ministeriohorafinal

Marcos

In Uncategorized on fevereiro 10, 2011 at 2:03 am

Marcos 1

YÁOHU-khánam Baptista prepara o caminho

1Aqui começa a boa nova de YAOHÚSHUA hol-MEHUSHKHÁY (o Messías), ha-BOR de YÁOHU UL. 2-3No livro escrito pelo profeta Yaoshúa-YÁOHU, YÁOHU UL anunciou a seu respeito:

“Mandarei o meu mensageiro para te preparar o caminho.”

“Este mensageiro”, disse, “é uma voz gritando no deserto e avisará toda a gente para pôr a sua vida em ordem a fim de estar pronta para a vinda de YÁOHU UL.” 4Ora, este mensageiro foi YÁOHU-khánam Baptista, que vivia no deserto e ensinava que todos se deveriam baptizar como sinal público de terem resolvido voltar costas ao pecado, para que YÁOHU UL lhes desse o perdão. 5Gente de Yaohúshua-oléym e de toda a YAOHÚ-dah ia até aos lugares afastados da YAOHÚ-dah para ver e ouvir YÁOHU-khánam; e, quando confessavam os seus pecados, ele baptizava-os no rio Yardayán. 6A roupa dele era feita de pêlo de camelo tecido e usava um cinto de cabedal; alimentava-se de gafanhotos e mel silvestre 7Este é um exemplo da sua pregação: “Em breve chegará alguém que é muito mais importante do que eu, tanto assim que nem sou digno de me ajoelhar para lhe desatar as sandálias 8Eu baptizo-vos com água, mas ele vos baptizará com o RÚKHA hol-HODSHÚA (Espírito Santo).”

O baptismo e a tentação de YAOHÚSHUA

9-11Um dia, YAOHÚSHUA veio de Nudtzoróth, na região da Galileia, e foi baptizado ali por YÁOHU-khánam no rio Yardayán. No momento em que saía da água, viu os shua-ólmayao abertos e o RÚKHA hol-HODSHÚA que descia sobre si, na forma de uma pomba. E uma voz do céu disse: “Tu és o meu ha-BOR (Filho) amado; em ti tenho grande prazer”. 12-13Logo o RÚKHA hol-HODSHÚA levou YAOHÚSHUA para o deserto. Ali, durante quarenta dias, unicamente acompanhado pelos animais do deserto, sofreu as tentações de ha-satán, que queria que cometesse pecado. E os anjos cuidavam dele.

A chamada dos primeiros discípulos

14Mais tarde, depois de YÁOHU-khánam ter sido preso pelo rei Herod, YAOHÚSHUA foi para a Galileia, a fim de pregar a Mensagem Gloriosa de YÁOHU UL: 15″Chegou finalmente o tempo!”, ele anunciou. “O reino de YÁOHU UL está próximo! Deixem os vossos pecados e creiam nesta magnífica notícia!” 16-18Um dia, ia YAOHÚSHUA caminhando pela costa do Mar da Galileia, viu Shamiúl e Andorúl, seu irmão, a pescar à rede, pois eram pescadores por ofício. YAOHÚSHUA chamou-os: “Venham e sigam-me. Farei de vocês pescadores de pessoas.” E logo deixaram as redes e o seguiram. 19-20Um pouco mais adiante na praia, viu os filhos de Zebedeu, YÁOHU-caf e YÁOHU-khánam, num barco a remendar as redes. Chamou-os também e logo o seguiram, deixando o seu pai Zebedeu no barco com os empregados.

YAOHÚSHUA expulsa demónios e cura doentes

21-22YAOHÚSHUA e os companheiros chegaram então à cidade de Kefár-Naokhém, e no Shábbos (Sábado) foram à sinagoga; e aí ensinava. As pessoas ficaram admiradas com o seu ensino, pois falava com autoridade, ao contrário dos profesores da lei religiosa. 23-24Achava-se ali presente um homem dominado pelo demónio, que começou a gritar: “Porque nos vens inquietar, YAOHÚSHUA Nudtzorothíy? Vieste destruir-nos? Sei quem és: és o santo ha-BOR de YÁOHU UL!” 25YAOHÚSHUA ordenou: “Cala-te. Sai do homem!” 26 O espírito mau soltou um grito muito forte e, com uma convulsão violenta, saiu daquele corpo. 27As pessoas que ali estavam, tomadas de pasmo, começaram a discutir o sucedido. “Que novo ensino será este?”, perguntavam excitadas. “Até os espíritos maus obedecem às suas ordens!” 28A notícia do que ele tinha feito depressa se espalhou por toda aquela região da Galileia. 29-31Quando saiu da sinagoga com os discípulos, foram a casa de Shamiúl e Andorúl, e YÁOHU-caf e YÁOHU-khánam estavam com eles. Encontraram a sogra de Shamiúl de cama e com febre. Logo falaram na doente a YAOHÚSHUA, que a tomou pela mão e a ajudou a erguer-se, e imediatamente a febre a deixou, permitindo-lhe preparar o comer. 32-34Quando o sol se pôs, o pátio estava cheio de doentes e de possuídos de demónios que lhe tinham sido trazidos para que os curasse. Uma enorme multidão de toda a cidade de Kefár-Naokhém juntou-se do lado de fora da porta a observar. Naquela noite, curou grande número de doentes e mandou a muito demónios que saíssem do corpo das suas vítimas. No entanto, não deixava aos demónios falar, os quais sabiam quem ele era.

YAOHÚSHUA ora num lugar deserto

35Na manhã seguinte, levantou-se de madrugada e foi sozinho até um lugar deserto para orar. 36-37Mais tarde, Shamiúl e os outros saíram à sua procura e disseram-lhe: “Toda a gente pergunta por ti”. 38Mas ele respondeu: “Devemos seguir também para outras localidades e apresentar ali a minha mensagem, pois foi para isso que vim”. 39Percorria, assim, toda a província da Galileia, pregando nas sinagogas e livrando muitos do poder dos demónios.

A cura dum homem leproso

40Certa vez, apareceu um leproso que se ajoelhou e lhe pediu muito que o curasse. “Se quiseres, podes pôr-me bom outra vez”, rogou ele. 41Então YAOHÚSHUA, cheio de compaixão, tocou-lhe e disse: “Quero! Fica curado!” 42Logo a lepra desapareceu e o homem ficou bom. 43-44Então YAOHÚSHUA disse-lhe com firmeza: “Vai e faz-te examinar imediatamente pelo intermediário. Não pares a conversar pelo caminho. Leva contigo a oferta que Mehushúa estabeleceu para os leprosos que se curam, para que toda a gente tenha a prova de que estás são.” 45Mas o homem começou a gritar pelo caminho a boa notícia de que estava curado; e tão grande foi a multidão que rodeou YAOHÚSHUA que em região alguma ele podia entrar publicamente numa cidade, vendo-se obrigado a ficar de fora, nos sítios isolados, onde de toda a parte vinha gente procurá-lo.

Marcos 2

YAOHÚSHUA cura um paralítico

1-2Passados vários dias, voltou a Kefár-Naokhém e a notícia da sua chegada depressa se espalhou pela cidade. Logo a casa onde estava ficou tão cheia de visitantes que não havia já espaço para mais uma pessoa que fosse, nem sequer do lado de fora. E YAOHÚSHUA anunciava-lhes a mensagem de YÁOHU UL 3-5Chegaram então quatro homens que carregavam com um paralítico numa padiola. Como não pudessem chegar junto de YAOHÚSHUA através da multidão, abriram o tecto por cima donde se encontrava, e por ali baixaram o doente deitado na cama, bem na sua frente. Quando YAOHÚSHUA viu como eles acreditavam firmemente em como curaria o seu amigo, disse ao doente: “Filho, os teus pecados estão perdoados!” 6Alguns dos profesores da lei que ali estavam sentados diziam entre si: 7″Mas que blasfémia! Acaso ele imaginará que é o Criador Eterno? Só YÁOHU UL pode perdoar os pecados.” 8-9Lendo o seu pensamento, YAOHÚSHUA disse-lhes: “Porque é que se preocupam com isto? Que será mais difícil, dizer ao paralítico: ‘Os teus pecados estão perdoados’, ou ‘Levanta-te, pega na tua enxerga e anda?’i 10Portanto, vou provar-vos que ha-BOR do Homem tem autoridade para perdoar os pecados”; e, voltando-se para o paralítico, disse-lhe: t 11″Estás curado. Pega na tua cama e vai para casa!” 12O homem pôs-se de pé e, apanhando a enxerga, abriu caminho através das pessoas que ali se encontravam, que ficaram pasmadas! Como louvavam YÁOHU UL! “Nunca vimos nada assim!”, diziam todos.

A chamada de Leví

13-14Depois, foi de novo para a praia, ensinando o povo reunido à sua volta. Enquanto por ali andava, viu Leví (filho de Alfeu) sentado junto à barraca onde cobrava impostos, e disse-lhe: “Vem comigo e sê meu discípulo”. Leví levantou-se e logo foi com ele. 15Naquela noite, Leví convidou diversos cobradores de impostos e muita outra gente conhecida pela sua má conduta para jantarem com ele. Aliás, havia muitos homens desta espécie entre o povo que seguia YAOHÚSHUA. 16Mas quando alguns dos escribas e Farsyím o viram comer com essa gente de má fama, disseram aos discípulos: “Como pode ele comer com gente tão má?” 17Ouvindo o que diziam, YAOHÚSHUA respondeu-lhes: “Quem precisa de médico são os doentes e não os que têm saúde! Vim chamar, não os bons, mas os maus.”

A questão de jejum

18Os discípulos de YÁOHU-khánam e os Farsyím jejuavam. Certo dia, foram ter com YAOHÚSHUA e perguntaram-lhe porque não faziam os seus discípulos o mesmo que eles. 19YAOHÚSHUA replicou: “Será que num casamento os amigos do noivo se recusam a comer na celebração de casamento ou andam tristes enquanto o noivo está na sua companhia? Claro que não. 20Mas lá virá o momento em que ele lhes será tirado e então jejuarão. 21-22É como remendar roupa velha com um pedaço de pano que ainda não encolheu. O remendo repuxa o tecido e o buraco fica pior do que antes. Sabem que não convém pôr vinho novo em odres velhos, senão estes rebentam. O vinho espalha-se e os odres ficam estragados. Para vinho novo, odres novos.”

YÁOHU UL do Shábbos (Sábado)

23-24Noutra ocasião, num Shábbos, enquanto YAOHÚSHUA e os seus discípulos atravessavam os campos, estes arrancavam espigas de trigo e comiam o grão. Alguns dos Farsyím disseram então a YAOHÚSHUA: “Eles não deviam fazer isso! É contra as nossas leis colher grão no dia de Shábbos.” 25-28″Nunca ouviram que, quando o rei Dáoud e seus companheiros estavam com fome, ele entrou na casa de YÁOHU UL – era então Abyaoter o intermediário principal – e todos comeram o pão consagrado, que só os intermediários podiam comer? Também aquilo era contra a lei. Mas o Shábbos foi feito em benefício do homem; o homem não foi feito por causa do Shábbos. E eu, ha-BOR do Homem, tenho autoridade até para decidir o que se pode fazer no Shábbos (Sábado)!”

Marcos 3

1YAOHÚSHUA foi de novo à sinagoga e aí reparou num homem que tinha uma mão aleijada.” 2Como era Shábbos, os inimigos de YAOHÚSHUA vigiavam-no de perto. Iria curar-lhe a mão? Se o fizesse, seria razão de o condenar. 3YAOHÚSHUA pediu ao homem que viesse e se pusesse de pé diante das pessoas que ali estavam. 4Então, voltando-se para os que o observavam, perguntou: “Estará errado praticar obras de caridade num Shábbos? Será este um dia em que se deva fazer o mal? É dia para salvar vidas ou para as destruir?”Mas não quiseram responder-lhe. 5Olhando indignado em torno, e ao mesmo tempo profundamente triste por causa dos seus corações duros, YAOHÚSHUA disse ao homem: “Estende a mão”. Ele assim fez. E logo a mão ficou curada! 6Os Farsyím saíram e tiveram um encontro com os herodianos a fim de combinarem como haviam de o matar.

As multidões seguem YAOHÚSHUA

7-8Entretanto, YAOHÚSHUA e os discípulos foram para a beira-mar, seguidos de enorme multidão vinda de toda a Galileia, da YAOHÚ-dah, de Yaohúshua-oléym, da Idumeia, do outro lado do rio Yardayán, e até de lugares tão distantes como Tiro e Sidom. Porque a fama dos seus milagres tinha-se espalhado por toda a parte, e o povo vinha em massa para o ver com os seus próprios olhos. 9-10YAOHÚSHUA disse aos discípulos que tivessem um bote à mão, pronto para o recolher se a multidão na praia o apertasse, pois tinha feito muitas curas naquele dia e grande número de doentes se comprimia à sua volta, procurando tocar-lhe. 11-12E onde quer que os possuídos de demónios o vissem, caíam por terra na sua frente, clamando: “És ha-BOR de YÁOHU UL!” Contudo, avisava-os em termos enérgicos para que não repetissem aquilo.

São nomeados os doze discípulos

13Depois disto, YAOHÚSHUA subiu a uma montanha e chamou uns quantos que escolheu, convidando-os a subirem também, e a reunirem-se com ele. Eles assim fizeram. 14-15Nomeou então doze para serem sempre seus companheiros e saírem a pregar e a expulsar demónios. 16-19Assim se chamavam os doze que escolheu: Shamiúl (a quem pôs o nome de Káfos); YÁOHU-caf e YÁOHU-khánam (filhos de Zebedeu, mas a quem YAOHÚSHUA chamou filhos do Trovão); Andorúl; Felipe; Bartolomeu; Man-YÁOHU; Tomé; YÁOHU-caf (filho de Alfeu); YAOHÚ-dah; Shamiúl (o zelote) ; e Yudas Ish-Kerióth (que viria a traí-lo).

YAOHÚSHUA e ha-satán

20Quando YAOHÚSHUA voltou para a casa onde estava de passagem, o povo começou a juntar-se outra vez, e não tardou que ela ficasse tão cheia de gente que nem YAOHÚSHUA, nem os discípulos, tinham tempo para comer. 21Quando os seus familiares souberam do que estava a acontecer, tentaram levá-lo embora, e diziam: “Está fora de si”. 22Os profesores religiosos que tinham chegado de Yaohúshua-oléym diziam, porém: “Ele está mas é dominado por ha-satán, rei dos demónios; por isso é que estes lhe obedecem”. 23-27YAOHÚSHUA chamou então estes homens e perguntou-lhes em parábola: “Como pode ha-satán expulsar ha-satán? Um reino dividido contra si mesmo cai por terra. Uma casa cheia de contenda destrói-se a si mesma. E se ha-satán luta contra si próprio, como pode ele fazer seja o que for? Não teria subsistido. Assim o homem forte tem de ser amarrado antes da sua casa poder ser ocupada e da sua propriedade tomada. 28-29Declaro solenemente que qualquer pecado dos homens pode ser perdoado, incluindo a blasfémia. Mas a ofensa contra o RÚKHA hol-HODSHÚA, essa não pode nunca ser perdoada. É um pecado que fica para sempre.” 30Disse-lhes isto porque afirmavam que os seus milagres eram feitos pelo poder de ha-satán.

A mãe e os irmãos de YAOHÚSHUA

31-32Entretanto, sua mãe e irmãos chegaram à casa cheia de gente, onde ensinava, e mandaram-lhe recado para que saísse e viesse falar-lhes. “A tua mãe e irmãos estão lá fora e querem ver-te”, disseram-lhe. 33YAOHÚSHUA respondeu: “Quem é a minha mãe? Quem são os meus irmãos?” 34E, olhando para os que o rodeavam, acrescentou: “Estes é que são a minha mãe e os meus irmãos!+ 35Todo aquele que faz a vontade de YÁOHU UL é meu irmão, e minha irmã, e minha mãe.”

Marcos 4

A parábola do semeador

1Uma vez mais juntou-se enorme multidão na praia em torno de YAOHÚSHUA enquanto ensinava, pelo que entrou num bote e sentou-se, falando dali. 2Tinha o costume de ensinar o povo, contando-lhe parábolas. Foi assim que contou uma delas: 3-4″Ouçam bem. Um lavrador resolveu semear um pouco de grão. Todavia, enquanto o espalhava pelo campo, parte da semente caiu num caminho, e as aves vieram e, apanhando-a no chão duro, comeram-na. 5-6Outra parte caiu em terra pouco profunda, com pedras por baixo. Cresceu depressa, mas logo murchou com o calor do sol e morreu, porque as raízes não conseguiam alimentar-se naquele solo pouco fundo. 7Outras sementes caíram entre espinhos, que não tardaram a crescer e a sufocar as plantas tenras, pelo que não deram grão. 8-9Mas algumas sementes caíram em terra boa e deram trinta vezes o que o lavrador semeou; algumas delas até sessenta ou cem vezes tanto! Se têm ouvidos, ouçam!” 10-12Passado isto, estando sentado sozinho com os doze e com outros discípulos seus, perguntaram-lhe que queria dizer aquilo que contara. E respondeu: “A vocês é permitido saber verdades acerca do reino de YÁOHU UL que, porém, estão escondidas em parábolas aos que se encontram fora dele.

‘Embora vejam e ouçam, não entenderão nem se voltarão para YÁOHU UL, nem os seus pecados serão perdoados.’ 13Mas, se não conseguem entender esta ilustração tão simples, como compreenderão vocês as outras que vos hei-de dar?? 14O semeador de quem falei é qualquer pessoa que leva da Mensagem Gloriosa de YÁOHU UL aos outros. 15O caminho duro, onde caiu alguma da semente, representa o coração de alguns daqueles que ouvem a mensagem de YÁOHU UL. Ha-satán, porém, logo acode para que a esqueçam. 16-17A terra com muita pedra representa os que ouvem a mensagem com alegria. Mas tal como as plantas com raízes não muito fundas, embora ao princípio o crescimento seja animador, murcham mal começa a perseguição. 18-19A terra de espinhos representa o coração dos que escutam a Mensagem Gloriosa e as recebem. Todavia, bem cedo se fazem sentir os cuidados da vida, as delícias das riquezas, e as tentações; tudo isto aparece e expulsa a mensagem de YÁOHU UL do seu coração, de modo que não dão nenhum fruto. 20Mas a terra boa representa o coração daqueles que verdadeiramente aceitam a mensagem de YÁOHU UL e produzem uma colheita abundante para ele-trinta, sessenta, ou até cem vezes tanto quanto foi semeado no seu coração.”

A luz do candeeiro

21YAOHÚSHUA perguntou-lhes: “Quando alguém acende um candeeiro, será que coloca uma caixa por cima para esconder a luz? Claro que não! A luz assim não se veria nem serviria para nada. Um candeeiro coloca-se num lugar alto para brilhar e ser útil. 22Tudo quanto agora está escondido acabará por vir à luz. 23Se têm ouvidos, ouçam!ã 24Dêem atenção ao que ouvem. Quanto mais o fizerem, melhor entenderão o que vos digo., 25Quem obedece à palavra de YÁOHU UL receberá mais compreensão; àquele que ouve e não obedece, até o pouco que possa compreender lhe será tirado.

A história da semente

26-29Vou mostra-vos outra maneira de explicar com que se parece o reino de YÁOHU UL: Um lavrador semeou o seu campo e foi-se embora. Enquanto os dias passavam, as sementes foram crescendo sem a sua ajuda, pois era a terra que fazia as sementes crescerem. Primeiro foi uma folha que apareceu, mais tarde formaram-se as espigas de trigo, até que por fim o grão amadureceu. Então o lavrador veio logo com a foice e tratou de o colher.

A semente de mostarda

30-32Como vos descreverei eu o reino de YÁOHU UL? Que história contarei para o explicar? É como uma semente de mostarda muito pequenina que, embora seja uma das sementes de menor tamanho, vai crescendo e se transforma numa das maiores plantas que há, com grandes ramos onde as aves podem fazer os ninhos e abrigar-se.” 33-34Servia-se de muitas ilustrações assim para ensinar o povo até onde ele o podia entender. Diante do povo, só ensinava por meio de parábolas, mas, quando estava a sós com os discípulos, explicava-lhes o que pretendia dizer.

YAOHÚSHUA acalma a tempestade

35Ao cair da tarde, YAOHÚSHUA disse aos discípulos: “Vamos atravessar para a outra margem do lago” 36Entraram no barco onde ele já estava e começaram a travessia, deixando a multidão para trás, embora os seguissem outros barcos. 37Mas logo se levantou grande temporal. Ondas enormes começaram a rebentar dentro do barco, que, quase cheio de água, corria grande perigo de ir ao fundo. 38Entretanto, YAOHÚSHUA dormia deitado na popa, com a cabeça numa almofada. Inquietos, acordaram-no gritando: “Maoro-éh, não te preocupa que estejamos quase a morrer afogados?” 39 Então repreendeu o vento e disse ao mar: “Aquieta-te!”, e o vento parou, fazendo-se uma grande calma.- 40″Porque estavam com tanto medo? Ainda não têm confiança em mim?” 41Eles, tomados de espanto, diziam uns aos outros: “Quem é este homem, que até os ventos e as ondas lhe obedecem?”

Marcos 5

A cura do homem endemoninhado

1-2Chegados ao outro lado do lago, na terra dos gadarenos, um homem dominado pelo demónio veio a correr dum cemitério, justamente quando YAOHÚSHUA saía do barco. 3-4Este homem morava entre os túmulos e a sua força era tal que, quando o prendiam com algemas e correntes, como lhe fizeram muitas vezes, partia as algemas dos pulsos e despedaçava as correntes, conseguindo escapar-se sem que ninguém tivesse força bastante para o dominar. 5Todo o dia, e pela noite dentro, errava entre os túmulos e pelos montes desertos, dando gritos e ferindo-se nas arestas das pedras. 6-8O homem tinha visto YAOHÚSHUA quando vinha ainda longe e, correndo ao seu encontro, deitou-se por terra na sua frente. YAOHÚSHUA falou ao demónio que existia dentre dele e disse: “Sai, espírito mau.” Este deu um grito terrível e clamou: “Que vais fazer comigo, YAOHÚSHUA, ha-BOR de YÁOHU UL altíssimo? Peço-te por YÁOHU UL que não me atormentes!” 9″Como te chamas?”, perguntou YAOHÚSHUA.”Exército, porque somos muitos dentro deste homem.”- 10Então os demónios pediram com insistência que não os expulsasse para qualquer terra distante. 11Ora, sucedia que, no monte acima do lago, andava uma grande vara de porcos por ali a pastar. 12″Manda-nos para aqueles porcos”, rogaram os demónios. 13YAOHÚSHUA concordou. Então, os espíritos maus saíram do homem e entraram nos animais. A vara inteira de dois mil porcos lançou-se pela encosta íngreme do monte e caiu lá em baixo no lago, onde se afogou. 14Os porqueiros fugiram para as vilas e campos próximos, espalhando a notícia enquanto corriam. Toda a gente saiu para ver com os seus próprios olhos. 15Depressa se reuniu uma grande multidão onde YAOHÚSHUA estava, mas, assim que viram o homem ali sentado, completamente vestido e perfeitamente são, ficaram com medo 16-17Aqueles que tinham assistido ao que tinha acontecido contavam aos outros, e a multidão começou a teimar com YAOHÚSHUA para que se fosse embora e os deixasse. 18-19Assim, voltou para o barco, e o homem que tinha andado possuído dos demónios pediu a YAOHÚSHUA que o deixasse acompanhá-los. Mas YAOHÚSHUA não quis: “Volta para a tua família e conta-lhe as maravilhas que YÁOHU UL te fez, e como foi tão bondoso para ti.” 20O homem partiu então para percorrer as dez cidades naquela região, e contava a toda a gente as grandes coisas que YAOHÚSHUA lhe tinha feito, e todos ficavam pasmados a ouvi-lo.

Uma menina morta e uma mulher doente

21Quando YAOHÚSHUA atravessou de barco para a outra margem do lago, enorme multidão juntou-se à sua volta na praia. 22-23O dirigente da sinagoga daquele lugar, cujo nome era Yao-éyr, veio e lançou-se por terra diante dele, suplicando-lhe que lhe curasse a filha, uma criancinha ainda. “Está às portas da morte”, dizia desesperado. “Rogo-te que venhas pôr as mãos sobre ela e a faças viver.” 24YAOHÚSHUA foi com ele, acompanhado de muito povo. 25Entre aquela massa de povo encontrava-se uma mulher que sofria, havia doze anos, de uma perda de sangue 26Durante todo esse tempo padecera bastante às mãos de muitos médicos, e tinha gasto tanto com eles que ficara pobre, sem ver quaisquer melhoras; antes piorara 27Ouvira falar tanto nos espantosos milagres feitos por YAOHÚSHUA que, seguindo atrás dele no meio da multidão, lhe tocou na roupa, 28pensando consigo própria: “Se ao menos lhe tocar nas vestes, ficarei curada” 29E, de facto, logo que tocou nele, o sangue parou de correr e ela percebeu que estava outra vez sã. 30Mas YAOHÚSHUA sentiu que saíra de si poder curativo e, por isso, olhando para trás, perguntou: “Quem foi que me tocou na roupa?” 31Os discípulos disseram-lhe: “Com toda esta gente à tua volta, ainda perguntas quem te tocou?” 32-34Ele continuou a olhar em torno para encontrar quem fizera aquilo. Então a mulher, amedrontada com o que lhe havia acontecido, veio, caiu-lhe aos pés e declarou o que tinha feito. YAOHÚSHUA disse-lhe: “Filha, a tua fé curou-te; vai em paz, estás livre do teu mal”. 35Ainda YAOHÚSHUA falava com ela, quando chegaram mensageiros da casa de Yao-éyr com a notícia de que era tarde demais – a filha tinha morrido, e já não valia a pena YAOHÚSHUA ir lá. 36YAOHÚSHUA contudo, não fez caso do que diziam e falou assim a Yao-éyr: “Não tenhas medo, confia em mim”. 37YAOHÚSHUA fez a multidão parar e não deixou ninguém acompanhá-lo a não ser Káfos, YÁOHU-caf e YÁOHU-khánam 38Quando chegaram, viu tudo em grande confusão, ouvindo-se choro e lamentações 39Ele, no entanto, dirigiu-se assim aos que ali estavam: “Para que é todo este choro e alvoroço? A criança não está morta, apenas dorme.” 40E riram-se de troça, mas YAOHÚSHUA mandou todos saírem e, acompanhado do pai, da mãe da criança, e dos três discípulos, entrou no quarto onde ela estava deitada. 41Segurando-lhe na mão, disse:”Menina, levanta-te!” 42E a menina, que tinha doze anos de idade, logo saltou e começou a andar. Os pais ficaram pasmados. l 43YAOHÚSHUA recomendou-lhes muito que não contassem aquilo a ninguém, e mandou-lhes que dessem de comer à filha.

Marcos 6

Um profeta sem honra

1Logo depois disto, YAOHÚSHUA saiu daquela parte do país e voltou com os discípulos para Nudtzoróth, a sua terra. 2No Shábbos seguinte, foi à sinagoga ensinar, e o povo, vendo nele apenas o seu conterrâneo, estava admirado com a sua sabedoria e milagres 3″De onde lhe veio toda esta sabedoria e poder para realizar tais milagres?”, dizia-se. “Não passa de um carpinteiro, filho de Maoro-ém e irmão de YÁOHU-caf, YÁOHU-saf, YAOHÚ-dah e Shamiúl. As suas irmãs moram aqui mesmo, nesta localidade.” E estavam escandalizados e não acreditavam nele. 4Então YAOHÚSHUA disse-lhes: “Um profeta é honrado em qualquer lugar menos na sua terra, entre o seus parentes e no meio da própria família” 5Por não acreditarem nele, YAOHÚSHUA não pôde fazer ali nenhum grande milagre, a não ser pôr as mãos sobre alguns doentes e curá-los./ 6A YAOHÚSHUA custava-lhe que não quisessem acreditar em si e, saindo dali, foi ensinar pelas aldeias.

YAOHÚSHUA envia os doze discípulos

7Juntando os doze discípulos, mandou-os de dois em dois, com o poder de expulsar demónios. 8-9Disse-lhes que nada levassem consigo a não ser o bordão; nem comida, nem mochila, nem dinheiro, nem mesmo uma muda de roupa, nem calçado, além das sandálias. 10″Fiquem sempre na mesma casa em cada terra, enquanto ali estiverem; não andem de casa em casa 11E sempre que uma localidade não vos quiser receber nem ouvir, sacudam a poeira dos vossos pés quando saírem, em sinal de que abandonaram essa terra à sua própria sorte.” 12-13Então os discípulos partiram, incitando todos os que encontravam a abandonarem o pecado. Expulsaram muitos demónios e curaram muitos doentes, ungindo-os com azeite.

YÁOHU-khánam Baptista é degolado

14Não tardou que Herod ouvisse falar em YAOHÚSHUA, cujos milagres eram contados com espanto em toda a parte. Algumas pessoas estavam a dizer que era YÁOHU-khánam Baptista que tinha ressuscitado. Por isso dizia: “Não admira que possa fazer tais milagres”. 15-16Havia gente também que pensava que YAOHÚSHUA fosse Uli-YÁOHU; outros, ainda, afirmavam que era um novo homem de YÁOHU UL igual aos grandes profetas do passado. “Não”, dizia Herod, “é YÁOHU-khánam, o homem a quem eu cortei a cabeça. Voltou de entre os mortos!” 17-20Porque Herod mandara soldados meterem YÁOHU-khánam no cárcere, por este andar sempre a dizer que não estava certo casar-se com Herodias, mulher de Felipe, irmão do próprio rei. Para se vingar, Herodias queria que YÁOHU-khánam fosse morto, mas sem a aprovação de Herod nada podia fazer. Porque Herod respeitava YÁOHU-khánam, sabendo que era um homem bom e santo, e protegia-o. Sempre que falava com YÁOHU-khánam, Herod ficava preocupado, mas gostava de ouvi-lo. 21-23Até que, por fim, chegou a oportunidade por que Herodias esperava. Herod fazia anos e dera uma celebração para a gente do palácio, para os oficiais do exército e para a gente importante da Galileia. A certa altura, entrou a filha de Herodias, que dançou na presença dos convidados e agradou a todos. “Pede-me o que quiseres”, prometeu o rei, “que eu dou-te nem que seja metade dos meus domínios.” 24Ouvindo isto, ela saiu para se aconselhar junto da mãe, que lhe disse: “Pede-lhe a cabeça de YÁOHU-khánam Baptista!” 25Então voltou logo à presença do rei: “Quero a cabeça de YÁOHU-khánam Baptista, agora mesmo, numa bandeja!” 26-28O rei ficou muito triste com o pedido, mas teve vergonha de quebrar o juramento diante dos convidados. Mandou então um dos da sua guarda pessoal à prisão cortar a cabeça de YÁOHU-khánam e trazê-la. O soldado matou YÁOHU-khánam no cárcere e trouxe a sua cabeça numa bandeja, dando-a à jovem, que a levou à mãe.- 29Quando os discípulos de YÁOHU-khánam souberam o que tinha acontecido, foram buscar o corpo e sepultaram-no num túmulo.

YAOHÚSHUA alimenta cinco mil homens

30-32Por fim, os emisários voltaram da sua viagem e, indo ter com YAOHÚSHUA, contaram-lhe tudo o que tinham feito e como haviam falado às populações visitadas. YAOHÚSHUA disse-lhes: “Saiamos por um pouco do meio do povo para descansar”. Pois era tanta a gente que ia e vinha que mal tinham tempo para comer. Saíram, pois, do barco para um sítio mais sossegado. 33Mas muitas pessoas deram por isso e, correndo pela praia fora, foram esperá-los ao ponto de desembarque 34Quando YAOHÚSHUA saiu do barco, já lá se encontrava a enorme multidão de sempre. E teve pena deles, porque eram como ovelhas sem apacentador. Ensinou-lhes muitas coisas que precisavam de saber. 35-36Ao cair da tarde, os discípulos foram ter com YAOHÚSHUA e disseram: “Manda ao povo que vá até às aldeias e quintas próximas para comprar alimento, porque neste lugar deserto não há nada para comer e está a fazer-se tarde”. 37YAOHÚSHUA discordou: “Dêem-lhe vocês de comer”.”Com quê? Seria preciso uma fortuna para comprar comida para tanta gente!” 38″Quanta comida temos?”, perguntou YAOHÚSHUA. “Vão ver.” Eles voltaram, dizendo que havia cinco pães e dois peixes. 39-40Então YAOHÚSHUA disse à multidão que se sentasse. E sentaram-se, na erva verde, em grupos de cinquenta ou cem. 2 41Tomando os cinco pães e os dois peixes, YAOHÚSHUA ergueu os olhos para o céu e agradeceu a comida. Depois, partindo os pães em pedaços, deu um pouco de pão e de peixe a cada discípulo para que oferecessem ao povo. 42A multidão comeu até se fartar. 43-44Havia cerca de cinco mil homens naquela refeição, e ainda se recolheram doze cestos de sobras.

YAOHÚSHUA anda sobre as águas

45-46Logo a seguir, YAOHÚSHUA mandou os discípulos que voltassem para o barco e fossem à sua frente, atravessando o lago até Bóhay Shua-odái, onde se lhes juntaria mais tarde, pois ficaria um pouco mais para despedir o povo e enviá-lo para casa. Feito isto, YAOHÚSHUA subiu à montanha para orar. 47-48Durante a noite, estando os discípulos no barco, no meio do lago e ele sozinho em terra, viu que se encontravam em aflição, remando com esforço e lutando contra o vento e as ondas. Por volta das três da madrugada, caminhou para eles por cima da água e ia passar-lhes adiante 49-50Quando deram conta que ia alguém a caminhar perto deles, gritaram de terror, pensando que fosse um fantasma, porque todos o viam. Ele, porém, logo lhes falou, dizendo: “Vai tudo bem, sou eu, não tenham medo!” Então subiu para o barco e o vento parou. 51-52Os discípulos ficaram ali sentados, de boca aberta, sem compreender o que se passara. Porque ainda não tinham percebido quem YAOHÚSHUA realmente era, nem mesmo depois do milagre da tarde anterior. Os seus corações estavam endurecidos. 53-55Quando chegaram a Gan Nudtzoróth, do outro lado do lago, amarraram o barco e saltaram para terra. O povo que se encontrava ali reconheceu-o imediatamente e percorreu toda a região espalhando a notícia da sua chegada; começaram a trazer-.”-lhe os doentes em esteiras e padiolas. 56Aonde quer que fosse, aldeias, cidades e quintas, punham os doentes nas praças e ruas, pedindo que os deixasse ao menos tocar-lhe nas franjas da roupa, e todos os que lhe tocavam ficavam curados.

Marcos 7

O que contamina o ser humano

1-2Um dia, chegaram de Yaohúshua-oléym uns Farsyím e profesores da lei religiosa para falarem com YAOHÚSHUA, e notaram que alguns dos seus discípulos não cumpriam com os rituais que os YAOHÚ-dim geralmente observam antes de comer 3-4(Porque os YAOHÚ-dim, sobretudo os que são Farsyím, nunca comem enquanto não lavarem muito bem as mãos, conforme o exigem as antigas tradições; e, quando voltam da rua para casa, devem sempre lavar-se deste modo antes de tocar em qualquer comida. Este é apenas um entre muitos exemplos das leis a que se agarraram, tais como a cerimónia de purificação de vasilhas, panelas e pratos.) 5Os Farsyím e profesores da lei religiosa perguntaram-lhe, pois: “Porque não seguem os teus discípulos os nossos antigos usos e comem sem se lavarem cerimonialmente?” 6YAOHÚSHUA respondeu: “Fingidos que vocês são! Bem disse o profeta Yaoshúa-YÁOHU acerca de vocês:

7’Este povo honra-me com palavras,”mas o seu coração está longe de mim. É em vão que me prestam culto, porque ensinam doutrinas”que não passam de preceitos de homens.’ 8E Yaoshúa-YÁOHU bem tinha razão! Porque vocês desprezam as ordens expressas de YÁOHU UL para porem em seu lugar as vossas próprias tradições. 9Rejeitam a lei de YÁOHU UL para manter as vossas próprias tradições. 10Por exemplo: Mehushúa ordenou-vos da parte de YÁOHU UL: ‘Respeita o teu pai e a tua mãe’, acrescentando que ‘todo aquele que falar contra o pai ou a mãe deverá ser morto’. 11-12Contudo, vocês afirmam que é permitido a um homem desprezar os seus pais necessitados se lhes disser: ‘Não posso ajudar-vos, porque o que seria para vocês já o dei a YÁOHU UL’ 13Assim ofendem a lei celestial para defender as vossas tradições criadas por homens. E isto é só um exemplo, porque há muitos mais.” 14Então chamou de novo a multidão para que viesse ouvir: “Escutem todos e procurem entender 15O que contamina o homem não é o que ele come, mas, sim, o que ele diz e faz!”t 16Quem tem ouvidos para ouvir ouça. 17Depois de deixar aquele povo, entrou numa casa, e os discípulos perguntaram-lhe o que queria dizer com as palavras que acabara de pronunciar. 18-19″Nem vocês entendem?”, perguntou-lhes. “Não percebem que o que comem não vos faz mal à alma? Pois a comida não passa pelo coração, mas apenas pelo estômago e depois sai para fora.” (Ao dizer isto, YAOHÚSHUA mostrou que todas as espécies de comida são aceitáveis.) 20-23E acrescentou: “O que se passa no espírito é que contamina. Porque do íntimo é que vêm os maus pensamentos de desejo carnal, roubo, assassínio, adultério, cobiça, maldade, engano, indecências, inveja, calúnia, orgulho e coisas insensatas. Todas essas coisas más procedem do íntimo da pessoa; são elas que vos contaminam e vos tornam indignos de YÁOHU UL.”

A fé da estrangeira

24Depois, saiu da Galileia e foi para a região de Tiro e Sidom, mas não conseguiu esconder que estava ali; como de costume, a notícia da sua chegada depressa se espalhou. 25-27Imediatamente foi procurado por uma mulher cuja filha estava possuída por um demónio. Como tinha já ouvido falar em YAOHÚSHUA, veio agora e caiu-lhe aos pés, pedindo muito que livrasse a filha do poder do demónio. Tratava-se de uma siro-fenícia, uma estrangeira, e por isso desprezada pelos YAOHÚ-dim. YAOHÚSHUA disse-lhe: “Primeiro tenho que ajudar os da minha família, os YAOHÚ-dim. Não está certo tirar a comida aos filhos e lançá-la aos cães.” 28Ela replicou: “Isso é verdade, Molkhiúl, mas até os cachorrinhos debaixo da mesa recebem os restos dos pratos dos que são filhos”. 29″Está certo! Respondeste tão certo que já curei a tua filhinha.”” 30E, quando ela chegou a casa, encontrou a filha sossegada, na cama; o demónio tinha-se ido embora.

A cura do surdo-mudo

31De Tiro foi para Sidom, voltando em seguida ao Mar da Galileia pelo caminho das Dez Cidades. 32-35Trouxeram-lhe um surdo que tinha um defeito na fala, e todos lhe pediam que pusesse as mãos sobre o homem e o curasse. Então YAOHÚSHUA, afastando-o da multidão, pôs os dedos nos ouvidos do homem e, cuspindo, tocou-lhe na língua com a sua saliva. Levantando os olhos para o céu, suspirou e ordenou: “Yaptákh (Abram-se)!” No mesmo momento, o homem começou a ouvir e a falar perfeitamente. 36-37YAOHÚSHUA recomendou à multidão que não espalhasse a notícia, mas, quanto mais proibia, mais o facto se divulgava. Porque toda a gente sentia enorme espanto, dizendo a cada hora: “Tudo o que faz é maravilhoso; os surdos ouvem e os mudos falam!”

Marcos 8

YAOHÚSHUA alimenta quatro mil homens

1Um dia, por esse tempo, estando outra grande multidão reunida, o povo ficou novamente sem provisões. YAOHÚSHUA chamou os discípulos para estudar a situação: 2″Tenho pena desta gente porque estão aqui há três dias e não ficou nada para se alimentarem. 3Se os mandar embora sem lhes dar de comer, desfalecem pelo caminho, pois alguns vêm de muito longe.” 4″Então, e é no deserto que vamos arranjar-lhes comida?”, perguntaram os discípulos. 5″Quantos pães têm vocês?”, perguntou-lhes. “Sete”, responderam 6Mandou então a todos sentarem-se no chão e, tomando os sete pães, deu graças a YÁOHU UL, partiu-os em pedaços, entregou-os aos discípulos, e estes levaram-nos ao povo. 7Encontraram-se também alguns peixinhos, que YAOHÚSHUA igualmente abençoou e mandou os discípulos servir. 8-9A multidão inteira comeu até se fartar, depois do que a mandou embora. Naquele dia havia ali cerca de quatro mil pessoas, e as sobras recolhidas depois da refeição ainda deram para encher sete cestos grandes. 10Logo a seguir entrou para um barco com os discípulos e foi para a região de Dalmanuta 11Quando os Farsyím daquela terra souberam da sua chegada, procuraram-no para o experimentarem e discutirem com ele: “Dá-nos um sinal do céu para provar quem tu és.” 12-13Ao ouvir isto, sentiu-se profundamente triste.”Certamente que não farei aqui nenhum milagre. De quantos mais precisarão vocês?” Por isso, voltou para o barco e deixou-os, atravessando para a outra margem do lago.

O fermento dos Farsyím e de Herod

14-15Os discípulos, contudo, tinham-se esquecido de fazer provisão de comida antes de partirem, pelo que só tinham um pão a bordo. Durante a travessia, YAOHÚSHUA disse-lhes muito solenemente: “Tenham cuidado com o fermento do rei Herod e com o dos Farsyím”. 16″Que quererá dizer?”, perguntavam os discípulos uns aos outros. Chegaram à conclusão de que devia referir-se ao facto de se terem esquecido de levar pão. 17YAOHÚSHUA percebeu o que discutiam entre si: “Não, não é nada disso. Não compreendem? Será porventura o vosso coração demasiado duro para entender isto? 18Se têm olhos porque não vêem? Se têm ouvidos porque não ouvem? Já não se lembram? 19Então, e os cinco mil homens que alimentei só com cinco pães? Quantos cestos cheios de sobras recolheram depois?””Doze”, disseram. 20″E quando alimentei os quatro mil com sete pães, quanto sobejou?””Sete cestos cheios”, responderam. 21YAOHÚSHUA disse-lhes, “E ainda pensam que me preocupo por não termos pão?”

A cura do cego de Bóhay Shua-odái

22-23Quando chegaram a Bóhay Shua-odái, algumas pessoas trouxeram-lhe um cego, pedindo-lhe que tocasse nele e o curasse. YAOHÚSHUA tomou o cego pela mão e levou-o para fora da aldeia. Aí, cuspiu-lhe nos olhos e pôs as mãos em cima deles. “Já vês alguma coisa?”, perguntou a seguir. 24O homem olhou em volta: “Sim! Vejo homens mas não os distingo bem; parecem troncos de árvore a andar de um lado para o outro.” 25-26Então pôs outra vez as mãos em cima dos olhos do homem e, quando este olhou bem, tinha recuperado completamente a vista e via claramente o que se passava à sua volta. YAOHÚSHUA mandou-o para casa, para junto da família. “Não passes sequer pela aldeia”, recomendou-lhe.

A confissão de Káfos sobre YAOHÚSHUA

27YAOHÚSHUA e os discípulos saíram da Galileia e foram para as vilas de Cesareia de Felipe. Enquanto caminhavam, perguntou-lhes: “Quem pensa o povo que eu sou?” 28″Há quem diga que és YÁOHU-khánam Baptista. Outros afirmam que és Uli-YÁOHU ou algum outro profeta dos tempos antigos que voltou a viver.” 29″E vocês, quem pensam que eu sou?”Káfos respondeu: “Tu és ha-MEHUSHKHÁY (o Messías).” 30YAOHÚSHUA recomendou-lhes que não o dissessem a ninguém.

YAOHÚSHUA fala da sua morte

31-32A partir daí começou a falar-lhes nas coisas terríveis por que passaria – que não seria aceite pelos responsáveis do povo, nem pelos principais dos intermediários e nem pelos profesores da lei, que seria morto e que ressuscitaria três dias depois. Falava com eles sobre isto abertamente e Káfos o levou à parte e o repreendeu: “Não deves dizer coisas assim”. 33YAOHÚSHUA, porém, voltou-se, e depois de olhar para os discípulos, disse severamente a Káfos: “Vai para trás de mim, ha-satán! Vês isto só do ponto de vista humano e não do ponto de vista de YÁOHU UL.” 34-38Chamando os discípulos e o povo para o ouvirem, falou-lhes assim: “Se algum de vocês quiser ser meu seguidor, deve esquecer-se de si mesmo, tomar a sua poste e seguir-me. Se quiserem salvar a vossa vida, perdê-la-ão. Só quem abandona a sua vida por minha causa e por causa da Mensagem Gloriosa descobrirá a vida verdadeira. Que aproveita a um homem ganhar o mundo inteiro se perder a alma? Haverá alguma coisa que valha mais do que ele próprio? Todo aquele que se envergonhar de mim e da minha mensagem nestes dias de incredulidade e pecado, eu, ha-BOR do Homem, me envergonharei dele quando voltar na glória de meu YÁOHU ABí, com os santos anjos.”

Marcos 9

1Falando ainda com os discípulos, YAOHÚSHUA continuou: “Alguns dos que estão aqui agora não morrerão sem ver o reino de YÁOHU UL chegar com grande poder!”

YAOHÚSHUA transfigura-se

2-3Passados seis dias, YAOHÚSHUA levou Káfos, YÁOHU-caf e YÁOHU-khánam para o cimo de uma montanha. Não havia ali mais ninguém. De súbito, o seu rosto começou a brilhar intensamente e a sua roupa ficou de uma brancura deslumbrante que nenhum processo humano conseguiria alcançar. 4Então apareceram Uli-YÁOHU e Mehushúa, que começaram a falar com YAOHÚSHUA. 5″Maoro-éh, isto é maravilhoso”, exclamou Káfos. “Façamos aqui três abrigos, um para cada um de vocês.”l 6Falava assim por nada mais lhe vir à ideia. Estavam cheios de espanto. 7Então uma nuvem cobriu-os e dela saiu uma voz que disse: “Este é o meu ha-BOR (Filho) amado. Ouçam-no!” 8Nesse momento olharam em torno, mas Mehushúa e Uli-YÁOHU já lá não estavam; só viram YAOHÚSHUA. 9Enquanto desciam da montanha, YAOHÚSHUA recomendou-lhes para não contarem a ninguém o que tinham visto até que ele, ha-BOR do Homem, ressuscitasse. 10Por isso guardaram o sucedido para si mesmos, mas muitas vezes falavam a respeito daquilo, perguntando entre si que quereria ele dizer por “levantar-se de entre os mortos”. 11Agora começaram a perguntar-lhe: “Porque é que os profesores da lei religiosa insistem que Uli-YÁOHU deve voltar antes da vinda do hol-MEHUSHKHÁY (o Messías)?” 12YAOHÚSHUA respondeu: “Uli-YÁOHU de facto vem primeiro para pôr tudo em ordem. Porquê então está escrito que ha-BOR do Homem deve sofrer e ser rejeitado? 13Mas eu vos digo, Uli-YÁOHU já veio, e ele foi muito maltratado, tal como as Qaotáv previam.”

A cura do rapaz com um espírito mau

14Quando chegaram abaixo da montanha, encontraram grande multidão que rodeava os outros nove discípulos enquanto alguns profesores da lei discutiam com eles. 15A multidão olhou com respeitoso espanto para YAOHÚSHUA ao vê-lo aproximar-se e correu a cumprimentá-lo. 16″Que se passa?”, perguntou. 17De entre a multidão, um dos que ali estavam disse: “Maoro-éh, trouxe o meu filho para que o curasses, pois está dominado por um demónio e não fala 18E sempre que o demónio se apodera dele, atira-o ao chão e fá-lo espumar pela boca, ranger os dentes e assim vai definhando. Pedi aos teus discípulos que expulsassem o demónio, mas não o conseguiram.” 19YAOHÚSHUA então disse aos discípulos: “Como é tão pequena a vossa fé! Quanto tempo mais precisarei de andar convosco? Quanto tempo mais preciso de ter paciência para convosco? Tragam-me o menino.” 20Trouxeram-lhe o menino, mas quando ele viu YAOHÚSHUA, o demónio sacudiu em convulsões a criança, que caiu no chão, contorcendo-se e espumando. 21″Há quanto tempo está ele assim?”, perguntou ao pai. 22″Desde pequenino. O demónio fá-lo cair às vezes no fogo, ou na água, para o matar. Oh, tem pena de nós e, se puderes, faz alguma coisa!” 23″Se eu puder?”, perguntou YAOHÚSHUA. “Tudo é possível se tiveres fé.” 24Ao que o pai respondeu logo: “Fé tenho eu; ajuda-me a ter mais!” 25Quando YAOHÚSHUA viu que a multidão aumentava, mandou ao demónio: “Demónio de surdez e mudez, ordeno-te que saias desse menino e que não entres mais nele.” 26Então o demónio soltou um grito terrível, tornou a sacudir-lhe o corpo e deixou-o em seguida. O menino ficou ali caído sem forças e sem se mexer, como se estivesse morto. A multidão começou a dizer à boca pequena: “Morreu!” 27Mas YAOHÚSHUA tomou-o pela mão e ajudou-o a pôr-se de pé. Ele ergueu-se-estava bom! 28Mais tarde, estando YAOHÚSHUA sozinho em casa com os discípulos, estes perguntaram-lhe: “Porque não conseguimos nós expulsar aquele demónio?” 29″Para casos como este é preciso orar”, respondeu. 30-31Deixando aquela região, percorreram a Galileia, onde YAOHÚSHUA procurava evitar toda e qualquer actividade pública para poder dedicar mais tempo a ensinar os discípulos. E dizia-lhes: “Eu, ha-BOR do Homem, vou ser traído e morto, e três dias depois tornarei a viver”. 32Eles não compreendiam e tinham medo de lhe perguntar o que queria dizer.

Quem é o maior?

33Chegaram a Kefár-Naokhém. Quando se encontravam instalados na casa onde iam ficar, perguntou-lhes: “Que vinham a discutir pelo caminho?” 34Mas tinham vergonha de responder, porque a discussão era sobre qual deles seria o mais importante. 35Então sentou-se e, chamando-os para que se pusessem à sua volta, disse: “Todo aquele que quiser ser o primeiro deve ser o último, o que serve os outros!” 36-37E, colocando uma criancinha no meio, tomou-a nos braços e disse: “Todo o que receber uma criancinha como esta em meu Shúam (Nome) é a mim que recebe; e todo aquele que me receber estará a receber meu YÁOHU ABí (Pai), que me enviou”.

Quem não é contra nós é por nós

38 YÁOHU-khánam, um dos seus discípulos, disse-lhe um dia: “Maoro-éh, vimos um homem que se servia do teu Shúam (Nome) para expulsar demónios, mas dissemos-lhe que não o fizesse por não ser do nosso grupo”. 39-41″Não o proibam! Porque ninguém que faça milagres em meu Shúam (Nome) se vai voltar contra mim. Quem não é contra nós é por nós. Se alguém vos der nem que seja um copo de água, fazendo isso por serem de hol-MEHUSHKHÁY, digo-o solenemente, não deixará de ter a sua recompensa. 42Mas se alguém fizer que um destes pequeninos que crêem em mim perca a fé, mais valia a esse homem amarrarem-lhe uma pedra de moinho em volta do pescoço e ser atirado ao mar 43-48Se a tua mão fizer o mal, corta-a! É melhor viver só com uma mão do que ter as duas e ir parar às chamas do inferno que nunca se apagam! Se o teu pé te levar para o mal, corta-o! É melhor viver coxo do que ter dois pés que te levem ao inferno. E se o teu olho estiver cheio de pecado, arranca-o. Melhor é entrar no reino de YÁOHU UL só com um olho do que ter dois e ver as chamas do inferno, onde os bichos nunca morrem e o fogo nunca se extingue. 49Porque todos serão como que temperados pelo fogo. 50Sal é bom para temperar. Mas se ele perder o seu sabor, como é que se pode fazê-lo salgado de novo? Vocês devem ter as qualidades de sal entre se e viver em paz uns com os outros.

Marcos 10

O divórcio

1YAOHÚSHUA saiu de Kefár-Naokhém e seguiu para o sul, para os limites da YAOHÚ-dah e para a região a nascente do rio Yardayán. Acorreram multidões a ouvi-lo e, como sempre, ele ensinava-as. 2Apareceram alguns Farsyím que lhe perguntaram: “Permites o divórcio?”, na mira de o apanharem numa armadilha. 3″Que disse Mehushúa sobre o divórcio?”, YAOHÚSHUA perguntou-lhes. 4″Disse que era permitido; que um homem pode entregar à mulher uma carta de divórcio, e mandá-la embora.” 5″E porque disse ele isso?” YAOHÚSHUA acrescentou: “Mas eu próprio vos direi porquê: por causa da dureza do vosso coração. 6No entanto, não foi nada assim que YÁOHU UL estabeleceu, porque logo desde o princípio criou o homem e a mulher para se unirem para sempre no casamento 7-8Portanto, o homem deve deixar pai e mãe, e ele e a esposa ficarão tão unidos que não são dois, mas um só. 9E nenhum homem deve separar o que YÁOHU UL juntou.” 10-11Mais tarde, estando sozinho com os discípulos em casa, estes tornaram a falar naquele assunto, e disse-lhes: “Quando um homem se divorcia da mulher para se casar com outra, comete adultério contra ela 12E se a mulher se divorciar do marido e se casar outra vez, também comete adultério.”

YAOHÚSHUA e os meninos

13Certa vez, quando lhe traziam meninos para que os abençoasse, os discípulos repeliam-nas, dizendo que não o incomodassem. 14Mas, ao ver isto, YAOHÚSHUA ficou muito descontente: “Deixem as crianças virem a mim, porque o reino de YÁOHU UL pertence a quem é como elas. Não as mandem embora!c 15E isto é muito importante: todo aquele que recusar vir a YÁOHU UL como uma criancinha não poderá entrar no seu reino.”” 16E, tomando as crianças nos seus braços, pôs-lhe as mãos sobre a cabeça e abençoou-as carinhosamente.

O jovem rico

17Quando YAOHÚSHUA se punha a caminho para sair dali, um homem correu para ele, ajoelhou-se e perguntou: “Tav Maoro-éh, que devo fazer para ganhar o céu?” 18-19″Porque me chamas Tav (Bom)? Só YÁOHU ULHÍM é verdadeiramente Tav. Mas, respondendo à tua pergunta, conheces os mandamentos: não matar, não cometer adultério, não roubar, não mentir, não enganar, respeitar pai e mãe.” 20″Maoro-éh”, o homem replicou, “desde pequeno que tenho guardado todas essas leis”. 21Ao olhar para aquele homem, YAOHÚSHUA sentiu uma afeição profunda por ele: “Falta-te uma coisa só: vende tudo o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no céu. Depois vem e segue-me”. 22O rosto do homem anuviou-se, e foi-se embora triste, porque era muito rico. 23YAOHÚSHUA voltando-se, disse aos discípulos: “É quase impossível um rico entrar no reino de YÁOHU UL!” 24-25Estas palavras deixaram-nos espantados, e YAOHÚSHUA explicou: “Meus queridos filhos, é muito difícil para quem confia nas riquezas entrar no reino de YÁOHU UL! É mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha do que um rico entrar no reino de YÁOHU UL!” 26Os discípulos, porém nem podiam acreditar: “Então quem é que neste mundo poderá salvar-se?” 27YAOHÚSHUA fixou neles o olhar e disse: “Mas com YÁOHU UL, tudo é possível.” 28Káfos começou a falar em tudo aquilo que ele e os outros discípulos tinham abandonado: “Tudo deixámos para te seguir”. 29-30E YAOHÚSHUA respondeu: “Posso afirmar-vos que nunca ninguém abandonou lar, irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos ou bens, por amor de mim e para espalhar a Gloriosa Mensagem entre os outros, que não recebesse como prémio cem vezes mais em lares, irmãos, irmãs, mães, filhos e terras – mas com perseguições! Tudo isso terá aqui na terra; e no mundo futuro terá a vida eterna. 31Muitas pessoas, que parecem importantes agora, serão as menos importantes então, e muitos dos que são aqui considerados menores lá serão os maiores.”

YAOHÚSHUA fala de novo da sua morte

32Caminhavam já para Yaohúshua-oléym e YAOHÚSHUA ia andando à frente. Os discípulos estavam preocupados e as pessoas que seguiram atrás estavam cheios de medo. YAOHÚSHUA, então, levou à parte os doze discípulos e tornou a falar-lhes sobre tudo o que ia acontecer-lhes quando chegassem a Yaohúshua-oléym: 33-34″Quando lá chegarmos, eu, ha-BOR do Homem, serei traído e levado à presença dos principais intermediários e dos profesores da lei, que me condenarão à morte e me entregarão aos romanos para ser executado. Farão troça de mim, hão-de cuspir-me, açoitar-me-ão a chicote, e matar-me-ão; mas três dias depois voltarei a viver.”

O pedido de YÁOHU-caf e YÁOHU-khánam

35 YÁOHU-caf e YÁOHU-khánam, filhos de Zebedeu, disseram-lhe: “Maoro-éh, queremos pedir-te um favor”. 36″Qual é?”, perguntou-lhes. 37″No teu reino queremos sentar-nos ao teu lado, um à tua direita e o outro à tua esquerda.” 38Mas YAOHÚSHUA respondeu:”Vocês não sabem o que me pedem! Serão capazes de beber da taça amarga que me espera? Ou de receber o baptismo de sofrimento com o qual devo ser baptizado?” 39-40″Somos, sim”, disseram YAOHÚSHUA disse-lhes: “Realmente, beberão da minha taça e serão baptizados com o meu baptismo, mas não depende de mim o sentar-vos em tronos próximos do meu. Esses lugares já foram estabelecidos por YÁOHU UL.” 41Quando os outros discípulos souberam o que YÁOHU-caf e YÁOHU-khánam tinham pedido, ficaram irritados; 42por isso YAOHÚSHUA os chamou para perto de si e lhes disse: “Como sabem, quem manda no povo são aqueles que têm poder e os grandes usam de autoridade sobre eles, 43mas no vosso meio não será assim. Quem quiser ser grande entre vocês deve servir-vos. 44-45E quem quiser ser o maior de todos deverá ser criado de todos. Porque até eu, ha-BOR do Homem, não estou aqui para ser servido, mas para servir e dar a minha vida para resgatar muitos.”

A cura do cego Bor-Timáus

46-47Entretanto, chegaram a Yáricho. Quando, mais tarde, deixavam a cidade, seguia-os grande multidão, e aconteceu que um pedinte cego, chamado Bor-Timáus, filho de Timaus, estava sentado junto à estrada na altura em que YAOHÚSHUA passava. Quando Bor-Timaus soube que YAOHÚSHUA Nudtzorothíy vinha perto, começou a gritar: “YAOHÚSHUA, filho do rei Dáoud, tem misericórdia de mim!” 48″Cala-te”, diziam-lhe algumas pessoas. Mas ele gritava cada vez mais alto, sem se calar:”Ó filho de Dáoud, tem misericórdia de mim!” 49YAOHÚSHUA, ouvindo-o, parou no meio da estrada e mandou: “Digam-lhe que venha aqui”. E chamaram-no: “És um homem com sorte; vai que ele chamou-te”. 50Bor-Timaus despiu a capa que trazia, atirou-a para um lado, pôs-se de pé de um salto e encaminhou-se na direcção de YAOHÚSHUA. 51″Que queres que te faça?”, perguntou YAOHÚSHUA.”Maoro-éh, quero ver!” 52″Está bem. A tua fé curou-te.” E no mesmo momento o cego começou a ver. E foi atrás de YAOHÚSHUA pela estrada fora.

Marcos 11

YAOHÚSHUA entra em Yaohúshua-oléym

1Quando estavam já perto de Beth-Páge e Bóhay-Anyáo, nos arredores de Yaohúshua-oléym, e chegaram ao Monte das Oliveiras, YAOHÚSHUA mandou dois dos discípulos à frente 2-3″Vão até àquela aldeia além, e assim que entrarem verão ali presa uma cria de jumento que ninguém montou ainda. Soltem-na e tragam-na cá. Se alguém vos perguntar o que fazem, digam apenas: ‘YÁOHU UL precisa dela e tornará a entregá-la dentro de pouco tempo’.” 4-6Os dois homens lá foram e de facto viram ali a cria de jumento na rua, amarrada do lado de fora de uma casa. Quando a estavam a soltar, alguns que ali se encontravam perguntaram: “Que fazem vocês a desamarrar o jumentinho?” Responderam conforme YAOHÚSHUA tinha mandado, e os homens consentiram. 7Levaram, pois, o jumentinho, e os discípulos puseram os mantos em cima do lombo do animal para que YAOHÚSHUA o montasse. 8Muitas pessoas de entre a multidão espalharam as roupas ao longo da estrada à sua frente, enquanto outras estendiam-lhe ramos de folhas apanhados nos campos 9Ele ia no meio do cortejo, tendo à frente e atrás o povo, que gritava várias frases, como:

“Glória a YÁOHU UL!”Bendito aquele que vem em Shúam (Nome) de YÁOHU UL!

10Bendito seja o reino que vem estabelecer, o reino do nosso pai Dáoud!” Glória a YÁOHU UL nos altos shua-ólmayao!” 11Entrou, pois, em Yaohúshua-oléym e dirigiu-se para o Templo. Reparou atentamente em tudo à sua volta e foi-se embora, pois a momento já ia adiantada naquela tarde, retirando-se para Bóhay-Anyáo com os dozes discípulos. 12-14No outro dia de manhã, quando saíam de Bóhay-Anyáo, YAOHÚSHUA sentiu fome. A pouca distância reparou numa figueira toda coberta de folhas e foi ver se tinha figos; mas não, só havia folhas. Aliás era ainda muito cedo para a figueira dar fruto. Então YAOHÚSHUA disse à árvore: “Nunca mais darás fruto!” Palavras estas que os discípulos ouviram. 15-17De novo em Yaohúshua-oléym, foi ao Templo, onde começou a mandar embora os negociantes que ali havia e os seus fregueses, e a afastar as bancas dos que trocavam dinheiro e as dos vendedores de pombas, não deixando também que entrassem mais mercadorias. E dizia-lhes: “Está nas Qaotáv: ‘O meu Templo deve ser um lugar de oração para todas as nações’, mas vocês o transformaram num covil de ladrões.” 18Quando os principais intermediários e profesores da lei souberam do que tinha feito, começaram a estudar a melhor maneira de acabarem com ele. Todavia, tinham medo dele, e que houvesse algum tumulto, porque o ensino de YAOHÚSHUA entusiasmara o povo. 19Naquela tarde, YAOHÚSHUA e os discípulos deixaram a cidade.

A figueira secou

20-21Na manhã seguinte, indo a passar pela figueira que ele tinha amaldiçoado, viram os discípulos que estava seca desde as raízes! E Káfos, lembrando-se do que YAOHÚSHUA dissera à árvore na véspera, exclamou: “Olha, Maoro-éh, a figueira que amaldiçoaste secou!” 22-23YAOHÚSHUA explicou aos discípulos: “Se tiverem fé em YÁOHU UL, e isto é uma profunda verdade, poderão dizer a este Monte das Oliveiras: ‘Levanta-te e cai no mar’, e a vossa ordem será obedecida. O que é preciso é crer e não duvidar no seu coração! 24Ouçam, pois: podem pedir seja o que for em oração que, se crerem, hão-de alcançá-lo 25-26Mas, quando estiverem a orar, perdoem primeiro a toda e qualquer pessoa contra a qual sintam ressentimento, para que o vosso YÁOHU ABí que está no céu vos perdoe os pecados também.”

A autoridade de YAOHÚSHUA questionada

27-28Entretanto, chegaram de novo a Yaohúshua-oléym e, enquanto passava no recinto do Templo, os principais intermediários, os profesores da lei religiosa e os outros chefes foram ter com ele e perguntaram-lhe: “Com que autoridade expulsaste os mercadores do Templo? Quem te deu tal autoridade?” 29-30″Eu vos direi se responderem a uma pergunta: Que pensam de YÁOHU-khánam Baptista? Foi mandado por YÁOHU UL ou não?” 31-33Eles puseram-se a trocar impressões entre si: “Se respondermos que foi YÁOHU UL que o mandou, logo perguntará: ‘Então porque não o aceitaram?’ Mas se dissermos que não foi YÁOHU UL que o mandou, o povo revoltar-se-á logo.” Porque o povo estava convencido de que YÁOHU-khánam era profeta. Assim, disseram: “Não sabemos” YAOHÚSHUA respondeu: “Também eu não respondo à vossa pergunta.”

Marcos 12

A vinha arrendada

1YAOHÚSHUA contou ao povo naquela ocasião narrativas como as que se seguem: “Um homem plantou uma vinha, construiu um muro em torno, fez um lagar para espremer a uva e construiu uma torre para o guardar. Depois, arrendou a propriedade a uns lavradores e foi de viagem para uma terra distante. 2-3Quando chegou a altura das vindimas, mandou um dos seus homens para receber a parte que lhe competia. Mas os lavradores espancaram o homem e mandaram-no de volta com as mãos vazias. 4Então o dono enviou outro dos seus homens, que foi tratado de igual maneira, ou pior ainda, porque o feriram na cabeça, e o humilharam. 5Outro homem, que mandou depois, foi assassinado; e outros ainda foram ou espancados ou mortos, 6até que só restava um, o filho único daquele proprietário ste finalmente mandou-o, confiado em que decerto não lhe faltariam ao respeito. 7Mas quando os lavradores o viram chegar, disseram: ‘Este é o herdeiro. Matemo-lo já, sem demora, para que a propriedade seja nossa.’ 8Agarraram-no, assassinaram-no e atiraram com o corpo para fora da vinha. 9-11Que pensam que fará o dono quando souber do caso? Virá, matará todos aqueles homens e arrendará a vinha a outros. Não se lembram de ler esta frase nas Qaotáv:

‘A pedra de esquina, a mais importante no edifício, é uma rocha que os construtores tinham deitado fora! Isto é obra de YÁOHU UL, e coisa espantosa!'” 12Os dirigentes YAOHÚ-dim queriam prender YAOHÚSHUA logo ali por usar tal ilustração, pois sabiam que era a eles que se referia. Eram eles os lavradores maus da história. Porém, receavam lançar mão dele, temendo qualquer motim. Assim deixaram-no e foram-se embora.

O pagamento de impostos

13Todavia, mandaram Farsyím e herodianos para tentar apanhá-lo em alguma coisa que dissesse e pela qual pudesse ser preso. 14″Maoro-éh”, disseram, “sabemos que dizes a verdade sem hesitações, e que não te deixas arrastar pelas opiniões dos homens, antes ensinas com fidelidade os caminhos de YÁOHU UL. Então diz-nos: será justo pagar impostos a Roma? Devemos pagar ou não?” 15Percebendo a sua astúcia, YAOHÚSHUA disse: “Porque estão a tentar apanhar-me numa armadilha? Mostrem-me uma moeda e vos direi”. e 16Quando lhe puseram a moeda na mão, perguntou: “De quem é esta figura e esta inscrição na moeda?””Do imperador”, responderam. 17″Muito bem, se é do imperador, dêem-lha. Mas tudo o que é de YÁOHU UL deve ser dado a YÁOHU UL!” E ficaram muito admirados com semelhante resposta.

Casamento e a ressurreição

18Aproximaram-se então os Tzadiqím, que dizem não haver ressurreição, e perguntaram: 19-23″Maoro-éh, Mehushúa deixou-nos uma lei segundo a qual, quando um homem morre sem deixar filhos, o seu irmão deve casar com a viúva e gerar um filho em nome do irmão defunto. Ora, havia sete irmãos, e o mais velho casou-se mas morreu sem descendência. O segundo irmão casou com a viúva, mas também ele morreu pouco depois sem deixar filhos. Então, o irmão seguinte casou-se com ela e morreu igualmente sem descendência, e assim por diante até que todos morreram sem que houvesse filhos; por fim, a mulher morreu também. Agora queríamos saber: na ressurreição, quando se levantarem dos mortos, de quem será ela esposa, visto tê-lo sido de cada um deles?” 24-25YAOHÚSHUA respondeu: “O vosso mal é não conhecerem nem as Qaotáv nem o poder de YÁOHU UL. Porque, quando os mortos ressuscitarem, não estarão casados, antes serão como os anjos. 26-27Mas, quanto a haver ressurreição ou não, nunca leram no livro do Êxodo acerca de Mehushúa e do arbusto que ele viu a arder? YÁOHU UL disse a Mehushúa: ‘Eu sou YÁOHU UL de Abruhám, sou YÁOHU UL de YÁOHUtz-kaq, sou YÁOHU UL de YÁOHU-caf.’ O que YÁOHU UL dizia a Mehushúa era que estes homens, embora mortos há centenas de anos, estavam vivos ainda. Se não, estaria a dizer: Eu sou YÁOHU UL daqueles que não existem. Ora ele é YÁOHU UL dos vivos, não dos mortos. Vocês cometeram um erro grave.”

O maior mandamento

28Um dos profesores religiosos que ouviam a discussão compreendeu que YAOHÚSHUA tinha respondido bem e perguntou-lhe: “De todos os mandamentos, qual é o mais importante?” 29YAOHÚSHUA respondeu: “Aquele que diz: ‘Ouve, ó Yaoshorúl. YÁOHU UL, teu Criador Eterno é o único YÁOHU UL. Não há outro! 30Ama-o de todo o teu coração, com toda a tua alma, com toda a tua mente com todas as tuas forças!’ 31O segundo é: ‘Ama os outros, como a ti mesmo.’ Não há mandamentos maiores do que estes.” 32-33O profesor religioso respondeu: “Falaste com verdade, YÁOHU UL, ao dizeres que só há um YÁOHU UL e não existe outro. E eu sei que amá-lo de todo o meu coração, entendimento e forças, e amar os outros como a mim mesmo é muito mais importante do que oferecer toda a espécie de sacrifícios no altar do Templo.” 34Apercebendo-se da compreensão daquele homem, YAOHÚSHUA disse-lhe: “Não andas longe do reino de YÁOHU UL”. E depois daquilo, mais ninguém teve coragem para lhe perguntar qualquer coisa.

O Messías é filho de quem?

35Mais tarde, quando ensinava ao povo no recinto do Templo, fez esta pergunta: “Porque afirmam os profesores da lei que hol-MEHUSHKHÁY (o Messías) é descendente do rei Dáoud? 36Pois o próprio Dáoud, inspirado pelo RÚKHA hol-HODSHÚA que falava através dele, disse:

‘Disse YÁOHU UL ao meu Ódmorul: Senta-te à minha direita”até que faça dos teus inimigos o estrado dos teus pés.’ 37Se Dáoud lhe chamou Ódmorul, como pode ser filho dele?” Este género de raciocínio agradou à multidão, que o ouvia com grande interesse. 38-40E outras coisas lhes ensinou nessa ocasião: “Cuidado com os profesores religiosos, porque gostam de se vestir como os ricos e sábios e de ver toda a gente inclinar-se na sua frente quando andam pelas praças públicas, e de se sentar nos melhores lugares das sinagogas e nos lugares de honra dos banquetes; enquanto, sem vergonha, enganam as viúvas e lhes tiram as casas, e, para que não se descubra que espécie de homens realmente são, fingem-se piedosos, fazendo longas orações em público. Por causa disto, o seu castigo será ainda maior.”

A oferta da viúva

41-42Depois, passou para onde estavam os cofres com ofertas para o Templo e sentou-se ali, observando como o povo dava o dinheiro. Alguns, que eram ricos, punham grandes quantias. Mas veio uma viúva pobre e deixou ficar duas pequenas moedas. 43-44Chamando os discípulos, disse: “Aquela pobre viúva foi quem deu mais! Eles ofereceram um pouco da sua abundância. Mas ela deu o seu último dinheiro.”

Marcos 13

Sinais do fim dos tempos

1Ia a sair do Templo naquele dia e um dos discípulos observou: “Maoro-éh, que belas edificações estas! Olha para estas pedras!” 2YAOHÚSHUA respondeu:”Estes magníficos edifícios serão completamente destruídos; não ficará pedra sobre pedra.” 3-4Quando se sentou na encosta do Monte das Oliveiras do outro lado do vale, defronte de Yaohúshua-oléym, Káfos, YÁOHU-caf, YÁOHU-khánam e Andorúl ficaram sozinhos com ele e perguntaram-lhe: “Quando acontecerá isso ao Templo? Haverá algum aviso antes que venha essa ocasião?” 5-6A esta pergunta, YAOHÚSHUA respondeu desta forma: “Não deixem que alguém vos engane, porque aparecerão vários dizendo serem hol-MEHUSHKHÁY (o Messías) e enganarão a muitos. 7Haverá guerras perto e longe, mas não se assustem. Tais coisas devem acontecer, mas o fim ainda está para vir. 8Porque povos e nações declararão guerra uns aos outros, e haverá terramotos e fomes em muitos países. Isto anunciará apenas as primeiras angústias. O pior virá depois. 9Mas, quando estas coisas começarem a acontecer, tenham cuidado porque estarão em grande perigo. Serão arrastados perante os tribunais, e espancados nas sinagogas, e acusados diante de autoridades e de governantes de serem meus seguidores. Terão, assim, ocasião de lhes anunciar a boa nova. 10Porque esta Gloriosa Mensagem deverá primeiro ser pregado a todas as nações. 11Mas, quando forem presos e julgados, não se preocupem com o que vão dizer em vossa defesa. Falem apenas o que YÁOHU UL vos mandar, pois nessa momento não falarão vocês, mas o RÚKHA hol-HODSHÚA. 12-13Irmãos denunciar-se-ão uns aos outros, para serem mortos. Pais entregarão os seus próprios filhos, e filhos acusarão os seus próprios pais. Toda a gente vos odiará pelo facto de serem meus. Mas quem resistir até ao fim será salvo! 14-16Quando virem a abominação assoladora instalada onde não deve estar – quem lê, entenda! – fujam para as montanhas da YAOHÚ-dah. Apressem-se! Quem estiver no seu terraço não entre sequer de novo em casa. Quem estiver nos campos não volte para buscar roupa 17-20Oy das grávidas, naqueles dias, e das que amamentam. Orem para que a vossa fuga não seja no Inverno. Porque serão dias de horror, tal como nunca houve desde o começo da criação de YÁOHU UL, nem jamais tornará a haver. E se YÁOHU UL não encurtar aquele tempo de calamidade, ninguém ficará vivo em toda a terra. Mas por amor dos seus escolhidos, ele encurtará aqueles dias. 21-23E se então alguém vos disser: ‘É este hol-MEHUSHKHÁY (o Messías)’, ou ‘É aquele’, não prestem atenção. Porque haverá muitos falsos Messías e falsos profetas cujos milagres maravilhosos enganariam, se possível, os próprios escolhidos de YÁOHU UL. Tenham cuidado, porque já vos avisei. 24Acabado o sofrimento, o sol ficará sem brilho e a lua não terá luz. 25As ‘cocavím’ (est-elas) cairão e o universo será abalado. 26E então toda a humanidade me verá, ha-BOR do Homem, vindo no meio de nuvens com grande poder e glória 27E mandarei os anjos juntar os meus escolhidos de todos os cantos do mundo, desde os pontos mais distantes da terra até ao céu. 28Atentem nesta lição que nos ensina a figueira. Quando os rebentos ficam tenros e as folhas começam a crescer, sabem que o Verão está próximo. 29E quando virem acontecer estas coisas que vos contei, podem estar certos de que o meu regresso está muito próximo e que me encontro já às portas. 30-31Sim, são estes os acontecimentos que se darão antes do fim dos tempos. O céu e a terra desaparecerão, mas as minha palavras permanecem para sempre.

Ninguém sabe o dia nem a hora

32-33Contudo, ninguém sabe, nem sequer os anjos do céu, nem eu próprio, o dia ou hora em que estas coisas acontecerão. Só YÁOHU ABí sabe. Portanto, como não sabem quando isto se passará, conservem-se alerta, vigilantes. 34-37A minha vinda pode ser comparada com a de um homem que foi de viagem para outro país e que, distribuindo as tarefas que os empregados deveriam fazer durante a sua ausência, disse ao porteiro que vigiasse o que se passava à sua volta. Vigiem bem, porque não sabem quando virei, se ao anoitecer, se à meia-noite, se de madrugada ou se mais tarde, à luz do dia. Que eu vos não encontre a dormir. Estejam atentos ao meu regresso é a minha recomendação para vocês e para todos os demais.

Marcos 14

YAOHÚSHUA é ungido em Bóhay-Anyáo

1Dois dias depois começava a festejar-se a Pósqayao, celebração em que não se comia pão que levasse fermento. Os principais intermediários espiritual e outras autoridades religiosas não desistiam de buscar ocasião de prender YAOHÚSHUA secretamente e de o entregar à morte. 2″Todavia, não o poderemos fazer durante a Pósqayao”, diziam, “para que não haja tumulto.” 3-5Entretanto, YAOHÚSHUA encontrava-se em Bóhay-Anyáo em casa de Shamiúl, o leproso. Durante a ceia, entrou uma mulher com um belo vaso de alabastro com perfume muito caro feito de nardo puro, a qual, quebrando o selo, despejou o perfume sobre a cabeça dele. Alguns dos que estavam à mesa ficaram revoltados por causa daquilo a que chamavam um desperdício. “Ela bem podia ter vendido aquele perfume por bom preço e dado o dinheiro aos pobres!”, resmungavam, condenando-a com dureza. 6-9Mas YAOHÚSHUA respondeu: “Deixem-na em paz. Porque dizem mal dela por ter feito uma coisa boa? Sempre terão pobres convosco e que bem precisam da vossa ajuda; poderão socorrê-los sempre que quiserem. Eu é que não vou ficar cá muito mais tempo. Ela fez o que lhe foi possível e, antecipadamente, preparou o meu corpo para a sepultura. Vou dizer-vos uma verdade solene: Onde quer que a Gloriosa Mensagem seja pregado no mundo inteiro, o acto desta mulher será lembrado e elogiado.” 10-11Então Yudas Ish-Kerióth, um dos discípulos, foi ter com os principais intermediários para combinar a melhor forma de entregar YAOHÚSHUA nas suas mãos. Quando esses intermediários souberam o motivo da sua vinda, ficaram alvoroçados e radiantes, e prometeram-lhe uma recompensa. Então começou a preparar o momento e o local certos para trair YAOHÚSHUA.

A ceia de YÁOHU UL

12No primeiro dia da Pósqayao, em que os cordeiros eram sacrificados, os discípulos perguntaram a YAOHÚSHUA onde queria celebrar a ceia tradicional da Pósqayao. 13-15YAOHÚSHUA mandou dois deles a Yaohúshua-oléym fazer os preparativos: “No caminho para lá, passarão por um homem carregando uma bilha de água. Sigam-no, e na casa onde entrar digam ao dono: ‘O Maoro-éh mandou-nos ver a sala que preparaste, onde vamos comer esta noite a ceia da Pósqayao’. Ele há-de levar-vos acima a uma sala grande, toda arranjada. É ali que devem preparar a nossa ceia”. 16Então aqueles dois seguiram à frente para a cidade e, tendo encontrado tudo como YAOHÚSHUA havia dito, prepararam a ceia da Pósqayao. 17Ao anoitecer, chegou YAOHÚSHUA com os doze discípulos. 18Quando estavam sentados já a comer em torno da mesa, YAOHÚSHUA revelou-lhes: “Digo-vos solenemente que um de vocês, um dos que está aqui a comer comigo, me vai trair”. 19Uma enorme tristeza se apoderou deles e perguntavam-lhe um após outro: “Serei eu? Serei eu?” 20-21″É um dos doze que estão a comer comigo agora. Eu tenho de morrer, tal como as Qaotáv disseram há muito, mas desgraçado daquele que me vai trair! Mais lhe valia nunca ter nascido!” 22Enquanto comiam, YAOHÚSHUA pegou num pão e, pedindo a bênção de YÁOHU UL sobre ele, partiu-o e deu-o aos discípulos: “Comam. Isto é o meu corpo”. 23Depois, pegando num cálice com vinho, deu também graças a YÁOHU UL por ele, e distribuiu-o aos discípulos e todos beberam dele. E disse-lhes: 24-25″Isto é o meu ‘DAM’ (sangue), derramado a favor de muitos, para confirmar o Novo Testamento entre YÁOHU UL e o homem. Solenemente declaro que não mais provarei vinho até que chegue o dia em que o beberei de novo no reino de YÁOHU UL.” 26Cantaram então um hino e saíram para o Monte das Oliveiras.

YAOHÚSHUA prediz a negação de Káfos

27-28″Todos me irão abandonar”, YAOHÚSHUA disse-lhes, “porque as Qaotáv dizem: ‘Fere o apacentador e as ovelhas espalhar-se-ão.’ Mas, depois de eu ressuscitar, irei para a Galileia e lá me encontrarei convosco.” 29Káfos disse-lhe: “Façam os outros o que fizerem, nunca te abandonarei!” 30Mas YAOHÚSHUA disse: “Káfos, ainda esta noite, antes que o galo cante pela segunda vez, negar-me-ás três vezes.” 31″Não!”, insistiu Káfos, “Nem que tenha de morrer contigo, nunca te negarei!” E todos os outros garantiram o mesmo.

Getsemane

32Entretanto, chegaram ao olival chamado Getsemane, onde mandou aos discípulos: “Sentem-se aqui enquanto vou orar”. 33-34Levando consigo Káfos, YÁOHU-caf e YÁOHU-khánam, começou a encher-se de pavor e aflição muito grandes, e disse-lhes: “A minha alma está esmagada por uma tristeza mortal. Fiquem aqui e vigiem comigo”. 35Indo um pouco mais adiante, caiu por terra e orou para que, se fosse possível, não chegasse a terrível hora que o esperava: 36″ YÁOHU ABí, YÁOHU ABí! A ti tudo é possível. Afasta de mim este cálice. Todavia, desejo a tua vontade e não a minha.” 37-38Voltando então para junto dos três discípulos, encontrou-os a dormir: “Shamiúl! Adormeceste? Nem mesmo uma hora pudeste velar comigo? Vigiem e orem para não serem vencidos pela tentação, pois embora o espírito seja corajoso o corpo é fraco.” 39-40E retirou-se outra vez para orar, repetindo as suas súplicas. Novamente voltou para junto deles e encontrou-os outra vez a dormir, pois estavam muito cansados. E não sabiam que dizer. 41Na terceira vez que voltou a ter com eles, disse: “Ainda estão a dormir e a descansar? Basta! Chegou a hora. Vejam, já fui traído e agora vou ser entregue nas mãos dos homens sem YÁOHU UL. 42Levantem-se e venham! Temos de nos ir embora! Reparem! Chegou o que me traiu!”

YAOHÚSHUA é traído e preso

43E, ainda ele falava, logo apareceu Yudas, um dos discípulos, com uma multidão armada de espadas e paus, enviada pelos principais intermediários e chefes dos YAOHÚ-dim. 44Yudas tinha-lhes dito: “Saberão quem devem prender quando eu o cumprimentar com um beijo. Então podem prendê-lo e levá-lo.” 45Logo que aquela gente chegou, ele aproximou-se de YAOHÚSHUA e, exclamando “Maoro-éh!”, beijou-o. 46Então prenderam YAOHÚSHUA, segurando-o bem. 47Alguém, contudo, puxou de uma espada e, atacando o servo do supremo intermediário, cortou-lhe a orelha. 48YAOHÚSHUA perguntou-lhes: “Sou algum assaltante perigoso para que venham assim prender-me armados desta maneira?h 49Porque não me prenderam no Templo, onde ensinava todos os dias? Mas estas coisas estão a acontecer para que se cumpra o que está escrito a meu respeito.” 50-52Entretanto, todos os discípulos tinham fugido. Havia, contudo, um jovem que o seguia à distância, envolvido apenas num lençol. Quando a multidão tentou agarrá-lo, ele escapou largando o lençol, e fugiu nu.

O tribunal YAOHÚ-di

53YAOHÚSHUA foi conduzido à residência do supremo intermediário, onde todos os principais intermediários, outros dirigentes YAOHÚ-dim e os profesores da lei já se juntavam. 54Káfos seguia-o de longe e, entrando pelo portão da casa do supremo intermediário, agachou-se junto a uma fogueira entre os criados. 55-56Lá dentro, os principais intermediários e todo o supremo tribunal YAOHÚ-di tentavam encontrar alguma acusação contra YAOHÚSHUA que bastasse para o condenar à morte, mas em vão. Apresentaram-se voluntariamente muitas falsas testemunhas, mas contradiziam-se umas às outras. 57-59Por fim, levantaram-se uns homens que, mentindo, afirmaram: “Ouvimo-lo dizer: ‘Destruirei este Templo erguido por mãos humanas e em três dias construirei outro, feito sem ser por mãos humanas'”. Mas, mesmo assim, não conseguiam fazer acertar as declarações! 60-61Então o supremo intermediário levantou-se diante do tribunal e perguntou a YAOHÚSHUA: “Recusas responder a esta acusação? Que tens a dizer em tua defesa?” YAOHÚSHUA não disse nada, pelo que o supremo intermediário lhe perguntou: “És hol-MEHUSHKHÁY (o Messías), ha-BOR de YÁOHU UL bendito?” 62YAOHÚSHUA disse: “Sou, e hão-de ver-me sentado à direita de YÁOHU UL poderoso. Ver-me-ão também regressando à terra entre nuvens do céu”. 63-64Então o supremo intermediário rasgou as suas vestes e disse: “De que mais precisamos nós? Para quê pedir mais testemunhas? Ouviram a sua blasfémia; qual é a vossa sentença?” A uma voz, votaram pela sentença de morte. 65Então alguns começaram a cuspir-lhe e, vendando-lhe os olhos, davam-lhe socos na cara. “Profeta, quem foi que te bateu agora?”, zombavam. E até os guardas o agrediam a murro enquanto o levavam para fora.

Káfos nega YAOHÚSHUA

66-67Entretanto, Káfos continuava lá em baixo no pátio, e uma das criadas do supremo intermediário, reparando nele enquanto se aquecia à fogueira, olhou-o e exclamou: “Tu estavas com YAOHÚSHUA Nudtzorothíy”. 68Mas Káfos negou. “Não entendo o que queres dizer”, saindo para o fundo do pátio. Nesse momento, um galo cantou. 69A criada reparou de novo nele ali de pé e começou a dizer aos outros: “Lá está ele, o discípulo de YAOHÚSHUA!” 70Káfos tornou a negar m pouco depois, outros que se encontravam à volta da fogueira começaram a dizer a Káfos: “Tu és um deles, porque vens da Galileia!” 71Ele começou a praguejar e a jurar, dizendo: “Não sei sequer quem é esse de que estão a falar”.- 72Logo um galo cantou pela segunda vez. De súbito, Káfos lembrou-se das palavras de YAOHÚSHUA: “Antes que o galo cante duas vezes, três vezes me negarás”. E, não aguentando mais, começou a chorar.

Marcos 15

YAOHÚSHUA perante Pilatos

1De manhã cedo, os principais intermediários, os anciãos e os profesores da lei religiosa e todo o supremo tribunal reuniram-se para discutir qual a medida a tomar de seguida. A sua decisão foi a de mandar YAOHÚSHUA, amarrado, a Pilatos, o governador romano. 2Pilatos perguntou-lhe: “És tu o rei dos YAOHÚ-dim?”YAOHÚSHUA respondeu: “Sim, é como tu dizes”. 3-5Então os principais intermediários começaram a acusá-lo de muitos crimes, e Pilatos perguntou-lhe: “Porque não dizes nada? Que respondes a todas estas acusações que te são feitas?” Mas YAOHÚSHUA não adiantou palavra, com grande espanto de Pilatos. 6Ora, Pilatos tinha por costume soltar, em cada ano por altura da Pósqayao, um preso YAOHÚ-di, fosse quem fosse, cuja libertação o povo pedisse. 7-8Naquela altura estava preso um tal Barrabás, condenado juntamente com outros por assassíno durante uma revolta. Então começou a juntar-se uma multidão diante de Pilatos pedindo-lhe que soltasse um preso, como era habitual 9″E se eu vos der o rei dos YAOHÚ-dim?”, perguntou Pilatos. “Querem que o solte a ele?” 10Porque entretanto já tinha percebido que tudo aquilo era uma conspiração apoiada pelos principais intermediários, por causa da fama que YAOHÚSHUA tinha 11Os principais intermediários então atiçaram o povo para que exigisse a libertação de Barrabás em vez da de YAOHÚSHUA. 12″Mas se eu soltar Barrrabás”, perguntou novamente Pilatos, “que farei deste homem a quem chamam o rei dos YAOHÚ-dim?” 13E eles responderam em grande gritaria: “Impala-o!” 14″Mas por que motivo?”, insistiu Pilatos, “Que mal fez ele?”E o povo rugia cada vez mais alto: “Impala-o!” 15Pilatos, com medo de um tumulto e desejoso de agradar ao povo, soltou Barrabás e mandou açoitar YAOHÚSHUA, entregando-o para ser impalado.

Os soldados zombam de YAOHÚSHUA

16-20Assim, os soldados romanos levaram-no para o palácio do governador e chamaram toda a guarnição. Vestindo YAOHÚSHUA com um manto de púrpura, fizeram uma coroa de espinhos, que lhe colocaram sobre a cabeça, saudavam-no, gritando: “Viva o rei dos YAOHÚ-dim!” E batiam-lhe na cabeça com uma cana, cuspiam nele e punham-se de joelhos, fingindo que o adoravam. Quando acabaram com toda aquela troça, tiraram o manto de púrpura, vestiram-no novamente com as suas roupas e levaram-no para ser impalado.

YAOHÚSHUA é impalado e morre

21Um certo Shamiúl, cireneu, que passava por ali vindo dos campos, foi forçado a carregar a poste de YAOHÚSHUA. (Este Shamiúl era o pai de Alexandre e de Rufo.) 22-24Levando YAOHÚSHUA para um lugar chamado Gólgota (que significa caveira), ofereceram-lhe vinho misturado com ervas amargas, mas ele recusou. Então pregaram-no na poste. E jogaram dados para ver quem ficaria com as suas roupas. 25-26A impalarão teve lugar cerca das nove horas da manhã. Pregaram na poste uma tabuleta por cima da sua cabeça, com aquilo que eles chamaram o seu crime. A tabuleta dizia: O REI DOS YAOHÚ-DIM. 27-28Naquela mesma manhã foram impalados com ele dois malfeitores, ficando as suas cruzes à direita e à esquerda de YAOHÚSHUA. Assim se cumpriu a Qaotáv que dizia: ‘Foi contado entre os malfeitores.’ 29A gente que passava fazia pouco dele, abanando a cabeça. “Olha lá”, gritavam, insultando-o, “com que então és capaz de destruir o Templo e de reconstruí-lo em três dias!P 30Se és um homem tão extraordinário, salva-te a ti mesmo e desce da poste.” 31-32Também os principais intermediários e os profesores da lei religiosa que estavam ali em torno troçavam de YAOHÚSHUA: “Sabe tão bem salvar os outros, mas não consegue salvar-se a si próprio. Escuta lá, ó Messías!”, gritavam-lhe, “rei de Yaoshorúl! Desce da poste e acreditaremos em ti!” E até os dois malfeitores que ali foram impalados com ele o amaldiçoavam. 33Cerca do meio dia, a terra inteira ficou em trevas, que duraram até às três horas daquela tarde. 34Então YAOHÚSHUA exclamou em voz muito alta: “ÚLee, ÚLee, lama sabáctaní?”, que quer dizer “Meu YÁOHU UL, meu YÁOHU UL, porque me abandonaste?” 35-36Alguns dos que ali se encontravam pensaram que chamava por Uli-YÁOHU, e assim um homem correu a arranjar uma esponja e, embebendo-a em vinho azedo, elevou-a até ele num pau. “Vejamos se Uli-YÁOHU virá para o descer!”, disse. 37Então YAOHÚSHUA deu outro grande brado e morreu. 38A cortina do Templo rasgou-se em dois pedaços, de cima a baixo. 39Quando o oficial romano que estava junto à poste viu como YAOHÚSHUA morrera, exclamou: “Verdadeiramente era ha-BOR de YÁOHU UL!” 40-41Estavam ali algumas mulheres vendo a cena à distância, Maoro-ém Magdalena, Maoro-ém (mãe de YÁOHU-caf, o mais novo, e de YÁOHU-saf) e Shua-oléym, assim como outras. Estas e muitas mais mulheres da Galileia que eram seguidoras de YAOHÚSHUA haviam cuidado dele quando andara por aquela província, e tinham-no acompanhado até Yaohúshua-oléym.

YAOHÚSHUA é sepultado

42-43Tudo isto aconteceu na véspera do Shábbos. Ao fim da tarde, YÁOHU-saf de Arimateia, membro respeitado do supremo tribunal, e que aguardava com ansiedade a vinda do reino de YÁOHU UL, encheu-se de coragem e pediu a Pilatos o corpo de YAOHÚSHUA. 44-45Pilatos não acreditava que YAOHÚSHUA tivesse já morrido e, por isso, chamando o oficial romano, perguntou se era verdade. O oficial respondeu que sim, e Pilatos deixou YÁOHU-saf levar o corpo. 46 YÁOHU-saf comprou então uma longa peça de pano de linho e, descendo o corpo de YAOHÚSHUA, embrulhou-o no pano e depositou-o num túmulo escavado numa parede de rocha, em seguida rolou uma pedra para tapar a entrada.- 47Maoro-ém Magdalena e Maoro-ém, mãe de YÁOHU-saf, viram onde o corpo de YAOHÚSHUA foi colocado.

Marcos 16

A ressurreição

1-4Na tarde do dia seguinte, quando terminou o Shábbos, Maoro-ém Magdalena, Shua-oléym e Maoro-ém, mãe de YÁOHU-caf, foram comprar perfumes para pôr no corpo de YAOHÚSHUA. Na domingo de manhã, ao nascer do sol, elas foram até ao túmulo. Pelo caminho, perguntavam-se como poderiam afastar a enorme pedra da entrada. Mas quando chegaram, viram que a pedra, muito pesada, já tinha sido removida e que a entrada estava aberta. 5-7Entraram no túmulo e viram, sentado à direita, um jovem vestido de branco, o que as assustou. Então este disse-lhes: “Não fiquem surpreendidas. É YAOHÚSHUA, o Nudtzorothíy, que foi impalado, que procuram. Não está aqui, ressuscitou! Vejam, era aqui que o seu corpo se encontrava. Agora vão e dêem este recado aos seus discípulos, incluindo Káfos: ‘YAOHÚSHUA vai adiante de vocês para a Galileia, e ali o verão, tal como ele vos disse antes de morrer’.”ã 8Trémulas e confusas, demasiado amedrontadas para falarem, as mulheres saíram do túmulo a correr. 9-11Na madrugada de domingo YAOHÚSHUA ressuscitou, e a primeira pessoa que o viu foi Maoro-ém Magdalena, de quem tinha expulsado sete demónios. Ela veio ter com os discípulos, que estavam tristes e chorosos, e anunciou-lhes que tinha visto YAOHÚSHUA, que se encontrava vivo. Mas não acreditaram. 12-13Naquele dia, mais tarde, YAOHÚSHUA apareceu sob outra forma a dois deles que iam de Yaohúshua-oléym para os campos. Estes voltaram correndo a Yaohúshua-oléym para contar aos outros, mas ninguém acreditou neles. 14Ainda mais tarde, YAOHÚSHUA apareceu aos onze discípulos quando estavam a comer juntos, e censurou-os pela sua incredulidade, pela sua recusa teimosa em acreditar nos testemunhos dos que tinham visto que ele voltara vivo de entre os mortos. 15-16E então disse-lhes: “Vão por todo o mundo e preguem a Gloriosa Mensagem a todos, em toda a parte. Quem crer e for baptizado será salvo. Mas quem não quiser crer será condenado. 17-18E quem crer em meu Shúam (Nome) servir-se-á da minha autoridade para expulsar demónios, e falará novas línguas. Poderá até pegar em cobras, e se beber alguma coisa venenosa não lhe fará mal, e poderá pôr as mãos sobre os doentes e curá-los.” 19Quando acabou de falar com eles, YAOHÚSHUA foi levado para o céu e sentou-se no lugar de honra, à direita de YÁOHU UL. 20Os discípulos foram pregando por toda a parte, e YÁOHU UL estava com eles, comprovando

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: