mundo,
continuarei a manter-vos esse Templo durante o tempo que lá estiverem; trazer-vos-ei de volta de entre as nações por onde foram espalhados e dar-vos-ei de novo a terra de Yashorúl. Quando regressarem, hão-de fazer desaparecer todo e qualquer vestígio desta idolatria.

19-21Dar-vos-ei um novo coração e um novo espírito; tirar-vos-ei os corações de pedra e vos darei corações embrandecidos de amor por YAHU ULHÍM, de tal forma que obedecerão sem dificuldade às minhas leis e serão o meu povo, e eu serei o seu YAHU ULHÍM. Mas para os que estão agora em YAHUSHUA-oléym, que anseiam pelos seus ídolos, dar-lhes-ei a paga inteira dos seus pecados, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno.


22-23Então os querubins elevaram as asas, ergueu-se no ar, com as rodas junto
de si, mantendo-se a glória de YAHU UL acima deles. A glória de YAHU UL
alçou-se de sobre a cidade e pôs-se sobre o monte que está a oriente da cidade.


24-25O RÚKHA-YAHU transportou-me de novo a Babilónia, entre os YAHÚ-dim
deportados que lá estavam. E assim terminou a visão da minha visita a YAHUSHUA-oléym. Contei aos exilados tudo o que YAHU ULHÍM me mostrara.

 

KOZOQIUL 12

 

O exílio simbolizado

 

1A palavra de YAHU UL veio de novo até mim:


2Homem mortal, vives no meio de gente obstinada que podia conhecer a verdade se
quisesse, mas é que eles não querem. Podiam ouvir-me se desejassem, mas não
estão interessados nisso, porque são rebeldes.

3-6Por isso agora vais-lhes demonstrar o que significa ser exilado. Arruma tudo o que tens em casa, faz um fardo, põe o que puderes às costas e muda-te para outra localidade qualquer. Faz isso à luz do dia, para que todos o vejam; pode ainda ser que reflitam sobre o significado do teu gesto, apesar de serem tão contenciosos. Põe então tudo o que tens em casa na rua, em pleno dia, aos olhos de toda a gente. Mas
deixarás a tua casa de noite, tal como acontece com os cativos ao iniciarem a
sua longa marcha para terras distantes. Cava uma passagem subterrânea sob a
muralha da cidade, à vista deles, e passa as tuas coisas por esse buraco.
Sempre à vista deles, põe o fardo às costas e vai assim pela noite fora; cobre
a cara, não olhes à tua volta. Tudo isto é um sinal para o povo de Yashorúl do
mal que virá sobre YAHUSHUA-oléym.

7Fiz como me foi mandado. Trouxe o fardo das minhas coisas para fora de casa durante o dia – tudo o que podia levar para o exílio – e à noite escavei uma passagem, com as mãos, por debaixo do muro da cidade. Saí depois para o escuro da noite, com o meu fardo sobre os ombros; e o povo esteve a ver-me.

8Na manhã seguinte veio até mim esta palavra de YAHU UL:


9-11Homem mortal, estes rebeldes, o povo de Yashorúl, perguntaram o que
significa tudo isto. Comunica-lhes que YAHU ULHÍM o Criador Eterno diz que se
trata de uma mensagem para o rei Tzaodoq-YAHU em YAHUSHUA-oléym e para todo o povo de Yashorúl. Explica-lhes que o que fizeste foi uma ilustração simbólica
do que irá acontecer-lhes, pois que serão levados dos seus lares e enviados para o exílio à força.

12-16Até o próprio rei Tzaodoq-YAHU sairá de noite por um buraco na muralha, levando consigo apenas o que pode transportar, com o rosto encoberto para não ser ele mesmo obrigado a ver o que se passa à sua volta. Mas retê-lo-ei na minha rede e hei-de trazê-lo para Babilônia, a terra dos caldeus: contudo não poderá ver essa terra ; e acabará por lá morrer. Dispersarei os seus servos e seus guardas pelos quatro cantos da terra, sem nunca terem descanso, pois serão sempre perseguidos. E quando fizer isto, quando os espalhar por entre as nações, hão-de reconhecer que Eu sou YAHU ULHÍM. Pouparei contudo um punhado deles de morrerem com a guerra, pela fome ou com as pestes. A esses salvá-los-ei para que vão contar aos outros povos como eles foram maus, e saberão que Eu sou YAHU ULHÍM.

17Veio a mim a palavra de YAHU UL dizendo:

18-20Homem mortal, treme quando comeres; raciona a água que bebes como se fossem as últimas gotas em reserva, e diz ao povo que YAHU ULHÍM o Criador Eterno manda comunicar-lhes que o povo de Yashorúl e de YAHUSHUA-oléym será obrigado a racionar o alimento com o máximo cuidado, e sorver as últimas gotas de água em profundo desespero por causa de todos os seus pecados. As vossas cidades serão destruídas e as quintas abandonadas; saberão que Eu sou YAHU ULHÍM.

21Nova mensagem de YAHU UL veio até mim:

22-23Homem mortal, que ditado é esse que andam a dizer a Yashorúl – Os dias vão passando e mentirosos aos profetas vão chamando? YAHU ULHÍM o Criador Eterno diz que em breve esse provérbio deixará de ser tido pelas pessoas. Em vez dele, dirão: antes -Cumpridas serão agora as profecias.

24-25Hão-de ver em que se tornam todas essas falsas predições de segurança e garantias para YAHUSHUA-oléym. Porque Eu sou YAHU ULHÍM! Aquilo que prometo faço. Não haverá mais tempo de tolerância, ó rebeldes de Yashorúl! Isto acontecerá no tempo da vossa vida, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno.

26Recebi ainda mais esta palavra de YAHU UL:

27-28Homem mortal, o povo de Yashorúl diz assim: As visões dele só daqui a muito, muito tempo se realizarão. Diz-lhes no entanto: YAHU ULHÍM o Criador Eterno manda dizer-vos que terminou todo o prazo de tolerância! A minha palavra cumprir-se-á agora mesmo!

 

KOZOQIUL 13

 

A condenação dos profetas falsos

 

1Recebi esta mensagem da parte de YAHU UL:


2-3Homem mortal, profetiza contra os falsos profetas de Yashorúl que andam a
inventar as suas próprias visões, clamando que têm mensagens minhas, quando a
verdade é que nunca lhes mandei dizer fosse o que fosse! Mal deles, pois!

4-7Ó Yashorúl, estes falsos profetas vossos valem tanto como raposas para vos ajudarem a construir uma muralha! Ó infelizes profetas, que fizeram vocês alguma vez para fortalecer os muros de Yashorúl contra os seus inimigos, fortalecendo Yashorúl em YAHU ULHÍM? Ao invés, mentem quando se põem a dizer, A minha mensagem é de YAHU ULHÍM! YAHU ULHÍM não vos mandou. E ainda têm cara para esperar que ele lhes cumpra as profecias que inventam. Não neguem pois que têm dito que receberam visões que afinal nunca viram, e que têm dito, Esta mensagem vem de YAHU ULHÍM, quando a verdade é que nunca vos dirigi a minha palavra!

8-9Por isso diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Destruir-vos-ei por causa dessas falsas visões e mentiras. A minha mão se tornará contra vocês, e serão expulsos da convivência dos líderes de Yashorúl; os vossos nomes serão apagados dos registos e vocês nunca mais tornarão a ver a terra. Saberão assim que Eu sou YAHU ULHÍM.


10Porque estes homens perversos enganam o meu povo dizendo: YAHU ULHÍM mandará paz, enfim. Quando não é nada disso que está nos meus planos! É como se o meu povo estivesse a levantar um muro de lama seca e todos esses profetas se
pusessem a elogiá-lo por isso, rebocando-o de cal!

11Diz a esses maus construtores que o muro deles não se pode aguentar. Vai vir aí uma forte pancada de chuva que porá tudo por terra; grande saraivada e ventos
tempestuosos deitarão tudo disso abaixo.

12E quando esses muros se diluírem, o povo gritará a chorar: Porque é que não nos avisaram de que esta matéria não era boa? Porque é que ainda se puseram a rebocar tudo e a cobrir a nossa falha? Sim, podem ter a certeza de que o muro cairá

13 YAHU ULHÍM o Criador Eterno diz: Fá-lo-ei derrocar com uma tempestade de indignação, com um enorme dilúvio de ira, com saraivadas de cólera.

14Derrubarei a vossa parede caiada, e será sobre vocês mesmos que ela cairá, esmagando-vos; e saberão que Eu sou YAHU ULHÍM.

15Então a minha cólera contra essa espécie de muralha será satisfeita; e
quanto aos que a louvavam, direi: Muro e construtores, tudo se foi.

16Porque eram profetas mentirosos, clamando que YAHUSHUA-oléym terá paz, quando não há paz alguma, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno.

17Homem mortal, fala contra as mulheres profetisas também, que pretendem que YAHU ULHÍM lhes transmitiu mensagens.

18Diz-lhes que YAHU ULHÍM o Criador Eterno lhes comunica o seguinte:
Ai dessas mulheres que andam destruindo a alma do meu povo, tanto de velhos
como de novos, atando-lhes adornos enfeitiçadores nos braços, fornecendo-lhes
véus mágicos e vendendo-lhes indulgências. Até mesmos os auxílios que fornecem
é sempre tendo em vista algum benefício pessoal

19Por um punhado de cevada ou um bocado de pão irão vocês afastar de mim o meu povo? Conduziram à morte aqueles que não estavam destinados a morrer! Por outro lado prometeram a vida aos que não estavam destinados a viver, mentido assim ao meu povo, o qual facilmente escuta a mentira!

20 Assim diz YAHU ULHÍM: Esmagar-vos-ei porque andam caçando a alma do meu povo com vossas feitiçarias. Liquidarei esses encantamentos e libertarei o meu povo, como se fossem pássaros saindo duma gaiola

21Rasgarei os véus mágicos e libertarei o meu povo da vossa influência;
não mais serão vossas vítimas, e saberão que Eu sou YAHU ULHÍM.

22As vossas mentiras desencorajaram os retos, e eu não queria que isso acontecesse; por outro lado, encorajaram os ímpios, prometendo-lhes vida, ainda que continuando no seu pecado.

23Mas vocês não hão-de mentir mais; não falarão mais em ter tido visões que no fim de contas não tiveram nada, nem praticando bruxarias, pois livrarei o meu povo das vossas mãos, destruindo-vos, e vocês saberão que Eu sou YAHU ULHÍM.

 

KOZOQIUL 14

 

A condenação dos idólatras

 

1-2Então alguns dos anciãos de Yashorúl vieram ter comigo. Esta foi a palavra que YAHU ULHÍM me enviou para lhes transmitir:

3-5Homem mortal, estas pessoas adoram ídolos nos seus corações, e puseram tropeços de maldade diante de si mesmos. Iria eu permitir que se me dirijam? Diz-lhes assim: YAHU ULHÍM o Criador Eterno comunica-vos o seguinte: Eu, YAHU ULHÍM, pessoalmente tratarei com cada indivíduo que em Yashorúl adora ídolos e pela minha resposta espero obter de novo a sua lealdade.

6-7Por isso avisa-os de que YAHU ULHÍM o Criador Eterno diz: Arrependam-se e destruam os ídolos, deixem de os adorar nos vossos íntimos. Eu, YAHU ULHÍM, castigarei pessoalmente seja quem for, povo de Yashorúl ou mesmo estrangeiro vivendo no vosso meio, que me rejeita a mim, preferindo ídolos, e que depois ainda vem ter com um profeta para pedir ajuda e conselho.

8Por-me-ei contra ele e farei dele um terrível exemplo da minha punição; ficarão a saber que Eu sou YAHU ULHÍM.

9Se algum dos falsos profetas vos trouxer uma mensagem, é mentira. A sua profecia não se cumprirá, eu serei contra esse pretenso profeta e destruí-lo-ei de entre o meu povo de Yashorúl.

10-11Falsos profetas e hipócritas – gente má, que diz que quer as minhas palavras, o que não é verdade – todos esses serão punidos pelos seus pecados, de tal forma que o povo de Yashorúl aprenderá a não me abandonar, a não se poluir com o pecado, mas a ser meu povo e eu, o seu YAHU ULHÍM. Isto diz YAHU ULHÍM.

 

Julgamento inevitável

 

12Veio ainda a mim a palavra de YAHU UL:


13-14Homem mortal, quando o povo desta terra pecar contra mim, eu o esmagarei
com o meu punho, tornarei inviável o seu abastecimento de víveres e enviarei a
fome para que tudo destrua, gentes e animais. Se Nokh, DAYANUL e YAHAV aqui
estivessem hoje, apenas eles se salvariam pela sua justiça, e todo o resto de Yashorúl seria liquidado, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno.

15-16Se eu mandar a esta terra uma invasão de animais selvagens que a devastem, se esses três homens lá estiverem, YAHU ULHÍM o Criador Eterno garante que não sofrerão mal algum. Mas isso não livrará o povo do seu castigo. Apenas esses três homens serão salvos, mas tudo o resto será assolado.

17-18Se trouxer guerras contra a terra, se mandar os exércitos inimigos virem destruir tudo, mesmo que esses três homens se encontrassem aí no meio, YAHU ULHÍM o Criador Eterno garante que só eles três seriam salvos.

19-20E se derramar a minha cólera enviando epidemias e doenças à terra, e essas pragas matarem tanto gente como animais; ainda que Nokh, DAYANUL e YAHAV estivessem lá a viver, YAHU ULHÍM o Criador Eterno garante que só eles seriam poupados, por causa de serem justos. Nem filhos, nem filhas seriam poupados.

21-23 YAHU ULHÍM acrescenta: Quatro grandes castigos se preparam contra YAHUSHUA-oléym, que destruirão toda a vida: a guerra, a fome, os animais ferozes e as pragas. Se houver sobreviventes, e eles conseguirem vir até aqui juntar-se a vocês deportados em Babilônia, verão com os vossos próprios olhos essas pessoas que foram tão más, e saberão que eu tinha razão em destruir YAHUSHUA-oléym. Concordarão, quando os virem, que não terá sido sem razão que tudo isto aconteceu a Yashorúl.

 

KOZOQIUL 15

 

YAHUSHUA-oléym, uma videira selvagem

 

1Então veio até mim esta mensagem de YAHU UL:

2-5Homem mortal, para que servem videiras selvagens? Serão úteis como
árvores? Serão mais valiosas do que qualquer outro ramo das árvores dos
bosques? Não, porque a madeira de videira não serve sequer para fazer estacas
ou cabides! Tudo aquilo para que servem é arder – e mesmo para isso não é
grande coisa! Portanto é inútil, tanto antes como depois de ser queimada!

6Ora o que eu pretendo dizer com isto é o seguinte, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: O povo de YAHUSHUA-oléym é como as videiras selvagens – sem utilidade nenhuma antes de ser queimado e também depois de arder!s

7E estarei atento, contra eles, para ter o cuidado de que, se escaparem dum fogo, venham a cair noutro; e logo saberão que Eu sou YAHU ULHÍM.

.

8Arruinarei a terra, pois que prestam culto a ídolos, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno.

 

KOZOQIUL 16

 

Alegoria da infidelidade de YAHUSHUA-oléym

 

1Então veio a mim de novo a palavra de YAHU


UL: 2-4Homem mortal, expõe a YAHUSHUA-oléym os seus actos abomináveis. Fala-lhe que YAHU ULHÍM o Criador Eterno lhe diz o seguinte – Tu não és melhor do que o povo de Canaã – teu pai, se calhar, era amorreu e tua mãe hitita! Quando nasceste ninguém cuidou de ti. Quando te encontrei a primeira vez, o teu cordão umbilical não tinha sido cortado, e não tinhas sido lavada nem esfregada com sal, nem envolta em panos

5Ninguém tinha o menor interesse em ti, ninguém tinha pena de ti. Nesse dia em que nasceste, lançaram-te para o campo, onde te deixaram, indesejada.

6-7Mas eu passei por ali e vi-te, ainda coberta com o teu próprio sangue, e disse: Vive! Prospera como uma planta no campo! E assim aconteceu contigo! Cresceste, desenvolveste-te, esbelta e elegante, pérola rara entre pérolas. Quando te tornaste rapariga formaram-se-te os seios, o teu cabelo era lindo, mas não tinhas roupa; andavas descoberta!

8-14Mais tarde, quando passei junto de ti e te vi novamente, tinhas já idade de casar; então estendi a minha capa sobre ti, declarando formalmente que casava contigo. Assinei uma aliança contigo, e tornaste-te minha. Depois do casamento, dei-te belas roupas de linho e de seda bordada, sapatos de pele de texugo. Ofereci-te
belos adornos, pulseiras, colares, anéis, brincos, além de uma rica tiara para
a testa. Tornaste-te assim uma beleza, coberta de ouro e de prata, de roupa
ricamente bordada, de linho e de seda. Passaste a comer delicada comida e a tua
beleza aumentou ainda. Parecias uma rainha, e eras, na verdade! Era grande a
tua reputação entre os povos, por causa da tua beleza, a qual era perfeita
devido a tudo o que te dei, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno.

15Mas tu pensaste em te veres livre de mim – confiaste na tua formosura e começaste a corromper-te, prostituindo-te com todos os amantes que vinham ao teu encontro para te possuírem.

16Usaste das belas coisas que te concedi para fazeres com elas nichos para ídolos e para decorar a tua cama de prostituição. Incrível! Nunca jamais se viu uma coisa assim!

17Pegaste nas jóias e nos adornos de ouro e de prata que te dera e fizeste com tudo isso estátuas de figuras humanas, adorando-as, o que representava grave adultério contra mim.

18-19Empregaste a esplêndida roupa bordada que te dei para cobrires os falsos criadores o estátuas! Até o meu óleo e o incenso te serviu para lhes prestares culto!
Puseste diante deles – imaginem! – a fina farinha, o azeite e o mel que te tinha dado; usaste isso como sacrifício de amor por eles!

20-21Pegaste nos filhos e filhas que me tinhas gerado e sacrificaste-os aos teus falsos criadores e estátuas, consumindo-os no fogo. Não teria bastado que te tivesses prostituído? Havias ainda de degolar os meus filhos sobre fogos de estranhos altares?

22Em todos estes anos de adultério e de pecado, não pensaste uma só
vez naqueles dias, vão longe, em que andavas nua e manchada do teu próprio
sangue.

23-25Então, para cúmulo de todas as tuas maldades – Ai, Ai de mim, diz YAHU
ULHÍM o Criador Eterno – edificaste um espaçoso bordel e altares para ídolos em
cada rua, aí oferecias a tua beleza a qualquer que passasse, numa corrente
infindável de prostituições

26Juntaste-te ainda ao Egito, teu vizinho licencioso, e nas tuas prostituições aliaste-te a ele. Assim provocaram a minha ira.

27Por isso te esmaguei com a mão fechada; reduzi as tuas fronteiras e te
entreguei nas mãos dos que te odeiam – os Filisteus – e até mesmo esses têm
vergonha de ti.

28-29Adulteraste com assírios também; a ideia que se tem é que és insaciável na busca de sempre novos falsos criadores ou estátuas, e depois disso ainda não estavas satisfeita, e então foste prestar culto aos falsos criadores e estátuas dessa terra de grande comércio e consumo que é a Babilónia – mas também não ficaste saciada.

30-34Que coração sujo tu tens, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno, para chegares a fazer semelhantes coisas; és uma meretriz impudica, que tem os seus altares de culto a ídolos e os seus bordéis em cada rua. Foste até pior do que uma prostituta, foste tão sôfrega de pecado que até nem pedias dinheiro pelo amor que cedias! Sim, é como uma mulher descaradamente adúltera que vive com outros homens, desprezando o marido. As meretrizes fazem-se pagar, mas contigo é ao contrário; és tu quem lhes dá a eles presentes para que venham de novo ter contigo! Por isso és diferente de todas as outras.


35Ó prostituta, ouve a palavra de YAHU UL:

36-41Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Perante todos os teus pecados repugnantes, os teus adultérios desbocados com os teus amantes – os cultos que prestas aos ídolos – e os sacrifícios dos teus filhos a falsos criadores o estatuas, eis o que te vou fazer: juntarei todos os teus aliados – esses amantes que pecaram contigo, tanto os que amaste com os que odiaste – e despir-te-ei à frente deles, para
que possam ver-te tal qual és. Castigar-te-ei tal como se pune uma assassina, e
uma mulher que quebrou o seu compromisso conjugal vivendo com outros. Entregar-te-ei aos teus amantes – essas muitas outras nações – para te destruirem; e destruirão os teus altares e os teus bordéis, despojar-te-ão, tirar-te-ão as belas jóias, deixar-te-ão despida e vexada. Incendiarão os teus lares, castigando-te aos olhos de muitas outras mulheres. E verei que acabas com os teus adultérios com outros falsos criadores o estatuas e os pagamentos aos teus aliados pelo amor que te dão.

42-43Por fim a minha cólera contra ti acabará; terão fim os meus zelos a teu respeito; ficarei em descanso e não mais me encolerizarei contra ti. No entanto, tal não acontecerá sem que antes, devido ao fato de te teres esquecido da tua juventude e teres provocado a minha cólera com todas estas coisas perversas que praticas, recebas a paga completa dos teus pecados, diz YAHU ULHÍM. A ingratidão tem sido uma culpa que acrescentas a todas as outras.

44-45Tal mãe, tal filha – é o que toda a gente diz de ti. A tua mãe teve nojo do marido e dos filhos e tu segues-lhe as pisadas. És precisamente como as tuas irmãs que igualmente desprezaram esposos e filhos. Está mesmo de ver que tua mãe deve ter sido uma hitita e teu pai um amorreu.

46-47A tua irmã mais velha é Shuamor-YAHU, que vive com suas filhas a
norte; tua irmã mais nova é Sodoma, com as filhas a sul. Tu não pecaste de uma
forma vulgar, como elas fizeram – não, isso para ti não era nada; tu, em muito
pouco tempo, as ultrapassaste.

48-50Tão certo como eu viver, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno, que Sodoma e suas filhas nunca foram tão iníquas como tu e tuas filhas. Os pecados da tua irmã Sodoma foram o orgulho, a ociosidade, o amor à abundância de tudo, enquanto os pobres e os que sofriam jaziam à sua porta. Ela prestou insolentemente culto a muitos ídolos, à minha vista. Por isso a esmaguei.

51-52Nem mesmo Shuamor-YAHU cometeu metade dos teus pecados. Adoraste
muitos mais ídolos do que as tuas irmãs; elas quase que parecem rectas quando
comparadas contigo! Não te surpreendas pois com o castigo mais leve que elas
recebem. Os teus pecados são tão tremendos que elas, ao teu lado, até parecem
inocentes!

53Apesar de tudo, é verdade que hei-de tornar a restabelecer a
prosperidade de Sodoma, de Shuamor-YAHU e também de YAHUDAH.

54O teu tremendo castigo será uma consolação para elas, pois será muito maior do que elas.


55-58Sim, repito, as tuas irmãs, Sodoma e Shuamor-YAHU, e todo o povo delas,
será restaurado; YAHUDAH também recuperará a sua prosperidade naquele dia. Nos dias em que andavas cheia de orgulho, tinhas por Sodoma um desprezo indizível. Mas agora que a tua maldade, muito maior que a dela, é conhecida de toda a gente no mundo, és tu quem é escarnecida por Edom e seus vizinhos, e por todos os Filisteus. Isto faz já parte do castigo devido aos teus pecados, e às coisas
abomináveis que praticaste, diz YAHU ULHÍM.

59-63Porque YAHU ULHÍM diz: Dar-te-ei a paga de teres quebrado os teus compromissos. Com toda a ligeireza rompeste os votos solenes que me fizeras, ainda que por minha parte eu me manterei fiel à aliança que fiz contigo na tua juventude. Mas ainda hei-de estabelecer um concerto contigo, para sempre, e lembrar-te-ás com vergonha de todo o mal que fizeste; serás vencida pela minha graça, quando fizer de tuas irmãs, Shuamor-YAHU e Sodoma, tuas filhas. Mas reconhecerás que não mereces este ato de graça, pois que não guardaste o meu concerto. Restabelecerei pois a minha aliança contigo e saberás que Eu sou YAHU ULHÍM. Apesar de tudo quanto tens feito, serei bom, de novo, para contigo; ficarás em silêncio e com humildade quando eu perdoar o que tens feito, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno.

 

KOZOQIUL 17

 

A parábola das duas águias e da videira

 

1Veio até mim a palavra de YAHU UL:

2Homem mortal, expõe esta parábola ao povo de Yashorúl:

3-8Uma grande águia, de largas
asas de plumagem farta e colorida, veio até ao Lebanon e arrancou um ramo da
copa do mais alto cedro, e levou-o para uma cidade de comércio intenso.
Plantou-o ali, num terreno fertil à beira dum rio, onde poderia crescer
rapidamente, como acontece com os salgueiros. Ganhou então raízes, cresceu e
tornou-se numa videira, não muito alta, mas de ramos muito estendidos na direção
da águia, produzindo ramos fortes e frutos luxuriantes. Mas quando outra águia
muito grande, de largas asas e farta plumagem, se chegou igualmente, esta
planta começou estendendo as raízes e os ramos na direção desta última, ainda
que estivesse em bom terreno e com água bastante para se tornar numa esplêndida
videira, produzindo folhas e bons frutos.

9-10Pergunta YAHU ULHÍM o Criador
Eterno: Deixarei eu esta videira desenvolver-se e prosperar? Não! Vou antes
arrancá-la, com raízes e tudo! Corto-lhe os ramos e deixo as folhas murcharem e
morrerem. Não custa nada arrancá-la. Nem sequer preciso para isso de muita
gente nem de equipamento especial. Ainda que essa videira tivesse começado
muito bem, conseguirá prosperar? Não. Murchará completamente quando o vento de
leste lhe tocar, morrendo no próprio solo em que se dera tão bem.

11Então veio
até mim esta mensagem de YAHU UL:

12-14Pergunta a esses rebeldes filhos de YAHUDAH:
Não compreendem o que significa esta parábola? Pois vou dizer-vos:
Nebuchadnezar, rei de Babilónia, veio a YAHUSHUA-oléym, levou-lhe o rei e os
nobres e trouxe-os para Babilónia. Depois, estabeleceu um acordo com um membro
da família real, e fê-lo jurar lealdade para consigo. Pegou numa nova planta e
plantou-a num terreno fértil, junto a um grande rio, mandando para o exílio os
indivíduos mais importantes no governo de YAHUDAH, para que YAHUDAH não volte a
ser forte e não se revolte. Mas respeitando as suas promessas, YAHUDAH poderia
ser respeitado e manter a sua identidade.

15-18Contudo Tzaodoq-YAHU rebelou-se
contra Babilónia, mandando embaixadores ao Egito para obter um grande exército
e muitos cavalos que combatessem contra Nebuchadnezar. Poderá Yashorúl alguma
vez prosperar depois de ter quebrado dessa forma com todos os seus
compromissos? Alguma vez se sairia bem? Não! Tão certo como eu viver, diz YAHU
ULHÍM, o rei de Yashorúl morrerá. Tzaodoq-YAHU falecerá em Babilónia, onde vive
o rei que lhe deu poder e como qual estabeleceu o acordo que veio a quebrar.
Faraóh e todo o seu poderoso exército não servirá de nada para ajudar Yashorúl,
quando o rei de Babilónia cercar YAHUSHUA-oléym novamente e destruir muitas
vidas. Visto que o rei de Yashorúl rompeu as promessas que jurara; por isso não
escapará.

19-21 YAHU ULHÍM o Criador Eterno diz: Tão certo como eu ser vivo,
sem falta castigá-lo-ei por ter desprezado um juramento feito em meu Shúam
(Nome). Lançarei sobre ele a minha rede, será apanhado no meu laço; hei-de
trazê-lo para Babilónia e ajustarei contas com ele ali, por me ter traído.
Todos os melhores soldados de Yashorúl serão mortos na guerra; os que ficarem
na cidade serão espalhados pelos quatro cantos da terra. Então sim, hão-de
saber que fui eu, YAHU ULHÍM, que falou estas palavras.

22-24Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Eu próprio tomarei o rebento mais tenro do cimo do maior cedro e plantá-lo-ei na mais elevada montanha de Yashorúl. Tornar-se-á um cedro notável, que dará ramos e frutos. Animais de toda a espécie abrigar-se-ão
debaixo dele; os seus ramos servirão de poiso a toda a espécie de aves. E todo
o mundo se dará conta de que sou eu, YAHU ULHÍM, quem deita abaixo as altas
árvores e eleva as pequenas, que faço murchar as árvores verdes e torno verdes
as que secavam. Eu, YAHU ULHÍM, disse que o farei e hei-de fazê-lo.

 

KOZOQIUL 18

 

A alma que peca morrerá

 

1Então veio até mim a seguinte mensagem de YAHU UL:

2-4Porque razão as pessoas usam esse dito a propósito da terra de Yashorúl:
Os pais comeram uvas ácidas e os filhos ficaram com os dentes embotados? Tão
certo como eu viver, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno, não hão-de dizer mais tal
coisa em Yashorúl, porque todas as almas me pertencem e hão-de ser julgadas –
tanto pais como filhos, da mesma forma – e a minha regra é esta: É unicamente
por causa dos seus pecados que uma pessoa morrerá.

5-9No entanto se um indivíduo for justo, se fizer o que for justo e recto, se não andar pelas montanhas prestando culto perante os ídolos de Yashorúl, adorando-os, se não
cometer adultério, se não se deitar com uma mulher durante o período da sua
menstruação, se for paciente com os seus devedores, não ficando com os penhores
que lhe deixaram os devedores mais pobres, se não roubar, mas antes pelo
contrário matar a fome aos que comem mal e vestir os que não têm roupa
suficiente, se fizer empréstimos sem usura e se se mantiver longe de tudo o que
é pecado, se for recto e justo quando emitir juízos sobre o seu semelhante, se
obedecer às minhas leis – então essa pessoa, que é justa, diz YAHU ULHÍM,
certamente viverá.

10-13Contudo se aquele homem tiver um filho que é ladrão ou
assassino, que não tem em consideração os seus deveres, que recusa obedecer aos
mandamentos de YAHU ULHÍM, antes presta adoração aos falsos criadores o
estatuas sobre os montes, comete adultério, oprime os pobres necessitados,
engana os seus devedores recusando devolver o que lhe entregaram como penhor de
dívida, se amar os ídolos e lhes prestar culto, se emprestar dinheiro com usura
– poderá esse indivíduo, o filho desse homem, viver? Com certeza que não! Sem
falta alguma há-de morrer por sua própria culpa.

14-18Mas se este indivíduo pecador tiver um filho que, vendo toda a maldade do pai, vier a temer YAHU ULHÍM e recusar um tal tipo de vida, se não for para os montes fazer
celebrações aos ídolos e adorá-los, se não cometer adultério, se for leal para
com os que lhe devem qualquer coisa e não os defraudar, se antes souber
alimentar os que têm fome e cobrir os que não têm com que se vestir, se der
ajuda aos pobres e não emprestar dinheiro com usura, se obedecer à minha
palavra – não será por causa do pecado do seu pai que ele irá morrer, antes com
toda a certeza viverá. No entanto o seu pai sim, esse morrerá por causa da sua
própria maldade, porque foi mau, roubou e praticou injustiças.

19-22Como? perguntam vocês. Então o filho não há-de pagar pela maldade do pai? Não! Porque se fizer o que é recto e guardar os meus mandamentos, com toda a certeza que
há-de viver. Aquele que pecar, esse morrerá. O filho não será castigado em
consequência da iniquidade dos pais, nem os pais por causa do pecado dos
filhos. A pessoa que for recta terá a recompensa da sua rectidão, tal como o
pecador terá a paga da sua própria maldade. Mas se um pecador se arrepender do
seu pecado e começar a cumprir as minhas leis, fazendo o que for justo,
certamente que viverá; não morrerá. Todo o seu passado de pecado será
esquecido, e terá vida em consequência da sua rectidão.

23-24Vocês julgam que eu tenho prazer em que o pecador morra? pergunta YAHU ULHÍM. Com certeza que não! Aquilo que eu pretendo é unicamente que ele abandone os seus caminhos de maldade e que viva. E então, se uma pessoa justa começar a pecar e agir tal como um outro pecador qualquer, ser-lhe-á conservada a vida? Não, certamente. Toda a sua anterior retidão é esquecida e a morte será o salário do seu
pecado.

25-28Mas vocês dizem ainda: YAHU ULHÍM não é justo! Ouçam-me, ó povo de
Yashorúl. Quem é que é justo afinal, eu ou vocês? Quando uma pessoa justa
deixar de o ser e se puser a pecar, morre pelo mal que praticou. Um pecador que
se desvia do mal e passa a guardar os meus mandamentos, praticando o que é
justo, salvará a sua alma; reconsiderou a sua vida, decidiu abandonar o pecado
e passar a viver uma vida justa. Sem dúvida que há-de viver e não morrer.


29-30Mas o povo de Yashorúl continua a dizer que YAHU ULHÍM não é justo! Ó povo
de Yashorúl, vocês é que são injustos, não eu. Julgarei cada um de vocês, ó
povo de Yashorúl, castigarei ou recompensarei cada um conforme as suas acções.
Oh, convertam-se dos vossos pecados enquanto é tempo!

31-32Lancem-nos para bem
longe, e recebam um novo coração e um novo espírito. Porque é que haviam de morrer,
ó povo de Yashorúl? Não tenho alegria nenhuma em que vocês morram, diz YAHU
ULHÍM. Convertam-se, convertam-se e vivam!

 

KOZOQIUL 19

 

Lamentação pelos chefes de Yashorúl

 

1Dirige esta lamentação aos chefes de Yashorúl:


2-4Que tipo de mulher foi a vossa mãe? Foi como uma leoa! Os seus filhos eram
como leõzinhos! Um desses cachorrinhos tornou-se um forte leão, aprendeu a
lançar-se sobre a presa, fez-se um devorador de gente. Então as nações fizeram
apelo a caçadores, que o apanharam e o fizeram cair numa cova armadilhada,
trazendo-o depois em cadeias para o Egito.

5-6Quando Yashorúl, a mãe do leão, se deu conta de que todas as esperanças que tinha posto nele se esfumavam, pegou noutro dos seus cachorrinhos e ensinou-o a ser um verdadeiro rei de feras. Tornou-se assim num chefe entre os leões, aprendeu a capturar as presas, e também ele ficou sendo um autêntico devorador de gente.

7-9Demoliu os grandes palácios das nações circunvizinhas, arruinou-lhes as cidades, desolou-lhes as plantações, devastou searas. Não havia ninguém que não tremesse de terror ao ouvi-lo rugir. Foi então que os exércitos desses povos à volta o cercaram, lhe
armaram uma cilada e o apanharam numa cova. Fizeram-no entrar numa jaula e
levaram-no à presença do rei de Babilónia. Assim, no cativeiro, a sua voz nunca
mais ecoaria através das montanhas de Yashorúl.

10-11A vossa mãe foi também como uma videira à beira dum rego de água; a sua rama aumentou, deu abundante fruto, por causa de toda aquela água. O ramo mais desenvolvido dessa videira tornou-se num cetro de governante, forte e temível, elevando-se distintamente acima dos outros, visível à distância.

12-14No entanto essa videira foi arrancada com fúria e lançada por terra. Seus ramos foram quebrados e secaram com a ajuda dum forte vento oriental. O fruto foi todo queimado com fogo. Essa videira agora está plantada num deserto, numa terra árida, seca. É mesmo de dentro que a secura lhe vem; não há um só ramo que consiga vingar cumprimento desta triste profecia já começou e vai com toda a certeza continuar.

 

KOZOQIUL 20

 

Yashorúl é rebelde

 

1Aconteceu no dia catorze de Agosto no sétimo ano do nosso exílio que alguns anciãos de Yashorúl vieram ter comigo, pedindo-me instruções de YAHU UL; e sentaram-se diante de mim à espera de resposta.

Revisão em data

2Então YAHU ULHÍM transmitiu-me esta mensagem:

3Homem mortal, diz aos
anciãos de Yashorúl: Assim diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Como ousam vocês
vir consultar-me? Garanto-vos que não direi nada daquilo que esperam.


4-6Julga-os tu, homem mortal; condena-os. Lembra-lhes todos os pecados desta
nação, desde o tempo dos seus pais até agora. Diz-lhes estas palavras de YAHU
ULHÍM Criador Eterno: Quando escolhi Yashorúl e me revelei à nação, no Egito,
jurei-lhes, ao povo e aos seus descendentes, que os tiraria dali e os levaria
para uma terra que preparara especialmente para eles – uma esplêndida terra
onde jorram o leite e o mel, uma terra óptima entre todas as outras.


7-8Disse-lhes: Desfaçam-se de toda a espécie de ídolos; não se contaminem com
os falsos criadores o estatuas do Egito, porque sou eu YAHU ULHÍM vosso Criador
Eterno. Mas eles rebelaram-se contra mim, não quiseram ouvir-me. Não
abandonaram os ídolos nem puseram de parte os falsos criadores o estatuas do Egito.
Pensei derramar sobre eles a minha ira e fazê-los sentir a minha cólera mesmo
ainda enquanto estavam no Egito.

9-12No entanto não o fiz, porque preferi
preservar a honra do meunome, visto que os egípcios haveriam de se rir, dizendo
que YAHU ULHÍM de Yashorúl não tinha sido capaz de os preservar do mal. Foi
assim que acabei por tirar de lá o meu povo, mesmo na cara dos egípcios,
levando-os para o deserto. Dei-lhes as minhas leis, com as quais, cumprindo-as,
poderiam viver. Dei-lhes igualmente o Shábbos – um dia de descanso em cada sete
– como sinal da relação que estabelecia entre eles e eu, para que se lembrassem
de que sou eu, YAHU ULHÍM, quem os santifica, e de que eles são o meu povo.


13Apesar disso Yashorúl tornou a virar-me as costas. Ali, no deserto,
rejeitaram os meus mandamentos; não quiseram guardá-los, ainda que tal
significasse para eles a vida. Desrespeitaram os meus Shábbos. Por isso pensei
derramar sobre eles a minha cólera e consumi-los totalmente ali mesmo no
deserto.

14-16Mas novamente me detive, para manter a honra do meu Shúam (Nome),
pois não queria que os povos, que me viram trazê-los para fora do Egito,
dissessem que foi por não poder cuidar deles que os destruía. Jurei-lhes no
entanto que não os levaria para a terra que lhes prometera, essa rica terra
onde jorravam o leite e o mel, o melhor lugar da terra, porque se tinham rido
das minhas leis, ignorando a minha vontade, abusando dos meus Shábbos; e os
seus corações continuavam a correr atrás dos ídolos!

17Portanto poupei-os; não acabei com eles ali no deserto.

18-20Dirigi-me depois aos seus filhos: Não
sigam as pisadas dos vossos pais. Não se contaminem com os ídolos deles, porque
sou eu YAHU ULHÍM vosso Criador Eterno. Sigam as minhas leis; santifiquem os
meus Shavúos (sábados), que são um sinal da aliança estabelecida entre nós,
para vos recordar que sou eu YAHU ULHÍM vosso Criador Eterno.

21Mas também os filhos deles se revoltaram contra mim, recusaram as minhas leis – leis essas que significavam a vida para qualquer que as guardasse. E profanaram os meus Shábbos. Então disse: Agora sim, é que vou castigar-vos com toda a severidade,
aqui no deserto.

22-26O certo é que novamente desisti na minha sentença contra
eles, a fim de proteger o meu Shúam (Nome) entre as nações que tinham sido
testemunhas do meu poder ao tirá-los do Egito. Em todo o caso fiz um jura mento
solene contra eles, enquanto estavam no deserto, de que os dispersaria até aos
confins da terra por não terem obedecido às minhas leis, antes as terem
desprezado, violado os meus Shábbos e corrido atrás dos ídolos dos seus pais.
Deixei-os assim adoptarem costumes e princípios indignos; com essas coisas o
destino deles nunca poderia ser a vida! Na esperança de que arrepiassem
caminho, horrorizados com as próprias coisas que faziam, e que viessem a dar-se
conta enfim de que só Eu sou YAHU ULHÍM, permiti que se poluíssem até com os
próprios dons que eu lhes dera. Chegaram ao ponto de imolar pelo fogo os seus
próprios filhos, como sacrifícios aos seus falsos criadores o estatuas!


27-29Homem mortal, dá-lhes a conhecer que YAHU ULHÍM o Criador Eterno lhes diz
o seguinte: Os vossos pais continuaram a blasfemar de mim e a trair-me mesmo
depois de os ter trazido para a terra que lhes prometera, pois ofereceram
sacrifícios e incenso sobre todas as colinas e debaixo de toda a árvore! Suscitaram
a minha ira, oferecendo sacrifícios a esses tais falsos criadores o estatuas.
Trouxeram perfumes e incenso, e derramaram perante eles as suas ofertas de
vinho! Perguntei-lhes: Que lugar de sacrifício é esse onde vão? E a partir daí
ficou sendo chamado o Lugar do Sacrifício – é o nome por que é conhecido.

 

Juízo e restauração

30-31 YAHU ULHÍM o Criador Eterno quer saber
se vocês vão continuar a contaminar-se tal como o fizeram os vossos
antepassados, se vão continuar a adorar ídolos. Porque quando lhes trazem
ofertas e lhes oferecem em sacrifício as vossas crianças para serem reduzidas a
cinzas, tal como fazem ainda hoje, haveria eu de vos ouvir e de vos ajudar, ó Yashorúl?
Tão certo como eu viver, diz YAHU ULHÍM, que não hão-de receber qualquer outro
tipo de mensagem, quando me procurarem.

32-33Aquilo que vocês no íntimo desejam, isso não há-de acontecer, que é serem como os outros povos à vossa volta e andarem a prestar culto a falsos criadores o estatuas de madeira e de pedra. Dirigir-vos-ei com pulso de ferro, no meio de grande rigor e de grande poder

34-38Com dominação e grande severidade vos trarei das terras para onde
foram espalhados, e trazer-vos-ei ao deserto do meu tribunal. Ali vos julgarei
e me desembaraçarei dos rebeldes, tal como fiz nos primeiros tempos, também no
deserto, após vos ter tirado do Egito. Contar-vos-ei cuidadosamente e deixarei
apenas uma pequena parte regressar. Os outros, os rebeldes, que pecaram contra
mim, expurgá-los-ei do vosso meio. Hei-de tirá-los, sim, das terras em que
estiveram exilados, contudo em Yashorúl não hão-de entrar. Quando tal acontecer
vocês saberão que Eu sou YAHU ULHÍM.

39-42Ó Yashorúl, YAHU ULHÍM o Criador Eterno diz: Se resolverem insistir em adorar ídolos, continuem. Contudo mais tarde acabarão certamente por me ouvir e não mais profanarão o meu santo nome com as vossas ofertas e com os vossos ídolos. É em YAHUSHUA-oléym, no meu santo monte, diz YAHU ULHÍM, que todo Yashorúl devera adorar-me. É lá que vos aceito e vos peço que me tragam as oferendas e o melhor dos vossos dons. Vocês mesmos serão para mim como uma oferta de incenso perfumado quando vos trouxer de regresso do exílio, e os outros povos hão-de ver a grande mudança do vosso coração. Nessa altura, quando vos tiver trazido para casa, para a terra que prometera já aos vossos antepassados, saberão que Eu sou YAHU ULHÍM

43-44Então, ao considerarem o vosso passado e todos os vossos pecados, terão nojo de si mesmos por causa do mal que fizeram. Honrarei o meu Shúam (Nome), abençoando-vos a despeito da vossa maldade, ó Yashorúl, e saberão que Eu sou YAHU ULHÍM.

 

Profecia contra o sul

 

45Chegou até mim esta mensagem de YAHU UL:


46-48Homem mortal, olha em direção de YAHUSHUA-oléym e dirige estas palavras
contra ela e contra as terras arborizadas do Négev. Profetiza para ela e diz
assim: Ouve a palavra de YAHU UL. Acenderei em ti um fogo, ó floresta, que
consumirá todas as árvores, tanto as verdes como as que já estão a secar. As
chamas ardentes que se levantarem não se extinguirão e estender-se-ão a todo o
mundo. O mundo inteiro se dará conta de que fui eu, YAHU ULHÍM, que ateei esse
fogo, o qual não se apagará.

49Então eu disse: Ó YAHU ULHÍM o Criador Eterno,
eles dizem de mim que não passo de um contador de parábolas!

 

KOZOQIUL 21

 

Babilônia, a espada de YAHU UL

 

1Foi-me dada esta mensagem da parte de YAHU ULHÍM!

2-4Homem mortal, volta-te para YAHUSHUA-oléym e profetiza contra Yashorúl
e contra os Templos! Diz YAHU ULHÍM: eu sou contra ti, Yashorúl. Desembainharei
a minha espada e destruirei o teu povo, tanto os melhores como os piores; não
pouparei nem sequer os que cumprem as leis; farei uma limpeza completa, desde o
Négev até às fronteiras do norte.

5Todo o mundo saberá que Eu sou YAHU ULHÍM. A
espada está na minha mão e não voltará ao seu lugar antes de ter terminado a
sua tarefa.

6-7Suspira e geme perante o povo, homem mortal, na tua amarga
angústia; geme de pesar e com o coração partido. Quando te perguntarem a razão
disso, responde-lhes que é devido às tremendas notícias que YAHU ULHÍM te comunicou.
Quando essas coisas vierem a realizar-se, até as pessoas de ânimo mais forte se
derreterão de medo; não haverá mais força em ninguém; coragem, nem se saberá o
que é; os joelhos tremerão sem força. E YAHU ULHÍM o Criador Eterno diz: a
vossa condenação aproxima-se; os meus juízos cumprir-se-ão!

8A palavra de YAHU UL foi-me de novo dirigida:

9-13Homem mortal, diz-lhes assim: Há uma espada
que está a ser afiada e polida em vistas de uma terrível matança. Serão vocês
agora capazes de rir? Outros muito mais fortes do que vocês já pereceram
debaixo das suas cutiladas; agora, já ela está pronta para ser posta nas mãos
do algoz. Homem mortal, bate no peito em sinal de profunda consternação, porque
essa espada matará o meu povo e todos os seus chefes. Todos, por igual,
morrerão. Serão assim submetidos a uma dura prova – e que probabilidades terão
de escaparem?, pergunta YAHU ULHÍM o Criador Eterno.

14-17Profetiza para eles desta maneira: Bate palmas vigorosamente; pega numa espada e brande-a duas vezes, mesmo três, simbolizando assim o grande massacre que eles vão enfrentar! Que os seus corações se derretam de terror, porque uma espada faísca à porta de cada casa; cintila como um relâmpago; está devidamente afiada para executar a matança planeada. Ó espada, fere à direita, fere à esquerda, golpeia em todas
as direções que quiseres. Também eu baterei palmas, e satisfarei a minha 
indignação, desfazendo YAHUSHUA-oléym.

18Veio até mim a palavra de YAHU UL:


19-23Homem mortal, desenha um mapa e traça dois caminhos para o rei da
Babilónia seguir – um para YAHUSHUA-oléym e outro para Rabá, na Transjordânia.
No ponto em que essa estrada que vem da Babilónia bifurcar nas duas direções,
porás um marco com a indicação de ambos os caminhos a seguir. O rei de
Babilónia, ao chegar ali, ficará indeciso sobre se devera atacar YAHUSHUA-oléym
ou dirigir-se antes contra Rabá. Chamará os seus mágicos para que adivinhem o
melhor caminho a tomar; procurarão tirar à sorte a resposta, agitando as
flechas dentro de uma aljava; sacrificarão animais aos seus ídolos e examinarão
os fígados. Decidirão então tomar o caminho de YAHUSHUA-oléym; e chegando lá
arrombarão os portais da cidade à força de aríetes, clamando que venham todos à
matança. Levantarão baluartes e tranqueiras para conseguirem entrar por cima
das muralhas. YAHUSHUA-oléym ficará atónita com isso que considera uma traição
da parte de Babilónia. Como foi – pensarão os habitantes de YAHUSHUA-oléym –
que os adivinhos puderam ter feito semelhante engano? Babilónia é aliada de YAHUDAH- dizem – e jurou defender YAHUSHUA-oléym! Mas para o rei de Babilónia só entra em linha de conta as vezes todas em que o povo se rebelou. Por isso a atacará e
derrotará a sua população.

24-27Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: A vossa culpa
clama insistentemente contra vocês; porque o vosso pecado toda a gente o
conhece e é praticado descaradamente. Para onde quer que vão, e o que quer que
façam, tudo leva a marca do pecado. Por isso chegou agora a altura do castigo.
E tu, ó rei Tzaodoq-YAHU, ímpio chefe de Yashorúl, chegou enfim o dia de
prestar contas. Tira a tua coroa cravejada de jóias, diz-te YAHU ULHÍM o
Criador Eterno. A ordem antiga foi alterada. Agora o pobre é exaltado e o
soberbo é abatido. Derrubarei, derrubarei, sim, derrubarei o reino, e a nova
ordem que daí advirá será efectivada quando se revelar o homem a quem ele
pertence de direito e a quem será totalmente entregue.

28-31Homem mortal,
profetiza igualmente para os amonitas, pois que se riram do meu povo, quando
proferiram as suas maldições. Diz-lhes o seguinte: Contra vocês, também, está
desembainhada a minha espada reluzente. Foi afiada e polida; reluz como um
relâmpago. Os vossos mágicos e falsos profetas disseram-vos mentiras sobre
pretensas segurança e vitórias, afirmando-vos que os vossos falsos criadores o
estatuas vos protegeriam do rei de Babilónia. Assim, foram eles a causa da
vossa morte, tal como a de outra gente iníqua, pois que quando chegar o dia de
ajuste de contas serão feridos de morte. Não, a minha espada não voltará a ser
embainhada antes de se haver convosco. Destruir-vos-ei aí mesmo na vossa terra
onde nasceram. Derramarei a minha ira sobre vocês; soprarei sobre o fogo da
minha cólera. Hão-de ser entregues nas mãos de gente cruel, hábil em tudo
arruinar.

32Vocês tornar-se-ão no carburante desse fogo; o vosso sangue será
derramado na vossa própria terra, donde desaparecerá até a memória da vossa
presença. Sou eu, YAHU ULHÍM, quem disse isto.

 

KOZOQIUL 22

 

YAHUSHUA-oléym, cidade de abominações

1Veio até mim outra mensagem de YAHU UL:


2-5Homem mortal, podes aplicar a YAHUSHUA-oléym o nome de cidade sanguinária; e
denuncia publicamente as suas abominações. Cidade de assassínios, condenada e
amaldiçoada – cidade de ídolos, impura e louca – culpada tanto de assassínios
como de idolatria. Chega agora o dia da vossa condenação. Vocês atingiram o
limite da tolerância. Farei de vocês um objecto de riso e de censura da parte
de toda a gente no mundo; de perto e de longe, todos se rirão de ti, cidade de
rebeldes infames.

6-12Cada chefe de Yashorúl que vive dentro das tuas muralhas
tem sobre si uma acusação de assassínio. Pais e mães são desdenhosamente
desprezados; imigrantes e visitantes são obrigados a pagar pela proteção que
vocês lhes dão; órfãos e viúvas são exploradas. Profanam-se as coisas sagradas;
os meus Shábbos são disso um exemplo. Há gente denunciada falsamente e nessa
única base condenada à morte. Cada cimo de montanha está coberto de ídolos. Só
se vê lascívia por toda a parte. Há homens cometendo adultério com a mulher do
seu próprio pai e que se deitam com mulheres durante o período da menstruação.
O adultério com a mulher do próximo, com a nora, com a irmã de leite, isso
então é coisa comum. Há por toda a parte gente que é paga para matar, gente que
extorque e que vigariza seja quem for, para obter dinheiro. Mas em mim, e nos
meus mandamentos, ninguém mais pensa, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno.


13-16Agora chegou a altura de levantar a mão e impor uma paragem à vossa
desonestidade e aos vossos crimes. Agora se verá verdadeiramente a coragem e a
afoiteza que vocês têm, quando for o dia de prestar contas. Eu, YAHU ULHÍM,
falei, e cumprirei com tudo quanto prometi. Espalhar-vos-ei por toda a parte;
destruirei o ímpio que vive na cidade. Hão-de ser desprezados no meio das
outras nações, e saberão que Eu sou YAHU ULHÍM.

17A palavra de YAHU UL tornou a
mim nos seguintes termos:

18-22Homem mortal, o povo de Yashorúl é como a
escória, sem valor nenhum, que fica no fundo do forno quando se derrete a
prata. São como uma liga que não presta para nada, feita de estanho, latão,
ferro, chumbo. Contude YAHU ULHÍM diz: Visto que são como uma escória que não
vale nada, trazer-vos-ei para o cadinho de YAHUSHUA-oléym, para vos derreter
com o calor ardente da minha ira. Soprarei sobre o fogo da minha ira que cairá
sobre vocês, e derreter-se-ão como prata num forno ardente; dar-se-ão conta
então de que eu, YAHU ULHÍM, derramei a minha ira sobre vocês.

23A palavra de YAHU UL veio novamente a mim, dizendo:

24-29Homem mortal, diz ao povo de Yashorúl:
No dia da minha indignação vocês serão como uma terra desértica e selvagem, ou
como um deserto que nunca sabe o que é chuva. Os vossos profetas conspiraram
contra vocês como leões preparando o salto sobre a presa. Devoram almas,
apoderam-se de fortunas, extorquem tudo que é bom. Multiplicam as viúvas na
terra. Os vossos intermediários violaram as minhas leis, profanaram o meu
Templo e a minha santidade; não fazem diferença entre o que é santo e o que é
profano. As coisas de YAHU ULHÍM não passam, para eles, de vulgares tarefas
diárias. Não sabem discernir entre o bem e o mal. Desprezam os meus Shábbos; e
dessa forma o meu santo nome é profanado no meio deles. Os vossos líderes são
como lobos que arrebatam as vítimas; são capazes de destruir vidas só para
conseguirem determinados lucros. Os vossos pretensos profetas descrevem visões
que nunca tiveram e pregam falsas mensagens que afirmam ter recebido de YAHU
ULHÍM, quande YAHU ULHÍM afinal nunca lhes comunicou uma só palavra que fosse.
É como se se pusessem a reparar um muro que está a cair, caiando-o! Oprimem
mesmo os pobres e roubam os necessitados; exploram cruelmente os estrangeiros.


30-31Em vão procurei alguém que estivesse a tapar e a reconstruir o muro da
justiça, que protege a terra, que estivesse nas brechas, prevenindo-vos das
minhas justas intenções de vos destruir, mas não encontrei ninguém! Por isso
diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Derramarei a minha cólera sobre vocês;
consumir-vos-ei com o fogo da minha ira. Sobre vocês recai o inteiro castigo de
todos os vossos pecados.

 

KOZOQIUL 23

 

As duas irmãs de má conduta

 

1Veio a mim novamente a palavra de YAHU ULHIM

2-3Homem mortal, houve duas irmãs que, em novas, se tornaram prostitutas
no Egito.

4-5A mais velha chamava-se Aolá, e a outra, Aolibá. Correspondem, a
primeira a Shuamor-YAHU e a segunda a YAHUSHUA-oléym! Casei com elas e deram-me filhos e filhas. Mas depois Aolá voltou-se para falsos falsos criadores o
estatuas e deixou-me; deu o seu amor aos assírios, seus vizinhos.

6-8Eram todos eles gente atraente, jovens comandantes militares e magistrados, vestidos de um vistoso azul, pavoneando-se nos seus cavalos. E assim ela pecou com eles, que eram todos a fina flor da Assíria – adorou os ídolos deles, depravou-se
inteiramente. Porque quando deixou o Egito, não abandonou a sua inclinação para
a prostituição, antes se manteve tão licenciosa como em jovem, quando os
egípcios a cobriam de toda a sua lascívia e a corrompiam moralmente.

9-10Por isso a entreguei nas garras perversas dos assírios, cujos falsos criadores o
estatuas ela tanto amou. Então despiram-na, mataram-na e levaram-lhe os filhos
como escravos. O nome dela ficou conhecido por todas as mulheres da terra como
o de uma pecadora que recebeu a justa recompensa do seu pecado.

11-13Mas Aolibá, apesar de ter visto o que aconteceu à irmã, continua a viver da
mesmíssima maneira, e até pecou ainda mais do que ela. Também aliciou os seus
vizinhos assírios, os tais jovens elegantes, vestidos a primor, oficiais do
exército e magistrados, nos seus belos uniformes, tudo gente atraente. Vi então
o caminho que ela seguia, indo precisamente atrás daquilo que perdeu a irmã.


14-17Na verdade esta foi até mais impudica do que Shuamor-YAHU; chegou a ficar
apaixonada por imagens que viu pintadas nas paredes! Pinturas de oficiais do
exército babilónico, muito aprumados nos seus uniformes vermelhos, apertados
nos seus cinturões, cobertos com belos bonés militares. Quando viu aquelas
figuras não teve outra ideia senão entregar-se completamente àqueles homens; e
assim mandou mensageiros à Caldeia para os convidar a virem ter com ela. Os
homens vieram e adulteraram com ela na sua cama de amores e a contaminaram com
a sua impudicícia. Mas depois disso ela passou a odiá-los e cortou todas as
relações com eles.

18-20Assim abandonei-a tal como tinha já abandonado a irmã,
por terem andado atrás daquela gente, entregando-se às luxúrias deles. Mas
parece que isso não a aborreceu: lançou-se em prostituições ainda maiores,
pecando com homens devassos, de quem ainda se lembrava quando na sua juventude
se prostituía no Egito.

21E assim comemoraste esses dias passados em que, ainda
uma rapariga, deste a tua virgindade a essa gente do Egito.

22-26E agora YAHU ULHÍM o Criador Eterno diz que levantará contra ti, Aolibá (YAHUSHUA-oléym), essas mesmas nações de quem depois te desgostaste. Na verdade os babilónios hão-de vir, assim como todos os caldeus, de Pecode, de Soa, de Coa, e todos os filhos da Assíria com eles, mancebos atraentes de alta estirpe, montados
garbosamente nos seus cavalos. Virão contra ti do lado do norte com carros de
combate e um grande exército, completamente apetrechados para o combate.
Cercar-te-ão por todos os lados com os seus soldados, e deixarei que façam
contigo o que bem entenderem. Tens contra ti a minha indignação e tratar-te-ei
sem tolerância. Hão-de deformar-te o corpo. Os que sobreviverem dessa matança
acabarão por morrer com os outros. Os teus filhos serão cativos para escravos.
Tudo será destruído pelas chamas. Despojar-te-ão das tuas belas roupas e jóias.


27Porei enfim uma travagem à lascívia e prostituição que trouxeste do Egito;
não mais terás saudades do Egito e dos seus falsos criadores ou estátuas.


28Porque YAHU ULHÍM o Criador Eterno diz: Certamente te entregarei aos teus
inimigos, àqueles que detestaste.

29Tratar-te-ão com raiva, roubar-te-ão tudo o
que tens e ficarás sem nada e nua. As vergonhas das tuas prostituições serão do
conhecimento de todo o mundo.

30-31Tudo isto trouxeste tu própria sobre ti, por
causa de te teres posto a adorar falsos criadores o estatuas de outras nações,
corrompendo-te com todos os seus ídolos. Seguiste precisamente as pisadas da
tua irmã, por isso te castigarei com as mesmas calamidades que a destruíram.


32-35Sim, as tragédias que cairam sobre ela também desabarão sobre ti – e essa
taça que ela foi obrigada a beber era funda e estava cheia. O mundo inteiro se
rirá de ti por causa dos teus males. Cambalearás como se estivesses embriagada
sob tremendos golpes de amargura e de espanto, tal como aconteceu com tua irmã
Shuamor-YAHU. Numa profunda angústia beberás até à última gota a taça de
terror, e rasgarás os teus próprios seios. Sou eu próprio quem o anuncia. Visto
que vocês se esqueceram de mim e me voltaram as costas, por isso terão de
suportar as consequências inteiras do vosso pecado.

36-39Homem mortal, terás de acusar YAHUSHUA-oléym e Shuamor-YAHU de tudo o que de abominável praticaram. Cometeram adultérios e assassínios; adoraram ídolos e mataram os meus filhos, que elas me tinham gerado, sacrificando-os nos seus altares. Ao mesmo tempo profanaram o meu Templo e ignoraram os meus Shábbos; porque quando sacrificaram os seus filhos perante os ídolos, nessas mesmas ocasiões iam ao meu Templo para o profanarem! É esse o respeito que têm por mim!

40-43Chegaram a mandar chamar de terras distantes intermediários que viessem com os seus falsos criadores ou estátuas para lhes prestarem culto; eles vieram e foram muito bem recebidos! Para essa ocasião te preparaste com toda a atenção, desde um banho cuidadoso, passando pelos cosméticos para te realçarem o rosto e os olhos e até às finas jóias com que te adornaste. Sentaste-te numa cama luxuosa e perfumaste o
quarto, pondo do meu incenso e do meu óleo sobre uma mesa. Para quem estava do
lado de fora, ouvia-se sair do teu quarto a barulheira de grande festança –
gente licenciosa e devassa, que vinha lá do deserto, que te adornavam com os
enfeites que tinham trazido, pulseiras, lindos diademas, etc. Irão eles
prostituir-se com ela?

44-45Foram mesmo. Tomaram-nas – a Shuamor-YAHU e a YAHUSHUA-oléym,
essas prostitutas desavergonhadas – com o à-vontade dos homens devassos que
visitam qualquer mulher infame. As pessoas rectas, em toda a parte,
julgá-las-ão como aquilo que realmente são – adúlteras e assassinas. Serão
sentenciadas nos termos exactos da lei que transgrediram.

46-49Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Trarei contra elas um exército que as pilharão e esmagarão. Os seus inimigos as apedrejarão e matarão à espada; os seus filhos e filhas serão cruelmente degolados e suas habitações feitas em cinza. Será assim que hei-de
pôr um fim da toda a devassidão e idolatria desta terra. Essa minha sentença
ficará sendo uma lição para toda a gente contra tudo o que for idolatria. Serão
castigados justamente por essa grande idolatria, por esse culto desbragado aos
ídolos. Receberão o castigo, sem a menor tolerância. E saberão que só Eu sou YAHU
ULHÍM.

 

KOZOQIUL 24

 

A parábola da panela

 

1No dia quinze de Yaneiro, no nono ano do
cativeiro do rei Yacan-YAHU, veio até mim outra mensagem de YAHU UL:

2-5Homem mortal, grava a data em que nos encontramos, porque hoje o rei de Babilónia atacou YAHUSHUA-oléym. Agora expõe esta parábola a Yashorúl, esse povo rebelde; diz-lhes o que YAHU ULHÍM lhes manda comunicar: Põe uma panela com água ao fogo, a ferver. Enche-a com pedaços de carne, dos melhores, do lombo, da perna,
etc. Emprega só carne de primeira qualidade, e alimenta bem o fogo debaixo da
marmita. Deixa cozer tudo muito bem, até que a carne se desfaça mesmo.


6-8Porque diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Ai de YAHUSHUA-oléym, cidade de
assassínios, és como um tacho já corroído pela ferrugem, pelo pecado. Por isso
tira para fora a carne, pedaço a pedaço, à toa – nenhum pedaço é melhor do que
outro. A sua maldade é evidente para toda a gente – sem pejo algum ela comete assassínios, deixando à vista de toda a gente o sangue das vítimas; nem lhe interessa
minimamente fazer desaparecer os vestígios dos seus crimes. Por isso também
deixei todas essas marcas à luz do dia, para que fossem como que uma voz a
clamar por mim contra ela, reclamando vingança.

9Ai de YAHUSHUA-oléym, cidade
sanguinária. Hei-de atear ao máximo o fogo debaixo dela

10-14Amontoa bastante lenha; que o fogo esteja atiçado e a marmita bem a ferver. A carne devera ficar muito bem cozida; depois tira-a da panela e queima os ossos. Em seguida coloca a panela vazia sobre as brasas para queimar a ferrugem e a corrosão; no entanto isso de nada servirá – a ferrugem não desaparece assim, ainda que o fogo esteja
a arder na sua máxima força. É que se trata da ferrugem e da corrupção próprias
da mais suja lascívia e da adoração de ídolos. Portanto, visto que eu pretendi
purificar-vos e vocês recusaram, fiquem então conspurcados até que a minha ira
seja satisfeita, derramando sobre vocês toda a espécie de terrores! Eu, YAHU
ULHÍM, o disse e cumprir-se-á: não voltarei atrás; não pouparei ninguém, nem
desistirei dos meus intentos. Conforme o vosso comportamento, conforme os
vossos atos, assim serão julgados, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno.

 

A morte da mulher de KOZOQIUL

 

15De novo veio a mim a palavra de YAHU ULHÍM


16-17Homem mortal, vou tirar-te a tua mulher, que é o teu encanto. De repente,
morrerá. Mas não deveras mostrar pesar algum. Não chores; não deixes que te
corram as lágrimas. Poderás lamentar-te, mas só em silêncio. Não deixes que
haja gemidos à beira da sepultura. Não andes de cabeça destapada nem descalço;
não aceites ofertas de comida que os amigos te possam trazer em sinal de
simpatia.

18Disse estas palavras de manhã ao povo, e pela tarde a minha mulher
morreu. Na manhã seguinte fiz tudo como YAHU ULHÍM me disse.

19Ouvi o povo que perguntava: Mas o que é que isto tudo significa?O que pretendes tu dizer-nos com isso?

20-24Respondi-lhes assim: YAHU ULHÍM mandou-me comunicar ao povo de Yashorúl
o seguinte: Destruirei o meu belo e admirável Templo, a força da vossa nação.
Os vossos filhos e filhas na YAHUDAH serão mortos à espada. Vocês
comportar-se-ão então da mesma forma que eu. Não poderão chorar em público nem
se consolar uns aos outros, comendo alimentos que vos sejam trazidos pelos
amigos em sinal de simpatia. Não poderão andar nem descalços nem de cabeça
descoberta. Não gemerão nem chorarão. No entanto hão-de definhar de remorsos
pelos vossos pecados, chorando às escondidas por todo o mal que praticaram. KOZOQIUL é uma lição para vocês, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno. Hão-de fazer o mesmo que ele fez. E quando vier esse tempo, então saberão que Eu sou YAHU ULHÍM.


25-27Homem mortal, no dia em que eu tiver acabado de lhes tirar, em YAHUSHUA-oléym, a alegria dos seus corações, a sua razão de vida, aquilo de que tanto se
orgulhavam, e que eram as suas mulheres, os seus filhos e filhas – nesse dia um
refugiado de YAHUSHUA-oléym meter-se-á a caminho para vir até Babilónia
contar-te o que aconteceu. No dia em que chegar, far-se-á ouvir a tua voz e
conversarás com ele. Serás assim um símbolo para este povo; e saberão que Eu
sou YAHU ULHÍM.

 

KOZOQIUL 25

 

Profecia contra Amom

 

1A palavra de YAHU UL veio até mim
novamente:

2Homem mortal, vira-te na direção da terra de Amom e proetiza assim
contra eles:

3-5Visto que vocês se riram quando o meu Templo foi destruído e se
divertiram quando Yashorúl foi angustiado e YAHUDAH levado em cativeiro, por
isso permitirei que os beduínos do deserto a oriente vos ocupem a terra.
Levantarão acampamentos entre vocês. Ceifarão todas as vossas sementeiras e
ficarão com o gado todo. Farei com que a cidade de Rabá se torne um pasto para
os camelos deles, e todo o país dos amonitas numa terra nua onde apenas pastem
rebanhos de carneiros. Então dar-se-ão conta de que Eu sou YAHU ULHÍM.


6-7Porque, assim diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Visto que aplaudiram e
festejaram com barulho e com vivas a destruição do meu povo, assim também
deixarei cair pesadamente a minha mão sobre vocês, entregando-vos a muitos
outros povos para que vos destruam. Farei com que desapareçam e deixem de ser
mais uma nação, para sempre. Liquidar-vos-ei; e então hão-de saber que Eu sou YAHU
ULHÍM.

 

Profecia contra Moabe

 

8-10Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: devido
ao fato dos moabitas terem dito que YAHUDAH não vale mais do que qualquer outra
nação, por isso abrirei o flanco oriental de Moabe e farei açoitar todas
aquelas povoações fronteiriças que são o orgulho da nação – Beth-Yesimote,
Baal-Meom e até Quiriataim. E as tribos beduínas, do lado oriental do deserto,
cairão sobre elas, tal como fizeram em Amom. Também Moabe deixará de ser
contada entre as nações.

11É assim que executarei o meu julgamento sobre os
moabitas; e saberão que Eu sou YAHU ULHÍM.

 

Profecia contra Edom

 

12-14Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Como o povo de Edom pecou enormemente, vingando-se a si próprio do povo de YAHUDAH, esmagarei Edom com o meu punho fechado e açoitarei tanto o povo como o gado e rebanhos. A espada tudo destruirá, desde Temã até Dedan. E isto será feito pela mão do meu povo, Yashorúl. Serão eles que executarão o meu castigo.

 

Profecia contra os Filisteus

 

15-17Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Visto que os Filisteus atuaram contra YAHUDAH, vingando-se raivosamente por si próprios, e com um ódio desmedido, levantarei o meu punho ameaçador contra a terra dos Filisteus e castigarei duramente os quereteus e destruirei completamente todos os que estão estabelecidos ao longo da costa marítima. Executarei tremendas sentenças sobre eles, para os repreender por terem feito o que fizeram. E quando tudo isso acontecer, hão-de ver que Eu sou YAHU ULHÍM.

 

KOZOQIUL 26

 

Profecia contra Tiro

 

1Recebi mais uma mensagem de YAHU UL no
primeiro dia do mês, durante o décimo primeiro ano após o cativeiro do rei Yacan-YAHU:


2Homem mortal, Tiro regozijou-se com a queda de YAHUSHUA-oléym, dizendo assim:
Ah! Ah! Acabou enfim por ser assolada aquela que controlava todas as vias do
lucrativo comércio norte-sul, ao longo da costa marítima e ao longo do rio
Yardayán! Fiquei seu herdeiro! A sua perdição é a minha riqueza!

3-4Por consequência diz assim YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Estou contra ti, Tiro,
trarei contra ti nações, como se fossem marés vivas contra a costa.
Destruir-te-ão os muros da cidade, derrubarão as torres. Darei cabo do seu
solo; torná-la-ei numa penha descalvada!

5-6As suas terras no meio do mar
ficarão desabitadas, um lugar só para os pescadores consertarem as redes. Sou
eu quem o promete, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno. Tiro virá a ser uma presa
para muitas nações; a guerra fará desaparecer a sua grande cidade no
continente. Todos se darão conta enfim de que Eu sou YAHU ULHÍM.

7-10Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Trarei Nebuchadnezar rei de Babilónia – o rei dos outros reis do norte – com cavalaria e carros de combate e todo o seu exército
para atacar Tiro. Primeiro destruirá os seus subúrbios, depois a cidade em si,
através de um cerco apertadíssimo e de uma barreira de escudos sobre ela. Força
as muralhas com uma bateria de aríetes que as demolirão. As casas estremecerão
todas com o galope dos cavalos irrompendo pela cidade e com o estrépito dos
carros atravessando as ruas e os cascos dos cavalos levantando nuvens de pó


11Todas as vias públicas estarão ocupadas com soldados, que degolarão os
habitantes e demolirão os teus famosos e enormes pilares.

12-15Saquearão todas as riquezas, ricas mercadorias; arrasarão belas construções. Lindas vivendas ficarão em pó, atirarão todo esse entulho para o mar. Farei com que não se ouça mais o eco de músicas e de canções. Não serás mais do que uma rocha nua, árida; um lugar só para a gente do mar pôr as redes a secar. Nunca mais te
reedificarão. Fui eu YAHU ULHÍM quem o disse. É a minha palavra. Toda aquela
região estremecerá com o fragor da tua queda. Os gritos dos feridos andarão
pelos ares, à medida que a matança for avançando.

16-18E todos os governadores dos portos deixarão os seus palácios, despirão os fATOS principescos, tirarão as insígnias de autoridade, sentar-se-ão no chão, tremendo com aquilo que assistem; e comporão uma lamentação com os seguintes dizeres: Ó poderosa cidade marítima, como teu poder naval que aterrorizou todos quantos vivem no interior, como foi que desapareceste do mar? Até as terras do outro lado do mar
estremeceram no dia da tua queda! Ficaram estarrecidas ao receberem tal
notícia.

19-21Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Tiro será arrasada. Ficarás
submersa sob as tremendas vagas de ataque do inimigo. O mar te engolirá.
Far-te-ei descer ao profundo do inferno, para aí ficares com os outros que já
lá estão há muito tempo. A tua cidade jazerá em ruínas, morta, como os corpos
daqueles que foram enterrados e que, desde há muito, já penetraram no âmago do
mundo da morte. Nunca mais serás habitada nem te revestirão de beleza aqui, na
terra dos vivos. Dar-te-ei um fim horroroso; nunca mais te reencontrarão, diz YAHU
ULHÍM.

 

KOZOQIUL 27

 

Lamentação sobre Tiro

 

1Veio a mim a palavra de YAHU UL:

2Homem mortal, dirige esta lamentação, em voz alta, a Tiro.

3-7Ó poderoso porto do mar, centro mundial de comércio, eis o que YAHU ULHÍM o Criador Eterno te diz: Clamas a toda a gente – Sou a mais bela cidade do mundo! Na verdade estendeste os teus limites para além do mar. Os teus arquitectos fizeram de ti uma glória. És como aqueles belos barcos da mais escolhida faia de Senir. Trouxeram um cedro do Lebanon para o teu mastro; teus remos são de carvalho de Basã, os
compartimentos no interior são de cipreste da costa do sul de Cyprus; as velas
são do mais fino linho do Egito; as cobertas, no convés, eram esplendorosamente
tingidas de escarlate e de púrpura de Cyprus oriental.

8-9Os teus marinheiros vêm de Sidom e de Arvade; os pilotos são todos gente muito competente de Zemer; hábeis e velhos carpinteiros de Gebal encarregavam-se das reparações. Marinheiros, barcos e gentes de toda a terra viam-se no teu porto, com
mercadorias para negociar contigo.

10-11O teu exército incluía homens da Pérsia, de Lídia e de Pute; era para ti uma honra teres os seus escudos e capacetes pendurados nas tuas paredes. As sentinelas, por seu lado, escolhia-as entre a gente de Arvade e de Heleque; e nas torres, os vigias eram de Gamade. Lá estão os seus escudos, alinhados e pendurados nas paredes, para dar mais
brilho à tua glória.

12-14Vinham de Tarsis toda a espécie de mercadorias para
serem transacionadas nos teus mercados – prata, ferro, estanho e chumbo.
Negociantes de Yavã, de Tubal e de Meseque traziam escravos, e também vasos de
bronze; enquanto que de Togarma vinham às tuas feiras com cavalos, e com
machos.

15-20Também de Rodes vinham mercadores. E havia muitas cidades
costeiras em que tinhas monopólio absoluto do comércio, e que pagavamcom ébano
e marfim. A Syria enviava mercadores para negociarem as tuas mercadorias.
Traziam, para te vender, esmeraldas e tinta de púrpura, bordados, linho fino,
joalharia de coral e de ágata. YAHUDAH, e a terra onde era antes o reino de Yashorúl,
enviavam comerciantes com trigo de Minite, e também com mel, azeite e bálsamo.
Vinha também Damasco com vinho de Helbom e com branca lã síria, trocando isso
com a rica variedade de artigos que expunhas. Dayán e Yavã traziam fio árabe,
ferro forjado, canela e cana-de-açúcar, enquanto Dedan exibia caríssimos panos
para selas.

21-25Os árabes e os ricos príncipes mercadores de Quedar
trouxeram-te cordeiros, carneiros, bodes. Os negociantes de Sheba e de Roéma
vinham com toda a espécie de especiarias, com joalharia e ouro. Gente de Harán,
de Cané, Éden, Sheba, Assur e Quilmade eram marchantes nas tuas feiras.
Negociavam contigo toda a sorte de artigos – tecidos de azul, bordados,
carpetes de cores preciosas, tudo muito bem embalado em baús de madeira de
cedro, seguramente amarrados com cordas. Os navios de Tarsis eram as tuas
caravanas; tinhas armazéns, para além do mar, cheios até ao tecto!

26-27Mas os teus governantes levaram o barco do governo para dentro dum furacão. O vosso poderoso navio anda à deriva, empurrado pelos fortes ventos orientais;
naufragaste no coração dos mares! Tudo se perdeu – tesouros, riquezas,
marinheiros e pilotos, construtores navais, mercadores, militares, e todo o
povo – tudo se afundou no mar no dia da vossa vasta ruína.

28-31As povoações mais próximas estremeceram ao ouvirem os teus pilotos gritando de terror. Os teus marinheiros que andavam fora, em viagem no mar, ao chegarem a terra,
choraram amargamente e atiraram pó sobre a cabeça, em sinal de desespero, e
revolveram-se nas cinzas. Raparam as cabeças, em sinal de luto, e vestiram-se
com uma saca, chorando em voz alta e com coração partido.

32-36Isto é o que eles dizem ao lamentarem-se: Onde é que no mundo houve jamais uma cidade tão portentosa como esta cidade de Tiro, reduzida ao silêncio da morte, no meio dos mares? As tuas mercadorias davam satisfação às necessidades de muitas nações. Reis, nas extremidades da terra, se alegravam com as coisas que lhes mandavas. Agora aí está jazendo morta no fundo do abismo. Todas as tuas mercadorias e toda a tua população pereceu contigo. Todos os habitantes das terras ao longo
das costas ficam a meditar no que te aconteceu, ainda meio incrédulos. Os seus
reis estão horripilados e desfiguram o rosto, com a apreensão. Os homens de
negócio das nações abanam a cabeça, constatando que tiveste um destino
desgraçado e que nunca, nunca mais tornarás a ser o que foste!

 

KOZOQIUL 28

 

Profecia contra o rei de Tiro

 

1Eis aqui outra mensagem que me foi dada da
parte de YAHU UL:

2-5Homem mortal, diz ao governador de Tiro: Assim diz YAHU
ULHÍM. És tão orgulhoso que pensas que és YAHU ULHÍM, e que te sentas no trono
de YAHU ULHÍM, no meio dos mares. Mas não passas de ser um mero ser humano; não
és nenhum idolo; de nada te vale andares a pretender seres como YAHU ULHÍM.
Julgas-te mais sábio do que DAYANUL, e que não há segredo que não saibas. Na
verdade soubeste usar a tua sabedoria e o teu entendimento para obteres grandes
fortunas em ouro, prata e muitos outros tesouros. Sim, a tua sabedoria
tornou-te tão rico como orgulhoso.

6-10Por isso te diz YAHU ULHÍM o Criador
Eterno: Visto que andas a pretender ser tão sábio como YAHU ULHÍM, um exército
inimigo, terror das nações, repentinamente sacará das suas espadas contra a tua
maravilhosa sabedoria e manchará o teu esplendor! Levar-te-ão ao poço do
inferno e morrerás como alguém ferido por golpes mortais, aí na tua ilha no
meio dos oceanos. Sendo assim, continuarás tu a gabar-te que és um idolo? Pelo
menos para esses invasores não és tido por um idolo, não; eles sabem que não
passas de um simples homem! Morrerás como um fora-da-lei qualquer, às mãos dos
estrangeiros. Sou eu, YAHU ULHÍM o Criador Eterno, quem diz isto.

11Recebi ainda mais esta mensagem da parte de YAHU UL:

12-14Homem mortal, chora pelo rei
de Tiro. Diz-lhe estas palavras da parte de YAHU ULHÍM Criador Eterno: Eras a
perfeição em sabedoria e em beleza. Moravas no Éden, o jardim de YAHU ULHÍM;
cobrias-te de toda a espécie de pedras preciosas – rubis, topázios, diamantes,
turquezas, ónix, jaspes, safiras, carbúnculos, esmeraldas – e ainda te cobrias
de ouro. Tudo te foi dado quando foste criado. Nomeei-te querubim com a missão
de proteger. Tinhas acesso ao monte santo de YAHU ULHÍM. Deslocavas-te por
entre pedras reluzentes como fogo.

15-19Eras perfeito em tudo o que fazias,
desde o dia em que foste criado até à altura em que foi encontrado o mal em ti.
A tua grande riqueza encheu-te o interior de violência, e pecaste. Por isso te
expulsei da montanha de YAHU ULHÍM, como qualquer pecador comum. Destruí-te, ó
querubim protetor; tirei-te fora das pedras de fogo. O teu coração estava
cheio de orgulho por causa da tua beleza; deixaste que a tua sabedoria se
corrompesse com o esplendor que tinhas. Em razão disso te lancei e te expus à
curiosidade dos reis. Sujaste a tua santidade com a luxúria e a ganância; então
fiz sair fogo das tuas acções que te comsumiu a ti próprio e te reduziu a
cinzas, à vista de toda a gente. Todos os que te conhecem estão espantados
perante aquilo em que te tornaste. És uma ilustração do que pode ser o terror.
És destruído para sempre.

 

Profecia contra Sidom

 

20Então recebi outra mensagem da parte de YAHU
ULHÍM:

21Homem mortal, volta-te na direção da cidade de Sidom, e profetiza
contra ela. Diz-lhes assim:

22-24Esta é a palavra de YAHU UL o Criador Eterno:
Sou teu inimigo, ó Sidom, e revelarei o meu poder sobre ti. Quando te destruir
e der a conhecer o que é a minha santidade, ao castigar-te, todos os que
assistirem a isso dar-se-ão conta de que Eu sou YAHU ULHÍM. Enviarei contra ti
a peste, mais um exército para te destruir; os feridos serão liquidados pelas
tropas inimigas, no meio das ruas, por toda a parte. Nessa altura reconhecerás
que Eu sou YAHU ULHÍM. Yashorúl nunca mais te considerará a ti e aos seus
outros vizinhos como se fossem espinheiros e silvas, constantemente a picá-lo e
a arranhá-lo; pois logo desde o princípio o desprezaram e o maltrataram.

25-26O povo de Yashorúl poderá de novo viver na sua própria terra, a terra que dei ao
seu pai YAHUCAF; hei-de tornar a juntá-los das terras para onde os espalhei e
as nações de todo o mundo verão a minha santidade efectivada entre o meu povo.
Este viverá seguro no seu país, construirá os seus lares, plantará as suas
vinhas. Quando enfim eu castigar as nações vizinhas que tanto a desprezaram,
então elas verificarão que eu sou realmente YAHU ULHÍM, seu Criador Eterno.

 

KOZOQIUL 29

 

Profecia contra o Egito

 

1No dia sete de Yaneiro, do décimo ano da
prisão do rei Yacan-YAHU, veio até mim a mensagem de YAHU UL:

2-5Homem mortal, vira-te para o Egito e profetiza contra o seu rei Faraóh e contra todo o seu povo. Comunica-lhes o que YAHU ULHÍM o Criador Eterno diz: Sou teu inimigo,
Faraóh, rei do Egito – poderoso dragão, que te estendes no meio dos teus rios.
Disseste, ‘É meu, o Nilo! Criei-o para mim próprio!’; por isso te porei anzóis
no nariz e tirar-te-ei para fora da terra, com peixes colados às tuas escamas.
Deixar-te-ei morrer no deserto não só a ti mas também a todo o teu peixe, sem
mesmo serem enterrados; servirás de alimento aos animais selvagens e aos
pássaros.

6-7A tua força, com que Yashorúl contava, falhou; então todos vocês
saberão que Eu sou YAHU ULHÍM. Yashorúl apoiou-se em ti, mas como se fosses um
bordão já rachado, ao pegar-te com a mão, acabaste por partir, rasgaste-lhe o
ombro e deixaste-o incapaz de se mexer

8Por isso te diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Trarei um exército contra ti, ó Egito, que destruirá tanto as pessoas como os animais.

9A terra do Egito há-de tornar-se numa região desolada, e os
seus habitantes dar-se-ão conta de que sou eu, YAHU ULHÍM, quem fez tal coisa.


10-12Viste que dizes: O Nilo é meu! Fui eu quem o fiz!, por isso sou contra ti
e contra o teu rio; arrasarei completamente a tua terra, desde Migdol até
Assuão é e até aos confins da Etiópia. Durante quarenta anos não passará
vivalma por lá, seja gente, sejam animais. Ninguém viverá ali. Farei do Egito
uma desolação, rodeada de nações desoladas, e as suas cidades manter-se-ão em
ruínas durante quarenta anos. Mandarei os egípcios exilados para outras terras.


13-15No entant YAHU ULHÍM o Criador Eterno diz que, passado esse tempo, tornará
a trazer os egípcios de regresso das nações para onde foram banidos. Restaurarei
as riquezas do Egito e farei com que regressem à terra de Patros, no sul do Egito,
à sua terra natal; contudo não passará dum país de menor importância, sem
projecção. Ficará sendo apenas mais uma nação subdesenvolvida; nunca mais se
levantará acima das outras, jamais atingirá a importância que tinha antes.

16Yashorúl nunca mais esperará que lhes venha ajuda da parte do Egito. Sempre que pensar em tal coisa logo se lembrará do pecado que cometeu antes, ao confiar em tal
auxílio. Yashorúl saberá então que só Eu sou YAHU ULHÍM soberano.

17No ano 27 do cativeiro do rei Yacan-YAHU, no dia vinte e seis de Abril, veio até mim esta mensagem da parte de YAHU UL:

Rever data

18-20Homem mortal, o exército do rei Nebuchadnezar de Babilónia combateu duramente contra Tiro. As cabeças dos soldados tornaram-se calvas ; os ombros esfolaram-se-lhes e empolaram. E Nebuchadnezar não recebeu por isso nenhuma compensação nem pôde pagar ao exército por todo esse trabalho. Por isso, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno, lhe será dada a terra do Egito. O rei Nebuchadnezar levará consigo todas as riquezas egípcias como compensação, pois que tem trabalhado para mim durante estes treze anos em Tiro, diz YAHU ULHÍM.

21E virá o dia em que restaurarei a glória de Yashorúl e em que ele será respeitado. Ao mesmo tempo o Egito saberá que Eu sou YAHU ULHÍM.

 

KOZOQIUL 30 

Lamentação sobre o Egito

 

1Eis aqui outra mensagem de YAHU UL:


2-5Homem mortal, profetiza assim: Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Chora,
porque aquele terrível dia está quase a chegar, o dia de YAHU UL, dia de
obscuridade, carregado de nuvens, dia de desespero para muitas nações! Uma
espada cairá sobre o Egito. Os mortos cobrirão o chão. Levarão para longe as
riquezas dessa nação; os seus fundamentos serão destruídos. A terra de Cuche
será devastada. Porque Cuche, Pute, Lude, a Arábia e a Líbia, assim como todas
as terras que se coligaram com eles, perecerão nessa guerra.

6-9Diz YAHU ULHÍM: Todos os aliados do Egito perecerão, e terminará a soberba da sua força. De Migdol até Assuão, todos serão mortos pela guerra. Tornar-se-ão desoladas,
rodeadas de outras tantas nações desoladas, com as suas cidades em ruínas,
rodeadas de outras tantas cidades feitas em escombros. E reconhecerão que Eu
sou YAHU ULHÍM, quando tiver posto o Egito a ferro e fogo; e não só o Egito mas
até os seus aliados. Por esse tempo enviarei velozes mensageiros que levarão o
pânico aos etíopes; grande terror cairá sobre eles, nesse tempo de condenação
para o Egito. Tudo isso acontecerá realmente.

10-13Assim diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Nebuchadnezar rei de Babilónia destruirá as multidões do Egito. Tanto ele como os seus exércitos – o terror das nações – serão mandados para destruírem a terra. Combaterão e juncarão o solo de mortos. Farei secar o Nilo e venderei a terra a gente má. Destruirei o Egito e tudo o que nele existe; e serão estrangeiros quem o fará. Sou eu, YAHU ULHÍM, quem garante isso.
Esmagarei os ídolos do Egito e as imagens de Menfis; deixará de haver um rei no
Egito – será a anarquia absoluta, o desgoverno total!

14As cidades de Patros, de Zoã e de Tebes serão assoladas, incendiadas pela minha mão.

15-19Derramarei a minha fúria sobre Pelusium, a fortaleza mais inexpugnável do Egito, e exterminarei o povo de Tebes. Sim, atearei fogo ao Egito; Pelusium será torturada
pela dor; Tebes será dilacerada; Menfis andará quotidianamente em terror. Os
moços de Heliópolis e de Bubastis morrerão na guerra e as mulheres, levá-las-ão
como escravas. Quando eu vier para quebrar o poder do Egito, esse será um dia
negro para Tafnes também; uma escura nuvem a cobrirá; as suas filhas serão
levadas cativas. Será dessa forma que hei-de castigar exemplarmente o Egito – e
saberão que Eu sou YAHU ULHÍM.

20Um ano mais tarde, no dia vinte e nove de
Abril, do décimo primeiro ano do cativeiro do rei Yacan-YAHU, recebi esta
mensagem:

21Homem mortal, eu quebrei o braço do Faraóh, o rei do Egito, e não o
puseram em gesso, não lhe ataram ligaduras para o curar, para que pudesse
novamente pegar em armas.

22-26Porque YAHU ULHÍM o Criador Eterno diz: Eu sou
contra o Faraóh, o rei do Egito, e partir-lhe-ei ambos os braços, tanto o que
ainda estava são, como o que já antes fora quebrado, e a arma que segurava
cair-lhe-á no chão. Os egípcios serão deportados para muitas terras. Reforçarei
os braços do rei de Babilónia, e colocar-lhe-ei a minha espada nas mãos. Os
braços do rei do Egito ficarão, pois, inertes, e ele gemerá na presença do rei
de Babilónia como alguém que foi ferido de morte. Fortalecerei as mãos do rei
de Babilónia, enquanto os braços de Faraóh lhe penderão inúteis ao longo do
corpo. Sim, quando colocar a minha espada nas mãos do rei de Babilónia, e ele a
fustigar sobre o Egito, este dar-se-á conta de que Eu sou YAHU ULHÍM.
Espalharei os egípcios entre as nações; e então saberão que Eu sou YAHU ULHÍM.

 

KOZOQIUL 31

 

O cedro do Lebanon

 

1No dia vinte e um de Junho, do décimo
primeiro ano do cativeiro do rei Yacan-YAHU, recebi esta palavra de YAHU UL:


2-3Homem mortal, diz o seguinte a Faráo, rei do Egito, e a todo o seu povo:
Vocês são como a Assíria era – uma grande e poderosa nação – semelhante a um
cedro do Lebanon, cheio de grossos ramos e de frondosas ramagens, com o seu
cimo a chegar às nuvens.

4-9As suas raízes penetraram profundamente na terra
húmida. Desenvolveu-se luxuriantemente; havia água para ela e ainda para as
outras árvores à sua volta. Elevou-se acima de todas as outras. Prosperou e
desenvolveu em si esplêndidos ramos, por causa da fertilidade do terreno em que
penetravam as raízes. As aves fizeram os ninhos nas suas ramagens, e foi à sua
fresca sombra que muitos animais do campo tiveram as crias. Aliás todas as
grandes nações da terra viveram à sua sombra, por assim dizer. Tornou-se assim
forte e admirável, por causa das águas que as raízes conseguiram ir buscar no
fundo da terra. Era mais alta do que todas as árvores do jardim de YAHU ULHÍM;
não havia cipreste que tivesse ramos como os seus; não havia ramagem que se lhe
comparasse, nem nada a igualava em beleza. Devido a toda aquela magnificência
que lhe dei, tornou-se alvo de inveja de todas as árvores do Éden.

10-13Mas o Egito fez-se orgulhoso e arrogante, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno. Por isso, devido a ter-se posto tão acima das outras, chegando até às nuvens, entregá-lo-ei nas mãos de uma tremenda nação que a destruirá, tal como merece a sua maldade. Eu
próprio derrubarei. Um exército estrangeiro – o terror das nações –
invadir-lhe-á a terra, derrubá-la-á e abandoná-la-á tombada no chão. Os seus
ramos serão cortados e lançados através das montanhas, dos vales e dos ribeiros
da terra. Todos os que se abrigavam à sua sombra ir-se-ão embora, não lhe
ligando mais importância alguma. Os pássaros arrancar-lhe-ão os rebentos
verdes; só os animais selvagens procurarão ainda abrigo no que lhe resta de
ramos secos.-

14Que nenhum povo exulte de orgulho com a sua prosperidade, ainda
que se tenha elevado acima das nuvens, porque todos estão condenados e descerão
até ao inferno, na companhia de gente orgulhosa deste mundo.

15-17Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Quando ele caiu fiz os oceanos vestirem-se de luto por ele, e refreei as suas correntes. Também o Lebanon se pôs de luto e as suas
árvores choraram. Fiz as nações tremerem de medo ao ouvirem a notícia da sua
queda; pois que o mandei para o inferno, mais todos os que eram iguais a ele. E
todas as outras orgulhosas árvores do Éden, das melhores e das mais
seleccionadas que havia no Lebanon, cujas raízes iam buscar bem fundo a água,
ficam satisfeitas por vê-las também lá no inferno com elas. Também os seus
aliados foram todos destruídos e pereceram com ele. Desceram juntamente ao
mundo do inferno – eram aqueles povos que tinham vivido à sua sombra.

18Ó Egito, és glorioso e magnificente entre as outras árvores do jardim de YAHU ULHÍM – as outras nações do mundo. Serás abatido até ao inferno, com todas essas nações;
nações essas que aliás tu desprezaste, e que destruíste pela guerra. É este o
destino de Faraóh e das multidões que constituem o seu povo, diz YAHU ULHÍM.

 

 

KOZOQIUL 32

 

Lamentação sobre Faraóh

 

1No dia 3 de Março, no décimo segundo ano do
cativeiro do rei Yacan-YAHU, veio a mim esta palavra de YAHU UL.

(Sob Revisão)

2Homem mortal, chora por Faraóh, o rei do Egito, e diz-lhe assim: Pensas que és tão forte como um leão novo, no meio das gentes, mas não passas de um mero crocodilo
arrastando-se nos bancos de areia do Nilo, fazendo borbulhar a água e remexendo
com o lodo.

3-4Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: mandarei um grande exército
para te apanhar com a minha rede. Arrastar-te-ei, e ficarás abandonado no chão,
até morreres. As aves dos shua-ólmaYa voarão para ti e os animais selvagens de
toda a terra devorar-te-ão até estarem fartos e cheios.

5-8Cobrirei as colinas com a tua carne, atulharei os vales com os teus ossos. Ensoparei a terra com o teu sangue ainda a jorrar; as ravinas mais profundas encher-se-ão até chegar ao cimo das montanhas. Desaparecerás totalmente. Cobrirei os shua-ólmaYa,
escurecerei as ‘cocavím’ (est-elas). O sol deixar-se-á de ver, escondido por
uma espessa nuvem, e a lua não mais brilhará. É verdade – em toda a terra não
haverá senão escuridão; nem as ‘cocavím’ (est-elas) no firmamente terão luz.


9-10Quando te destruir, haverá uma sensação de abatimento no coração de muitos
povos distantes que tu nunca viste. Sim, muitas terras serão sacudidas pelo
terror; muitos governantes ficarão tremendamente aflitos devido ao que te fiz.
Estremecerão de pânico quando brandir a minha espada perante eles. Tremerão
pelas suas vidas no dia da tua queda.

11-16Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Virá sobre vocês a espada do rei da Babilónia. Destruir-te-ei com o seu poderoso exército, que é o terror das nações, e que esmigalhará o orgulho do Egito e todo o seu povo – todos perecerão. Liquidarei todos os teus rebanhos e todo o teu gado que pasta junto aos ribeiros; nem os homens nem os animais remexerão jamais com essas águas. Por isso as torrentes do Egito passarão a permanecer claras e fluentes como o azeite que se escoa aveludadamente, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno. E quando eu destruir o Egito e varrer da sua terra tudo o que
lá existe, então ele saberá que fui eu, YAHU ULHÍM, quem fez tal coisa. Sim,
chorem por causa das angústias do Egito. Que todas as nações derramem lágrimas
por ele e pelo seu povo, diz YAHU ULHÍM.

17Duas semanas mais tarde, recebi outra mensagem de YAHU UL. Diz ele:

18-21Homem mortal, chora pelo povo do Egito,
e também pelas outras poderosas nações. Serão mandadas para o mundo inferior,
para junto dos residentes no inferno. Diz-lhes: Serás mais favorecido tu, ó Egito,
do que os outros? Desce lá para o fundo; lá ficarás com os que desprezam YAHU
ULHÍM. Os egípcios morrerão com as multidões que foram trespassadas pela
espada, porque uma espada está voltada na direção do Egito, e executará o
juízo. Os poderosos guerreiros no mundo do inferno o receberão, quando lá
descer na companhia dos seus amigos, para lá ficar junto das nações que tanto
desprezou; todos serão vítimas da espada.

22-23Os príncipes da Assíria jazem por lá, rodeados pelos túmulos de todo o seu povo, daqueles que foram mortos na guerra. Os seus cadáveres foram parar ao mais fundo do inferno, juntamente com os dos seus aliados. Toda essa gente poderosa, que anteriormente lançara o terror em imensos corações, foi morta às mãos dos adversários.

24-25Lá estão os grandes reis do Olao com o seu povo. Oprimiram nações enquanto viveram; e agora ali estão no fundo do inferno. Tiveram o destino de todos os pagãos.
Encontraram repouso, sim, mas foi no meio dos mortos, no meio dos sepúlcros da
sua gente. É verdade, sim, aterrorizaram nações enquanto viviam, e agora foram
parar vergonhosamente à cova, mortos na guerra.

26-28Lá estão os governantes de Meseque e de Tubal, no meio das campas dos seus exércitos inteiros – todos eles idólatras – que antes tinham feito derreter de medo o coração de imensa gente; agora ali estão, jazendo mortos. Enterraram-nos como gente comum, e não como grandes chefees, a quem se fazem pomposos funerais, e se lhes colocam as armas na campa: a espada debaixo do corpo e o escudo a cobri-lo. Foram o terror das gentes, enquanto viveram. Agora, serás despedaçado e esmagado no meio dos idólatras, mortos pela espada da guerra.

29-30Ali está Edom com os seus governantes e altos magistrados; poderosos como eram, eles aí estão agora por entre toda essa gente abatida em combate, por entre os idólatras que desceram à cova. Os príncipes do norte ali estão, mais os sidónios, todos trespassados pela espada. Antes, eram o terror de todos, agora estão cobertos de vergonha; elevam a sua ignomínia para a cova, juntamente com os que foram mortos.


31-32Quando o Faraóh chegar consolar-se-á com o fato de não ter sido o único a
ver o seu exército desfeito, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno. Porque YAHU ULHÍM
mandou o seu terror sobre todos os viventes. Faraóh e os seus exércitos jazerão
igualmente por entre os idólatras que a guerra liquidou, declara YAHU ULHÍM o
Criador Eterno.

 

KOZOQIUL 33

 

KOZOQIUL, o vigia

 

1Mais uma vez recebi uma mensagem de YAHU UL
que dizia assim:

2-5Homem mortal, diz ao teu povo o seguinte: Quando trouxer
um exército contra uma nação, e se o povo dessa terra tiver escolhido um homem
para o constituir por vigia, quando este vir chegar as tropas inimigas e der o
alarme, tocando a trombeta para avisar toda a gente, aquele que depois de a
ouvir não lhe ligar importância, se vier a morrer, morrerá com a plena culpa
que a sua atitude lhe acarretou. Porque ouviu o alarme e não quis prestar-lhe
atenção. Tornou-se só ele culpado dos seus actos. Se tivesse dado ouvidos ao
aviso, teria sido salvo.

6No entanto, se o vigia vir o inimigo chegar e não
tocar a trombeta para avisar a população, será ele o responsável por todos os
mortos que houver. Estes morrerão com a culpa dos seus pecados, mas pedirei
contas dessas vidas ao vigia.

7-9Assim também é contigo, homem mortal.
Nomeei-te vigia do povo de Yashorúl; por isso ouve o que te digo e avisa-os.
Quando eu disser ao iníquo, Ó homem malvado, certamente morrerás!, se não lhe
deres esse recado da minha parte, que o leve a arrepender-se, esse iníquo
morrerá carregado com os seus pecados, mas é a ti que pedirei contas pela sua
morte. Contudo, se o avisares para que arrepie caminho, e se ele recusar, essa
pessoa morrerá com a culpa dos seus pecados, mas a responsabilidade não será
mais tua.

10Ó povo de Yashorúl, vocês dizem: Os nossos pecados pesam sobre nós;
desfalecemos debaixo da culpa que nos é imposta por causa deles. Como é que se
pode viver assim?

11-12Responde-lhes então: Tão certo como eu viver, diz YAHU
ULHÍM o Criador Eterno, que eu não tenho prazer na morte do pecador; o que eu
pretendo é que ele se converta do seu mau caminho e que viva. Convertam-se,
convertam-se da vossa vida de maldade; porque haviam vocês de morrer, ó Yashorúl?
Não são as boas acções da pessoa justa que a salvarão, se ela não se converter
dos seus pecados; mas também não serão os pecados do que pratica a maldade que
o destruirão, se ele se arrepender e abandonar a sua vida anterior.

13-16Eu disse que o homem recto com certeza viverá. Mas se ele vier a pecar, esperando
que a sua vida passada, de justiça, acabe por salvá-lo, está enganado, pois o que
ele foi anteriormente não será tomado em consideração; será destruído por causa
dos seus pecados. Por outro lado, quando eu disser ao pecador que terá de
morrer, se este se arrepender e passar a praticar a justiça e o bem – se
restituir aquilo que extorquiu aos outros, fraudulentamente, aquilo que roubou;
se passar a andar pelos caminhos da justiça e não mais praticar desonestidades
– com toda a certeza que viverá; não morrerá. Nenhum dos seus anteriores
pecados serão tomados em consideração contra ele; voltou-se para o caminho do
bem; sem dúvida alguma que viverá.

17-20Pois mesmo assim o povo ainda diz que YAHU
ULHÍM não está a ser inteiramente justo. Mas eles é que não o são! Por isso
torno a repetir: alguém que é uma pessoa recta, se cair no pecado, terá mesmo
de morrer. Uma pessoa pecadora que abandona a sua vida má e começa a praticar o
bem e a justiça, esse indubitavelmente viverá. Ainda que vocês digam que YAHU
ULHÍM não está a ser justo dessa maneira, o fato é que eu terei de julgar cada
um de acordo com os seus actos.

 

A queda de YAHUSHUA-oléym explicada

 

21-23No ano onze do nosso exílio, no dia
oito de Yaneiro, um daqueles que escapou de YAHUSHUA-oléym correu para mim a
dizer-me: A cidade foi tomada! A mão de YAHU UL tinha estado sobre mim durante a
tarde. Por isso não me deixei abater e tive forças suficientes para falar nesse
momento dramático. E foi esta mensagem que YAHU ULHÍM me comunicou no momento:


24Homem mortal, a pouca gente que ficou de YAHUDAH, e que está a viver no meio
das cidades arruinadas, continua a dizer: Abruhám era um homem só e recebeu a
posse desta terra toda! Nós somos muitos; portanto não vamos com certeza
abandoná-la!

25-26Mas YAHU ULHÍM o Criador Eterno responde-lhes assim: Vocês
estão enfraquecidos, porque praticam a maldade! Comem carne com sangue, adoram
ídolos, praticam assassínios! E pensam que, com essas coisas todas, eu iria
dar-vos a terra? Matam gente, praticam a idolatria, adulteram, e ainda por cima
iam ficar com a terra?

27-29Diz-lhes então: YAHU ULHÍM garante-vos, tão certo
como ele ser um YAHU ULHÍM vivo, que vocês, os que moram agora no meio de
ruinas, acabarão por morrer na guerra; os que vivem no meio dos campos serão
abatidos pelos animais selvagens; e ainda os que se abrigam nas cavernas, ou
mesmo em construções de pedra, acabarão morrendo de doença. Tornarei essa terra
numa assolação, o seu orgulho será abatido e cessará a fama da sua força. As
povoações de Yashorúl construídas no cimo dos montes ficarão tão destruídas que
ninguém mais viverá nelas. Quando virem enfim a sua terra desfeita em ruínas,
por causa dos seus pecados, então saberão que sou eu YAHU ULHÍM.

30-33Homem mortal, o teu povo anda a conspirar nas tuas costas. Falam de ti quando estão em casa e murmuram a teu respeito à soleira das portas, dizendo: Venham daí,
vamo-nos divertir ouvindo o que YAHU ULHÍM tem hoje a dizer. Então
aproximam-se, com o ar de quem é muito sincero, e sentam-se para ouvir. Mas por
dentro não têm a mínima intenção de fazer o que lhes é mandado. Falam com
hipocrisia sobre amar YAHU ULHÍM, e nos seus corações o que reina é o amor do
dinheiro. Tu, para eles, não passas de uma diversão como outra qualquer; é como
se alguém se pusesse a cantar-lhes lindas canções, com uma bela voz e
acompanhado por um bonito instrumento. Ouvem o que dizes, é verdade, mas não
lhe ligam nenhuma importância! No entanto, quando todas estas terríveis coisas
lhes acontecerem – e já estão para breve – nessa altura dar-se-ão conta de que
realmente esteve no meio deles um profeta.

 

KOZOQIUL 34

 

Pastores e ovelhas

 

1Recebi esta mensagem da parte de YAHU
ULHÍM:

2-6Homem mortal, profetiza contra os anciãos, os líderes de Yashorúl, e
diz-lhes: Esta é a palavra que YAHU ULHÍM o Criador Eterno vos dirige: Ai dos
anciãos que se nutrem bem eles próprios e não os seus rebanhos. Não são os
anciãos que devem alimentar as ovelhas? Mas vocês comem da melhor comida,
vestem-se com a roupa melhor que há, e deixam morrer à fome o rebanho. Não se
preocupam com a que estava enfraquecida, não tratam daquela que está doente, não
cuidam da ferida nem vão à procura da que se tinha extraviado e perdido. Pelo
contrário, até as tratam com rigor e dureza. E a consequência foi que as
ovelhas se espalharam, abandonadas; tornaram-se presa de qualquer animal
selvagem que se aproximasse. O meu rebanho andou por aí vagueando pelos montes
e colinas, por toda a face da terra, sem ninguém que fosse à procura das
ovelhas, que se interessasse por elas.

7Por isso, ó anciãos, ouçam a voz de YAHU
ULHÍM:

8-10É certo que Eu sou YAHU ULHÍM que vive, diz o Criador Eterno; no
entanto vocês abandonaram o meu rebanho, permitindo que fosse atacado e
destruído. Não foram realmente anciãos, de forma nenhuma, pois não cuidaram
dele, nem um bocadinho. Trataram-se a si mesmos e deixaram morrer as ovelhas.
Eis a razão por que estou contra os anciãos, e os torno responsáveis por tudo o
que acontece ao meu rebanho. Hei-de tirar-lhes o direito de se ocuparem dele –
e também o direito de se alimentarem a si mesmos. Livrá-lo-ei de se tornar no
alimento dos anciãos.

11-16Porque assim diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Irei à
procura, e hei-de encontrar o meu rebanho. Eu serei como um verdadeiro
apacentador, no encalço das minhas ovelhas. Encontrá-las-ei e as salvarei de
todos os lugares para onde foram espalhadas, naquele dia escuro e nebuloso.
Tornarei a trazê-las de entre os povos e as nações em que se encontravam, e
regressarão a casa, à sua terra de Yashorúl. Alimentá-las-ei sobre as montanhas
e junto às torrentes de água, em que a terra é fertil e boa. Sim, dar-lhes-ei
esplêndidas pastagens sobre outeiros de Yashorúl. E ali repousarão em paz,
pastando nas luxuriantas pastagens das montanhas. Eu próprio serei o
apacentador das minhas ovelhas; por isso descansarão tranquilamente, diz YAHU
ULHÍM o Criador Eterno. Irei à procura das que se perderam, das que se
desviaram, e regressarei com elas em segurança. Porei talas e ligaduras nas que
tiverem partido algum osso e tratarei da doente. Destruirei esses poderosos e
gordos anciãos. Alimentá-los-ei, sim, mas com a aplicação de justiça!

17-19E quanto a ti, ó meu rebanho – meu povo – YAHU ULHÍM o Criador Eterno diz-te:
Farei distinção entre ovelhas e cabritos, entre carneiros e bodes! Será que é
assim coisa de tão pouca importância que vocês, os anciãos, não apenas tenham
reservados para si mesmos as melhores pastagens como ainda tenham pisado e
estragado o que ficou de resto? Que tenham desviado para si mesmos o melhor da
água, como ainda tenham sujado com a lama dos vossos pés o que sobrou? Tudo o
que vocês deixaram ficar para o meu rebanho foi o que calcaram aos pés; as
ovelhas são obrigadas a beber a água lamacenta que vocês remexeram com os pés.


20-23Por isso diz assim YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Com toda a certeza que
estabelecerei uma diferença, nos meus juízos, entre esses nutridos anciãos e as
suas pobres ovelhas esqueléticas. Porque eles espantam, empurram, desancam o
meu rebanho, já de si doente e esfomeado, fazendo com que as ovelhas fujam para
longe e se espalhem. Portanto, serei eu próprio quem há-de salvar o rebanho; e
nunca mais serão batidas e destruídas. Atentarei para a que está enfraquecida,
para a que está magra, informar-me-ei porquê! Estabelecerei enfim um
apacentador sobre todo o meu povo, que será o meu servo, Dáoud. Apascentá-las-á
e será para elas como um verdadeiro apacentador.

24-28Quanto a mim, YAHU ULHÍM,
serei o seu Criador Eterno ; o meu servo Dáoud será um príncipe, no meio do meu
povo. Sou eu, YAHU ULHÍM, que diz isto. Farei uma aliança de paz com eles;
afugentarei para longe os animais ferozes que andam nessa terra, para que o meu
povo possa com toda a segurança fixar-se, ainda que seja nos lugares mais
selvagens, e repousar descansadamente nas florestas. O meu povo e as suas casas
se transformarão numa bênção em redor do meu outeiro. E haverá chuva de
bênçãos, que hão-de cair sempre no tempo próprio. As árvores do campo darão
belos frutos e toda a gente viverá em segurança. Quando enfim eu tiver quebrado
as correntes que os escravizavam e os tiver libertado das mãos dos que viviam à
custa deles, então verão claramente que Eu sou YAHU ULHÍM. Não haverá mais
nações estrangeiras para os dominarem, nem animais selvagens que os ataquem.
Viverão em paz e ninguém mais os aterrorizará.

29-31Dar-lhes-ei uma terra notavelmente fértil, de tal forma que o meu povo não mais passará fome nem passará pela vergonha de ser conquistado por povos estranhos. Dessa forma, se darão conta de que eu, YAHU ULHÍM, seu Criador Eterno, estou a favor deles, e que eles, o povo de Yashorúl, são o meu povo, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno. Vocês são o meu rebanho, as ovelhas do meu pasto. Vocês são a minha gente,
gente que me pertence, e eu sou o vosso Criador Eterno, diz o Criador Eterno.

 

KOZOQIUL 35

 

Profecia contra Edom

 

1Recebi nova mensagem da parte de YAHU UL
que dizia:

2Homem mortal, volta-te para o monte de Seir e profetiza desta
maneira contra o povo:

3-9Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Sou contra vocês e
esmagar-vos-ei com o meu punho, destruir-vos-ei totalmente. Porque vocês odeiam
o meu povo de Yashorúl; por isso destruirei as vossas povoações e farei delas
lugares totalmente assolados, de tal forma que se darão bem conta de que Eu sou
YAHU ULHÍM. Vocês exterminaram o meu povo, foram o seu inimigo perpétuo, numa
altura em que a calamidade lhes caiu em cima, visto que eu os tinha castigado
por causa dos seus pecados. Tão certo como eu viver, diz YAHU ULHÍM o Criador
Eterno, que vos farei submergir num mar de sangue. É porque chegou a vossa vez!
Liquidarei totalmente o povo do monte de Seir; serão abatidos tanto os que fogem
dali como os que procurem correr para lá. Os vossos vales ficarão cheios de
mortos, não só os vales, mas os montes, os ribeiros, tudo será repleto com os
que morrem pela guerra, de tal forma que vocês nunca mais tornarão a viver.
Serão abandonados para sempre. As vossas cidades não mais serão reconstruídas.
Nessa altura saberão que Eu sou YAHU ULHÍM.

10Dizem vocês: Tanto Yashorúl como YAHUDAH são já meus. Tomarei posse deles. Que nos interessa a nós que YAHU ULHÍM lá esteja?

11-13Então, tão certo como eu viver, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno,
que lhes darei a recompensa dos seus actos malvados contra o meu povo.
Castigar-te-ei por tudo o que de ignominioso e odioso fizeram. Farei com que o
meu Shúam (Nome) seja honrado em Yashorúl, por causa daquilo que vos faço a
vocês. E dar-se-ão conta de que eu ouvi cada palavra que falaram contra YAHU
ULHÍM, dizendo: O seu povo está desguarnecido; eles são alimento para nós
comermos. Dizendo coisas dessas, ao mesmo tempo estavam a vangloriar-se contra YAHU ULHÍM. E eu ouvi isso tudo!

14-15Todo o mundo ficará contente quando virem o
que vos fiz. Regozijaram-se com o triste destino de Yashorúl. Agora serei eu
que ficarei satisfeito com o vosso! Serão açoitados, ó povo do monte Seir e
todos os que vivem em Edom. Depois verão que Eu sou YAHU ULHÍM!

 

KOZOQIUL 36

 

Profecia às montanhas de Yashorúl

 

1-3Homem mortal profetiza contra as montanhas de Yashorúl. Diz-lhes assim: Ouçam esta mensagem de YAHU UL. Os vossos inimigos escarneceram de vocês e reclamaram as vossas antigas elevações como pertencendo-lhes; devoraram-vos por todos os lados e mandaram-vos como escravos para muitos países. Troçaram de vocês e infamaram-vos.

4Por isso, ó montes de Yashorúl, ouçam a palavra de YAHU ULHÍM Criador Eterno. Ele diz às colinas e às montanhas, às torrentes e aos vales, às propriedades destruídas e
às cidades assoladas, devastadas, escarnecidas, por gente de nações pagãs de
todo o lado:

5A minha ira está acendida contra estas nações, especialmente
contra Edom, por se terem apropriado da minha terra, jubilosamente, com todo o
desprezo por mim, e por a terem lançado à rapina.

6-12Por isso profetiza e diz às colinas e aos montes, às torrentes e aos vales de Yashorúl: Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno, estou cheio de ira por causa de vocês terem passado por tanta vergonha perante as nações vizinhas. Em consequência jurei, com a minha mão levantada, que chegou agora a altura dessas nações serem elas cobertas de vergonha; quanto a Yashorúl, há-de ainda voltar a viver tempos felizes. Hão-de ter abundantes colheitas à espera deles, quando regressarem – o que em breve
há-de acontecer! Vejam bem – eu estou do vosso lado; hei-de vir a ajudar-vos
quando estiverem a preparar a terra e a semear nela. Aumentarei sensivel mente
a vossa população por toda a terra de Yashorúl; as cidades arruinadas serão
reconstruídas e ficarão cheias de gente. Não será só a gente a crescer em
número; os rebanhos também, e as manadas multiplicar-se-ão. As montanhas de Yashorúl hão-de ficar de novo cheias de casas de habitação. Farei por vocês ainda mais
do que fiz antes. E ficarão a saber que Eu sou YAHU ULHÍM. O meu povo
percorrerá toda a terra novamente, porque se tornou outra vez a sua possessão;
não serão nunca mais cenário de sacrifício de crianças nos altares dos ídolos!


13-15Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Na verdade as outras nações
insultaram-vos dizendo: Yashorúl é uma terra que devora os seus filhos! Mas
nunca mais tornarão a dizer isto. Hão-de crescer as percentagens de natalidade,
e as taxas de mortalidade infantil diminuirão drasticamente, diz YAHU ULHÍM.
Esses outros povos pagãos nunca mais hão-de rir de vocês; porque vocês nunca
mais farão tropeçar a vossa nação, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno.

16Veio a mim mais esta palavra de YAHU ULHÍM:

17-21Homem mortal, quando o povo de Yashorúl vivia na sua própria terra, sujaram-na com os seus actos malvados; o culto que me prestavam era tão sujo, tão impuro como um trapo com esterco. Poluíram a terra com assassínios e com idolatria. Por consequência, derramei sobre eles o meu furor. Mandei-os, exilados, para muitas terras. Dessa maneira os castiguei por todo o mal que deixaram entrar nas suas vidas. Mas quando se espalharam por entre as nações, tornaram-se num meio de profanação do meu santo nome; porque dizem, ao vê-los: Cá está esse tal povo cuj YAHU ULHÍM não foi capaz de os proteger, ao encontrarem-se em aperto! Por isso estou preocupado com isso, com o fato de que o meu povo arruinou a minha reputação, por esse mundo fora.


22-24Em consequência, dirige-te ao povo de Yashorúl: Diz YAHU ULHÍM o Criador
Eterno: Voltarei a trazer-vos de regresso, mas não porque o tenham merecido.
Faço isso antes para preservar o prestígio do meu santo nome, que vocês
profanaram entre as nações. Darei honra ao meu grande nome que vocês mancharam,
e todos os povos do mundo saberão que Eu sou YAHU ULHÍM. Serei exaltado perante
eles pelo fato de vos ter trazido do exílio do meio deles. Sim, trazer-vos-ei
de novo para a vossa terra de Yashorúl.

25-27Será como se vos tivesse espargido com água pura; sereis limpos – a vossa imundícia desaparecerá, a vossa idolatria desaparecerá. Dar-vos-ei um novo coração e porei em vocês um novo espírito. Tirarei o vosso coração de pedra, de pecado, e porei no seu lugar corações sensíveis. Porei em vocês o meu RÚKHA, e de tal forma que obedecerão às minhas leis e farão tudo o que vos mandar.

28-32Viverão em Yashorúl, a terra
que dei a vossos antepassados há muito tempo. Vocês serão o meu povo e eu serei
o vosso Criador Eterno. Purificar-vos-ei dos vossos pecados. Eliminarei da
vossa terra os maus anos de colheita de trigo, e a fome. Multiplicarei as
vossas searas, os frutos dos vossos pomares, dos vossos campos; nunca mais os
povos vizinhos terão ocasião de mofar de vocês, por causa das fomes que vos
assolaram. Hão-de então lembrar-se dos vossos pecados do passado, e chegarão a
ter nojo de todo o mal que praticaram. No entanto lembrem-se sempre disto: não
é por causa daquilo que vocês são ou não são que faço isso, mas antes por minha
causa. Ó meu povo de Yashorúl, envergonhem-se profundamente por aquilo que
fizeram!

33-36Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Quando vos limpar dos vossos
pecados, trazer-vos-ei de novo para a vossa terra, para Yashorúl, e farei com
que tudo se reconstrua, a partir das ruínas que existem. Campos que
permaneceram, durante anos a fio, completamente assolados como uma terra do
deserto, serão outra vez cultivados. Todos os que por ali passavam ficavam
chocados com a extensão da ruína em que tudo estava. Mas, quando vos trouxer de
novo para lá, dirão: Esta terra de que YAHU ULHÍM se esqueceu, tornou-se como o
jardim do Éden! As cidades arruinadas foram reconstruídas e cheias de gente que
as habita! Essas nações dos arredores – aquelas que conseguiram permanecer –
saberão que eu, YAHU ULHÍM, reedifico sobre ruínas e planto, em terras
devastadas, ricas searas. Eu, YAHU ULHÍM, o prometi; eu próprio o realizarei.


37-38Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Estou pronto a ouvir as orações de Yashorúl
pedindo por estas bênçãos e a responder-lhes, garantindo-lhes aquilo que
pretendem. Basta apenas que mo peçam e multiplicá-los-ei, como os imensos
rebanhos que enchem as ruas de YAHUSHUA-oléym em dias de sacrifício. As cidades
arruinadas tornarão a encher-se de multidões; e toda a gente verificará que Eu
sou YAHU ULHÍM.

 

KOZOQIUL 37

 

O vale de ossos secos

 

1O poder de YAHU UL desceu sobre mim e fui
transportado pelo RÚKHA-YAHU a um vale cheio de ossadas.

2Fez-me andar por ali,
pelo meio deles. Era uma quantidade enorme de ossos, já extremamente
ressequidos.

3E disse-me:Homem mortal, poderão estes ossos tornarem-se
novamente em pessoas? YAHU ULHÍM, só tu sabes se isso é possível, respondi


4-5Então mandou que eu profetizasse para aqueles ossos o seguinte:Ossos secos,
ouçam a palavra de YAHU ULHÍM, porque YAHU ULHÍM diz-vos assim: Vejam! Soprarei
sobre vocês e tornarão a viver!

6Serão revestidos de carne, de nervos e
cobertos com pele; soprarei sobre vocês, e hão-de viver e saber que Eu sou YAHU
ULHÍM.

7-10Falei-lhes pois essas palavras da parte de YAHU ULHÍM, tal como me
disse, e começou a ouvir-se um ruído por todo o vale, ainda enquanto eu falava;
tudo aquilo se agitava, os ossos juntando-se uns com os outros, de acordo com a
estrutura do corpo. Continuei a olhar e vi que se iam revestindo de carne e de
nervos; depois cobriram-se de pele. No entanto faltava-lhes a vida. Por isso
disse-me que mandasse vir espírito sobre eles, assim: Diz YAHU ULHÍM o Criador
Eterno: Vem dos quatro pontos cardiais, ó RÚKHA, e sopra sobre estes corpos
inertes para que vivam. Disse então isso mesmo e os corpos puseram-se a mexer
com vida; levantaram-se e faziam um exército imenso de gente.

11Disse-me YAHU ULHÍM: Estes ossos representam todo o povo de Yashorúl. Eles falam assim: Não
passamos de um montão de ossos ressequidos; já não nos resta esperança de
espécie alguma

12No entanto diz-lhe isto da parte de YAHU ULHÍM Criador
Eterno:Povo meu, hei-de abrir-vos as sepulturas, e fazer com que se levantem e
regressem à terra de Yashorúl.

13Por fim, ó meu povo, hão-de saber que Eu sou YAHU
ULHÍM.

14Porei o meu RÚKHA sobre vocês, para que vivam; e hão-de regressar à
vossa terra natal. Dar-se-ão conta, nessa altura, de que eu, YAHU ULHÍM, fiz
aquilo que vos prometi.

 

Uma nação sob um rei

 

15Recebi novamente uma mensagem da parte de YAHU
UL dizendo:

16-20Pega numa vara e grava nela os seguintes dizeres: Esta vara
representa YAHUDAH e as outras tribos suas aliadas. Pega depois noutra vara e
escreve estas outras palavas: Esta vara representa todas as outras tribos de Yashorúl.
Seguidamente junta-as na tua mão, como se fossem uma só. Diz aos filhos do teu
povo, pegando nas varas, de forma que vejam bem, o que YAHU ULHÍM o Criador
Eterno lhes comunica: Tomarei as tribos de Yashorúl e juntá-las-ei a YAHUDAH,
de forma a que na minha mão se tornem numa só tribo.

21-22Porque YAHU ULHÍM o
Criador Eterno diz assim: Estou a juntar o povo de Yashorúl do meio de todas as
nações, e vou trazê-los para casa; vou trazê-los à sua terra natal de todas as
partes do mundo, e unificá-los-ei numa só nação. Terão um só rei sobre eles. Nunca
mais estarão divididos em duas nações.

23Deixarão de se poluir a si próprios
com idolatria e outros pecados. Purificá-los-ei de todas essas imundícies.
Então, serão o meu verdadeiro povo e eu serei o seu YAHU ULHÍM.

24-28Dáoud, o
meu servo será o seu rei, o seu único apacentador. Obedcerão às minhas leis e a
toda a minha vontade. Habitarão em terra de Yashorúl, essa terra onde seus pais
moraram e que eu dei ao meu serv YAHUCAF. Tal como eles, também os seus filhos
e todos os seus descendentes, pelas gerações fora,viverão ali. O meu servo
Dáoud será o seu chefe para sempre. Farei com eles uma aliança de paz, um pacto
eterno. Abençoá-los-ei e os multiplicarei. O meu Templo levantar-se-á para
sempre no meio deles. Sim, a minha casa ali estará entre eles. Serei o seu YAHU
ULHÍM; eles serão o meu povo. Com o meu Templo no meio deles, as nações
verificarão que eu, YAHU ULHÍM, elegi Yashorúl para ser alvo especial das
minhas bênçãos.

 

KOZOQIUL 38

 

Profecia contra Gog

 

1Segue-se uma outra mensagem que YAHU ULHÍM
me deu:

2-3Homem mortal, vira-te para o norte, para a terra de Magog, e
profetiza contra Gog, rei de Meseque e de Tubal. Comunica-lhe o que YAHU ULHÍM
lhe diz: Sou contra ti, Gog

4Vou pôr-te ganchos nos queixos e levar-te para a
tua condenação. Mobilizarei as tuas tropas e toda a tua cavalaria militar;
farei de ti um poderoso exército, perfeitamente apretrechado.

5-6A Pérsia,
Cuche e Pute também se juntarão a ti, com todas as suas forças de combate. O
mesmo farão Gomer, com os seus soldados e ainda os exércitos de Togarma, das
bandas longínquas do norte; assim como muitos outros.-

7Prepara-te! Mantém-te
de prevenção. Serás o chefe deles todos, ó Gog!

8-12Muito tempo depois serás
chamado a actuar. Passados longos anos cairás sobre a terra de Yashorúl, que estará
a repousar em paz depois do regresso do seu povo vindo de muitas terras. Tu e
todos os teus aliados – um vasto e terrível exército – abater-se-ão sobre eles
como um furacão e cobrirão toda a terra como uma nuvem negra. Virão uns maus
pensamentos ao teu espírito, nesse tempo. Dirás assim: Yashorúl é uma terra
desprotegida, com povoações sem muralhas! Atacá-los-ei e destruirei esse povo
que vive em tamanha confiança! Serei contra essas cidades todas, antigamente
desoladas e agora todas cheias de gente – gente que regressou do meio das
nações do mundo inteiro – e recolherei assim um saque enorme. Esse povo está
cheio de gado, neste momento, e toda a terra como que se move em torno deles!


13Mas Sheba e Dedan e os grandes chefees do comércio de Tarsis dirão: Porque
vens tu roubar-lhes o ouro e a prata, levar-lhes o gado e tudo o que possuem,
deixando-os na miséria?

14-16 YAHU ULHÍM o Criador Eterno diz a Gog: Quando o
meu povo estiver a viver em paz, levantar-te-ás. Virás então lá da banda do
norte, com as tuas poderosas forças de combate e cobrirás a terra como uma
nuvem negra. Isto acontecerá num futuro distante. Trazer-te-ei contra a minha
terra; mas a minha santidade será confirmada através da terrível destruição que
sofrerás, perante os olhos deles. Todas as nações verão que Eu sou YAHU ULHÍM.


17-23Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno assim: Tu és aquele de quem eu falei, há
já muito tempo, por meio dos profetas de Yashorúl, dizendo que, depois de
decorridos muitos anos, te haveria de trazer contra o meu povo. No entanto,
vindo tu para destruir a terra de Yashorúl, a minha ira se levantará! No meu
zelo, no meu furor inabalável, garanto que haverá um poderoso tremor em toda a
terra de Yashorúl, nessa ocasião. Tudo o que tem vida no ar, na terra e no mar
estremecerá na minha presença; as montanhas se desfarão, os precipícios
desmoronar-se-ão, grandes muralhas cairão desfeitas, por terra. Mandarei vir
contra ti toda a espécie de terrores, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno; vocês
acabarão por se destruírem uns contra os outros, numa mortal guerra fratricida!
Ferir-te-ei com a guerra, com pestes, com enchentes destruidoras, com
saraivadas mortíferas, com o fogo e enxofre! Dessa forma revelarei a minha
grandeza, trarei grande prestígio ao meu Shúam (Nome). Todas as nações do mundo
saberão o que eu realizei, e verão que Eu sou YAHU ULHÍM!

 

KOZOQIUL 39

 

1Homem mortal, profetiza o seguinte contra
Gog. Diz-lhe assim: Sou contra ti, Gog, líder de Meseque e de Tubal.


2Voltar-te-ei e conduzir-te-ei em direção às montanhas de Yashorúl, trazendo-te
desse norte distante. Destruirei cinco sextos do teu exército lá nessas
montanhas.

3Tirar-te-ei as armas das mãos e ficarás indefeso.

4Morrerás, tanto
tu como todo o teu vasto exército, sobre aquelas montanhas. Dar-te-ei como
alimento às aves de rapina e aos animais selvagens, que te devorarão.

5Não
chegarás a alcançar as cidades – cairás em campo aberto; fui eu quem disse
isto; eu YAHU ULHÍM o Criador Eterno falei.

6Farei com que chova fogo sobre
Magog e sobre os teus aliados, que estão a viver sossegados na costa, e saberão
que Eu sou YAHU ULHÍM.

7-8É assim que tornarei conhecido o meu santo nome entre
o povo de Yashorúl; não mais permitirei que sejam desprezados. Também as outras
nações se darão conta de que Eu sou YAHU ULHÍM, o santo de Yashorúl. Esse dia
de julgamento virá. Tudo há-de acontecer como o declarei.

9O povo das cidades
de Yashorúl irá aos campos e levará os vossos escudos, o diverso armamento e
todo o material bélico, que lhes servirá de lenha para queimar durante sete anos.


10Sim, durante sete anos não precisarão de mais nada para fazer fogo. Não
necessitarão de ir cortar árvores, de ir apanhar lenha; todo aquele material de
guerra lhes servirá para isso. Utilizarão assim o despojo dos que os queriam
despojar.

11-12Darei ali, a Gog e aos seus exércitos, uma sepultura, no vale
dos Viajantes, a leste do Mar Morto. Os que viajarem por ali espantar-se-ão;
ali serão enterrados Gog e a multidão dos seus soldados. Mudar-se-á o nome
daquele lugar para o vale do Exército de Gog. O povo de Yashorúl levará sete
meses a enterrar todos aqueles cadáveres.

13-14E toda a gente em Yashorúl
colaborará nesse trabalho, pois que se tratará duma vitória gloriosa, nesse
dia, em que eu demonstrarei a minha glória, diz YAHU ULHÍM. Ao fim de sete meses,
ainda hão-de indigitar homens para procurar cuidadosamente em toda a terra
algum cadáver esquecido, para o enterrar, a fim de que a terra fique limpa.


15-16E então, sempre que alguém encontre algum osso humano, porá uma marca ao
lado para que os indivíduos encarregados de enterrar os cadáveres o encontrem e
o levem com os outros para o vale do Exército de Gog. (E haverá ali uma cidade
chamada Multidão.) Dessa forma a terra ficará definitivamente limpa.

17-21E agora, homem mortal, chama todas as aves e animais, e diz- lhes: Juntem-se
todos e venham tomar parte num grandioso sacrifício. Venham de longe e de perto
até às montanhas de Yashorúl. Venham comer carne e beber sangue! A carne a
comer é a de homens poderosos; o sangue é o de príncipes – eles substituem os
carneiros, as ovelhas, os bodes e os bezerros de Basã na minha celebração
sacrificial! Encham-se de carne até se fartarem, bebam do sangue até se
embriagarem; é este o grande sacrifício que vos preparei. Fartem-se pois à
minha mesa; banqueteiem-se com cavalos, com carros de combate e com os seus
condutores, com valentes soldados, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno. Darei assim
uma prova de força da minha glória às nações: todas verão o castigo que sofreu
Gog e saberão que fui eu quem fiz isto.

22-24Daí em diante, o povo de Yashorúl
ficará bem certo de que Eu sou YAHU ULHÍM, seu Criador Eterno. Os povos ficarão
também a saber por que razão Yashorúl foi mandado para o exílio – foi como
castigo dos seus pecados, pois foram rebeldes para com o seu YAHU ULHÍM. Por
isso lhes voltei a cara e permiti que os seus inimigos os destruíssem.
Desviei-me deles e castiguei-os na proporção directa da baixeza dos seus
pecados.

25-29Mas agora, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno, porei fim ao
cativeiro do meu povo, terei misericórdia deles e restabelecerei a sua
prosperidade; porque tenho em atenção a minha reputação! Portanto, esse tempo
de rebeldia e de vergonha ficará a pertencer ao passado. O povo regressará à
sua terra natal em paz e em segurança, sem que mais ninguém os incomode ou os
aterrorize. Hão-de regressar vindos das terras dos seus adversários, e a minha
glória se tornará evidente para todas as nações quando eu fizer que isso
aconteça. Através deles restabelecerei a grande fama da minha santidade aos
olhos das nações do mundo. O meu povo, nessa altura, certificar-se-á de que Eu
sou YAHU ULHÍM, seu Criador Eterno, e de que sou eu o responsável por os ter
enviado para o exílio e por os ter trazido para casa. Não deixarei que fique
nenhum entre as nações. Nunca mais esconderei deles o meu rosto; antes
derramarei sobre eles o meu RÚKHA, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno.

 

KOZOQIUL 40

 

Visão do futuro Templo

 

1-2No dia vinte e oito de Abril, durante o (Data sob Revisão)
vigésimo quinto ano do nosso exílio – o décimo quarto depois de YAHUSHUA-oléym
ter sido capturada – veio sobre mim a mão de YAHU UL, e numa visão, levou-me
até à terra de Yashorúl e me deixou sobre uma alta montanha, onde pude
contemplar aquilo que me pareceu ser uma cidade, em frente de mim

3Ao aproximar-me vi um homem cuja aparência era como a do bronze e que estava em pé diante do portão do Templo, segurando na mão uma fita para medir e uma vara,
também para fazer medições.

4Disse-me assim: Homem mortal, vê e escuta bem tudo
o que mostrar e grava-o no teu coração; foste trazido até aqui para que te
possa mostrar muitas coisas; depois, regressarás ao povo de Yashorúl e
contar-lhe-ás tudo o que observaste.

 

A porta oriental para o átrio exterior

 

5-6O homem começou então a medir a parede
limitando a área exterior ao Templo com a sua vara de medição, que tinha 3,5 metros de comprimento. Disse-me: Esta parede tem 3,5 metros, tanto de altura como de largura. Depois, levou-me até à passagem que dá para o muro de leste.
Subimos sete degraus até ao átrio de entrada: tinha 3,5 metros de largo.


7-12Indo através da passagem referida, vi que havia três compartimentos para
guardas de cada lado, cada um deles era quadrado, com 3,5 metros de lado, e
estavam separados 3 metros uns dos outros. Diante destes compartimentos havia
um umbral de 45 centímetros de altura e 45 centímetros de largura. Do outro
lado dos compartimentos havia um vestíbulo de 3,5 metros dando para um átrio
com 4,5 metros, e colunas de um metro. Do outro lado do átrio, na outra
extremidade da passagem, havia um vestíbulo de 7 metros e meio de largura e 5
metros e 75 centímetros de comprimento.

13-16Depois mediu toda a largura
exterior da porta, desde o telhado duma câmara até ao telhado da outra: 14,5
metros; fez a estimativa dos pilares de cada lado dos pórticos: mais ou menos
10 metros de altura. Todo o comprimento da passagem de entrada era de 29
metros, de uma à outra extremidade. Havia também janelas, que estreitavam para
o interior, através das paredes, de ambos os lados da passagem e nas paredes
das câmaras. Havia também janelas à saída e à entrada dos vestíbulos. Os
pilares eram decorados com palmeiras.

 

O átrio exterior

 

17-19Depois levou-me ao átrio exterior.
Havia um pavimento de pedra em toda a volta, da parte de dentro das paredes; e
viam-se trinta quartos construídos contra as paredes, e dando para este
pavimento. A isto chamava-o o pavimento inferior. A distância das paredes até
ao pavimento era a mesma da extensão da passagem da entrada. Mediu a parede do
outro lado do átrio exterior do Templo e achou a medida de 58 metros.

 

A porta do norte

 

20-23De seguida, deixou a passagem oriental
e dirigiu-se para a que passa pela parede do norte, medindo-a. Aqui também
havia três câmaras de guarda de cada lado, e todas as medidas foram as mesmas
da passagem anterior – 29 metros de comprimento e 14,5 metros, de lado a lado.
Havia janelas, um átrio de entrada e decorações com palmeiras, tal como do lado
oriental. Sete degraus conduziam ao vestíbulo interior. Aqui, na entrada do
norte, tal como na do leste, se alguém entrasse através da passagem para o
átrio e o atravessasse, vinha a encontrar-se com um muro interior no qual havia
um corredor que dava para outro átrio interior. A distância entre as duas
passagens era de 58 metros.

 

O portão do sul

 

24-27Depois levou-me de volta para o portão
do sul, mediu as várias secções das suas passagens, verificando que eram as
mesmas medidas das anteriores. Tinha também janelas nas paredes, tal como as
outras e um átrio de entrada. E também à semelhança das outras, tinha 29 metros
de comprimento e 14,5 de largura. Havia igualmente uma escada de sete degraus
que levava até lá; viam-se semelhantes decorações com palmeiras, nas paredes.
Aqui também, quem caminhasse pela passagem para o átrio chegava a um muro
interior no qual encontrava uma abertura por onde se ia ter a um átrio
interior. A distância entre as duas passagens era pois de 58 metros.

 

As portas para o átrio interior

 

28-31Levou-me então ao átrio interior pela
porta do sul, e achou as mesmas medidas que anteriormente. As suas câmaras,
pilares e vestíbulos eram idênticos aos outros. Tinham também janelas em volta.
E mediam igualmente 29 metros por 14,5 de largo. A única diferença era que
havia aqui oito degraus em vez dos sete das outras. Também se encontravam aqui
as decorações com palmeiras nos pilares.

32-34Depois levou-me ao átrio interior
pelo caminho do oriente fazendo as mesmas medidas, e encontrando os mesmos
resultados. As câmaras, os pilares, os vestíbulos eram do mesmo tamanho.
Viam-se as mesmas janelas nas paredes. Media 29 metros de comprido e 14,5 de
largo. Os seus vestíbulos estavam defronte do átrio exterior; havia decorações
de palmeiras nas colunas; mas contavam-se oito e não sete degraus como antes,
para chegar até à entrada.

35-37Guiou-me à porta do norte e fez as mesmas
medições: As câmaras, os pilares e os vestíbulos eram semelhantes às outras;
tinha 29 metros de comprimento e 14,5 de largura. O vestíbulo estava em frente
do átrio exterior e tinha pinturas de palmeiras nas paredes de cada lado da
passagem de acesso. Havia também oito degraus aqui para chegar até à entrada.

 

O espaço para preparação dos sacrifícios

 

38-43Uma porta neste vestíbulo dava acesso a
um espaço onde a carne para os sacrifícios era levada antes de ser transportada
para o altar; havia de cada lado da passagem de acesso duas mesas onde os
animais eram degolados para serem apresentados em holocausto, como oferta pelo
pecado e como oferta pelas culpas, no Templo. Fora do átrio de entrada, de cada
lado das escadas de acesso à entrada do norte, havia mais duas mesas ainda.
Assim, ao todo, viam-se oito mesas, quatro do lado de fora e quatro no
interior, onde os sacrifícios eram preparados. Havia também quatro mesas de
pedra onde se encontravam os instrumentos necessários para aquele serviço de
preparação dos animais. Estas mesas tinham cerca de 80 centímetros de lado;
eram quadradas; mediam 53 centímetros de altura. Viam-se ganchos de uns 10
centímetros de comprimento presos às paredes do átrio de entrada e nas mesas
onde a carne devia ser posta.

 

Câmaras para os intermediários

 

44No átrio interior havia duas câmaras, uma
junto à entrada do norte, virada para o sul e outra junto à entrada do sul,
virada para o norte.

45-46Disse-me depois: A câmara junto à entrada do norte é
para os intermediários que têm a responsabilidade de guardarem o Templo. A
outra junto à entrada do sul é para os intermediários que se ocupam do altar –
os descendentes de Tzaodóq – porque só eles, de entre todos os Levítas, podem
chegar-se a YAHU ULHÍM para o servir.

47Depois mediu o átrio interior: era
quadrado, com 58 metros de largura; havia um altar no pátio, diante do Templo.

 

O Templo

 

48-49Levou-me ao vestíbulo do Templo.
Subia-se até lá por dez degraus. As suas paredes formavam pilares, dois de cada
lado, com 3 metros de espessura, cada um. A entrada tinha 8 metros de largura,
e as suas paredes eram de 1,75 metros. Assim, o átrio de entrada tinha 11,5
metros de largo e 6,5 metros de comprido.

 

KOZOQIUL 41

 

1-2Seguidamente levou-me à nave do Templo, a
parte mais espaçosa do Templo e mediu os seus pilares. Eram quadrados, com 3,5
metros de lado. A largura da entrada era de 5,75 metros; e tinha 3 metros de
fundo. A nave só por si tinha 23 metros de comprimento e 11,5 metros de
largura.

3-4Depois entrou no compartimento ao fundo da nave e mediu as colunas
de entrada, que eram de um metro de espessura. A largura da entrada desse
quarto era de 3,5 metros com um vestíbulo de 4 metros de fundo, por detrás.
Esse compartimento era quadrado e tinha 11,5 metros de lado. Este, disse-me
ele, é o lugar santíssimo.

5-7Mediu a parede do Templo e constatou que era da
espessura de 3,5 metros com uma série de câmaras laterais em toda a volta. Cada
uma dessas câmaras tinha 2,25 metros de largura. Estas câmaras estavam
construídas em três fileiras que se sobrepunham; cada fileira tinha trinta
câmaras. Toda a estrutura estava suportada por vigas e não estavam presas à
parede do Templo. Cada fileira era mais largo do que a que estava por baixo
correspondendo à estrutura do Templo, em altura. Havia uma escada de acesso, de
andar para andar.

8-9Notei que o Templo estava construído sobre uma plataforma
e que a última fila de câmaras se sobrepunha, em 3,5 metros sobre essa
plataforma. A parede exterior dessas câmaras tinha 3 metros de espessura; e
ficou um espaço vazio, das câmaras laterais, que estava junto ao Templo.


10-11Onze metros e meio afastada da plataforma, de ambos os lados do Templo,
havia uma fila de câmaras, em baixo, no pátio interior. Duas portas abriam-se,
da fileira de câmaras sobre a plataforma, que tinha 3 metros de largura; uma
delas virada para o norte e a outra para o sul.

12-16Havia um grande edifício
que se erguia a ocidente, diante do átrio do Templo, e que media 40,75 metros
de largura, por 52,5 metros de comprimento. As paredes tinham três metros de
espessura. Então mediu o Templo e também os espaços de separação em volta. Era
uma área de cinquenta e oito metros quadrados. O pátio interior, a oriente do
Templo, tinha também 58 metros de largo, e igual a este era também o edifício a
ocidente do Templo, incluindo as suas duas paredes nave do Templo, o lugar
santíssimo e o átrio de entrada estavam cobertos de madeira; e estes três
lugares tinham igualmente janelas recuadas. Quanto às paredes interiores do
Templo, eram da mesma foram revestidas de madeira tanto na parte de cima como
na parte de debaixo das janelas.

17-20O espaço acima da parte que conduzia até
ao lugar santíssimo também estava revestido de madeira. As paredes eram
decoradas com incrustações representando querubins, cada um deles com dois
rostos e intercalados alternadamente com palmeiras. Um dos rostos – como um
rosto humano – olhava para a palmeira que estava de um lado; o outro – como
rosto de um leão – estava virado para o lado da outra palmeira. E era assim em
toda a volta da parede interior do Templo.

21Havia ombreiras em todas as portas
da nave do Templo, e em frente do lugar santíssimo encontrava-se algo que tinha
a aparência de um altar, mas que era feito de madeira

22Este altar era
quadrado, com um metro de lado e 1,75 metros de altura; os seus cantos, a sua
base e os lados eram de madeira. Isto, disse-me ele, é a mesa de YAHU UL.


23-26Tanto a nave do Templo como o lugar santíssimo tinham duplas portas, cada
uma com dois batentes volantes. As portas que conduziam à nave do Templo tinham
querubins como decoração, além das palmeiras, tal como as paredes. Uma trave
grossa estava atravessada por cima do vestíbulo de entrada. Havia janelas
recuadas e palmeiras trabalhadas na madeira, de ambos os lados do átrio de
entrada, e também nos vestíbulos laterais do Templo e nas grossas traves da
entrada.

 

KOZOQIUL 42

 

Câmaras para os intermediários comerem

 

1-2Depois conduziu-me para fora do Templo,
para a parte de trás, para o pátio interior, até às câmaras do norte do pátio
do Templo, e até um outro edifício. Este conjunto de estruturas tinha 58 metros
de comprimento por 29 metros de largura.

3As galerias de compartimentos que
estavam por detrás desta construção, constituíam a parede do pátio. As câmaras
distribuiam-se em três fileiras dando para o pátio exterior, de um lado, e
tendo uma galeria de 11,5 metros que dava para o pátio interior, do outro lado.


4Havia um passeio de 5,75 metros que corria entre a galeria de quartos e o
edifício, com as portas do edifício dando para o norte.

5As duas galerias
superiores de compartimentos não eram tão largas como as de baixo, porque as
passagens das galerias de cima eram mais largas.

6E como estes edifícios não
eram construídos com vigas, como os dos átrios exteriores, por isso os andares
se iam estreitando um a um a partir do chão.

7-12As galerias do norte, no
caminho do átrio exterior, tinham 29 metros de comprimento – somente metade do
comprimento da ala interior que estava em frente do pátio do Templo, e que era
de 58 metros de comprimento. Mas uma parede se estendia a partir da extremidade
da ala mais curta, paralela à ala mais longa. E havia uma entrada, do pátio
exterior para estes compartimentos, do oriente. No lado oposto do Templo, uma
construção similar, composta de duas unidades de conjuntos de galerias, se
erguia no lado sul do pátio interior, entre o Templo e pátio de fora, iguais
uma à outra. Havia uma passagem entre as duas alas da construção, semelhante à
da outra construção do outro lado do pátio – com o mesmo comprimento e a mesma
largura, as mesmas saídas e portas – eram iguais uma à outra. E havia uma porta
do pátio exterior, a oriente.

13-14Então disse-me: Estas galerias de
compartimentos, do norte e do sul, diante do pátio do Templo, são santas; é aí
que os intermediários que oferecem os sacrifícios a YAHU ULHÍM deverão comer
desses santos sacrifícios e armazenar os que devem ser guardados, tal como a
ofertas de cereais, as ofertas pelo pecado e as de culpa; porque estes
compartimentos são santos. Quando os intermediários deixarem este santo lugar –
a nave do Templo – deverão mudar de roupa antes de sairem para o pátio
exterior. As vestimentas especiais com as quais administraram o serviço
religiosos devem ser despidas, porque se trata de uma roupa sagrada. Deverão,
pois, vestir outros fatos antes de entrar nas partes do edifício abertas ao
público.

15-20Quando acabou de fazer estas medições, levou-me para fora, pela
porta oriental, para medir toda a área do Templo. Constatou que tinha a forma
de um quadrado, com 291,75 metros de lado, com uma parede toda em volta a
separar a área sagrada da que era aberta ao público.

 

KOZOQIUL 43

 

1Posteriormente levou-me até à passagem
através da parede exterior, que conduz à parte de leste.

2E de repente apareceu a glória de YAHU ULHÍM de Yashorúl, do lado do oriente. O ruído da sua aparição foi semelhante ao rugido de uma grande torrente, e toda a região ficou iluminada com a sua glória.

3Era igual àquilo que tinha visto já noutras
visões, primeiro junto ao rio Quebar, e mais tarde em YAHUSHUA-oléym, quando
veio para destruir a cidade. E caí perante ele, com o meu rosto em terra.

4A glória de YAHU UL penetrou no Templo pela porta oriental.

 

A glória de YAHU UL volta ao Templo

 

5-6O RÚKHA levantou-me e levou-me para o
átrio interior. A glória de YAHU UL encheu todo o Templo. Ouvi depois a voz de YAHU
UL a falar-me do interior do Templo (o homem que tinha estado a fazer as
medições ainda se encontrava ao meu lado).

7-9Disse-me YAHU ULHÍM: Homem
mortal, este é o lugar do meu trono, o lugar onde descansam os meus pés, onde
permanecerei, vivendo entre o meu povo de Yashorúl para sempre. Tanto eles como
os seus reis não mais profanarão o meu santo nome através de cultos adulterinos
a outros falsos criadores o estatuas ou adorando pedaços de pau erigidos como
ídolos, pelos seus reis. Edificaram casas de culto aos seus ídolos mesmo ao
lado do meu Templo, apenas com uma simples parede a separar os dois lugares.
Foi por terem sujado o meu Shúam (Nome) santo com tamanhas maldades que eu os
consumi na minha ira. Agora, que eles abandonem os ídolos e esses falsos
criadores o estatuas representados por madeiras grosseiras que os seus reis
lhes apresentaram, e então viverei para sempre no meio deles.

10-12Homem
mortal, descreve ao povo de Yashorúl o Templo que eu te mostrei. Diz-lhes como
ele é, o plano da sua construção, para que fiquem envergonhados de todos os
seus pecados. E se eles se mostrarem verdadeiramente arrependidos do que
praticaram, então explica-lhes todos os detalhes da construção, as diferentes passagens, as portas que ele tem, enfim, tudo que diz respeito a essa construção. Põe por escrito todas as directivas e regulamentos que devem observar. O princípio
fundamental do Templo é este: santidade. Toda essa elevação sobre a qual está
construído o Templo é santa. Sim, essa é a lei básica a seu respeito.

 

O altar

 

13-17São estas as medidas que concernem o
altar: a base tem uma altura de 53 centímetros com uma cercadura toda em volta
de 23 centímetros de largura; essa base sobressai além das paredes do altar, em
53 centímetros. O primeiro andar do altar consiste numa plataforma de pedra de
um metro de altura. Esta plataforma é portanto 53 centímetros mais estreita do
que o bloco de base do altar, nos seus quatro lados. Por de cima desta,
levanta-se uma outra plataforma mais estreita, 53 centímetros mais estreita,
nos quatro lados, do que a anterior, e tendo 2,25 centímetros de altura. E
sobre esta ainda outra plataforma mais estreita, também com 2,25 metros de
altura, e esta constitui o cimo do altar, com quatro pontas em forma de haste
de touro, projectando-se 53 centímetros para o lado de fora. Esta plataforma
superior do altar é um quadrado com 7 metros de lado. A plataforma inferior,
também quadrada, tem 8 metros de lado e um rebordo, em volta, de 27 centímetros
de largura. Toda esta plataforma sobressai do resto em 53 centímetros, para os
quatro lados. Do lado do oriente há uns degraus para se poder subir ao altar.


18-21Depois, continuou a dizer-me: Homem mortal, diz assim YAHU ULHÍM o Criador
Eterno: estas são as medidas que terá o altar a construir no futuro, quando for
erigido para nele se oferecerem as ofertas queimadas e se fizer nele a aspersão
do sangue. Nesse tempo vindouro, a família de Tzaodóq, da tribo de Leví, que
são meus intermediários, devera oferecer um bezerro, para a expiação do pecado.
Tomarás parte do seu sangue e espargi-lo-ás sobre os quatro cantos do altar,
assim como nos quatro cantos da plataforma superior e também no rebordo em
volta. Desta forma ficará o altar purificado e expiado. Depois pega no bezerro
da expiação do pecado e queima-o, num lugar para tal ordenado, fora da área do
Templo.

22-24No segundo dia, sacrifica um bode, novo, sem defeito – sem doença
nenhuma, nem deformidades, feridas ou cicatrizes – para sacrifício pelo pecado.
Assim será purificado o altar, tal como o foi com o bezerro. Depois de terminar
esta cerimónia de purificação, oferece um outro bode, perfeito também, e ainda
um carneiro, igualmente sem imperfeição nenhuma, que tomarás do rebanho.
Apresenta-os perante YAHU ULHÍM, e os intermediários salpicarão sal sobre eles,
como holocaustos.

25Durante sete dias, em cada dia, um bode, um bezerro e o
carneiro do rebanho serão sacrificados por expiação do pecado. Nenhum desses
animais devera ter defeito algum.

26-27Faz isso em cada um desses sete dias,
para purificação e expiação do altar, consagrando-o assim. No oitavo dia, e em
cada um dos dias seguintes, os intermediários sacrificarão sobre o altar os
holocaustos e as ofertas de gratidão do povo, e eu vos aceitarei, diz YAHU
ULHÍM o Criador Eterno.

 

KOZOQIUL 44

 

O príncipe, os Levítas, os intermediários

 

1-2Então YAHU ULHÍM me fez regressar à
passagem oriental no muro exterior, mas que estava fechada. E disse-me: Esta
porta permanecerá fechada; nunca será aberta. Ninguém passará por aqui; pois
que YAHU ULHÍM, o Criador Eterno de Yashorúl, entrou por este lugar, portanto
permanecerá encerrada.

3Apenas o príncipe – visto que se trata do príncipe –
poderá sentar-se no interior dessa passagem, para fazer uma celebração perante YAHU
ULHÍM. Mas só entrará e sairá por essa passagem.

4Depois levou-me pelo caminho
da passagem do norte, até defronte do Templo. Vi então a glória de YAHU UL que
enchia o Templo de YAHU UL, e caí com o rosto em terra.

5 YAHU ULHÍM disse-me: Homem mortal, pondera cuidadosamente; vê e ouve com toda a tua atenção. Escuta bem tudo o que te disse respeitante às leis e aos regulamentos do Templo de YAHU UL. Observa escrupulosamente quem deve ser admitido no Templo e quem deve ser excluído dele.

6-8Diz a esses rebeldes, o povo de Yashorúl, que assim fala YAHU
ULHÍM o Criador Eterno: Ó Yashorúl, pecaste grandemente, permitindo que
incircuncisos tivessem acesso ao meu Templo – gente cujo coração não quer YAHU
ULHÍM – nos momentos em que me ofereciam o meu alimento, a gordura e o sangue.
Dessa forma quebraram a minha aliança, acrescentando isso a todos os vossos
outros pecados. Não cumpriram as leis que vos tinha dado quanto a estas coisas
sagradas; contrataram pois gente estranha para se encarregar do meu Templo!


9-14Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: Nenhum estrangeiro, dos muitos que há no
vosso meio, entrará no meu Templo se não tiver sido circuncidado e se não amar YAHU
ULHÍM. E os homens da tribo de Leví, que me abandonaram quando Yashorúl se
extraviou para longe de YAHU ULHÍM, correndo para os ídolos, deverão ser
castigados por causa da sua infidelidade. Poderão ser guardas do Templo, e
porteiros; poderão encarregar-se do abate dos animais que forem trazidos para
holocaustos, e assim ajudar o povo. Mas, pelo fato de terem encorajado o povo a
prestar culto a outros falsos criadores o estatuas, levando Yashorúl a cair num
grande pecado, levantei em consequência a minha mão e garanti solenemente, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno, que hão-de ser castigados. Não poderão aproximar-se de mim para administrar como intermediários; não lhes será permitido tocarem em
nada das minhas coisas santas; terão de carregar com essa vergonha por causa de
todos os pecados que cometeram. Serão pois guardas do Templo, responsáveis pelos
serviços auxiliares e pela assistência ao povo, duma maneira geral.


15-16Contudo, os filhos de Tzaodóq, da tribo de Leví, esses é que continuaram
como meus intermediários no Templo, na altura em que Yashorúl me trocou pelos
ídolos. Esses homens, por isso, serão os meus oficiantes; manter-se-ão na minha
presença para oferecer gordura e o sangue dos sacrifícios, diz YAHU ULHÍM o
Criador Eterno. Entrarão no meu Templo, aproximar-se-ão da minha mesa, para me
prestar culto; eles cumprirão os meus regulamentos.

17Usarão unicamente roupa
de linho, quando entrarem no pátio interior; não poderão trazer sobre si nada
de lã, enquanto estiverem em serviço no pátio interior, no Templo

18-19Terão as cabeças cobertas com um turbante de linho e uns calções interiores também de linho. Não usarão nada que os faça transpirar. Quando voltarem para o pátio
exterior, deverão despir as roupas que usaram durante o serviço que me
prestaram, deixando-os nas câmaras santas, para evitar que o povo fosse
consagrado ao tocar nessas vestiduras.

20-22Não deverão deixar crescer demasiado o cabelo, nem rapá-lo todo. Deverão cortar o cabelo de uma forma regular e moderada. Nenhum intermediário poderá beber vinho antes de vir para o pátio interior. Poderá casar-se, mas só com uma rapariga judia, ou com a viúva de outro intermediário; não se casará com uma mulher divorciada.

23Ensinará ao meu povo a diferença entre o que é santo e o que é secular, entre o que é reto e o que é errado.

24Servirão como juízes para resolver desentendimentos entre o
meu povo. As suas decisões deverão fundamentar-se em leis. Os próprios
intermediários deverão obedecer aos regulamentos e determinações, em todas as
celebrações sagradas, e farão muita atenção para que o Shábbos seja respeitado
como dia sagrado.

25-27Um intermediário não se deve contaminar, aproximando-se
de um corpo morto, a menos que se trate de seu pai, de sua mãe, de um filho
seu, de um irmão ou irmã solteira. Em tais casos não há problema nenhum. Mas
após isso terá de esperar sete dias antes de se purificar e de poder de novo
cumprir com os seus deveres no Templo. No primeiro dia em que retomar ao
trabalho no pátio interior e no Templo, terá de oferecer um sacrifício pelo
pecado de si próprio, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno.

28Não têm o direito de
possuir uma propriedade, pois que sou eu tudo aquilo que eles possuem.

29-31O seu alimento será constituído pelos dons e sacrifícios trazidos ao Templo pelo
povo – as ofertas de cereais, as ofertas pelo pecado e pela culpa. Tudo aquilo
que é oferecido a YAHU ULHÍM pertence aos intermediários. Os primeiros frutos
apanhados, e de uma forma geral todos os dons que se oferecem a YAHU ULHÍM, vão
para os intermediários. Os primeiros frutos de tudo também serão dados aos
intermediários, para que YAHU ULHÍM abençoe os vossos lares. Os intermediários
nunca comerão carne de nenhuma ave ou animal que tenha morrido de morte natural
ou que tenha sido morto quando atacado por outros animais.

 

KOZOQIUL 45

 

A divisão da terra

 

1Ao repartirem a terra pelas tribos de Yashorúl,
darão primeiramente uma área a YAHU ULHÍM, como sua porção sagrada. Esta zona devera ter 13 quilómetros de comprimento por 11 quilómetros de largura. Esse solo será
sagrado.

2-4Uma seção dessa terra, com 291,75 metros quadrada será atribuída
para edificação do Templo. Acrescentar-se-lhe à uma zona adicional de 29 metros
em toda a volta, e que devera ficar vazia. O Templo será construído dentro
dessa área com 13 quilómetros de comprimento e 5,5 quilómetros de largura. Toda
essa porção de solo será terra santa; será usada pelos intermediários que
servem no Templo, para as suas casas, ao mesmo tempo que é o lugar do meu
Templo.

5A zona adstrita a esta, de 13 quilómetros de comprimento e de 5,5
quilómetros de largura, servirá de zona de residência para os Levítas que
trabalham no Templo.

6Adjacente a esse local santo haverá uma secção de terreno
de 13 quilómetros por 2,5 quilómetros que ficará aberta a toda a gente em Yashorúl.


7-9Duas zonas especiais da terra serão postas de parte para o príncipe – uma de
cada lado desse local santo e dessa secção aberta a todos; confinará com estas
no seu comprimento; e os seus limites tanto a ocidente como a oriente são os
mesmos que os das zonas atribuídas às tribos. Este será o seu lote. Os meus
príncipes não mais oprimirão nem defraudarão o povo; deverão portanto atribuir
tudo o que restar da terra do povo, dando uma porção a cada tribo. Diz YAHU
ULHÍM o Criador Eterno aos governantes: Acabem com o explorar e com o correr
com o meu povo fora da terra, pela violência, despojando-os dos seus lares.
Procurem sempre agir com justiça e com honestidade.

10Apliquem a justiça em
tudo o que seja medições, balanças, ou escalas de medida

11-12O homer será a vossa unidade de base, tanto para medir líquidos como sólidos. As medidas inferiores serão o efa para os sólidos, e o bato para os líquidos. A unidade de peso será o siclo de prata ; e valerá sempre vinte geras, e não menos do que isso; cinco
siclos valem mesmo cinco siclos e nunca menos; dez siclos são mesmo dez siclos!
Sessenta siclos equivalem a uma mina.

 

Ofertas e dias Consagrados

 

13-16Esta é a taxa que darão ao príncipe: 35
litros de trigo ou de cevada por cada 2.100 litros que recolherem; 1% do
azeite; por cada 200 ovelhas dos vossos rebanhos em Yashorúl darão uma. Estas
são as ofertas de alimentos, ofertas queimadas e de ação de graças, para fazer
a expiação por aqueles que as trouxerem, diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno. Todo
o povo de Yashorúl devera trazer as suas ofertas ao príncipe.

17O príncipe terá a obrigação de fornecer ao povo todos os sacrifícios necessários para as celebrações de adoração pública – ofertas pelo pecado, holocaustos, ofertas de
vinho, de alimentos e de ações de graças – para fazer expiação pelo povo de Yashorúl.
Isto será por altura das celebrações religiosas, das celebração da lua nova,
dos Shábbos e de todas as outras ocasiões semelhantes.

18-20Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: No primeiro dia de cada ano novo sacrifiquem um bezerro, sem defeito, para purificar o Templo. O intermediário pegará em parte do sangue desta oferta pelo pecado e pô-lo-á nos umbrais da porta do Templo e sobre os
quatro cantos da base do altar; e ainda sobre as paredes da entrada do pátio
interior. Façam isto também no sétimo dia desse mesmo primeiro mês em
consideração para com alguém que tenha pecado por erro ou ignorância; e assim o
Templo ficará purificado.

21-24No dia 14 do primeiro mês celebrarão a PósqaYa.
Será uma celebração de sete dias. Nesses dias comer-se-á unicamente pão sem
fermento. No dia de PósqaYa o príncipe fornecerá um bezerro para ser
apresentado como oferta pelo pecado, por si próprio e pelo povo de Yashorúl. E
em cada um dos sete dias seguintes dessa celebração, prepararão um holocausto a
YAHU ULHÍM. Esta oferta diária consistirá em sete bezerros e sete carneiros sem
deficiência alguma. Um bode será também ofertado em cada dia, por expiação pelo
pecado. O príncipe fornecerá 490 litros de grão para oferta de cereais – 35
litros por cada um dos bezerros e carneiros; e 98 litros de azeite – 7 litros
para acompanharem cada 35 litros de grão.

25Durante os sete dias da festaa dos
tabernáculos, que se realiza cada ano no princípio de Outono, ele fornecerá os
mesmos sacrifícios para a expiação do pecado, os holocaustos, as ofertas de
cereais e as ofertas de azeite.

 

KOZOQIUL 46

 

1-Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: A
entrada do lado da parede interior, a oriente, estará fechada durante os seis
dias úteis, e só se abrirá no Shábbos e nos dias das celebrações da lua nova.


2O príncipe entrará pela entrada exterior da passagem e permanecerá junto à
ombreira da porta enquanto o intermediário oferece os seus holocaustos e
ofertas de paz. Ele adorará no interior da passagem e depois regressará à
entrada, a qual não será fechada antes do anoitecer.

3O povo adorará YAHU ULHÍM
em frente desta passagem, nos Shábbos e nos dias das celebrações da lua nova.


4-7Os holocaustos que o príncipe oferece a YAHU ULHÍM nos dias de Shábbos
consistirão em seis cordeiros e um carneiro, todos sem o mínimo defeito.
Apresentará uma oferta de cereais de 35 litros de farinha, para acompanhar o
carneiro, e também uma outra quantidade, desta vez conforme o que ele entender,
para acompanhar cada cordeiro. Trará também 7 litros de azeite, por cada 35
litros de farinha. Na celebração da lua nova, trará um bezerro, perfeito; seis
cordeiros e um carneiro, sem qualquer imperfeição. Com o bezerro trará 35
litros de farinha para uma oferta de cereais. Com o carneiro trará também 35
litros de farinha. Com o cordeiro trará aquilo que ele quiser dar. Por cada
quantidade de 35 litros de farinha oferecerá 7 litros de azeite.

8-9O príncipe poderá entrar e sair pela passagem; mas quando o povo entrar pela passagem do norte, para sacrificar durante as celebrações religiosas, devera depois sair
pelo lado do sul. E os que entrarem pelo lado sul sairão pela passagem oposta,
do norte. Nunca sairão pelo lugar por onde entraram; deverão sempre utilizar a
passagem oposta.

10O príncipe igualmente entrará e sairá juntamente com o povo
nestas ocasiões.

11-12Portanto, para resumir: Nas celebrações especiais e nas
celebrações sagradas, as ofertas de cereais serão constituídas por 35 litros de
farinha acompanhando o bezerro; o mesmo para acompanhar o carneiro; e tanto
quanto ele quiser para acompanhar o cordeiro; e 7 litros de azeite por cada
quantidade de 35 litros de farinha. Sempre que o príncipe oferecer um
holocausto ou uma oferta extra de paz, para serem sacrificados a YAHU ULHÍM, o
portão interior oriental será aberto para que possa entrar e oferecer os seus
sacrifícios, tal como acontece aos Shábbos. Depois voltar-se-á e sairá, após o
que a porta será fechará sobre ele.

13Em cada manhã, um cordeiro de um ano será
sacrificado como holocausto a YAHU ULHÍM

14-15E haverá também, cada manhã, uma
oferta de cereais – 6 litros de farinha, com 2 litros de azeite misturados.
Isto é um regulamento permanente – o cordeiro, a oferta de cereal e o azeite
serão fornecidos em cada manhã para esse sacrifício diário.

16-18Diz YAHU ULHÍM
o Criador Eterno: Se o príncipe der uma oferta de terra a um dos seus filhos,
pertencer-lhe-á sempre. Mas se der uma oferta de terra a um dos seus servos,
este conservá-la-á até ao ano da liberdade, ano em que se tornará livre; nessa
altura então a terra retornará ao seu primeiro possuidor, o príncipe. Apenas os
dons concedidos aos seus filhos terão carácter inalterável. Aliás o príncipe
nunca poderá subtrair a propriedade de uma outra pessoa pela violência. Se
fizer um presente de terra aos seus filhos, devera ser das suas possessões
privadas, pois não quero que o meu povo perca o que lhe pertence e que por isso
tenha de abandonar a terra.

19-20Após isso, usando a porta através da parede do
lado da passagem principal, conduziu-me pela entrada até ao bloco dos quartos
sagrados, virados para o lado do norte. Aí, no extremo oeste dessas câmaras, vi
um lugar onde – pelo que me foi dito pelo homem que me guiava – os
intermediários cozem o alimento do sacrifício de culpa e da oferta pelo pecado
e onde cozem o pão com a farinha das ofertas de cereais. Fazem-no aqui para
evitar ter de carregar com os sacrifícios através do átrio exterior, para que o
povo não toque naquilo que é sagrado.

21-24Tornou a trazer-me para o átrio
exterior e levou-me a cada um dos quatro cantos do átrio; vi que havia aí, em
cada canto, uma câmara de 23 metros de comprimento por 17,5 metros de largura,
rodeado por paredes. E debaixo das muralhas, em toda a volta, havia toda uma
fila de fornos, de tijolo. Explicou-me depois que esses fornos era onde os
auxiliares do Templo – os Levítas – coziam os sacrifícios que o povo oferecia.

 

KOZOQIUL 47

 

O rio que corre do Templo

 

1-Tornou a trazer-me de volta para a entrada do Templo. Vi então uma nascente de água que corria para o oriente, vinda de sob o Templo e que passava à direita do altar, ou seja, pelo seu lado sul.


2-Fez-me sair para o exterior da muralha, pela porta do norte, e dar a volta até
à entrada do oriente, onde vi a torrente passando para o lado sul (da passagem
oriental).

3-À medida que avançava, ele ia medindo e levou-me 500 metros para
oriente, ao longo da torrente, mandando-me que a atravessasse. Nessa altura a
água dava-me pelos artelhos.

4-5-Mediu mais 500 metros e mandou-me novamente que
atravessasse. Desta vez a água já me dava pelos joelhos; 500 metros depois,
dava-me pela cintura. E 500 metros a seguir, já a água era tão profunda que eu
não podia atravessar a menos que o fizesse a nado.

6-7-Disse-me que me lembrasse bem do que tinha visto, e deu-me ordem para regressar até à margem donde partira. Mas, com grande surpresa minha, reparei que havia muitas árvores que tinham crescido, em ambas as margens deste rio.

8-Falou-me assim: Este rio corre para oriente, através do deserto e do vale do Yardayán, para o Mar Morto, onde alterará as suas águas, tornando-as frescas e puras.

9-12-Tudo que estas águas tocarem viverá. O peixe tornar-se-á abundante nas águas do Mar Morto, porque as águas desse rio curarão as águas salgadas do Mar Morto e as tornarão frescas e puras. Por tudo o que este rio passar, haverá vida. Ainda haverá pescadores, nas margens do Mar Morto, pescando, desde En-Gedi até En-Eglaim. As praias estarão cheias de redes secando ao sol. O Mar Morto estará cheio de peixes de
toda a qualidade, tal como acontece no Mediterrâneo! No entanto os seus charcos
e os seus lamaceiros, esses não se tornarão doces; manter-se-ão salgados para serem fontes de sal. Além disso, toda a espécie de árvores de fruto crescerão nas margens deste rio – árvores cujas folhas serão sempre verdes, e nunca cairão; haverá sempre fruto nelas. Todos os meses se fará uma nova apanha de fruta, e isto com toda a regularidade! Pois que essas árvores são banhadas por um rio que corre desde o Templo. A fruta servirá de alimento e as folhas usar-se-ão para fins terapêuticos.

 

As fronteiras da terra

 

13Diz YAHU ULHÍM o Criador Eterno: São estas
as instruções respeitantes à divisão da terra pelas doze tribos de Yashorúl – a
tribo de YAHU-saf, Efroím e Menashé, receberá como duas tribos

14As outras receberão, cada uma, uma parte. Prometi solenemente que daria a terra aos
vossos pais, e agora tomarão posse dela.

15-16A fronteira do norte irá desde o Mediterrâneo em direção a Hetlom, e depois através de Labweh até Zedade; seguidamente, até Berotá e Sibraim, que estão na fronteira de Damasco e de Hamate; e finalmente até Hazer-Haticom, junto à fronteira de Haurã.

17Portanto a fronteira do norte será desde o Mediterrâneo até Hazar-Enom, na fronteira com Hamate, ao norte, e com Damasco, ao sul.

18A fronteira oriental correrá para o sul desde Hazar-Enom até ao monte Haurã, onde se inclinará para ocidente, para o Yardayán e para a ponta sul do Mar da Galileia, e depois continuando para baixo, com o rio Yardayán, separando Yashorúl de Gaúliod, passando o Mar Morto até Tamar.

19A fronteira do sul irá desde o leste, de Tamar, até à fontes de
Meribate-Cades; depois segue o curso do rio do Egito até ao Mediterrâneo.

20Do
lado do ocidente, o próprio Mar Mediterrâneo lhe servirá de fronteira, desde a
fronteira do sul até ao ponto onde começa a do norte.

21-23Dividam a terra, dentro destes limites, por entre as tribos de Yashorúl. Distribuam a terra como se fosse uma herança, entre vocês mesmos e os estrangeiros, com as suas
famílias, que vivem convosco. Todas as crianças nascidas na terra – filhas ou
não de estrangeiros – devem ser consideradas como cidadãos, com os mesmos
direitos que os vossos próprios filhos têm. A todos estes imigrantes será dada
terra de acordo com a tribo onde vivem actualmente.

 

KOZOQIUL 48

 

A divisão da terra

 

1Esta é a lista das tribos, com o território
que cada uma receberá. Dayán: Desde a fronteira do norte, no Mediterrâneo,
através de Hetlom, até Labweh, e depois até Hazer-Enom, na fronteira entre
Damasco ao sul e Hamate ao norte. São esses os limites a leste e a oeste, da
terra.

2Oshór: o seu território fica ao sul do de Dayán e tem as mesmas
fronteiras a leste e a oeste.

3 Neftali: fica ao sul de Oshór e tem também as
mesmas fronteiras a leste e a oeste.

4Menashé: fica ao sul de Neftali, com os
mesmos limites a leste e a oeste.

5-7A seguir, para o sul, fica Efroím, depois
Ro-ibén e por fim YAHUDAH, todos com as mesmas linhas de limite a leste e a
oeste.

8-14Ao sul de YAHUDAH fica a terra atribuída ao Templo. Tem os mesmos
limites a leste a oeste do que as unidades territoriais das outras tribos, com
o Templo ao centro. Esta área do Templo terá 13 quilómetros de comprimento e 11
quilómetros de largura. Além disso haverá uma faixa de território com 13
quilómetros de comprimento e 5,5 quilómetros de largura, de norte a sul,
rodeando o Templo. Será para os intermediários, os filhos de Tzaodóq, que me
obedeceram e não pecaram com o povo de Yashorúl e o resto da tribo de Leví. É
sua porção especial de terra, que lhe é atribuída, a mais sagrada de todas. A
seguir a essa área está outra onde viverão os Levítas. Será do mesmo tamanho e
com a mesma forma que a primeira. Juntas, medirão 13 quilómetros por 11
quilómetros. Nenhuma parte desta terra especial poderá ser vendida, negociada
ou arrendada a outros, pois que pertence a YAHU ULHÍM. É santa.

15-19A faixa de terra de 13 quilómetros de comprimento por 2,5 quilómetros de largura, ao sul da seção atribuída ao Templo, será para uso público, com uma cidade no centro.
A própria cidade será quadrada, com 2 quilómetros de largura. Uma terra aberta
para pastagens rodeará a cidade, aproximadamente nuns 145 metros. No exterior
da cidade, e estendendo-se numa faixa de 5 quilómetros, a leste e a oeste, na
margem da terra sagrada, haverá um campo para agricultura pertencente à cidade,
para uso público. Será aberto a quem quer que trabalhe na cidade, seja qual for
a sua origem em Yashorúl.

20Toda esta área, incluindo as terras sagradas e as
terras da cidade, será um quadrado de 13 quilómetros de largo.

21-22A terra, para ambos os lados desta área, estendendo-se, para leste e para oeste, até às fronteiras de Yashorúl, pertencerá ao príncipe. Esta terra, que ficará entre as
porções atribuídas a YAHUDAH e Benyamín, terá 13 quilómetros, será quadrada, de
cada lado das terras, tanto da sagrada como da terra da cidade.

23-29As seções dadas às tribos restantes, são as seguintes: Benyamín: estende-se através de todo o território de Yashorúl, desde a fronteira do oriente até à do ocidente.
Ao sul desta fica a de Shamiúl, estendendo-se igualmente entre estas duas
fronteiras, oriental e ocidental. Depois é Ishochar, com os mesmos limites. A
seguir vem Zabulón com a mesma forma. Gaóld, também, com os mesmos limites, mas
em que a sua fronteira a sul vai de Tamar até às fontes de Maribate-Cades,
seguindo depois pela ribeira do Egito até ao Mediterrâneo. É este o loteamento
que se fará entre cada tribo, conforme a palavra de YAHU ULHÍM o Criador
Eterno.

As portas da cidade

 

30-34Cada porta da cidade terá o nome de cada uma das tribos de Yashorúl, em sua honra. A norte, na sua muralha de dois quilômetros, haverá três entradas, uma com o nome de Ro-ibén, outra de YAHUDAH e outra de Leví. A leste, na muralha igualmente de dois quilómetros, haverá também três portas, com os nomes de YAHU-saf, Benyamín e Dayán. A sul, na muralha que terá o mesmo comprimento, haverá as portas de Shamiúl, de Ishochar e de Zabulón. E a oeste, da mesma maneira, ver-se-ão as portas de Gaóld, de Oshór e de Neftali.

35O perímetro total da cidade medirá dez quilômetros; e
chamar-se-á: YAHU ULHÍM Está Ali.

 

 

..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: