ministeriohorafinal

Man-YAHU (Mat-us)

In Uncategorized on dezembro 31, 2010 at 3:05 am

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Man-YAHU (Mat-us)

In Uncategorized on dezembro 31, 2010 at 3:05 am

As Sagradas Escrituras em Versão YAHUSHUA….

Man-YÁHU 1

A genealogia de YAHUSHUA hol-MEHUSHKHÁY

1São estes os antepassados de YAHUSHUA
hol-MEHUSHKHÁY, descendente do rei Dáoud e de Abruhám: 2-6Os
descendentes de Abruhám foram sucessivamente YÁHUtz-kaq, YÁHU-caf, YAOHÚ-dah
mais os irmãos deste. YAOHÚ-dah foi pai de Peres e de Zoro. (Tamar foi a mãe de
ambos.) Depois de Peres vieram Hezron, Ro-éh, Aminaodab, Naoshon, Shua-ólmoh,
Bo-Oz (cuja mãe foi Rahab), Awód (que teve por mãe Ruth), Yaoshái, e o rei
Dáoud seguir a Dáoud os descendentes foram Shua-ólmoh (cuja mãe tinha sido
mulher de Uri-YÁHU), 7-11Ro-éboam, Abi-YÁHU, Osa, YÁHU-shuafát,
Yaoroám, Uzi-YÁHU, Yaotam, Ahóz, Kozoq-YÁHU, Menashé, Amom, Yaosa-YÁHU, Yaocan-YÁHU
e seus irmãos (que nasceram quando os YAOHÚ-dim foram deportados para
Babilónia). 12-16Depois desse exílio, a linha de descendência
continuou sucessivamente com Yaocan-YÁHU, Shealtiúl, Zorobabúl, Abiude,
Uliakim, Ozor, Tzaodóq, Yaquim, Uliod, Úlozor, Man-YÁHU, YÁHU-caf e por fim YÁHU-saf,
marido de Maoro-ém, mãe de YAHUSHUA hol-MEHUSHKHÁY, o Messías. 17São
catorze gerações desde Abruhám até ao rei Dáoud; catorze desde o tempo do rei
Dáoud até ao exílio em Babilónia; e catorze do exílio até hol-MEHUSHKHÁY.

O nascimento de YAHUSHUA

18Eis o que se passou antes do nascimento de YAHUSHUA
hol-MEHUSHKHÁY: Maoro-ém, sua mãe, estava noiva de YÁHU-saf, mas, embora fosse
ainda virgem, ficou grávida, pelo RÚKHA hol-HODSHÚA. 19Então YÁHU-saf,
seu noivo, homem de princípios, decidiu pôr termo à promessa de casamento,
querendo, porém, fazê-lo de tal modo que ela não ficasse com má fama entre o
povo. 20-22Estando ele a pensar no caso, teve um sonho no qual via
um anjo de pé, ao seu lado, dizendo-lhe: ” YÁHU-saf, filho de Dáoud, não tenhas
medo de aceitar Maoro-ém como tua mulher! A criança que ela traz no ventre foi
gerada pelo RÚKHA hol-HODSHÚA. Ela terá um filho a quem porás o Shúam (Nome) de
YAHUSHUA, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados.” Assim se cumpriu a
mensagem de YÁHU UL através dos seus profetas:

23“Uma virgem conceberá, e dará à luz um filho e ser-lhe-á posto o
Shúam (Nome) de Imanu-Úl.”

Imanu-Úl quer dizer: YÁHU UL está connosco. 24-25Quando acordou, YÁHU-saf
fez o que o anjo lhe mandara e levou Maoro-ém para casa como sua mulher. Mas
ela continuou virgem até nascer o seu filho. YÁHU-saf pôs-lhe o Shúam (Nome) de
YAHUSHUA.

Man-YÁHU 2

A visita dos sábios

1YAHUSHUA nasceu na cidade de Beth-Lékhem, na
YAOHÚ-dah, durante o reinado de Herod. Por aquela altura, chegaram a YAHUSHUA-oléym,
vindos de terras do Oriente, uns homens sábios que liam nas ‘cocavím’ (est-elas),
e que inquiriram: 2“Onde está o Rei dos YAOHÚ-dim que acaba de
nascer? Pois vimos a sua ‘cocáv’ (est-ela) lá no Oriente, e viemos para o
adorar.” 3-4O rei Herod ficou muito preocupado ao ouvir isto, e toda
a cidade de YAHUSHUA-oléym também. Então o rei mandou reunir os intermediários
YAOHÚ-dim e os profesores da lei e perguntou-lhes onde havia de nascer
hol-MEHUSHKHÁY (o Messías). 5-6“Em Beth-Lékhem”, responderam-lhe,
“pois o profeta Micha escreveu o seguinte:

‘Tu, Beth-Lékhem, na terra de YAOHÚ-dah, não és nenhuma terra YAOHÚ-dah
insignificante; porque sairá de ti um Governador para conduzir o meu povo de
Yaoshorúl. 7Então Herod enviou um recado secreto àqueles sábios do
Oriente, pedindo que lhe fossem falar; e soube pela boca deles a altura exacta
em que tinham visto a ‘cocáv’ (est-ela) pela primeira vez. 8“Vão a
Beth-Lékhem e procurem bem por esse menino. Quando o encontrarem, venham
dizer-me, para que eu também possa ir adorá-lo!” 9-10Terminado o
encontro, os sábios retomaram o caminho. E a ‘cocáv’ (est-ela) que tinham visto
no oriente ia adiante deles, parando sobre o lugar em que estava o menino. Ao
tornar a ver a ‘cocáv’ (est-ela), a alegria deles foi grande. 11-12Entrando
na casa onde estavam o bebé e Maoro-ém, sua mãe, inclinaram-se diante dele em
adoração e seguidamente ofereceram-lhe ouro, incenso e mirra. Todavia, quando
regressaram à sua terra, não passaram por YAHUSHUA-oléym para informar Herod,
visto que YÁHU UL os avisara, por meio de um sonho, de que deveriam voltar por
outro caminho.

A fuga para o Egito

13Depois de terem partido, um anjo
de YÁHU UL avisou YÁHU-saf em sonhos: “Levanta-te e foge para o Egipto com o
menino e sua mãe, e fica por lá até eu te dizer que voltes, pois o rei Herod
vai procurar matá-lo.” 14-15Naquela mesma noite YÁHU-saf partiu para
o Egipto com Maoro-ém e o menino, e lá ficou até à morte do rei Herod, assim se
cumprindo as palavras do profeta: “Chamei o meu filho do Egipto”. 16-17Herod
ficou furioso ao saber que os sábios o tinham enganado. Mandou então soldados a
Beth-Lékhem com ordem para matar todas as crianças até aos dois anos de idade,
tanto na cidade como nos arredores, visto haver dois anos que os sábios tinham
dito que a ‘cocáv’ (est-ela) lhes aparecera pela primeira vez. Este acto deu
cumprimento à profecia de Yarmi-YÁHU:

18“Gritos de aflição vêm de Roéma; um choro sem fim; Roqaúl
inconsolável, lamenta os seus filhos, “porque estão mortos.”

O
regresso a Nudtzoróth

19Quando Herod morreu, o anjo de YÁHU
UL apareceu de novo em sonhos a YÁHU-saf, no Egipto em sonho, dizendo:20“Levanta-te
e leva outra vez a criancinha e sua mãe para Yaoshorúl, pois já morreram
aqueles que procuravam a morte do menino”. 21 YÁHU-saf voltou então
para Yaoshorúl com YAHUSHUA e sua mãe. 22-23Mas pelo caminho
assustou-se ao saber que o novo rei era Arquelaus, filho de Herod. Contudo, num
outro sonho foi avisado de que não se dirigisse para a YAOHÚ-dah, antes
seguisse para a Galileia, ficando a morar em Nudtzoróth. Cumpriu-se, assim, a
predição dos profetas acerca do hol-MEHUSHKHÁY (o Messías): “Chamar-se-á
Nudtzorothíy (o Ramo)”.

Man-YÁHU
3

YÁHU-khánam
Baptista prepara o caminho

1Enquanto viviam em Nudtzoróth, YÁHU-khánam
Baptista começou a pregar no deserto da YAOHÚ-dah:o2“Arrependam-se!
O reino dos shua-ólmayao (céus) está próximo!” 3Já o profeta
Yaoshúa-YÁHU tinha anunciado este trabalho de YÁHU-khánam:

“Um brado se ouve no deserto: Preparem um caminho para YÁHU UL; endireitem a
via por onde ele há-de andar.” 4-5O vestuário de YÁHU-khánam era
feito de pêlo de camelo, e usava também um cinto de couro; o seu alimento
consistia em gafanhotos e mel silvestre. Gente de YAHUSHUA-oléym e de todo o
vale do Yardayán, e até de todas as partes da YAOHÚ-dah, vinham ao deserto para
o ouvir pregar. 6Confessavam os seus pecados, e YÁHU-khánam
baptizava-os no rio Yardayán. 7Mas, ao ver muitos Farsyím e Tzadiqím
que queriam também ser baptizados, avisava-os: “Vocês são como serpentes! Quem
vos disse que podiam escapar à ira futura de YÁHU UL? 8Antes de
serem baptizados, têm de provar que abandonaram o pecado, praticando obras que
mostrem arrependimento. 9Não tentem escapar pensando que estão em
segurança por serem YAOHÚ-dim, descendentes de Abruhám. Isso nada prova! YÁHU
UL até pode transformar estas pedras em filhos de Abruhám!e 10E,
agora mesmo, o machado do julgamento de YÁHU UL está erguido para derrubar pela
raiz as árvores que não dão fruto. Serão derrubadas e queimadas. 11-12Eu
baptizo com água quem se arrepende; mas vem aí outro, muito maior do que eu,
tão grande que nem sou digno de lhe levar os sapatos! Ele vai baptizar-vos com
o RÚKHA hol-HODSHÚA e com fogo. Separará a palha do grão; queimará a palha com
fogo que jamais se apagará, e arrecadará o grão”.

O
baptismo de YAHUSHUA

13-14YAHUSHUA veio da Galileia e foi
até ao rio Yardayán, para que YÁHU-khánam aí o baptizasse. YÁHU-khánam,
contudo, não queria fazê-lo: “Não está certo. Eu é que preciso de ser baptizado
por ti”. 15“Aceita teres de me baptizar, porque convém que eu faça
tudo o que a justiça de YÁHU UL manda.” Então YÁHU-khánam baptizou-o.
16-17
Depois do seu baptismo, logo que YAHUSHUA saiu da água, os
shua-ólmayao (céus) abriram-se-lhe e viu o RÚKHA-YÁHU descendo sob a forma de
uma pomba. E uma voz do céu disse: “Este é o meu ha-BOR (Filho) amado, em quem
tenho grande prazer.”

Man-YÁHU
4

YAHUSHUA
é tentado

1-2Depois disto, YAHUSHUA foi levado
pelo RÚKHA hol-HODSHÚA (Espírito Santo) ao deserto para aí ser tentado pelo
ha-satán. Durante quarenta dias e quarenta noites nada comeu; por fim sentiu
fome. 3Então o tentador instigou-o a arranjar alimento, dizendo: “Se
tu és ha-BOR de YÁHU UL, transforma estas pedras em pão”. 4Mas YAHUSHUA
respondeu-lhe: “Não! Porque as Qaotáv (Qaotávs) dizem:

‘Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de YÁHU
UL. 5Depois ha-satán levou-o a YAHUSHUA-oléym, para o telhado do
Templo: 6“Salta e prova que és ha-BOR (Filho) de YÁHU UL; porque as
Qaotáv afirmam:

‘YÁHU UL dará ordens aos seus anjos para que te guardem. Eles te susterão
com as suas mãos para que não tropeces nas pedras do caminho. 7YAHUSHUA
retorquiu-lhe: “Mas as Qaotáv também dizem: ‘Não devem provocar YÁHU UL vosso
Criador Eterno. 8Por fim, ha-satán levou-o a um sítio muito alto, e
mostrou-lhe as terras do mundo e toda a sua riqueza: 9“Tudo isto te
darei se te ajoelhares e me adorares”. 10“Vai-te, ha-satán! As
Qaotáv mandam: ‘Adorarás YÁHU UL, teu Criador Eterno. Só a ele prestarás culto.
11
Então ha-satán foi-se embora, e os anjos vieram e serviram YAHUSHUA.

YAHUSHUA
começa a pregar

12-13Quando YAHUSHUA soube que YÁHU-khánam
tinha sido preso, saiu da YAOHÚ-dah e voltou para casa, em Nudtzoróth na
Galileia. Cedo, porém, se mudou para Kefár-Naokhém, junto ao Mar da Galileia,
perto de Zabulón e Neftali.14Assim, se cumpriu a profecia de
Yaoshúa-YÁHU: 15-16

“A terra de Zabulón e de Neftali, junto ao mar, além do Yardayán,”na
Galileia onde vivem tantos Gentíles, o povo que andava nas trevas viu uma
grande luz; uma luz que brilhará sobre todos os que vivem”na terra da sombra da
morte.” 17Dali em diante, YAHUSHUA começou a pregar: “Abandonem o
pecado e voltem-se para YÁHU UL, pois o reino dos shua-ólmayao está próximo”.

A chamada
dos primeiros discípulos

18-19Certo dia, caminhando ao longo da
praia junto ao Mar da Galileia, YAHUSHUA viu dois irmãos, Shamiúl, também
chamado Káfos, e Andorúl, que num barco pescavam com uma rede, pois eram
pescadores por ofício. Então chamou-os: “Venham comigo, e vos mostrarei como ser
pescadores de pessoas!”. 20No mesmo momento, deixaram as redes para
o seguir. 21Um pouco mais adiante, na praia, viu outros dois irmãos,
YÁHU-caf e YÁHU-khánam, sentados num barco a remendar as redes, em companhia de
Zebedeu, seu pai. Também chamou estes para o seguirem. 22Logo
pararam com o trabalho e, deixando o pai, foram com YAHUSHUA.

YAHUSHUA
cura os enfermos

23-25Andava por toda a Galileia,
ensinando nas sinagogas dos YAOHÚ-dim e pregando por toda a parte a Mensagem
Gloriosa do reino dos shua-ólmayao (céus). Ao mesmo tempo, curava todos os que
tinham males e enfermidades. A fama dos seus milagres espalhou-se para lá dos
limites da Galileia, de tal modo que em breve começaram a aparecer muitos
enfermos em busca de cura, vindo mesmo de regiões tão distantes como a Syria.
Qualquer que fosse a doença ou padecimento, e mesmo os possessos dos demónios,
os loucos, e os paralíticos, a todos curava. Multidões enormes seguiam-no para
onde quer que fosse, gente da Galileia, das Dez Cidades, de YAHUSHUA-oléym, e
de toda a YAOHÚ-dah, e até do outro lado do Yardayán.

Man-YÁHU
5

1-2Um dia, enquanto as multidões se reuniam, subiu a encosta do
monte com os discípulos, sentou-se e começou a ensinar-lhes estas coisas:

Como ser
feliz

3“Bem-aventurados os que, no seu
espírito, são como pobres”, dizia-lhes, “porque a eles é dado o reino dos
shua-ólmayao.

4Bem-aventurados os que se lamentam, porque serão consolados.

5Bem-aventurados os bondosos e modestos, porque o vasto mundo
lhes pertence.

6Bem-aventurados os que anseiam pela justiça, porque decerto a
alcançarão.

7Bem-aventurados os misericordiosos, porque a eles será mostrada
misericórdia.

8Bem-aventurados aqueles cujo coração é puro, porque verã YÁHU
UL.

9Bem-aventurados aqueles que se esforçam pela paz, porque serão
chamados filhos de YÁHU UL.

10Bem-aventurados os que são perseguidos por cumprirem a vontade
de YÁHU UL, pois é deles o reino dos shua-ólmayao. 11Quando forem
maltratados, perseguidos e caluniados por serem meus seguidores, felizes serão
vocês por isso.12Alegrem-se com isso! Sim, alegrem-se porque vos
espera lá no céu uma enorme recompensa. Lembrem-se de que também os profetas de
antigamente foram perseguidos.

Sal e luz

13Vocês são o sal da terra. Se o
sal perder o seu sabor, como o recuperará? Será lançado fora e espezinhado como
coisa sem valor. 14-16Vocês são a luz do mundo. Uma cidade
construída no topo de um monte, toda a gente a vê. Não se acende um candeeiro
para o pôr dentro do armário. Não ocultem a vossa luz; deixem que ela brilhe
diante de todos. Que as vossas boas obras brilhem também para serem vistas por
todos, de tal maneira que louvem o vosso YÁHU ABí celestial.

O
cumprimento da lei

17-18Não julguem erradamente a razão
da minha vinda. Não vim para acabar com as leis de Mehushúa ou com os avisos
dos profetas. Vim antes para os cumprir e realizar. Digo-vos que nem uma letra
ou acento das Qaotáv desaparecerá até que o céu e a terra acabem 19Portanto,
se alguém quebrar o mais pequeno mandamento que seja, e ensinar outros a
fazerem o mesmo, esse será indigno do reino dos shua-ólmayao. Mas quem obedecer
às leis de YÁHU UL e as ensinar será grande no reino dos shua-ólmayao. 20
Todavia, já vos aviso: a não ser que a vossa obediência a YÁHU UL seja maior do
que a dos profesores da lei e dos Farsyím, de outra forma não poderão entrar no
reino dos shua-ólmayao!

Assassínio

21-22As leis de Mehushúa tinham por
regra: “Não matarás. E se cometeres assassínio serás sujeito a julgamento.” Mas
agora digo-vos que basta o sentimento da ira contra alguém para se cair sob
julgamento! Se chamarem estúpido a um amigo, correm o risco de serem levados a
tribunal. E se o amaldiçoarem, arriscam-se às chamas do inferno. 23-24Portanto,
se estiveres diante do altar do Templo a oferecer um sacrifício a YÁHU UL e te
lembrares de que outra pessoa tem qualquer razão de queixa contra ti, deixa o
teu sacrifício sobre o altar, vai, pede perdão e faz as pazes com ela; depois
volta e oferece o teu sacrifício a YÁHU UL. 25Chega depressa a
acordo com o teu inimigo antes que seja tarde e ele te arraste perante um
tribunal e te vejas lançado na cadeia como devedor. 26Porque ali
ficarás até pagares a última moeda.

Adultério

27-28As leis de Mehushúa diziam: “Não
cometas adultério”. Eu porém, digo: qualquer que olhar para uma mulher com
cobiça, já cometeu adultério com ela no seu coração. 29-30Portanto,
se o teu olho, mesmo que seja o que vê melhor, te leva à cobiça, tira-o e
arremessa-o para longe de ti. Melhor é que seja destruída uma parte do teu
corpo do que seres lançado todo inteiro no inferno. E se a tua mão, mesmo que
seja aquela com que fazes mais coisas, te leva ao pecado, corta-a e atira-a
para longe de ti. É melhor isso do que ires parar ao inferno.

Divórcio

31-32A lei de Mehushúa ordena: “Se
alguém se quiser ver livre da sua mulher, pode divorciar-se dela entregando-lhe
uma simples carta de despedimento”. Mas eu digo que um homem que se divorciar
da sua mulher, a não ser que ela se prostitua, faz com que ela cometa
adultério. E quem com ela casar comete adultério também.

Juramentos

33-37A lei de Mehushúa diz mais: “Não
faltarás aos teus juramentos, antes os cumprirás perante YÁHU UL o que
juraste”. Eu, porém, digo: não façam juramentos de espécie alguma. Mesmo dizer,
‘Pelo céu! é já um voto sagrado feito a YÁHU UL, porque os shua-ólmayao são a
sua habitação. E se disserem, ‘Pela terra! também isso é um voto sagrado,
porquanto a terra é o estrado dos seus pés. E não jurem, ‘Por YAHUSHUA-oléym!
porque YAHUSHUA-oléym é a capital do grande Molkhiúl (Rei). Não jurem nem mesmo
pela vossa cabeça, porque não podem fazer com que um cabelo fique branco ou preto.
Diga-se pois simplesmente, ‘Sim ou ‘Não. O que passa daí vem do maligno.

Olho por
olho

38-42A lei de Mehushúa diz: “Se um
homem arrancar um olho a outro, pagará com o seu próprio olho. Se um dente for
arrancado por uma pancada, arranque-se de igual forma o dente de quem fez tal
coisa.” Eu porém, digo: Não oponham violência à violência! Se te derem uma
bofetada numa das faces, oferece também a outra. Se fores levado a tribunal e
te tirarem a camisa, dá-lhes também o casaco. Se um soldado te obrigar a carregar-lhe
com a mochila um quilómetro, leva-a dois quilómetros. Dá a quem te pedir, e não
fujas de quem te quiser pedir emprestado.

Ama os
teus inimigos

43Foi-vos dito: “Ama os teus
amigos. Despreza os teus inimigos.” Q 44-45Eu, porém, digo: Amem os
vossos inimigos. Bendigam os que vos maldizem. Façam o bem aos que vos odeiam.
Orem por quem vos persegue! Assim procederão como verdadeiros filhos do vosso YÁHU
ABí que está no céu. Porque ele faz brilhar o sol tanto sobre os maus como
sobre os bons, e manda a chuva cair tanto sobre justos como injustos.
46-48
Se amarem só quem vos ama, de que vale isso? Até os que vivem sem YÁHU
UL o fazem. Se forem amigos só dos vossos amigos, em que serão diferentes de
qualquer outro? Até os descrentes o fazem. Vocês, porém, devem ser perfeitos,
como é perfeito o vosso YÁHU ABí no céu.”

Man-YÁHU
6

Dando aos
necessitados

1“Cuidado, não pratiquem as boas
obras com ostentação, só para serem admirados, porque se o fizerem, perderão a
recompensa que o vosso YÁHU ABí do céu vos dá. 2Quando derem alguma
coisa a um pobre, nada de alarde, como fazem os fingidos, tocando trombeta nas
sinagogas e nas ruas para chamar a atenção para os seus actos de caridade.
Digo-vos com toda a seriedade: esses já receberam toda a recompensa que
poderiam ter. 3-4Mas quando fizerem um favor a alguém, façam-no em
segredo, sem dizerem à mão esquerda o que faz a direita. Vosso YÁHU ABí, que
conhece todos os segredos, vos recompensará.

Oração

5Quando orarem, não devem ser como
os fingidos, que se mostram piedosos, orando publicamente às esquinas das ruas
e nas sinagogas, onde toda a gente os pode observar. Na verdade, já receberam a
sua recompensa 6Mas tu, quando orares, fecha-te em casa, e ora
secretamente ao teu YÁHU ABí, e ele, que conhece os teus segredos, te dará o
galardão. 7-8Não recitem a mesma oração uma vez, e outra, e outra,
como os pagãos fazem, julgando que as orações são mais atendidas pela sua
repetição constante. Lembrem-se de que o vosso YÁHU ABí bem sabe aquilo de que
necessitam ainda antes de lho pedirem!= 9Devem orar assim:

‘YÁHU ABí nosso, que estás no céu, que o teu santo Shúam (Nome) seja
honrado.

10Pedimos que o teu reino venha. Que a tua vontade seja feita
aqui na terra, tal como é feita no céu.

11Dá-nos o pão para o nosso alimento de hoje.

12Perdoa-nos os nossos pecados, assim como perdoamos aos que nos
ofendem.

13Não deixes que caiamos durante a tentação, mas livra-nos do
mal. Isto te pedimos! 14-15O vosso YÁHU ABí celestial vos perdoará
se perdoarem àqueles que contra vocês pecam; mas, se não quiserem perdoar-lhes,
ele não vos perdoará a vocês.

Jejum

16-18Quando jejuarem, não o façam
publicamente como os fingidos, que procuram parecer abatidos para despertar
admiração. Verdadeiramente, essa é a única recompensa que receberão. Mas
apresentem-se o melhor possível, de tal modo que ninguém desconfie de que não
ingeriram alimentos, sabendo-o apenas o vosso YÁHU ABí, que conhece todos os
segredos. Ele vos recompensará.

Tesouros
no céu

19-21Não arrecadem os vossos lucros
aqui na terra, onde podem consumir-se ou ser roubados. Entesourem, sim, no céu,
onde nunca perdem o valor e estão a salvo dos ladrões. Se os vossos lucros
estiverem no céu, aí também estará o vosso coração. 22-23Se o teu
olho for puro, a tua vida será limpa. Mas se o teu olhar for mau, viverás em
trevas. E como essas trevas podem ser profundas! 24Não se pode
servir dois patrões: YÁHU UL e o dinheiro. Porque ao se desprezar um, acaba por
se preferir o outro.

Não se
preocupem

25Portanto, aconselho-vos que não
se preocupem com as coisas desta vida, como que hão-de comer e beber, e ter
dinheiro e roupa. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que o
vestuário?Ò 26-27Olhem os passarinhos, que não se preocupam com o
alimento, não precisam de semear, nem de colher, ou de armazenar comida, pois o
vosso YÁHU ABí celestial é quem os sustenta. E para ele vocês têm muito mais
valor do que os passarinhos. As vossas preocupações poderão porventura
acrescentar um só momento ao tempo da vossa vida? 28-30E para quê
preocuparem-se com o vestuário? Olhem os lírios do campo que não têm cuidados
com isso! E, contudo, nem mesmo o rei Shua-ólmoh, em todo o seu esplendor, se
vestiu tão belamente como eles. E se YÁHU UL cuida assim das flores, que hoje
nascem e amanhã já não existem, não cuidará porventura de vocês, gente de pouca
fé? 31-34Portanto, não se preocupem com a comida e a roupa para
vestir. Para quê serem como os incrédulos? Mas o vosso YÁHU ABí celestial sabe
perfeitamente que precisam delas. Dêem pois prioridade ao seu reino e à sua
justiça e YÁHU UL cuidará do vosso futuro. Não se preocupem com o dia de
amanhã. O dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta cada dia o seu mal.

Man-YÁHU
7

Julgar os
outros

1-2Não julguem os outros, se não
querem que YÁHU UL vos julgue da mesma maneira. Porque a maneira como julgarem
e a medida que usarem serão usadas para convosco. 3-5E porque é que
te hás-de preocupar com uma palha no olho do vizinho quando tens uma tábua no
teu próprio olho? Como poderias dizer: ‘Amigo, deixa-me ajudar-te a tirar essa
palha do teu olho, quando afinal tu mesmo tens uma trave no teu? Isso é
hipocrisia! Liberta-te primeiro do que tens na vista e depois então poderás ver
para ajudar o teu irmão. 6Não dêem aos cães as coisas santas; eles
podem virar-se contra vocês. Não deitem pérolas a porcos, porque as
desprezarão, pisando-as.

Peça,
procure, bata

7-8Peçam, e receberão o que pedirem.
Procurem, que hão-de achar. Batam, que a porta há-de abrir-se. Aquele que pede,
recebe. Quem procura, acha. Se baterem, a porta abrir-se-á 9-12Se
uma criança pedir um pão ao pai, receberá uma pedra? Se pedir peixe, receberá
uma cobra? Claro que não. E se vocês, que são pecadores, sabem dar coisas boas
aos vossos filhos, porventura não dará muito mais o vosso YÁHU ABí do céu
coisas boas a quem lhas pedir? Façam aos outros o que querem que vos façam. Ao
fim e ao cabo, é isto o que ensinam a lei e os profetas.

Duas
portas

13-14Só pela porta estreita se pode
entrar no céu. A via para o inferno é larga, e a sua porta é ampla bastante
para todas as multidões que escolherem esse caminho fácil. Mas a porta da vida
é pequena, o seu caminho é estreito, e poucos o encontram.

A árvore
e os seus frutos

15-20Cuidado com os falsos profesores
que se disfarçam de ovelhas mansas mas que, afinal, são lobos que o que querem
é devorar-vos. Assim como vocês conhecem uma árvore pelos seus frutos, assim
também poderão descobrir esses falsos profesores pelo seu procedimento. Decerto
não vão colher uvas de um espinheiro, nem figos dos cardos. As qualidades de
árvores frutíferas conhecem-se pelos seus frutos. Uma espécie boa não dá fruta
que não sirva para comer. E numa árvore que dá maus frutos não se vai colher
boa fruta! E as árvores que tenham fruto impróprio para comer acabam por ser
cortadas e lançadas no fogo. Sim, uma árvore é conhecida pela qualidade de
fruto que dá. 21-23Nem todos os que falam como se fossem gente
religiosa o são verdadeiramente. Eles podem chamar-me Molkhiúl (Rei) mas nem
por isso entrarão no céu. Porque o que importa é saber se obedecem ao meu YÁHU
ABí do céu ou não. No dia do juízo muitos me dirão: ‘Molkhiúl, Molkhiúl,
fizemos em teu Shúam (Nome) pregações inspiradas, e servimo-nos do teu Shúam (Nome)
para expulsar demónios e para operar muitos outros milagres. Mas responderei:
‘Nunca vos conheci. Vão-se embora porque as vossas obras são ruins.

A casa
sobre a rocha

24-27Todos os que escutam as minhas
palavras e as seguem são sábios, como o homem que constrói a sua casa sobre uma
rocha sólida. Pode a chuva cair em bátegas, podem vir enchentes, os ventos
tempestuosos embater na casa, que ela não desabará, porque se encontra
edificada sobre a rocha. Mas quem ouve as minhas palavras e as despreza é insensato,
como aquele que constrói a sua casa sobre a areia. Pois, quando vierem as
chuvas e as enchentes, quando a ventania se abater sobre a sua casa, esta
desabará inteiramente.” 28-29As multidões ficavam pasmadas com os
ensinamentos de YAHUSHUA, visto que os transmitia como alguém que tinha grande
autoridade e não como os dirigentes YAOHÚ-dim.

Man-YÁHU
8

O leproso

1-2Grandes multidões seguiram YAHUSHUA
enquanto descia a encosta do monte. E um leproso se aproximou e ajoelhou-se
diante dele em adoração. ” YÁHU UL”, pediu o leproso, “se quiseres, podes
curar-me.” 3-4YAHUSHUA tocou no homem: “Quero; fica curado”. E logo
a lepra depareceu. YAHUSHUA disse-lhe então: “Não pares para falar seja com
quem for; vai já ter com o intermediário espiritual para que te examine; e leva
contigo a oferta exigida pela lei de Mehushúa para os leprosos que se curam, em
testemunho público”.

A fé do
oficial romano

5-6Quando YAHUSHUA chegou a
Kefár-Naokhém, apareceu um oficial do exército romano que lhe pediu muito que
fosse a sua casa e lhe curasse um rapaz seu criado que se encontrava de cama,
paralítico e cheio de dores. 7“Está bem, irei curá-lo.” 8-9Mas
o oficial disse: ” YÁHU UL, não mereço que entres na minha casa. Mesmo sem
saires daqui, se disseres: ‘Cura-te, o meu criado ficará bom! Eu sei, porque eu
também recebo ordens dos meus superiores e mando nos meus soldados. Digo a
este, ‘Vai e ele vai, e àquele, ‘Vem e ele vem; e ao meu criado, ‘Faz isto ou
aquilo, e ele faz.”10YAHUSHUA, muito bem impressionado, voltou-se
para os que o seguiam e disse: “Ainda nem em toda a terra de Yaoshorúl vi fé
assim!o 11-12E digo-vos que muitos não YAOHÚ-dim, como este, virão
de todas as partes do mundo e sentar-se-ão no reino dos shua-ólmayao com
Abruhám, YÁHUtz-kaq e YÁHU-caf, enquanto que muitos Yaoshorulítas, para quem
aliás o reino foi preparado, serão lançados na escuridão exterior, no lugar de
choro e lamentos de desespero.”13E voltando-se para o oficial
romano: “Vai para casa. Aquilo em que tinhas tanta fé já se realizou!” O rapaz
ficou curado naquela mesma hora.

YAHUSHUA
cura muitos

14-15Quando chegou a casa de Káfos, a
sogra deste estava de cama, cheia de febre. Mas, ao tocar-lhe na mão, a febre
desapareceu e ela levantou-se e preparou-lhes uma refeição. 16-17Naquela
tarde trouxeram a YAHUSHUA várias pessoas dominadas pelos demónios; bastava ele
dizer uma palavra para todos os demónios fugirem; e os doentes ficavam curados.
Assim se cumpriu a profecia de Yaoshúa-YÁHU: ‘Ele levou as nossas enfermidades
e carregou com as nossas doenças.

O custo
de ser discípulo

18Quando YAHUSHUA reparou que a
multidão engrossava, mandou aos discípulos que se preparassem para atravessar
para a outra margem do lago. 19Nesse momento um dos profesores
religiosos YAOHÚ-dim disse-lhe: “Maoro-éh, estou pronto a seguir-te para onde
quer que fores”. 20“As raposas têm tocas, e as aves têm ninhos; eu,
porém, ha-BOR do Homem, não possuo lar próprio nem sítio onde pousar a cabeça.”
21
Outro dos seus seguidores disse: ” YÁHU UL, deixa-me primeiro enterrar
o meu pai”. 22“Segue-me já! Os mortos de espírito que cuidem dos
seus mortos.”

YAHUSHUA
acalma a tempestade

23Depois entrou num barco e começou
a atravessar o lago com os seus discípulos. 24-25De repente,
levantou-se uma grande tempestade com ondas mais altas do que o barco. Mas YAHUSHUA
dormia. Os discípulos trataram de o acordar: ” Molkhiúl, salva-nos, que vamos
ao fundo!” 26“Homens de pouca fé, porque têm assim tanto medo?” E
levantando-se, repreendeu o vento e as ondas; a tempestade abrandou e tudo ficou
calmo!t 27Os discípulos ficaram de boca aberta, cheios de temor,
perguntando uns aos outros: “Quem é este, a quem o próprio vento e o mar
obedecem?”

A cura
dos endemoninhados

28-29Chegados ao outro lado do lago,
na região dos gadarenos, dois indivíduos dominados pelos demónios foram ao seu
encontro. Viviam num cemitério, e eram tão perigosos que ninguém podia passar
por ali. Começaram a gritar: “Que queres tu de nós, ha-BOR de YÁHU UL? Não tens
direito de nos atormentar ainda” 30-31A certa distância andava uma
vara de porcos a pastar, e os demónios pediram: “Se nos vais expulsar,
manda-nos para aquela vara de porcos.” 32“Está bem, vão.” Eles
saíram daqueles homens, entraram nos porcos, e a vara inteira caiu por um
despenhadeiro abaixo, afogando-se na água. 33-34Os porqueiros
fugiram para a cidade mais próxima, contando o sucedido, e toda a gente veio
ver quem era YAHUSHUA, chegando até a pedir-lhe que se fosse embora e os
deixasse em paz.

Man-YÁHU
9

YAHUSHUA
cura o paralítico

1-2Depois, YAHUSHUA meteu-se num
barco e atravessou o lago para Kefár-Naokhém, que era a sua cidade. Logo alguns
homens lhe trouxeram, numa esteira, um rapaz paralítico. Quando YAHUSHUA
reparou na fé deles, disse ao doente: “Coragem, filho, porque já perdoei os
teus pecados!” 3“Que ofensa a YÁHU UL! Esse homem é como se se
considerasse o próprio YÁHU UL!”, murmuravam entre si alguns chefes religiosos.
4
YAHUSHUA soube o que eles pensavam: “Porque são tão ruins os vossos
pensamentos? 5O que é mais fácil dizer, ‘os teus pecados são
perdoados, ou dizer ‘levanta-te e anda ?u 6Ora, vou provar que tenho
autoridade aqui na terra para perdoar pecados.” E, voltando-se para o rapaz
paralítico, disse-lhe: “Levanta-te, enrola a tua esteira e vai para casa pelo
teu pé!” 7E este levantou-se e foi para casa 8Um clamor
de espanto percorreu a multidão quando viu isto acontecer. E louvavam YÁHU UL
por ter dado tal autoridade aos homens!

A chamada
de Man-YÁHU

9Ia YAHUSHUA a descer a estrada
quando se dirigiu a um cobrador de impostos, Man-YÁHU, sentado num balcão de
cobrança: “Segue-me, sê meu discípulo”. E logo Man-YÁHU, abandonando de pronto
o seu posto, o acompanhou. 10-11Mais tarde, estava YAHUSHUA com os
seus discípulos a comer em casa de Man-YÁHU, e sentaram-se também bom número de
gente conhecida como pouco escrupulosa, como convidados. Os Farsyím ficaram
chocados com aquilo. “Porque se junta o vosso Maoro-éh com gente desta laia?”,
perguntaram eles aos discípulos. 12-13Mas YAHUSHUA, que os ouvira,
respondeu: “Porque não são os que têm saúde que precisam de médico, são os
doentes. Têm de aprender o que significa esta passagem das Qaotáv: ‘Mais do que
os vossos sacrifícios, quero provas da vossa bondade. Eu vim a este mundo para
chamar os pecadores para que se voltem para YÁHU UL. Não vim para os que já se
consideram a si próprios bons.”

YAHUSHUA
é interrogado sobre jejum

14Um dia, os discípulos de YÁHU-khánam
Baptista foram ter com YAHUSHUA: “Porque é que os teus discípulos não jejuam
como nós fazemos e como fazem também os Farsyím?” 15-17YAHUSHUA
respondeu: “Acham que os convidados do noivo devem ficar tristes enquanto o
noivo está com eles? Contudo, virá o tempo em que o esposo será tirado do meio
deles. Então jejuarão. E quem remendaria roupa velha com fazenda que ainda não
encolheu? O remendo rasgaria a roupa e o buraco ficava pior ainda. Ou quem
guardaria o vinho novo em barris velhos? Estes rebentariam com a pressão, o
vinho entornar-se-ia e os barris ficariam estragados. Para guardar vinho novo
só se utilizam barris novos. Assim ambos se conservam.”

Uma
menina morta e uma mulher doente

18Enquanto falava deste modo, o
dirigente da sinagoga local aproximou-se e adorou-o: “A minha filha acaba de morrer,
mas tu tens poder para a fazer viver de novo; basta que venhas e toques nela”.
19-21
Quando YAHUSHUA e os discípulos iam a caminho da casa do dirigente,
uma mulher, que havia doze anos sofria de uma perda de sangue interna,
aproximou-se dele por detrás e tocou-lhe na borda do manto, pois pensava:
“Basta eu tocar-lhe para ficar curada.” 22YAHUSHUA voltou-se e disse
à mulher: “Filha, tudo vai bem; a tua fé te curou!” E a mulher ficou boa a
partir daquele momento.23Quando chegou a casa do chefe da sinagoga e
viu a multidão agitada, e ouviu a música de funeral, mandou:! 24“Saiam
todos lá para fora, porque a menina não está morta; dorme apenas!” Mas riram-se
dele 25Por fim, quando toda aquela gente saiu, YAHUSHUA entrou no
aposento onde a menina estava deitada e pegou-lhe na mão; logo ela se levantou
de pronto, em perfeita saúde. 26A notícia deste milagre correu toda
a região.

YAHUSHUA
cura cegos e mudos

27Ia YAHUSHUA a sair da casa da
menina quando dois cegos se puseram a segui-lo, gritando: “Ó ha-BOR do rei
Dáoud, tem piedade de nós!” 28E entraram mesmo na casa onde ele
ficava; até que YAHUSHUA lhes perguntou: “Crêem que vos posso dar de novo a
vista?””Sim, Molkhiúl, cremos.” 29Então, pousando a mão sobre
os seus olhos, YAHUSHUA disse: “Assim será, pela fé de que vocês deram provas!”
30-31
E logo recuperaram a vista! YAHUSHUA, no entanto, recomendou-lhes
rigorosamente que não contassem o caso a ninguém. Mas eles espalharam a sua
fama por toda a região.32Deixando aquele lugar, encontrou um mudo,
que o era por ser possuído de um demónio 33YAHUSHUA expulsou o
demónio, e logo o homem pôde falar. Como a multidão ficou maravilhada! “Nunca
em Yaoshorúl vimos coisas assim!”34Mas os Farsyím diziam: “Se
consegue expulsar demónios é porque um demónio o possui a ele. Está pois
dominado por ha-satán, rei dos demónios!”

Os
trabalhadores são poucos

35-36YAHUSHUA andava por todas as
cidades e aldeias da região, ensinando nas sinagogas e anunciando a Mensagem
Gloriosa do reino. Aonde quer que ia, curava toda a casta de enfermidades. E
sentia grande pena das multidões que apareciam com problemas enormes, sem
saberem que fazer nem onde procurar auxílio! Eram como ovelhas sem apacentador.
37-38
“A seara é tão grande, e tão poucos os trabalhadores”, disse aos
discípulos. “Orem a YÁHU UL da seara e peçam-lhe que chame mais trabalhadores
para as suas searas.”

Man-YÁHU
10

YAHUSHUA
envia os doze discípulos

1Chamando os doze discípulos para
junto de si, YAHUSHUA deu-lhes autoridade para expulsar os espíritos maus e
curar toda a espécie de doenças e enfermidades. 2-4Estes são os
nomes dos doze emisários: Shamiúl, também chamado Káfos; Andorúl, irmão de
Káfos; YÁHU-caf, filho de Zebedeu; YÁHU-khánam, irmão de YÁHU-caf; Felipe;
Bartolomeu; Tomé; Man-YÁHU, o cobrador de impostos; YÁHU-caf, filho de Alfeu;
YAOHÚ-dah; Shamiúl o cananeu; e Yudas Ish-Kerióth, que acabou por o trair.
5-6
YAHUSHUA enviou-os com as seguintes instruções: “Não vão aos Gentíles
nem aos Shomroním, mas só ao povo de Yaoshorúl, às ovelhas perdidas de YÁHU UL
7
Vão e anunciem-lhes que o reino dos shua-ólmayao está próximo 8Curem
os doentes, dêem vida aos mortos, sarem os leprosos e expulsem os demónios.
Dêem generosamente, tal como generosamente receberam! 9-10Não levem
dinheiro convosco. Não levem sacos de viagem com mudas de roupa e calçado, nem
sequer um bordão; pois quem deve alimentar-vos e cuidar de vocês são aqueles a
quem ajudarem. 11-13Sempre que entrarem numa cidade ou aldeia,
procurem um homem piedoso e fiquem na sua casa até partirem para a cidade
seguinte. Quando pedirem licença para ficar, sejam delicados. E se de facto for
um lar onde se respeite YÁHU UL, dêm-lhe a vossa bênção; se não for, não a
dêem. 14-15Em qualquer cidade ou casa que não vos receber, sacudam
dos pés o pó daquele lugar, quando se retirarem. Certamente que as cidades
ímpias de Sodoma e Gomorra estarão em situação melhor do que elas no dia do
juízo. 16-18Envio-vos como ovelhas para o meio dos lobos. Sejam
cautelosos como as serpentes, e simples como pombas. Mas fiquem sabendo,
contudo, que hão-de ser presos, julgados e açoitados nas sinagogas. Sim,
julgados diante de governadores e reis por minha causa. Terão, então, ocasião
de falar de mim, de dar o vosso testemunho perante o mundo. 19-20Quando
forem presos, não se preocupem com o que hão-de dizer no vosso julgamento,
porque vos serão inspiradas as palavras certas no momento certo. Pois não serão
vocês quem falará, mas o RÚKHA (Espírito) do vosso YÁHU ABí celestial, pela
vossa boca! 21-23Um irmão chegará a entregar outro irmão à morte, e
os pais trairão os próprios filhos. Os filhos levantar-se-ão contra os pais e
os farão morrer. Todos vos odiarão por causa do meu Shúam (Nome). Mas aqueles
que resistirem até ao fim serão salvos. Quando forem perseguidos numa cidade,
fujam para a seguinte. Voltarei antes de terem passado por todas as cidades de
Yaoshorúl. 24-26O aluno não é mais do que o seu chefe, nem o
trabalhador está acima do capataz. O aluno tem o mesmo destino que o seu
professor, o empregado o mesmo que o patrão! E se a mim, que sou dono da casa,
me chamam ha-satán, quanto mais não o farão a vocês! Mas não tenham medo de
quem vos ameaça, pois nada há encoberto que não venha a revelar-se, nem há nada
de escondido que não venha a ser conhecido.¸ 27O que agora vos digo
só a vocês, gritem-no às claras quando amanhecer. O que vos segredo aos
ouvidos, gritem-no dos terraços! 28Não receiem quem mais não pode
fazer do que matar-vos o corpo sem poder atingir a vossa alma! Só YÁHU UL devem
temer, que pode lançar no inferno tanto a alma como o corpo. 29-31Nem
um pardal – que vale menos que uma moeda – poderá cair no chão sem que o vosso YÁHU
ABí o saiba. Os próprios cabelos da vossa cabeça estão contados. Portanto, não
se preocupem! Para ele, vocês valem mais do que muitos pardais juntos.
32-33
Se alguém me reconhecer diante de todos como seu YÁHU UL, eu o
reconhecerei como meu diante do meu YÁHU ABí (Pai) no céu. Mas se alguém me
negar publicamente, eu o renegarei publicamente diante do meu YÁHU ABí no céu.
34-35
Não julguem que vim trazer paz à terra! Não, antes vim trazer
conflitos. De facto vim para lançar um homem contra o seu pai, a filha contra a
mãe, a nora contra a sogra. 36-37Os piores inimigos de um homem
estarão justamente dentro da sua própria casa! Se amarem mais o vosso pai e mãe
do que a mim, não merecem ser meus; se amarem o vosso filho ou filha mais do
que a mim, não merecem ser meus. 38Se recusarem levar a vossa poste
e seguir-me, não merecem ser meus. 39Se se agarrarem à vida,
perdê-la-ão; se a perderem por amor de mim, salvá-la-ão. 40Quem vos
receber, é a mim que recebe. Quem me acolhe, acolhe YÁHU UL, que me enviou. 41Se
acolherem alguém que vos fale em Shúam (Nome) de YÁHU UL, receberão a mesma
recompensa do que ele. Se derem acolhimento a uma pessoa boa e piedosa, por
causa desta mesma piedade, receberão recompensa igual à dela.= 42E
se alguém der nem que seja um copo de água a um dos mais pequenos dos meus
discípulos, digo-vos que, na verdade, náo ficará de modo algum sem recompensa.”

Man-YÁHU
11

YAHUSHUA
e YÁHU-khánam Baptista

1Dadas estas instruções aos seus
doze discípulos, YAHUSHUA saiu a pregar nas cidades que tencionava visitar.
2-3
YÁHU-khánam Baptista, que então estava preso, soube dos milagres que
hol-MEHUSHKHÁY (o Messías) andava a realizar, pelo que enviou os seus
discípulos para que perguntassem a YAHUSHUA: “És tu realmente aquele por quem
esperamos, ou devemos continuar a aguardar?” 4YAHUSHUA
respondeu-lhes: “Voltem e contem a YÁHU-khánam os milagres que me viram fazer:
5
os cegos que curei, os coxos que agora andam, os leprosos sarados, os
surdos que ouvem, os mortos que voltaram à vida; e falem-lhe na minha pregação
da Mensagem Gloriosa aos pobres. 6E dêem-lhe também este recado:
‘Bem-aventurados são aqueles que não se escandalizam de mim. 7-9Quando
os discípulos de YÁHU-khánam se foram embora, YAHUSHUA começou a falar acerca
dele à multidão. “Quando foram ao deserto para ver YÁHU-khánam, com quem é que
esperavam que ele se parecesse? Com a erva agitada pelo vento? Ou esperavam ver
um homem vestido como um príncipe num palácio? Seria um profeta? Sim, e ele é
mais do que um simples pregador da palavra de YÁHU UL. 10 YÁHU-khánam
é o homem de quem as Qaotáv falam:

‘Diante de ti envio o meu mensageiro para preparar o povo para te receber.
11-14
Sem dúvida que, de todos os homens nascidos neste mundo, nenhum
brilha mais do que YÁHU-khánam Baptista. E, contudo, até o menor no reino dos
shua-ólmayao é maior do que ele! Desde que YÁHU-khánam Baptista começou a
pregar e a baptizar, se faz violência contra o reino dos shua-ólmayao e se
tenta entrar nele por força. Todos os homens de YÁHU UL e a própria lei
profetizaram até que YÁHU-khánam apareceu. E se estão dispostos a compreender,
dir-vos-ei que ele é como o profeta Uli-YÁHU, aquele cuja vinda foi anunciado
que se daria antes de hol-MEHUSHKHÁY (o Messías) 15Quem está
disposto a ouvir, que me escute bem! 16-19Que direi eu desta nação?
Esta gente é como as crianças que brincam e dizem aos amigos: ‘Brincámos aos
casamentos e ninguém se quis alegrar; então brincámos aos funerais, e também
ninguém quis ficar triste. Vei YÁHU-khánam Baptista, e lá porque não bebe vinho
e nem jejua com frequência dizem, ‘Tem demónio. Vim eu, ha-BOR do Homem, e
porque aceito ir a uma celebração e beber o vinho que me é oferecido, logo se
queixam de que sou comilão e bebedor, e de que ando em má companhia! Mas sem
dúvida que a sabedoria é justificada pelas suas obras.”

Aviso às
cidades impenitentes

20Então, começou a censurar as
cidades onde tinha realizado a maior parte dos seus milagres por, apesar disso,
não se terem voltado para YÁHU UL. 21-22“Oy de ti, Corazim e oy de
ti, Bóhay Shua-odái! Porque, se os milagres que fiz nas vossas ruas tivessem
sido praticados em Tiro e Sidom, há muito que o seu povo se teria arrependido
com vergonha e humildade. Verdadeiramente, Tiro e Sidom estarão melhor do que
vocês no dia do juízo!- 23-24E tu, Kefár-Naokhém, cheia de luxo e
vaidade como és, baixarás ao inferno! Porque, se os milagres espantosos que
operei em ti tivessem tido lugar em Sodoma, ela ainda hoje aqui estaria.
Seguramente que Sodoma está melhor do que tu no dia do juízo!”

Descanso
para os cansados

25-26E YAHUSHUA orou assim: ” YÁHU
ABí, Molkhiúl (Rei) do céu e da terra, graças te dou por teres escondido estas
coisas àqueles que se julgam muito sábios, e por as revelares aos que são como
as criancinhas! Sim, YÁHU ABí (Pai), agradeço porque achaste bem fazer assim!
27
Todas as coisas me foram confiadas pelo meu YÁHU ABí. Só YÁHU ABí
conhece ha-BOR, e só ha-BOR e aqueles a quem ha-BOR o revela, conhecem YÁHU
ABí. 28-30Venham a mim todos os que estão cansados e oprimidos e eu
vos aliviarei. Levem o meu jugo e aprendam de mim, porque sou brando e humilde,
e acharão descanso para as vossas almas; pois só vos imponho cargas suaves e
leves.”

Man-YÁHU
12

Molkhiúl
(Rei) do Shábbos (Sábado)

1-2Sucedeu por aquela altura que YAHUSHUA
atravessava umas searas com os seus discípulos. Era Shábbos, o dia de repouso
YAOHÚ-di, e como os discípulos sentiam fome, começaram a partir espigas de
trigo e a comer o grão. Mas alguns Farsyím que os viram fazer isto protestaram:
“Os teus discípulos estão a ir contra a lei, colhendo no dia de Shábbos!”
3-4
Mas YAHUSHUA disse-lhes: “Nunca leram o que o rei Dáoud fez quando ele
e os companheiros estavam com fome? Entrou no Templo e todos eles comeram o pão
sagrado, coisa que só os intermediários podiam fazer. Também isto era contra a
lei. 5-6E nunca leram na lei de Mehushúa que os intermediários de
serviço no Templo podiam trabalhar no Shábbos? Pois aqui está um que é maior do
que o Templo! 7-8Mas se conhecessem o que quer dizer esta passagem
das Qaotáv: ‘Mais do que as vossos sacrifícios, quero provas da vossa bondade,
não teriam condenado quem não tem culpa. Porque eu, ha-BOR do Homem, sou
Molkhiúl (Rei) do próprio Shábbos (Sábado).” 9-10Depois foi para a
sinagoga, e viu ali um homem com uma das mãos aleijada. Os Farsyím
perguntaram-lhe: “A lei permite trabalhar fazendo curas no dia de Shábbos?”
(Esperavam, é claro, que ele respondesse “Sim”, para desta forma poderem
acusá-lo.) 11-12A sua resposta foi: “Se um de vocês tivesse uma
única ovelha e no Shábbos ela caísse num poço, não trabalhariam para a salvar,
naquele dia? Quanto mais não vale uma pessoa do que uma ovelha! Evidentemente que
é justo fazer bem num Shábbos.” 13E, voltando-se para o homem:
“Estende o braço”. Quando ele o fez, a mão doente ficou igual à sã!

O servo
escolhido por YÁHU UL

14-16Então os Farsyím juntaram-se para
combinar a prisão e morte de YAHUSHUA. Mas ele, sabendo o que tramavam, saiu da
sinagoga, seguido de muita gente. E curou quantos doentes haviam entre eles,
avisando-os, contudo, de que não deviam contar os seus milagres. 17Assim
se cumpriu a profecia de Yaoshúa-YÁHU a seu respeito:

18“Olhem o meu servo. Vejam o meu escolhido. Ele é o meu amado,
em quem a minha alma tem prazer. Porei o meu RÚKHA (Espírito) sobre ele, e
julgará as nações.

19Não discute nem grita; não levanta a voz!

20Não esmaga a cana trilhada, nem apagará o pavio que fumega
ainda. Com a sua vitória final, acabará com todos os conflitos,

21e o seu (Nome) Shúam será a esperança do mundo inteiro.”

YAHUSHUA
e ha-satán

22Então um cativo do demónio, cego
e mudo ao mesmo tempo, foi trazido a YAHUSHUA, que o curou de modo que o homem
já falava e via 23-24A multidão, cheia de espanto, exclamava: “Não
será este ha-BOR de Dáoud, hol-MEHUSHKHÁY (o Messías)?” Mas, quando os Farsyím
souberam do milagre, puseram-se a dizer: “Expulsa os demónios pelo poder de
ha-satán, principe dos demónios.” 25YAHUSHUA, conhecendo os seus
pensamentos, respondeu: “Um reino dividido vai parar à ruína. Uma cidade ou uma
casa dividida contra si mesma não se aguenta de pé.- 26Se ha-satán
expulsa ha-satán, está lutando contra si próprio, destruindo o seu próprio
reino. 27Se, como vocês dizem, expulso os demónios com a ajuda do
poder de ha-satán, a que poder recorrem os vossos, quando fazem o mesmo? Eles que
respondam à vossa acusação! 28Mas, se expulso os demónios pelo
RÚKHA-YÁHU, então é porque o reino de YÁHU UL já está no vosso meio. 29Não
se pode roubar a casa dum homem forte sem primeiro o amarrar. Só então poderão
os seus demónios ser expulsos. 30Quem não está comigo é contra mim,
e quem comigo não ajunta, espalha. 31Todo o pecado ou blasfémia pode
ser perdoado – excepto a blasfémia contra o RÚKHA hol-HODSHÚA (Espírito Santo),
a qual nunca será perdoada. 32Até o dizer mal de mim, ou mesmo
qualquer outro pecado, pode ser perdoado, menos um: falar contra o RÚKHA
hol-HODSHÚA; isso jamais terá perdão, seja neste mundo seja no mundo futuro.
33-37
Uma árvore conhece-se pelo fruto que dá. Uma árvore de qualidade
escolhida dá bons frutos; as árvores ruins não o dão. Vocês são como serpentes!
Como podem homens maus, como vocês, falar o que é bom e justo? Pois o homem
fala consoante o que tem no coração. Um homem bom, ao falar, revela os ricos
tesouros que traz consigo. O homem de coração mau anda cheio de veneno, que
aparece naquilo que diz. E garanto-vos: no dia do juízo hão-de dar conta de
cada palavra leviana que tiverem dito. O que agora dizem aponta para o vosso
destino; pelas vossas palavras serão aprovados ou condenados.”

O sinal
de YAOHÚ-nah

38Certo dia, alguns dos chefes
YAOHÚ-dim, incluindo Farsyím, foram ter com YAHUSHUA pedindo-lhe um milagre que
provasse ser ele hol-MEHUSHKHÁY (o Messías). 39YAHUSHUA
respondeu-lhes: “Só uma nação má e incrédula pediria mais alguma prova; mas não
receberá nenhuma, salvo o que aconteceu ao profeta YAOHÚ-nah! 40Pois
assim como YAOHÚ-nah passou três dias e três noites dentro daquele grande
peixe, assim também eu, ha-BOR do Homem, ficarei nas entranhas da terra três
dias e três noites. 41Os homens de Nineveh hão-de erguer-se contra
esta nação no julgamento e vos condenarão. Quando YAOHÚ-nah lhes pregou,
arrependeram-se. Agora que está aqui alguém que é maior do que YAOHÚ-nah, não
querem crer nele. 42A rainha de Sheba se levantará contra esta nação
no julgamento e a condenará; pois veio de uma terra distante para escutar a
sabedoria de Shua-ólmoh; e agora que está aqui quem é maior do que Shua-ólmoh,
não querem crer nele. 43-45Esta nação má é como um demónio dominando
uma pessoa: se o demónio se for embora, vai para os lugares desertos durante
algum tempo, procurando descanso sem o encontrar, até que diz: ‘Vou voltar para
a pessoa de quem saí. Assim, volta e encontra o coração daquele indivíduo
desocupado, limpo e tudo em ordem! Então, o demónio vai buscar outros sete espíritos
ainda piores do que ele próprio, e todos entram na tal pessoa para morar dentro
dela. E deste modo fica pior do que antes.”

A mãe e
os irmãos de YAHUSHUA

46-47Estando YAHUSHUA a ensinar numa
casa cheia de gente, a sua mãe e seus irmãos estavam do lado de fora e queriam
falar-lhe. Quando alguém lhe disse que se encontravam ali, respondeu: 48“Quem
é a minha mãe? E quem são os meus irmãos?” 49E, apontando para os seus
discípulos: “Estes é que são a minha mãe e os meus irmãos. 50Todo
aquele que obedecer ao meu YÁHU ABí (Pai) do céu é meu irmão, minha irmã e
minha mãe!”

Man-YÁHU
13

A
parábola do semeador

1-2Mais tarde, naquele mesmo dia, YAHUSHUA
saiu de casa e desceu para a praia. Logo se juntou uma multidão imensa, pelo
que, entrando num barco, ensinava dali enquanto o povo escutava. 3E
explicou-lhes muitas coisas através de ilustrações, tais como esta
narrativa:”Um lavrador andava a semear nos seus campos. 4Enquanto
espalhava a semente na terra, alguma caiu ao lado dum caminho, e vieram os
pássaros e comeram-na. 5-6Outra caiu em terra pedregosa e pouco
profunda; as plantas depressa nasceram no chão pouco espesso, mas logo o calor
do sol as queimou, pelo que murcharam e morreram por terem tão fraca raiz
7
Outras sementes cairam entre espinhos, que abafaram as folhas tenras
8
Outras, porém, caíram em chão bom, e deram uma colheita de trinta,
sessenta ou mesmo cem vezes o que tinha sido semeado 9Quem sabe
ouvir, então que ouça!” 10Os discípulos foram ter com ele e
perguntaram-lhe: “Porque usas sempre estes exemplos falando por imagens e não
claramente?” 11Então explicou-lhes que só a eles, e não aos outros,
era permitido entender o reino dos shua-ólmayao 12-13“Para aqueles
que estão abertos aos meus ensinos, mais entendimento será dado, e tê-lo-ão em
abundância; mas para aqueles que não querem escutar, até o pouco que tiver lhe
será tirado. Por isso conto estas parábolas assim, em que os que não são
receptivos às verdades espirituais ouvem e vêem, mas não percebem por lhes
parecerem coisas sem sentido. 14-15Assim se cumpre a profecia de
Yaoshúa-YÁHU:

‘Ouvem mas não entendem; olham mas não vêem! Porque o seu coração está
endurecido; são duros de ouvido, e fecharam os olhos de sono, de tal modo que
não verão, nem ouvirão, nem entenderão, nem se voltarão para YÁHU UL, nem me
deixarão curá-los. 16-17Mas felizes são vocês porque sabem ver e
ouvir. Muitos profetas e muitos crentes desejaram ver o que vocês têm visto e
ouvir o que têm ouvido, mas não puderam. 18Agora, aqui está a
explicação do que contei acerca do agricultor que andava a semear:Q 19O
caminho trilhado junto do qual caíram algumas das sementes representa o coração
de quem ouve a Mensagem Gloriosa, as boas novas do reino, e as não entende;
ha-satán vem e arranca as sementes do coração dessa pessoa. 20-21O
solo pedregoso é o coração de quem ouve a mensagem e a recebe com alegria
sincera. Todavia, não há muita profundidade na sua vida, pelo que as sementes
não deitam raízes muito fundas; mas aparecem dificuldades ou começa a
perseguição por causa da sua crença, o entusiasmo dessa pessoa apaga-se e ela
vai-se embora. 22O terreno coberto de cardos representa aquele que
ouve e aceita a mensagem, mas as preocupações desta vida, e a ambição da
riqueza abafam a palavra de YÁHU UL, por isso não dá fruto 23O
terreno bom representa o coração de quem ouve a mensagem e a entende; e produz
fruto trinta, sessenta e mesmo cem vezes mais do que aquilo que foi semeado.”

A
ilustração do joio

24-27Esta foi outra comparação que YAHUSHUA
usou: “O reino dos shua-ólmayao é como um lavrador que semeou boa semente no
seu campo. Mas uma noite, enquanto os trabalhadores dormiam, veio o seu inimigo
que semeou joio entre o trigo. Quando a seara começou a crescer, o joio cresceu
também. Os homens daquele lavrador vieram dizer-lhe: ‘Capatáz, o campo onde
semeaste aquela semente escolhida está cheio de joio! 28‘Foi obra de
algum inimigo, explicou ele. ‘Queres que arranquemos o joio?, perguntaram os
homens. 29-30‘Não. Se fizerem isso, estragam o trigo. Deixem ambos
crescer juntos até à colheita, e eu direi aos ceifeiros que tirem primeiro o
joio e o queimem, e que metam o trigo no celeiro.

A
ilustração da semente de mostarda e do fermento

31-32Ainda outra das suas comparações:
“O reino dos shua-ólmayao é como uma semente muito pequenina, de mostarda,
plantada num campo. Sendo uma semente das mais pequenas, torna-se depois um
grande arbusto, e cresce até ser uma planta onde as aves podem encontrar
abrigo”. 33YAHUSHUA deu também este exemplo: “O reino dos
shua-ólmayao pode ser comparado a uma mulher que está a fazer pão. Pega numa
medida de farinha e mistura-a com fermento até que este penetre em toda a
massa”. 34-35YAHUSHUA servia-se muito de narrativas assim quando
falava ao povo. De facto os antigos profetas tinham dito que ele usaria de
muitas parábolas destes; ele nunca falava às pessoas sem contar ilustrações.
Porque assim se cumpriu o que tinham anunciado sobre ele:

“Falarei por parábolas; explicarei enígmas escondidos desde o princípio dos
tempos.”

Explicação
da ilustração do joio

36Então entrou em casa, depois de
despedir o povo, e os discípulos pediram-lhe muito que explicasse a história do
joio e do trigo.5 37-39“É assim. Eu sou o lavrador que lança a semente
escolhida. O campo é o mundo e a semente representa o povo do reino; o joio é o
povo que pertence ao maligno. O inimigo que semeou o joio entre o trigo é
ha-satán; a colheita é o fim do mundo e os ceifeiros são os anjos. 40-43Assim
como nesta ilustração o joio é apartado e queimado, assim também será no fim do
mundo: mandarei os meus anjos, que apartarão do reino tudo o que provoca o
pecado e todos os que sejam maus, e os lançarão na fornalha e os queimarão. Ali
haverá choro e lamentos de desespero. Então os justos brilharão como o sol no
reino do seu YÁHU ABí. Quem tem ouvidos e sabe ouvir, que ouça!

A
ilustração do tesouro escondido e da pérola

44O reino de shua-ólmayao é como um
tesouro que um homem descobriu num campo. Todo entusiasmado, vendeu o que tinha
para arranjar dinheiro suficiente a fim de comprar o campo e ficar com o
tesouro! 45-46O reino dos shua-ólmayao é ainda como um negociante
que procura pérolas de alta qualidade. Ao descobrir um bom negócio, uma pérola
de grande valor, vendeu tudo o que possuía para a adquirir.

A
ilustração da rede

47-51O reino dos shua-ólmayao também
pode comparar-se a um pescador que lança a rede e apanha peixes de toda a
espécie, uns bons, outros sem valor. Quando a rede está cheia, arrasta-a para a
praia, senta-se e encaixota os peixes que são bons para comer, deitando fora os
outros. Assim será também no fim do mundo; os anjos virão para separar os maus
dos bons, lançando os maus no fogo; ali haverá choro e lamentos de desespero.
Compreendem agora?” “Sim, compreendemos.”52Então acrescentou:
“Aqueles que são entendidos na lei dos YAOHÚ-dim e agora se fizeram meus
discípulos terão tesouro dobrado: da antiga aliança e também da nova!”

Um
profeta sem honra

53-54Quando YAHUSHUA acabou de contar
estas ilustrações, voltou para a cidade de onde era, Nudtzoróth da Galileia,
ensinando aí na sinagoga e espantando a todos com a sua sabedoria e milagres.
55-56
“Como é isto possível?”, dizia o povo. “É simplesmente filho de um
carpinteiro, e conhecemos Maoro-ém, a mãe dele, e os seus irmãos, YÁHU-caf, YÁHU-saf,
Shamiúl e YAOHÚ-dah, e também as irmãs, que moram todas aqui. Como é que
arranjou esta sabedoria?” 57E incomodavam-se com a presença dele.
Então YAHUSHUA disse-lhes:”Um pregador é honrado em toda a parte excepto na sua
própria terra e no seio do seu próprio povo!” 58Por isso, ali poucos
milagres fez, por causa da falta de fé deles.

Man-YÁHU
14

A morte
de YÁHU-khánam Baptista

1-2Quando o rei Herod ouviu a fama
de YAHUSHUA, disse aos seus homens: “Este deve ser YÁHU-khánam Baptista, que
voltou à vida. Por isso é que faz tais milagres.”a 3-4Com efeito
Herod tinha prendide YÁHU-khánam, acorrentando-o no cárcere por causa de
Herodias, que era mulher de seu irmão Felipe; visto que YÁHU-khánam tinha dito
que não lhe era lícito tomá-la por mulher 5Por sua vontade, teria
matade YÁHU-khánam, mas receava que houvesse tumultos, pois o povo inteiro
tinha YÁHU-khánam na conta de profeta. 6-8Todavia, numa celebração
de anos de Herod, a filha de Herodias deu-lhe grande agrado pela forma como
dançou. Então jurou dar-lhe o que ela quisesse. Ouvindo isto, a jovem, incitada
pela mãe, pediu a cabeça de YÁHU-khánam Baptista numa bandeja!´ 9O
rei ficou afligido, mas, por causa do juramento que fizera, não quis voltar com
a palavra atrás na presença dos convidados, e deu as ordens necessárias.
10-11
Assim YÁHU-khánam foi degolado no cárcere e a sua cabeça trazida
numa bandeja e entregue à jovem, que a levou à mãe 12Os discípulos
de YÁHU-khánam foram pedir o corpo e sepultaram-no, contando a YAHUSHUA o
sucedido.

YAHUSHUA
alimenta cinco mil homens

13Depois de ter recebido a notícia,
YAHUSHUA saiu sozinho num barco para uma região deserta, a fim de ficar a sós.
Mas o povo, vendo para onde ele se havia dirigido, seguiu-o por terra, vindo de
muitas vilas 14Quando saiu do barco, YAHUSHUA viu aquela grande
multidão à sua espera e, com dó deles, curou os que estavam doentes. 15Ao
cair da tarde, os discípulos foram ter com ele e disseram-lhe: “Já é tarde, e
aqui neste local isolado não há nada que se coma; manda este povo retirar-se
para que possa ir às povoações comprar alimento.” 16YAHUSHUA, porém,
respondeu: “Não é preciso; alimentem-no vocês!” 17“Mas como? Temos
só cinco pãezinhos e dois peixes!” 18“Tragam-me isso aqui”, disse YAHUSHUA.
19-21
Então mandou o povo sentar-se sobre a erva e, pegando nos cinco pães
e dois peixes, levantou os olhos para o céu, pedindo a bênção de YÁHU UL para
aquela refeição; depois partiu os pães e deu-os aos discípulos para que os
levassem ao povo. Todos comeram até ficarem satisfeitos. Quando os restos foram
recolhidos, as sobras enchiam doze cestos! Nesse dia, a multidão era de uns
cinco mil homens, não falando em mulheres e crianças.

YAHUSHUA
anda sobre a água

22-24Logo depois disto, disse aos
discípulos que entrassem para o barco deles e atravessassem para a outra margem
do lago, enquanto ele ficaria ali com o povo até que partissem para as suas
casas. Feito isto, subiu à montanha para orar. Caiu a noite; mas no lago os
discípulos tinham dificuldades, pois tinha-se levantado vento e o mar estava
bravo. 25-27Cerca das quatro horas da madrugada, YAHUSHUA foi ter
com eles, caminhando sobre a água! Assustados, puseram-se a gritar, julgando
ser algum fantasma. Mas YAHUSHUA logo lhes falou e os acalmou: “Não tenham
medo!” 28Então Káfos gritou-lhe: ” Molkhiúl, se realmente és tu,
manda-me ir ter contigo caminhando sobre a água.” 29-30“Vem”, disse YAHUSHUA.
Káfos saiu pela borda do barco e caminhou por cima da água em direcção a YAHUSHUA.
Mas, olhando em torno, sentindo o vento forte, ficou apavorado e começou a
afundar-se: ” Molkhiúl, salva-me!” 31Logo YAHUSHUA lhe estendeu a
mão e o socorreu: “Homem de pouca fé, porque duvidaste?” 32-33Quando
subiram para o barco, o vento cessou. Os outros ficaram cheios de espanto:
“Realmente, és ha-BOR de YÁHU UL!” 34-36E aportaram a Gan
Nudtzoróth. A notícia da sua chegada depressa se espalhou por todos os
arredores, e em breve as pessoas estavam a trazer todos os seus doentes para
serem curados. Os doentes pediam-lhe muito que os deixasse tocar nem que fosse
na borda da sua roupa, e todos os que assim faziam ficavam bons.

Man-YÁHU
15

Puro e
impuro

1Chegaram então de YAHUSHUA-oléym
alguns Farsyím e outros dirigentes YAOHÚ-dim para se avistarem com YAHUSHUA:a
2
“Porque desobedecem os teus discípulos aos antigos costumes YAOHÚ-dim?
Não acatam o nosso ritual de lavagem das mãos antes de comer.” 3Ao
que YAHUSHUA respondeu:”E porque será que os vossos velhos costumes vão contra
os mandamentos bem claros de YÁHU UL? 4Por exemplo, a lei de YÁHU UL
ordena: ‘Respeita o teu pai e a tua mãe; quem amaldiçoar os seus pais morrerá.
5
Mas vocês dizem: ‘Mesmo que os teus pais estejam a passar mal, podes dar
a YÁHU UL o dinheiro que seria para o sustento deles. 6E assim,
aproveitando-se de uma regra feita pelos homens, contrariam a ordem directa de YÁHU
UL de que devem respeitar e cuidar dos vossos pais. 7-9Fingidos! Bem
falou Yaoshúa-YÁHU, há muito, a vosso respeito:

‘Este povo diz que me honra, mas o seu coração anda afastado. Os seus actos
de adoração de nada valem porque eles ensinam leis feitas pelos homens “em vez
de leis vindas de YÁHU UL. 10-11Então YAHUSHUA gritou ao povo:
“Escutem o que vos digo e procurem entender: Não é o que comem que vos torna
impuros. O que vos suja são as vossas palavras e pensamentos.” 12Os
discípulos disseram-lhe: “Escandalizaste os Farsyím com aquela observação.”
13-14
E YAHUSHUA: “Toda a planta não plantada por meu YÁHU ABí será
arrancada; portanto, não se preocupem com eles. São cegos condutores de cegos,
e todos cairão no barranco.” 15Káfos pediu a YAHUSHUA que explicasse
o que queria dizer aquilo de uma pessoa não ser contaminada pelo que possa ou
não comer. 16-19“Então não compreendem?”, perguntou-lhe YAHUSHUA,
“Não vêem que tudo o que se come passa pelo estômago e é lançado fora? Mas as
palavras más saem de um coração mau e sujam quem as diz. Porque do coração vêm
os maus pensamentos, mortes, adultérios, prostituição, roubos, mentiras e
calúnias. Estas coisas é que contaminam. 20Mas a pessoa não fica
impura só por comer sem lavar as mãos.”

A fé da
mulher cananita

21YAHUSHUA deixou então aquela
parte do país e foi até Tiro e Sidom. 22Uma mulher de Canaã que ali
residia veio ter com ele, e pediu-lhe muito: “Tem pena de mim, Molkhiúl, ha-BOR
do rei Dáoud! Porque a minha filha tem dentro dela um demónio que anda sempre a
atormentá-la!” 23YAHUSHUA não lhe deu resposta. Os discípulos
começaram a insistir com ele para que a mandasse embora: “Diz-lhe que se vá;
aquela lamúria incomoda-nos.” 24YAHUSHUA disse então à mulher: “Fui
mandado a socorrer os YAOHÚ-dim – as ovelhas perdidas de Yaoshorúl – não os
Gentíles.” 25Ela aproximou-se e adorou-o, suplicando novamente: ”
Molkhiúl, ajuda-me!” 26“Não está certo tirar o pão aos filhos e
dá-lo aos cães”, disse ele.27“É verdade, sim; mas até aos
cachorrinhos debaixo da mesa se permite que comam as migalhas que vão caindo.”28“Mulher,
a tua fé é grande; o teu pedido foi satisfeito.” E a filha ficou curada naquele
mesmo momento.

YAHUSHUA
alimenta quatro mil homens

29YAHUSHUA voltou para o Mar da
Galileia e, subindo a uma montanha, sentou-se ali. 30-31Uma enorme
multidão trouxe-lhe os coxos, cegos, aleijados, mudos e muitos outros, pondo-os
diante de YAHUSHUA que os curou a todos. Pessoas que até ali não eram capazes
de dizer uma palavra falavam agora com alvoroço; os aleijados recuperavam a
saúde, os coxos andavam e saltavam, e os cegos tornavam a ver! A multidão,
maravilhada, louvava YÁHU UL de Yaoshorúl.32Então YAHUSHUA chamou os
discípulos para perto de si e disse: “Sinto pena desta gente, que há três dias
está aqui comigo e já não tem nada que comer; não quero mandá-los embora com
fome, não vão eles desfalecer pelos caminhos.”33Os discípulos
responderam: “E onde arranjaremos aqui num deserto o suficiente para sustentar
tantas pessoas?” 34“Que comida aí têm?””Sete pães e alguns
peixinhos!” 35-38YAHUSHUA ordenou a todo o povo que se sentasse no
chão, e, tomando os sete pães e os peixes, deu graças a YÁHU UL, dividiu-os em
pedaços e entregou-os aos discípulos, que os distribuiram pela multidão. E cada
qual comeu até se fartar. Eram quatro mil homens, não contando mulheres e
crianças. Quando as sobras foram recolhidas, sobejaram sete cestos cheios
39
YAHUSHUA mandou então o povo para casa e, entrando no barco, atravessou
para Magdala.

Man-YÁHU
16

Os
religiosos pedem um sinal

1Um dia, os Farsyím e os Tzadiqím
resolveram pôr YAHUSHUA à prova e pediram-lhe que fizesse qualquer grande sinal
em shua-ólmayao. 2-4Mas ele respondeu: “Vocês sabem ler os sinais do
tempo, por exemplo, que o céu vermelho à tardinha significa bom tempo para a
manhã seguinte, e céu vermelho pela manhã é mau tempo para o dia inteiro, e,
contudo, não sabem ler os sinais dos tempos! Esta nação má e sem fé pede um
sinal em shua-ólmayao, mas a única prova que terá será a que foi dada a
YAOHÚ-nah.” E deixou-os.

O
fermento dos Farsyím e Tzadiqím

5Chegados ao outro lado do lago,
os discípulos notaram que se tinham esquecido de levar comida. 6“Cuidado”,
avisou YAHUSHUA. “Acautelem-se do fermento dos Farsyím e dos Tzadiqím.” 7E
julgaram que ele dissesse isto por se terem esquecido de levar pão. 8-11YAHUSHUA,
porém, lendo nos seus pensamentos, disse-lhes: “Homens de pouca fé! Por que se
preocupam tanto por não terem comida? Nunca chegaram a compreender? Não se
lembram já dos cinco mil que alimentei com cinco pães e dos cestos cheios que
sobraram? Ou dos quatro mil que sustentei e do que ainda restou? Como puderam
pensar que eu me estivesse a referir à comida? Uma vez mais vos digo:
Acautelem-se do fermento dos Farsyím e dos Tzadiqím.” 12Só então
perceberam que, ao falarem fermento, se referia às doutrinas dos Farsyím e dos
Tzadiqím.

A
confissão de Káfos acerca de YAHUSHUA

13Quando chegou a Cesareia de
Felipe, YAHUSHUA perguntou aos discípulos: “Quem diz o povo que eu sou?”
14
“Bem, alguns dizem que és YÁHU-khánam Baptista, outros que és Uli-YÁHU,
outros ainda que és Yarmi-YÁHU ou um dos outros antigos profetas.” 15Então
perguntou-lhes: “E vocês, quem pensam que eu sou?” 16Shamiúl Káfos
respondeu: “Tu és ha-MEHUSHKHÁY, ha-BOR de YÁHU UL vivo.” 17-19” YÁHU
UL abençoou-te, Shamiúl, filho de YAOHÚ-nah, porque quem te revelou isso
pessoalmente foi o meu YÁHU ABí do céu; não é pensamento humano. Tu és Káfos; e
sobre essa rocha edificarei a minha Oholyáo (Congregação); nem as forças todas
do inferno nada poderão fazer contra ela. Dar-te-ei as chaves do reino dos
shua-ólmayao; todas as portas que fechares na terra serão fechadas no céu; e
todas as que abrires na terra serão abertas no céu!”

YAHUSHUA
prediz a sua morte

20-21Então avisou os discípulos de que
ainda não deveriam contar a outros que ele era hol-MEHUSHKHÁY (o Messías). A
partir daí, começou a falar claramente aos discípulos na sua futura ida a YAHUSHUA-oléym
e no que ali lhe ia acontecer: que sofreria às mãos dos dirigentes YAOHÚ-dim,
que seria morto e que três dias depois ressuscitaria. 22Káfos
chamou-o à parte e repreendeu-o. ” YÁHU UL o não permita, Molkhiúl; isso não te
há-de acontecer!” 23Mas YAHUSHUA, voltando-se para ele, respondeu:
“Afasta-te, ha-satán! És uma armadilha para mim. Olhas as coisas do ponto de
vista humano e não do ponto de vista de YÁHU UL.” 24-26E disse aos
discípulos: “Quem quiser ser meu seguidor tem de se esquecer de si próprio,
tomar a sua poste e seguir-me. Porque todo aquele que guarda a sua vida para si
mesmo perdê-la-á; e todo aquele que perder a vida por mim achá-la-á de novo.
Que lucra alguém em ganhar o mundo inteiro se perder a vida? Que há que valha
mais do que a sua vida?” 27-28Porque eu, ha-BOR do Homem, virei com
os meus anjos na glória de meu YÁHU ABí e julgarei cada qual conforme as suas
obras. E alguns de vocês que aqui estão agora certamente viverão para me ver
chegar no meu reino.”

Man-YÁHU
17

YAHUSHUA
transfigura-se

1-2Seis dias depois, YAHUSHUA levou
Káfos, YÁHU-caf e seu irmão YÁHU-khánam ao topo de um monte. Enquanto olhavam,
o aspecto de YAHUSHUA mudou de tal maneira que o seu rosto brilhava como o sol
e as suas vestes ficaram de uma brancura deslumbrante. 3De súbito,
Mehushúa e Uli-YÁHU apareceram e puseram-se a falar com YAHUSHUA 4Káfos,
emocionado, disse: ” Molkhiúl, é maravilhoso podermos estar aqui! Se quiseres,
farei três abrigos: um para ti, outro para Mehushúa e outro ainda para Uli-YÁHU”.
5
Enquanto falava, uma nuvem brilhante desceu sobre eles e uma voz que
dela saía disse: “Este é o meu ha-BOR (Filho) amado, em quem sinto enorme
prazer. Obedçam-lhe.”6Ao ouvirem isto, os discípulos curvaram-se e
inclinaram o rosto, muito assustados. 7YAHUSHUA então aproximou-se e
tocou-lhes. “Levantem-se, não tenham medo”. 8Quando tornaram a
olhar, apenas YAHUSHUA estava com eles.9Enquanto desciam do monte, YAHUSHUA
mandou-lhes que só contassem o que tinham visto quando ele se levantasse de
entre os mortos. 10E os discípulos perguntaram-lhe: “Porque dizem os
chefes YAOHÚ-dim que Uli-YÁHU deve voltar antes de hol-MEHUSHKHÁY (o Messías)?”
11-12
YAHUSHUA respondeu: “Eles têm razão. Uli-YÁHU vem para pôr tudo em
ordem. Mas é que ele já veio e não o reconheceram: e muita gente o maltratou.
Eu, ha-BOR do Homem, também morrerei às mãos deles.”Y 13Então os
discípulos perceberam que era a YÁHU-khánam Baptista que se referia.

A cura do
rapaz endemoninhado

14Quando acabaram de descer do
monte, esperava-os uma multidão enorme. Um homem ajoelhou-se diante dele e
disse: 15-16” Molkhiúl, tem piedade do meu filho, que anda mal da
cabeça e em grande aflição, pois de vez em quando cai no lume ou na água. Já o
trouxe aos teus discípulos, mas não conseguiram curá-lo.” 17-18YAHUSHUA
respondeu: “Ó gente teimosa e sem fé! Até quando terei de vos suportar?
Tragam-me aqui o rapaz.” YAHUSHUA repreendeu o demónio que estava dentro
daquele rapaz e ele deixou-o, ficando bom a partir dali. 19Os
discípulos perguntaram a YAHUSHUA quando estavam a sós: “Porque foi que não
conseguimos expulsar aquele demónio?” 20-21“Por causa da vossa pouca
fé. Ainda que ela fosse tão pequena como uma semente de mostarda, poderiam
dizer a esta montanha: Sai daqui! e ela sairia. Nada vos seria impossível.
Porém, esta casta de demónios não sai senão à força de oração e jejum.”
22-23
Um dia, estavam ainda na Galileia, YAHUSHUA disse-lhes: “Vou ser
atraiçoado e entregue ao poder daqueles que me hão-de matar, mas três dias
depois viverei de novo.” O coração dos discípulos encheu-se de tristeza.

O imposto
do Templo

24Ao chegarem a Kefár-Naokhém, os
cobradores de impostos do Templo procuraram Káfos e perguntaram-lhe: “O vosso
Maoro-éh não paga impostos?” 25“Claro que paga”, respondeu ntrando
em casa para discutir o assunto com YAHUSHUA, este, antes que Káfos começasse a
falar, perguntou-lhe: “Que achas, Káfos? Os reis lançam tributo sobre o seu
povo ou sobre os estrangeiros que conquistaram?” 26-27“Sobre os
estrangeiros”, respondeu Káfos.”Ora, se assim é”, continuou YAHUSHUA, “os
nacionais não têm que pagar. Contudo, não vamos contrariá-los; vai, pois, à
praia, lança a linha e abre a boca do primeiro peixe que apanhares. Encontrarás
ali uma moeda que vale o bastante para pagar o imposto por nós ambos; leva-a e
paga-lhes.”

Man-YÁHU
18

O maior
no reino dos shua-ólmayao

1Por aquele tempo, os discípulos
perguntaram a YAHUSHUA qual deles seria o maior de todos no reino dos
shua-ólmayao. 2-3YAHUSHUA chamou uma criancinha, pô-la no meio deles
e disse: “Se não se mudarem totalmente a direcção das vossas vidas e se não se
tornarem como criancinhas, jamais entrarão no reino dos shua-ólmayao. 4Pois
aquele que se tornar pequeno e simples como esta criança será como o maior de
todos no reino dos shua-ólmayao. 5E qualquer que receber uma criança
como esta, em meu Shúam (Nome), esse estará a receber-me a mim. 6Mas
se qualquer de vocês fizer com que um destes pequeninos que crêem em mim perca
a fé, melhor seria que fosse atirado ao mar com uma pedra de moer amarrada ao
pescoço. 7-9Oy do mundo por causa de todas as suas maldades! A
tentação de fazer mal nunca desaparece, mas oy daquele que provocar a tentação!
Portanto, se a tua mão ou o teu pé te fizerem pecar, corta-os e deita-os fora.
Mais vale entrar aleijado no céu do que estar no inferno com ambas as mãos e
ambos os pés. E se o teu olho te fizer pecar, arranca-o e deita-o fora. Mais
vale entrar com um só olho no céu do que estar no inferno com os dois.

A
ilustração da ovelha perdida

10Cuidado, não desprezem nem
somente uma destas crianças. Porque vos digo que, no céu, os seus anjos podem
sempre ver o meu YÁHU ABí. 11Eu, ha-BOR do Homem, vim para salvar os
perdidos. 12-13Se um homem tiver cem ovelhas e uma delas se afastar
e perder, que fará ele? Não deixará as outras noventa e nove, e não irá pelos
montes em busca da que se perdeu? E, se a encontrar, com certeza que se
alegrará mais por ela do que pelas outras noventa e nove que ficaram seguras em
casa! 14É, de facto, assim: Meu YÁHU ABí não quer que nenhum destes
pequeninos se perca.”

O irmão
que peca contra outro

15-16Se um irmão pecar contra ti, vai
ter com ele e mostra-lhe a sua falta. Se te ouvir e a confessar, terás ganho
outra vez um irmão. Mas, se não o fizer, então leva contigo um ou dois outros e
vai ter com ele novamente, provando tudo quanto disseres pela presença dessas
testemunhas. 17-18Se, mesmo assim, não quiser escutar-te, então leva
o caso diante da Oholyáo (Congregação) de crentes, e se esta resolver a teu
favor, mas ele não aceitar, então a congregação deve considerá-lo como um
estranho. Na verdade tudo o que proibirem na terra ficará proibido no céu, e
tudo o que permitirem na terra será permitido no céu 19-20E mais vos
digo que, se dois de vocês concordarem aqui na terra acerca de qualquer coisa
que queiram pedir, meu YÁHU ABí que está no céu o fará por vocês. Pois onde
dois ou três se juntarem por serem meus, aí estarei eu também.”

A
ilustração do servo sem misericórdia

21Então Káfos foi ter com ele e
perguntou-lhe: ” YÁHU UL, quantas vezes devo perdoar a um irmão que pecar
contra mim? Sete vezes, talvez?” 22“Não!”, respondeu YAHUSHUA.
“Setenta vezes sete! 23-24O reino dos shua-ólmayao pode comparar-se
com um rei que resolveu pôr as suas contas em dia. Enquanto o fazia, foi-lhe
trazido um dos seus devedores que lhe devia dez mil moedas de ouro 25-27Como
não pudesse pagar, o rei mandou que ele, sua mulher e filhos, e todos os seus
bens, fossem vendidos para liquidar a dívida. Mas o homem ajoelhou-se diante do
rei e implorou-lhe: ‘Molkhiúl, tem paciência, que eu pago-te tudo. O rei, com
pena dele, soltou-o e perdoou-lhe a dívida. 28-30Mas, mal saiu da
presença do rei, o homem foi ter com outro que lhe devia uns tostões, e,
agarrando-o pelo pescoço, exigiu-lhe que pagasse logo ali. O homem ajoelhou-se
e pediu-lhe muito que lhe desse mais algum tempo. ‘Tem paciência que eu pago,
prometeu. Mas o credor é que não queria esperar e mandou o homem ser metido na
prisão até pagar toda a dívida. 31Os amigos do preso foram ter com o
rei e contaram-lhe o que se tinha passado. 32O rei mandou chamar o
homem a quem tinha perdoado e disse-lhe: ‘Miserável! Perdoei-te a tua enorme
dívida por mo teres pedido, 33e tu não devias ter pena dos outros,
como eu tive de ti? 34Então, o rei, muito zangado, mandou o homem
para a cadeia até pagar o último escudo que devia. 35O mesmo fará o
meu YÁHU ABí celestial convosco se não quiserem perdoar verdadeiramente os
vossos irmãos.”

Man-YÁHU
19

O
divórcio

1-2Após ter dado estes ensinos, YAHUSHUA
saiu da Galileia e passou pela outra margem do Yardayán para voltar para a
YAOHÚ-dah. Grandes multidões o seguiam, e curou os doentes. 3Alguns
Farsyím foram ter com YAHUSHUA, para o experimentar, e perguntaram-lhe:
“Permites o divórcio?” 4-6“Não lêem as Qaotáv? Nelas está escrito
que, no princípio, YÁHU UL criou o homem e a mulher, e que o homem deve deixar
seu pai e sua mãe e unir-se para toda a vida à mulher que escolheu. Assim os
dois passam a ser um; não serão mais dois, mas um só. E nenhum homem tem direito
de separar o que YÁHU UL juntou.” 7“Então”, tornaram os Farsyím,
“porque disse Mehushúa que um homem pode divorciar-se da sua mulher, mandando-a
embora só com uma carta de despedimento?” 8-9“Mehushúa fez isso por
causa da dureza e maldade do vosso coração, mas não era assim que YÁHU UL
queria. E agora vos digo que todo aquele que se divorciar da sua mulher, salvo
em caso de infidelidade, e se casar com outra, comete adultério.” 10Os
discípulos disseram-lhe: “Sendo assim o melhor é não casar!” 11-12“Nem
todos podem aceitar isso; só aqueles a quem YÁHU UL ajuda. Alguns nascem já
incapazes para o casamento, e outros há que são incapacitados pelos homens, e
alguns outros, ainda, não querem casar-se por causa do reino dos shua-ólmayao.
Quem puder, aceite o que digo.”

YAHUSHUA
e as crianças

13Havia pessoas que traziam
criancinhas a YAHUSHUA para que pousasse sobre elas as mãos e orasse. Os
discípulos, porém, ralhavam: “Não o incomodem”. 14YAHUSHUA disse:
“Deixem que as crianças venham a mim. Não as devem impedir, porque o reino dos
shua-ólmayao destina-se a quem é como elas.”a 15E, pondo as mãos
sobre as suas cabeças, abençoou-as antes de se ir embora.

O homem
rico

16Um rapaz aproximou-se e fez esta
pergunta: “Tav Maoro-éh, que devo praticar de bom para alcançar a vida eterna?”17“Por
que me perguntas acerca do que é bom? Verdadeiramente bom só YÁHU ULHÍM o é.
Para responder à tua pergunta, podes entrar na vida se guardares os
mandamentos.” 18“Quais?”, perguntou o jovem YAHUSHUA respondeu: “Não
matarás, não cometerás adultério, não roubarás, não mentirás. 19Respeitarás
teu pai e tua mãe, e amarás o teu próximo como a ti mesmo.” 20“Esses
mandamentos sempre eu os guardei desde a minha mocidade”, respondeu. “Que mais
preciso de fazer?” 21“Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que
tens, dá o dinheiro aos pobres e ganharás um tesouro no céu, e vem e segue-me.”
22
Ao ouvir isto, o rapaz foi-se embora triste, porque era muito rico.
23-24
YAHUSHUA disse aos discípulos: “É quase impossível um rico entrar no
reino dos shua-ólmayao. É mesmo mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma
agulha do que um rico entrar no reino de YÁHU UL.” 25Estas palavras
fizeram confusão aos discípulos: “Então quem se salva neste mundo?” 26YAHUSHUA
olhou para eles e respondeu: “Humanamente falando, ninguém. Mas a YÁHU UL tudo
é possível.” 27“Nós deixámos tudo para te seguir. Que proveito
tiramos disso?”, disse Káfos. 28“Quando eu, ha-BOR do Homem, me
sentar no meu glorioso trono no reino, vocês, meus discípulos, estarão também
sentados em doze tronos, para julgar as doze tribos de Yaoshorúl. 29-30Todo
aquele que abandonar a sua casa, irmãos, pai, mãe, mulher, filhos ou bens, para
me seguir, receberá cem vezes tanto em paga e terá a vida eterna. Mas muitos
que agora são os primeiros virão a ser os últimos; e alguns que são agora os
últimos virão a ser os primeiros.”

Man-YÁHU
20

A
ilustração dos trabalhadores na vinha

1-2Esta é outra ilustração do reino
dos shua-ólmayao: “O dono de uma propriedade saiu cedo certa manhã para
contratar trabalhadores para a sua vinha. Combinou pagar-lhes uma moeda por dia
e mandou-os trabalhar. 3-6Duas horas depois, passando por uma praça,
viu ali alguns homens à procura de trabalho. Então mandou-os ir também para os
seus campos, dizendo-lhes que pagaria no fim do dia o que fosse justo. Ao meio
dia, e também perto da três da tarde, fez o mesmo. Às cinco horas daquela
tarde, outra vez na cidade, viu mais alguns por ali e perguntou-lhes: ‘Porque
estiveram sem fazer nada o dia inteiro? 7‘Porque ninguém nos
contratou. O dono da propriedade disse-lhes: ‘Então vão juntar-se aos outros
nos meus campos. 8-11Naquela noite disse ao pagador que reunisse os
homens e lhes pagasse, começando pelos últimos. Quando os homens contratados às
cinco horas da tarde foram pagos, cada um recebeu uma moeda. Os outros
contratados mais cedo, quando foram receber o seu salário, julgavam que lhes
seria pago mais, mas também eles receberam o mesmo. Puseram-se então a
refilar:- 12‘Aqueles só trabalharam uma hora, e, afinal, tu
pagaste-lhes o mesmo que a nós que trabalhámos o dia inteiro, à torreira do
sol. 13-15‘Amigo, respondeu o lavrador a um deles, ‘não fui injusto
contigo! Não aceitaste trabalhar o dia inteiro por uma moeda? Toma-a e vai-te,
porque resolvi pagar o mesmo a todos. Não tenho eu o direito de dar o meu
dinheiro como quiser? Zangas-te porque sou bondoso? 16Assim, os
últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos.”

YAHUSHUA
avisa de novo da sua morte

17-19Já a caminho de YAHUSHUA-oléym, YAHUSHUA
tomou os doze discípulos à parte e falou-lhes no que lhe ia acontecer quando
chegassem. “Serei entregue por traição aos principais intermediários e os profesores
da lei, que me condenarão à morte e me entregarão ao governo romano. Farão
pouco de mim e serei impalado, mas ao terceiro dia voltarei a viver.”

O pedido
de uma mãe

20Nisto, a mãe de YÁHU-caf e YÁHU-khánam,
filhos de Zebedeu, trouxe-os a YAHUSHUA e, inclinando-se, pediu um favor.
21
“Que queres?” perguntou YAHUSHUA, e ela adiantou:”Que deixes, no teu
reino, os meus dois filhos sentarem-se em lugares de honra junto de ti, um à
tua direita e outro à tua esquerda”. 22“Vocês não sabem o que
pedem!”, e perguntou-lhes: “São capazes de beber do mesmo cálice amargo de que
vou beber daqui a pouco tempo?””Sim, somos.”23“É certo que
beberão dele”, disse YAHUSHUA, “mas não me compete dizer quem se sentará junto
de mim. Esses lugares estão guardados para quem meu YÁHU ABí escolher.” 24Os
outros dez discípulos ficaram ofendidos quando souberam do pedido de YÁHU-caf e
YÁHU-khánam. 25Mas YAHUSHUA reuniu-os e disse: “Entre os descrentes,
os governantes até podem ser tiranos e os grandes mandam nos que estão abaixo
deles. 26No vosso meio, porém, será muito diferente. 27Quem
quiser ser o principal entre vocês deve ser vosso servo, e quem quiser ser o
primeiro deve tornar-se o vosso escravo. 28A vossa maneira de
proceder deve ser a mesma que a minha, porque eu, ha-BOR do Homem, não vim para
ser servido, mas para servir e dar a minha vida para salvação de muitos.”

Dois
cegos vêem

29Quando YAHUSHUA e os discípulos
deixavam a cidade de Yáricho, foram seguidos por enorme multidão. 30Dois
cegos que estavam sentados à beira da estrada, ouvindo dizer que YAHUSHUA vinha
por ali, começaram a gritar: “Molkhiúl, ha-BOR do rei Dáoud, tem pena de nós!”
31
A multidão bem lhes dizia que se calassem, mas cada vez gritavam mais
alto. 32-33Chegando YAHUSHUA ao lugar onde se encontravam, parou na
estrada e perguntou: “Que querem vocês que eu faça?””Molkhiúl, queremos
ver!” 34YAHUSHUA cheio de pena deles, tocou-lhes nos olhos e logo
ficaram a ver. E seguiam-no.

Man-YÁHU
21

A entrada
de YAHUSHUA em YAHUSHUA-oléym

1Quando YAHUSHUA e os discípulos
se aproximavam de YAHUSHUA-oléym, já perto da vila de Beth-Páge, no Monte das
Oliveiras, YAHUSHUA mandou que dois deles fossem à sua frente, à vila 2-3“Logo
à entrada verão uma jumenta ali amarrada com a cria ao lado. Desamarrem-nas e
tragam-nas cá. Se alguém vos perguntar o que fazem, respondam apenas: ‘O
Maoro-éh precisa delas, e não haverá dificuldade.”” 4-5Assim se
ia cumprir a antiga profecia:

“Digam a YAHUSHUA-oléym que o seu rei vem a ela humildemente montado numa
cria de jumento.” 6-7Os dois discípulos fizeram como YAHUSHUA lhes
disse e trouxeram-lhe os animais, pondo as suas roupas em cima do jumentinho. YAHUSHUA
montou-o. 8Muita gente começou a pôr as suas capas ao longo da
estrada à sua frente, enquanto outras cortavam ramos das árvores e os
espalhavam diante dele. 9O povo ia tanto à frente como por detrás,
bradando:

“Que YÁHU UL abençoe ha-BOR do rei Dáoud – “aquele que vem no Shúam (Nome)
de YÁHU UL!” “Haolul-YÁHU UL nos altos shua-ólmayao!” 10Toda a
cidade de YAHUSHUA-oléym ficou em alvoroço quando ele entrou. “Quem é este?”,
perguntava-se. 11E o povo respondia: “É YAHUSHUA, o Profeta de
Nudtzoróth da Galileia!”

YAHUSHUA
no Templo

12YAHUSHUA entrou no Templo,
expulsou os mercadores e afastou as mesas dos que trocavam dinheiro e as bancas
dos que vendiam pombos: 13“Dizem as Qaotáv que o meu Templo é um
lugar de oração, mas vocês o transformaram num abrigo de exploradores e
burlões.” 14-15Entretanto, os cegos e os aleijados vinham ter com
ele, e curava-os ali no Templo. Mas quando os principais intermediários e
profesores da lei viram aqueles milagres espantosos e ouviram as próprias
crianças gritando no Templo: ” YÁHU UL abençoe ha-BOR de Dáoud!”, ficaram
inquietos e indignados, e perguntaram-lhe: “Ouves o que dizem estas crianças?”
16
“Ouço, sim. Vocês nunca leram as Qaotáv que dizem: ‘Até as criancinhas
o louvarão? a 17Depois disto, voltou para Bóhay-Anyáo, onde passou a
noite.

A
figueira mirra

18-19De manhã, quando ia de novo para YAHUSHUA-oléym,
sentiu fome. Vendo uma figueira à beira da estrada, aproximou-se para verificar
se teria figos, mas só havia folhas. E disse à figueira: “Que nunca mais dês
frutos!” E logo mirrou. 20Os discípulos ficaram pasmados: “Como foi
que a figueira secou tão depressa?” 21-22“Certamente que, se tiverem
fé e não duvidarem, poderão fazer coisas como esta, e muito mais. Poderão até
dizer a este Monte das Oliveiras, ‘Atira-te ao mar e ele o fará. Se tiverem fé,
poderão obter tudo o que pedirem em oração”, respondeu YAHUSHUA.

A
autoridade de YAHUSHUA contestada

23Estando já a ensinar no Templo,
os principais intermediários e outros dirigentes YAOHÚ-dim foram ter com ele
para saber com que autoridade fazia estas coisas. 24“Dir-vos-ei, se
primeiro me responderem a uma pergunta:g 25 YÁHU-khánam Baptista foi
mandado por YÁHU UL ou não?”Eles puseram-se a falar entre si, pensando: “Se
dissermos que foi mandado por YÁHU UL, ele pergunta logo porque não demos
crédito às palavras de YÁHU-khánam. 26Se negarmos que foi YÁHU UL
quem o enviou, o povo aqui presente é bem capaz de se atirar a nós, porque o
tem na conta de enviado de YÁHU UL.” 27Por fim, responderam: “Não
sabemos” YAHUSHUA respondeu: “Também não responderei à vossa pergunta.”

A
ilustração dos dois filhos

28-29Que acham acerca disto? Um homem
que tinha dois filhos disse ao mais velho: ‘Filho, vai trabalhar hoje na
herdade. ‘Não vou, respondeu. Mas, pensando melhor, sempre acabou por ir.¸
30
Depois, disse ao mais novo, ‘Vai tu também!, e ele respondeu, ‘Sim pai,
vou já, acabando por não ir. 31Qual dos dois obedeceu ao pai?
Responderam: “O primeiro, sem dúvida” epois explicou o que queria dizer com
essa ilustração. “Garanto-vos que os homens maus e as mulheres de má vida entrarão
antes de vocês no reino de YÁHU UL. 32Porque YÁHU-khánam Baptista
disse-vos para se arrependerem e se voltarem para YÁHU UL, e vocês não
quiseram, ao contrário de muitos homens maus e mulheres dessas que se
arrependeram. Apesar de terem visto isso, não quiseram arrepender-se, e assim
nunca chegaram a crer.

A
ilustração dos lavradores desonestos

33Agora ouçam: Certo proprietário
plantou uma vinha com uma sebe em volta; construiu um lagar e uma casa para o
guarda, e arrendou a vinha a uns lavradores a troco de uma participação na
vindima, e depois foi viver para outro país. 34-36Quando chegaram as
vindimas, mandou os seus empregados ir ter com os lavradores para receber a
parte que lhe competia. Mas os lavradores assaltaram aqueles, espancaram um, mataram
outro e apedrejaram um terceiro. Então o dono mandou um grupo ainda maior para
cobrar a sua parte, e o resultado foi o mesmo. 37-39Por fim, mandou
o filho, pensando que certamente o respeitariam. Os lavradores, porém, ao verem
o filho aproximar-se, disseram entre si: ‘Aí vem o herdeiro da propriedade;
vamos matá-lo e ficaremos com ela! Arrastaram-no para fora da vinha e
mataram-no. 40Quando o dono voltar, que acham vocês que fará àqueles
lavradores?” 41Os dirigentes YAOHÚ-dim responderam: “Dará morte
severa àqueles homens perversos e arrendará a vinha a outros que sejam pontuais
no pagamento”. 42YAHUSHUA perguntou-lhes: “Nunca leram nas Qaotáv:

‘A pedra rejeitada pelos construtores”foi a que veio a ser escolhida para
pedra de apoio! Coisa notável foi essa; foi um admirável acto de YÁHU UL.
43
Por isso garanto que o reino de YÁHU UL vos será tirado e entregue a um
povo que dê a YÁHU UL a sua parte na colheita. 44Todo aquele que
tropeçar nesta pedra da verdade será feito em pedaços; e aqueles sobre os quais
ela cair serão esmagados como o pó.” 45-46Quando os principais
intermediários e os Farsyím perceberam que eram eles os lavradores da história
que YAHUSHUA tinha contado, resolveram ver-se livres dele, mas tinham medo de o
fazer por causa do povo, que aceitava YAHUSHUA como homem de YÁHU UL.

Man-YÁHU
22

A
ilustração do banquete de casamento

1YAHUSHUA usou de mais uma
ilustração para dar uma ideia do reino dos shua-ólmayao: ‘ 2-3“O
reino dos shua-ólmayao pode ser compreendido com o que aconteceu a certo rei
que preparou um grande banquete de casamento para o filho. Convidaram-se muitas
pessoas, e quando o banquete estava pronto, mandou mensageiros avisar que eram
horas de irem. Todos, porém, se desculparam. 4-6Então mandou outros
criados para lhes dizer: ‘Está tudo pronto, e o assado está no forno.
Apressem-se! Mas os convidados não fizeram caso, indo tratar dos seus negócios,
um para a quinta, o outro para a loja; outros ainda bateram nos mensageiros do
rei e trataram-nos vergonhosamente, chegando a matar alguns. 7-10O
monarca, muito zangado, mandou as tropas, deu cabo dos assassinos,
incendiou-lhes a cidade e disse aos criados: ‘A celebração de casamento está
pronta e aqueles que convidei não merecem tal honra. Vão pelos cruzamentos e
convidem todos os que encontrarem. Os criados assim fizeram, mandando entrar as
pessoas que lhes apareciam e que aceitavam, fossem elas boas ou más, até que o
salão do banquete ficou repleto. 11Quando o rei entrou para conhecer
os convidados, reparou que certo homem não usava o trajo de cerimónia 12‘Amigo,
como é possível teres vindo sem trajo de casamento? E o homem não teve resposta
que desse. 13Então o monarca disse aos seus súbditos: ‘Atem-no de
pés e mãos e lancem-no lá fora na escuridão, onde há choro e lamentos de
desespero. 14Porque muitos são chamados, mas poucos escolhidos.”

Pagar
impostos a César?

15Os Farsyím juntaram-se para
arranjar maneira de apanhar YAHUSHUA em falso, fazendo-o dizer qualquer coisa
que lhes desse motivo para o prender. 16Resolveram mandar alguns dos
seus homens juntamente com os herodianos para lhes fazer esta pergunta: ” YÁHU
UL, sabemos que és sincero e ensinas a verdade sem te preocupares com o que
possa acontecer, sem teres medo, sem aceitares favores. 17Ora
diz-nos: estará certo pagarmos impostos ao governo romano ou não?” 18-20Mas
YAHUSHUA percebeu a sua intenção e exclamou: “Fingidos! Porque é que querem
experimentar-me? Ora mostrem-me uma moeda.” E eles entregram-lhe uma moeda
pequena. “De quem é a figura nela cunhada? E de quem é este nome por baixo?”
21
“De César”, responderam.”Ora bem, dêem a César o que é de César, e a YÁHU
UL o que é de YÁHU UL.” 22Esta resposta apanhou-os de surpresa, e,
admirados, foram-se embora.

Casamento
e a ressurreição

23Mas naquele mesmo dia alguns dos
Tzadiqím, que não acreditavam que os mortos tornem a viver, foram ter com ele e
perguntaram-lhe:. 24” Molkhiúl, Mehushúa disse que se um homem
morrer sem deixar filhos, seu irmão deve casar-se com a viúva para que dê
descendência ao falecido. 25-28Ora, havia uma família de sete
irmãos. O primeiro casou-se e logo morreu sem deixar descendência, pelo que a
viúva casou com o segundo irmão ambém este morreu sem deixar filhos e a viúva
passou para o irmão seguinte, e assim por diante, até que acabou por ser mulher
de todos eles, um após outro. Por fim, morreu também ela. Portanto, de quem
será mulher na ressurreição, uma vez que foi casada com todos os sete?”
29-30
YAHUSHUA disse: “O vosso erro deve-se à vossa ignorância das Qaotáv
e do poder de YÁHU UL, pois quando os mortos tornarem a viver não há casamento;
todos serão como os anjos do céu 31E, quanto a haver ou não
ressurreição dos mortos, nunca leram o que YÁHU UL vos diz nas Qaotáv? 32‘Eu
sou YÁHU UL de Abruhám, YÁHUtz-kaq e YÁHU-caf. Portanto, YÁHU UL não é Criador
Eterno dos mortos mas dos vivos.” 33O povo ficava muito
impressionado com as suas respostas.

O maior
mandamento

34Os Farsyím, ao saberem que tinha
tapado assim a boca aos Tzadiqím, imaginaram outra pergunta para lhe fazer.
35
E falou um deles, que era especialista nas leis YAOHÚ-dim: 36“Maoro-éh,
qual é o mandamento mais importante na lei de Mehushúa?” 37Ao que YAHUSHUA
respondeu: “‘Amarás YÁHU UL, teu Criador Eterno de todo o teu coração, com toda
a tua alma e com todo o teu entendimento. 38 Este é o primeiro e o
maior dos mandamentos 39O segundo é parecido: ‘Amarás o teu
semelhante como te amas a ti próprio. 40Todos os outros mandamentos
e preceitos dos antigos escritos sagrados nascem destas duas leis.”

O Messías
é ha-BOR de quem?

41Depois, com os Farsyím à sua
volta, fez-lhes uma pergunta: 42“Que acham vocês do hol-MEHUSHKHÁY
(o Messías)? De quem é ele filho?””De Dáoud”, responderam. 43“Então
porque é que Dáoud, guiado pelo RÚKHA hol-HODSHÚA, lhe chama ‘Ódmorul? Pois são
de Dáoud estas palavras:

44‘Disse YÁHU UL ao meu Ódmorul (Profesor e Chefe): Senta-te à
minha direita”até que ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés. 45Uma
vez que Dáoud lhe chamou ‘Ódmorul, como pode ser seu filho?” 46Eles
não conseguiram dar resposta, e depois disto ninguém se afoitava a fazer-lhe
qualquer outra pergunta.

Man-YÁHU
23

Oy de
vocês

1Então YAHUSHUA disse ao povo e
aos seus discípulos: 2-4“Os profesores da lei e os Farsyím assumem
autoridade sobre a lei, como se fossem o próprio Mehushúa. Pode estar certo
fazer o que eles dizem, mas não devem fazer o que eles fazem! Porque eles
próprios não fazem o que vos ensinam. Sobrecarregam-vos com pesados fardos e
não estão dispostos a aliviar-vos, nem sequer com um dedo. 5Tudo o que
fazem é para dar nas vistas. Fingem-se santos, trazendo nos braços grandes
caixas de orações com versículos das Qaotáv dentro e alongando as franjas
tradicionais dos seus mantos.¸ 6Mas depois lutam por se sentar à
mesa principal dos banquetes e nos bancos reservados da sinagoga! 7Ficam
envaidecidos com o respeito que lhes é mostrado nas ruas e com o tratamento de
profesor!m 8Não deixem que alguém vos trate assim. Só YÁHU UL é o
vosso Maoro-éh, e todos vocês são iguais, como irmãos 9E não tratem
ninguém aqui na terra por YÁHU ABí (Pai), pois há um só YÁHU ABí, que é o
Criador, que está no céu.- 10E não se chamem profesores a si mesmos,
pois um só é o vosso Maoro-éh, a saber, hol-MEHUSHKHÁY (o Messías). 11Quanto
mais humilde for o serviço que prestam aos outros, tanto maiores serão vocês.
Para ser o maior de todos é preciso saber servir os outros. 12Mas
aqueles que se imaginam grandes passarão pela humilhação; e quem se humilha
será engrandecido. 13-15Oy de vocês, Farsyím e profesores da lei,
fingidos! Não deixam entrar os outros no reino dos shua-ólmayao, mas também lá
não entrarão. Aparentam santidade com longas orações nas ruas, quando, afinal,
roubam às viúvas as suas casas! Sim, oy de vocês, fingidos, porque fazem tudo
para converter alguém e depois tornam essa pessoa duas vezes mais filha do
inferno do que vocês mesmos! 16-17Guias cegos! Oy de vocês! Porque
afirmam que jurar pelo Templo de YÁHU UL não tem importância e que tal
juramento se pode quebrar, enquanto que um juramento feito pelo ouro de Templo
é obrigatório cumpri-lo! Cegos e loucos, que é maior: o ouro ou o Templo que
torna esse ouro santo?. 18-22E dizem que um juramento pelo altar
pode ser quebrado, mas que um juramento pelas ofertas que estão sobre o altar é
obrigatório cumpri-lo! Cegos e loucos! Pois que é maior: a oferta que está
sobre o altar ou o próprio altar que a torna santa? Quando se jura pelo altar,
jura-se por ele e por tudo o que sobre ele está, e, quando se jura pelo Templo,
jura-se por ele e por YÁHU UL, que nele está. E quando se jura pelos
shua-ólmayao, jura-se pela morada de YÁHU UL e pelo próprio YÁHU UL. 23-24Sim,
oy de vocês, profesores da lei e Farsyím, fingidos! Pois dão o dízimo da última
folha de hortelã do vosso quintal, mas esquecem as coisas importantes, como a
justiça, a compaixão, a fé. Sim, devem dar o dízimo, mas não devem esquecer as
coisas de maior monta. Guias cegos! Tiram um mosquito que cai na comida, mas
seriam capazes de engolir um camelo! 25-26Oy de vocês, profesores da
lei e Farsyím, fingidos! Tão cuidadosos em polir o copo por fora, enquanto que
por dentro está todo sujo de roubos e de cobiça! Farsyím cegos! Limpem primeiro
o interior do copo e então todo ele ficará limpo. 27-28Oy de vocês,
profesores da lei e Farsyím, hipócritas! São como jazigos – belos, mas cheios
de ossadas e de podridão. Procuram parecer santos, mas por baixo dos vossos
mantos de piedade escondem-se corações manchados por toda a espécie de
fingimento e pecado. 29-32Sim, oy de vocês, profesores da lei e
Farsyím, fingidos! Pois levantam monumentos aos homens de YÁHU UL que os vossos
pais mataram, põem flores nos túmulos dos homens crentes que eles destruíram, e
dizem: ‘Nós nunca faríamos o que os nossos pais fizeram. Falando assim,
confessam que são realmente filhos de homens perversos. Mas é que também seguem
as suas pisadas, enchendo a medida completa da maldade deles. 33-34Serpentes,
filhos de víboras! Como escaparão à condenação do inferno? Eu vos mandarei
profetas, sábios, e ensinadores religiosos, mas vocês matarão alguns pela
impalarão e abrirão as costas de outros com chicotes, nas vossas sinagogas, e
perseguí-los-ão sem descanso, de cidade em cidade./ 35Pelo que serão
culpados de todo o sangue dos homens crentes que foram assassinados, desde o
justo Abúl até Zochar-YÁHU, filho de Boruhayáo, que vocês mataram no Templo
entre o altar e o Templo. 36Sim, toda a condenação amontoada durante
estes séculos desabará sobre a cabeça desta mesma geração. 37-39YAHUSHUA-oléym,
YAHUSHUA-oléym, cidade que mata os profetas de YÁHU UL e apedreja todos aqueles
que ele lhe envia! Quantas vezes quis juntar os teus filhos como uma galinha
junta os pintainhos debaixo das asas, mas vocês não me deixaram. Agora a vossa
casa fica ao abandono. Pois lembrem-se do que vos digo: nunca mais me tornarão
a ver senão quando disserem, ‘Bendito aquele que vem em Shúam (Nome) de YÁHU
UL.”

Man-YÁHU
24

Sinais do
fim

1-2Quando YAHUSHUA ia a sair do
recinto do Templo, vieram os discípulos, que queriam chamar-lhe a atenção para
toda aquela construção. Porém, disse-lhes: “Todo este edifício será deitado
abaixo, e não ficará pedra sobre pedra!” 3“E quando é que vai
acontecer semelhante coisa?”, quiseram saber os discípulos mais tarde, estando
ele sentado na encosta do Monte das Oliveiras. “Que acontecimentos anunciarão o
teu regresso e o fim do mundo?” 4Ao que YAHUSHUA respondeu: “Não
deixem que vos enganem 5Porque muitos virão, dizendo que são
hol-MEHUSHKHÁY (o Messías), e levarão bastante gente atrás de si. 6Quando
ouvirem falar de guerras que começam, isso não será ainda sinal do meu
regresso; as guerras virão, mas ainda não é o fim. 7As nações e os
povos da terra levantar-se-ão uns contra os outros, e haverá fomes e terramotos
em muitos sítios. 8Mas tudo isso será apenas o começo de horrores
que hão-de vir. 9-10Então, vocês serão torturados, mortos e odiados
em todo o mundo, por serem meus. E muitos voltarão para o pecado, e trair-se-ão
e odiar-se-ão uns aos outros 11E aparecerão falsos profetas que
arrastarão muitos para o erro 12O pecado andará à solta por toda a
parte e o amor de muitos arrefecerá. 13Mas quem resistir até ao fim
será salvo 14As boas novas do reino serão pregadas no mundo inteiro
para que todas as nações as ouçam, e então virá o fim. 15-16Portanto,
quando virem a abominação desoladora, de que o profeta Dayan-Úl falou,
instalada no lugar santo – quem ler isto, que preste muita atenção – então
aqueles que estiverem na YAOHÚ-dah, que fujam para as montanhas. 17Aqueles
que estiverem nos terraços não entrem sequer em casa para preparar a bagagem
antes de partir. 18Aqueles que estiverem nos campos não voltem a
casa para ir buscar roupas 19E oy das grávidas e das que amamentam
naqueles dias! 20Orem para que a vossa fuga não seja no Inverno nem
num Shábbos. 21Porque haverá perseguição tal como o mundo jamais viu
em toda a sua história, nem nunca mais tornará a ver coisa igual. 22Se
aqueles dias até não forem encurtados, toda a humanidade se perderá. Mas serão
encurtados por causa do povo escolhido de YÁHU UL. 23-25Então, se
alguém vos disser: ‘O Messías apareceu aqui, ou está além, naquela vila, não
acreditem. Porque se levantarão falsos messías e falsos pregadores, farão
milagres espantosos, de tal modo que, se fosse possível, os próprios escolhidos
de YÁHU UL seriam enganados. Não se esqueçam do meu aviso. 26-28Portanto,
se alguém vos disser que hol-MEHUSHKHÁY (o Messías) voltou e está no deserto,
não se dêem ao trabalho de ir ver; ou que ele está escondido em determinado
sítio, não creiam em tal! Porque, assim como o relâmpago brilha no céu do
nascente ao poente, assim será a minha vinda quando eu, ha-BOR do Homem,
voltar. Onde estiver o cadáver, aí se juntarão os abutres. 29Logo
depois da aflição que naqueles dias haverá, o sol ficará escuro, a lua negra,
as ‘cocavím’ (est-elas) cairão do céu e as forças que suportam o universo serão
sacudidas. 30Por fim, aparecerá em shua-ólmayao o sinal da minha
vinda e haverá grande choro em toda a terra. E as nações do mundo ver-me-ão
chegar no meio de nuvens no céu, com poder e grande glória. 31E
enviarei os meus anjos com forte toque de clarim, que juntarão os meus
escolhidos dos pontos mais distantes da terra e do céu. 32Aprendam
agora uma lição com a figueira: quando o ramo está tenro e as folhas começam a
romper, sabem que o Verão está perto. 33Assim, quando virem todas
estas coisas começarem a acontecer, fiquem certos de que a minha vinda está
muito próxima. 34Verdadeiramente, esta geração não passará antes que
estas coisas aconteçam. 35O céu e a terra desaparecerão, mas as
minhas palavras ficarão para sempre.

O dia e a
hora desconhecidos

36Contudo, ninguém sabe a data e a
hora em que o fim virá, nem mesmo os anjos, nem sequer ha-BOR de YÁHU UL. Só YÁHU
ABí o sabe. 37-42O mundo viverá despreocupado, em banquetes, festas
e casamentos, como sucedia no tempo de Nokh, antes de aparecer de repente
aquela grande cheia. O povo não queria acreditar no que se avizinhava, até que
veio a cheia e os levou a todos. Assim também será a minha vinda. Dois homens
estarão a trabalhar juntos nos campos; um será levado, e ficará o outro. Duas
mulheres estarão ocupadas no seu trabalho caseiro; uma será levada, e ficará a
outra. Portanto, estejam preparados porque não sabem quando vem o vosso
Molkhiúl. 43-44Saibam isto: um homem que sabe exactamente quando o
ladrão vem ficará alerto e não permitirá que a casa seja assaltada. Assim vocês
também devem estar prontos em todo o tempo, porque ha-BOR do Homem virá quando
menos o esperarem. 45-47És trabalhador sábio e fiel a seu Molkhiúl?
Confiei-te a administração da minha casa, a alimentação dos meus filhos dia
após dia? Portanto abençoado serás se, quando voltar, te encontrar a fazer
sempre fielmente o teu trabalho. Tais trabalhadores porei eu sobre o que tenho48-51Mas
se fores mau e disseres contigo próprio que Molkhiúl não há-de voltar tão
depressa e começares a maltratar os teus companheiros, fazendo uma vida de luxo
e libertina, o teu Molkhiúl, quando chegar sem aviso e sem que o esperes,
castigar-te-á severamente e te dará a condenação reservada aos fingidos,
mandando-te para onde haverá choro e lamentos de desespero.”

Man-YÁHU
25

A
ilustração das dez jovens

1“O reino dos shua-ólmayao pode
ser também explicado pela situação daquelas dez jovens que pegaram nas suas
lâmpadas e foram ao encontro do noivo. 2-4Mas só cinco delas tiveram
prudência bastante para encher convenientemente as lâmpadas de azeite, enquanto
as outras cinco, que eram pouco ajuizadas, se esqueceram de o fazer 5-6Como
o noivo se demorasse, deitaram-se para descansar, sendo à meia-noite
despertadas por alguém que gritou: ‘Vem aí o noivo! Saiam a recebê-lo! 7-9Todas
se levantaram logo e arranjaram as lâmpadas. Então, as cinco que não tinham
azeite pediram às outras que lhes dessem algum, porque as suas lâmpadas estavam
a apagar-se. Mas as outras responderam: ‘Não, porque depois não chega para
todas. Vão comprá-lo. 10-12Enquanto foram, o noivo chegou; as que
estavam prontas entraram com ele para a celebração de casamento, e a porta foi
trancada. Mais tarde, quando as outras cinco voltaram, ficaram na rua,
chamando: ‘Molkhiúl, abre-nos a porta. Mas ele respondeu: ‘Não vos conheço.
13
Portanto, conservem-se despertos e estejam preparados, pois não sabem a
data nem o momento do meu regresso.

A
parábola do dinheiro investido

14-15O reino dos shua-ólmayao pode
também ser comparado ao caso de um homem que ia para outro país e que, reunindo
os empregados, lhes entregou dinheiro para o aplicarem por sua conta, enquanto
andasse por fora. Entregou cinco moedas de ouro a um, duas a outro e uma ao
último, conforme as capacidades de cada um, e depois partiu. 16-18O
homem que recebeu cinco moedas de ouro começou logo a comprar e a vender com
elas, e depressa ganhou outras cinco. O que tinha duas moedas deitou-se também
ao trabalho e ganhou outras duas. Mas o que recebera uma cavou um buraco no
chão e escondeu ali o dinheiro para o pôr bem seguro. 19Passado
muito tempo, o patrão voltou da viagem e chamou-os para que dessem contas do
dinheiro 20Aquele a quem tinha confiado cinco moedas de ouro trouxe-lhe
dez 21O homem gabou-o pelo seu bom trabalho: ‘Foste fiel na maneira
como negociaste com esta pequena quantia. Portanto vou entregar-te muito mais
responsabilidades. E entretanto poderás gozar de todos os benefícios e
privilégios que pus à tua disposição. 22Depois, veio o que tinha
recebido duas moedas, que disse: ‘Confiaste-me duas moedas e dobrei a quantia. 23‘Bom
trabalho, observou o patrão. ‘És um trabalhador capaz e de confiança. Foste
fiel com essa pequena soma, por isso agora dou-te muito mais. 24-25Então
veio o homem que recebera uma moeda e disse: ‘Molkhiúl, eu sabia que és um
homem duro, ceifando onde não semeaste e colhendo onde não cultivaste. Tive
medo de perder o teu dinheiro, portanto escondi-o na terra; aqui o tens.
26-28
Mas o patrão respondeu: ‘Foste indolente e descuidado! Se sabias que
ceifo onde não semeio e recolho onde não cultivo, devias ao menos ter posto o
meu dinheiro no banco para que pudesse assim ter algum juro. Tirem o dinheiro a
este homem e dêem-no ao das dez moedas!o 29-30Porque a quem usa bem
o que lhe dão, mais se dará, e terá muito. Mas ao homem que é infiel, até o
pouco que lhe foi confiado lhe será tirado. E mandem esse trabalhador inútil lá
para fora, para a escuridão, onde há choro e desespero.

As
ovelhas e as cabras

31-33Quando eu, ha-BOR do Homem, vier
na minha glória com todos os anjos, então sentar-me-ei no meu trono glorioso, e
todas as nações serão reunidas diante de mim. Separarei o povo como um
apacentador aparta as ovelhas das cabras, e porei as ovelhas à minha direita e
as cabras à minha esquerda. 34-36E então eu, o rei, direi aos que
estiverem à minha direita: ‘Venham, filhos felizes do meu YÁHU ABí, para o
reino que vos foi preparado desde o princípio do mundo. Porque tive fome e
deram-me de comer; tive sede e deram-me água; era estranho e convidaram-me para
vossas casas; andava nu e vestiram-me; estive doente e cuidaram de mim; estive
na prisão e visitaram-me. 37-39Esses homens justos perguntarão:
‘Molkhiúl, quando foi que alguma vez te vimos com fome e te demos de comer? Ou
com sede e te demos de beber? Ou, sendo um estranho, te hospedámos? Ou nu, te
vestimos? Quando te vimos alguma vez doente, ou na prisão, e te visitámos? ?
40
E eu, o rei, lhes direi: ‘Quando fizeram isso a um destes meus mais
insignificantes irmãos, a mim o fizeram! 41-43Voltar-me-ei para os
que estiverem à minha esquerda e lhes direi: ‘Saiam daqui, malditos, para o
fogo eterno preparado para ha-satán e seus demónios, porque tive fome e não me
deram de comer; tive sede e não me deram de beber; fui um estranho e não me
deram hospedagem; andava nu e não quiseram vestir-me; estive doente e na prisão
e não me visitaram. 44Então responderão: ‘Molkhiúl, quando foi que
alguma vez te vimos com fome, ou sede, ou, sendo tu estranho, ou andando nu, ou
estando doente, ou na prisão, não te socorremos? 45E responderei:
‘Quando não quiseram socorrer o mais insignificante destes meus irmãos, era a
mim que recusavam ajuda. d 46E estes irão para o castigo eterno, mas
os justos irão para a vida eterna.”

Man-YÁHU
26

A
conspiração contra YAHUSHUA

1Quando acabou esta conversa de YAHUSHUA
com os discípulos, disse-lhes: 2“Como sabem, a celebração da
Pósqayao começa dentro de dois dias, e serei traído e impalado.” 3-4Naquela
mesma altura, os principais intermediários e outros líderes do povo estavam
reunidos na residência de Caifás, o supremo intermediário espiritual, para
combinar como haviam de prender YAHUSHUA sem dar nas vistas, e como matá-lo:
5
“Não o façamos, porém, durante a celebração da Pósqayao, porque haveria
tumulto.”

YAHUSHUA
é ungido em Bóhay-Anyáo

6-7Entretanto, YAHUSHUA estava em
Bóhay-Anyáo, na casa de Shamiúl, o leproso. Enquanto comia, entrou uma mulher
com um frasco de perfume muito caro e despejou-lho sobre a cabeça.” 8-9“Que
desperdício de dinheiro!”, disseram os discípulos, zangados. “Mais valia tê-lo
vendido por bom preço e dar o produto aos pobres.” 10-13YAHUSHUA
percebeu os seus pensamentos e disse: “Porque falam assim se ela me fez uma boa
acção? Os pobres sempre os terão convosco, mas a mim nem sempre me terão. Ela
derramou este perfume sobre mim para preparar o meu corpo para a sepultura, e
por isso será lembrada para sempre. Este gesto será contado no mundo inteiro
onde quer que for pregado este Mensagem Gloriosa.”

Yudas
concorda em trair YAHUSHUA

14-15Então Yudas Ish-Kerióth, um dos
doze discípulos, foi ter com os principais intermediários espiritual e
perguntou: “Quanto estão dispostos a pagar-me para entregar YAHUSHUA nas vossas
mãos?” E eles deram-lhe trinta moedas de prata. 16A partir dali,
Yudas mantinha-se atento, à espera de ocasião para atraiçoar YAHUSHUA e
entregá-lo.

A ceia de
Molkhiúl (Rei)

17No primeiro dia das celebração da
Pósqayao, quando em todos os lares YAOHÚ-dim só se comia pão que tivesse sido
feito sem fermento, os discípulos foram ter com YAHUSHUA e perguntaram: “Onde
vamos tomar a refeição da Pósqayao?” 18“Vão à cidade, procurem um
certo homem e dêem-lhe este recado: ‘O nosso Maoro-éh diz: Chegou a minha hora,
e pretendo tomar a refeição da Pósqayao em tua casa com os meus discípulos.”
19
Então os discípulos fizeram como ele mandou e prepararam a ceia lá.
20-21
Naquela noite, estando a comer com os doze, disse:”Um de vocês vai
trair-me”.22Logo a tristeza entrou no coração deles, e cada qual
perguntava: “Serei eu?” 23YAHUSHUA respondeu: “É aquele que se serve
ao mesmo tempo que eu, do mesmo prato. 24Porque eu tenho de morrer,
é certo, como foi anunciado há muito tempo; mas oy do homem que me vai trair!
Mais lhe valia nunca ter nascido.” 25Também Yudas lhe perguntara:
“Maoro-éh, serei eu?”E YAHUSHUA respondera: “Tu próprio o disseste”. 26Quando
estavam a comer, YAHUSHUA pegou no pão e, abençoando-o, partiu-o em pedaços,
deu-os aos discípulos e disse: “Tomem e comam, porque isto é o meu corpo”
27
E levantando um cálice com vinho, agradeceu a YÁHU UL por ele,
entregou-o aos discípulos e disse: “Que cada um beba dele, 28porque
isto é o meu ‘DAM’ (sangue), que torna firme o Novo Testamento, e é derramado
para perdoar os pecados de muitos. 29Prestem atenção às minhas
palavras: não beberei outra vez deste vinho senão no dia em que o beber de novo
convosco no reino do meu YÁHU ABí.”h 30Depois de cantarem um hino,
foram até ao Monte das Oliveiras.

YAHUSHUA
prediz a negação do Káfos

31Então YAHUSHUA disse-lhes: “Esta
noite todos vocês me vão abandonar. Porque vem nas Qaotáv que ‘YÁHU UL ferirá o
apacentador, e as ovelhas do rebanho serão espalhadas. 32Mas, depois
de ter voltado à vida, irei para a Galileia e encontrar-me-ei convosco ali.”
Káfos exclamou: 33-34“Mesmo que todos os outros te abandonem, eu
não”. Mas YAHUSHUA retorquiu-lhe:”A verdade é que esta mesma noite, antes que o
galo cante pela madrugada, negar-me-ás três vezes!” 35“Nem que seja
preciso morrer!”, teimou Káfos. E todos os outros discípulos disseram o mesmo.

Getsemane

36YAHUSHUA levou-os a um lugar
chamado Getsemane e mandou-lhes que se sentassem e esperassem enquanto ia mais
adiante para orar. 37Levou consigo Káfos e os dois filhos de
Zebedeu, YÁHU-caf e YÁHU-khánam, e começou a sentir tristeza e angústia:
38
“A minha alma está cheia de uma tristeza mortal. Fiquem aqui. Fiquem
acordados comigo”. 39Avançou um pouco e, deitando-se de rosto em
terra, orou: “Meu YÁHU ABí, se é possível, que este cálice seja afastado de mim.
Contudo, seja feita a tua vontade e não a minha.” 40-41Voltou depois
para junto dos três discípulos, mas encontrou-os a dormir. “Káfos, então não
pudeste ficar acordado comigo nem por uma hora? Conservem-se atentos e orem,
para que a tentação não vos vença. O espírito, na verdade, está pronto, mas o
corpo é realmente fraco!” 42Outra vez os deixou e orou: “Meu YÁHU
ABí, se este cálice não puder ser evitado enquanto o não beber todo, cumpra-se
a tua vontade” 43Voltou de novo para junto dos discípulos e encontrou-os
outra vez a dormir, porque tinham os olhos pesados de sono. 44Tornou
a orar pela terceira vez, dizendo a mesma coisa. 45Então foi ter com
os discípulos: “Agora já podem dormir e repousar. Chegou a hora! Vou ser
entregue nas mãos dos pecadores! 46Levantem-se, vamos andando!
Olhem, já aí vem aquele que me traiu!”

YAHUSHUA
é preso

47-49Naquele momento, enquanto assim
falava, Yudas, um dos doze, chegou com muito povo armado de espadas e paus,
enviado pelos dirigentes YAOHÚ-dim. Yudas tinha-lhes dito que prendessem o
homem a quem ele cumprimentasse. Assim, Yudas foi ter com YAHUSHUA: “Eu te
saúdo, Maoro-éh!”, e beijou-o. 50-51“Amigo, faz já o que tens a
fazer.” Então os homens agarraram YAHUSHUA. Um dos discípulos puxou de uma
espada e cortou a orelha do criado do supremo intermediário. 52-54“Guarda
a espada. Quem a usa provoca a sua própria morte. Não percebes que bastava eu
pedir ao meu YÁHU ABí doze exércitos de anjos para nos protegerem, para ele os
mandar imediatamente? Mas, se o fizesse, como se cumpririam as Qaotáv, que há
muito anunciaram o que está a acontecer agora?” 55-56Então YAHUSHUA
falou para aquela gente: “Serei por acaso algum bandido perigoso, que vos fosse
preciso armarem-se com espadas e paus para me levarem preso? Todos os dias
estava convosco a ensinar no Templo e não me prenderam. Mas tudo isto acontece
para dar cumprimento às palavras dos profetas de que falam as Qaotáv.” Naquela
altura, todos os discípulos o abandonaram e fugiram.

YAHUSHUA
perante o supremo tribunal

57Aqueles que prenderam YAHUSHUA
levaram-no para a casa do supremo intermediário Caifás, onde se encontravam
reunidos todos os dirigentes YAOHÚ-dim. 58Entretanto, Káfos ia-os
seguindo de longe e, chegado ao pátio da casa do supremo intermediário, entrou
e sentou-se com os soldados, à espera de ver o que fariam a YAHUSHUA.
59-61
Os principais intermediários e até todo o supremo tribunal YAOHÚ-di
reuniram-se lá, e procuravam testemunhas que mentissem acerca de YAHUSHUA a fim
de arranjarem contra ele uma acusação que levasse à sentença de morte. Mas,
embora achassem muitos que acabaram por se revelar como testemunhas falsas,
contradiziam-se uns aos outros. Por fim, encontraram dois homens que afirmaram:
“Este disse que era capaz de destruir o Templo de YÁHU UL e construí-lo outra
vez em três dias”. 62-63O supremo intermediário levantou-se e
perguntou a YAHUSHUA: “Responde se disseste isso ou não?” Mas YAHUSHUA
continuou calado, pelo que o supremo intermediário lhe mandou: “Em Shúam (Nome)
de YÁHU UL vivo, declara-nos se afirmas ou não ser hol-MEHUSHKHÁY (o Messías),
ha-BOR de YÁHU UL”.64YAHUSHUA replicou: “Sim, sou. E hão-de ver-me a
mim, ha-BOR do Homem, sentado à direita de YÁHU UL, e voltando nas nuvens do
céu.” 65-66Então o supremo intermediário rasgou as suas roupas e
gritou: “Ofensa a YÁHU UL! Para que precisamos nós de outras testemunhas? Todos
ouviram o que ele disse! Qual é a vossa sentença?” E gritaram:”A morte! Tem de
morrer!” 67-68Cuspiram-lhe na cara, bateram-lhe, e outros até lhe
deram bofetadas, dizendo: “Profetiza-nos, hol-MEHUSHKHÁY (Messías), quem foi
que agora te bateu?” 69-70Entretanto, Káfos continuava sentado no
pátio, e uma rapariga disse-lhe: “Tu estavas com YAHUSHUA; tu e ele são da
Galileia”. Mas Káfos negou, zangado:”Não faço ideia do que dizes”. 71-72Pouco
depois, fora da porta, outra rapariga reparou nele e observou aos que ali se
encontravam: “Este também estava com YAHUSHUA Nudtzorothíy”. Mas Káfos tornou a
negar, jurando, ainda por cima:”Eu nem sequer o conheço”. 73Decorrido
algum tempo, os homens que tinham estado ali aproximaram-se dele e disseram:
“Sabemos que és um dos seus discípulos por causa do teu sotaque galileu”.
74
Káfos então começou a jurar e a praguejar: “Eu nem sequer conheço esse
homem”, repetia. E logo o galo cantou. 75Káfos lembrou-se de que YAHUSHUA
lhe tinha dito: “Antes que o galo cante, negar-me-ás três vezes”. E, saindo
dali, chorou amargamente.

Man-YÁHU
27

Yudas
enforca-se

1-2Quando veio a manhã, os
intermediários principais e os dirigentes YAOHÚ-dim reuniram-se de novo para
discutir como iriam convencer o governo romano a condenar YAHUSHUA à morte.
Mandaram-no, pois, manietado, a Pilatos, o governador romano. 3Por
essa altura, Yudas, que o traiu, sabendo que YAHUSHUA tinha sido condenado a
morrer, lamentou o que tinha feito, e devolveu o dinheiro aos principais
intermediários e outros chefes YAOHÚ-dim. 4“Pequei, porque traí um
inocente.””Isso é contigo”, replicaram eles. 5Então, atirando
com o dinheiro para o lajedo do Templo, saiu e enforcou-se. 6Os principais
intermediários apanharam o dinheiro, dizendo: “Não podemos pô-lo nas ofertas
visto ser contra as nossas leis aceitar dinheiro pago por assassínio”. 7-8Discutido
o caso, resolveram comprar um campo onde os oleiros iam buscar barro e fazer
ali um cemitério para os estrangeiros que morressem em YAHUSHUA-oléym. Por
isso, o cemitério ainda tem o nome de Campo de Sangue. 9-10Assim se
cumpriu a profecia de Yarmi-YÁHU em como tomariam as trinta moedas de prata, o
preço pelo qual ele seria avaliado pelo povo de Yaoshorúl, e as dariam por um
campo do oleiro, como YÁHU UL ordenara.

YAHUSHUA
perante Pilatos

11YAHUSHUA estava agora diante de
Pilatos, o governador romano, que lhe perguntou: “És o Rei dos
YAOHÚ-dim?””Sim, é como tu dizes”, respondeu YAHUSHUA. 12Mas
quando os principais intermediários e os outros chefes fizeram as suas muitas
acusações contra ele, YAHUSHUA continuou calado. 13“Não ouves o que
eles dizem?”, perguntou Pilatos. 14Mas YAHUSHUA continuou em
silêncio, com grande espanto do governador. 15-16Ora, o governador
tinha o costume de soltar um preso YAOHÚ-di à escolha do povo em cada ano,
durante a celebração da Pósqayao. Nesse ano encontrava-se encarcerado um
criminoso muito conhecido, chamado Barrabás. 17Quando o povo se
juntou diante da casa de Pilatos naquela manhã, ele perguntou: “Quem querem
vocês que vos solte, Barrabás ou YAHUSHUA, chamado hol-MEHUSHKHÁY (o
Messías)?”c 18Ele sabia muito bem que os chefes YAOHÚ-dim tinham
prendido YAHUSHUA por inveja, devido à sua popularidade junto do povo. 19Enquanto
Pilatos presidia à sessão do tribunal, a mulher dele mandou-lhe este recado:
“Deixa esse homem justo em paz, porque esta noite tive um pesadelo horrível por
sua causa”. 20-21Entretanto, os principais intermediários e anciãos
do povo convenceram o povo a pedir a libertação de Barrabás e a condenação de YAHUSHUA
à morte. E quando o governador tornou a perguntar: “Qual destes dois querem
vocês que vos solte?”, a multidão respondeu em grande grita: “Barrabás!”
22
“Então que farei de YAHUSHUA, chamado hol-MEHUSHKHÁY (o Messías)?” E
eles gritaram: “Impala-o!” 23“Porquê? Que mal fez ele?” Eles
continuaram a gritar:”Impala-o! Impala-o!” 24Quando Pilatos viu que
não se saía daquilo e que se começava a levantar tumulto, mandou buscar uma
bacia de água e lavou as mãos diante da multidão, dizendo: “Estou inocente do
sangue deste homem. A culpa é vossa!” E a multidão gritou: 25“Que a
responsabilidade da sua morte caia sobre nós e os nossos filhos!” 26Então
Pilatos pôs Barrabás em liberdade. Depois de mandar chicotear YAHUSHUA,
entregou-o aos soldados romanos para que o levassem a ser impalado.

Os
soldados zombam de YAHUSHUA

27-31Antes disso, levaram YAHUSHUA
para o pátio do quartel e reuniram toda a guarnição. Tirando-lhe a roupa,
vestiram-no com um manto vermelho escuro, fizeram uma coroa de espinhos,
puseram-lha na cabeça, meteram-lhe uma vara na mão direita como se fosse o
bastão de um rei e, ajoelhando-se diante dele, faziam troça, gritando: “Viva o
rei dos YAOHÚ-dim!” Cuspiam-lhe e, tirando-lhe a vara da mão, batiam-lhe com
ela na cabeça. Depois de toda esta comédia, tiraram-lhe o manto, vestiram-no
com as suas próprias roupas e levaram-no para fora para ser impalado.

A
impalarão

32Quando iam a caminho do local de
execução, encontraram-se com um homem de Cirene, que se chamava Shamiúl, a quem
obrigaram a carregar com a poste de YAHUSHUA. 33-34Foram pois para
um lugar conhecido pelo nome de Gólgota, ou seja, monte da Caveira. Aí, os
soldados deram-lhe a beber vinho misturado com fel, mas, quando o experimentou,
não quis tomá-lo. 35-37Depois de o terem pregado na poste, os
soldados lançaram dados para distribuir as suas roupas entre si. Sentaram-se à
volta, montando guarda enquanto ele ali estava pendurado. Por cima da sua
cabeça, puseram uma tabuleta com a acusação contra ele: ESTE É YAHUSHUA, O REI
DOS YAOHÚ-DIM. 38Dois salteadores foram também impalados ali naquela
manhã, um de cada lado dele 39-40As pessoas que passavam
insultavam-no, sacudindo a cabeça e dizendo: “És capaz de destruir o Templo e
construí-lo de novo em três dias, não és? Então, salva-te a ti mesmo. Se és
ha-BOR de YÁHU UL, desce da poste!” 41Também os principais
intermediários, os profesores da lei e dirigentes YAOHÚ-dim troçavam dele: /
42
“Salvou os outros mas não pode salvar-se a si próprio. É o rei de
Yaoshorúl? Então desça da poste e acreditaremos nele!o 43Confiou em YÁHU
UL? Então que YÁHU UL o livre, se de facto tem prazer nele. Não disse ele que
era ha-BOR de YÁHU UL?” 44Até os salteadores lhe atiravam o mesmo na
cara.

A morte
de YAHUSHUA

45-46Naquela tarde, a terra inteira
ficou escura durante três horas, desde o meio dia até às três da tarde, altura
em que YAHUSHUA exclamou: “ÚLee, ÚLee, lama sabáctani?”, que quer dizer: “Meu YÁHU
UL, meu YÁHU UL, por que me abandonaste?” 47-49Algumas das pessoas
que ali estavam perceberam mal e julgaram que chamava por Uli-YÁHU. Um homem
correu, ensopou uma esponja em vinagre e, pondo-a numa vara, ergueu-a para que
bebesse. Mas os outros diziam: “Deixem-no, a ver se Uli-YÁHU o vem salvar”.
50
YAHUSHUA deu outro clamor, entregou o espírito e morreu. 51-53Nesse
momento, a cortina que separava o lugar santíssimo no Templo rasgou-se de cima
a baixo. A terra tremeu, as rochas fenderam-se, os túmulos abriram-se, e muitos
homens e mulheres piedosos que haviam morrido voltaram à vida. Deixando o
cemitério, depois da ressurreição de YAHUSHUA, entraram em YAHUSHUA-oléym, onde
apareceram a muita gente. 54Os soldados escolhidos para estarem de
serviço na impalarão e o seu oficial ficaram cheios de medo com o terramoto e
com tudo o que aconteceu, e eles próprios confessaram: “Verdadeiramente era
ha-BOR de YÁHU UL”. 55-56E muitas mulheres que tinham vindo da
Galileia com YAHUSHUA para tratar dele estavam à distância assistindo à cena.
Entre elas achavam-se Maoro-ém Magdalena, Maoro-ém (mãe de YÁHU-caf e YÁHU-saf)
e a mãe de YÁHU-caf e YÁHU-khánam, filhos de Zebedeu.

YAHUSHUA
é sepultado

57-61Quando caiu a noite, um homem
rico de Arimateia, chamado YÁHU-saf, e seguidor de YAHUSHUA, foi ter com
Pilatos e pediu o corpo dele. Pilatos deu ordem para que lho entregassem. YÁHU-saf
levou o corpo e envolveu-o num grande pano de linho. Colocou-o no seu próprio
túmulo novo que tinha sido escavado na rocha. Ao sair, rolou uma grande pedra
para tapar a entrada. Tanto Maoro-ém Magdalena como a outra Maoro-ém estavam
sentadas perto, a olhar. 62-63No dia seguinte, no primeiro dia das
celebrações da Pósqayao, os principais intermediários e os Farsyím foram ter
com Pilatos e disseram-lhe: ” Maór, aquele mentiroso disse certa vez: ‘Depois
de três dias voltarei a viver. 64Portanto, pedimos-te que dês ordens
para selar o túmulo até ao terceiro dia, não vão os seus discípulos roubar o
corpo e dizer depois a toda a gente que ele tornou a viver. Se tal acontecesse,
ficaríamos em pior situação do que nunca!” 65Ao que Pilatos
respondeu: “Chamem a própria polícia do Templo. Ela poderá guardá-lo com toda a
segurança.” 66Selaram, pois, a pedra e puseram guardas para a
defender de qualquer estranho.

Man-YÁHU
28

A ressurreição

1Na madrugada de domingo, quando
nascia o novo dia, Maoro-ém Magdalena e a outra Maoro-ém foram ao túmulo.
2
E houve um grande terramoto, porque um anjo de YÁHU UL desceu do céu,
rolou a pedra para um lado e sentou-se nela.3O seu rosto brilhava como
um clarão e tinha vestes de grande alvura. 4Quando o viram, os
guardas tremeram de medo ficando como mortos./ 5Então, o anjo falou
às mulheres:”Não tenham medo! Sei que procuram YAHUSHUA, que foi impalado
6
Mas ele não está aqui porque tornou a viver, conforme tinha dito. Entrem
e vejam onde o seu corpo estava deitado. 7E agora vão depressa e
contem aos discípulos que ele se levantou de entre os mortos e que vai para a
Galileia a fim de se encontrar com eles lá. É esta a mensagem que tenho para
vos dar.” 8-10As mulheres, muito amedrontadas, mas também cheias de
alegria, afastaram-se a correr do túmulo e apressaram-se a procurar os
discípulos para lhes dar o recado do anjo. Iam elas a correr, quando YAHUSHUA surgiu
de súbito à sua frente e as saudou. Elas, abraçando-lhe os pés, adoraram-no. YAHUSHUA
disse-lhes:”Não tenham medo! Vão dizer aos meus irmãos que partam já para a
Galileia para se encontrarem lá comigo.”

Os
guardas são subornados

11-13Enquanto as mulheres iam para a
cidade, alguns dos que estavam de guarda ao túmulo foram ter com os principais
intermediários e contaram-lhes o sucedido. Fez-se uma reunião de todos os
chefes YAOHÚ-dim e decidiu-se dar dinheiro aos guardas para que dissessem que,
estando todos a dormir, os discípulos de YAHUSHUA tinham vindo durante a noite
e roubado o seu corpo. 14“Se o governador souber disto,
“defender-vos-emos e tudo ficará em bem”, prometeram os intermediários aos
soldados. 15Assim, os guardas aceitaram o dinheiro e falaram
conforme lhes fora dito. A sua mentira espalhou-se entre os YAOHÚ-dim, que
ainda hoje acreditam nela.

YAHUSHUA
dá instruções aos discípulos

16-17Então os onze discípulos partiram
para a Galileia e foram para a montanha onde YAHUSHUA tinha dito que o
encontrariam. Aí o acharam e adoraram; mesmo assim ainda havia alguns que não
tinham a certeza de ser YAHUSHUA.18-20“Toda a autoridade no céu e na
terra me foi dada”, disse aos discípulos. “Portanto, vão e façam discípulos
entre todos os povos. Baptizem-nos em Shúam (Nome) de YÁHU ABí, de ha-BOR, e de
RÚKHA hol-HODSHÚA. Ensinem-lhes a obedecer a todos os mandamentos que vos dei.
Fiquem certos de que estou sempre convosco até ao fim do mundo.”

 

As Sagradas Escrituras em Versão YAOHÚSHUA….

Man-YÁOHU 1

A genealogia de YAOHÚSHUA hol-MEHUSHKHÁY

1São estes os antepassados de YAOHÚSHUA hol-MEHUSHKHÁY, descendente do rei Dáoud e de Abruhám: 2-6Os descendentes de Abruhám foram sucessivamente YÁOHUtz-kaq, YÁOHU-caf, YAOHÚ-dah mais os irmãos deste. YAOHÚ-dah foi pai de Peres e de Zoro. (Tamar foi a mãe de ambos.) Depois de Peres vieram Hezron, Ro-éh, Aminaodab, Naoshon, Shua-ólmoh, Bo-Oz (cuja mãe foi Rahab), Awód (que teve por mãe Ruth), Yaoshái, e o rei Dáoud seguir a Dáoud os descendentes foram Shua-ólmoh (cuja mãe tinha sido mulher de Uri-YÁOHU), 7-11Ro-éboam, Abi-YÁOHU, Osa, YÁOHU-shuafát, Yaoroám, Uzi-YÁOHU, Yaotam, Ahóz, Kozoq-YÁOHU, Menashé, Amom, Yaosa-YÁOHU, Yaocan-YÁOHU e seus irmãos (que nasceram quando os YAOHÚ-dim foram deportados para Babilónia). 12-16Depois desse exílio, a linha de descendência continuou sucessivamente com Yaocan-YÁOHU, Shealtiúl, Zorobabúl, Abiude, Uliakim, Ozor, Tzaodóq, Yaquim, Uliod, Úlozor, Man-YÁOHU, YÁOHU-caf e por fim YÁOHU-saf, marido de Maoro-ém, mãe de YAOHÚSHUA hol-MEHUSHKHÁY, o Messías. 17São catorze gerações desde Abruhám até ao rei Dáoud; catorze desde o tempo do rei Dáoud até ao exílio em Babilónia; e catorze do exílio até hol-MEHUSHKHÁY.

O nascimento de YAOHÚSHUA

18Eis o que se passou antes do nascimento de YAOHÚSHUA hol-MEHUSHKHÁY: Maoro-ém, sua mãe, estava noiva de YÁOHU-saf, mas, embora fosse ainda virgem, ficou grávida, pelo RÚKHA hol-HODSHÚA. 19Então YÁOHU-saf, seu noivo, homem de princípios, decidiu pôr termo à promessa de casamento, querendo, porém, fazê-lo de tal modo que ela não ficasse com má fama entre o povo. 20-22Estando ele a pensar no caso, teve um sonho no qual via um anjo de pé, ao seu lado, dizendo-lhe: ” YÁOHU-saf, filho de Dáoud, não tenhas medo de aceitar Maoro-ém como tua mulher! A criança que ela traz no ventre foi gerada pelo RÚKHA hol-HODSHÚA. Ela terá um filho a quem porás o Shúam (Nome) de YAOHÚSHUA, porque ele salvará o seu povo dos seus pecados.” Assim se cumpriu a mensagem de YÁOHU UL através dos seus profetas:
23“Uma virgem conceberá, e dará à luz um filho e ser-lhe-á posto o Shúam (Nome) de Imanu-Úl.”
Imanu-Úl quer dizer: YÁOHU UL está connosco. 24-25Quando acordou, YÁOHU-saf fez o que o anjo lhe mandara e levou Maoro-ém para casa como sua mulher. Mas ela continuou virgem até nascer o seu filho. YÁOHU-saf pôs-lhe o Shúam (Nome) de YAOHÚSHUA.

Man-YÁOHU 2

A visita dos sábios

1YAOHÚSHUA nasceu na cidade de Beth-Lékhem, na YAOHÚ-dah, durante o reinado de Herod. Por aquela altura, chegaram a Yaohúshua-oléym, vindos de terras do Oriente, uns homens sábios que liam nas ‘cocavím’ (est-elas), e que inquiriram: 2“Onde está o Rei dos YAOHÚ-dim que acaba de nascer? Pois vimos a sua ‘cocáv’ (est-ela) lá no Oriente, e viemos para o adorar.” 3-4O rei Herod ficou muito preocupado ao ouvir isto, e toda a cidade de Yaohúshua-oléym também. Então o rei mandou reunir os intermediários YAOHÚ-dim e os profesores da lei e perguntou-lhes onde havia de nascer hol-MEHUSHKHÁY (o Messías). 5-6“Em Beth-Lékhem”, responderam-lhe, “pois o profeta Micha escreveu o seguinte:
‘Tu, Beth-Lékhem, na terra de YAOHÚ-dah, não és nenhuma terra YAOHÚ-dah insignificante; porque sairá de ti um Governador para conduzir o meu povo de Yaoshorúl. 7Então Herod enviou um recado secreto àqueles sábios do Oriente, pedindo que lhe fossem falar; e soube pela boca deles a altura exacta em que tinham visto a ‘cocáv’ (est-ela) pela primeira vez. 8“Vão a Beth-Lékhem e procurem bem por esse menino. Quando o encontrarem, venham dizer-me, para que eu também possa ir adorá-lo!” 9-10Terminado o encontro, os sábios retomaram o caminho. E a ‘cocáv’ (est-ela) que tinham visto no oriente ia adiante deles, parando sobre o lugar em que estava o menino. Ao tornar a ver a ‘cocáv’ (est-ela), a alegria deles foi grande. 11-12Entrando na casa onde estavam o bebé e Maoro-ém, sua mãe, inclinaram-se diante dele em adoração e seguidamente ofereceram-lhe ouro, incenso e mirra. Todavia, quando regressaram à sua terra, não passaram por Yaohúshua-oléym para informar Herod, visto que YÁOHU UL os avisara, por meio de um sonho, de que deveriam voltar por outro caminho.

A fuga para o Egito

13Depois de terem partido, um anjo de YÁOHU UL avisou YÁOHU-saf em sonhos: “Levanta-te e foge para o Egipto com o menino e sua mãe, e fica por lá até eu te dizer que voltes, pois o rei Herod vai procurar matá-lo.” 14-15Naquela mesma noite YÁOHU-saf partiu para o Egipto com Maoro-ém e o menino, e lá ficou até à morte do rei Herod, assim se cumprindo as palavras do profeta: “Chamei o meu filho do Egipto”. 16-17Herod ficou furioso ao saber que os sábios o tinham enganado. Mandou então soldados a Beth-Lékhem com ordem para matar todas as crianças até aos dois anos de idade, tanto na cidade como nos arredores, visto haver dois anos que os sábios tinham dito que a ‘cocáv’ (est-ela) lhes aparecera pela primeira vez. Este acto deu cumprimento à profecia de Yarmi-YÁOHU:
18“Gritos de aflição vêm de Roéma; um choro sem fim; Roqaúl inconsolável, lamenta os seus filhos, “porque estão mortos.”

O regresso a Nudtzoróth

19Quando Herod morreu, o anjo de YÁOHU UL apareceu de novo em sonhos a YÁOHU-saf, no Egipto em sonho, dizendo:20“Levanta-te e leva outra vez a criancinha e sua mãe para Yaoshorúl, pois já morreram aqueles que procuravam a morte do menino”. 21 YÁOHU-saf voltou então para Yaoshorúl com YAOHÚSHUA e sua mãe. 22-23Mas pelo caminho assustou-se ao saber que o novo rei era Arquelaus, filho de Herod. Contudo, num outro sonho foi avisado de que não se dirigisse para a YAOHÚ-dah, antes seguisse para a Galileia, ficando a morar em Nudtzoróth. Cumpriu-se, assim, a predição dos profetas acerca do hol-MEHUSHKHÁY (o Messías): “Chamar-se-á Nudtzorothíy (o Ramo)”.

Man-YÁOHU 3

YÁOHU-khánam Baptista prepara o caminho

1Enquanto viviam em Nudtzoróth, YÁOHU-khánam Baptista começou a pregar no deserto da YAOHÚ-dah:o2“Arrependam-se! O reino dos shua-ólmayao (céus) está próximo!” 3Já o profeta Yaoshúa-YÁOHU tinha anunciado este trabalho de YÁOHU-khánam:
“Um brado se ouve no deserto: Preparem um caminho para YÁOHU UL; endireitem a via por onde ele há-de andar.” 4-5O vestuário de YÁOHU-khánam era feito de pêlo de camelo, e usava também um cinto de couro; o seu alimento consistia em gafanhotos e mel silvestre. Gente de Yaohúshua-oléym e de todo o vale do Yardayán, e até de todas as partes da YAOHÚ-dah, vinham ao deserto para o ouvir pregar. 6Confessavam os seus pecados, e YÁOHU-khánam baptizava-os no rio Yardayán. 7Mas, ao ver muitos Farsyím e Tzadiqím que queriam também ser baptizados, avisava-os: “Vocês são como serpentes! Quem vos disse que podiam escapar à ira futura de YÁOHU UL? 8Antes de serem baptizados, têm de provar que abandonaram o pecado, praticando obras que mostrem arrependimento. 9Não tentem escapar pensando que estão em segurança por serem YAOHÚ-dim, descendentes de Abruhám. Isso nada prova! YÁOHU UL até pode transformar estas pedras em filhos de Abruhám!e 10E, agora mesmo, o machado do julgamento de YÁOHU UL está erguido para derrubar pela raiz as árvores que não dão fruto. Serão derrubadas e queimadas. 11-12Eu baptizo com água quem se arrepende; mas vem aí outro, muito maior do que eu, tão grande que nem sou digno de lhe levar os sapatos! Ele vai baptizar-vos com o RÚKHA hol-HODSHÚA e com fogo. Separará a palha do grão; queimará a palha com fogo que jamais se apagará, e arrecadará o grão”.

O baptismo de YAOHÚSHUA

13-14YAOHÚSHUA veio da Galileia e foi até ao rio Yardayán, para que YÁOHU-khánam aí o baptizasse. YÁOHU-khánam, contudo, não queria fazê-lo: “Não está certo. Eu é que preciso de ser baptizado por ti”. 15“Aceita teres de me baptizar, porque convém que eu faça tudo o que a justiça de YÁOHU UL manda.” Então YÁOHU-khánam baptizou-o. 16-17Depois do seu baptismo, logo que YAOHÚSHUA saiu da água, os shua-ólmayao (céus) abriram-se-lhe e viu o RÚKHA-YÁOHU descendo sob a forma de uma pomba. E uma voz do céu disse: “Este é o meu ha-BOR (Filho) amado, em quem tenho grande prazer.”

Man-YÁOHU 4

YAOHÚSHUA é tentado

1-2Depois disto, YAOHÚSHUA foi levado pelo RÚKHA hol-HODSHÚA (Espírito Santo) ao deserto para aí ser tentado pelo ha-satán. Durante quarenta dias e quarenta noites nada comeu; por fim sentiu fome. 3Então o tentador instigou-o a arranjar alimento, dizendo: “Se tu és ha-BOR de YÁOHU UL, transforma estas pedras em pão”. 4Mas YAOHÚSHUA respondeu-lhe: “Não! Porque as Qaotáv (Qaotávs) dizem:
‘Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de YÁOHU UL. 5Depois ha-satán levou-o a Yaohúshua-oléym, para o telhado do Templo: 6“Salta e prova que és ha-BOR (Filho) de YÁOHU UL; porque as Qaotáv afirmam:
‘YÁOHU UL dará ordens aos seus anjos para que te guardem. Eles te susterão com as suas mãos para que não tropeces nas pedras do caminho. 7YAOHÚSHUA retorquiu-lhe: “Mas as Qaotáv também dizem: ‘Não devem provocar YÁOHU UL vosso Criador Eterno. 8Por fim, ha-satán levou-o a um sítio muito alto, e mostrou-lhe as terras do mundo e toda a sua riqueza: 9“Tudo isto te darei se te ajoelhares e me adorares”. 10“Vai-te, ha-satán! As Qaotáv mandam: ‘Adorarás YÁOHU UL, teu Criador Eterno. Só a ele prestarás culto. 11Então ha-satán foi-se embora, e os anjos vieram e serviram YAOHÚSHUA.

YAOHÚSHUA começa a pregar

12-13Quando YAOHÚSHUA soube que YÁOHU-khánam tinha sido preso, saiu da YAOHÚ-dah e voltou para casa, em Nudtzoróth na Galileia. Cedo, porém, se mudou para Kefár-Naokhém, junto ao Mar da Galileia, perto de Zabulón e Neftali.14Assim, se cumpriu a profecia de Yaoshúa-YÁOHU: 15-16
“A terra de Zabulón e de Neftali, junto ao mar, além do Yardayán,”na Galileia onde vivem tantos Gentíles, o povo que andava nas trevas viu uma grande luz; uma luz que brilhará sobre todos os que vivem”na terra da sombra da morte.” 17Dali em diante, YAOHÚSHUA começou a pregar: “Abandonem o pecado e voltem-se para YÁOHU UL, pois o reino dos shua-ólmayao está próximo”.

A chamada dos primeiros discípulos

18-19Certo dia, caminhando ao longo da praia junto ao Mar da Galileia, YAOHÚSHUA viu dois irmãos, Shamiúl, também chamado Káfos, e Andorúl, que num barco pescavam com uma rede, pois eram pescadores por ofício. Então chamou-os: “Venham comigo, e vos mostrarei como ser pescadores de pessoas!”. 20No mesmo momento, deixaram as redes para o seguir. 21Um pouco mais adiante, na praia, viu outros dois irmãos, YÁOHU-caf e YÁOHU-khánam, sentados num barco a remendar as redes, em companhia de Zebedeu, seu pai. Também chamou estes para o seguirem. 22Logo pararam com o trabalho e, deixando o pai, foram com YAOHÚSHUA.

YAOHÚSHUA cura os enfermos

23-25Andava por toda a Galileia, ensinando nas sinagogas dos YAOHÚ-dim e pregando por toda a parte a Mensagem Gloriosa do reino dos shua-ólmayao (céus). Ao mesmo tempo, curava todos os que tinham males e enfermidades. A fama dos seus milagres espalhou-se para lá dos limites da Galileia, de tal modo que em breve começaram a aparecer muitos enfermos em busca de cura, vindo mesmo de regiões tão distantes como a Syria. Qualquer que fosse a doença ou padecimento, e mesmo os possessos dos demónios, os loucos, e os paralíticos, a todos curava. Multidões enormes seguiam-no para onde quer que fosse, gente da Galileia, das Dez Cidades, de Yaohúshua-oléym, e de toda a YAOHÚ-dah, e até do outro lado do Yardayán.

Man-YÁOHU 5
1-2Um dia, enquanto as multidões se reuniam, subiu a encosta do monte com os discípulos, sentou-se e começou a ensinar-lhes estas coisas:

Como ser feliz

3“Bem-aventurados os que, no seu espírito, são como pobres”, dizia-lhes, “porque a eles é dado o reino dos shua-ólmayao.
4Bem-aventurados os que se lamentam, porque serão consolados.
5Bem-aventurados os bondosos e modestos, porque o vasto mundo lhes pertence.
6Bem-aventurados os que anseiam pela justiça, porque decerto a alcançarão.
7Bem-aventurados os misericordiosos, porque a eles será mostrada misericórdia.
8Bem-aventurados aqueles cujo coração é puro, porque verã YÁOHU UL.
9Bem-aventurados aqueles que se esforçam pela paz, porque serão chamados filhos de YÁOHU UL.
10Bem-aventurados os que são perseguidos por cumprirem a vontade de YÁOHU UL, pois é deles o reino dos shua-ólmayao. 11Quando forem maltratados, perseguidos e caluniados por serem meus seguidores, felizes serão vocês por isso.12Alegrem-se com isso! Sim, alegrem-se porque vos espera lá no céu uma enorme recompensa. Lembrem-se de que também os profetas de antigamente foram perseguidos.

Sal e luz

13Vocês são o sal da terra. Se o sal perder o seu sabor, como o recuperará? Será lançado fora e espezinhado como coisa sem valor. 14-16Vocês são a luz do mundo. Uma cidade construída no topo de um monte, toda a gente a vê. Não se acende um candeeiro para o pôr dentro do armário. Não ocultem a vossa luz; deixem que ela brilhe diante de todos. Que as vossas boas obras brilhem também para serem vistas por todos, de tal maneira que louvem o vosso YÁOHU ABí celestial.

O cumprimento da lei

17-18Não julguem erradamente a razão da minha vinda. Não vim para acabar com as leis de Mehushúa ou com os avisos dos profetas. Vim antes para os cumprir e realizar. Digo-vos que nem uma letra ou acento das Qaotáv desaparecerá até que o céu e a terra acabem 19Portanto, se alguém quebrar o mais pequeno mandamento que seja, e ensinar outros a fazerem o mesmo, esse será indigno do reino dos shua-ólmayao. Mas quem obedecer às leis de YÁOHU UL e as ensinar será grande no reino dos shua-ólmayao. 20 Todavia, já vos aviso: a não ser que a vossa obediência a YÁOHU UL seja maior do que a dos profesores da lei e dos Farsyím, de outra forma não poderão entrar no reino dos shua-ólmayao!

Assassínio

21-22As leis de Mehushúa tinham por regra: “Não matarás. E se cometeres assassínio serás sujeito a julgamento.” Mas agora digo-vos que basta o sentimento da ira contra alguém para se cair sob julgamento! Se chamarem estúpido a um amigo, correm o risco de serem levados a tribunal. E se o amaldiçoarem, arriscam-se às chamas do inferno. 23-24Portanto, se estiveres diante do altar do Templo a oferecer um sacrifício a YÁOHU UL e te lembrares de que outra pessoa tem qualquer razão de queixa contra ti, deixa o teu sacrifício sobre o altar, vai, pede perdão e faz as pazes com ela; depois volta e oferece o teu sacrifício a YÁOHU UL. 25Chega depressa a acordo com o teu inimigo antes que seja tarde e ele te arraste perante um tribunal e te vejas lançado na cadeia como devedor. 26Porque ali ficarás até pagares a última moeda.

Adultério

27-28As leis de Mehushúa diziam: “Não cometas adultério”. Eu porém, digo: qualquer que olhar para uma mulher com cobiça, já cometeu adultério com ela no seu coração. 29-30Portanto, se o teu olho, mesmo que seja o que vê melhor, te leva à cobiça, tira-o e arremessa-o para longe de ti. Melhor é que seja destruída uma parte do teu corpo do que seres lançado todo inteiro no inferno. E se a tua mão, mesmo que seja aquela com que fazes mais coisas, te leva ao pecado, corta-a e atira-a para longe de ti. É melhor isso do que ires parar ao inferno.

Divórcio

31-32A lei de Mehushúa ordena: “Se alguém se quiser ver livre da sua mulher, pode divorciar-se dela entregando-lhe uma simples carta de despedimento”. Mas eu digo que um homem que se divorciar da sua mulher, a não ser que ela se prostitua, faz com que ela cometa adultério. E quem com ela casar comete adultério também.

Juramentos

33-37A lei de Mehushúa diz mais: “Não faltarás aos teus juramentos, antes os cumprirás perante YÁOHU UL o que juraste”. Eu, porém, digo: não façam juramentos de espécie alguma. Mesmo dizer, ‘Pelo céu! é já um voto sagrado feito a YÁOHU UL, porque os shua-ólmayao são a sua habitação. E se disserem, ‘Pela terra! também isso é um voto sagrado, porquanto a terra é o estrado dos seus pés. E não jurem, ‘Por Yaohúshua-oléym! porque Yaohúshua-oléym é a capital do grande Molkhiúl (Rei). Não jurem nem mesmo pela vossa cabeça, porque não podem fazer com que um cabelo fique branco ou preto. Diga-se pois simplesmente, ‘Sim ou ‘Não. O que passa daí vem do maligno.

Olho por olho

38-42A lei de Mehushúa diz: “Se um homem arrancar um olho a outro, pagará com o seu próprio olho. Se um dente for arrancado por uma pancada, arranque-se de igual forma o dente de quem fez tal coisa.” Eu porém, digo: Não oponham violência à violência! Se te derem uma bofetada numa das faces, oferece também a outra. Se fores levado a tribunal e te tirarem a camisa, dá-lhes também o casaco. Se um soldado te obrigar a carregar-lhe com a mochila um quilómetro, leva-a dois quilómetros. Dá a quem te pedir, e não fujas de quem te quiser pedir emprestado.

Ama os teus inimigos

43Foi-vos dito: “Ama os teus amigos. Despreza os teus inimigos.” Q 44-45Eu, porém, digo: Amem os vossos inimigos. Bendigam os que vos maldizem. Façam o bem aos que vos odeiam. Orem por quem vos persegue! Assim procederão como verdadeiros filhos do vosso YÁOHU ABí que está no céu. Porque ele faz brilhar o sol tanto sobre os maus como sobre os bons, e manda a chuva cair tanto sobre justos como injustos. 46-48Se amarem só quem vos ama, de que vale isso? Até os que vivem sem YÁOHU UL o fazem. Se forem amigos só dos vossos amigos, em que serão diferentes de qualquer outro? Até os descrentes o fazem. Vocês, porém, devem ser perfeitos, como é perfeito o vosso YÁOHU ABí no céu.”

Man-YÁOHU 6

Dando aos necessitados

1“Cuidado, não pratiquem as boas obras com ostentação, só para serem admirados, porque se o fizerem, perderão a recompensa que o vosso YÁOHU ABí do céu vos dá. 2Quando derem alguma coisa a um pobre, nada de alarde, como fazem os fingidos, tocando trombeta nas sinagogas e nas ruas para chamar a atenção para os seus actos de caridade. Digo-vos com toda a seriedade: esses já receberam toda a recompensa que poderiam ter. 3-4Mas quando fizerem um favor a alguém, façam-no em segredo, sem dizerem à mão esquerda o que faz a direita. Vosso YÁOHU ABí, que conhece todos os segredos, vos recompensará.

Oração

5Quando orarem, não devem ser como os fingidos, que se mostram piedosos, orando publicamente às esquinas das ruas e nas sinagogas, onde toda a gente os pode observar. Na verdade, já receberam a sua recompensa 6Mas tu, quando orares, fecha-te em casa, e ora secretamente ao teu YÁOHU ABí, e ele, que conhece os teus segredos, te dará o galardão. 7-8Não recitem a mesma oração uma vez, e outra, e outra, como os pagãos fazem, julgando que as orações são mais atendidas pela sua repetição constante. Lembrem-se de que o vosso YÁOHU ABí bem sabe aquilo de que necessitam ainda antes de lho pedirem!= 9Devem orar assim:
‘YÁOHU ABí nosso, que estás no céu, que o teu santo Shúam (Nome) seja honrado.
10Pedimos que o teu reino venha. Que a tua vontade seja feita aqui na terra, tal como é feita no céu.
11Dá-nos o pão para o nosso alimento de hoje.
12Perdoa-nos os nossos pecados, assim como perdoamos aos que nos ofendem.
13Não deixes que caiamos durante a tentação, mas livra-nos do mal. Isto te pedimos! 14-15O vosso YÁOHU ABí celestial vos perdoará se perdoarem àqueles que contra vocês pecam; mas, se não quiserem perdoar-lhes, ele não vos perdoará a vocês.

Jejum

16-18Quando jejuarem, não o façam publicamente como os fingidos, que procuram parecer abatidos para despertar admiração. Verdadeiramente, essa é a única recompensa que receberão. Mas apresentem-se o melhor possível, de tal modo que ninguém desconfie de que não ingeriram alimentos, sabendo-o apenas o vosso YÁOHU ABí, que conhece todos os segredos. Ele vos recompensará.

Tesouros no céu

19-21Não arrecadem os vossos lucros aqui na terra, onde podem consumir-se ou ser roubados. Entesourem, sim, no céu, onde nunca perdem o valor e estão a salvo dos ladrões. Se os vossos lucros estiverem no céu, aí também estará o vosso coração. 22-23Se o teu olho for puro, a tua vida será limpa. Mas se o teu olhar for mau, viverás em trevas. E como essas trevas podem ser profundas! 24Não se pode servir dois patrões: YÁOHU UL e o dinheiro. Porque ao se desprezar um, acaba por se preferir o outro.

Não se preocupem

25Portanto, aconselho-vos que não se preocupem com as coisas desta vida, como que hão-de comer e beber, e ter dinheiro e roupa. Não é a vida mais do que o alimento, e o corpo mais do que o vestuário?Ò 26-27Olhem os passarinhos, que não se preocupam com o alimento, não precisam de semear, nem de colher, ou de armazenar comida, pois o vosso YÁOHU ABí celestial é quem os sustenta. E para ele vocês têm muito mais valor do que os passarinhos. As vossas preocupações poderão porventura acrescentar um só momento ao tempo da vossa vida? 28-30E para quê preocuparem-se com o vestuário? Olhem os lírios do campo que não têm cuidados com isso! E, contudo, nem mesmo o rei Shua-ólmoh, em todo o seu esplendor, se vestiu tão belamente como eles. E se YÁOHU UL cuida assim das flores, que hoje nascem e amanhã já não existem, não cuidará porventura de vocês, gente de pouca fé? 31-34Portanto, não se preocupem com a comida e a roupa para vestir. Para quê serem como os incrédulos? Mas o vosso YÁOHU ABí celestial sabe perfeitamente que precisam delas. Dêem pois prioridade ao seu reino e à sua justiça e YÁOHU UL cuidará do vosso futuro. Não se preocupem com o dia de amanhã. O dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta cada dia o seu mal.

Man-YÁOHU 7

Julgar os outros

1-2Não julguem os outros, se não querem que YÁOHU UL vos julgue da mesma maneira. Porque a maneira como julgarem e a medida que usarem serão usadas para convosco. 3-5E porque é que te hás-de preocupar com uma palha no olho do vizinho quando tens uma tábua no teu próprio olho? Como poderias dizer: ‘Amigo, deixa-me ajudar-te a tirar essa palha do teu olho, quando afinal tu mesmo tens uma trave no teu? Isso é hipocrisia! Liberta-te primeiro do que tens na vista e depois então poderás ver para ajudar o teu irmão. 6Não dêem aos cães as coisas santas; eles podem virar-se contra vocês. Não deitem pérolas a porcos, porque as desprezarão, pisando-as.

Peça, procure, bata

7-8Peçam, e receberão o que pedirem. Procurem, que hão-de achar. Batam, que a porta há-de abrir-se. Aquele que pede, recebe. Quem procura, acha. Se baterem, a porta abrir-se-á 9-12Se uma criança pedir um pão ao pai, receberá uma pedra? Se pedir peixe, receberá uma cobra? Claro que não. E se vocês, que são pecadores, sabem dar coisas boas aos vossos filhos, porventura não dará muito mais o vosso YÁOHU ABí do céu coisas boas a quem lhas pedir? Façam aos outros o que querem que vos façam. Ao fim e ao cabo, é isto o que ensinam a lei e os profetas.

Duas portas

13-14Só pela porta estreita se pode entrar no céu. A via para o inferno é larga, e a sua porta é ampla bastante para todas as multidões que escolherem esse caminho fácil. Mas a porta da vida é pequena, o seu caminho é estreito, e poucos o encontram.

A árvore e os seus frutos

15-20Cuidado com os falsos profesores que se disfarçam de ovelhas mansas mas que, afinal, são lobos que o que querem é devorar-vos. Assim como vocês conhecem uma árvore pelos seus frutos, assim também poderão descobrir esses falsos profesores pelo seu procedimento. Decerto não vão colher uvas de um espinheiro, nem figos dos cardos. As qualidades de árvores frutíferas conhecem-se pelos seus frutos. Uma espécie boa não dá fruta que não sirva para comer. E numa árvore que dá maus frutos não se vai colher boa fruta! E as árvores que tenham fruto impróprio para comer acabam por ser cortadas e lançadas no fogo. Sim, uma árvore é conhecida pela qualidade de fruto que dá. 21-23Nem todos os que falam como se fossem gente religiosa o são verdadeiramente. Eles podem chamar-me Molkhiúl (Rei) mas nem por isso entrarão no céu. Porque o que importa é saber se obedecem ao meu YÁOHU ABí do céu ou não. No dia do juízo muitos me dirão: ‘Molkhiúl, Molkhiúl, fizemos em teu Shúam (Nome) pregações inspiradas, e servimo-nos do teu Shúam (Nome) para expulsar demónios e para operar muitos outros milagres. Mas responderei: ‘Nunca vos conheci. Vão-se embora porque as vossas obras são ruins.

A casa sobre a rocha

24-27Todos os que escutam as minhas palavras e as seguem são sábios, como o homem que constrói a sua casa sobre uma rocha sólida. Pode a chuva cair em bátegas, podem vir enchentes, os ventos tempestuosos embater na casa, que ela não desabará, porque se encontra edificada sobre a rocha. Mas quem ouve as minhas palavras e as despreza é insensato, como aquele que constrói a sua casa sobre a areia. Pois, quando vierem as chuvas e as enchentes, quando a ventania se abater sobre a sua casa, esta desabará inteiramente.” 28-29As multidões ficavam pasmadas com os ensinamentos de YAOHÚSHUA, visto que os transmitia como alguém que tinha grande autoridade e não como os dirigentes YAOHÚ-dim.

Man-YÁOHU 8

O leproso

1-2Grandes multidões seguiram YAOHÚSHUA enquanto descia a encosta do monte. E um leproso se aproximou e ajoelhou-se diante dele em adoração. ” YÁOHU UL”, pediu o leproso, “se quiseres, podes curar-me.” 3-4YAOHÚSHUA tocou no homem: “Quero; fica curado”. E logo a lepra depareceu. YAOHÚSHUA disse-lhe então: “Não pares para falar seja com quem for; vai já ter com o intermediário espiritual para que te examine; e leva contigo a oferta exigida pela lei de Mehushúa para os leprosos que se curam, em testemunho público”.

A fé do oficial romano

5-6Quando YAOHÚSHUA chegou a Kefár-Naokhém, apareceu um oficial do exército romano que lhe pediu muito que fosse a sua casa e lhe curasse um rapaz seu criado que se encontrava de cama, paralítico e cheio de dores. 7“Está bem, irei curá-lo.” 8-9Mas o oficial disse: ” YÁOHU UL, não mereço que entres na minha casa. Mesmo sem saires daqui, se disseres: ‘Cura-te, o meu criado ficará bom! Eu sei, porque eu também recebo ordens dos meus superiores e mando nos meus soldados. Digo a este, ‘Vai e ele vai, e àquele, ‘Vem e ele vem; e ao meu criado, ‘Faz isto ou aquilo, e ele faz.”10YAOHÚSHUA, muito bem impressionado, voltou-se para os que o seguiam e disse: “Ainda nem em toda a terra de Yaoshorúl vi fé assim!o 11-12E digo-vos que muitos não YAOHÚ-dim, como este, virão de todas as partes do mundo e sentar-se-ão no reino dos shua-ólmayao com Abruhám, YÁOHUtz-kaq e YÁOHU-caf, enquanto que muitos Yaoshorulítas, para quem aliás o reino foi preparado, serão lançados na escuridão exterior, no lugar de choro e lamentos de desespero.”13E voltando-se para o oficial romano: “Vai para casa. Aquilo em que tinhas tanta fé já se realizou!” O rapaz ficou curado naquela mesma hora.

YAOHÚSHUA cura muitos

14-15Quando chegou a casa de Káfos, a sogra deste estava de cama, cheia de febre. Mas, ao tocar-lhe na mão, a febre desapareceu e ela levantou-se e preparou-lhes uma refeição. 16-17Naquela tarde trouxeram a YAOHÚSHUA várias pessoas dominadas pelos demónios; bastava ele dizer uma palavra para todos os demónios fugirem; e os doentes ficavam curados. Assim se cumpriu a profecia de Yaoshúa-YÁOHU: ‘Ele levou as nossas enfermidades e carregou com as nossas doenças.

O custo de ser discípulo

18Quando YAOHÚSHUA reparou que a multidão engrossava, mandou aos discípulos que se preparassem para atravessar para a outra margem do lago. 19Nesse momento um dos profesores religiosos YAOHÚ-dim disse-lhe: “Maoro-éh, estou pronto a seguir-te para onde quer que fores”. 20“As raposas têm tocas, e as aves têm ninhos; eu, porém, ha-BOR do Homem, não possuo lar próprio nem sítio onde pousar a cabeça.” 21Outro dos seus seguidores disse: ” YÁOHU UL, deixa-me primeiro enterrar o meu pai”. 22“Segue-me já! Os mortos de espírito que cuidem dos seus mortos.”

YAOHÚSHUA acalma a tempestade

23Depois entrou num barco e começou a atravessar o lago com os seus discípulos. 24-25De repente, levantou-se uma grande tempestade com ondas mais altas do que o barco. Mas YAOHÚSHUA dormia. Os discípulos trataram de o acordar: ” Molkhiúl, salva-nos, que vamos ao fundo!” 26“Homens de pouca fé, porque têm assim tanto medo?” E levantando-se, repreendeu o vento e as ondas; a tempestade abrandou e tudo ficou calmo!t 27Os discípulos ficaram de boca aberta, cheios de temor, perguntando uns aos outros: “Quem é este, a quem o próprio vento e o mar obedecem?”

A cura dos endemoninhados

28-29Chegados ao outro lado do lago, na região dos gadarenos, dois indivíduos dominados pelos demónios foram ao seu encontro. Viviam num cemitério, e eram tão perigosos que ninguém podia passar por ali. Começaram a gritar: “Que queres tu de nós, ha-BOR de YÁOHU UL? Não tens direito de nos atormentar ainda” 30-31A certa distância andava uma vara de porcos a pastar, e os demónios pediram: “Se nos vais expulsar, manda-nos para aquela vara de porcos.” 32“Está bem, vão.” Eles saíram daqueles homens, entraram nos porcos, e a vara inteira caiu por um despenhadeiro abaixo, afogando-se na água. 33-34Os porqueiros fugiram para a cidade mais próxima, contando o sucedido, e toda a gente veio ver quem era YAOHÚSHUA, chegando até a pedir-lhe que se fosse embora e os deixasse em paz.

Man-YÁOHU 9

YAOHÚSHUA cura o paralítico

1-2Depois, YAOHÚSHUA meteu-se num barco e atravessou o lago para Kefár-Naokhém, que era a sua cidade. Logo alguns homens lhe trouxeram, numa esteira, um rapaz paralítico. Quando YAOHÚSHUA reparou na fé deles, disse ao doente: “Coragem, filho, porque já perdoei os teus pecados!” 3“Que ofensa a YÁOHU UL! Esse homem é como se se considerasse o próprio YÁOHU UL!”, murmuravam entre si alguns chefes religiosos. 4YAOHÚSHUA soube o que eles pensavam: “Porque são tão ruins os vossos pensamentos? 5O que é mais fácil dizer, ‘os teus pecados são perdoados, ou dizer ‘levanta-te e anda ?u 6Ora, vou provar que tenho autoridade aqui na terra para perdoar pecados.” E, voltando-se para o rapaz paralítico, disse-lhe: “Levanta-te, enrola a tua esteira e vai para casa pelo teu pé!” 7E este levantou-se e foi para casa 8Um clamor de espanto percorreu a multidão quando viu isto acontecer. E louvavam YÁOHU UL por ter dado tal autoridade aos homens!

A chamada de Man-YÁOHU

9Ia YAOHÚSHUA a descer a estrada quando se dirigiu a um cobrador de impostos, Man-YÁOHU, sentado num balcão de cobrança: “Segue-me, sê meu discípulo”. E logo Man-YÁOHU, abandonando de pronto o seu posto, o acompanhou. 10-11Mais tarde, estava YAOHÚSHUA com os seus discípulos a comer em casa de Man-YÁOHU, e sentaram-se também bom número de gente conhecida como pouco escrupulosa, como convidados. Os Farsyím ficaram chocados com aquilo. “Porque se junta o vosso Maoro-éh com gente desta laia?”, perguntaram eles aos discípulos. 12-13Mas YAOHÚSHUA, que os ouvira, respondeu: “Porque não são os que têm saúde que precisam de médico, são os doentes. Têm de aprender o que significa esta passagem das Qaotáv: ‘Mais do que os vossos sacrifícios, quero provas da vossa bondade. Eu vim a este mundo para chamar os pecadores para que se voltem para YÁOHU UL. Não vim para os que já se consideram a si próprios bons.”

YAOHÚSHUA é interrogado sobre jejum

14Um dia, os discípulos de YÁOHU-khánam Baptista foram ter com YAOHÚSHUA: “Porque é que os teus discípulos não jejuam como nós fazemos e como fazem também os Farsyím?” 15-17YAOHÚSHUA respondeu: “Acham que os convidados do noivo devem ficar tristes enquanto o noivo está com eles? Contudo, virá o tempo em que o esposo será tirado do meio deles. Então jejuarão. E quem remendaria roupa velha com fazenda que ainda não encolheu? O remendo rasgaria a roupa e o buraco ficava pior ainda. Ou quem guardaria o vinho novo em barris velhos? Estes rebentariam com a pressão, o vinho entornar-se-ia e os barris ficariam estragados. Para guardar vinho novo só se utilizam barris novos. Assim ambos se conservam.”

Uma menina morta e uma mulher doente

18Enquanto falava deste modo, o dirigente da sinagoga local aproximou-se e adorou-o: “A minha filha acaba de morrer, mas tu tens poder para a fazer viver de novo; basta que venhas e toques nela”. 19-21Quando YAOHÚSHUA e os discípulos iam a caminho da casa do dirigente, uma mulher, que havia doze anos sofria de uma perda de sangue interna, aproximou-se dele por detrás e tocou-lhe na borda do manto, pois pensava: “Basta eu tocar-lhe para ficar curada.” 22YAOHÚSHUA voltou-se e disse à mulher: “Filha, tudo vai bem; a tua fé te curou!” E a mulher ficou boa a partir daquele momento.23Quando chegou a casa do chefe da sinagoga e viu a multidão agitada, e ouviu a música de funeral, mandou:! 24“Saiam todos lá para fora, porque a menina não está morta; dorme apenas!” Mas riram-se dele 25Por fim, quando toda aquela gente saiu, YAOHÚSHUA entrou no aposento onde a menina estava deitada e pegou-lhe na mão; logo ela se levantou de pronto, em perfeita saúde. 26A notícia deste milagre correu toda a região.

YAOHÚSHUA cura cegos e mudos

27Ia YAOHÚSHUA a sair da casa da menina quando dois cegos se puseram a segui-lo, gritando: “Ó ha-BOR do rei Dáoud, tem piedade de nós!” 28E entraram mesmo na casa onde ele ficava; até que YAOHÚSHUA lhes perguntou: “Crêem que vos posso dar de novo a vista?””Sim, Molkhiúl, cremos.” 29Então, pousando a mão sobre os seus olhos, YAOHÚSHUA disse: “Assim será, pela fé de que vocês deram provas!” 30-31E logo recuperaram a vista! YAOHÚSHUA, no entanto, recomendou-lhes rigorosamente que não contassem o caso a ninguém. Mas eles espalharam a sua fama por toda a região.32Deixando aquele lugar, encontrou um mudo, que o era por ser possuído de um demónio 33YAOHÚSHUA expulsou o demónio, e logo o homem pôde falar. Como a multidão ficou maravilhada! “Nunca em Yaoshorúl vimos coisas assim!”34Mas os Farsyím diziam: “Se consegue expulsar demónios é porque um demónio o possui a ele. Está pois dominado por ha-satán, rei dos demónios!”

Os trabalhadores são poucos

35-36YAOHÚSHUA andava por todas as cidades e aldeias da região, ensinando nas sinagogas e anunciando a Mensagem Gloriosa do reino. Aonde quer que ia, curava toda a casta de enfermidades. E sentia grande pena das multidões que apareciam com problemas enormes, sem saberem que fazer nem onde procurar auxílio! Eram como ovelhas sem apacentador. 37-38“A seara é tão grande, e tão poucos os trabalhadores”, disse aos discípulos. “Orem a YÁOHU UL da seara e peçam-lhe que chame mais trabalhadores para as suas searas.”

Man-YÁOHU 10

YAOHÚSHUA envia os doze discípulos

1Chamando os doze discípulos para junto de si, YAOHÚSHUA deu-lhes autoridade para expulsar os espíritos maus e curar toda a espécie de doenças e enfermidades. 2-4Estes são os nomes dos doze emisários: Shamiúl, também chamado Káfos; Andorúl, irmão de Káfos; YÁOHU-caf, filho de Zebedeu; YÁOHU-khánam, irmão de YÁOHU-caf; Felipe; Bartolomeu; Tomé; Man-YÁOHU, o cobrador de impostos; YÁOHU-caf, filho de Alfeu; YAOHÚ-dah; Shamiúl o cananeu; e Yudas Ish-Kerióth, que acabou por o trair. 5-6YAOHÚSHUA enviou-os com as seguintes instruções: “Não vão aos Gentíles nem aos Shomroním, mas só ao povo de Yaoshorúl, às ovelhas perdidas de YÁOHU UL 7Vão e anunciem-lhes que o reino dos shua-ólmayao está próximo 8Curem os doentes, dêem vida aos mortos, sarem os leprosos e expulsem os demónios. Dêem generosamente, tal como generosamente receberam! 9-10Não levem dinheiro convosco. Não levem sacos de viagem com mudas de roupa e calçado, nem sequer um bordão; pois quem deve alimentar-vos e cuidar de vocês são aqueles a quem ajudarem. 11-13Sempre que entrarem numa cidade ou aldeia, procurem um homem piedoso e fiquem na sua casa até partirem para a cidade seguinte. Quando pedirem licença para ficar, sejam delicados. E se de facto for um lar onde se respeite YÁOHU UL, dêm-lhe a vossa bênção; se não for, não a dêem. 14-15Em qualquer cidade ou casa que não vos receber, sacudam dos pés o pó daquele lugar, quando se retirarem. Certamente que as cidades ímpias de Sodoma e Gomorra estarão em situação melhor do que elas no dia do juízo. 16-18Envio-vos como ovelhas para o meio dos lobos. Sejam cautelosos como as serpentes, e simples como pombas. Mas fiquem sabendo, contudo, que hão-de ser presos, julgados e açoitados nas sinagogas. Sim, julgados diante de governadores e reis por minha causa. Terão, então, ocasião de falar de mim, de dar o vosso testemunho perante o mundo. 19-20Quando forem presos, não se preocupem com o que hão-de dizer no vosso julgamento, porque vos serão inspiradas as palavras certas no momento certo. Pois não serão vocês quem falará, mas o RÚKHA (Espírito) do vosso YÁOHU ABí celestial, pela vossa boca! 21-23Um irmão chegará a entregar outro irmão à morte, e os pais trairão os próprios filhos. Os filhos levantar-se-ão contra os pais e os farão morrer. Todos vos odiarão por causa do meu Shúam (Nome). Mas aqueles que resistirem até ao fim serão salvos. Quando forem perseguidos numa cidade, fujam para a seguinte. Voltarei antes de terem passado por todas as cidades de Yaoshorúl. 24-26O aluno não é mais do que o seu chefe, nem o trabalhador está acima do capataz. O aluno tem o mesmo destino que o seu professor, o empregado o mesmo que o patrão! E se a mim, que sou dono da casa, me chamam ha-satán, quanto mais não o farão a vocês! Mas não tenham medo de quem vos ameaça, pois nada há encoberto que não venha a revelar-se, nem há nada de escondido que não venha a ser conhecido.¸ 27O que agora vos digo só a vocês, gritem-no às claras quando amanhecer. O que vos segredo aos ouvidos, gritem-no dos terraços! 28Não receiem quem mais não pode fazer do que matar-vos o corpo sem poder atingir a vossa alma! Só YÁOHU UL devem temer, que pode lançar no inferno tanto a alma como o corpo. 29-31Nem um pardal – que vale menos que uma moeda – poderá cair no chão sem que o vosso YÁOHU ABí o saiba. Os próprios cabelos da vossa cabeça estão contados. Portanto, não se preocupem! Para ele, vocês valem mais do que muitos pardais juntos. 32-33Se alguém me reconhecer diante de todos como seu YÁOHU UL, eu o reconhecerei como meu diante do meu YÁOHU ABí (Pai) no céu. Mas se alguém me negar publicamente, eu o renegarei publicamente diante do meu YÁOHU ABí no céu. 34-35Não julguem que vim trazer paz à terra! Não, antes vim trazer conflitos. De facto vim para lançar um homem contra o seu pai, a filha contra a mãe, a nora contra a sogra. 36-37Os piores inimigos de um homem estarão justamente dentro da sua própria casa! Se amarem mais o vosso pai e mãe do que a mim, não merecem ser meus; se amarem o vosso filho ou filha mais do que a mim, não merecem ser meus. 38Se recusarem levar a vossa poste e seguir-me, não merecem ser meus. 39Se se agarrarem à vida, perdê-la-ão; se a perderem por amor de mim, salvá-la-ão. 40Quem vos receber, é a mim que recebe. Quem me acolhe, acolhe YÁOHU UL, que me enviou. 41Se acolherem alguém que vos fale em Shúam (Nome) de YÁOHU UL, receberão a mesma recompensa do que ele. Se derem acolhimento a uma pessoa boa e piedosa, por causa desta mesma piedade, receberão recompensa igual à dela.= 42E se alguém der nem que seja um copo de água a um dos mais pequenos dos meus discípulos, digo-vos que, na verdade, náo ficará de modo algum sem recompensa.”

Man-YÁOHU 11

YAOHÚSHUA e YÁOHU-khánam Baptista

1Dadas estas instruções aos seus doze discípulos, YAOHÚSHUA saiu a pregar nas cidades que tencionava visitar. 2-3YÁOHU-khánam Baptista, que então estava preso, soube dos milagres que hol-MEHUSHKHÁY (o Messías) andava a realizar, pelo que enviou os seus discípulos para que perguntassem a YAOHÚSHUA: “És tu realmente aquele por quem esperamos, ou devemos continuar a aguardar?” 4YAOHÚSHUA respondeu-lhes: “Voltem e contem a YÁOHU-khánam os milagres que me viram fazer: 5os cegos que curei, os coxos que agora andam, os leprosos sarados, os surdos que ouvem, os mortos que voltaram à vida; e falem-lhe na minha pregação da Mensagem Gloriosa aos pobres. 6E dêem-lhe também este recado: ‘Bem-aventurados são aqueles que não se escandalizam de mim. 7-9Quando os discípulos de YÁOHU-khánam se foram embora, YAOHÚSHUA começou a falar acerca dele à multidão. “Quando foram ao deserto para ver YÁOHU-khánam, com quem é que esperavam que ele se parecesse? Com a erva agitada pelo vento? Ou esperavam ver um homem vestido como um príncipe num palácio? Seria um profeta? Sim, e ele é mais do que um simples pregador da palavra de YÁOHU UL. 10 YÁOHU-khánam é o homem de quem as Qaotáv falam:
‘Diante de ti envio o meu mensageiro para preparar o povo para te receber. 11-14 Sem dúvida que, de todos os homens nascidos neste mundo, nenhum brilha mais do que YÁOHU-khánam Baptista. E, contudo, até o menor no reino dos shua-ólmayao é maior do que ele! Desde que YÁOHU-khánam Baptista começou a pregar e a baptizar, se faz violência contra o reino dos shua-ólmayao e se tenta entrar nele por força. Todos os homens de YÁOHU UL e a própria lei profetizaram até que YÁOHU-khánam apareceu. E se estão dispostos a compreender, dir-vos-ei que ele é como o profeta Uli-YÁOHU, aquele cuja vinda foi anunciado que se daria antes de hol-MEHUSHKHÁY (o Messías) 15Quem está disposto a ouvir, que me escute bem! 16-19Que direi eu desta nação? Esta gente é como as crianças que brincam e dizem aos amigos: ‘Brincámos aos casamentos e ninguém se quis alegrar; então brincámos aos funerais, e também ninguém quis ficar triste. Vei YÁOHU-khánam Baptista, e lá porque não bebe vinho e nem jejua com frequência dizem, ‘Tem demónio. Vim eu, ha-BOR do Homem, e porque aceito ir a uma celebração e beber o vinho que me é oferecido, logo se queixam de que sou comilão e bebedor, e de que ando em má companhia! Mas sem dúvida que a sabedoria é justificada pelas suas obras.”

Aviso às cidades impenitentes

20Então, começou a censurar as cidades onde tinha realizado a maior parte dos seus milagres por, apesar disso, não se terem voltado para YÁOHU UL. 21-22“Oy de ti, Corazim e oy de ti, Bóhay Shua-odái! Porque, se os milagres que fiz nas vossas ruas tivessem sido praticados em Tiro e Sidom, há muito que o seu povo se teria arrependido com vergonha e humildade. Verdadeiramente, Tiro e Sidom estarão melhor do que vocês no dia do juízo!- 23-24E tu, Kefár-Naokhém, cheia de luxo e vaidade como és, baixarás ao inferno! Porque, se os milagres espantosos que operei em ti tivessem tido lugar em Sodoma, ela ainda hoje aqui estaria. Seguramente que Sodoma está melhor do que tu no dia do juízo!”

Descanso para os cansados

25-26E YAOHÚSHUA orou assim: ” YÁOHU ABí, Molkhiúl (Rei) do céu e da terra, graças te dou por teres escondido estas coisas àqueles que se julgam muito sábios, e por as revelares aos que são como as criancinhas! Sim, YÁOHU ABí (Pai), agradeço porque achaste bem fazer assim! 27Todas as coisas me foram confiadas pelo meu YÁOHU ABí. Só YÁOHU ABí conhece ha-BOR, e só ha-BOR e aqueles a quem ha-BOR o revela, conhecem YÁOHU ABí. 28-30Venham a mim todos os que estão cansados e oprimidos e eu vos aliviarei. Levem o meu jugo e aprendam de mim, porque sou brando e humilde, e acharão descanso para as vossas almas; pois só vos imponho cargas suaves e leves.”

Man-YÁOHU 12

Molkhiúl (Rei) do Shábbos (Sábado)

1-2Sucedeu por aquela altura que YAOHÚSHUA atravessava umas searas com os seus discípulos. Era Shábbos, o dia de repouso YAOHÚ-di, e como os discípulos sentiam fome, começaram a partir espigas de trigo e a comer o grão. Mas alguns Farsyím que os viram fazer isto protestaram: “Os teus discípulos estão a ir contra a lei, colhendo no dia de Shábbos!” 3-4Mas YAOHÚSHUA disse-lhes: “Nunca leram o que o rei Dáoud fez quando ele e os companheiros estavam com fome? Entrou no Templo e todos eles comeram o pão sagrado, coisa que só os intermediários podiam fazer. Também isto era contra a lei. 5-6E nunca leram na lei de Mehushúa que os intermediários de serviço no Templo podiam trabalhar no Shábbos? Pois aqui está um que é maior do que o Templo! 7-8Mas se conhecessem o que quer dizer esta passagem das Qaotáv: ‘Mais do que as vossos sacrifícios, quero provas da vossa bondade, não teriam condenado quem não tem culpa. Porque eu, ha-BOR do Homem, sou Molkhiúl (Rei) do próprio Shábbos (Sábado).” 9-10Depois foi para a sinagoga, e viu ali um homem com uma das mãos aleijada. Os Farsyím perguntaram-lhe: “A lei permite trabalhar fazendo curas no dia de Shábbos?” (Esperavam, é claro, que ele respondesse “Sim”, para desta forma poderem acusá-lo.) 11-12A sua resposta foi: “Se um de vocês tivesse uma única ovelha e no Shábbos ela caísse num poço, não trabalhariam para a salvar, naquele dia? Quanto mais não vale uma pessoa do que uma ovelha! Evidentemente que é justo fazer bem num Shábbos.” 13E, voltando-se para o homem: “Estende o braço”. Quando ele o fez, a mão doente ficou igual à sã!

O servo escolhido por YÁOHU UL

14-16Então os Farsyím juntaram-se para combinar a prisão e morte de YAOHÚSHUA. Mas ele, sabendo o que tramavam, saiu da sinagoga, seguido de muita gente. E curou quantos doentes haviam entre eles, avisando-os, contudo, de que não deviam contar os seus milagres. 17Assim se cumpriu a profecia de Yaoshúa-YÁOHU a seu respeito:
18“Olhem o meu servo. Vejam o meu escolhido. Ele é o meu amado, em quem a minha alma tem prazer. Porei o meu RÚKHA (Espírito) sobre ele, e julgará as nações.
19Não discute nem grita; não levanta a voz!
20Não esmaga a cana trilhada, nem apagará o pavio que fumega ainda. Com a sua vitória final, acabará com todos os conflitos,
21e o seu (Nome) Shúam será a esperança do mundo inteiro.”

YAOHÚSHUA e ha-satán

22Então um cativo do demónio, cego e mudo ao mesmo tempo, foi trazido a YAOHÚSHUA, que o curou de modo que o homem já falava e via 23-24A multidão, cheia de espanto, exclamava: “Não será este ha-BOR de Dáoud, hol-MEHUSHKHÁY (o Messías)?” Mas, quando os Farsyím souberam do milagre, puseram-se a dizer: “Expulsa os demónios pelo poder de ha-satán, principe dos demónios.” 25YAOHÚSHUA, conhecendo os seus pensamentos, respondeu: “Um reino dividido vai parar à ruína. Uma cidade ou uma casa dividida contra si mesma não se aguenta de pé.- 26Se ha-satán expulsa ha-satán, está lutando contra si próprio, destruindo o seu próprio reino. 27Se, como vocês dizem, expulso os demónios com a ajuda do poder de ha-satán, a que poder recorrem os vossos, quando fazem o mesmo? Eles que respondam à vossa acusação! 28Mas, se expulso os demónios pelo RÚKHA-YÁOHU, então é porque o reino de YÁOHU UL já está no vosso meio. 29Não se pode roubar a casa dum homem forte sem primeiro o amarrar. Só então poderão os seus demónios ser expulsos. 30Quem não está comigo é contra mim, e quem comigo não ajunta, espalha. 31Todo o pecado ou blasfémia pode ser perdoado – excepto a blasfémia contra o RÚKHA hol-HODSHÚA (Espírito Santo), a qual nunca será perdoada. 32Até o dizer mal de mim, ou mesmo qualquer outro pecado, pode ser perdoado, menos um: falar contra o RÚKHA hol-HODSHÚA; isso jamais terá perdão, seja neste mundo seja no mundo futuro. 33-37Uma árvore conhece-se pelo fruto que dá. Uma árvore de qualidade escolhida dá bons frutos; as árvores ruins não o dão. Vocês são como serpentes! Como podem homens maus, como vocês, falar o que é bom e justo? Pois o homem fala consoante o que tem no coração. Um homem bom, ao falar, revela os ricos tesouros que traz consigo. O homem de coração mau anda cheio de veneno, que aparece naquilo que diz. E garanto-vos: no dia do juízo hão-de dar conta de cada palavra leviana que tiverem dito. O que agora dizem aponta para o vosso destino; pelas vossas palavras serão aprovados ou condenados.”

O sinal de YAOHÚ-nah

38Certo dia, alguns dos chefes YAOHÚ-dim, incluindo Farsyím, foram ter com YAOHÚSHUA pedindo-lhe um milagre que provasse ser ele hol-MEHUSHKHÁY (o Messías). 39YAOHÚSHUA respondeu-lhes: “Só uma nação má e incrédula pediria mais alguma prova; mas não receberá nenhuma, salvo o que aconteceu ao profeta YAOHÚ-nah! 40Pois assim como YAOHÚ-nah passou três dias e três noites dentro daquele grande peixe, assim também eu, ha-BOR do Homem, ficarei nas entranhas da terra três dias e três noites. 41Os homens de Nineveh hão-de erguer-se contra esta nação no julgamento e vos condenarão. Quando YAOHÚ-nah lhes pregou, arrependeram-se. Agora que está aqui alguém que é maior do que YAOHÚ-nah, não querem crer nele. 42A rainha de Sheba se levantará contra esta nação no julgamento e a condenará; pois veio de uma terra distante para escutar a sabedoria de Shua-ólmoh; e agora que está aqui quem é maior do que Shua-ólmoh, não querem crer nele. 43-45Esta nação má é como um demónio dominando uma pessoa: se o demónio se for embora, vai para os lugares desertos durante algum tempo, procurando descanso sem o encontrar, até que diz: ‘Vou voltar para a pessoa de quem saí. Assim, volta e encontra o coração daquele indivíduo desocupado, limpo e tudo em ordem! Então, o demónio vai buscar outros sete espíritos ainda piores do que ele próprio, e todos entram na tal pessoa para morar dentro dela. E deste modo fica pior do que antes.”

A mãe e os irmãos de YAOHÚSHUA

46-47Estando YAOHÚSHUA a ensinar numa casa cheia de gente, a sua mãe e seus irmãos estavam do lado de fora e queriam falar-lhe. Quando alguém lhe disse que se encontravam ali, respondeu: 48“Quem é a minha mãe? E quem são os meus irmãos?” 49E, apontando para os seus discípulos: “Estes é que são a minha mãe e os meus irmãos. 50Todo aquele que obedecer ao meu YÁOHU ABí (Pai) do céu é meu irmão, minha irmã e minha mãe!”

Man-YÁOHU 13

A parábola do semeador

1-2Mais tarde, naquele mesmo dia, YAOHÚSHUA saiu de casa e desceu para a praia. Logo se juntou uma multidão imensa, pelo que, entrando num barco, ensinava dali enquanto o povo escutava. 3E explicou-lhes muitas coisas através de ilustrações, tais como esta narrativa:”Um lavrador andava a semear nos seus campos. 4Enquanto espalhava a semente na terra, alguma caiu ao lado dum caminho, e vieram os pássaros e comeram-na. 5-6Outra caiu em terra pedregosa e pouco profunda; as plantas depressa nasceram no chão pouco espesso, mas logo o calor do sol as queimou, pelo que murcharam e morreram por terem tão fraca raiz 7Outras sementes cairam entre espinhos, que abafaram as folhas tenras 8Outras, porém, caíram em chão bom, e deram uma colheita de trinta, sessenta ou mesmo cem vezes o que tinha sido semeado 9Quem sabe ouvir, então que ouça!” 10Os discípulos foram ter com ele e perguntaram-lhe: “Porque usas sempre estes exemplos falando por imagens e não claramente?” 11Então explicou-lhes que só a eles, e não aos outros, era permitido entender o reino dos shua-ólmayao 12-13“Para aqueles que estão abertos aos meus ensinos, mais entendimento será dado, e tê-lo-ão em abundância; mas para aqueles que não querem escutar, até o pouco que tiver lhe será tirado. Por isso conto estas parábolas assim, em que os que não são receptivos às verdades espirituais ouvem e vêem, mas não percebem por lhes parecerem coisas sem sentido. 14-15Assim se cumpre a profecia de Yaoshúa-YÁOHU:
‘Ouvem mas não entendem; olham mas não vêem! Porque o seu coração está endurecido; são duros de ouvido, e fecharam os olhos de sono, de tal modo que não verão, nem ouvirão, nem entenderão, nem se voltarão para YÁOHU UL, nem me deixarão curá-los. 16-17Mas felizes são vocês porque sabem ver e ouvir. Muitos profetas e muitos crentes desejaram ver o que vocês têm visto e ouvir o que têm ouvido, mas não puderam. 18Agora, aqui está a explicação do que contei acerca do agricultor que andava a semear:Q 19O caminho trilhado junto do qual caíram algumas das sementes representa o coração de quem ouve a Mensagem Gloriosa, as boas novas do reino, e as não entende; ha-satán vem e arranca as sementes do coração dessa pessoa. 20-21O solo pedregoso é o coração de quem ouve a mensagem e a recebe com alegria sincera. Todavia, não há muita profundidade na sua vida, pelo que as sementes não deitam raízes muito fundas; mas aparecem dificuldades ou começa a perseguição por causa da sua crença, o entusiasmo dessa pessoa apaga-se e ela vai-se embora. 22O terreno coberto de cardos representa aquele que ouve e aceita a mensagem, mas as preocupações desta vida, e a ambição da riqueza abafam a palavra de YÁOHU UL, por isso não dá fruto 23O terreno bom representa o coração de quem ouve a mensagem e a entende; e produz fruto trinta, sessenta e mesmo cem vezes mais do que aquilo que foi semeado.”

A ilustração do joio

24-27Esta foi outra comparação que YAOHÚSHUA usou: “O reino dos shua-ólmayao é como um lavrador que semeou boa semente no seu campo. Mas uma noite, enquanto os trabalhadores dormiam, veio o seu inimigo que semeou joio entre o trigo. Quando a seara começou a crescer, o joio cresceu também. Os homens daquele lavrador vieram dizer-lhe: ‘Capatáz, o campo onde semeaste aquela semente escolhida está cheio de joio! 28‘Foi obra de algum inimigo, explicou ele. ‘Queres que arranquemos o joio?, perguntaram os homens. 29-30‘Não. Se fizerem isso, estragam o trigo. Deixem ambos crescer juntos até à colheita, e eu direi aos ceifeiros que tirem primeiro o joio e o queimem, e que metam o trigo no celeiro.

A ilustração da semente de mostarda e do fermento

31-32Ainda outra das suas comparações: “O reino dos shua-ólmayao é como uma semente muito pequenina, de mostarda, plantada num campo. Sendo uma semente das mais pequenas, torna-se depois um grande arbusto, e cresce até ser uma planta onde as aves podem encontrar abrigo”. 33YAOHÚSHUA deu também este exemplo: “O reino dos shua-ólmayao pode ser comparado a uma mulher que está a fazer pão. Pega numa medida de farinha e mistura-a com fermento até que este penetre em toda a massa”. 34-35YAOHÚSHUA servia-se muito de narrativas assim quando falava ao povo. De facto os antigos profetas tinham dito que ele usaria de muitas parábolas destes; ele nunca falava às pessoas sem contar ilustrações. Porque assim se cumpriu o que tinham anunciado sobre ele:
“Falarei por parábolas; explicarei enígmas escondidos desde o princípio dos tempos.”

Explicação da ilustração do joio

36Então entrou em casa, depois de despedir o povo, e os discípulos pediram-lhe muito que explicasse a história do joio e do trigo.5 37-39“É assim. Eu sou o lavrador que lança a semente escolhida. O campo é o mundo e a semente representa o povo do reino; o joio é o povo que pertence ao maligno. O inimigo que semeou o joio entre o trigo é ha-satán; a colheita é o fim do mundo e os ceifeiros são os anjos. 40-43Assim como nesta ilustração o joio é apartado e queimado, assim também será no fim do mundo: mandarei os meus anjos, que apartarão do reino tudo o que provoca o pecado e todos os que sejam maus, e os lançarão na fornalha e os queimarão. Ali haverá choro e lamentos de desespero. Então os justos brilharão como o sol no reino do seu YÁOHU ABí. Quem tem ouvidos e sabe ouvir, que ouça!

A ilustração do tesouro escondido e da pérola

44O reino de shua-ólmayao é como um tesouro que um homem descobriu num campo. Todo entusiasmado, vendeu o que tinha para arranjar dinheiro suficiente a fim de comprar o campo e ficar com o tesouro! 45-46O reino dos shua-ólmayao é ainda como um negociante que procura pérolas de alta qualidade. Ao descobrir um bom negócio, uma pérola de grande valor, vendeu tudo o que possuía para a adquirir.

A ilustração da rede

47-51O reino dos shua-ólmayao também pode comparar-se a um pescador que lança a rede e apanha peixes de toda a espécie, uns bons, outros sem valor. Quando a rede está cheia, arrasta-a para a praia, senta-se e encaixota os peixes que são bons para comer, deitando fora os outros. Assim será também no fim do mundo; os anjos virão para separar os maus dos bons, lançando os maus no fogo; ali haverá choro e lamentos de desespero. Compreendem agora?” “Sim, compreendemos.”52Então acrescentou: “Aqueles que são entendidos na lei dos YAOHÚ-dim e agora se fizeram meus discípulos terão tesouro dobrado: da antiga aliança e também da nova!”

Um profeta sem honra

53-54Quando YAOHÚSHUA acabou de contar estas ilustrações, voltou para a cidade de onde era, Nudtzoróth da Galileia, ensinando aí na sinagoga e espantando a todos com a sua sabedoria e milagres. 55-56“Como é isto possível?”, dizia o povo. “É simplesmente filho de um carpinteiro, e conhecemos Maoro-ém, a mãe dele, e os seus irmãos, YÁOHU-caf, YÁOHU-saf, Shamiúl e YAOHÚ-dah, e também as irmãs, que moram todas aqui. Como é que arranjou esta sabedoria?” 57E incomodavam-se com a presença dele. Então YAOHÚSHUA disse-lhes:”Um pregador é honrado em toda a parte excepto na sua própria terra e no seio do seu próprio povo!” 58Por isso, ali poucos milagres fez, por causa da falta de fé deles.

Man-YÁOHU 14

A morte de YÁOHU-khánam Baptista

1-2Quando o rei Herod ouviu a fama de YAOHÚSHUA, disse aos seus homens: “Este deve ser YÁOHU-khánam Baptista, que voltou à vida. Por isso é que faz tais milagres.”a 3-4Com efeito Herod tinha prendide YÁOHU-khánam, acorrentando-o no cárcere por causa de Herodias, que era mulher de seu irmão Felipe; visto que YÁOHU-khánam tinha dito que não lhe era lícito tomá-la por mulher 5Por sua vontade, teria matade YÁOHU-khánam, mas receava que houvesse tumultos, pois o povo inteiro tinha YÁOHU-khánam na conta de profeta. 6-8Todavia, numa celebração de anos de Herod, a filha de Herodias deu-lhe grande agrado pela forma como dançou. Então jurou dar-lhe o que ela quisesse. Ouvindo isto, a jovem, incitada pela mãe, pediu a cabeça de YÁOHU-khánam Baptista numa bandeja!´ 9O rei ficou afligido, mas, por causa do juramento que fizera, não quis voltar com a palavra atrás na presença dos convidados, e deu as ordens necessárias. 10-11Assim YÁOHU-khánam foi degolado no cárcere e a sua cabeça trazida numa bandeja e entregue à jovem, que a levou à mãe 12Os discípulos de YÁOHU-khánam foram pedir o corpo e sepultaram-no, contando a YAOHÚSHUA o sucedido.

YAOHÚSHUA alimenta cinco mil homens

13Depois de ter recebido a notícia, YAOHÚSHUA saiu sozinho num barco para uma região deserta, a fim de ficar a sós. Mas o povo, vendo para onde ele se havia dirigido, seguiu-o por terra, vindo de muitas vilas 14Quando saiu do barco, YAOHÚSHUA viu aquela grande multidão à sua espera e, com dó deles, curou os que estavam doentes. 15Ao cair da tarde, os discípulos foram ter com ele e disseram-lhe: “Já é tarde, e aqui neste local isolado não há nada que se coma; manda este povo retirar-se para que possa ir às povoações comprar alimento.” 16YAOHÚSHUA, porém, respondeu: “Não é preciso; alimentem-no vocês!” 17“Mas como? Temos só cinco pãezinhos e dois peixes!” 18“Tragam-me isso aqui”, disse YAOHÚSHUA. 19-21Então mandou o povo sentar-se sobre a erva e, pegando nos cinco pães e dois peixes, levantou os olhos para o céu, pedindo a bênção de YÁOHU UL para aquela refeição; depois partiu os pães e deu-os aos discípulos para que os levassem ao povo. Todos comeram até ficarem satisfeitos. Quando os restos foram recolhidos, as sobras enchiam doze cestos! Nesse dia, a multidão era de uns cinco mil homens, não falando em mulheres e crianças.

YAOHÚSHUA anda sobre a água

22-24Logo depois disto, disse aos discípulos que entrassem para o barco deles e atravessassem para a outra margem do lago, enquanto ele ficaria ali com o povo até que partissem para as suas casas. Feito isto, subiu à montanha para orar. Caiu a noite; mas no lago os discípulos tinham dificuldades, pois tinha-se levantado vento e o mar estava bravo. 25-27Cerca das quatro horas da madrugada, YAOHÚSHUA foi ter com eles, caminhando sobre a água! Assustados, puseram-se a gritar, julgando ser algum fantasma. Mas YAOHÚSHUA logo lhes falou e os acalmou: “Não tenham medo!” 28Então Káfos gritou-lhe: ” Molkhiúl, se realmente és tu, manda-me ir ter contigo caminhando sobre a água.” 29-30“Vem”, disse YAOHÚSHUA. Káfos saiu pela borda do barco e caminhou por cima da água em direcção a YAOHÚSHUA. Mas, olhando em torno, sentindo o vento forte, ficou apavorado e começou a afundar-se: ” Molkhiúl, salva-me!” 31Logo YAOHÚSHUA lhe estendeu a mão e o socorreu: “Homem de pouca fé, porque duvidaste?” 32-33Quando subiram para o barco, o vento cessou. Os outros ficaram cheios de espanto: “Realmente, és ha-BOR de YÁOHU UL!” 34-36E aportaram a Gan Nudtzoróth. A notícia da sua chegada depressa se espalhou por todos os arredores, e em breve as pessoas estavam a trazer todos os seus doentes para serem curados. Os doentes pediam-lhe muito que os deixasse tocar nem que fosse na borda da sua roupa, e todos os que assim faziam ficavam bons.

Man-YÁOHU 15

Puro e impuro

1Chegaram então de Yaohúshua-oléym alguns Farsyím e outros dirigentes YAOHÚ-dim para se avistarem com YAOHÚSHUA:a 2“Porque desobedecem os teus discípulos aos antigos costumes YAOHÚ-dim? Não acatam o nosso ritual de lavagem das mãos antes de comer.” 3Ao que YAOHÚSHUA respondeu:”E porque será que os vossos velhos costumes vão contra os mandamentos bem claros de YÁOHU UL? 4Por exemplo, a lei de YÁOHU UL ordena: ‘Respeita o teu pai e a tua mãe; quem amaldiçoar os seus pais morrerá. 5Mas vocês dizem: ‘Mesmo que os teus pais estejam a passar mal, podes dar a YÁOHU UL o dinheiro que seria para o sustento deles. 6E assim, aproveitando-se de uma regra feita pelos homens, contrariam a ordem directa de YÁOHU UL de que devem respeitar e cuidar dos vossos pais. 7-9Fingidos! Bem falou Yaoshúa-YÁOHU, há muito, a vosso respeito:
‘Este povo diz que me honra, mas o seu coração anda afastado. Os seus actos de adoração de nada valem porque eles ensinam leis feitas pelos homens “em vez de leis vindas de YÁOHU UL. 10-11Então YAOHÚSHUA gritou ao povo: “Escutem o que vos digo e procurem entender: Não é o que comem que vos torna impuros. O que vos suja são as vossas palavras e pensamentos.” 12Os discípulos disseram-lhe: “Escandalizaste os Farsyím com aquela observação.” 13-14E YAOHÚSHUA: “Toda a planta não plantada por meu YÁOHU ABí será arrancada; portanto, não se preocupem com eles. São cegos condutores de cegos, e todos cairão no barranco.” 15Káfos pediu a YAOHÚSHUA que explicasse o que queria dizer aquilo de uma pessoa não ser contaminada pelo que possa ou não comer. 16-19“Então não compreendem?”, perguntou-lhe YAOHÚSHUA, “Não vêem que tudo o que se come passa pelo estômago e é lançado fora? Mas as palavras más saem de um coração mau e sujam quem as diz. Porque do coração vêm os maus pensamentos, mortes, adultérios, prostituição, roubos, mentiras e calúnias. Estas coisas é que contaminam. 20Mas a pessoa não fica impura só por comer sem lavar as mãos.”

A fé da mulher cananita

21YAOHÚSHUA deixou então aquela parte do país e foi até Tiro e Sidom. 22Uma mulher de Canaã que ali residia veio ter com ele, e pediu-lhe muito: “Tem pena de mim, Molkhiúl, ha-BOR do rei Dáoud! Porque a minha filha tem dentro dela um demónio que anda sempre a atormentá-la!” 23YAOHÚSHUA não lhe deu resposta. Os discípulos começaram a insistir com ele para que a mandasse embora: “Diz-lhe que se vá; aquela lamúria incomoda-nos.” 24YAOHÚSHUA disse então à mulher: “Fui mandado a socorrer os YAOHÚ-dim – as ovelhas perdidas de Yaoshorúl – não os Gentíles.” 25Ela aproximou-se e adorou-o, suplicando novamente: ” Molkhiúl, ajuda-me!” 26“Não está certo tirar o pão aos filhos e dá-lo aos cães”, disse ele.27“É verdade, sim; mas até aos cachorrinhos debaixo da mesa se permite que comam as migalhas que vão caindo.”28“Mulher, a tua fé é grande; o teu pedido foi satisfeito.” E a filha ficou curada naquele mesmo momento.

YAOHÚSHUA alimenta quatro mil homens

29YAOHÚSHUA voltou para o Mar da Galileia e, subindo a uma montanha, sentou-se ali. 30-31Uma enorme multidão trouxe-lhe os coxos, cegos, aleijados, mudos e muitos outros, pondo-os diante de YAOHÚSHUA que os curou a todos. Pessoas que até ali não eram capazes de dizer uma palavra falavam agora com alvoroço; os aleijados recuperavam a saúde, os coxos andavam e saltavam, e os cegos tornavam a ver! A multidão, maravilhada, louvava YÁOHU UL de Yaoshorúl.32Então YAOHÚSHUA chamou os discípulos para perto de si e disse: “Sinto pena desta gente, que há três dias está aqui comigo e já não tem nada que comer; não quero mandá-los embora com fome, não vão eles desfalecer pelos caminhos.”33Os discípulos responderam: “E onde arranjaremos aqui num deserto o suficiente para sustentar tantas pessoas?” 34“Que comida aí têm?””Sete pães e alguns peixinhos!” 35-38YAOHÚSHUA ordenou a todo o povo que se sentasse no chão, e, tomando os sete pães e os peixes, deu graças a YÁOHU UL, dividiu-os em pedaços e entregou-os aos discípulos, que os distribuiram pela multidão. E cada qual comeu até se fartar. Eram quatro mil homens, não contando mulheres e crianças. Quando as sobras foram recolhidas, sobejaram sete cestos cheios 39YAOHÚSHUA mandou então o povo para casa e, entrando no barco, atravessou para Magdala.

Man-YÁOHU 16

Os religiosos pedem um sinal

1Um dia, os Farsyím e os Tzadiqím resolveram pôr YAOHÚSHUA à prova e pediram-lhe que fizesse qualquer grande sinal em shua-ólmayao. 2-4Mas ele respondeu: “Vocês sabem ler os sinais do tempo, por exemplo, que o céu vermelho à tardinha significa bom tempo para a manhã seguinte, e céu vermelho pela manhã é mau tempo para o dia inteiro, e, contudo, não sabem ler os sinais dos tempos! Esta nação má e sem fé pede um sinal em shua-ólmayao, mas a única prova que terá será a que foi dada a YAOHÚ-nah.” E deixou-os.

O fermento dos Farsyím e Tzadiqím

5Chegados ao outro lado do lago, os discípulos notaram que se tinham esquecido de levar comida. 6“Cuidado”, avisou YAOHÚSHUA. “Acautelem-se do fermento dos Farsyím e dos Tzadiqím.” 7E julgaram que ele dissesse isto por se terem esquecido de levar pão. 8-11YAOHÚSHUA, porém, lendo nos seus pensamentos, disse-lhes: “Homens de pouca fé! Por que se preocupam tanto por não terem comida? Nunca chegaram a compreender? Não se lembram já dos cinco mil que alimentei com cinco pães e dos cestos cheios que sobraram? Ou dos quatro mil que sustentei e do que ainda restou? Como puderam pensar que eu me estivesse a referir à comida? Uma vez mais vos digo: Acautelem-se do fermento dos Farsyím e dos Tzadiqím.” 12Só então perceberam que, ao falarem fermento, se referia às doutrinas dos Farsyím e dos Tzadiqím.

A confissão de Káfos acerca de YAOHÚSHUA

13Quando chegou a Cesareia de Felipe, YAOHÚSHUA perguntou aos discípulos: “Quem diz o povo que eu sou?” 14“Bem, alguns dizem que és YÁOHU-khánam Baptista, outros que és Uli-YÁOHU, outros ainda que és Yarmi-YÁOHU ou um dos outros antigos profetas.” 15Então perguntou-lhes: “E vocês, quem pensam que eu sou?” 16Shamiúl Káfos respondeu: “Tu és ha-MEHUSHKHÁY, ha-BOR de YÁOHU UL vivo.” 17-19” YÁOHU UL abençoou-te, Shamiúl, filho de YAOHÚ-nah, porque quem te revelou isso pessoalmente foi o meu YÁOHU ABí do céu; não é pensamento humano. Tu és Káfos; e sobre essa rocha edificarei a minha Oholyáo (Congregação); nem as forças todas do inferno nada poderão fazer contra ela. Dar-te-ei as chaves do reino dos shua-ólmayao; todas as portas que fechares na terra serão fechadas no céu; e todas as que abrires na terra serão abertas no céu!”

YAOHÚSHUA prediz a sua morte

20-21Então avisou os discípulos de que ainda não deveriam contar a outros que ele era hol-MEHUSHKHÁY (o Messías). A partir daí, começou a falar claramente aos discípulos na sua futura ida a Yaohúshua-oléym e no que ali lhe ia acontecer: que sofreria às mãos dos dirigentes YAOHÚ-dim, que seria morto e que três dias depois ressuscitaria. 22Káfos chamou-o à parte e repreendeu-o. ” YÁOHU UL o não permita, Molkhiúl; isso não te há-de acontecer!” 23Mas YAOHÚSHUA, voltando-se para ele, respondeu: “Afasta-te, ha-satán! És uma armadilha para mim. Olhas as coisas do ponto de vista humano e não do ponto de vista de YÁOHU UL.” 24-26E disse aos discípulos: “Quem quiser ser meu seguidor tem de se esquecer de si próprio, tomar a sua poste e seguir-me. Porque todo aquele que guarda a sua vida para si mesmo perdê-la-á; e todo aquele que perder a vida por mim achá-la-á de novo. Que lucra alguém em ganhar o mundo inteiro se perder a vida? Que há que valha mais do que a sua vida?” 27-28Porque eu, ha-BOR do Homem, virei com os meus anjos na glória de meu YÁOHU ABí e julgarei cada qual conforme as suas obras. E alguns de vocês que aqui estão agora certamente viverão para me ver chegar no meu reino.”

Man-YÁOHU 17

YAOHÚSHUA transfigura-se

1-2Seis dias depois, YAOHÚSHUA levou Káfos, YÁOHU-caf e seu irmão YÁOHU-khánam ao topo de um monte. Enquanto olhavam, o aspecto de YAOHÚSHUA mudou de tal maneira que o seu rosto brilhava como o sol e as suas vestes ficaram de uma brancura deslumbrante. 3De súbito, Mehushúa e Uli-YÁOHU apareceram e puseram-se a falar com YAOHÚSHUA 4Káfos, emocionado, disse: ” Molkhiúl, é maravilhoso podermos estar aqui! Se quiseres, farei três abrigos: um para ti, outro para Mehushúa e outro ainda para Uli-YÁOHU”. 5Enquanto falava, uma nuvem brilhante desceu sobre eles e uma voz que dela saía disse: “Este é o meu ha-BOR (Filho) amado, em quem sinto enorme prazer. Obedçam-lhe.”6Ao ouvirem isto, os discípulos curvaram-se e inclinaram o rosto, muito assustados. 7YAOHÚSHUA então aproximou-se e tocou-lhes. “Levantem-se, não tenham medo”. 8Quando tornaram a olhar, apenas YAOHÚSHUA estava com eles.9Enquanto desciam do monte, YAOHÚSHUA mandou-lhes que só contassem o que tinham visto quando ele se levantasse de entre os mortos. 10E os discípulos perguntaram-lhe: “Porque dizem os chefes YAOHÚ-dim que Uli-YÁOHU deve voltar antes de hol-MEHUSHKHÁY (o Messías)?” 11-12YAOHÚSHUA respondeu: “Eles têm razão. Uli-YÁOHU vem para pôr tudo em ordem. Mas é que ele já veio e não o reconheceram: e muita gente o maltratou. Eu, ha-BOR do Homem, também morrerei às mãos deles.”Y 13Então os discípulos perceberam que era a YÁOHU-khánam Baptista que se referia.

A cura do rapaz endemoninhado

14Quando acabaram de descer do monte, esperava-os uma multidão enorme. Um homem ajoelhou-se diante dele e disse: 15-16” Molkhiúl, tem piedade do meu filho, que anda mal da cabeça e em grande aflição, pois de vez em quando cai no lume ou na água. Já o trouxe aos teus discípulos, mas não conseguiram curá-lo.” 17-18YAOHÚSHUA respondeu: “Ó gente teimosa e sem fé! Até quando terei de vos suportar? Tragam-me aqui o rapaz.” YAOHÚSHUA repreendeu o demónio que estava dentro daquele rapaz e ele deixou-o, ficando bom a partir dali. 19Os discípulos perguntaram a YAOHÚSHUA quando estavam a sós: “Porque foi que não conseguimos expulsar aquele demónio?” 20-21“Por causa da vossa pouca fé. Ainda que ela fosse tão pequena como uma semente de mostarda, poderiam dizer a esta montanha: Sai daqui! e ela sairia. Nada vos seria impossível. Porém, esta casta de demónios não sai senão à força de oração e jejum.” 22-23Um dia, estavam ainda na Galileia, YAOHÚSHUA disse-lhes: “Vou ser atraiçoado e entregue ao poder daqueles que me hão-de matar, mas três dias depois viverei de novo.” O coração dos discípulos encheu-se de tristeza.

O imposto do Templo

24Ao chegarem a Kefár-Naokhém, os cobradores de impostos do Templo procuraram Káfos e perguntaram-lhe: “O vosso Maoro-éh não paga impostos?” 25“Claro que paga”, respondeu ntrando em casa para discutir o assunto com YAOHÚSHUA, este, antes que Káfos começasse a falar, perguntou-lhe: “Que achas, Káfos? Os reis lançam tributo sobre o seu povo ou sobre os estrangeiros que conquistaram?” 26-27“Sobre os estrangeiros”, respondeu Káfos.”Ora, se assim é”, continuou YAOHÚSHUA, “os nacionais não têm que pagar. Contudo, não vamos contrariá-los; vai, pois, à praia, lança a linha e abre a boca do primeiro peixe que apanhares. Encontrarás ali uma moeda que vale o bastante para pagar o imposto por nós ambos; leva-a e paga-lhes.”

Man-YÁOHU 18

O maior no reino dos shua-ólmayao

1Por aquele tempo, os discípulos perguntaram a YAOHÚSHUA qual deles seria o maior de todos no reino dos shua-ólmayao. 2-3YAOHÚSHUA chamou uma criancinha, pô-la no meio deles e disse: “Se não se mudarem totalmente a direcção das vossas vidas e se não se tornarem como criancinhas, jamais entrarão no reino dos shua-ólmayao. 4Pois aquele que se tornar pequeno e simples como esta criança será como o maior de todos no reino dos shua-ólmayao. 5E qualquer que receber uma criança como esta, em meu Shúam (Nome), esse estará a receber-me a mim. 6Mas se qualquer de vocês fizer com que um destes pequeninos que crêem em mim perca a fé, melhor seria que fosse atirado ao mar com uma pedra de moer amarrada ao pescoço. 7-9Oy do mundo por causa de todas as suas maldades! A tentação de fazer mal nunca desaparece, mas oy daquele que provocar a tentação! Portanto, se a tua mão ou o teu pé te fizerem pecar, corta-os e deita-os fora. Mais vale entrar aleijado no céu do que estar no inferno com ambas as mãos e ambos os pés. E se o teu olho te fizer pecar, arranca-o e deita-o fora. Mais vale entrar com um só olho no céu do que estar no inferno com os dois.

A ilustração da ovelha perdida

10Cuidado, não desprezem nem somente uma destas crianças. Porque vos digo que, no céu, os seus anjos podem sempre ver o meu YÁOHU ABí. 11Eu, ha-BOR do Homem, vim para salvar os perdidos. 12-13Se um homem tiver cem ovelhas e uma delas se afastar e perder, que fará ele? Não deixará as outras noventa e nove, e não irá pelos montes em busca da que se perdeu? E, se a encontrar, com certeza que se alegrará mais por ela do que pelas outras noventa e nove que ficaram seguras em casa! 14É, de facto, assim: Meu YÁOHU ABí não quer que nenhum destes pequeninos se perca.”

O irmão que peca contra outro

15-16Se um irmão pecar contra ti, vai ter com ele e mostra-lhe a sua falta. Se te ouvir e a confessar, terás ganho outra vez um irmão. Mas, se não o fizer, então leva contigo um ou dois outros e vai ter com ele novamente, provando tudo quanto disseres pela presença dessas testemunhas. 17-18Se, mesmo assim, não quiser escutar-te, então leva o caso diante da Oholyáo (Congregação) de crentes, e se esta resolver a teu favor, mas ele não aceitar, então a congregação deve considerá-lo como um estranho. Na verdade tudo o que proibirem na terra ficará proibido no céu, e tudo o que permitirem na terra será permitido no céu 19-20E mais vos digo que, se dois de vocês concordarem aqui na terra acerca de qualquer coisa que queiram pedir, meu YÁOHU ABí que está no céu o fará por vocês. Pois onde dois ou três se juntarem por serem meus, aí estarei eu também.”

A ilustração do servo sem misericórdia

21Então Káfos foi ter com ele e perguntou-lhe: ” YÁOHU UL, quantas vezes devo perdoar a um irmão que pecar contra mim? Sete vezes, talvez?” 22“Não!”, respondeu YAOHÚSHUA. “Setenta vezes sete! 23-24O reino dos shua-ólmayao pode comparar-se com um rei que resolveu pôr as suas contas em dia. Enquanto o fazia, foi-lhe trazido um dos seus devedores que lhe devia dez mil moedas de ouro 25-27Como não pudesse pagar, o rei mandou que ele, sua mulher e filhos, e todos os seus bens, fossem vendidos para liquidar a dívida. Mas o homem ajoelhou-se diante do rei e implorou-lhe: ‘Molkhiúl, tem paciência, que eu pago-te tudo. O rei, com pena dele, soltou-o e perdoou-lhe a dívida. 28-30Mas, mal saiu da presença do rei, o homem foi ter com outro que lhe devia uns tostões, e, agarrando-o pelo pescoço, exigiu-lhe que pagasse logo ali. O homem ajoelhou-se e pediu-lhe muito que lhe desse mais algum tempo. ‘Tem paciência que eu pago, prometeu. Mas o credor é que não queria esperar e mandou o homem ser metido na prisão até pagar toda a dívida. 31Os amigos do preso foram ter com o rei e contaram-lhe o que se tinha passado. 32O rei mandou chamar o homem a quem tinha perdoado e disse-lhe: ‘Miserável! Perdoei-te a tua enorme dívida por mo teres pedido, 33e tu não devias ter pena dos outros, como eu tive de ti? 34Então, o rei, muito zangado, mandou o homem para a cadeia até pagar o último escudo que devia. 35O mesmo fará o meu YÁOHU ABí celestial convosco se não quiserem perdoar verdadeiramente os vossos irmãos.”

Man-YÁOHU 19

O divórcio

1-2Após ter dado estes ensinos, YAOHÚSHUA saiu da Galileia e passou pela outra margem do Yardayán para voltar para a YAOHÚ-dah. Grandes multidões o seguiam, e curou os doentes. 3Alguns Farsyím foram ter com YAOHÚSHUA, para o experimentar, e perguntaram-lhe: “Permites o divórcio?” 4-6“Não lêem as Qaotáv? Nelas está escrito que, no princípio, YÁOHU UL criou o homem e a mulher, e que o homem deve deixar seu pai e sua mãe e unir-se para toda a vida à mulher que escolheu. Assim os dois passam a ser um; não serão mais dois, mas um só. E nenhum homem tem direito de separar o que YÁOHU UL juntou.” 7“Então”, tornaram os Farsyím, “porque disse Mehushúa que um homem pode divorciar-se da sua mulher, mandando-a embora só com uma carta de despedimento?” 8-9“Mehushúa fez isso por causa da dureza e maldade do vosso coração, mas não era assim que YÁOHU UL queria. E agora vos digo que todo aquele que se divorciar da sua mulher, salvo em caso de infidelidade, e se casar com outra, comete adultério.” 10Os discípulos disseram-lhe: “Sendo assim o melhor é não casar!” 11-12“Nem todos podem aceitar isso; só aqueles a quem YÁOHU UL ajuda. Alguns nascem já incapazes para o casamento, e outros há que são incapacitados pelos homens, e alguns outros, ainda, não querem casar-se por causa do reino dos shua-ólmayao. Quem puder, aceite o que digo.”

YAOHÚSHUA e as crianças

13Havia pessoas que traziam criancinhas a YAOHÚSHUA para que pousasse sobre elas as mãos e orasse. Os discípulos, porém, ralhavam: “Não o incomodem”. 14YAOHÚSHUA disse: “Deixem que as crianças venham a mim. Não as devem impedir, porque o reino dos shua-ólmayao destina-se a quem é como elas.”a 15E, pondo as mãos sobre as suas cabeças, abençoou-as antes de se ir embora.

O homem rico

16Um rapaz aproximou-se e fez esta pergunta: “Tav Maoro-éh, que devo praticar de bom para alcançar a vida eterna?”17“Por que me perguntas acerca do que é bom? Verdadeiramente bom só YÁOHU ULHÍM o é. Para responder à tua pergunta, podes entrar na vida se guardares os mandamentos.” 18“Quais?”, perguntou o jovem YAOHÚSHUA respondeu: “Não matarás, não cometerás adultério, não roubarás, não mentirás. 19Respeitarás teu pai e tua mãe, e amarás o teu próximo como a ti mesmo.” 20“Esses mandamentos sempre eu os guardei desde a minha mocidade”, respondeu. “Que mais preciso de fazer?” 21“Se queres ser perfeito, vai, vende tudo o que tens, dá o dinheiro aos pobres e ganharás um tesouro no céu, e vem e segue-me.” 22Ao ouvir isto, o rapaz foi-se embora triste, porque era muito rico. 23-24YAOHÚSHUA disse aos discípulos: “É quase impossível um rico entrar no reino dos shua-ólmayao. É mesmo mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha do que um rico entrar no reino de YÁOHU UL.” 25Estas palavras fizeram confusão aos discípulos: “Então quem se salva neste mundo?” 26YAOHÚSHUA olhou para eles e respondeu: “Humanamente falando, ninguém. Mas a YÁOHU UL tudo é possível.” 27“Nós deixámos tudo para te seguir. Que proveito tiramos disso?”, disse Káfos. 28“Quando eu, ha-BOR do Homem, me sentar no meu glorioso trono no reino, vocês, meus discípulos, estarão também sentados em doze tronos, para julgar as doze tribos de Yaoshorúl. 29-30Todo aquele que abandonar a sua casa, irmãos, pai, mãe, mulher, filhos ou bens, para me seguir, receberá cem vezes tanto em paga e terá a vida eterna. Mas muitos que agora são os primeiros virão a ser os últimos; e alguns que são agora os últimos virão a ser os primeiros.”

Man-YÁOHU 20

A ilustração dos trabalhadores na vinha

1-2Esta é outra ilustração do reino dos shua-ólmayao: “O dono de uma propriedade saiu cedo certa manhã para contratar trabalhadores para a sua vinha. Combinou pagar-lhes uma moeda por dia e mandou-os trabalhar. 3-6Duas horas depois, passando por uma praça, viu ali alguns homens à procura de trabalho. Então mandou-os ir também para os seus campos, dizendo-lhes que pagaria no fim do dia o que fosse justo. Ao meio dia, e também perto da três da tarde, fez o mesmo. Às cinco horas daquela tarde, outra vez na cidade, viu mais alguns por ali e perguntou-lhes: ‘Porque estiveram sem fazer nada o dia inteiro? 7‘Porque ninguém nos contratou. O dono da propriedade disse-lhes: ‘Então vão juntar-se aos outros nos meus campos. 8-11Naquela noite disse ao pagador que reunisse os homens e lhes pagasse, começando pelos últimos. Quando os homens contratados às cinco horas da tarde foram pagos, cada um recebeu uma moeda. Os outros contratados mais cedo, quando foram receber o seu salário, julgavam que lhes seria pago mais, mas também eles receberam o mesmo. Puseram-se então a refilar:- 12‘Aqueles só trabalharam uma hora, e, afinal, tu pagaste-lhes o mesmo que a nós que trabalhámos o dia inteiro, à torreira do sol. 13-15‘Amigo, respondeu o lavrador a um deles, ‘não fui injusto contigo! Não aceitaste trabalhar o dia inteiro por uma moeda? Toma-a e vai-te, porque resolvi pagar o mesmo a todos. Não tenho eu o direito de dar o meu dinheiro como quiser? Zangas-te porque sou bondoso? 16Assim, os últimos serão os primeiros, e os primeiros serão os últimos.”

YAOHÚSHUA avisa de novo da sua morte

17-19Já a caminho de Yaohúshua-oléym, YAOHÚSHUA tomou os doze discípulos à parte e falou-lhes no que lhe ia acontecer quando chegassem. “Serei entregue por traição aos principais intermediários e os profesores da lei, que me condenarão à morte e me entregarão ao governo romano. Farão pouco de mim e serei impalado, mas ao terceiro dia voltarei a viver.”

O pedido de uma mãe

20Nisto, a mãe de YÁOHU-caf e YÁOHU-khánam, filhos de Zebedeu, trouxe-os a YAOHÚSHUA e, inclinando-se, pediu um favor. 21“Que queres?” perguntou YAOHÚSHUA, e ela adiantou:”Que deixes, no teu reino, os meus dois filhos sentarem-se em lugares de honra junto de ti, um à tua direita e outro à tua esquerda”. 22“Vocês não sabem o que pedem!”, e perguntou-lhes: “São capazes de beber do mesmo cálice amargo de que vou beber daqui a pouco tempo?””Sim, somos.”23“É certo que beberão dele”, disse YAOHÚSHUA, “mas não me compete dizer quem se sentará junto de mim. Esses lugares estão guardados para quem meu YÁOHU ABí escolher.” 24Os outros dez discípulos ficaram ofendidos quando souberam do pedido de YÁOHU-caf e YÁOHU-khánam. 25Mas YAOHÚSHUA reuniu-os e disse: “Entre os descrentes, os governantes até podem ser tiranos e os grandes mandam nos que estão abaixo deles. 26No vosso meio, porém, será muito diferente. 27Quem quiser ser o principal entre vocês deve ser vosso servo, e quem quiser ser o primeiro deve tornar-se o vosso escravo. 28A vossa maneira de proceder deve ser a mesma que a minha, porque eu, ha-BOR do Homem, não vim para ser servido, mas para servir e dar a minha vida para salvação de muitos.”

Dois cegos vêem

29Quando YAOHÚSHUA e os discípulos deixavam a cidade de Yáricho, foram seguidos por enorme multidão. 30Dois cegos que estavam sentados à beira da estrada, ouvindo dizer que YAOHÚSHUA vinha por ali, começaram a gritar: “Molkhiúl, ha-BOR do rei Dáoud, tem pena de nós!” 31A multidão bem lhes dizia que se calassem, mas cada vez gritavam mais alto. 32-33Chegando YAOHÚSHUA ao lugar onde se encontravam, parou na estrada e perguntou: “Que querem vocês que eu faça?””Molkhiúl, queremos ver!” 34YAOHÚSHUA cheio de pena deles, tocou-lhes nos olhos e logo ficaram a ver. E seguiam-no.

Man-YÁOHU 21

A entrada de YAOHÚSHUA em Yaohúshua-oléym

1Quando YAOHÚSHUA e os discípulos se aproximavam de Yaohúshua-oléym, já perto da vila de Beth-Páge, no Monte das Oliveiras, YAOHÚSHUA mandou que dois deles fossem à sua frente, à vila 2-3“Logo à entrada verão uma jumenta ali amarrada com a cria ao lado. Desamarrem-nas e tragam-nas cá. Se alguém vos perguntar o que fazem, respondam apenas: ‘O Maoro-éh precisa delas, e não haverá dificuldade.”” 4-5Assim se ia cumprir a antiga profecia:
“Digam a Yaohúshua-oléym que o seu rei vem a ela humildemente montado numa cria de jumento.” 6-7Os dois discípulos fizeram como YAOHÚSHUA lhes disse e trouxeram-lhe os animais, pondo as suas roupas em cima do jumentinho. YAOHÚSHUA montou-o. 8Muita gente começou a pôr as suas capas ao longo da estrada à sua frente, enquanto outras cortavam ramos das árvores e os espalhavam diante dele. 9O povo ia tanto à frente como por detrás, bradando:
“Que YÁOHU UL abençoe ha-BOR do rei Dáoud – “aquele que vem no Shúam (Nome) de YÁOHU UL!” “Haolul-YÁOHU UL nos altos shua-ólmayao!” 10Toda a cidade de Yaohúshua-oléym ficou em alvoroço quando ele entrou. “Quem é este?”, perguntava-se. 11E o povo respondia: “É YAOHÚSHUA, o Profeta de Nudtzoróth da Galileia!”

YAOHÚSHUA no Templo

12YAOHÚSHUA entrou no Templo, expulsou os mercadores e afastou as mesas dos que trocavam dinheiro e as bancas dos que vendiam pombos: 13“Dizem as Qaotáv que o meu Templo é um lugar de oração, mas vocês o transformaram num abrigo de exploradores e burlões.” 14-15Entretanto, os cegos e os aleijados vinham ter com ele, e curava-os ali no Templo. Mas quando os principais intermediários e profesores da lei viram aqueles milagres espantosos e ouviram as próprias crianças gritando no Templo: ” YÁOHU UL abençoe ha-BOR de Dáoud!”, ficaram inquietos e indignados, e perguntaram-lhe: “Ouves o que dizem estas crianças?” 16“Ouço, sim. Vocês nunca leram as Qaotáv que dizem: ‘Até as criancinhas o louvarão? a 17Depois disto, voltou para Bóhay-Anyáo, onde passou a noite.

A figueira mirra

18-19De manhã, quando ia de novo para Yaohúshua-oléym, sentiu fome. Vendo uma figueira à beira da estrada, aproximou-se para verificar se teria figos, mas só havia folhas. E disse à figueira: “Que nunca mais dês frutos!” E logo mirrou. 20Os discípulos ficaram pasmados: “Como foi que a figueira secou tão depressa?” 21-22“Certamente que, se tiverem fé e não duvidarem, poderão fazer coisas como esta, e muito mais. Poderão até dizer a este Monte das Oliveiras, ‘Atira-te ao mar e ele o fará. Se tiverem fé, poderão obter tudo o que pedirem em oração”, respondeu YAOHÚSHUA.

A autoridade de YAOHÚSHUA contestada

23Estando já a ensinar no Templo, os principais intermediários e outros dirigentes YAOHÚ-dim foram ter com ele para saber com que autoridade fazia estas coisas. 24“Dir-vos-ei, se primeiro me responderem a uma pergunta:g 25 YÁOHU-khánam Baptista foi mandado por YÁOHU UL ou não?”Eles puseram-se a falar entre si, pensando: “Se dissermos que foi mandado por YÁOHU UL, ele pergunta logo porque não demos crédito às palavras de YÁOHU-khánam. 26Se negarmos que foi YÁOHU UL quem o enviou, o povo aqui presente é bem capaz de se atirar a nós, porque o tem na conta de enviado de YÁOHU UL.” 27Por fim, responderam: “Não sabemos” YAOHÚSHUA respondeu: “Também não responderei à vossa pergunta.”

A ilustração dos dois filhos

28-29Que acham acerca disto? Um homem que tinha dois filhos disse ao mais velho: ‘Filho, vai trabalhar hoje na herdade. ‘Não vou, respondeu. Mas, pensando melhor, sempre acabou por ir.¸ 30Depois, disse ao mais novo, ‘Vai tu também!, e ele respondeu, ‘Sim pai, vou já, acabando por não ir. 31Qual dos dois obedeceu ao pai? Responderam: “O primeiro, sem dúvida” epois explicou o que queria dizer com essa ilustração. “Garanto-vos que os homens maus e as mulheres de má vida entrarão antes de vocês no reino de YÁOHU UL. 32Porque YÁOHU-khánam Baptista disse-vos para se arrependerem e se voltarem para YÁOHU UL, e vocês não quiseram, ao contrário de muitos homens maus e mulheres dessas que se arrependeram. Apesar de terem visto isso, não quiseram arrepender-se, e assim nunca chegaram a crer.

A ilustração dos lavradores desonestos

33Agora ouçam: Certo proprietário plantou uma vinha com uma sebe em volta; construiu um lagar e uma casa para o guarda, e arrendou a vinha a uns lavradores a troco de uma participação na vindima, e depois foi viver para outro país. 34-36Quando chegaram as vindimas, mandou os seus empregados ir ter com os lavradores para receber a parte que lhe competia. Mas os lavradores assaltaram aqueles, espancaram um, mataram outro e apedrejaram um terceiro. Então o dono mandou um grupo ainda maior para cobrar a sua parte, e o resultado foi o mesmo. 37-39Por fim, mandou o filho, pensando que certamente o respeitariam. Os lavradores, porém, ao verem o filho aproximar-se, disseram entre si: ‘Aí vem o herdeiro da propriedade; vamos matá-lo e ficaremos com ela! Arrastaram-no para fora da vinha e mataram-no. 40Quando o dono voltar, que acham vocês que fará àqueles lavradores?” 41Os dirigentes YAOHÚ-dim responderam: “Dará morte severa àqueles homens perversos e arrendará a vinha a outros que sejam pontuais no pagamento”. 42YAOHÚSHUA perguntou-lhes: “Nunca leram nas Qaotáv:
‘A pedra rejeitada pelos construtores”foi a que veio a ser escolhida para pedra de apoio! Coisa notável foi essa; foi um admirável acto de YÁOHU UL. 43Por isso garanto que o reino de YÁOHU UL vos será tirado e entregue a um povo que dê a YÁOHU UL a sua parte na colheita. 44Todo aquele que tropeçar nesta pedra da verdade será feito em pedaços; e aqueles sobre os quais ela cair serão esmagados como o pó.” 45-46Quando os principais intermediários e os Farsyím perceberam que eram eles os lavradores da história que YAOHÚSHUA tinha contado, resolveram ver-se livres dele, mas tinham medo de o fazer por causa do povo, que aceitava YAOHÚSHUA como homem de YÁOHU UL.

Man-YÁOHU 22

A ilustração do banquete de casamento

1YAOHÚSHUA usou de mais uma ilustração para dar uma ideia do reino dos shua-ólmayao: ‘ 2-3“O reino dos shua-ólmayao pode ser compreendido com o que aconteceu a certo rei que preparou um grande banquete de casamento para o filho. Convidaram-se muitas pessoas, e quando o banquete estava pronto, mandou mensageiros avisar que eram horas de irem. Todos, porém, se desculparam. 4-6Então mandou outros criados para lhes dizer: ‘Está tudo pronto, e o assado está no forno. Apressem-se! Mas os convidados não fizeram caso, indo tratar dos seus negócios, um para a quinta, o outro para a loja; outros ainda bateram nos mensageiros do rei e trataram-nos vergonhosamente, chegando a matar alguns. 7-10O monarca, muito zangado, mandou as tropas, deu cabo dos assassinos, incendiou-lhes a cidade e disse aos criados: ‘A celebração de casamento está pronta e aqueles que convidei não merecem tal honra. Vão pelos cruzamentos e convidem todos os que encontrarem. Os criados assim fizeram, mandando entrar as pessoas que lhes apareciam e que aceitavam, fossem elas boas ou más, até que o salão do banquete ficou repleto. 11Quando o rei entrou para conhecer os convidados, reparou que certo homem não usava o trajo de cerimónia 12‘Amigo, como é possível teres vindo sem trajo de casamento? E o homem não teve resposta que desse. 13Então o monarca disse aos seus súbditos: ‘Atem-no de pés e mãos e lancem-no lá fora na escuridão, onde há choro e lamentos de desespero. 14Porque muitos são chamados, mas poucos escolhidos.”

Pagar impostos a César?

15Os Farsyím juntaram-se para arranjar maneira de apanhar YAOHÚSHUA em falso, fazendo-o dizer qualquer coisa que lhes desse motivo para o prender. 16Resolveram mandar alguns dos seus homens juntamente com os herodianos para lhes fazer esta pergunta: ” YÁOHU UL, sabemos que és sincero e ensinas a verdade sem te preocupares com o que possa acontecer, sem teres medo, sem aceitares favores. 17Ora diz-nos: estará certo pagarmos impostos ao governo romano ou não?” 18-20Mas YAOHÚSHUA percebeu a sua intenção e exclamou: “Fingidos! Porque é que querem experimentar-me? Ora mostrem-me uma moeda.” E eles entregram-lhe uma moeda pequena. “De quem é a figura nela cunhada? E de quem é este nome por baixo?” 21“De César”, responderam.”Ora bem, dêem a César o que é de César, e a YÁOHU UL o que é de YÁOHU UL.” 22Esta resposta apanhou-os de surpresa, e, admirados, foram-se embora.

Casamento e a ressurreição

23Mas naquele mesmo dia alguns dos Tzadiqím, que não acreditavam que os mortos tornem a viver, foram ter com ele e perguntaram-lhe:. 24” Molkhiúl, Mehushúa disse que se um homem morrer sem deixar filhos, seu irmão deve casar-se com a viúva para que dê descendência ao falecido. 25-28Ora, havia uma família de sete irmãos. O primeiro casou-se e logo morreu sem deixar descendência, pelo que a viúva casou com o segundo irmão ambém este morreu sem deixar filhos e a viúva passou para o irmão seguinte, e assim por diante, até que acabou por ser mulher de todos eles, um após outro. Por fim, morreu também ela. Portanto, de quem será mulher na ressurreição, uma vez que foi casada com todos os sete?” 29-30YAOHÚSHUA disse: “O vosso erro deve-se à vossa ignorância das Qaotáv e do poder de YÁOHU UL, pois quando os mortos tornarem a viver não há casamento; todos serão como os anjos do céu 31E, quanto a haver ou não ressurreição dos mortos, nunca leram o que YÁOHU UL vos diz nas Qaotáv? 32‘Eu sou YÁOHU UL de Abruhám, YÁOHUtz-kaq e YÁOHU-caf. Portanto, YÁOHU UL não é Criador Eterno dos mortos mas dos vivos.” 33O povo ficava muito impressionado com as suas respostas.

O maior mandamento

34Os Farsyím, ao saberem que tinha tapado assim a boca aos Tzadiqím, imaginaram outra pergunta para lhe fazer. 35 E falou um deles, que era especialista nas leis YAOHÚ-dim: 36“Maoro-éh, qual é o mandamento mais importante na lei de Mehushúa?” 37Ao que YAOHÚSHUA respondeu: “‘Amarás YÁOHU UL, teu Criador Eterno de todo o teu coração, com toda a tua alma e com todo o teu entendimento. 38 Este é o primeiro e o maior dos mandamentos 39O segundo é parecido: ‘Amarás o teu semelhante como te amas a ti próprio. 40Todos os outros mandamentos e preceitos dos antigos escritos sagrados nascem destas duas leis.”

O Messías é ha-BOR de quem?

41Depois, com os Farsyím à sua volta, fez-lhes uma pergunta: 42“Que acham vocês do hol-MEHUSHKHÁY (o Messías)? De quem é ele filho?””De Dáoud”, responderam. 43“Então porque é que Dáoud, guiado pelo RÚKHA hol-HODSHÚA, lhe chama ‘Ódmorul? Pois são de Dáoud estas palavras:
44‘Disse YÁOHU UL ao meu Ódmorul (Profesor e Chefe): Senta-te à minha direita”até que ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés. 45Uma vez que Dáoud lhe chamou ‘Ódmorul, como pode ser seu filho?” 46Eles não conseguiram dar resposta, e depois disto ninguém se afoitava a fazer-lhe qualquer outra pergunta.

Man-YÁOHU 23

Oy de vocês

1Então YAOHÚSHUA disse ao povo e aos seus discípulos: 2-4“Os profesores da lei e os Farsyím assumem autoridade sobre a lei, como se fossem o próprio Mehushúa. Pode estar certo fazer o que eles dizem, mas não devem fazer o que eles fazem! Porque eles próprios não fazem o que vos ensinam. Sobrecarregam-vos com pesados fardos e não estão dispostos a aliviar-vos, nem sequer com um dedo. 5Tudo o que fazem é para dar nas vistas. Fingem-se santos, trazendo nos braços grandes caixas de orações com versículos das Qaotáv dentro e alongando as franjas tradicionais dos seus mantos.¸ 6Mas depois lutam por se sentar à mesa principal dos banquetes e nos bancos reservados da sinagoga! 7Ficam envaidecidos com o respeito que lhes é mostrado nas ruas e com o tratamento de profesor!m 8Não deixem que alguém vos trate assim. Só YÁOHU UL é o vosso Maoro-éh, e todos vocês são iguais, como irmãos 9E não tratem ninguém aqui na terra por YÁOHU ABí (Pai), pois há um só YÁOHU ABí, que é o Criador, que está no céu.- 10E não se chamem profesores a si mesmos, pois um só é o vosso Maoro-éh, a saber, hol-MEHUSHKHÁY (o Messías). 11Quanto mais humilde for o serviço que prestam aos outros, tanto maiores serão vocês. Para ser o maior de todos é preciso saber servir os outros. 12Mas aqueles que se imaginam grandes passarão pela humilhação; e quem se humilha será engrandecido. 13-15Oy de vocês, Farsyím e profesores da lei, fingidos! Não deixam entrar os outros no reino dos shua-ólmayao, mas também lá não entrarão. Aparentam santidade com longas orações nas ruas, quando, afinal, roubam às viúvas as suas casas! Sim, oy de vocês, fingidos, porque fazem tudo para converter alguém e depois tornam essa pessoa duas vezes mais filha do inferno do que vocês mesmos! 16-17Guias cegos! Oy de vocês! Porque afirmam que jurar pelo Templo de YÁOHU UL não tem importância e que tal juramento se pode quebrar, enquanto que um juramento feito pelo ouro de Templo é obrigatório cumpri-lo! Cegos e loucos, que é maior: o ouro ou o Templo que torna esse ouro santo?. 18-22E dizem que um juramento pelo altar pode ser quebrado, mas que um juramento pelas ofertas que estão sobre o altar é obrigatório cumpri-lo! Cegos e loucos! Pois que é maior: a oferta que está sobre o altar ou o próprio altar que a torna santa? Quando se jura pelo altar, jura-se por ele e por tudo o que sobre ele está, e, quando se jura pelo Templo, jura-se por ele e por YÁOHU UL, que nele está. E quando se jura pelos shua-ólmayao, jura-se pela morada de YÁOHU UL e pelo próprio YÁOHU UL. 23-24Sim, oy de vocês, profesores da lei e Farsyím, fingidos! Pois dão o dízimo da última folha de hortelã do vosso quintal, mas esquecem as coisas importantes, como a justiça, a compaixão, a fé. Sim, devem dar o dízimo, mas não devem esquecer as coisas de maior monta. Guias cegos! Tiram um mosquito que cai na comida, mas seriam capazes de engolir um camelo! 25-26Oy de vocês, profesores da lei e Farsyím, fingidos! Tão cuidadosos em polir o copo por fora, enquanto que por dentro está todo sujo de roubos e de cobiça! Farsyím cegos! Limpem primeiro o interior do copo e então todo ele ficará limpo. 27-28Oy de vocês, profesores da lei e Farsyím, hipócritas! São como jazigos – belos, mas cheios de ossadas e de podridão. Procuram parecer santos, mas por baixo dos vossos mantos de piedade escondem-se corações manchados por toda a espécie de fingimento e pecado. 29-32Sim, oy de vocês, profesores da lei e Farsyím, fingidos! Pois levantam monumentos aos homens de YÁOHU UL que os vossos pais mataram, põem flores nos túmulos dos homens crentes que eles destruíram, e dizem: ‘Nós nunca faríamos o que os nossos pais fizeram. Falando assim, confessam que são realmente filhos de homens perversos. Mas é que também seguem as suas pisadas, enchendo a medida completa da maldade deles. 33-34Serpentes, filhos de víboras! Como escaparão à condenação do inferno? Eu vos mandarei profetas, sábios, e ensinadores religiosos, mas vocês matarão alguns pela impalarão e abrirão as costas de outros com chicotes, nas vossas sinagogas, e perseguí-los-ão sem descanso, de cidade em cidade./ 35Pelo que serão culpados de todo o sangue dos homens crentes que foram assassinados, desde o justo Abúl até Zochar-YÁOHU, filho de Boruhayáo, que vocês mataram no Templo entre o altar e o Templo. 36Sim, toda a condenação amontoada durante estes séculos desabará sobre a cabeça desta mesma geração. 37-39Yaohúshua-oléym, Yaohúshua-oléym, cidade que mata os profetas de YÁOHU UL e apedreja todos aqueles que ele lhe envia! Quantas vezes quis juntar os teus filhos como uma galinha junta os pintainhos debaixo das asas, mas vocês não me deixaram. Agora a vossa casa fica ao abandono. Pois lembrem-se do que vos digo: nunca mais me tornarão a ver senão quando disserem, ‘Bendito aquele que vem em Shúam (Nome) de YÁOHU UL.”

Man-YÁOHU 24

Sinais do fim

1-2Quando YAOHÚSHUA ia a sair do recinto do Templo, vieram os discípulos, que queriam chamar-lhe a atenção para toda aquela construção. Porém, disse-lhes: “Todo este edifício será deitado abaixo, e não ficará pedra sobre pedra!” 3“E quando é que vai acontecer semelhante coisa?”, quiseram saber os discípulos mais tarde, estando ele sentado na encosta do Monte das Oliveiras. “Que acontecimentos anunciarão o teu regresso e o fim do mundo?” 4Ao que YAOHÚSHUA respondeu: “Não deixem que vos enganem 5Porque muitos virão, dizendo que são hol-MEHUSHKHÁY (o Messías), e levarão bastante gente atrás de si. 6Quando ouvirem falar de guerras que começam, isso não será ainda sinal do meu regresso; as guerras virão, mas ainda não é o fim. 7As nações e os povos da terra levantar-se-ão uns contra os outros, e haverá fomes e terramotos em muitos sítios. 8Mas tudo isso será apenas o começo de horrores que hão-de vir. 9-10Então, vocês serão torturados, mortos e odiados em todo o mundo, por serem meus. E muitos voltarão para o pecado, e trair-se-ão e odiar-se-ão uns aos outros 11E aparecerão falsos profetas que arrastarão muitos para o erro 12O pecado andará à solta por toda a parte e o amor de muitos arrefecerá. 13Mas quem resistir até ao fim será salvo 14As boas novas do reino serão pregadas no mundo inteiro para que todas as nações as ouçam, e então virá o fim. 15-16Portanto, quando virem a abominação desoladora, de que o profeta Dayan-Úl falou, instalada no lugar santo – quem ler isto, que preste muita atenção – então aqueles que estiverem na YAOHÚ-dah, que fujam para as montanhas. 17Aqueles que estiverem nos terraços não entrem sequer em casa para preparar a bagagem antes de partir. 18Aqueles que estiverem nos campos não voltem a casa para ir buscar roupas 19E oy das grávidas e das que amamentam naqueles dias! 20Orem para que a vossa fuga não seja no Inverno nem num Shábbos. 21Porque haverá perseguição tal como o mundo jamais viu em toda a sua história, nem nunca mais tornará a ver coisa igual. 22Se aqueles dias até não forem encurtados, toda a humanidade se perderá. Mas serão encurtados por causa do povo escolhido de YÁOHU UL. 23-25Então, se alguém vos disser: ‘O Messías apareceu aqui, ou está além, naquela vila, não acreditem. Porque se levantarão falsos messías e falsos pregadores, farão milagres espantosos, de tal modo que, se fosse possível, os próprios escolhidos de YÁOHU UL seriam enganados. Não se esqueçam do meu aviso. 26-28Portanto, se alguém vos disser que hol-MEHUSHKHÁY (o Messías) voltou e está no deserto, não se dêem ao trabalho de ir ver; ou que ele está escondido em determinado sítio, não creiam em tal! Porque, assim como o relâmpago brilha no céu do nascente ao poente, assim será a minha vinda quando eu, ha-BOR do Homem, voltar. Onde estiver o cadáver, aí se juntarão os abutres. 29Logo depois da aflição que naqueles dias haverá, o sol ficará escuro, a lua negra, as ‘cocavím’ (est-elas) cairão do céu e as forças que suportam o universo serão sacudidas. 30Por fim, aparecerá em shua-ólmayao o sinal da minha vinda e haverá grande choro em toda a terra. E as nações do mundo ver-me-ão chegar no meio de nuvens no céu, com poder e grande glória. 31E enviarei os meus anjos com forte toque de clarim, que juntarão os meus escolhidos dos pontos mais distantes da terra e do céu. 32Aprendam agora uma lição com a figueira: quando o ramo está tenro e as folhas começam a romper, sabem que o Verão está perto. 33Assim, quando virem todas estas coisas começarem a acontecer, fiquem certos de que a minha vinda está muito próxima. 34Verdadeiramente, esta geração não passará antes que estas coisas aconteçam. 35O céu e a terra desaparecerão, mas as minhas palavras ficarão para sempre.

O dia e a hora desconhecidos

36Contudo, ninguém sabe a data e a hora em que o fim virá, nem mesmo os anjos, nem sequer ha-BOR de YÁOHU UL. Só YÁOHU ABí o sabe. 37-42O mundo viverá despreocupado, em banquetes, festas e casamentos, como sucedia no tempo de Nokh, antes de aparecer de repente aquela grande cheia. O povo não queria acreditar no que se avizinhava, até que veio a cheia e os levou a todos. Assim também será a minha vinda. Dois homens estarão a trabalhar juntos nos campos; um será levado, e ficará o outro. Duas mulheres estarão ocupadas no seu trabalho caseiro; uma será levada, e ficará a outra. Portanto, estejam preparados porque não sabem quando vem o vosso Molkhiúl. 43-44Saibam isto: um homem que sabe exactamente quando o ladrão vem ficará alerto e não permitirá que a casa seja assaltada. Assim vocês também devem estar prontos em todo o tempo, porque ha-BOR do Homem virá quando menos o esperarem. 45-47És trabalhador sábio e fiel a seu Molkhiúl? Confiei-te a administração da minha casa, a alimentação dos meus filhos dia após dia? Portanto abençoado serás se, quando voltar, te encontrar a fazer sempre fielmente o teu trabalho. Tais trabalhadores porei eu sobre o que tenho48-51Mas se fores mau e disseres contigo próprio que Molkhiúl não há-de voltar tão depressa e começares a maltratar os teus companheiros, fazendo uma vida de luxo e libertina, o teu Molkhiúl, quando chegar sem aviso e sem que o esperes, castigar-te-á severamente e te dará a condenação reservada aos fingidos, mandando-te para onde haverá choro e lamentos de desespero.”

Man-YÁOHU 25

A ilustração das dez jovens

1“O reino dos shua-ólmayao pode ser também explicado pela situação daquelas dez jovens que pegaram nas suas lâmpadas e foram ao encontro do noivo. 2-4Mas só cinco delas tiveram prudência bastante para encher convenientemente as lâmpadas de azeite, enquanto as outras cinco, que eram pouco ajuizadas, se esqueceram de o fazer 5-6Como o noivo se demorasse, deitaram-se para descansar, sendo à meia-noite despertadas por alguém que gritou: ‘Vem aí o noivo! Saiam a recebê-lo! 7-9Todas se levantaram logo e arranjaram as lâmpadas. Então, as cinco que não tinham azeite pediram às outras que lhes dessem algum, porque as suas lâmpadas estavam a apagar-se. Mas as outras responderam: ‘Não, porque depois não chega para todas. Vão comprá-lo. 10-12Enquanto foram, o noivo chegou; as que estavam prontas entraram com ele para a celebração de casamento, e a porta foi trancada. Mais tarde, quando as outras cinco voltaram, ficaram na rua, chamando: ‘Molkhiúl, abre-nos a porta. Mas ele respondeu: ‘Não vos conheço. 13Portanto, conservem-se despertos e estejam preparados, pois não sabem a data nem o momento do meu regresso.

A parábola do dinheiro investido

14-15O reino dos shua-ólmayao pode também ser comparado ao caso de um homem que ia para outro país e que, reunindo os empregados, lhes entregou dinheiro para o aplicarem por sua conta, enquanto andasse por fora. Entregou cinco moedas de ouro a um, duas a outro e uma ao último, conforme as capacidades de cada um, e depois partiu. 16-18O homem que recebeu cinco moedas de ouro começou logo a comprar e a vender com elas, e depressa ganhou outras cinco. O que tinha duas moedas deitou-se também ao trabalho e ganhou outras duas. Mas o que recebera uma cavou um buraco no chão e escondeu ali o dinheiro para o pôr bem seguro. 19Passado muito tempo, o patrão voltou da viagem e chamou-os para que dessem contas do dinheiro 20Aquele a quem tinha confiado cinco moedas de ouro trouxe-lhe dez 21O homem gabou-o pelo seu bom trabalho: ‘Foste fiel na maneira como negociaste com esta pequena quantia. Portanto vou entregar-te muito mais responsabilidades. E entretanto poderás gozar de todos os benefícios e privilégios que pus à tua disposição. 22Depois, veio o que tinha recebido duas moedas, que disse: ‘Confiaste-me duas moedas e dobrei a quantia. 23‘Bom trabalho, observou o patrão. ‘És um trabalhador capaz e de confiança. Foste fiel com essa pequena soma, por isso agora dou-te muito mais. 24-25Então veio o homem que recebera uma moeda e disse: ‘Molkhiúl, eu sabia que és um homem duro, ceifando onde não semeaste e colhendo onde não cultivaste. Tive medo de perder o teu dinheiro, portanto escondi-o na terra; aqui o tens. 26-28Mas o patrão respondeu: ‘Foste indolente e descuidado! Se sabias que ceifo onde não semeio e recolho onde não cultivo, devias ao menos ter posto o meu dinheiro no banco para que pudesse assim ter algum juro. Tirem o dinheiro a este homem e dêem-no ao das dez moedas!o 29-30Porque a quem usa bem o que lhe dão, mais se dará, e terá muito. Mas ao homem que é infiel, até o pouco que lhe foi confiado lhe será tirado. E mandem esse trabalhador inútil lá para fora, para a escuridão, onde há choro e desespero.

As ovelhas e as cabras

31-33Quando eu, ha-BOR do Homem, vier na minha glória com todos os anjos, então sentar-me-ei no meu trono glorioso, e todas as nações serão reunidas diante de mim. Separarei o povo como um apacentador aparta as ovelhas das cabras, e porei as ovelhas à minha direita e as cabras à minha esquerda. 34-36E então eu, o rei, direi aos que estiverem à minha direita: ‘Venham, filhos felizes do meu YÁOHU ABí, para o reino que vos foi preparado desde o princípio do mundo. Porque tive fome e deram-me de comer; tive sede e deram-me água; era estranho e convidaram-me para vossas casas; andava nu e vestiram-me; estive doente e cuidaram de mim; estive na prisão e visitaram-me. 37-39Esses homens justos perguntarão: ‘Molkhiúl, quando foi que alguma vez te vimos com fome e te demos de comer? Ou com sede e te demos de beber? Ou, sendo um estranho, te hospedámos? Ou nu, te vestimos? Quando te vimos alguma vez doente, ou na prisão, e te visitámos? ? 40E eu, o rei, lhes direi: ‘Quando fizeram isso a um destes meus mais insignificantes irmãos, a mim o fizeram! 41-43Voltar-me-ei para os que estiverem à minha esquerda e lhes direi: ‘Saiam daqui, malditos, para o fogo eterno preparado para ha-satán e seus demónios, porque tive fome e não me deram de comer; tive sede e não me deram de beber; fui um estranho e não me deram hospedagem; andava nu e não quiseram vestir-me; estive doente e na prisão e não me visitaram. 44Então responderão: ‘Molkhiúl, quando foi que alguma vez te vimos com fome, ou sede, ou, sendo tu estranho, ou andando nu, ou estando doente, ou na prisão, não te socorremos? 45E responderei: ‘Quando não quiseram socorrer o mais insignificante destes meus irmãos, era a mim que recusavam ajuda. d 46E estes irão para o castigo eterno, mas os justos irão para a vida eterna.”

Man-YÁOHU 26

A conspiração contra YAOHÚSHUA

1Quando acabou esta conversa de YAOHÚSHUA com os discípulos, disse-lhes: 2“Como sabem, a celebração da Pósqayao começa dentro de dois dias, e serei traído e impalado.” 3-4Naquela mesma altura, os principais intermediários e outros líderes do povo estavam reunidos na residência de Caifás, o supremo intermediário espiritual, para combinar como haviam de prender YAOHÚSHUA sem dar nas vistas, e como matá-lo: 5“Não o façamos, porém, durante a celebração da Pósqayao, porque haveria tumulto.”

YAOHÚSHUA é ungido em Bóhay-Anyáo

6-7Entretanto, YAOHÚSHUA estava em Bóhay-Anyáo, na casa de Shamiúl, o leproso. Enquanto comia, entrou uma mulher com um frasco de perfume muito caro e despejou-lho sobre a cabeça.” 8-9“Que desperdício de dinheiro!”, disseram os discípulos, zangados. “Mais valia tê-lo vendido por bom preço e dar o produto aos pobres.” 10-13YAOHÚSHUA percebeu os seus pensamentos e disse: “Porque falam assim se ela me fez uma boa acção? Os pobres sempre os terão convosco, mas a mim nem sempre me terão. Ela derramou este perfume sobre mim para preparar o meu corpo para a sepultura, e por isso será lembrada para sempre. Este gesto será contado no mundo inteiro onde quer que for pregado este Mensagem Gloriosa.”

Yudas concorda em trair YAOHÚSHUA

14-15Então Yudas Ish-Kerióth, um dos doze discípulos, foi ter com os principais intermediários espiritual e perguntou: “Quanto estão dispostos a pagar-me para entregar YAOHÚSHUA nas vossas mãos?” E eles deram-lhe trinta moedas de prata. 16A partir dali, Yudas mantinha-se atento, à espera de ocasião para atraiçoar YAOHÚSHUA e entregá-lo.

A ceia de Molkhiúl (Rei)

17No primeiro dia das celebração da Pósqayao, quando em todos os lares YAOHÚ-dim só se comia pão que tivesse sido feito sem fermento, os discípulos foram ter com YAOHÚSHUA e perguntaram: “Onde vamos tomar a refeição da Pósqayao?” 18“Vão à cidade, procurem um certo homem e dêem-lhe este recado: ‘O nosso Maoro-éh diz: Chegou a minha hora, e pretendo tomar a refeição da Pósqayao em tua casa com os meus discípulos.” 19Então os discípulos fizeram como ele mandou e prepararam a ceia lá. 20-21Naquela noite, estando a comer com os doze, disse:”Um de vocês vai trair-me”.22Logo a tristeza entrou no coração deles, e cada qual perguntava: “Serei eu?” 23YAOHÚSHUA respondeu: “É aquele que se serve ao mesmo tempo que eu, do mesmo prato. 24Porque eu tenho de morrer, é certo, como foi anunciado há muito tempo; mas oy do homem que me vai trair! Mais lhe valia nunca ter nascido.” 25Também Yudas lhe perguntara: “Maoro-éh, serei eu?”E YAOHÚSHUA respondera: “Tu próprio o disseste”. 26Quando estavam a comer, YAOHÚSHUA pegou no pão e, abençoando-o, partiu-o em pedaços, deu-os aos discípulos e disse: “Tomem e comam, porque isto é o meu corpo” 27E levantando um cálice com vinho, agradeceu a YÁOHU UL por ele, entregou-o aos discípulos e disse: “Que cada um beba dele, 28porque isto é o meu ‘DAM’ (sangue), que torna firme o Novo Testamento, e é derramado para perdoar os pecados de muitos. 29Prestem atenção às minhas palavras: não beberei outra vez deste vinho senão no dia em que o beber de novo convosco no reino do meu YÁOHU ABí.”h 30Depois de cantarem um hino, foram até ao Monte das Oliveiras.

YAOHÚSHUA prediz a negação do Káfos

31Então YAOHÚSHUA disse-lhes: “Esta noite todos vocês me vão abandonar. Porque vem nas Qaotáv que ‘YÁOHU UL ferirá o apacentador, e as ovelhas do rebanho serão espalhadas. 32Mas, depois de ter voltado à vida, irei para a Galileia e encontrar-me-ei convosco ali.” Káfos exclamou: 33-34“Mesmo que todos os outros te abandonem, eu não”. Mas YAOHÚSHUA retorquiu-lhe:”A verdade é que esta mesma noite, antes que o galo cante pela madrugada, negar-me-ás três vezes!” 35“Nem que seja preciso morrer!”, teimou Káfos. E todos os outros discípulos disseram o mesmo.

Getsemane

36YAOHÚSHUA levou-os a um lugar chamado Getsemane e mandou-lhes que se sentassem e esperassem enquanto ia mais adiante para orar. 37Levou consigo Káfos e os dois filhos de Zebedeu, YÁOHU-caf e YÁOHU-khánam, e começou a sentir tristeza e angústia: 38“A minha alma está cheia de uma tristeza mortal. Fiquem aqui. Fiquem acordados comigo”. 39Avançou um pouco e, deitando-se de rosto em terra, orou: “Meu YÁOHU ABí, se é possível, que este cálice seja afastado de mim. Contudo, seja feita a tua vontade e não a minha.” 40-41Voltou depois para junto dos três discípulos, mas encontrou-os a dormir. “Káfos, então não pudeste ficar acordado comigo nem por uma hora? Conservem-se atentos e orem, para que a tentação não vos vença. O espírito, na verdade, está pronto, mas o corpo é realmente fraco!” 42Outra vez os deixou e orou: “Meu YÁOHU ABí, se este cálice não puder ser evitado enquanto o não beber todo, cumpra-se a tua vontade” 43Voltou de novo para junto dos discípulos e encontrou-os outra vez a dormir, porque tinham os olhos pesados de sono. 44Tornou a orar pela terceira vez, dizendo a mesma coisa. 45Então foi ter com os discípulos: “Agora já podem dormir e repousar. Chegou a hora! Vou ser entregue nas mãos dos pecadores! 46Levantem-se, vamos andando! Olhem, já aí vem aquele que me traiu!”

YAOHÚSHUA é preso

47-49Naquele momento, enquanto assim falava, Yudas, um dos doze, chegou com muito povo armado de espadas e paus, enviado pelos dirigentes YAOHÚ-dim. Yudas tinha-lhes dito que prendessem o homem a quem ele cumprimentasse. Assim, Yudas foi ter com YAOHÚSHUA: “Eu te saúdo, Maoro-éh!”, e beijou-o. 50-51“Amigo, faz já o que tens a fazer.” Então os homens agarraram YAOHÚSHUA. Um dos discípulos puxou de uma espada e cortou a orelha do criado do supremo intermediário. 52-54“Guarda a espada. Quem a usa provoca a sua própria morte. Não percebes que bastava eu pedir ao meu YÁOHU ABí doze exércitos de anjos para nos protegerem, para ele os mandar imediatamente? Mas, se o fizesse, como se cumpririam as Qaotáv, que há muito anunciaram o que está a acontecer agora?” 55-56Então YAOHÚSHUA falou para aquela gente: “Serei por acaso algum bandido perigoso, que vos fosse preciso armarem-se com espadas e paus para me levarem preso? Todos os dias estava convosco a ensinar no Templo e não me prenderam. Mas tudo isto acontece para dar cumprimento às palavras dos profetas de que falam as Qaotáv.” Naquela altura, todos os discípulos o abandonaram e fugiram.

YAOHÚSHUA perante o supremo tribunal

57Aqueles que prenderam YAOHÚSHUA levaram-no para a casa do supremo intermediário Caifás, onde se encontravam reunidos todos os dirigentes YAOHÚ-dim. 58Entretanto, Káfos ia-os seguindo de longe e, chegado ao pátio da casa do supremo intermediário, entrou e sentou-se com os soldados, à espera de ver o que fariam a YAOHÚSHUA. 59-61Os principais intermediários e até todo o supremo tribunal YAOHÚ-di reuniram-se lá, e procuravam testemunhas que mentissem acerca de YAOHÚSHUA a fim de arranjarem contra ele uma acusação que levasse à sentença de morte. Mas, embora achassem muitos que acabaram por se revelar como testemunhas falsas, contradiziam-se uns aos outros. Por fim, encontraram dois homens que afirmaram: “Este disse que era capaz de destruir o Templo de YÁOHU UL e construí-lo outra vez em três dias”. 62-63O supremo intermediário levantou-se e perguntou a YAOHÚSHUA: “Responde se disseste isso ou não?” Mas YAOHÚSHUA continuou calado, pelo que o supremo intermediário lhe mandou: “Em Shúam (Nome) de YÁOHU UL vivo, declara-nos se afirmas ou não ser hol-MEHUSHKHÁY (o Messías), ha-BOR de YÁOHU UL”.64YAOHÚSHUA replicou: “Sim, sou. E hão-de ver-me a mim, ha-BOR do Homem, sentado à direita de YÁOHU UL, e voltando nas nuvens do céu.” 65-66Então o supremo intermediário rasgou as suas roupas e gritou: “Ofensa a YÁOHU UL! Para que precisamos nós de outras testemunhas? Todos ouviram o que ele disse! Qual é a vossa sentença?” E gritaram:”A morte! Tem de morrer!” 67-68Cuspiram-lhe na cara, bateram-lhe, e outros até lhe deram bofetadas, dizendo: “Profetiza-nos, hol-MEHUSHKHÁY (Messías), quem foi que agora te bateu?” 69-70Entretanto, Káfos continuava sentado no pátio, e uma rapariga disse-lhe: “Tu estavas com YAOHÚSHUA; tu e ele são da Galileia”. Mas Káfos negou, zangado:”Não faço ideia do que dizes”. 71-72Pouco depois, fora da porta, outra rapariga reparou nele e observou aos que ali se encontravam: “Este também estava com YAOHÚSHUA Nudtzorothíy”. Mas Káfos tornou a negar, jurando, ainda por cima:”Eu nem sequer o conheço”. 73Decorrido algum tempo, os homens que tinham estado ali aproximaram-se dele e disseram: “Sabemos que és um dos seus discípulos por causa do teu sotaque galileu”. 74Káfos então começou a jurar e a praguejar: “Eu nem sequer conheço esse homem”, repetia. E logo o galo cantou. 75Káfos lembrou-se de que YAOHÚSHUA lhe tinha dito: “Antes que o galo cante, negar-me-ás três vezes”. E, saindo dali, chorou amargamente.

Man-YÁOHU 27

Yudas enforca-se

1-2Quando veio a manhã, os intermediários principais e os dirigentes YAOHÚ-dim reuniram-se de novo para discutir como iriam convencer o governo romano a condenar YAOHÚSHUA à morte. Mandaram-no, pois, manietado, a Pilatos, o governador romano. 3Por essa altura, Yudas, que o traiu, sabendo que YAOHÚSHUA tinha sido condenado a morrer, lamentou o que tinha feito, e devolveu o dinheiro aos principais intermediários e outros chefes YAOHÚ-dim. 4“Pequei, porque traí um inocente.””Isso é contigo”, replicaram eles. 5Então, atirando com o dinheiro para o lajedo do Templo, saiu e enforcou-se. 6Os principais intermediários apanharam o dinheiro, dizendo: “Não podemos pô-lo nas ofertas visto ser contra as nossas leis aceitar dinheiro pago por assassínio”. 7-8Discutido o caso, resolveram comprar um campo onde os oleiros iam buscar barro e fazer ali um cemitério para os estrangeiros que morressem em Yaohúshua-oléym. Por isso, o cemitério ainda tem o nome de Campo de Sangue. 9-10Assim se cumpriu a profecia de Yarmi-YÁOHU em como tomariam as trinta moedas de prata, o preço pelo qual ele seria avaliado pelo povo de Yaoshorúl, e as dariam por um campo do oleiro, como YÁOHU UL ordenara.

YAOHÚSHUA perante Pilatos

11YAOHÚSHUA estava agora diante de Pilatos, o governador romano, que lhe perguntou: “És o Rei dos YAOHÚ-dim?””Sim, é como tu dizes”, respondeu YAOHÚSHUA. 12Mas quando os principais intermediários e os outros chefes fizeram as suas muitas acusações contra ele, YAOHÚSHUA continuou calado. 13“Não ouves o que eles dizem?”, perguntou Pilatos. 14Mas YAOHÚSHUA continuou em silêncio, com grande espanto do governador. 15-16Ora, o governador tinha o costume de soltar um preso YAOHÚ-di à escolha do povo em cada ano, durante a celebração da Pósqayao. Nesse ano encontrava-se encarcerado um criminoso muito conhecido, chamado Barrabás. 17Quando o povo se juntou diante da casa de Pilatos naquela manhã, ele perguntou: “Quem querem vocês que vos solte, Barrabás ou YAOHÚSHUA, chamado hol-MEHUSHKHÁY (o Messías)?”c 18Ele sabia muito bem que os chefes YAOHÚ-dim tinham prendido YAOHÚSHUA por inveja, devido à sua popularidade junto do povo. 19Enquanto Pilatos presidia à sessão do tribunal, a mulher dele mandou-lhe este recado: “Deixa esse homem justo em paz, porque esta noite tive um pesadelo horrível por sua causa”. 20-21Entretanto, os principais intermediários e anciãos do povo convenceram o povo a pedir a libertação de Barrabás e a condenação de YAOHÚSHUA à morte. E quando o governador tornou a perguntar: “Qual destes dois querem vocês que vos solte?”, a multidão respondeu em grande grita: “Barrabás!” 22“Então que farei de YAOHÚSHUA, chamado hol-MEHUSHKHÁY (o Messías)?” E eles gritaram: “Impala-o!” 23“Porquê? Que mal fez ele?” Eles continuaram a gritar:”Impala-o! Impala-o!” 24Quando Pilatos viu que não se saía daquilo e que se começava a levantar tumulto, mandou buscar uma bacia de água e lavou as mãos diante da multidão, dizendo: “Estou inocente do sangue deste homem. A culpa é vossa!” E a multidão gritou: 25“Que a responsabilidade da sua morte caia sobre nós e os nossos filhos!” 26Então Pilatos pôs Barrabás em liberdade. Depois de mandar chicotear YAOHÚSHUA, entregou-o aos soldados romanos para que o levassem a ser impalado.

Os soldados zombam de YAOHÚSHUA

27-31Antes disso, levaram YAOHÚSHUA para o pátio do quartel e reuniram toda a guarnição. Tirando-lhe a roupa, vestiram-no com um manto vermelho escuro, fizeram uma coroa de espinhos, puseram-lha na cabeça, meteram-lhe uma vara na mão direita como se fosse o bastão de um rei e, ajoelhando-se diante dele, faziam troça, gritando: “Viva o rei dos YAOHÚ-dim!” Cuspiam-lhe e, tirando-lhe a vara da mão, batiam-lhe com ela na cabeça. Depois de toda esta comédia, tiraram-lhe o manto, vestiram-no com as suas próprias roupas e levaram-no para fora para ser impalado.

A impalarão

32Quando iam a caminho do local de execução, encontraram-se com um homem de Cirene, que se chamava Shamiúl, a quem obrigaram a carregar com a poste de YAOHÚSHUA. 33-34Foram pois para um lugar conhecido pelo nome de Gólgota, ou seja, monte da Caveira. Aí, os soldados deram-lhe a beber vinho misturado com fel, mas, quando o experimentou, não quis tomá-lo. 35-37Depois de o terem pregado na poste, os soldados lançaram dados para distribuir as suas roupas entre si. Sentaram-se à volta, montando guarda enquanto ele ali estava pendurado. Por cima da sua cabeça, puseram uma tabuleta com a acusação contra ele: ESTE É YAOHÚSHUA, O REI DOS YAOHÚ-DIM. 38Dois salteadores foram também impalados ali naquela manhã, um de cada lado dele 39-40As pessoas que passavam insultavam-no, sacudindo a cabeça e dizendo: “És capaz de destruir o Templo e construí-lo de novo em três dias, não és? Então, salva-te a ti mesmo. Se és ha-BOR de YÁOHU UL, desce da poste!” 41Também os principais intermediários, os profesores da lei e dirigentes YAOHÚ-dim troçavam dele: / 42“Salvou os outros mas não pode salvar-se a si próprio. É o rei de Yaoshorúl? Então desça da poste e acreditaremos nele!o 43Confiou em YÁOHU UL? Então que YÁOHU UL o livre, se de facto tem prazer nele. Não disse ele que era ha-BOR de YÁOHU UL?” 44Até os salteadores lhe atiravam o mesmo na cara.

A morte de YAOHÚSHUA

45-46Naquela tarde, a terra inteira ficou escura durante três horas, desde o meio dia até às três da tarde, altura em que YAOHÚSHUA exclamou: “ÚLee, ÚLee, lama sabáctani?”, que quer dizer: “Meu YÁOHU UL, meu YÁOHU UL, por que me abandonaste?” 47-49Algumas das pessoas que ali estavam perceberam mal e julgaram que chamava por Uli-YÁOHU. Um homem correu, ensopou uma esponja em vinagre e, pondo-a numa vara, ergueu-a para que bebesse. Mas os outros diziam: “Deixem-no, a ver se Uli-YÁOHU o vem salvar”. 50YAOHÚSHUA deu outro clamor, entregou o espírito e morreu. 51-53Nesse momento, a cortina que separava o lugar santíssimo no Templo rasgou-se de cima a baixo. A terra tremeu, as rochas fenderam-se, os túmulos abriram-se, e muitos homens e mulheres piedosos que haviam morrido voltaram à vida. Deixando o cemitério, depois da ressurreição de YAOHÚSHUA, entraram em Yaohúshua-oléym, onde apareceram a muita gente. 54Os soldados escolhidos para estarem de serviço na impalarão e o seu oficial ficaram cheios de medo com o terramoto e com tudo o que aconteceu, e eles próprios confessaram: “Verdadeiramente era ha-BOR de YÁOHU UL”. 55-56E muitas mulheres que tinham vindo da Galileia com YAOHÚSHUA para tratar dele estavam à distância assistindo à cena. Entre elas achavam-se Maoro-ém Magdalena, Maoro-ém (mãe de YÁOHU-caf e YÁOHU-saf) e a mãe de YÁOHU-caf e YÁOHU-khánam, filhos de Zebedeu.

YAOHÚSHUA é sepultado

57-61Quando caiu a noite, um homem rico de Arimateia, chamado YÁOHU-saf, e seguidor de YAOHÚSHUA, foi ter com Pilatos e pediu o corpo dele. Pilatos deu ordem para que lho entregassem. YÁOHU-saf levou o corpo e envolveu-o num grande pano de linho. Colocou-o no seu próprio túmulo novo que tinha sido escavado na rocha. Ao sair, rolou uma grande pedra para tapar a entrada. Tanto Maoro-ém Magdalena como a outra Maoro-ém estavam sentadas perto, a olhar. 62-63No dia seguinte, no primeiro dia das celebrações da Pósqayao, os principais intermediários e os Farsyím foram ter com Pilatos e disseram-lhe: ” Maór, aquele mentiroso disse certa vez: ‘Depois de três dias voltarei a viver. 64Portanto, pedimos-te que dês ordens para selar o túmulo até ao terceiro dia, não vão os seus discípulos roubar o corpo e dizer depois a toda a gente que ele tornou a viver. Se tal acontecesse, ficaríamos em pior situação do que nunca!” 65Ao que Pilatos respondeu: “Chamem a própria polícia do Templo. Ela poderá guardá-lo com toda a segurança.” 66Selaram, pois, a pedra e puseram guardas para a defender de qualquer estranho.

Man-YÁOHU 28

A ressurreição

1Na madrugada de domingo, quando nascia o novo dia, Maoro-ém Magdalena e a outra Maoro-ém foram ao túmulo. 2E houve um grande terramoto, porque um anjo de YÁOHU UL desceu do céu, rolou a pedra para um lado e sentou-se nela.3O seu rosto brilhava como um clarão e tinha vestes de grande alvura. 4Quando o viram, os guardas tremeram de medo ficando como mortos./ 5Então, o anjo falou às mulheres:”Não tenham medo! Sei que procuram YAOHÚSHUA, que foi impalado 6Mas ele não está aqui porque tornou a viver, conforme tinha dito. Entrem e vejam onde o seu corpo estava deitado. 7E agora vão depressa e contem aos discípulos que ele se levantou de entre os mortos e que vai para a Galileia a fim de se encontrar com eles lá. É esta a mensagem que tenho para vos dar.” 8-10As mulheres, muito amedrontadas, mas também cheias de alegria, afastaram-se a correr do túmulo e apressaram-se a procurar os discípulos para lhes dar o recado do anjo. Iam elas a correr, quando YAOHÚSHUA surgiu de súbito à sua frente e as saudou. Elas, abraçando-lhe os pés, adoraram-no. YAOHÚSHUA disse-lhes:”Não tenham medo! Vão dizer aos meus irmãos que partam já para a Galileia para se encontrarem lá comigo.”

Os guardas são subornados

11-13Enquanto as mulheres iam para a cidade, alguns dos que estavam de guarda ao túmulo foram ter com os principais intermediários e contaram-lhes o sucedido. Fez-se uma reunião de todos os chefes YAOHÚ-dim e decidiu-se dar dinheiro aos guardas para que dissessem que, estando todos a dormir, os discípulos de YAOHÚSHUA tinham vindo durante a noite e roubado o seu corpo. 14“Se o governador souber disto, “defender-vos-emos e tudo ficará em bem”, prometeram os intermediários aos soldados. 15Assim, os guardas aceitaram o dinheiro e falaram conforme lhes fora dito. A sua mentira espalhou-se entre os YAOHÚ-dim, que ainda hoje acreditam nela.

YAOHÚSHUA dá instruções aos discípulos

16-17Então os onze discípulos partiram para a Galileia e foram para a montanha onde YAOHÚSHUA tinha dito que o encontrariam. Aí o acharam e adoraram; mesmo assim ainda havia alguns que não tinham a certeza de ser YAOHÚSHUA.18-20“Toda a autoridade no céu e na terra me foi dada”, disse aos discípulos. “Portanto, vão e façam discípulos entre todos os povos. Baptizem-nos em Shúam (Nome) de YÁOHU ABí, de ha-BOR, e de RÚKHA hol-HODSHÚA. Ensinem-lhes a obedecer a todos os mandamentos que vos dei. Fiquem certos de que estou sempre convosco até ao fim do mundo.”



OHOL YAOHUSHUA
P.O. BOX 1482
JERUSALEM, ISRAEL 91014
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: