ministeriohorafinal

2 Toldóth (Crônicas)

2 TOLDOTH 1

 

Shua-ólmoh pede sabedoria

 Em Formatação e Revisão!

1Shua-ólmoh, filho do rei Dáoud, era agora o
incontestado governante de Yashorúl, porque YAHU ULHÍM, seu Criador Eterno
tinha feito dele um poderoso monarca. 2-6Decidiu pois, o rei, convocar todos os
oficiais do exército mais os juízes para Gibeão; também chamou todos os chefes
políticos e religiosos de Yashorúl. Levou-os ao cimo da colina até ao velho
tabernáculo construído por Mehushúa, o homem ao serviço de YAHU ULHÍM, no tempo
em que tinham andado pelo deserto. (Foi só muito mais tarde que o rei Dáoud
mandou construir outro tabernáculo em YAHUSHUA-oléym para a arca de YAHU ULHÍM,
quando a mandou vir de Kiryat-Yearim.) Também o altar de cobre, feito por
Bezaliúl (filho de Uri e neto de Hur), ainda ali se encontrava defronte do
velho tabernáculo. Shua-ólmoh, mais aqueles que ele convocara, reuniram-se
todos diante dele, enquanto foram sacrificados mil holocaustos oferecidos a YAHU
ULHÍM. 7Nessa noite YAHU ULHÍM apareceu a Shua-ólmoh e disse-lhe: Pede-me o que
quiseres e dar-to-ei! 8-10Shua-ólmoh respondeu: Ó YAHU ULHÍM, tu foste
extremamente bondoso para com o meu pai Dáoud, e agora deste-me o reino. Só
pretendo que as tuas promessas se confirmem! A tua palavra, dirigida a Dáoud
meu pai, concretizou-se, e fizeste-me rei sobre um povo tão numeroso como o pó
da terra! Dá-me agora sabedoria e conhecimento para os governar com
competência. Porque quem seria capaz de dirigir sozinho uma tão grande nação
como esta? 11-12 YAHU ULHÍM retorqui-lhe: Sendo assim, que o teu maior desejo é
seres capaz de servir este povo, e que não pretendeste nem riquezas nem honras
pessoais, nem me pediste que amaldiçoasse os teus inimigos, nem tão pouco que
te desse uma longa vida; antes pediste sabedoria e conhecimento para guiar
competentemente o meu povo – por isso te concedo o que pediste, e ainda te
darei tantas riquezas, prosperidade e honras como nenhum outro rei terá tido
antes de ti! Não haverá também depois de ti outro semelhante em toda a terra!
13-17Shua-ólmoh deixou o tabernáculo, desceu a colina e voltou para YAHUSHUA-oléym
para iniciar o seu mandato real sobre Yashorúl. Organizou então uma enorme
força militar de 1.400 carros de combate e recrutou 12.000 cavaleiros, para
formarem uma guarda de proteção às cidades onde ficaram depositados os carros,
ainda que alguns deles tivessem ficado também em YAHUSHUA-oléym mesmo, sob o
controlo directo do rei. Durante o reinado de Shua-ólmoh, a prata e o ouro eram
tão abundantes em YAHUSHUA-oléym como as pedras das ruas; madeiras caras eram
usadas tão correntemente como madeira de figueiras bravas! Shua-ólmoh mandou ao
Egito especialistas no comércio de cavalos para comprarem manadas inteiras a
preços especiais. Por esse tempo os carros egípcios eram vendidos por sete
quilos de prata cada um, e os cavalos por 1,7 quilos cada, entregues em YAHUSHUA-oléym.
Muitos destes eram posteriormente vendidos de novo aos reis heteus e sírios.

 

2 TOLDOTH 2

 

Preparativos para a construção do Templo

 

1Shua-ólmoh decidiu então que chegara o momento
de construir o Templo a YAHU ULHÍM e um palácio para si próprio. 2Isto requereu
70 000 operários, 80 000 canteiros a trabalharem nas montanhas, e 3600
capatazes. 3Shua-ólmoh mandou um embaixador ao rei Hirão de Tiro, pedindo-lhe
que lhe enviasse carregamentos de madeira de cedro, à semelhança do que fizera
com Dáoud quando este fez construir o seu palácio. 4-6Pretendo construir um
Templo a YAHU ULHÍM meu Criador Eterno, disse Shua-ólmoh a Hirão. Será um lugar
onde poderei queimar incenso e especiarias perante YAHU ULHÍM, e apresentar o
pão da presença, assim como sacrificar ofertas queimadas em cada manhã e ao fim
do dia, assim como nos Shábbos, nas celebrações de lua nova e outras
festividades regulares em honra de YAHU UL nosso Criador Eterno. Porque YAHU
ULHÍM pretende que Yashorúl sempre celebre estas ocasiões especiais. Será um
Templo maravilhoso porque se trata de um YAHU ULHÍM que é grande, como não há
outro igual. Mas quem poderá construir-lhe uma casa condigna? Nem as alturas
mais sublimes do firmamento o podem conter! Quem sou eu pois para ousar
construir um Templo a YAHU ULHÍM? É que será sobretudo um lugar próprio para o
adorar! 7-10Por isso, envia-me artífices hábeis no trabalho em ouro e em prata,
e também em cobre e ferro; manda-me também homens que saibam trabalhar com
púrpura, carmesim e tecido azul. Preciso também de gente capaz para obra de
gravador, que possa trabalhar ao lado dos artistas de YAHUDAH e de YAHUSHUA-oléym
que o meu pai seleccionou. Manda-me igualmente madeira de cedro, de faia e de
algumim, da floresta do Lebanon, porque eu sei que os teus homens não têm
concorrentes na habilidade em cortar madeira; aliás mandarei para aí gente
minha para os ajudar. Terei necessidade de muita madeira, pois que o Templo que
farei construir será de uma grandeza e de uma beleza nunca vistas. Pagarei aos
teus homens 20.000 sacos de trigo malhado, 20.000 sacos de cevada, 20.000 pipas
de vinho e 20.000 barris de azeite. 11-12O rei Hirão respondeu ao rei
Shua-ólmoh: É porque YAHU ULHÍM ama o seu povo que fez de ti seu rei! Bendito
seja YAHU ULHÍM o Criador Eterno de Yashorúl que fez os shua-ólmaYa e a terra,
e que deu a Dáoud um filho tão sábio, inteligente e capaz, em vistas de
construir um Templo para YAHU ULHÍM, e um palácio real para si próprio.
13-14Vou mandar-te um chefe artífice -o meu famoso Hurão Abiú! É um homem muito
competente, aliás filho de uma mulher judia, da tribo de Dayán em Yashorúl; seu
pai era daqui, de Tiro. É um hábil trabalhador em ouro e prata; faz também
belos trabalhos em cobre e ferro. Sabe tudo o que é preciso quanto a obras de
talhe em pedra, obras de carpintaria, e com tecidos- sabe trabalhar com a
púrpura, o carmezim, o azul e o linho fino. Conhece igualmente o trabalho de
gravador, tendo uma grande capacidade inventiva. Poderá trabalhar com os teus
operários e com aqueles que o teu pai, o meu chefe Dáoud, seleccionou para essa
obra. 15-16Manda então o trigo, a cevada, o azeite e o vinho que mencionaste, e
começaremos a cortar a madeira das montanhas do Lebanon, tanto quanto
necessitares. Enviar-ta-emos em jangadas pelo mar até Yaffó; daí poderás
transportá-las até YAHUSHUA-oléym. 17-18Shua-ólmoh fez, por esse tempo, o
recenseamento dos estrangeiros que viviam no pais, tal como fizera seu pai
Dáoud: eram 153.600. Empregou 70.000 como operários, 80.000 como pedreiros e
3.600 como capatazes.

 

2 TOLDOTH 3

 

Shua-ólmoh constrói o Templo

 

1-2Finalmente começou a construção do
Templo. Localizou-se em YAHUSHUA-oléym, no cimo do monte Moriá, onde YAHU ULHÍM
aparecera a Dáoud, seu pai, no lugar onde se localizava a eira de Ornã, o
jebuseu. Foi Dáoud quem escolheu esse lugar. O início da construção
concretizou-se no décimo sétimo dia de Abril, no quarto ano do reinado de
Shua-ólmoh. 3-4Os alicerces tinham trinta metros de comprimento e dez de
largura. Havia um alpendre ao longo dos dez metros da largura do edifício, na
parte da frente. A sua parte interior e o tecto eram cobertos de ouro puro. O
telhado estava à altura de sessenta metros. 5-7A parte principal do Templo era
forrada com madeira de cipreste e coberta de ouro puro, com gravações de folhas
de palmeiras e de cadeias. Havia pedras preciosas incrustadas nas paredes, para
aumentar a beleza; o ouro, aliás, era do melhor, de Parvaim. Todas as paredes,
as traves, as portas e as ombreiras das entradas em todo o Templo estavam
cobertas de ouro, com querubins gravados. 8-9Dentro, numa extremidade, havia o
local mais sagrado – o lugar santíssimo – com dez metros quadrados. Esta área
também era toda coberta de ouro do mais puro, pesando vinte toneladas. Os
pregos aí usados, igualmente de ouro, pesavam meio quilo cada. Os quartos
superiores estavam também forrados a ouro. 10-14Dentro da referida dependência,
o lugar santíssimo, Shua-ólmoh colocou duas esculturas de querubins, recobrindo-as
de ouro. Estavam de pé, voltados para a sala, com as asas abertas, tocando-se e
tocando as extremidades do compartimento, de ponta a ponta. À entrada deste
quarto colocou um véu, de azul, carmezim, púrpura e linho fino, decorado com
querubins, também. 15-17Em frente do Templo havia dois pilares de dezassete
metros e meio de altura, com capitéis, de dois metros e meio, ligando-os ao
tecto. Mandou fazer cadeias, como as do Templo, e colocou-as no cimo dos
pilares; havia cem romãs ligas às cadeias. Os pilares, colocou-os um à direita
outro à esquerda, na parte da frente do Templo. Deu-lhes nomes: o da direita,
Yaquim, o da esquerda, Bo-Oz.

 

2 TOLDOTH 4

 

O mobiliário do Templo

 

1Mandou também fazer um altar de cobre,
quadrado, de dez metros de lado e de cinco metros de altura. 2Depois mandou
forjar um enorme tanque redondo, com um diâmetro de cinco metros. 3-4A borda
dessa grande bacia estava a dois metros e meio acima do chão; a sua
circunferência media quinze metros. Estava apoiada nas costas de duas fileiras
de bois em metal. Todo o conjunto, tanto dos bois como do tanque foram feitos
de uma só peça. Eram doze os bois de metal; tinham as suas partes traseiras
viradas para o interior; e havia três voltados para cada um dos quatros lados:
o norte, o sul, o este e o oeste. 5As paredes desse tanque tinham a espessura
de treze centímetros, tomando a forma de flor-de-lis. A sua capacidade era de
3.000 barris de água. 6Mandou ainda construir dez vasilhas para água, com o fim
de se lavaram nelas as ofertas; estavam dispostas cinco de cada lado da imensa
bacia, à direita e à esquerda. Os intermediários usavam a bacia, e não as
vasilhas, para se lavarem. 7Seguindo cuidadosamente as instruções de YAHU UL,
fez moldar dez lampadários de ouro e colocou-os no Templo, cinco junto da
parede da esquerda e os outros cinco do lado oposto. 8Fez também dez mesas,
colocando cinco junto da parede da esquerda e cinco do lado oposto. Moldou
ainda cem bacias em ouro. 9Construiu um pátio para os intermediários e outro
para o público. Forrou as portas de acesso com bronze. 10-11O grande tanque
estava no canto sudeste da sala exterior do Templo. Hurão fez também as
caldeiras, pás e bacias necessárias aos diversos actos dos sacrifícios erminou
por fim Hurão Abiú todo o trabalho que o rei Shua-ólmoh lhe tinha encomendado,
designadamente: 12-18os dois pilares;

   os
dois capitéis que encimavam os pilares; as duas redes de correntes dos pilares;
as quatrocentas romãs pendendo das duas correntes que havia em cada pilar; as
pias e as bases que as sustentavam; o grande tanque e os doze bois que lhe
serviam de apoio; as bacias, pás e garfos.

Este hábil artífice, Hurão Abiú, fez todos
esses trabalhos acima mencionados, para o rei Shua-ólmoh, usando cobre polido.
A fundição desse metal foi feita em fornos de barro na campina do Yardayán,
entre Sukkós e Zareda. Foram usadas imensas quantidades de bronze, cujo peso
foi considerado dispensável de registar, tanto ele era. 19-22No entanto, no
Templo foi usado unicamente ouro. Shua-ólmoh tinha recomendado, com efeito, que
todos os utensílios, o altar, e a mesa dos pães da presença fossem feitos em
ouro; também as lâmpadas e os candeeiros, as decorações florais, as pinças, os
espevitadores, as bacias, as colheres e os turíbulos – tudo foi feito em ouro
puro. Também os umbrais da entrada do Templo, a porta principal e as portas
interiores do lugar santíssimo eram de ouro.

 

2 TOLDOTH 5

 

1Terminou então a construção do Templo
alomão trouxe para o seu interior os dons consagrados a YAHU ULHÍM pelo seu
pai, o rei Dáoud; foram arrumados nos tesouros do Templo.

 

A arca é levada para o Templo

 

2-6Shua-ólmoh convocou então para YAHUSHUA-oléym
todos os líderes de Yashorúl -os cabeças de tribos e de clãs- para a cerimónia
de transferência da arca do tabernáculo que se encontrava na cidade de Dáoud
(também conhecida por Tzayán) para a sua nova morada no Templo. Esta celebração
teve lugar no mês de Outubro, pela ocasião da festividade dos tabernáculos. Sob
o olhar dos chefes de Yashorúl, os Levítas ergueram a arca e tiraram-na do
tabernáculo, com todos os outros recipientes sagrados. O rei Shua-ólmoh, assim
como os outros, sacrificaram ovelhas e bois perante a arca, em tal quantidade
que ninguém tentou sequer contar! 7-10Depois os intermediários levaram a arca
para a sala interior do Templo -o lugar santíssimo- e colocou-a sob as asas dos
querubins; essas asas cobriam pois toda a arca e os seus varais. Estes últimos
eram tão longos que podiam ser vistos do lado de fora da sala, ainda que não do
exterior do edifício. A arca encontra-se ali ainda no dia de hoje. Nela havia
as duas tábuas de pedra que Mehushúa lá colocara, no Monte Horeb, quando YAHU
ULHÍM fez uma aliança com o povo de Yashorúl, ao tempo em que deixaram o Egito.
11-14Depois de terem executado as celebração da sua própria purificação, os
intermediários participaram todos nas celebração, sem preocupação com as
funções de cada um. Os Levítas davam haolúlim (louvores) a YAHU ULHÍM quando os
intermediários saíam do lugar santíssimo! Como cantores havia Osaf, Hemã,
Yedutum, mais todos os seus filhos e irmãos, vestidos com roupas tecidas com
linho fino; mantinham-se no lado oriental do altar. Esse coro era acompanhado
por cento e vinte intermediários tocando trombetas, enquanto outros tocavam
címbalos, liras e harpas. Tanto a banda como o coro louvavam harmoniosamente e
agradeciam a YAHU ULHÍM, porque a sua benignidade dura para sempre. As frases
dos cantores eram acompanhadas e intercaladas com partes musicais, pelos
instrumentos. O tema fundamental dessa ação de louvores era  YAHU ULHÍM é bom! A sua bondade é
eterna!Nessa altura, a glória de YAHU UL, vindo como uma nuvem luminosa, encheu
o Templo, de tal forma que nem sequer os intermediários puderam continuar a
ministrar.

2 TOLDOTH 6

 

1-2Shua-ólmoh dirigiu a YAHU ULHÍM, nessa
ocasião, a seguinte oração:

YAHU ULHÍM disse que habitaria na densa escuridão, Mas eu fiz um Templo para ti, ó YAHU
ULHÍM,para que aí mantenhas para sempre a tua presença!

3O rei virou-se seguidamente para o povo, que se levantou para receber a sua bênção:

4-5Bendito seja YAHU ULHÍM o Criador Eterno de Yashorúl,
YAHU ULHÍM que falou pessoalmente com meu pai Dáoud,e que cumpriu as promessas que lhe fez.
Disse-lhe com efeito assim:


6’Nunca antes, desde que tirei o meu povo da terra do Egito,tinha escolhido
um local em Yashorúl para aí localizar o meu Templo,onde o meu Shúam (Nome)
fosse glorificado; também nunca antes escolhera um rei para o meu povo Yashorúl.
Mas agora escolhi YAHUSHUA-oléym como local para o meu Temploe Dáoud como rei.’


7-9O meu pai Dáoud pretendeu construir ele este Templo,mas YAHU ULHÍM
disse-lhe que não fizesse. Essa intenção, em si mesma, era boa, como lhe disse YAHU
ULHÍM,mas não deveria ser ele quem construiria o Templo;seria antes o seu filho
a fazê-lo. 10-11

   E
agora YAHU ULHÍM fez o que prometera; eu tornei-me rei, sucedendo a meu pai,
construí este Templopara o Shúam (Nome) de YAHU ULHÍM o Criador Eterno de Yashorúl,
e pus nele a arca, na qual está a aliançaestabelecida entre YAHU ULHÍM e o seu
povo de Yashorúl.

 

A oração de dedicação

 

12-13Enquanto falava, Shua-ólmoh mantinha-se
de pé perante o povo, numa plataforma, no centro do pátio exterior, diante do
altar de YAHU UL. Essa plataforma era feita de bronze, quadrada de dois metros
e meio de lado e metro e meio de altura. Depois, sob os olhos de todo o povo,
ajoelhou-se, estendeu os braços para o céu, e formulou esta oração: 14-15

   Ó YAHU
ULHÍM o Criador Eterno de Yashorúl, não há outro Criador Eterno além de ti,em
todos os shua-ólmaYa e na terra. És YAHU ULHÍM que cumpres as suas boas
promessaspara com todos os que te obedecem,e que estão desejosos de fazer a tua
vontade. Cumpriste as tuas promessas para com o meu pai Dáoud,como hoje se vê.
16-17

   E
agora, ó YAHU ULHÍM de Yashorúl,concretiza o resto das promessas que lhe
fizeste: ‘Os teus descendentes sempre reinarão sobre Yashorúl, se obedecerem às
minhas leis, como tu o fizeste.’ Sim, YAHU ULHÍM o Criador Eterno de Yashorúl,peço-te
que cumpras também essa promessa.


18Mas viverá YAHU ULHÍM realmente sobre a terra com os homens? Mas os
shua-ólmaYa dos shua-ólmaYa não podem conter-te! Como seria então isso possível
com este Temploque acabo de construir?


19Ouve as minhas orações, YAHU ULHÍM meu Criador Eterno! Atende aos
rogos que te dirijo agora! 20-21

   Que
os teus olhos estejam atentos, dia e noite,sobre este lugar, sobre este
Templo,do qual disseste que havias de pôr nele o teu Shúam (Nome). Ouve e
responde às orações que eu te fizerquando me voltar para este lugar. Recebe as
minhas súplicas, e as do teu povo Yashorúl quando te orarem,voltados para este
Templo. Sim, escuta desde o céu e perdoa. 22-23


Quando alguém cometer um crime,e tiver que jurar pela sua inocência
perante este altar, então ouve desde o céu e castiga-o se estiver a mentir;
caso contrário perdoa-lhe.


24Se o teu povo for destruído pelos teus inimigos,por terem pecado
contra ti, mas depois se voltarem para ti e se reconhecerem teus filhos, orando
a ti neste Templo,


25ouve-os do céu, perdoa-lhes os pecadose dá-lhes de novo esta terra que
deixaste aos seus pais.


26Quando os shua-ólmaYa se fecharem e não houver mais chuva,por causa
dos nossos pecados, se orarmos neste lugar, reconhecendo que és o nosso YAHU
ULHÍM, e se nos arrependermos dos nossos pecados,depois de nos teres castigado,


27então ouve do céu e perdoa os pecados do teu povo; ensina-lhes o que é
recto. Manda-lhes a chuva sobre esta terraque deste ao teu povo por direito
próprio. 28-31

   Se
houver fome na terra, ou pragas,ou doenças nas plantas,ou ataques de gafanhotos
ou de lagartas, ou ainda se os inimigos do teu povo puserem cerco às nossas
cidades- seja que mal for que nos aconteça – ouve a oração de cada pessoa
referente aos seus próprios problemas, tanto como as situações de angústia
colectivas. Ouve desde o céu, onde vives, e perdoa; dá a cada um conforme
merece, pois conheces o coração de todos os homens. Assim te reverenciarão para
sempre,e andarão nos caminhos que desde sempre lhes indicaste. 32-33


Quando estrangeiros ouvirem falar do teu grande podere vierem de terras
distantespara prestar culto ao teu grande nome,e se orarem neste Templo, ou
virados para ele, escuta-os desde o céu onde estás,e responde-lhes ao que
pedirem. Então todos os povos da terra se darão contada grandeza do nosso YAHU
ULHÍM e o adorarão,tal como o faz o povo de Yashorúl; também eles saberão que
este Templo que mandei construiré o teu Templo. 34-35


Quando o teu povo sair à guerra, sob o teu mando,para combater os seus
inimigos, e se orarem, dirigindo-se para este Templo, que edifiquei ao teu
Shúam (Nome), então ouve as suas orações desde o céu e dá-lhes a vitória.


36Se pecarem contra ti -e não há ser humano que não peque – e se te
indignares contra eles; se permitires que os seus inimigos os derrotem e os
levem cativos para países estrangeiros, longe ou perto, 37-39

   e
se nessa terra de exílio se converterem a ti e se se virarem para esta terra
que deste aos seus pais,para esta cidade de YAHUSHUA-oléym e para este teu
Templo,que fiz construir, e se te rogarem, com toda a sua alma, perdoa-lhes,
responde-lhes do céu, onde vives, e socorre-os,perdoando ao teu povo que pecou
contra ti.


40Sim, ó meu YAHU ULHÍM, pedimos-te que estejas sempre atentoe pronto a
responder a todas as orações que te forem feitas neste lugar. 41-42

   Entra neste lugar para lá ficares, ó YAHU
ULHÍM o Criador Eterno, este local que é teu e onde foi colocada a arca da tua
força. Que os teus intermediários estejam vestidos de salvação, e que os teus
santos rejubilem com o bem que fazes. YAHU ULHÍM o Criador Eterno, não me
abandones, que o teu rosto se não volte contra mim, o teu ungido. Lembra-te do
amor que revelaste para com Dáoud e das misericórdias que lhe revelaste.

 

2 TOLDOTH 7

 

A consagração do Templo

 

1-2Quando Shua-ólmoh acabou de orar, desceu
fogo do céu e consumiu os sacrifícios! A glória de YAHU UL encheu o Templo de
tal forma que os intermediários nem podiam sequer lá entrar!

3Todo aquele povo que tinha estado ali a assistir caiu com o rosto em terra, adorou e louvou YAHU ULHÍM quando viu tudo aquilo: Como YAHU ULHÍM é bom!, exclamavam. A sua bondade dura para sempre.

4Então o rei e todo o povo, consagraram o Templo, oferecendo sacrifícios queimados a YAHU ULHÍM.

5A contribuição de Shua-ólmoh para esse fim
foi de 22.000 bois e de 120.000 ovelhas.

6Os intermediários encontravam-se nos
lugares que lhes eram atribuídos segundo as suas funções; os Levítas
acompanhavam com instrumentos os cânticos de louvor, A bondade de YAHU UL dura
para sempre. Os instrumentos que usavam eram os que Dáoud ele próprio fizera e
usara para o culto de YAHU UL. Chegando à altura em que os intermediários
tocaram as trombetas, todo o povo se ergueu, e se pôs de pé.

7Shua-ólmoh consagrou o pátio interior do Templo, para uso naquele dia como local de sacrifícios, porque estes eram tantos que se tornavam incomportável sacrificar no altar de cobre.

8-10Nos sete dias seguintes, celebraram a celebração dos
tabernáculos, em que grande multidão chegava de toda a parte de Yashorúl para
participar. Vinham de Hamate, numa das extremidades do país, até ao ribeiro do Egito,
no lado oposto. No final, ao oitavo dia, realizaram um grande serviço
religioso. Depois, estava-se no sétimo dia ,do mês de outubro o povo foi mandado para casa, no meio de grandes manifestações de alegria, e com muito contentamento
interior, porque YAHU ULHÍM tinha sido tão bom para Dáoud, para Shua-ólmoh e
para o seu povo Yashorúl.

 

YAHU ULHÍM aparece a Shua-ólmoh

 

11Shua-ólmoh terminou assim a construção do
Templo, e também a do seu próprio palácio. Tudo conforme planeara.

12-14Numa noite, aparaceu-lhe YAHU ULHÍM que lhe disse: Ouvi a tua oração, e decidi
aceitar que este Templo seja o lugar onde me será prestado culto. Se eu fechar
os shua-ólmaYa de forma a que não haja mais chuva, se ordenar aos gafanhotos
que consumam as searas ou se enviar uma epidemia entre o povo, então, se o meu
povo se humilhar, orar e me buscar, arrependendo-se dos seus pecados, eu
responderei desde o céu, perdoarei-lhes os seus pecados e sararei a terra.


15-16Estarei bem atento e favorável às orações feitas neste lugar. Porque
escolhi este Templo e o santifiquei para que o meu Shúam (Nome) seja nele
glorificado para sempre. Os meus olhos e o meu coração estarão aqui
continuamente.

17-21Quanto a ti mesmo, se andares nos meus caminhos, como andou
Dáoud teu pai, se a tua vida se conformar com tudo quanto te ordenei, se
respeitares os meus mandamentos e guardares a minha palavra, farei com que tu e
os teus descendentes sejam sempre reis de Yashorúl, conforme a promessa que fiz
a Dáoud, teu pai. Mas se não me seguirem, se recusarem as leis que vos tenho
dado, se servirem falsos criadores o estatuas-ídolos e os adorarem, então
arrancarei este povo da minha terra que lhes dei, e este Templo, que
santifiquei para que o meu Shúam (Nome) seja nele glorificado, será destruído.
Farei com que o meu povo se torne um horror, uma desgraça que toda a gente
receia que venha acontecer-lhes. Este edifício, em vez de ficar na história da
terra como uma maravilha, tornar-se-á uma razão de espanto dos que falarem
dele: ‘Porque é que YAHU ULHÍM fez uma tal coisa tão terrível a esta terra e a
este Templo?’

22A resposta será, ‘Porque este povo abandonou YAHU ULHÍM o
Criador Eterno dos seus pais, YAHU ULHÍM que os tirou da terra do Egito, e
puseram-se a adorar ídolos. Por isso é que lhes foi feito isto.’

 

2 TOLDOTH 8

 

Shua-ólmoh exerce as suas funções

 

1Tinham-se passado já vinte anos desde que
Shua-ólmoh se tornara rei, e os seus projectos de grandes construções, como o
Templo e o palácio real, estavam concretizados.

2Por isso consagrou então as
suas energias à reconstrução das cidades que Hirão rei de Tiro lhe dera, e
repovoou-as com gente de Yashorúl.

3Foi também por essa altura que Shua-ólmoh
atacou a cidade de Hamate-Zobá e a tomou.

4Edificou Tadmor no deserto, e
construiu povoações em Hamate como centros de abastecimento.

5Fortificou as cidades de Beth-Horom de Cima e Beth-Horom de Baixo, ambas de reabastecimento, reconstruindo as muralhas e reforçando os portões das entradas.

6Edificou igualmente Baalate e outras cidades de depósito de abastecimentos nessa altura, construindo ao mesmo tempo povoações onde os seus carros de combate e os
cavalos eram mantidos e guardados. Também construiu, tanto em YAHUSHUA-oléym
como no Lebanon e em todas as terras do seu domínio, tudo quanto teve em mente
edificar.

7-10Iniciou a prática, que se mantém ainda hoje em dia, de obrigar ao
tributo de trabalho obrigatório os heteus, os amorreus, os perizeus, os heveus
e os jebuseus – descendentes daqueles povos que os Yashorulítas não tinham
destruído totalmente. Contudo, a isso nunca obrigou nenhum cidadão Yashorulíta;
estes foram chamados, sim, mas para o serviço militar, como soldados e como
oficiais, como condutores de carros de combate e como tropa de cavalaria; além
disso tinha duzentos e cinquenta deles como responsáveis pelos diversos
serviços da administração pública. 11Shua-ólmoh mudou as instalações da sua
mulher, a filha do Faraóh, da cidade de Dáoud para o novo palácio que lhe
construira. Ela não deve viver no palácio do rei Dáoud, explicou ele, porque a
arca de YAHU UL esteve ali e é solo sagrado. 12-15Shua-ólmoh ofereceu
holocaustos a YAHU ULHÍM sobre o altar que fizera e que estava defronte do
pórtico do Templo. O número dos sacrifícios variava de dia para dia, segundo as
instruções dadas por Mehushúa; aos Shábbos havia sacrifícios extras, assim como
nas luas novas e nas três festividades anuais – a celebração da PósqaYa, a
festividade das semanas e a festividade dos tabernáculos. Na atribuição das
funções e dos postos que os intermediários deviam ocupar, seguiu o esquema que
o seu pai tinha preparado; também aos Levítas foi atribuído trabalho de louvor
e de apoio às funções dos intermediários, de acordo com os deveres diários
destes; colocou também as equipas de porteiros em cada entrada do Templo.
Shua-ólmoh não fez a mais pequena alteração às ordens deixadas por Dáoud com
respeito a estas funções assim como às do pessoal responsável pelo tesouro.
16Assim, Shua-ólmoh completou inteiramente a construção do Templo. 17-18O
monarca foi às cidades portuárias de Eziom-Geber e de Elote em Edom para
preparar a saída de uma frota que lhe fora enviada por Hirão. Este barcos, com
uma tripulação experiente, que o rei Hirão lhe tinha mandado, trabalhando em
conjunto com os homens de Shua-ólmoh, foram a Ofir e trouxeram de lá dezasseis
toneladas de ouro para o soberano de Yashorúl.

 

2 TOLDOTH 9

 

A visita da rainha de Sheba

 

1Quando a rainha de Sheba soube da fama de
Shua-ólmoh, veio a YAHUSHUA-oléym para verificar isso pessoalmente, através de
questões que lhe apresentou. Fez-se acompanhar de uma grande comitiva de
colaboradores e de servos, e trouxe também muitos camelos, carregados de
especiarias, de ouro e de pedras preciosas. 2Shua-ólmoh teve uma resposta sábia
para todos os problemas que ela lhe apresentou; para tudo soube encontrar uma
solução. 3-4Constando então como ele era sábio, e contemplando a beleza
ofuscante do seu palácio, mais a comida riquíssima que se apresentava sobre as
mesas, a quantidade de criados e funcionários que tinha ao seu serviço, vendo
os seus uniformes espectaculares, a apresentação e garbo da sua guarda pessoal,
quase nem podia acreditar! 5Então exclamou para o rei: Tudo o que no meu país
ouvi acerca de ti é verdade! 6-8Custava-me acreditar, antes de o ter visto com
os meus próprios olhos! A tua sabedoria é muito maior do que eu podia imaginar.
Que privilégio para toda esta gente viver aqui e ouvir-te falar! Bendito seja YAHU
ULHÍM, teu Criador Eterno! Como ele deve amar Yashorúl para lhe ter dado um
monarca como tu! Certamente que ele pretende que vocês sejam uma grande e forte
nação para sempre. 9Depois deu ao rei uma oferta no valor de três mil e
quinhentos quilos de ouro, mais uma grande quantidade de especiarias de uma
qualidade única, assim como muitas, muitas pedras preciosas. 10-11As
tripulações do rei Hirão, com as do rei Shua-ólmoh, trouxeram pois ouro de
Ofir, mais madeira de sândalo e pedras preciosas. A madeira, usou-a o rei para
fazer soalhos para a casa de YAHU UL e para o palácio real, e também para
construir harpas e liras para acompanharem o coro dos Levítas no Templo. Nunca
antes tinham havido instrumentos de tanta beleza, em toda a terra de YAHUDAH.
12O rei Shua-ólmoh deu à rainha de Sheba presentes do mesmo valor dos que ela
lhe trouxera, mais ainda tudo aquilo que lhe pediu. Após o que regressou à sua
terra acompanhada de toda a comitiva.

 

A magnificência de Shua-ólmoh

 

13-16Shua-ólmoh recebia, cada ano, dos reis
da Arábia e de muitas outras terras que lhe pagavam tributo anual, um total de
vinte e três toneladas de ouro. Além disso mantinha relações comerciais com o
estrangeiro, exportando mercadorias em troca de ouro e prata que lhe enviavam.
Parte desse ouro empregou-o no fabrico de 200 grandes escudos, cada um dos
quais tinha três quilos e meio de ouro. Mandou também fazer 300 escudos mais
pequenos, cada um com 1,7 quilos de ouro. O monarca colocou-os na sala da
Floresta do Lebanon, do seu palácio real. 17-19Ordenou também que se fizesse um
enorme trono de marfim, inteiramente revestido de ouro. Tinha seis degraus e um
estrado, tudo em ouro; os apoios de braços eram igualmente de ouro, assim com
os dois leões que lhe estavam juntos. Também de cada lado dos degraus havia
leões de ouro. Nenhum trono no mundo inteiro tinha comparação com este!
20-21Todas as taças do serviço real eram de ouro maciço, assim como os outros
utensílios da sala da Floresta do Lebanon. Prata era coisa de pouca valia
naqueles tempos! De três em três anos o rei enviava barcos a Tarsis, tripulados
por marinheiros enviados pelo rei Hirão, para trazerem mais ouro, prata,
marfim, macacos e pavões. 22-24 Desta forma, Shua-ólmoh era mais rico, e ainda
mais sábio, do que qualquer rei sobre a face da terra. Soberanos de todos os
países vinham visitá-lo e ouvir da sua boca a sabedoria que YAHU ULHÍM lhe
pusera no coração. Cada um trazia-lhe um tributo anual em vasos de prata e de
ouro, e ainda roupa, armas, especiarias, cavalos e mulas. 25Para além disso
Shua-ólmoh tinha 4.000 estábulos e cocheiros para guardar carros de guerra;
eram 12.000 os seus cavaleiros. O local de estacionamento de todo este
equipamento e tropas era nas povoações chamadas cidades-estábulo e também em YAHUSHUA-oléym,
sob o controlo directo do soberano. 26O seu domínio exercia-se sobre todos os
reis desde o rio Eufrates até à terra dos Palestinos e até à fronteira do Egito.
27-28A prata em YAHUSHUA-oléym era tão abundante como as pedras das ruas! A
madeira de cedro era usada como se fosse simples madeira de figueira brava.
Vinham-lhe cavalos de toda a parte, do Egito, como doutros lugars.

 

A morte de Shua-ólmoh

 

29O resto da biografia de Shua-ólmoh está
escrito nas Crónicas do Profeta Naokhán, nos escritos proféticos de Aías o
silonita e nas visões de Ido o vidente no que concerne Yaro-éboam, filho de
Nebate. 30Assim Shua-ólmoh reinou em YAHUSHUA-oléym sobre todo o Yashorúl,
durante quarenta anos. 31Depois morreu e foi enterrado em YAHUSHUA-oléym. O seu
filho Ro-éboam reinou em seu lugar.

 

2 TOLDOTH 10

 

Yashorúl rebela-se contra Ro-éboam

 

1Todos os chefes de Yashorúl vieram à
coroação de Ro-éboam, em Siquem. 2-3Entretanto, amigos de Yaro-éboam (filho de
Nebate) mandaram-lhe dizer que Shua-ólmoh morrera. Ele encontrava-se no Egito
por essa altura; tinha ido para lá para fugir ao rei Shua-ólmoh. Por isso
regressou rapidamente, e estava presente na coroação. Apresentou então, em nome
do povo, uma petição a Ro-éboam: 4O teu pai foi um duro governante,
disseram-lhe. Se te tornares mais brando, servir-te-emos! 5-6Ro-éboam disse-lhe
para voltarem daí a três dias, que lhes daria a resposta. E foi discutir aquela
proposta com os anciãos conselheiros do seu pai Shua-ólmoh. O que é que lhes
digo? 7Se queres ser rei deles, responderam-lhe, terás de lhes dar uma resposta
favorável e tratá-los com bondade. 8-9Mas não ligou ao conselho e foi saber a
opinião dos mancebos que tinham crescido com ele. Amigos, que acham vocês que
devo fazer? Serei mais bondoso com eles do que foi meu pai? 10-11Não!
responderam. Diz-lhes assim: ‘Se pensam que o meu pai foi duro convosco,
esperem um pouco e verão como é que eu serei! O meu dedo pequenino será mais
grosso do que a cintura do meu pai! O meu jugo será, sim, mais duro, não mais
brando! O meu pai castigou-vos com açoites; eu usarei escorpiões!’ 12-14Quando Yaro-éboam
e o povo que estava com ele voltaram ao fim dos três dias para saber da decisão
do rei Ro-éboam, este falou-lhes duramente, pois que recusara o conselho dos
anciãos e seguiu o dos mais novos: O meu pai deu-vos pesados fardos, dizem
vocês; pois eu dar-vos-ei ainda mais pesados! O meu pai castigou-vos com açoites;
eu castigar-vos-ei com escorpiões! 15-16Assim recusou o rei o pedido do povo. YAHU
ULHÍM fez com que assim fosse, a fim de que se cumprisse as predições feitas
por Aías o silonita, a Yaro-éboam. Quando o povo se deu conta do que o rei
estava a afirmar, foram-se todos embora e abandonaram-no. Que temos nós a ver
com Dáoud e a sua dinastia?, gritaram furiosamente. Arranjaremos bem outra
pessoa para ser nosso rei. Que Ro-éboam governe a sua própria tribo de YAHUDAH!
Nós vamos para a nossa terra! E assim fizeram. 17-19O povo da tribo de YAHUDAH
ficou pois fiel a Ro-éboam. Posteriormente, quando o rei Ro-éboam enviou
Hadorão a cobrar os impostos nas outras tribos de Yashorúl, o povo mantou-o.
Ro-éboam saltou para o seu carro de guerra e fugiu para YAHUSHUA-oléym. Yashorúl
recusou assim ser governado por um descendente de Dáoud, até ao dia de hoje.

 

2 TOLDOTH 11

 

1Chegado a YAHUSHUA-oléym Ro-éboam mobilizou
as tropas de YAHUDAH e de Benyamín, 180.000 hábeis soldados, e declarou guerra
contra o resto de Yashorúl, numa tentativa de reunir o reino. 2 YAHU ULHÍM
contudo deu a Shuam-YAHU o profeta a seguinte mensagem: 3Vai dizer ao rei
Ro-éboam de YAHUDAH (filho de Shua-ólmoh) e também ao povo de YAHUDAH e de
Benyamín, estas palavras: 4’Diz YAHU ULHÍM assim: Não combatam contra os vossos
irmãos. Vão para casa; porque sou eu quem está por detrás da rebelião deles’.
Eles assim fizeram; obedeceram a YAHU ULHÍM e desistiram de combater contra Yaro-éboam.

 

Ro-éboam fortifica YAHUDAH

 

5-10Ro-éboam ficou pois em YAHUSHUA-oléym e
fortificou as seguintes povoações de YAHUDAH, reforçando as muralhas e as
portas para ter mais segurança: Beth-Lékhem, Etã, Tekóa, Beth-Zur, Soco,
Adulão, Gate, Maressa, Zife, Adoraim, Laquis, Azeca, Zora, Ayalon, Hebron.
11-12Também reconstruiu e reforçou as fortalezas, guarnecendo-as com maiores
contingentes de tropas sob o comando de oficiais, reabastecendo-as com comida,
azeite e vinho. Também renovou as suas provisões de armamento, escudos e
lanças, em cada cidade, como medida de segurança. Porque só YAHUDAH e Benyamín
se mantiveram leais. 13-15Contudo, os intermediários e os Levítas das outras
tribos abandonaram as suas casas e localidades de origem e mudaram-se para YAHUSHUA-oléym,
porque o rei Yaro-éboam os despedira, dizendo-lhes que tinham de deixar de ser
intermediários de YAHU UL. Yaro-éboam designou outra gente para servir de
intermediários no lugar dos primeiros, encorajando o povo a prestar culto a
ídolos, e não a YAHU ULHÍM, fazendo sacrifícios a estátuas feitas por mãos de
homens, a bodes e a carneiros, que ele colocou no cimo de elevações. 16-17Mas
houve também gente, laica, de toda a parte de Yashorúl, que começou a mudar-se
para YAHUSHUA-oléym, onde podiam continuar livremente a adorar YAHU ULHÍM o
Criador Eterno dos seus pais e a prestar-lhe culto. Isto deu ainda mais força
ao reino de YAHUDAH, pelo que o rei Ro-éboam pôde fortalecer-se durante três
anos sem dificuldade; porque durante esse tempo houve um esforço grande para
obedecer a YAHU ULHÍM, tal como os reis Dáoud e Shua-ólmoh tinham feito.

 

A família de Ro-éboam

 

18-19Ro-éboam casou-se com Maalate, que era
filha de Yerimote, um filho de Dáoud, e de Abigaúl, filha de Uliab, um irmão de
Dáoud. Três filhos nasceram desse casamento: Yeús, Shuamor-YAHU e Zaão.
20-23Mais tarde casou-se também com Maaca, filha de Abshalóm. Os filhos que
esta última lhe deu foram Abiyah, Atai, Ziza e Selomite. Ele amou mais Maaca do
que qualquer das outras mulheres e concubinas (teve dezoito mulheres e sessenta
concubinas, que lhe deram vinte e oito filhos e sessenta filhas). Abiyah, filho
de Maaca, era o seu favorito, e decidiu fazê-lo herdeiro no trono. Muito
prudentemente espalhou os outros filhos pelas povoações fortificadas da terra
de YAHUDAH e de Benyamín, dando-lhes generosas pensões e a possibilidade de
viver com muitas mulheres.

 

2 TOLDOTH 12

 

O rei do Egito ataca YAHUSHUA-oléym

 

1Mas justamente quando Ro-éboam estava no
auge da popularidade e do poder, abandonou YAHU ULHÍM; e o povo seguiu-o nesse
pecado. 2Como resultado, o rei Sisaque do Egito atacou YAHUSHUA-oléym; era o
quinto ano do reinado de Ro-éboam. 3O rei egípcio atacou-o com mil e duzentos
carros de guerra, sessenta mil cavaleiros e um número incalculável de tropas de
infantaria – egípcios, líbios, suquitas e etíopes. 4Sem dificuldade conquistou
as cidades fortificadas de YAHUDAH e logo se aproximou de YAHUSHUA-oléym. 5O
profeta Shuam-YAHU foi ter com Ro-éboam e com os líderes de YAHUDAH, que se
tinham concentrado em YAHUSHUA-oléym, fugindo de Sisaque. E disse-lhe: Assim
diz YAHU ULHÍM, ‘Vocês abandonaram-me; por isso vos abandonei a vocês e vos
entreguei nas mãos de Sisaque’. 6O rei e os líderes de YAHUDAH confessaram
então os seus pecados e exclamaram:  YAHU
ULHÍM tem razão em nos fazer isto! 7-8Quando YAHU ULHÍM os viu humilharem-se,
enviou novamente Shuam-YAHU dizer-lhes: Visto que se humilharam, não vos
destruirei completamente. Alguns escaparão. Não usarei Sisaque para derramar a
minha ira sobre YAHUSHUA-oléym. Contudo deverão ficar a pagar-lhe tributo.
Assim dar-se-ão bem conta como é muito melhor servir-me a mim do que a ele!
9-12O rei Sisaque do Egito conquistou pois YAHUSHUA-oléym e levou todos os
tesouros do Templo e do palácio, assim como todos os escudos de ouro de
Shua-ólmoh. O rei Ro-éboam substituiu-os por escudos de bronze e entregou-os
aos cuidados do capitão da sua guarda pessoal. Sempre que o rei ia ao Templo, a
guarda real trazia-os para os exporem e depois tornava a guardá-los. Sendo que
o rei se humilhou, a ira de YAHU UL desviou-se dele e não permitiu a destruição
total; de fato, mesmo após a invasão de Sisaque, ainda havia boas condições de
vida em YAHUDAH. 13-14O rei Ro-éboam reinou dezassete anos em YAHUSHUA-oléym, a
cidade que YAHU ULHÍM escolhera de entre as outras cidades de Yashorúl para lá
estar presente. Tornara-se rei com a idade de quarenta e um anos; a sua mãe
chamava-se Naamá, uma mulher amonita. Mas foi um mau rei, pois nunca se decidiu
determinadamente a agradar a YAHU ULHÍM. 15-16A completa biografia de Ro-éboam
está registada nas crónicas escritas por Shuam-YAHU o profeta e por Ido o
vidente, e também no Registo de Genealogias. Houve guerras continuamente entre
Ro-éboam e Yaro-éboam. Quando Ro-éboam faleceu foi enterrado em YAHUSHUA-oléym,
e o seu filho Abiyah ascendeu ao trono.

 

2 TOLDOTH 13

 

Abiyah é rei de YAHUDAH

 

1-2Abiyah tornou-se rei de YAHUDAH, com a
sua corte em YAHUSHUA-oléym, no décimo oitavo ano do reinado de Yaro-éboam, rei
de Yashorúl. Reinou três anos. O nome da sua mãe era Micaia (filha de Uriel de
Gibeá) ogo no princípio do seu reinado rebentou novamente a guerra entre YAHUDAH
e Yashorúl. 3YAHUDAH, sob o comando do próprio rei Abiyah, reuniu um exército
de 400.000 soldados preparados, que se confrontou com uma força Yashorulíta
duas vezes mais numerosa, formada de gente aguerrida e corajosa, conduzidas
também pelo próprio rei Yaro-éboam. 4-9Quando as forças militares de YAHUDAH
chegaram ao monte Zemaraim, na região das colinas de Efroím, o rei Abiyah
gritou para o rei Yaro-éboam e para os soldados Yashorulítas: Escutem! Não se
lembram vocês que YAHU ULHÍM o Criador Eterno de Yashorúl jurou a Dáoud que
seriam sempre os descendentes de Dáoud os reis em Yashorúl? O vosso rei Yaro-éboam
não é mais do que um servo do filho Dáoud, e que traiu o seu YAHU ULHÍM. Toda
uma banda de rebeldes indignos se juntou a ele, desafiando Ro-éboam, o filho de
Shua-ólmoh, o qual era novo e medroso, por isso não pôde fazer-lhes frente.
Estarão vocês verdadeiramente convencidos de que podem derrotar o reino de YAHU
UL, conduzido por um descendente de Dáoud? O vosso exército é duas vezes
superior ao meu, mas vocês têm convosco a maldição desses bezerros de ouro que
estão no vosso meio, e que Yaro-éboam mandou fazer-vos, chamando-lhes falsos
criadores o estatuas! Vocês lançaram fora os intermediários de YAHU UL e os
Levítas, designando no lugar deles intermediários pagãos. À semelhança dos
povos de outras terras, aceitam como intermediários seja quem for que se chegue
com um novilho e com sete carneiros para a consagração. Um qualquer pode ser
intermediário desses que nem sequer são falsos criadores o estatuas nenhuns!
10Quanto a nós, YAHU ULHÍM é o nosso Criador Eterno e não o abandonámos. Só os
descendentes de Aharón são os nossos intermediários, e só os Levítas podem
secundá-los nas suas funções. 11-12Queimam holocaustos todas as manhãs e tardes
– ofertas queimadas e ofertas de incenso; colocam o pão da presença sobre a
mesa santa. O lampadário de ouro é aceso todas as noites. Nós somos cuidadosos
no cumprimento das instruções de YAHU UL nosso Criador Eterno; mas vocês
abandonaram-no. Portanto, como vêem, YAHU ULHÍM está connosco. Ele é o nosso
chefe. Os seus intermediários, tocando as trombetas, irão à nossa frente na
luta contra vocês. Ó povo de Yashorúl, não guerreiem contra YAHU ULHÍM o
Criador Eterno de vossos pais, pois não ganharão! 13-17Entretanto Yaro-éboam
tinha mandando escondidamente parte do seu exército dar a volta por detrás das
forças de YAHUDAH, para os atacarem de surpresa. Dessa forma YAHUDAH ficou
cercada, com adversários atrás e à frente. Clamaram então pela misericórdia de YAHU
UL, e os intermediários tocaram as trombetas. Os homens de YAHUDAH começaram a
gritar. Enquanto iam gritande YAHU ULHÍM interveio a favor de Abiyah e a
corrente da batalha voltou-se contra Yaro-éboam e as tropas de Yashorúl, tendo
sido mortos 500.000 soldados de elite, Yashorulítas, naquele dia. 18-20Foi
desse modo que YAHUDAH, dependendo de YAHU UL o Criador Eterno dos seus pais,
derrotou Yashorúl, perseguiu Yaro-éboam e capturou algumas das suas povoações,
como Bohay-Úl, Yesaná, Efrom e os subúrbios respectivos. O rei Yaro-éboam nunca
mais recuperou o poder que tivera, durante a vida de Abiyah. Mais tarde YAHU
ULHÍM feriu-o e morreu. 21-22Entretanto o rei Abiyah de YAHUDAH tornara-se
muito forte. Casou com catorze mulheres e teve vinte e dois filhos e dezasseis
filhas. A sua biografia completa e os seus discursos estão relatados na
História de YAHUDAH do profeta Ido.

 

2 TOLDOTH 14

 

Osa é rei de YAHUDAH

 

1O rei Abiyah foi enterrado em YAHUSHUA-oléym.
O seu filho Osa tornou-se o novo rei de YAHUDAH. Durante os primeiros dez anos
do seu reinado houve paz na terra, 2porque Osa era cuidadoso em obedecer a YAHU
ULHÍM, seu Criador Eterno. 3Deitou abaixo os altares pagãos sobre as colinas,
derrubou os obeliscos e destruiu os vergonhosos ídolos de Asera. 4Pediu ainda a
toda a nação que obedecesse aos mandamentos de YAHU UL o Criador Eterno dos
seus antepassados. 5Também fez remover do cimo das colinas as imagens do sol e
os altares de incenso de todas as povoações de YAHUDAH. 6Por isso YAHU ULHÍM
manteve o seu reinado em paz, o que lhe deu a possibilidade de reconstruir
cidades bem muradas, por toda a terra de YAHUDAH. 7É agora que devemos fazer
estas obras, disse ao povo, enquanto YAHU ULHÍM nos está a abençoar com paz, em
razão de obedecermos à sua palavra. Edifiquemos e reforcemos estas cidades com
muralhas, torres, portões e ferrolhos. E assim levaram a cabo essas obras. 😯
exército YAHÚ-di do rei Osa tinha 300.000 combatentes, equipados com escudos
ligeiros e com lanças. O contingente do seu exército originário de Benyamín
totalizava 280.000 soldados, armados com grandes escudos e arcos. Ambos os
exércitos eram compostos por homens valentes e bem treinados. 9-10A certa
altura YAHUDAH foi atacado por um exército de um milhão de homens vindos da
Etiópia, com 300 carros de guerra, sob a liderança do General Zara. Estes
avançaram para a cidade de Maressa, no vale de Zefatá, e o rei Osa mandou as
suas tropas ao encontro deles ali. 11Ó YAHU ULHÍM, clamou ele a YAHU ULHÍM,
ninguém mais nos pode socorrer! Aqui estamos nós, fracos, enfrentando um
poderoso exército. Ajuda-nos, YAHU ULHÍM, nosso Criador Eterno! Pois confiamos
só em ti para que nos salves. É no teu Shúam (Nome) que vamos atacar estas
hordes. Não permitas que meros homens possam derrotar-nos! 12-15Então YAHU
ULHÍM desbaratou os etíopes, e Osa, à frente do exército de YAHUDAH, foi em
perseguição deles. Correram sobre eles até Gerar; e todo o exército etíope foi
aniquilado de tal forma que não se salvou nem um homem. Porque fora YAHU ULHÍM
e o seu exército quem os destruiu. As tropas de YAHUDAH trouxeram grande
despojo. Enquanto estavam em Gerar, atacaram todas as cidades daquela zona, e o
terror de YAHU UL caiu sobre as gentes dali. Como resultado, mais grandes
quantidades de despojo foram trazidas daquelas cidades. E ao mesmo tempo
destruíram os currais, capturaram muito gado e camelos antes de regressarem
definitivamente a YAHUSHUA-oléym.

 

2 TOLDOTH 15

 

O despertamento de Osa

 

1Então o RÚKHA-YAHU veio sobre Ozor-YAHU
(filho de Awód), 2e este foi encontrar-se com o rei Osa, quando regressava da
batalha. Escuta-me Osa! Ouçam todos, gente Tzavulyáo de YAHUDAH e de Benyamín!,
gritou ele.  YAHU ULHÍM estará convosco
enquanto vós estiverdes com Ele! Sempre que o buscarem, o acharão. Mas se lhe
virarem as costas, ele vos deixará. 3Durante muito tempo em Yashorúl o povo não
prestou culto ao verdadeiro YAHU ULHÍM, nem teve intermediários para os
ensinar. Viveram sem as leis de YAHU ULHÍM. 4Contudo, sempre que se voltavam
para YAHU ULHÍM o Criador Eterno de Yashorúl, e na sua angústia o procuravam,
ele socorria-os. 5Nos tempos de rebelião contra YAHU ULHÍM não havia paz. E a
nação era perturbada por toda a espécie de problemas. Aumentava o crime por
toda a parte. 6Havia guerras do exterior, e conflitos internos de cidades
contra cidades. Era YAHU ULHÍM quem os afligia com todos esses apertos. 7Mas
vocês, gente de YAHUDAH, esforcem-se por fazer o bem e não se desencorajem,
porque serão recompensados. 8Ouvindo esta mensagem de YAHU ULHÍM, Osa encheu-se
de coragem e destruiu todos os ídolos das terras de YAHUDAH e de Benyamín,
assim como das povoações que tinha ocupado nas colinas de Efroím. Reconstruiu
também o altar de YAHU UL diante do Templo. 9-14Depois convocou todo o povo de YAHUDAH,
de Benyamín e os imigrantes de Yashorúl (porque muita gente viera dos
territórios de Efroím, de Menashé e de Shamiúl, em Yashorúl, ao verem que YAHU
ULHÍM o Criador Eterno estava com o rei Osa). Todos vieram a YAHUSHUA-oléym, em
Junho do décimo quinto ano do reinado de Osa, e sacrificaram a YAHU ULHÍM
setecentos bois e sete mil cordeiros -era parte do despojo capturado na
batalha. Em seguida fizeram uma promessa solene de prestar culto unicamente a YAHU
ULHÍM o Criador Eterno dos seus pais, e councordaram em que, se alguém
recusasse adorá-lo, deveria morrer- fosse velho ou novo, homem ou mulher. Assim
afirmaram bem alto essa jura de lealdade a YAHU ULHÍM, acompanhados de toques
de trombetas e de buzinas. 15Estavam todos felizes com esta aliança feita com YAHU
ULHÍM, pois formularam-na com uma vontade decidida e com todo o seu coração.
Buscaram YAHU ULHÍM acima de todas as coisas e encontraram-no; por isso deu paz
em toda a nação. 16O rei Osa retirou a sua avó Maaca a distinção de ser
rainha-mãe por ter sido ela quem fez o horrível ídolo de Asera; destruiu pois
esse ídolo desprezível, despedaçou-o e queimou-o, deitando as cinzas no ribeiro
de Kidron. 17-18Mas em Isarel não foram removidos os Templos de ídolos. No
entanto em YAHUDAH e em Benyamín o coração do rei Osa foi recto perante YAHU
ULHÍM todo o tempo da sua vida. Tornou a trazer para o Templo as taças e as
bacias de prata e de ouro que o seu pai tinha consagrado a YAHU ULHÍM. 19Foi
assim que não houve mais guerra até ao trigésimo quinto ano do reinado de Osa.

 

2 TOLDOTH 16

Os últimos anos de Osa

 

1Mas no ano trinta e seis, o rei Basha de Yashorúl
declarou-lhe guerra e construiu a fortaleza de Roéma a fim de poder controlar a
estrada de acesso a YAHUDAH. 2A resposta de Osa foi pegar no ouro e na prata do
Templo e do palácio e mandá-los ao rei Ben-Hadad da Syria, em Damasco, com esta
mensagem: 3Vamos renovar o pacto de segurança mútua que existia entre o teu pai
e o meu. Mando-te aí prata e ouro para te convencer a quebrares a tua aliança
com Basha, rei de Yashorúl, para que me deixes tranquilo. 4Ben-Hadad aceitou a
proposta de Osa e mobilizou o seu exército com o fim de atacar Yashorúl.
Destruíram pois as povoações de Ijom, de Dayán e de Abúl-Maim e todos os
centros de reabastecimento em Neftali. 5Ouvindo isto, Basha suspendeu a
construção de Roéma e anulou o seu plano de ataque a YAHUDAH. 6O rei Osa e o
povo de YAHUDAH foram a Roéma, carregaram com as pedras da construção, com a
madeira, e usaram isso tudo para construir Geba e Mizpá. 7-9Por essa altura
veio ter com Osa o profeta Hanani que lhe disse: Visto que puseste a tua
confiança no rei da Syria e não em YAHU ULHÍM, teu Criador Eterno, o exército
do rei da Syria escapou da tua mão. Não te lembras já do que aconteceu ao
imenso exército de etíopes e líbios, com todos os seus carros e cavaleiros?
Nesse tempo confiaste em YAHU ULHÍM e ele entregou-tos a todos. Porque os olhos
de YAHU UL passam por toda a terra procurando aqueles cujo coração é recto
diante dele, para que possa mostrar para com eles o seu poder e o seu socorro.
Procedeste loucamente! Daqui em diante haverá guerras contra ti. 10Osa ficou
tão zangado com o profeta por ter dito estas coisas que o pôs na masmorra. A
partir dessa altura começou a oprimir despoticamente alguns do povo. 11O resto
dos feitos de Osa estão escritos nos Anais dos Reis de Yashorúl e de YAHUDAH.
12-14No ano trinta e nove do seu reinado, Osa ficou seriamente doente dos pés,
mas nem mesmo assim procurou YAHU ULHÍM, para o ajudar; confiou apenas em
médicos. Assim faleceu ele, no ano quarenta e um do seu reinado, tendo sido
enterrado no túmulo que mandara construir para si em YAHUSHUA-oléym. Foi posto
numa cama cheia de especiarias e de óleos perfumados. O povo fez-lhe um enterro
em que se queimou muito incenso.

 

2 TOLDOTH 17

 

YAHU-shuafát é rei de YAHUDAH

 

1-2 YAHU-shuafát, seu filho, reinou em seu
lugar e mobilizou-se para a guerra contra Yashorúl. Pôs guarnições militares em
todas as cidades fortificadas de YAHUDAH, em vários outros pontos, através do
seu território e também nas povoações de Efroím que seu pai conquistara. 3-4 YAHU
ULHÍM estava com YAHU-shuafát, porque andou nos caminhos rectos dos primeiros
tempos do reinado do seu pai, e não prestou culto aos ídolos. Obedceu aos
mandamentos de YAHU ULHÍM do seu pai inteiramente, ao contrário do que
acontecia além fronteiras com Yashorúl. 5Por isso YAHU ULHÍM fortaleceu a sua
posição como rei de YAHUDAH. Todo o povo cooperou, pagando as suas taxas. Em
consequência tornou-se muito rico e muito popular. 6Andou sem hesitação alguma
nos caminhos de YAHU UL – derrubou os altares pagãos sobre as elevações e
destruiu os ídolos de Asera nos bosques. 7-8No terceiro ano do seu reinado
iniciou um vasto programa de educação religiosa. Para isso mandou os principais
responsáveis da administração pública como professores para todas as cidades de
YAHUDAH. Eram eles Bene-Hail, AWODYAHU, ZOCHARYAHU, Naokhan-Úl e MICHA-YAHU.
Também enviou Levítas para esse efeito: Shuam-YAHU, Naokhányah, ZAWODYAHU,
Osaul, Semiramote, Yanaokhán, Adoni-YAHU, Tobias e Tobe-Adoni-YAHU. Foram
enviados igualmente os intermediários Ulishama e Yeorão. 9Levaram cópias do
Livro da Lei de YAHU UL para as cidades de YAHUDAH, a fim de com ele ensinarem
a palavra de YAHU ULHÍM ao povo. 10-11Então o temor de YAHU UL caiu sobre os
reinos vizinhos, de tal forma que todos eles se abstiveram de declarar guerra
ao rei YAHU-shuafát. Até alguns Palestinos chegaram mesmo a trazer-lhe
presentes e um tributo anual. Os árabes ofertaram-lhes sete mil e setecentos
carneiros e um número igual de bodes. 12Foi assim que YAHU-shuafát se
engrandeceu em extremo; e construiu fortalezas e povoações de reabastecimento
por toda a terra de YAHUDAH. 13-18Também o seu programa de obras públicas foi
bastante intenso. Tinha um exército muito grande, estacionado em YAHUSHUA-oléym,
a capital. Trezentos mil soldados estavam sob o comando do general Adna. Na
hierarquia do comando vinha a seguir Yoanã, com uma divisão de duzentos e
oitenta mil homens. Depois, Amasias (filho de Zicri), um homem de grande
consagração a YAHU ULHÍM, que tinha a seu cargo duzentos mil soldados. Benyamín
forneceu duzentos mil homens equipados com arcos e escudos, sob o comando de
UliYada, um grande general. O segundo, de Benyamín, era Yeozabade, comandando
cento e oitenta mil homens bem treinados para a guerra. 19Eram tropas que
estacionavam em YAHUSHUA-oléym, para além das que o rei colocara nas cidades
fortificadas, por toda a terra de YAHUDAH.

 

2 TOLDOTH 18

 

A profecia de MICHA-YAHU contra Acabe

 

1-2Apesar de rico e honrado, YAHU-shuafát
fez uma aliança de casamento do seu filho com a filha do rei Acabe de Yashorúl.
Alguns anos mais tarde, desceu a Shuamor-YAHU para visitar o rei Acabe. Este
último deu uma grande celebração em sua honra e da sua comitiva, matando grande
número de cordeiros e de bois para essa recepção. Depois pediu a YAHU-shuafát
que juntasse as forças militares dele às suas contra Ramot-Gaúliod. 3-4Como
não?, exclamou YAHU-shuafát. Estou contigo, seja de que forma for! As minhas
tropas são tuas. Mas no entanto vamos primeiro consultar YAHU ULHÍM sobre isso.
5O rei Acabe convocou quatrocentos dos seus profetas pagãos e perguntou-lhes:
Iremos à guerra contra Ramot-Gaúliod ou não?Eles responderam-lhe: Vai, sim,
porque YAHU ULHÍM te concederá a vitória! 6Mas YAHU-shuafát não ficou satisfeito.
Não haverá por aí nenhum profeta de YAHU UL?, perguntou ele. Gostaria de o
consultar igualmente. 7Bem, respondeu Acabe, há um aí, mas tenho-lhe aversão; é
um indivíduo que nunca é capaz de me profetizar nada de bom; é sempre tudo mau!
É um tal MICHA-YAHU, filho de Imlá. Acho que não devias falar assim, exclamou YAHU-shuafát.
Vamos lá ouvir o que ele diz. 8Então o rei de Yashorúl chamou um dos seus
servos: Vai buscar depressa MICHA-YAHU, o filho de Imlá. 9-10Os dois monarcas
estavam sentados nos tronos, com os seus trajos de gala, numa praça à entrada
de Shuamor-YAHU, com todos os profetas pagãos, profetizando na frente deles. Um
deles, Tzaodoq-YAHU (filho de Quenaana), fez mesmo uma espécie de hastes de
boi, em ferro, ali mesmo, e proclamou:  YAHU
ULHÍM diz-te que ferirás os sírios, e que os matarás, com estes chifres. 11E
todos os outros concordavam: Sim, diziam em coro, sobe a Ramot-Gaúliod e
vencerás. YAHU ULHÍM te fará prosperar nesse empreendimento. 12O homem que foi
buscar MICHA-YAHU disse-lhe o que estava a contecer e o que é que os outros
profetas diziam – ou seja, que a guerra acabaria num triunfo para o rei. Espero
que sejas da mesma opinião que eles, que as tuas palavras sejam numa linha
favorável, opinou o homem. 13MICHA-YAHU no entanto respondeu-lhe: Garanto-te
que o que YAHU ULHÍM me mandar dizer, é aquilo que eu direi. 14Quando chegou
perante o rei, este perguntou-lhe: MICHA-YAHU, iremos nós à guerra contra
Ramot-Gaúliod, ou não?Sim, com certeza. Vai já a correr! Vais ter uma grande
vitória! disse-lhe MICHA-YAHU. 15Olha aqui, disse-lhe o rei com rispidez,
quantas vezes te tenho dito que quero que me fales unicamente o que YAHU ULHÍM
te manda dizer? 16Então MICHA-YAHU falou deste modo: Tive uma visão em que vi
todo o Yashorúl disperso pelos montes como ovelhas sem apacentador. E YAHU
ULHÍM disse assim: ‘Não têm apacentador porque foi morto. Que cada um vá em paz
para sua casa.’  17Não te disse eu?,
exclamou Acabe para YAHU-shuafát. É assim todas as vezes. Nunca me profetiza
seja o que for de bom – só fala contra mim. 18-20Escuta-me. YAHU ULHÍM tem mais
a dizer-te, prosseguiu MICHA-YAHU. Vi YAHU ULHÍM sentado sobre o seu trono,
rodeado de grandes multidões de anjos. E disse assim YAHU ULHÍM: ‘Quem é que
vai persuadir Acabe de ir à batalha contra Ramot-Gaúliod, para que seja morto
ali?’ Houve muitas sugestões; até que finalmente se apresentou um espírito
diante de YAHU UL que disse: ‘Vou eu. Eu o persuadirei.”Como?’, perguntou-lhe YAHU
ULHÍM. 21’Tornar-me-ei num espírito de mentira na boca de todos os profetas do
rei!”Está bem’, disse YAHU ULHÍM. ‘Faz assim.’ 22Estás portanto a ver,
continou MICHA-YAHU, dirigindo-se sempre ao rei, que YAHU ULHÍM pôs um espírito
de mentira na boca destes teus profetas, quando na realidade o que ele
determinou foi o oposto do que têm estado a dizer! 23Tzaodoq-YAHU, o filho de
Quenaana, aproximou-se de MICHA-YAHU e esbofetou-o: És um mentiroso!, rugiu-lhe
ele. Quando é que foi que o espírito de YAHU UL me deixou a mim para passar
para ti? 24Não tardará muito que tenhas a resposta, respondeu-lhe MICHA-YAHU,
quando te fores esconder no quarto interior! 25-26Prendam este homem e levem-no
já ao govenador Amom e ao meu filho Ya-ósh, ordenou o rei de Yashorúl.
Digam-lhe que o rei mandou pôr esse indivíduo na prisão e alimentá-lo a pão e
água até que eu regresse são e salvo desta batalha! 27MICHA-YAHU ainda
acrescentou: Se voltares salvo, é porque YAHU ULHÍM o falou por mim. E
voltando-se para os que o rodeavam: Lembrem-se bem do que eu disse.

 

Acabe morre em combate

 

28Então o rei de Yashorúl mais o rei de YAHUDAH
conduziram os seus exércitos ao ataque a Ramot-Gaúliod. 29O rei de Yashorúl
disse a YAHU-shuafát: Será melhor eu disfarçar-me, de forma a que ninguém me
reconheça, mas tu, põe os teus fATOS reais! E assim fizeram. 30Ora aconteceu
que o rei da Syria tinha dado as seguintes instruções os condutores dos seus
carros de guerra: Há um homem só que me interessa – o rei de Yashorúl!
31-32Então, quando a tropa viu o rei YAHU-shuafát na sua roupa real,
dirigiram-se logo a ele, supondo tratar-se de quem eles procuravam. Mas YAHU-shuafát
gritou a YAHU ULHÍM para o salvar. YAHU ULHÍM fez com que os guerreiros dos
carros vissem o seu erro e o deixassem; com efeito, logo que viram que não era
o rei de Yashorúl, não foram mais no seu alcance. 33No entanto fortuitamente um
soldado sírio atirou uma flecha sobre as tropas Yashorulítas, a qual foi
precisamente ferir o rei de Yashorúl na juntura que a armadura faz com a
couraça. Tira-me já daqui, gritou ele para o condutor do seu carro, porque
estou seriamente ferido. 34A batalha foi-se tornando cada vez mais dura, com o
avançar do dia. O rei de Yashorúl quis regressar ao combate, e manteve-se no
seu carro, em pé, combatendo os sírios, até que morreu, ao pôr do sol.

 

2 TOLDOTH 19

 

1-2Quando o rei YAHU-shuafát regressou à sua
terra, são e salvo, o profeta YAHU, filho de Hanani, foi ao seu encontro. Terá
sido correcto que tenhas ajudado um ímpio e te tenhas feito amigo de alguém que
repudia YAHU ULHÍM?, perguntou-lhe. Por isso, a ira de YAHU ULHÍM cairá sobre
ti. 3Há contudo boas coisas a teu respeito – tiraste os ídolos vergonhosos da
terra, e fizeste o possível por ser fiel a YAHU ULHÍM. 4-6 YAHU-shuafát não se
deslocou mais a Yashorúl depois disso, e deixou-se ficar sossegado em YAHUSHUA-oléym.

 

YAHU-shuafát nomeia juízes

 

7Mais tarde tornou a deslocar-se através da
terra, entre o povo, desde Beer-Shéva até às colinas de Efroím para encorajar
as pessoas a adorar YAHU ULHÍM dos seus pais. Nomeou também juízes sobre toda a
nação, estabelecidos nas principais cidades, e deu-lhes instruções: Vejam bem
como actuam. Não fui eu quem vos nomeou – foi YAHU ULHÍM. Ele estará convosco e
vos ajudará a fazer justiça em cada caso que vos for apresentado. Tenham muito
cuidado em nunca tomar decisões que não correspondam à vontade de YAHU ULHÍM.
Porque não pode haver injustiça entre juízes de YAHU ULHÍM, não pode haver
parcialidade, nem suborno. 8-10 YAHU-shuafát estabeleceu tribunais em YAHUSHUA-oléym,
também, formados por Levítas, intermediários, líderes dos clãs e juízes. Foram
estas as instruções que lhes deu: Vocês são chamados a agir sempre no temor de YAHU
ULHÍM, com corações honestos. Sempre que um caso vos seja referido pelos juízes
da província, sejam casos de agressão física, sejam assuntos referentes à
violação das leis e das ordenanças de YAHU ULHÍM, deverão estabelecer com
clareza todos os dados do processo e, com provas em apoio, decidir com justiça,
para que a ira de YAHU ULHÍM não venha sobre vocês e sobre eles. Se assim
fizerem, livrar-se-ão de qualquer culpa nalguma injustiça que puder ser feita.
11Depois nomeou Amor-YAHU, intermediário supremo, como presidente dos juízes,
em casos envolvendo violação de coisas sagradas; e ZAWODYAHU, filho de Ishmaúl,
chefe da tribo de YAHUDAH, presidente em todos os casos de carácter civil,
tendo os Levítas por assistentes. Sejam corajosos no exercício das vossas
funções. Que YAHU ULHÍM seja com os que são rectos.

 

2 TOLDOTH 20

 

YAHU-shuafát derrota Moabe e Amom

 

1Mais tarde, os exércitos dos reis de Moabe,
de Amom e de uma parte dos amonitas, declarou guerra a YAHU-shuafát e ao povo
de YAHUDAH. 2Chegou ao conhecimento de YAHU-shuafát que um vasto exército
estava a marchar contra ele, das partes do mar Salgado, da Syria, e que já
estava em Hazazom-Tamar (também conhecida por Engedi). 3 YAHU-shuafát ficou
profundamente abalado com estas notícias e logo decidiu implorar o socorro de YAHU
UL. Assim anunciou que todo o povo de YAHUDAH deveria jejuar durante um tempo.
4-5Todo o povo de toda a parte da nação veio até YAHUSHUA-oléym para orarem
juntos a YAHU ULHÍM. YAHU-shuafát pôs-se em pé no meio do povo reunido no pátio
novo do Templo, e fizeram a seguinte oração: 6 YAHU ULHÍM o Criador Eterno dos
nossos pais – único YAHU ULHÍM em todos os shua-ólmaYa, o dominador de todos os
reinos da terra – tu tens todo o poder, toda a força. Quem poderá fazer-te
frente? 7-9Ó nosso YAHU ULHÍM, não foste tu quem expulsou os povos pagãos que
viviam nesta terra antes do teu povo aqui chegar? E não foste tu quem deu esta
terra aos descendentes de Abruhám, o teu amigo? Foi o teu povo que se
estabeleceu aqui e que construiu este Templo para ti, crendo sinceramente quem
em tempos de angústia como este -sempre que fôssemos confrontados com uma
calamidade, fosse guerra, doença ou fome- pudéssemos aqui vir na tua presença,
neste Templo, e clamar que nos salves, que nos ouças e nos socorras.
10-11Agora, atenta para o que os exércitos de Amom, de Moabe e do monte Seir
estão a fazer. Tu não permitiste aos nossos antepassados que invadissem essas terras,
quando vinham saindo do Egito; e como tal, contornaram-nas e não as destruíram.
Agora, vê só a recompensa que nos dão! Querem pôr-nos fora desta terra que nos
deste. 12Ó nosso YAHU ULHÍM, não os deterás tu? Não temos forma de nos
protegermos contra esse poderoso exército. Não sabemos o que fazer; apenas
temos os olhos postos em ti. 13-14Enquanto aquele povo todo, vindo de todas as
partes de YAHUDAH, ali estava perante YAHU ULHÍM, com os seus filhos, as suas
mulheres, e seus bebês, o RÚKHA de YAHU UL veio sobre um dos homens presentes –
Yaziúl (filho de ZOCHARYAHU, filho de Bina-YAHU, filho de Yai-Úl, filho de
Manaim-YAHU o levita, que era um dos filhos de Osaf). 15Que todo o povo me
escute, povo de YAHUDAH e de YAHUSHUA-oléym, e tu também, ó rei YAHU-shuafát!,
exclamou ele. Assim diz YAHU ULHÍM, ‘Não tenham medo! Não fiquem paralisados
por este poderoso exército! Porque esta batalha não é vossa, mas de YAHU ULHÍM!
16-17Amanhã, vão e ataquem-nos! Encontrá-los-ão subindo as ladeiras de Ziz, no
fim do vale que se abre sobre o deserto de Yeruel. Mas nem terão necessidade de
lutar! Tomem os vossos lugares de combate e fiquem quietos, e vejam só a
maravilhosa operação de salvação que YAHU ULHÍM realizará para vocês, ó povo de
YAHUDAH e de YAHUSHUA-oléym! Não tenham medo, nem desfaleçam. Partam amanhã,
porque YAHU ULHÍM está convosco!’ 18-19Então o rei YAHU-shuafát inclinou-se,
tocando com o rosto em terra, e todo o povo de YAHUDAH mais o de YAHUSHUA-oléym
fez o mesmo, adorando YAHU ULHÍM. Os Levítas do clã de Coate mais os do clã de
Coré levantaram-se para louvar YAHU ULHÍM o Criador Eterno de Yashorúl com
cânticos vibrantes e de grande ressonância. 20Na manhã seguinte, cedo, as
forças de YAHUDAH dirigiram-se para o deserto de Tekóa. YAHU-shuafát, a meio do
caminho, mandou-os parar e falou-lhes assim: Escutem-me todos, ó povo de YAHUDAH
e de YAHUSHUA-oléym. Creiam em YAHU ULHÍM vosso Criador Eterno, e serão
protegidos. Creiam nos seus profetas, e tudo correrá bem! 21Depois de ter
consultado os líderes do povo, o rei determinou que um coro abriria a marcha do
exército, vestido com as roupas santas e cantando o seguinte tema, A sua
misericórdia é para sempre, louvando e agradecendo a YAHU ULHÍM enquanto iam
andando. 22-24Ora, no momento em que começaram a cantar e a entoar os louvores,
YAHU ULHÍM fez com que os exércitos, tanto de Amom, como de Moabe, mais o da
montanha de Seir, começassem a guerrar entre si, destruindo-se mutuamente!
Primeiro foram os dois exércitos dos amonitas e dos moabitas que investiram
contra os do monte Seir, matando-os a todos. Quando acabaram, voltaram-se um
contra o outro, os dois exércitos! Quando a tropa de YAHUDAH chegou ao
miradouro que dá sobre o deserto, tudo o que podiam ver era só corpos mortos,
jazendo no solo – nem um só dos seus inimigos escapou. 25-26O rei YAHU-shuafát
mais o povo desceram para apanhar o despojo e carregar o dinheiro, roupa e
jóias tirados dos corpos – era tanto que levou três dias a saquear! No quarto
dia juntaram-se no vale da Bênção, como é chamado hoje, e aí louvaram
entusiasticamente YAHU ULHÍM! 27-28Voltaram para YAHUSHUA-oléym, com YAHU-shuafát
à frente, cheios de alegria pela forma maravilhosa como YAHU ULHÍM os tinha
livrado dos seus inimigos. Entraram em YAHUSHUA-oléym acompanhados por uma
orquestra de harpas, liras e trombetas, dirigindo-se para o Templo. 29-30Quando
os reinos vizinhos souberam do que acontecera, que YAHU ULHÍM, ele próprio,
combatera contra os inimigos de Yashorúl, o temor de YAHU ULHÍM caiu sobre
eles. O reino de YAHU-shuafát permaneceu assim sossegado, porque era YAHU ULHÍM
quem lhes dava paz.

 

O fim do reino de YAHU-shuafát

 

31-33 YAHU-shuafát tornou-se rei de YAHUDAH
aos trinta e cino anos de idade, e reinou vinte e cinco anos em YAHUSHUA-oléym.
A sua mãe chamava-se Azuba, e era filha de Sili. Foi um bom rei, tal como o
fora seu pai Osa. Fez sempre o possível por não se desviar dos caminhos de YAHU
UL, com a ressalva de que não destruiu os nichos de ídolos das colinas, nem o
povo chegou a estar inteiramente decidido a seguir YAHU ULHÍM dos seus
antepassados. 34Outro relato dos acontecimentos respeitantes ao reinado de YAHU-shuafát,
do princípio ao fim da sua vida, pode encontrar-se na história de YAHU, o filho
de Hanani, inserta nos Anais dos Reis de Yashorúl. 35-36No fim da sua vida, YAHU-shuafát,
rei de YAHUDAH, aliou-se a Ahoz-YAHU, rei de Yashorúl, que era um homem mau.
Associaram-se para a construção de navios, em Eziom-Geber, que navegassem até
Tarsis. 37Então Úlozor, filho de Dodava, de Maressa, profetizou contra YAHU-shuafát,
dizendo-lhe assim: Visto que te aliaste com o rei Ahoz-YAHU, YAHU ULHÍM
destruiu já essa obra que mandaste executar. Com efeito, aqueles navios
naufragaram, nunca tendo chegado a Tarsis.

 

2 TOLDOTH 21

 

Yeorão é rei de YAHUDAH

 

1-2Quando morreu, YAHU-shuafát foi enterrado
no cemitério dos reis, em YAHUSHUA-oléym. O seu filho Yeorão tomou o seu lugar
no trono de YAHUDAH. Os seus irmãos – os outros filhos de YAHU-shuafát – eram:
Ozor-YAHU, Yai-Úl, ZOCHARYAHU, Asarias, Mikhaúl e Shuafat-YAHU. 3-4O pai tinha
dado a cada um valiosos presentes em dinheiro e em jóias, assim como o chefeio
sobre algumas das cidades fortificadas de YAHUDAH. Contudo o trono foi para
Yeorão, porque era o mais velho. Mas quando este último se sentiu confirmado
solidamente como rei, matou os irmãos, e muitos outros líderes de Yashorúl.
5-6Tinha trinta e dois anos quando começou a reinar. Reinou oito anos em YAHUSHUA-oléym.
Foi tão mau como os reis de Yashorúl. Assemelhou-se ao ímpio Acabe; até porque
tinha casado com uma das suas filhas. Toda a sua vida foi um constante desfiar
de maldades. 7No entanto YAHU ULHÍM não tinha intenção de terminar com a
dinastia de Dáoud, pois fizera com este uma aliança em como haveria sempre um
descendente seu sobre o trono. 8-11O rei de Edom revoltou-se e declarou
independência, face a YAHUDAH. Yeorão atacou-o com todo o exército, equipado
com carros de combate, progredindo de noite; e quase conseguiram dominá-los.
Mas o certo é que Edom acabou por sair vitorioso, e conseguiu, até hoje,
libertar-se do jugo de YAHUDAH. Também Libna se revoltou. Tudo isso porque
Yeorão desprezou YAHU ULHÍM o Criador Eterno dos seus pais. E mais ainda:
construiu altares aos ídolos, no cimo das elevações de YAHUDAH, e levou a
população de YAHUSHUA-oléym a prestar-lhe culto – foi mesmo uma imposição que
fez ao povo de YAHUSHUA-oléym e de YAHUDAH. 12-15Uli-YAHU o profeta
escreveu-lhe a seguinte carta:  YAHU
ULHÍM o Criador Eterno do teu antepassado Dáoud diz que, devido a não andares
nos caminhos de YAHU-shuafát, teu pai, e nos do rei Osa, antes te tornaste tão
perverso como os reis de Yashorúl e fizeste com que o povo de YAHUSHUA-oléym e
de YAHUDAH adorassem ídolos, tal como nos tempos do rei Acabe, e visto que
mataste os teus irmãos, que eram melhores do que tu, agora YAHU ULHÍM destruirá
a tua nação com uma grande praga. Tanto tu, como os teus filhos, as tuas
mulheres e tudo o que tens se perderá. Serás ferido com uma enfermidade
intestinal e as entranhas rebentar-te-ão. 16-17 YAHU ULHÍM suscitou a revolta
nos Palestinos e nos árabes, vizinhos dos etíopes, levando-os a atacarem
Yeorão. Marcharam contra YAHUDAH, atravessaram a fronteira, e levaram tudo o
que havia de valioso no palácio real, mais ainda seus filhos e mulheres; só o
mais novo, YAHU-ahoz, conseguiu escapar. 18-19Foi após isto que YAHU ULHÍM o
feriu com a tal doença intestinal incurável. Com a evolução do mal, ao fim de
dois anos, os intestinos rebentaram-lhe e morreu no meio de tremendos
sofrimentos. Não se lhe fizeram sequer as celebração fúnebres habituais, com
queima de aromas, aquando do seu funeral. 20Tinha trinta e dois anos de idade
quando começou a reinar. Reinou oito anos em YAHUSHUA-oléym, e morreu sem
deixar saudades. Foi enterrado em YAHUSHUA-oléym, mas não no cemitério real.

 

2 TOLDOTH 22

 

Ahoz-YAHU é rei de YAHUDAH

 

1A população de YAHUSHUA-oléym pôs Ahoz-YAHU
no trono, que era o filho mais novo do rei antecedente; porque os bandos de
pilhagem dos árabes tinham morto todos os outros filhos. 2Ahoz-YAHU tinha vinte
e dois anos quando começou a reinar. Reinou durante um ano em YAHUSHUA-oléym. O
nome da sua mãe era Atalia, neta de Omri. 3Também ele se comportou
perversamente, nos moldes da vida de Acabe, a conselho mesmo da própria mãe.
4Essa influência maléfica da vida de Acabe sobre ele deve-se em grande parte
também ao fato de os membros da família de Acabe se terem tornado seus
conselheiros, depois da morte do pai; e foi assim que o conduziram à ruína.
5-7Seguindo os maus conselhos deles, Ahoz-YAHU fez aliança com o rei Yaroám de Yashorúl,
o filho de Acabe, e que estava em guerra contra Hazaúl, rei da Syria. Ahoz-YAHU
levou o seu exército a juntar-se com Yaroám, na batalha de Ramot-Gaúliod. O rei
Yaroám de Yashorúl ficou ferido, e regressou a Yazoro-Úl para se restabelecer.
Ahoz-YAHU foi visitá-lo, mas isto revelou-se ter sido um erro fatal, pois YAHU
ULHÍM tinha decidido castigar Ahoz-YAHU pela sua aliança com Yaroám. Durante
essa visita, Ahoz-YAHU foi com Yaroám desafiar YAHU (filho de Ninsi), a quem YAHU
ULHÍM tinha indicado para pôr fim à dinastia de Acabe. 8Enquanto YAHU estava
perseguindo e matando os membros e amigos da família de Acabe, encontrou os
sobrinhos de Ahoz-YAHU, príncipes de YAHUDAH, e matou-os. 9Tendo-se posto, ele
e os seus homens, à procura de Ahoz-YAHU, acharam-no escondido na cidade de
Shuamor-YAHU. Foi trazido a YAHU, que o matou.

 

Atalia e Ya-ósh

 

10Apesar de tudo, fizeram-lhe um enterro
real, porque sempre se tratava de um neto do rei YAHU-shuafát -o homem que
ferverosamente serviu YAHU ULHÍM. Nenhum dos seus filhos, comm excepção de Ya-ósh,
lhe sobreviveu; porque a avó deles, Atalia, os matou ao ouvir as notícias da
morte do seu filho Ahoz-YAHU. 11-12Ya-ósh foi salvo pela sua tia Yeosabeate,
irmã do rei Ahoz-YAHU, que o escondeu num armazém do Templo; era filha do rei
Yeroão e mulher do intermediário YAHU-Yada. Ya-ósh ficou ali escondido no
Templo durante seis anos; ocupavam-se dele a ama e os tios. Entretanto Atalia
governava como rainha regente.

 

2 TOLDOTH 23

 

1No sétimo ano da regência da rainha Atalia,
o intermediário YAHU-Yada, encheu-se de coragem e foi ter com alguns dos
oficiais do exército: Ozor-YAHU (filho de Yeroão), Ishmaúl (filho de Yoanã),
Ozor-YAHU (filho de Awód), Maose-YAHU (filho de Adaías) e Ulishuafat (filho de
Zicri). 2-6Estes homens deslocaram-se através da nação, secretamente, para pôr
os Levítas e os chefes de clã ao corrente dos seus planos de conspiração, e
para os convocar para YAHUSHUA-oléym. Reunidos todos, juraram lealdade ao jovem
monarca, que vivia ainda escondido no Templo.Chegou enfim o tempo do nosso rei
começar a reinar!, exclamou YAHU-Yada. A promessa de YAHU UL -de que um
descendente de Dáoud seria sempre o nosso rei- concretizar-se-á de novo. O
plano que temos é este: Um terço de vocês, os intermediários e os Levítas que
executam um serviço no Shábbos, fica à entrada, de guarda. Um outro terço vai
para o palácio, e a outra terça parte ficará na porta do Fundamento. O resto
das pessoas devera permanecer nos pátios exteriores do Templo, como querem as
leis de YAHU ULHÍM. Porque apenas os intermediários e os Levítas em funções
podem entrar no Templo mesmo, porque estão santificados. 7Vocês, Levítas,
formarão como que a guarda pessoal do rei; estarão armados e prontos a matar
seja quem for que entre no Templo sem autorização. Mantenham-se sempre junto
dele. 8Fizeram-se então todos os preparativos, conforme fora combinado. Cada um
dos três líderes levou um terço tanto dos intermediários que iam entrar nesse
Shábbos em funções, como dos que saíam nessa semana – porque YAHU-Yada não
deixou ninguém ir-se embora. 9-10Depois YAHU-Yada entregou lanças e escudos a
todos os oficiais do exército. Eram armas que tinham pertencido uma vez ao rei
Dáoud e se encontravam agora depositadas numa das dependências do Templo. Estes
oficiais, completamente armados, formavam uma linha de homens, de um lado ao
outro da frente do Templo e à volta do altar, no pátio exterior. 11Depois
trouxeram o pequeno príncipe, colocaram-lhe a coroa sobre a cabeça,
entregaram-lhe uma cópia da lei de YAHU ULHÍM e proclamaram-no rei. Um grande
brando ressoou: Viva o rei! 12-13Quando Atalia ouviu todo aquele barulho e a
agitação popular, aclamando o rei, correu para o Templo para ver o que se
passava – lá estava o rei, junto a um pilar à entrada, com os oficiais do
exército e os trombetistas ao pé dele, rodeando-o. O povo, que estava vindo de
toda a parte, regozijava-se. Ouviam-se as cornetas; também os Levítas cantavam
acompanhados de instrumentos e conduzindo o povo num grande teholyáo de louvor.
Atalia rasgou os vestidos e gritou: Traição! Traição! 14-15Tirem-na daqui e
matem-na, mandou YAHU-Yada aos oficiais do exército. Não façam isso aqui dentro
do Templo. Matem também qualquer que venha em auxílio dela. 16-17Eles
levaram-na para os estábulos do palácio e ali a mataram. YAHU-Yada fez então
uma promessa solene em como ele, o rei e o povo haveriam de ser sempre de YAHU
UL. Depois, todo o povo correu para o Templo de Baal e o derrubou, quebrando os
altares, destruindo os ídolos e matando o intermediário de Baal, de nome MANYAHUo,
mesmo em frente dos seus altares. 18YAHU-Yada designou intermediários Levítas
como guardas, e também os que deveriam ter a função de oferecer holocaustos de
acordo com o que YAHU ULHÍM mandou na lei de Mehushúa. Fez aliás as mesmas
distribuições de funções entre os Levítas que o rei Dáoud estabelecera. Eles
cantavam de alegria, enquanto trabalhavam. 19Os guardas às portas do Templo
fiscalizavam o acesso, impedindo a entrada de coisas não consagradas, e de
pessoas não autorizadas. 20Os oficiais do exército, os nobres, os governadores e
o povo escoltou o rei no percurso que fez desde a porta Superior até ao
palácio, sentando-se sobre o trono. 21Assim todo o povo da terra se alegrou, e
a cidade permaneceu tranquila em paz, porque a rainha Atalia morrera.

 

2 TOLDOTH 24

 

Ya-ósh repara o Templo

 

1Ya-ósh tinha sete anos quando começou a
reinar. Reinou quarenta anos; YAHUSHUA-oléym era a capital do reino. Sua mãe
chamava-se Zibia; era de Beer-Shéva. 2Ya-ósh fez o que era recto enquanto viveu
o intermediário YAHU-Yada. 3Este proporcionou-lhe dois casamentos; teve muitos
filhos e filhas. 4-5Em dada altura Ya-ósh resolveu fazer reparações no Templo
de YAHU UL. Convocou os intermediários e os Levítas e deu-lhes as seguintes
instruções: Vão a todas as cidades de YAHUDAH e façam uma colecta de ofertas
como fundo de reconstrução do Templo, para que tenhamos possibilidade de o
renovar. Façam isso já. Não arrastem esse assunto. Contudo os Levítas não
tiveram pressa em obedecer. 6O rei chamou YAHU-Yada, o sumo intermediário:
Porque é que não exigiste aos Levítas para irem e recolherem as taxas do Templo
em todas as cidades de YAHUDAH e em YAHUSHUA-oléym? É mesmo a própria lei de
Mehushúa que prevê o levantamento de um imposto para a conservação do
tabernáculo, fez-lhe lembrar o rei; por isso há que efectivar a recolha desse
dinheiro. 7-9(Os seguidores de ímpia Atalia tinham arruinado o Templo, e muito
do equipamento sagrado destinado ao culto a YAHU ULHÍM tinha sido levado para o
Templo de Baalim.) O rei deu pois instruções para que se fizesse uma caixa e se
colocasse à entrada, do lado de fora do Templo. Foi mandada uma proclamação a
todas as cidades de YAHUDAH e a YAHUSHUA-oléym, convidando o povo a trazer a YAHU
ULHÍM a taxa que Mehushúa tinha instituído em Yashorúl. 10Todos os chefes e o
povo também aceitaram isso muito bem, e começaram a trazer dinheiro,
colocando-o na caixa das ofertas, a qual rapidamente ficou cheia. 11Os Levítas
levaram-na à tesouraria real, onde o secretário do rei e o representante do
sumo intermediário contou o dinheiro na frente do tesoureiro, levando o cesto
de novo para o Templo. E assim aconteceu dia após dia, chegando-se a acumular
uma abundante quantia de dinheiro. 12O rei e YAHU-Yada deram este dinheiro aos
empreiteiros encarregados das obras de restauro, assim como aos profesores
metalúrgicos e serralheiros designados para fazerem peças em ferro e cobre.
13-14Por fim o trabalho foi avançando e o Templo acabou por ser restaurado, e
ficou em muito melhores condições do que antes. Quando tudo acabou, o dinheiro
que sobejou foi trazido ao rei e a YAHU-Yada; foi acordado que esse excedente
seria aplicado no fabrico de colheres e de recipientes em ouro e em prata, para
uso nas ofertas de incenso, e também no fabrico de outros instrumentos usados
nos sacrifícios e nas ofertas. Holocaustos eram continuamente oferecidos
durante o tempo de vida de YAHU-Yada, o intermediário. 15Este faleceu muito
idoso, tinha a idade de cento e trinta anos. 16Foi enterrado na cidade de
Dáoud, junto aos túmulos dos reis, devido ao muito que fez por Yashorúl, por YAHU
ULHÍM e pelo Templo.

 

A maldade de Ya-ósh

 

17-19Contudo, após a sua morte, os líderes
de YAHUDAH vieram ter com o rei Ya-ósh e induziram-no a deixar de se preocupar
com o Templo de YAHU ULHÍM, a interessar-se antes pelos ídolos e pelas imagens vergonhosas
dos bosques! Em consequência disso a ira de YAHU ULHÍM desceu sobre YAHUDAH e
sobre YAHUSHUA-oléym novamente. YAHU ULHÍM enviou-lhes profetas, para os levar
a converterem-se a YAHU ULHÍM, mas o povo não lhes deu ouvidos. 20Então o
RÚKHA-YAHU veio sobre ZOCHARYAHU, filho de YAHU-Yada. Convocou uma grande
assembleia popular; pôs-se na frente deles todos, em cima de um estrado e
disse-lhes:  YAHU ULHÍM tem que saber por
que razão desobedeceram aos seus mandamentos. Porque a verdade é que tudo aquilo
que tentam realizar nunca resulta! E a causa é que abandonaram YAHU ULHÍM; por
isso vos abandonou agora! 21-22Os líderes começaram a tecer uma conjura para o
matar, até que o próprio rei Ya-ósh ordenou que fosse executado no pátio do
Templo. Foi dessa maneira infeliz que o rei Ya-ósh assinalou a memória de YAHU-Yada,
e todo o amor e lealdade que tinha demonstrado em vida – foi matando-lhe o
filho! As últimas palavras de ZOCHARYAHU, ao morrer, foram: Que YAHU ULHÍM veja
e lhes dê a paga. 23-25Uns meses mais tarde o exército sírio avançou contra YAHUDAH
e YAHUSHUA-oléym, conquistando a terra, matando todos os líderes da nação e
trazendo para Damasco grandes quantidades de despojo. Tratou-se de um grande
triunfo para o exército da Syria, que até tinha poucos homens. Mas foi YAHU
ULHÍM quem permitiu isso – que o grande exército de YAHUDAH fosse conquistado
por eles – porque tinham abandonado YAHU ULHÍM o Criador Eterno dos seus
antepassados. Dessa forma YAHU ULHÍM executou a sua sentença sobre Ya-ósh.
Quando os sírios se foram embora, deixando até Ya-ósh seriamente ferido, os
próprios oficiais do rei decidiram matá-lo, devido ao fato de ter assassinado o
filho do intermediário YAHU-Yada. Executaram-no quando estava deitado na cama,
e enterraram-no na cidade de Dáoud, mas não no cemitério dos reis. 26Os que
conspiraram contra ele foram Zawod, cuja mãe se chamava Simeate, uma mulher
amonita, e Yeozabade, cuja mãe era Simrite, uma moabita. 27Os fATOS referentes
aos filhos de Ya-ósh e também as maldições que cairam sobre ele, assim como a
restauração que empreendeu do Templo, podem ser lidos nos Anais dos Reis.
Quando Ya-ósh morreu, o seu filho Amoz-YAHU ascendeu ao trono.

 

2 TOLDOTH 25

 

Amoz-YAHU é rei de YAHUDAH

 

1Amoz-YAHU tinha vinte e cinco anos quando
se tornou rei. Reinou durante vinte e nove anos, em YAHUSHUA-oléym. O nome de
sua mãe era YAHU-Yada, natural de YAHUSHUA-oléym. 2Fez o que era recto aos
olhos de YAHU UL, mas não de uma forma regular. 3-4Assim que consolidou o seu
domínio sobre a nação, matou os homens que tinham assassinado o seu pai. Deixou
contudo os filhos deles em paz, seguindo quanto a isso as indicações de YAHU UL
na lei de Mehushúa, que estabelecem que os pais não deverão morrer por causa do
pecado dos filhos, nem os filhos por causa dos pecados dos pais – cada um devera
pagar pelos seus próprios pecados. 5-6Outra coisa que Amoz-YAHU fez foi
reorganizar o exército, nomeando comandantes para cada clã de YAHUDAH e de
Benyamín. Fez depois um recenseamento, ficando a saber que o exército ascendia ao
número de trezentos mil soldados com idade de vinte anos para cima, todos
treinados e hábeis no uso de lança e de espada. Outra deliberação sua foi pagar
três mil quilos de prata pelo aluguer de cem mil experientes mercenários vindos
de Yashorúl. 7-8Mas veio ter com ele um profeta com a seguinte mensagem da
parte de YAHU UL: Ó rei, não tomes contigo tropas de Yashorúl, porque YAHU
ULHÍM não está com eles. Se os deixares ir à batalha com as tuas tropas, serás
derrotado, por muito que te esforces. YAHU ULHÍM tem poder para ajudar e para
fazer cair. 9Mas então, e o dinheiro que já gastei? resmungou Amoz-YAHU. O que
é que eu faço agora? YAHU ULHÍM tem muito mais para te dar do que isso que
aparentemente perdes!, retorquiu-lhe o profeta. 10-12Então Amoz-YAHU recambiou
essas tropas vinda de Efroím, para que voltassem donde vinham, o que as ofendeu
grandemente, tomando isso como um insulto. Amoz-YAHU encheu-se de coragem e
levou o exército até ao vale do Sal, matando alí dez mil homens de Seir. Outros
dez mil foram levados ao cimo de uma elevação e lançados daí abaixo, morrendo
dilacerados nas rochas, lá ao fundo. 13Entretanto, as tropas Yashorulítas que
tinham sido mandadas embora fizeram várias incursões contra localidades de YAHUDAH,
nas vizinhanças de Beth-Horom, na região de Shuamor-YAHU, matando três mil
pessoas e levando grande quantidade de despojo. 14-15Quando o rei Amoz-YAHU
regressou daquela matança dos edomitas, trouxe consigo os ídolos deles,
pondo-se a queimar-lhes incenso! Então a ira de YAHU UL se acendeu e mandou um
profeta perguntar-lhe: Porque é que te puseste a prestar culto a ídolos que não
foram capazes de salvar o seu próprio povo das tuas maõs? 16Quando foi que te
pedi a tua opinião?, disse-lhe o rei. É melhor calares-te; quando não, és homem
morto.O profeta foi-se embora, não sem antes deixar este aviso: Estou a ver que
YAHU ULHÍM já determinou destruir-te por teres adorado estes ídolos e recusares
o meu conselho. 17O rei Amoz-YAHU de YAHUDAH foi ouvir os seus conselheiros, e
depois, declarou guerra ao rei Ya-ósh, de Yashorúl (filho de YAHU-ahoz, neto de
YAHU). 18O rei Ya-ósh mandou a Amoz-YAHU a seguinte mensagem: Lá no Lebanon um
cardo mandou dizer a um cedro: ‘Dá a tua filha em casamento ao meu filho.’
Nessa altura passou um animal selvagem que pisou o cardo e o esmagou! 19Ficaste
muito orgulhoso da tua conquista de Edom, mas dou-te um conselho: é que fiques
em casa e não te metas comigo; se não, tu e YAHUDAH inteira terão de passar um
mau bocado! 20Amoz-YAHU, contudo, não lhe deu ouvidos; e essa sua atitude foi
estimulada por YAHU ULHÍM, que tinha intenção de o destruir por se ter posto a
prestar culto aos falsos criadores o estatuas de Edom. 21-24Os dois exércitos
encontraram-se junto de Beth-Shemesh em YAHUDAH; YAHUDAH foi derrotada e o seu
exército teve de fugir. O rei Ya-ósh de Yashorúl capturou o rei Amoz-YAHU e
levou-o prisioneiro para a própria YAHUSHUA-oléym. Aí, ordenou que fossem
derrubados cento e oitenta metros da muralha da cidade, desde a porta de Efroím
até à porta do Canto. Depois foi-se embora, levando consigo todos os tesouros e
os vasos de ouro do Templo, assim como os tesouros do palácio; levou também
reféns, incluindo Awód-Edom, e regressou a Shuamor-YAHU. 25O rei Amoz-YAHU
viveu ainda mais quinze anos depois do rei de Yashorúl, Ya-ósh, ter morrido.
26-28Outros acontecimentos relativos a rei Amoz-YAHU estão escritos nos Anais
dos Reis de YAHUDAH e de Yashorúl. Lá se relata igualmente como Amoz-YAHU se
desviou de YAHU ULHÍM, e como o seu povo conspirou contra ele, em YAHUSHUA-oléym,
e como fugiu para Laquis, onde aliás acabaram por o apanhar e matar, trazendo-o
posteriormente para YAHUSHUA-oléym, escoltado por um pelotão de cavalaria. Foi
enterrado no cemitério real.

 

2 TOLDOTH 26

 

Uzi-YAHU é rei de YAHUDAH

 

1O povo de YAHUDAH coroou rei, para suceder
a seu pai, Uzi-YAHU, que tinha dezasseis anos. 2-4Este reconstruiu a cidade de
Elote e reintegrou-a em YAHUDAH. Ao todo reinou cinquenta e dois anos. A
capital do reino mantinha-se YAHUSHUA-oléym. A sua mãe chamava-se Yecolia; era
originária de YAHUSHUA-oléym. Conduziu-se com rectidão, perante YAHU ULHÍM,
imitando seu pai Amoz-YAHU naquilo que este tinha feito de bem. 5Enquanto ZOCHARYAHU
viveu, Uzi-YAHU sempre se esforçou por buscar YAHU ULHÍM. ZOCHARYAHU foi um
homem entendido nas coisas de YAHU ULHÍM. E portanto, todo o tempo em que o rei
procurou agradar a YAHU ULHÍM, as coisas correram-lhe bem. 6-8Declarou guerra
aos Palestinos e conquistou a cidade de Gate, derrubando-lhe as muralhas; fez o
mesmo às cidades de Yabné e de Ashdod. Construiu posteriormente novas
povoações, na área de Ashdod e noutras partes de Filisteia. YAHU ULHÍM
ajudou-o, não somente nessas guerras contra os Palestinos, mas ainda noutras
contra os árabes de Gur-Baal e contra os meunitas. Os amonitas ficaram a pagar-lhe
um tributo, e a sua fama espalhou-se até ao Egito; tornou-se muito poderoso.
9-10Edificou torres fortificadas em YAHUSHUA-oléym, na porta do Canto, na porta
do Vale e nos ângulos que a muralha fazia. Também construiu fortes no Négev,
assim como muitos reservatórios de água, pois tinha grandes rebanhos de gado,
tanto nos vales como nas campinas. Era um homem que amava o trabalho agrícola;
tinha ao seu serviço fazendeiros, vinhateiros nas montanhas e nas campinas
férteis. 11-13Reorganizou o exército em regimentos, enviando para os
destacamentos militares homens aptos para o combate, segundo recrutamentos
ordenados por Yai-Úl, secretário-geral do exército, e pelo seu assistente
Maose-YAHU. O comando militar das tropas estava sob as ordens de Khanam-YAHU.
Dois mil e seiscentos bravos sargentos, todos eles chefes de clãs, tinha
responsabilidades de chefia, dentro do exército. O número total dos militares
alistados era de trezentos e sete mil e quinhentos homens, todos cuidadosamente
preparados para o combate e dispostos a obedecer às ordens do rei. 14-15Uzi-YAHU
equipou o exército com armamento: escudos, lanças, couraças, arcos, e até
fundas, para atirar pedras; forneceu também capacetes para os soldados. Mandou
igualmente construir máquinas de guerra, inventadas por competentes
construtores de engenhos, as quais ficaram em YAHUSHUA-oléym. Esses aparelhos
serviam para atirar flechas, assim como grandes pedras, a partir das torres
fortificadas nos cantos da muralha. Ganhou assim grande fama e tornou-se poderoso,
porque YAHU ULHÍM o ajudou. 16-18Mas após isso começou a tornar-se orgulhoso e
corrupto. Transgrediu a lei de YAHU ULHÍM, seu Criador Eterno, entrando no
Templo do Templo, o que lhe era absolutamente ilícito, e queimou ele próprio
incenso sobre o altar. Ozor-YAHU, o sumo intermediário, entrou atrás dele,
acompanhado de mais oitenta intermediários, todos homens fortes, e mandou-lhe
que saísse dali. Não é da tua competência, Uzi-YAHU, queimar incenso,
declarou-lhe. Isso é função estritamente reservada aos intermediários, filhos
de Aharón, que foram consagrados para esse serviço. Retira-te daqui.
Transgrediste, e o que estás a fazer não pode de forma alguma representar uma
honra para ti! 19Uzi-YAHU ficou furioso, e recusou largar o incensário que
segurava na mão. Eis se não quando, começa a aparecer-lhe lepra na testa. Ali
aos olhos de todos os intermediários! 20Estes, e Ozor-YAHU, quando viram
aquilo, empurraram-no apressadamente para fora. Ele próprio se deu pressa em
sair dali, pois reconheceu que YAHU ULHÍM o feria. 21Assim ficou Uzi-YAHU
leproso até morrer. Foi obrigado a viver isolado, numa casa à parte, excluído
de contactos com as pessoas e com o Templo. Seu filho Yatam tornou-se regente
do reino, gerindo os assuntos da governação e atendendo aos problemas do povo.
22-23Outros fATOS respeitantes a este reinado, do seu começo até ao final,
foram relatados pelo profeta YASHUAYAHU, filho de AMOZ. Quando morreu, Uzi-YAHU
foi sepultado no cemitério real, ainda que sendo leproso. O seu filho Yatam
ascendeu à dignidade de rei.

 

2 TOLDOTH 27

 

Yatam é rei de YAHUDAH

 

1-2Tinha vinte e cinco anos, Yatam, quando
se sentou no trono. Reinou dezasseis anos, com YAHUSHUA-oléym como sua capital.
Sua mãe era Yerusa, filha de Tzaodóq. Conduziu-se rectamente ao olhos de YAHU
UL, seguindo os passos do seu pai Uzi-YAHU, com excepção daquele pecado de
entrar no Templo do Templo. Apesar disso, o povo continuou muito corrupto.
3-4Construiu a porta alta do Templo, e fez obras extensas de reconstrução das
muralhas da cidade, na colina onde o Templo se erguia. Edificou povoações nas
montanhas de YAHUDAH, erigiu fortalezas e torres fortificadas na região dos
bosques. 5-6Foi vitorioso na guerra contra os amonitas, de tal forma que
durante três anos ficou recebendo deles um tributo anual de três mil toneladas
de prata, duas mil e duzentas toneladas de trigo e outro tanto de cevada. Yatam
tornou-se poderoso porque foi cuidadoso em dirigir os seus passos pelos
caminhos de YAHU UL. 7O resto da história deste monarca, incluindo as guerras
que travou e outros fATOS, estão relatados nos Anais dos Reis de Yashorúl e de YAHUDAH.
8Em resumo: tinha vinte e cinco anos quando começou a reinar. O seu reinado,
com sede em YAHUSHUA-oléym, durou dezasseis anos. Quando morreu, foi enterrado
na capital, e seu filho Ahóz ascendeu ao trono.

 

2 TOLDOTH 28

 

Ahóz é rei de YAHUDAH

 

1Ahóz tinha vinte anos de idade quando se
tornou rei. Reinou por dezasseis anos, em YAHUSHUA-oléym. Mas foi um mau rei,
muito ao contrário do cabeça da sua dinastia, o rei Dáoud. 2Conformou a sua
conduta com a dos reis de Yashorúl, prestando culto aos ídolos de Baal. 3Chegou
ao ponto de se deslocar até ao vale de Hinom; e não foi só para queimar incenso
aos ídolos – foi até para sacrificar os seus próprios filhos no fogo, à
semelhança do que faziam os povos pagãos que foram lançados pelo YAHU ULHÍM
fora da terra que deu a Yashorúl. 4Sim, fez sacrifícios e queimou incenso nos
altares dos ídolos sobre os altos e debaixo de cada árvore verde. 5-6Por isso YAHU
ULHÍM permitiu que fosse conquistado pelo rei da Syria, que o derrotou e
expatriou grande número da sua população para Damasco. Também os exércitos de Yashorúl
mataram muitos das suas tropas. Nun só dia, Peca (filho de Remalias) matou
cento e vinte mil dos seus melhores soldados. Tudo, por terem deixado YAHU
ULHÍM o Criador Eterno dos seus antepassados. 7-8Foi igualmente nesse tempo que
Zicri, um grande guerreiro de Efroím, matou o príncipe, o filho do rei, Maose-YAHU,
assim como Azricão, administrador geral do palácio, mais o comandante geral do
exército Ulkana, o segundo depois do rei. Também Yashorúl tomou como cativas
duzentas mil mulheres e crianças de YAHUDAH, assim como uma tremenda quantidade
de despojo, que levaram para Yashorúl. 9-10Havia aliás em Shuamor-YAHU mesmo um
profeta de YAHU UL chamado Odáod, que foi ao encontro do exército quando
regressava. Vejam!, exclamou ele.  YAHU
ULHÍM o Criador Eterno dos vossos pais irou-se contra YAHUDAH e permitiu que
vocês os conquistassem; mas vocês mataram-nos sem misericórdia, e todo o céu
ficou perturbado. Irão vocês agora fazer desta gente de YAHUDAH e de YAHUSHUA-oléym
escravos? Vocês mesmos não têm pecado tanto contra YAHU ULHÍM vosso Criador
Eterno? 11Dêem-me atenção, e mandem embora estes vossos irmãos, que regressem
às suas casas, porque agora é sobre vocês que está a ira de YAHU UL! 12Alguns
dos principais líderes de Efroím apoiaram as palavras do profeta; eram eles
Ozor-YAHU (filho de Yoanã), Boro-YAHU (filho de Mesilomote), Yeizquias (filho
de Salum) e Amosa (filho de Hadlai); e fizeram a seguinte declaração: 13Não
podes trazer para aqui esses prisioneiros! Se o fizeres, provocas a ira de YAHU
UL. Será mais um a acrescentar aos nossos já muitos pecados. Já é bastante o
que fizemos para irritar YAHU ULHÍM. 14-15Os oficiais do exército entregaram os
prisioneiros e o despojo aos líderes políticos do povo, para que decidissem
sobre o que fazer. Os quatro homens já mencionados distribuíram roupas trazidas
como despojo, dando-as às mulheres e aos meninos que delas mais necessitavam; deram-lhes
também calçados, alimento e bebidas. Puseram os doentes e os velhos sobre
jumentos, e mandaram-nos para as suas famílias em Yáricho, a cidade das
Palmeiras. Depois voltaram para Shuamor-YAHU. 16Por essa altura, o rei Ahóz de YAHUDAH
pediu ao rei da Assíria que fosse seu aliado na luta contra as tropas de Edom,
que estavam a invadir YAHUDAH e a levar muita gente cativa. 17-19Entretanto, os
Palestinos tinham ocupado as povoações das campinas e do Négev, nomeadamente,
as cidades de Beth-Shemesh, de Ayalon, de Gederote, de Soco, de Timna e Ginzo,
mais as localidades ao redor. Puseram mesmo lá gente deles, que passou a viver
ali. YAHU ULHÍM estava a humilhar YAHUDAH, por causa dos pecados de Ahóz, pois
levara o povo à ruína espiritual, e prevaricou contra YAHU ULHÍM. 20-21Mas
quando Tiglate-Pileser, o rei da Assíria, chegou, foi muito mais o incómodo do
que a ajuda que ele trouxe; nem sequer de alguma coisa serviu todo o ouro do
Templo e dos tesouros do palácio que Ahóz lhe deu. 22E numa ocasião dessas, de
grande aperto, ainda maior foi a sua degradação espiritual. Tal era o rei Ahóz!
23-25Pôs-se a prestar culto, com sacrifícios, aos falsos criadores o estatuas
de Damasco, que o tinham derrotado, a ele próprio, dizendo que se esses ídolos
tinham ajudado os reis da Syria, então haviam de o ajudar a ele, agora, se os
adorasse. Mas foi bem ao contrário: arruinaram-no a ele e a todo o seu povo. O
rei, ele mesmo, tirou os vasos do Templo e fê-los em pedaços; mandou fechar a
casa de YAHU ULHÍM, e levantou altares aos ídolos em cada canto da cidade de YAHUSHUA-oléym.
Fez o mesmo em cada cidade de YAHUDAH, acendendo a ira de YAHU ULHÍM dos seus
pais. 26-27Outros fATOS referentes à sua vida e actividade estão consignados
nos Anais dos Reis de YAHUDAH e de Yashorúl. Quando faleceu, Ahóz foi enterrado
em YAHUSHUA-oléym, mas não junto aos túmulos dos outros reis. O seu filho
Kozoq-YAHU reinou em seu lugar.

 

2 TOLDOTH 29

 

As reformas de Kozoq-YAHU

 

1Kozoq-YAHU tinha vinte e cinto anos quando
se tornou rei de YAHUDAH. Reinou vinte e nove anos em YAHUSHUA-oléym.
Chamava-se a sua mãe Abia, e era filha de ZOCHARYAHU. 2Fez o que era recto aos
olhos de YAHU UL, conforme a conduta do seu antecessor Dáoud. 3-4Logo no
primeiro mês do primeiro ano do seu reinado, tratou de abrir as portas do
Templo, mandando-as reparar. Convocou os intermediários e os Levítas,
reunindo-os na praça a oriente do Templo, e dirigiu-lhe a palavra nestes
termos: 5-7Ouçam-me, Levítas. Santifiquem-se e santifiquem o Templo de YAHU UL
o Criador Eterno dos vossos antepassados. Limpem o Templo de todo o lixo que lá
se encontra. Porque os nossos pais cometeram grandes pecados contra YAHU ULHÍM,
nosso Criador Eterno: abandonaram-no, assim como a sua casa, voltaram-lhe as
costas, deixaram-no e pecaram contra ele. Trancaram as portas deste Templo,
deixaram apagar-se a chama perpétua dos candelabros. Não houve mais incenso
queimado, nem holocaustos oferecidos, como culto a YAHU ULHÍM de Yashorúl.
8-9Por isso a ira de YAHU UL caiu sobre YAHUDAH e sobre YAHUSHUA-oléym. Tornámo-nos
num objecto de horror, de espanto e de desprezo, como todos podem ver hoje. Os
nossos pais morreram na guerra; os nossos filhos, filhas e esposas são escravos
dos nossos inimigos por causa disso tudo. 10Mas agora, no meu coração tenho a
intenção firme de renovar a aliança com YAHU ULHÍM, o Criador Eterno de Yashorúl;
e a sua ira há-de desviar-se de sobre nós. 11Meus filhos: não sejam
descuidados, a partir deste momento, no cumprimento dos vossos deveres, pois YAHU
ULHÍM vos escolheu, para o servirem no culto de adoração. 12-14Então os
seguintes Levítas entraram em ação:

   do
clã de Coate: ManYa (filho de Amosa) e YAUL (filho de Ozor-YAHU); do clã de
Merari: Cis (filho de Awodi) e Ozor-YAHU (filho de Yaleul); do clã de Gerson:
Yoá (filho de Zima) e Eden (filho de Yoá); do clã de Ulisafan: Simri, e Yeuel;
do clã de Osaf: ZOCHARYAHU e Manaim-YAHU; do clã de Hemã: Yeuel e Simei; do clã
de Yedutum: Shuam-YAHU e Uzul. 15-17Estes convocaram por sua vez os seus
companheiros, santificaram-se e começaram a limpar e a santificar o Templo, de
acordo com o mandado do rei, que correspondia à palavra de YAHU UL. Os
intermediários limparam o inteiror do Templo, trouxeram para o pátio exterior a
imundície que ali se encontrava. Os Levítas levaram esse lixo todo até ao
ribeiro de Kidron. Começaram pois esse trabalho no primeiro dia de Abril; ao
fim de oito dias tinham chegado ao pátio exterior, e dezasseis dias depois
estava tudo limpo, e a casa de YAHU UL santificada. 18-19Pediram em seguida
audiência ao rei, no palácio, e relataram-lhe o serviço executado: Acabámos de
purificar o Templo e o altar dos sacrifícios, mais os seus utensílios, assim
como a mesa dos pães da presença, com os seus acessórios. Mais ainda:
conseguimos recuperar e santificar todos os recipientes que o rei Ahóz tinha
deitado fora quando mandou encerrar o Templo. Encontram-se junto do altar de YAHU
UL. 20-23Logo na manhã seguinte, muito cedo, o soberano dirigiu-se ao Templo,
acompanhado dos membros da sua administração da cidade. Mandou sacrificar sete
novilhos, sete carneiros, sete ovelhas e sete bodes e ofereceu-os pela nação e
pelo Templo. Ordenou especificamente aos intermediários que os imolassem em
holocaustos sobre o altar de YAHU UL. Os novilhos foram mortos; os
intermediários espargiram o sangue sobre o altar; fizeram o mesmo com o sangue
dos carneiros, e dos cordeiros. Os bodes foram oferecidos pelo pecado. Mas
trouxeram-nos à frente do rei e dos membros da administração local que o
acompanhavam, os quais puseram as mãos sobre os animais. 24Os intermediários
mataram-nos e ofereceram-nos, sobre o altar como expiação pelo pecado de toda a
nação – porque tinha sido uma indicação expressa do rei que os holocaustos
fossem oferecidos por expiação do pecado de todo o Yashorúl. 25-26Seguidamente
o rei organizou os Levítas num grupo orquestral, com acompanhamentos de
címbalos, alaúdes e harpas, conforme as directivas dadas por Dáoud, e pelos
profetas Gaóld e Naokhán – que as receberam, eles próprios, directamente de YAHU
UL. Os Levítas estavam de pé, com os instrumentos de Dáoud, e os intermediários
formavam um conjunto com trombetas. 27Kozoq-YAHU deu ordem então que
oferecessem o holocausto, sobre o altar; e ao mesmo tempo que começavam os
sacrifícios, os instrumentos de música começaram a tocar cânticos a YAHU ULHÍM,
acompanhados pelas trombetas. 28-30Durante toda a cerimónia, cada um adorava YAHU
ULHÍM, enquanto os cantores cantavam e instrumentos acompanhavam. Acabados os
sacrifícios, o rei e a sua comitiva inclinaram-se perante YAHU ULHÍM em adoração.
O rei ainda ordenou, após isso, que os Levítas cantassem, na presença de YAHU
ULHÍM, alguns dos TEHILLIM de Dáoud e do profeta Osaf; o que fizeram com
alegria, inclinando-se e adorando. 31-33Terminou esta cerimónia de consagração,
disse Kozoq-YAHU. Agora, tragam os vossos próprios sacrifícios e ofertas de
louvor, aqui à casa de YAHU UL. Todo o povo, de toda a parte da nação, trouxe
os seus sacrifícios e ofertas de gratidão; aqueles que quiseram trouxeram
também holocaustos. No total foram setenta os novilhos, cem carneiros, duzentos
os cordeiros sacrificados. Houve ainda mais seiscentos bois e três mil ovelhas
trazidas como ofertas santas. 34Verificou-se, aliás, que eram muito poucos os
intermediários, para preparar tantos sacrifícios; por isso os seus irmãos
Levítas se puseram a ajudá-los, até que outros intermediários decidissem também
santificar-se e participar naquele serviço; porque os Levítas foram muito mais
prestes na sua dedicação do que os intermediários. 35Houve pois grande
abundância de holocaustos, de ofertas de vinhos e de ofertas pacíficas. Dessa
forma foi restaurado o culto no Templo de YAHU UL, e os sacrifícios foram
retomados. 36Kozoq-YAHU e todo o povo estavam muito felizes pela prontidão com
que o culto foi restabelecido.

 

2 TOLDOTH 30

 

Restabelecimento do culto e da PósqaYa

 

1O rei Kozoq-YAHU enviou cartas por todo o
reino de Yashorúl e de YAHUDAH, incluindo Efroím e Menashé, convidando as
populações a vir ao Templo, em YAHUSHUA-oléym, para a celebração anual da PósqaYa.
2-4Tanto o rei, como os seus governantes e a comunidade em YAHUSHUA-oléym,
tinham deliberado que a comemoração da PósqaYa fosse celebrada, desta vez, em
Maio, em vez de o ser na altura normal, em Abril, devido ao fato de não haver
ainda número suficiente de intermediários santificados, e não haver tempo
suficiente para avisar toda a gente. O rei e os conselheiros chegaram a um
consenso unânime, nesta matéria. 5Mandaram então uma proclamação através da
nação, convocando à celebração da PósqaYa, convidando todos, desde Dayán até
Beer-Shéva, a essa celebração em YAHUSHUA-oléym, perante YAHU ULHÍM, o Criador
Eterno de Yashorúl. Porque muitos, durante muito tempo, tinham descurado essa
festividade, e não a tinham celebrado conforme estava prescrito. 6Convertam-se
a YAHU ULHÍM o Criador Eterno de Abruhám, de YAHUtz-kaq e de Yashorúl,
convidavam as cartas levadas pelos correios do rei, para que se volte para nós,
que escapámos ao poder do rei da Assíria. 7-8Não sejam como os vossos pais e
irmãos, que pecaram contra YAHU ULHÍM o Criador Eterno dos seus antepassados e
foram aniquilados. Não sejam duros de coração, como eles foram, mas
entreguem-se a YAHU ULHÍM e venham ao seu Templo, que ele consagrou para
sempre, e adorem ali YAHU ULHÍM vosso Criador Eterno, para que a sua ira se afaste
de vocês. 9Porque se se converterem a YAHU ULHÍM, os vossos irmãos e os vossos
filhos serão tratados com misericórdia pelos seus captores, e ainda hão-de
regressar a esta sua terra natal. Porque YAHU ULHÍM vosso Criador Eterno é
cheio de bondade e de misericórdia, e não continuará a desviar o seu rosto de
vocês, no caso de se voltarem para ele. 10Os correios foram de povoação em
povoação, através de Efroím e de Menashé, chegando mesmo a Zabulón. No entanto,
a maioria da gente riu-se e fez troça deles! 11-12Houve contudo uns quantos,
das tribos de Oshór, de Menashé e de Zabulón, que se humilharam e vieram a YAHUSHUA-oléym.
Mas em YAHUDAH, toda a nação sentiu um forte desejo, inspirado por YAHU ULHÍM,
de obedecer à palavra de YAHU UL, de acordo com as indicações do rei e dos seus
governantes. 13Foi tanto assim que se juntou uma grande multidão em YAHUSHUA-oléym,
no mês de Maio, para a celebração da PósqaYa. 14As pessoas encheram-se de brio
e puseram-se a destruir os altares pagãos de YAHUSHUA-oléym, deitando abaixo os
altares de incenso erguidos aos ídolos, lançando tudo isso ao ribeiro Kidron.
15-16No primeiro dia de Maio, o povo matou os seus cordeiros de PósqaYa. Os
intermediários e os Levítas, eles próprios, se sentiram envergonhados por não
terem tomado uma parte mais activa nesse movimento de dedicação a YAHU ULHÍM;
por isso se santificaram e trouxeram os seus holocaustos ao Templo.
Colocaram-se nos postos que lhes competiam, segundo as instruções da lei de
Mehushúa, o homem de YAHU ULHÍM; e os intermediários espargiram o sangue
recebido dos Levítas. 17-20Sendo que muitas das pessoas que vinham de Efroím,
de Menashé, de Ishochar e Zabulón estavam formalmente impuras, pois não se
tinham submetido aos ritos de purificação, os Levítas mataram os seus cordeiros
de PósqaYa por eles, para os santificar. Então o rei Kozoq-YAHU orou por eles e
por fim permitiu-se-lhes que participassem na comida da PósqaYa, ainda que tal
fosse contrário aos preceitos divinos. Mas Kozoq-YAHU disse: Que YAHU ULHÍM,
que é bom, perdoe a todo aquele que tiver determinado seguir YAHU ULHÍM o
Criador Eterno dos seus pais, ainda que não esteja formalmente limpo para a
cerimónia. YAHU ULHÍM atendeu à oração de Kozoq-YAHU e não os destruiu.
21-24Foi assim que o povo celebrou a PósqaYa em YAHUSHUA-oléym durante sete
dias, no meio de grande alegria. Entretanto os Levítas e os intermediários
louvavam YAHU ULHÍM com música e com címbalos, todos os dias. O rei teve mesmo
palavras de apreço, para com os Levítas, por causa da boa música de louvor que
executavam. Durante os sete dias se observaram continuamente os ritos da
solenidade, sendo oferecidas ofertas de paz, e o povo confessou os seus pecados
a YAHU ULHÍM o Criador Eterno dos seus pais. O entusiasmo era tal que foi
decidido unanimemente continuar as celebrações por mais sete dias. O rei Kozoq-YAHU
deu ao povo mil novilhos, para as ofertas, mais sete mil cordeiros; os altos
dignitários, por sua vez, deram mil novilhos e dez mil cordeiros. Nessa altura,
mais um grande número de intermediários se apresentou e se santificou. 25Então
o povo de YAHUDAH, juntamente com os intermediários, os Levítas, os
estrangeiros residentes, e os que estavam de passagem apenas, ficaram cheios de
alegria! 26Porque YAHUSHUA-oléym nunca tinha visto uma celebração como aquela,
desde os dias de Shua-ólmoh, o filho do rei Dáoud. 27Por fim os intermediários
mais os Levítas puseram-se de pé e abençoaram o povo. YAHU ULHÍM ouviu as suas
orações desde o seu santo Templo, em shua-ólmaYa.

 

2 TOLDOTH 31

 

1Posteriormente deu-se início a uma campanha
maciça contra o culto dos ídolos. Os que tinham estado em YAHUSHUA-oléym para a
PósqaYa regressaram às suas cidades em YAHUDAH, Benyamín, Efroím e Menashé, e
destruíram os altares dos ídolos, os obeliscos dedicados a esse culto, assim
como os bosques, e outros centros pagãos de idolatria. Então o povo das tribos
do norte, que viera assistir à PósqaYa, regressou aos seus pontos de origem.

 

Contribuições para o culto

 

2-3Kozoq-YAHU organizou os intermediários e
os Levítas em turnos, para oferecerem, uns os holocaustos e ofertas de paz,
outros os louvores e cânticos a YAHU ULHÍM. Fez também ele próprio uma
contribuição pessoal em animais para as ofertas diárias, matinais e do fim do
dia, assim como para as ofertas semanais de Shábbos e mensalmente para as
festividades da lua nova, e ainda para outras celebrações, tal como era
requerido pela lei de YAHU ULHÍM. 4Para além disso, mandou ao povo de YAHUSHUA-oléym
que trouxesse os dízimos aos intermediários e Levítas, a fim de que pudessem
dedicar-se inteiramente aos seus deveres, tal como exigia a lei de YAHU ULHÍM.
5-7O povo respondeu imediatamente, e generosamente, trazendo logo os primeiros
frutos das suas colheitas: de trigo, do vinho, do azeite, do mel e de tudo o
mais – traziam o dízimo de tudo o que recolhiam. Tudo era desposto em grandes
montes. Aqueles de entre o povo que se tinham mudado para YAHUDAH, juntamente
com o povo de YAHUDAH, também trouxeram os seus dízimos de gado -vacas e
ovelhas- assim como daquilo que era consagrado a YAHU ULHÍM. Os primeiros
dízimos chegaram em Junho, e os montes de produtos foram crescendo até Outubro.
8Quando Kozoq-YAHU mais as autoridades que o acompanhavam começaram a ver
aqueles montes, todos deram graças a YAHU ULHÍM e prestaram homenagem ao espírito
reinante entre o povo. 9-10O rei encontrou-se com os intermediários e os
Levítas, e trocou com eles impressões sobre todo aquele movimento de
generosidade para com YAHU ULHÍM. Ozor-YAHU, o sumo intermediário, da família
de Tzaodóq, afirmou na ocasião: Desde que estes dízimos todos aqui têm chegado,
temos tido o suficiente para nos alimentarmos, e tudo o que aqui está é o que
vai sobrando. YAHU ULHÍM tem abençoado o seu povo! 11-13Kozoq-YAHU deu ordens
para preparar dependências de armazenamento no Templo. E todos os fornecimentos
dedicados a YAHU ULHÍM foram trazidos à casa de YAHU ULHÍM. Conanias o levita
foi encarregado desses depósitos, secundado pelo seu irmão Simei, mais os
seguintes ajudantes: Yai-Úl, Ozor-YAHU, Naate, Osaul, Yerimote, Yazawod, Uliul,
Ismaquias, ManYa e Bina-YAHU. Todos eles foram nomeados pelo rei e por Ozor-YAHU
o intermediário supremo. 14-16Core (filho de Imna o levita), que era
responsável pela entrada do Templo situada a oriente, ficou encarregado da
distribuição das ofertas pelos intermediários. Os seus auxiliares eram: Eden,
Miniamim, YAHUSHUA, Shuam-YAHU, Amor-YAHU e Shaokan-YAHU. Os dons eram
distribuídos aos clãs dos intermediários, nas suas cidades, com toda a
equidade, tanto por grandes como por pequenos. Contudo, os intermediários em
serviço no Templo, e as suas famílias, recebiam directamente no Templo os seus
fornecimentos, pelo que não eram incluídos naquela distribuição. 17-19Os
intermediários eram registados nas listas genealógicas segundo os seus clãs; e
os Levítas, a partir da idade de vinte anos, eram inscritos de acordo com os
seus turnos de serviço. Um provimento regular de alimentos era entregue a todas
as famílias de intermediários devidamente inscritos, os quais não tinham outra
fonte de recursos, visto que todo o seu tempo e energias eram devotados ao
serviço de YAHU ULHÍM no Templo. Havia um intermediário em cada uma das cidades
deles que tinham a função específica da entrega pessoal dos fornecimentos
alimentares a todos os outros seus colegas intermediários dessa área, assim
como aos Levítas devidamente registados. 20-21 Foi pois desta forma que o rei
Kozoq-YAHU superintendeu globalmente a distribuição pelo reino de YAHUDAH,
velando para que tudo fosse feito com justiça e equidade perante YAHU ULHÍM,
seu Criador Eterno. Esforçou-se tanto quanto possível para encorajar o respeito
pela casa de YAHU UL, pela lei e por um viver que agradasse a YAHU ULHÍM. E
conseguiu!

 

2 TOLDOTH 32

 

Senaqueribe ameaça YAHUSHUA-oléym

 

1Alguns anos mais tarde e após toda esta
fidelidade da parte do rei Kozoq-YAHU às coisas de YAHU ULHÍM, o rei
Senaqueribe da Assíria invadiu YAHUDAH e pôs cerco às cidades fortificadas com
a intenção de as submeter. 2-4Quando se ficou com a certeza de que Senaqueribe
tinha o intuito de atacar YAHUSHUA-oléym, Kozoq-YAHU mandou chamar os seus
conselheiros e governantes para um conselho de guerra, tendo ficado decidido
tapar as fontes do lado de fora da cidade; e para isso mobilizaram uma enorme
quantidade de gente, que, para além desse trabalho, também se empenhou no corte
das águas do rebeiro que atravessava os campos: Para que viria o rei da Assíria
achar tanta água?, diziam eles. 5-6Seguidamente consolidou a sua defesa,
reparando a muralha onde havia fendas e levantando, junto às torres
fortificadas, outra muralha do lado de fora. Também reforçou a construção do
forte de Milo na cidade de Dáoud; e mandou fabricar grande quantidade de armas
e de escudos. Mobilizou o exército, nomeou oficiais, mandando-os
concentraram-se nas campinas, em frente da cidade e encorajando-os:
7-8Esforcem-se e sejam corajosos; não tenham medo do rei da Assíria nem do seu
poderoso exército. Porque connosco está quem é muito maior do que ele! O
exército dele é grande, mas não passam de simples homens, enquanto que nós
temos YAHU ULHÍM, nosso Criador Eterno combatendo do nosso lado! Estas palavras
foram para eles de grande incentivo. 9Senaqueribe, o rei da Assíria, enquanto
sitiava ainda a cidade de Laquis, enviou embaixadores ao rei Kozoq-YAHU, com a
seguinte mensagem para ser dirigida ao povo de YAHUSHUA-oléym: 10-16O rei
Senaqueribe da Assíria pergunta-vos o seguinte: Pensam vocês poder sobreviver
ao cerco que porei a YAHUSHUA-oléym? Não serve de nada que o rei Kozoq-YAHU
tente persuadir-vos a um suicídio colectivo, levando-vos a permanecerem na
cidade, morrendo de fome e de sede, ao mesmo tempo que vos promete que ‘YAHU
ULHÍM, nosso Criador Eterno nos livrará do rei da Assíria!’ O rei Kozoq-YAHU
foi o mesmo que destruiu todos os ídolos, e ordenou que em YAHUDAH e em YAHUSHUA-oléym
se usasse unicamente o altar do Templo, queimando incenso apenas aí. Mas não
estão a ver que tanto eu como os outros reis da Assíria que foram antes de mim
nunca fomos impedidos de conquistar qualquer nação que atacássemos? Nenhum dos
falsos criadores o estatuas dessas nações já conquistadas foi capaz de fazer a
mais pequena coisa para salvar essas terras! Digam-me o nome de um apenas que
tivesse podido resistir com sucesso aos nossos ataques. Sendo assim, o que é
que vos leva a acreditar que o vosso YAHU ULHÍM pode ser melhor que os outros?
Não se deixem enganar por Kozoq-YAHU! Não creiam nele. Repito – não houve ainda
idolo de nação nenhuma que alguma vez tivesse sido capaz de salvar o seu povo
da minha mão, nem da dos meus antecessores; e muito menos o vosso YAHU ULHÍM o
poderá fazer!Desta maneira falou o embaixador, com desprezo pelo YAHU ULHÍM o
Criador Eterno e pelo servo de YAHU ULHÍM Kozoq-YAHU, debitando todos aqueles
insultos! 17Senaqueribe fez acompanhar os embaixadores de cartas injuriosas
para com YAHU ULHÍM o Criador Eterno de Yashorúl: Nenhum dos falsos criadores o
estatuas das outras nações conseguiu salvar os seus povos das minhas mãos. O YAHU
ULHÍM de Kozoq-YAHU também não conseguirá, escreveu ele. 18-19Os embaixadores
gritaram ameaças, em língua Hebraico, dirigindo-se ao povo, que se juntara
sobre as muralhas da cidade, tentando aterrorizá-lo e desencorajá-lo. Falavam
de YAHU ULHÍM de YAHUSHUA-oléym, como se se tratasse de um simples idolo pagão,
de um ídolo feito por mãos de homens! 20-22O rei Kozoq-YAHU e o profeta YASHUAYAHU,
filho de AMOZ, clamaram em oração a YAHU ULHÍM no céu. Em resposta, YAHU ULHÍM
enviou um anjo que destruiu o exército assírio, com todos os seus oficiais e
generais! Senaqueribe foi obrigado a regressar à sua terra, coberto de
vergonha. E quando entrou no templo do seu idolo, uns filhos seus mataram-no
ali mesmo. Foi assim que YAHU ULHÍM salvou Kozoq-YAHU mais o povo de YAHUSHUA-oléym.
E houve enfim paz na terra.

 

O sucesso e a morte de Kozoq-YAHU

 

23A partir de então o rei Kozoq-YAHU
tornou-se muito respeitado entre as nações vizinhas. Muitos estrangeiros
traziam ricos presentes a YAHUSHUA-oléym, para os oferecer a YAHU ULHÍM, e
também ao rei Kozoq-YAHU. 24-26Uns tempos depois Kozoq-YAHU adoeceu gravemente.
Orou a YAHU ULHÍM, que respondeu através de um milagre. No entanto Kozoq-YAHU
não correspondeu a esse benefício com um verdadeiro espírito de gratidão,
porque se deixou ganhar pelo orgulho. Por isso YAHU ULHÍM se indignou contra YAHUDAH
e YAHUSHUA-oléym. Finalmente Kozoq-YAHU, e a população de YAHUSHUA-oléym,
humilharam-se; em consequência, a ira de YAHU UL não se manifestou durante o
tempo de vida do rei. 27-29Kozoq-YAHU teve muitas riquezas e foi altamente
honrado. Teve de construir cofres especiais para guardar o ouro, a prata e as
pedras preciosas, mais as especiarias, e ainda os escudos e taças de ouro.
Edificou igualmente muitos armazéns para recolha de cereais, de vinhos, de
azeite; e também construiu estábulos para os seus animais e currais para os
grandes rebanhos de ovelhas e cabras que adquirira. Fundou ainda povoações em
grande número – YAHU ULHÍM deu-lhe grande prosperidade. 30Tapou a fonte
superior de Giom, e fez correr as águas para baixo, através de aqueduto, a
ocidente do bairro de YAHUSHUA-oléym chamado cidade de Dáoud. Foi muito feliz
nas obras que empreendeu. 31Contudo, quando vieram embaixadores de Babilónia,
para se informarem do milagre da sua cura, YAHU ULHÍM deixou-o agir sozinho,
sem interferir, para que se revelasse inteiramente o seu carácter. 32-33O resto
da história de Kozoq-YAHU, e todas as boas coisas que realizou, estão escritas
no Livro de YASHUAYAHU, o profeta, filho de AMOZ, e nos Anais dos Reis de YAHUDAH
e de Yashorúl. Quando morreu, Kozoq-YAHU foi enterrado no cemitério real da
encosta da colina, entre os outros reis. Foi honrado por toda a população de YAHUDAH
e de YAHUSHUA-oléym com exéquias solenes, na sua morte. Menashé, seu filho
ascendeu ao trono, em seu lugar.

 

2 TOLDOTH 33

 

Menashé é rei de YAHUDAH

 

1Menashé tinha apenas doze anos quando
começou a reinar. Vinte e cinto anos durou o seu reinado, com sede em YAHUSHUA-oléym.
2-6Mas foi um mau rei. Encorajou o povo a adorar os ídolos das nações pagãs que
YAHU ULHÍM destruíra quando o povo de Yashorúl tomou posse da terra. Tornou a construir
os altares pagãos que o seu pai, Kozoq-YAHU, tinha abatido -os altares em honra
de Baal, os nichos nos bosques, altares aos astros. Chegou mesmo a levantar
altares nos próprios pátios do Templo de YAHU UL para adorar os astros no lugar
mesmo em que YAHU ULHÍM dissera que deveria ser honrado para sempre. Foi ao
ponto de sacrificar seus próprios filhos no fogo, em holocausto, no vale de
Hinom. Praticou o espiritismo, fazendo consultas a médiuns, a bruxas e a
feiticeiros, encorajando toda a espécie de maldades, atraindo assim a ira de YAHU
UL. 7-8Foi a tal ponto da sua baixeza, que mandou colocar uma imagem esculpida
de um ídolo no Templo mesmo de YAHU ULHÍM, no próprio local em que YAHU ULHÍM
tinha dito a Dáoud e a Shua-ólmoh, seu filho: Serei honrado aqui neste Templo
em YAHUSHUA-oléym – a cidade que escolhi entre as outras todas de Yashorúl,
para que nela o meu Shúam (Nome) seja respeitado para sempre. Se obedecerem aos
meus mandamentos -a todas as leis e instruções que vos comuniquei através de
Mehushúa- nunca mais deixarei partir Yashorúl desta terra que dei aos seus
antepassados. r 9Pois Menashé, muito pelo contrário, encorajou a população de YAHUDAH
e de YAHUSHUA-oléym a praticar ainda mais maldades do que as nações que YAHU
ULHÍM tinha destruído quando Yashorúl tomou a terra. 10Avisos repetidos foram
desprezados, tanto pelo próprio Menashé como pelo povo. 11Por essa razão YAHU
ULHÍM enviou os exércitos da Assíria, que pegaram nele com ganchos, como para
os animais selvagens, o amarraram com cadeias e o levaram para Babilónia.
12-13Aí, finalmente, a sua consciência despertou na angústia, humilhou-se
sinceramente perante YAHU ULHÍM dos seus pais, orando e pedindo-lhe socorro. YAHU
ULHÍM respondeu à sua súplica! Tornou a trazê-lo a YAHUSHUA-oléym, ao seu
reino. Menashé reconheceu enfim que YAHU ULHÍM era realmente YAHU ULHÍM
verdadeiro! 14-16Foi depois disto tudo que ele fez reconstruir o muro exterior
da cidade de Dáoud, assim como a muralha desde o ocidente da fonte de Giom, no
vale de Kidron, até à porta do Peixe, e rodeando a citadela da Colina, onde a
muralha se elevava aliás a grande altura. Pôs guarnições militares comandadas
por oficiais escolhidos em todas as cidades fortificadas de YAHUDAH. Também
retirou os ídolos estrangeiros das colinas, e a imagem que fora colocada no
Templo; derrubou os altares que tinha levantado na própria elevação onde se
erguia o Templo de YAHU ULHÍM, assim como os altares que havia por toda a parte
em YAHUSHUA-oléym, fazendo disso tudo um montão de lixo fora da cidade. Depois,
reconstruiu o altar de YAHU UL, ofereceu sacrifícios sobre ele – sacrifícios de
paz e de louvor – e pediu que o povo de YAHUDAH adorasse YAHU ULHÍM o Criador
Eterno de Yashorúl. 17Contudo o povo continuou sacrificando sobre as colinas,
embora os sacrifícios fossem oferecidos a YAHU ULHÍM o Criador Eterno. 18O
resto dos actos de Menashé, a oração que fez a YAHU ULHÍM, e a resposta que YAHU
ULHÍM lhe deu através dos profetas – tudo isto está escrito nos Anais dos Reis
de Yashorúl. 19A sua oração e a forma como YAHU ULHÍM lhe respondeu, assim como
um relato circunstanciado dos seus erros e dos seus pecados, incluindo a lista
dos locais -as colinas e os bosques- onde colocou ídolos e imagens genravadas,
tudo isto antes de se ter humilhado perante YAHU ULHÍM, tudo está relatado nos
Anais dos Profetas. 20-23Quando Menashé faleceu foi enterrado no terreno do seu
próprio palácio.

 

Amom é rei de YAHUDAH

 

24O seu filho Amom reinou em seu lugar;
tinha a idade de vinte e dois anos. O trono manteve-se em YAHUSHUA-oléym. Mas
apenas reinou dois anos, e fez o que era mal aos olhos de YAHU UL, à semelhança
dos primeiros tempos do seu pai Menashé; porque fez sacrifícios aos ídolos
todos, tal como o seu pai. Mas o pior é que não se arrependeu como ele, antes
foi agravando multiplicadamente o seu pecado. Acabou assassinado pelos seus
próprios colaboradores no seu palácio. 25Houve contudo uns quantos cidadãos que
resolveram fazer justiça por suas mãos, matando os que o tinham assassinado e
declarando Yasa-YAHU, seu filho, rei da nação.

 

2 TOLDOTH 34

 

As reformas de Yasa-YAHU

 

1Yasa-YAHU tinha apenas oito anos quando
ocupou o trono. Reinou trinta e dois anos em YAHUSHUA-oléym. 2Foi um bom rei;
seguiu cuidadosamente o bom exemplo deixado por Dáoud, seu antecessor.
3-5Quando tinha dezasseis anos -era o oitavo ano em que reinava- começou a
buscar YAHU ULHÍM de Dáoud, seu antepassado, seguindo nos seus caminhos, sem se
desviar deles nem para a direita nem para a esquerda. Quatro anos mais tarde
iniciou o processo de limpeza de YAHUDAH e de YAHUSHUA-oléym, destruindo os
altares dos ídolos, dos bosques e os altares dos altos. Deu-se ao cuidado de
pessoalmente ir verificar nos próprios locais se tudo tinha sido bem destruído
– os altares a Baal, os obeliscos, os altares dos bosques, as imagens, tudo
teve a preocupação de reduzir a pó, e até de mandar lançar esse entulho sobre
os túmulos mesmo daqueles que tinham praticado o culto da idolatria e que
entretanto tinham morrido. Os ossos dos que tinham sido intermediários dos
falsos criadores o estatuas, mandou queimar sobre os próprios altares dos
ídolos, num acto público de reforma e de purificação do pecado da idolatria.
6-7Depois dirigiu-se às povoações de Menashé, de Efroím, de Shamiúl e até da
distante Neftali, e fez o mesmo. Destruiu os altares pagãos de idolatria, fez
em pó as imagens dos bosques, derrubou os obeliscos em honra dos falsos
criadores o estatuas. Por toda a parte da terra de Yashorúl fez o mesmo. Por
fim regressou a YAHUSHUA-oléym. 8Durante o décimo oitavo ano do seu reinado,
após ter purificado a terra, e o próprio Templo, designou Safã (filho de
Azalias) e Maose-YAHU, governador de YAHUSHUA-oléym, assim como Yoas (filho de
Yoacaz), secretário real, para que ficassem com o cargo de repararem o Templo.
9Organizaram então um sistema de recolhas de donativos para a casa de YAHU
ULHÍM. O dinheiro recolhia-se às entradas do Templo; eram recebedores os
Levítas em funções nessas portas. Os dons eram trazidos por povo que vinha
mesmo de Menashé, de Efroím e de outras partes do resto de Yashorúl, e também
evidentemente, de YAHUSHUA-oléym. 10-11Todo o dinheiro se entregava ao sumo
intermediário Hilki-YAHU, que fazia a contabilidade respectiva, e que o
distribuía aos superintendentes da casa de YAHU UL, para pagarem aos carpinteiros,
aos pedreiros e para liquidarem as contas de aquisição de material – blocos de
pedras lavradas para construção, madeira, em traves e em pranchas; reconstruiu
assim o que outros reis antes dele tinham deixado degradar-se. 12-13Os
operários trabalharam aplicadamente, sob as ordens de Yaate e de AWODYAHU,
Levítas do sub-clã de Merari. ZOCHARYAHU e Mesulão, do sub-clã de Coate, eram
os superintendentes gerais de toda a obra. Acontecia até que os Levítas que
eram músicos hábeis tocavam música enquanto a obra se fazia. Outro grupo de
Levítas dirigia o trabalho dos operários não qualificados, que apenas
transportavam material, por exemplo. Outros ainda eram contabilistas,
contra-profesores e fiscais.

 

É encontrado o rolo da lei

 

14Um dia quando Hilki-YAHU, o intermediário
supremo, andava pelo Templo, aonde se dirigia regularmente para registar o
dinheiro dos donativos recolhidos às entradas, achou um velho rolo escrito, e
verificou serem precisamente as leis de YAHU ULHÍM dadas a Mehushúa! 15-16
Safã!, exclamou Hilki-YAHU dirigindo-se ao secretário do rei. Olha o que eu
encontrei aqui no Templo! As leis mesmo de YAHU ULHÍM! E passou-lhe o rolo para
as mãos. Safã pegou nele e levou-o ao rei, com quem aliás tinha audiência para
dar conta dos avanços que a obra ia registando. 17Foram abertas as caixas dos
donativos e o dinheiro; depois de contado e registado, foi entregue aos
supervisores para pagarem aos operários, disse ao rei. 18Seguidamente referiu a
questão do rolo da lei, contando como Hilki-YAHU o achara. E leu-o ao rei.
19-20Este, ouvindo as palavras da lei de YAHU ULHÍM, rasgou a roupa que trazia,
em sinal de desespero. Mandou convocar Hilki-YAHU, Aicão (o filho de Safã),
Abdom (filho de Mica), Safã o secretário real e Ose-YAHU, conselheiro pessoal
do rei. 21Vão ao Templo e roguem a YAHU ULHÍM por mim!, disse-lhes. Orem por
todos estes que restam do povo de Yashorúl e de YAHUDAH! Porque as palavras
deste rolo são bem explícitas quanto às razões por que a grande ira de YAHU UL
caiu sobre nós – é porque os nossos antepassados não obedeceram aos mandamentos
escritos nestas palavras de YAHU ULHÍM. 22Aqueles homens foram ter com Hulda, a
profetisa, mulher de Salum (filho de Tocate e neto de Hasra). Salum era o
responsável pelo guarda-roupa real e morava no segundo bairro de YAHUSHUA-oléym.
23Quando lhe disseram a causa da perturbação do rei, respondeu: Assim diz YAHU
ULHÍM o Criador Eterno de Yashorúl: Digam ao homem que vos enviou: 24-25’Sim, YAHU
ULHÍM destruirá esta cidade e este povo. Todas as maldições escritas no rolo se
concretizarão. Porque o meu povo me abandonou e se pôs a prestar culto a falsos
criadores o estatuas pagãos. Estou extremamente indignado com os pecados deles.
Por isso, o meu furor se derramará inevitavelmente sobre este lugar.’ 26-32Mas YAHU
ULHÍM diz também o seguinte ao rei de YAHUDAH, que vos mandou consultar-me:
Digam-lhe então o que lhe é transmitido pelo YAHU ULHÍM o Criador Eterno de Yashorúl:
‘Visto que te entristeceste e te humilhaste diante de YAHU ULHÍM quando ouviste
as minhas palavras contra esta cidade e o seu povo, rasgando a tua túnica em
desespero, e chorando perante mim – por isso te ouvi, diz YAHU ULHÍM, e só
mandarei o mal que prometi sobre esta cidade e o seu povo após a tua morte.’
Foi então esta a mensagem de YAHU UL que eles trouxeram de volta ao rei. Este
reuniu todos os anciãos de YAHUDAH e de YAHUSHUA-oléym, assim como os
intermediários e Levítas, juntamente com todo o povo, tanto grandes como
pequenos, e fez-se acompanhar por todos eles até ao Templo. Aí, o rei leu-lhes
as palavras do rolo, as palavras da aliança que YAHU ULHÍM estabelecera com o
seu povo, e que fora achado no Templo. Ali, de pé, na frente de toda a gente, o
monarca prometeu a YAHU ULHÍM seguir os seus mandamentos, com todo o coração e
todas as suas capacidades, fazendo o que estava escrito naquele rolo. Fez
também um veemente apelo a toda a população de YAHUSHUA-oléym e de Benyamín
para que se comprometessem no mesmo propósito de obediência a YAHU ULHÍM. E
todos o fizeram. 33Yasa-YAHU retirou totalmente os ídolos das áreas habitadas
por YAHÚ-dim, e requereu que todos adorassem YAHU ULHÍM, o seu Criador Eterno.
Durante o resto da vida de Yasa-YAHU, o povo continuou servindo YAHU ULHÍM, o
Criador Eterno dos seus pais.

 

2 TOLDOTH 35

 

A celebração da PósqaYa

 

1Yasa-YAHU anunciou que a PósqaYa seria
celebrada no primeiro dia de Abril, em YAHUSHUA-oléym. O cordeiro pascal seria
morto no fim desse dia. 2-6Restabeleceu as funções dos intermediários,
instigando-os a que retomassem o serviço no Templo. Emitiu também a seguinte
ordem aos Levítas que se tinham consagrado, e que se dedicavam ao ensino em Yashorúl:
Visto que a arca está definitivamente depositada no Templo que Shua-ólmoh
mandou construiur, e sendo que não precisam mais de a carregar aos ombros de um
lugar para outro, apliquem o vosso tempo ao serviço de YAHU UL junto do seu
povo. Distribuam-se conforme os turnos de actividade em que estavam organizados
os vossos antecessores, tal como foram agrupados pelo rei Dáoud e pelo seu
filho Shua-ólmoh, monarcas de Yashorúl. Cada turno dará assistência a um
particular clã do povo que venha trazer as suas oferendas ao Templo. Matem o
cordeiro pascal e santifiquem-se; preparem-se para dar assistência ao povo que
se apresentar. Sigam todas as instruções de YAHU UL, dadas através de Mehushúa.
7-9O rei contribuiu com trinta mil cordeiros e novilhos para as ofertas
populares da PósqaYa, e ainda com mais três mil bois. Os governantes fizeram
também contribuições voluntárias aos intermediários e aos Levítas. Hilki-YAHU, ZOCHARYAHU
e Yai-Úl, os supervisores do Templo, deram aos intermediários duas mil e
seiscentas ovelhas e cabritos e trezentos bois, como ofertas de PósqaYa. Os
líderes Levítas – Conanias, Shuam-YAHU e Naokhan-Úl, com os seus irmãos Hoshav-YAHU,
Yai-Úl, e Yazawod- deram cinco mil ovelhas e cabritos mais quinhentos bois aos
Levítas. 10-14Quando tudo estava organizado e os intermediários se encontravam
nos seus lugares, com os Levítas formados em turnos de serviço, conforme as
instruções reais, então os Levítas começaram a matança dos cordeiros pascais,
apresentando o sangue aos intermediários, que o aspergiam sobre o altar
enquanto outros Levítas arrancaram a pele dos animais. Amontoavam seguidamente
os corpos dos animais mortos para que cada tribo apresentasse o seu holocausto
a YAHU ULHÍM, tal como está escrito na lei de Mehushúa. Fizeram o mesmo com os
bois. Então, de acordo com as instruções da lei, assaram os cordeiros e cozeram
as ofertas sagradas em caldeiras, panelas e sertãs, apressando-se em
reparti-las entre o povo, para que comesse. A seguir os Levítas prepararam a
sua própria refeição, para si e para os intermediários, pois tinham estado
ocupados desde a manhã até à noite oferecendo a gordura das ofertas queimadas.
15-16Os cantores (os filhos de Osaf) estavam nos seus lugares, segundo as
directrizes dadas séculos antes pelo rei Dáoud, por Osaf, por Hemã e por
Yedutum, o profeta do rei. Os porteiros encontravam-se às entradas do Templo, e
não tiveram necessidade de abandonar os seus lugares, porque as refeições
foram-lhe trazidas pelos outros Levítas seus irmãos. Assim se completou toda a
cerimónia da PósqaYa num só dia. Todos os holocaustos foram queimados sobre o
altar de YAHU UL, conforme as ordens de Yasa-YAHU. 17-18Toda a gente presente
em YAHUSHUA-oléym participou nesta celebração da PósqaYa, que foi seguida pela
celebração dos pães asmos, durante os sete dias posteriores. Nunca tinha
havido, desde o tempo do profeta SHAMUUL, uma tal celebração de PósqaYa – nem
um só dos reis de Yashorúl fez uma tal festividade, envolvendo tantos
intermediários, Levítas, e povo de YAHUSHUA-oléym e de toda a parte de YAHUDAH,
além de outros lugars de Yashorúl. 19Tudo isto aconteceu no décimo oitavo ano
do reinado de Yasa-YAHU.

 

A morte de Yasa-YAHU

 

20Algum tempo depois, o rei Neco do Egito
levou o seu exército a combater contra os assírios em Carquemis, na margem do
rio Eufrates; e Yasa-YAHU declarou-lhe guerra. 21O rei Neco do Egito mandou-lhe
embaixadores com a seguinte mensagem: Não estou interessado em lutar contigo, ó
rei de YAHUDAH! O meu intuito é unicamente fazer guerra ao rei da Assíria! Não
te metas comigo! YAHU ULHÍM disse-me que não me detesse. Não interfiras com as
ordens de YAHU ULHÍM, se não serás destruído, pois YAHU ULHÍM está do meu lado.
22-23Mas Yasa-YAHU recusou alterar a sua posição e conduziu o exército à
batalha, no vale de Megido. (Tirou de si as roupas reais, para que o inimigo
não o reconhecesse.) Yasa-YAHU não quis pois acreditar que a mensagem de Neco
era de YAHU ULHÍM. Os archeiros inimigos atingiram gravemente o rei Yasa-YAHU.
Tirem-me daqui, do meio da batalha, clamou ele aos seus ajudantes.
24-25Tiraram-no então do carro de combate, levaram-no para outro carro e
conduziram-no para YAHUSHUA-oléym, onde acabou por morrer. Foi enterrado no cemitério
real. Todo o reino de YAHUDAH e a população de YAHUSHUA-oléym, entre a qual
vivia o profeta YARMIYAHU, chorou a sua morte. Nas exéquias fúnebres, cantou o
coro do Templo. E ainda hoje se cantam os coros fúnebres da cerimónia do seu
enterro, pois foram incorporados na colectânea de elegias. 26-27Outras
actividades de Yasa-YAHU, as suas louváveis acções, a forma como seguiu a
palavra de YAHU UL, tudo está escrito nos Anais dos Reis de Yashorúl e de YAHUDAH.

 

2 TOLDOTH 36

 

YAHU-ahoz é rei de YAHUDAH

 

1-2Sucedeu-lhe no trono YAHU-ahoz, seu
filho. Tinha vinte e três anos quando começou a reinar, mas reinou apenas três
meses. 3Foi deposto pelo rei do Egito, que exigiu de YAHUDAH um tributo anual
de três mil quilos de prata e trinta quilos de ouro. 4O rei do Egito pôs no seu
lugar Uliakim, irmão do rei anterior, mudando-lhe o nome para YAHU-ahim.
Entretanto YAHU-ahoz foi levado prisioneiro para o Egito.

 

YAHU-ahim é rei de YAHUDAH

 

5Tinha YAHU-ahim vinte e cinco anos quando
começou a reinar. Reinou onze anos em YAHUSHUA-oléym. Foi um mau rei. 6-8Por
fim, Nebuchadnezar rei da Babilónia conquistou YAHUSHUA-oléym, e levou-o em
cadeias para Babilónia. Nabudoconozor levou também parte das taças de ouro do
Templo, e outras coisas mais, colocando-as no seu próprio Templo em Babilónia.
O resto dos feitos de YAHU-ahim, e toda a maldade que praticou, está registado
nos Anais dos Reis de YAHUDAH. Seu filho Yacan-YAHU subiu ao trono em seu
lugar.

 

Yacan-YAHU é rei de YAHUDAH

 

9-10Tinha Yacan-YAHU oito anos quando
começou a reinar; mas foi rei apenas por três meses e dez dias. Foi um mau
reinado, aos olhos de YAHU ULHÍM. Na primavera seguinte foi mandado vir para
Babilónia pelo rei Nebuchadnezar. Nessa altura muitos tesouros do Templo foram
levados para Babilónia, e Nebuchadnezar designou rei, em seu lugar, o seu irmão
Tzaodoq-YAHU.

 

Tzaodoq-YAHU é rei de YAHUDAH

 

11-13Tzaodoq-YAHU tinha vinte e um anos
quando começou a reinar, tendo sido de onze anos o tempo em que foi rei em YAHUSHUA-oléym.
Foi também um mau rei, aos olhos de YAHU UL, tendo recusado dar ouvidos aos
conselhos de YARMIYAHU, o profeta, que lhe transmitia as mensagens de YAHU UL.
Rebelou-se contra Nebuchadnezar, apesar de lhe ter feito uma jura de lealdade.
Tzaodoq-YAHU era um homem duro e obstinado, sempre resistindo a obedecer a YAHU
ULHÍM o Criador Eterno de Yashorúl. 14Todas as altas personagens da nação,
incluindo os intermediários principais, prestavam culto aos ídolos das nações
vizinhas e poluíam o Templo de YAHU UL o Criador Eterno em YAHUSHUA-oléym.

 

A queda de YAHUSHUA-oléym

 

15 YAHU ULHÍM, o Criador Eterno dos seus
antepassados, mandou-lhes profetas, que os avisavam repetidas vezes e
insistentemente, pois tinha compaixão do seu povo e pena do seu Templo. 16O
povo ria-se das mensagens de YAHU ULHÍM, desprezava a sua palavra, troçava dos
profetas. Até que não foi mais possível conter a ira de YAHU UL, e deixou enfim
de ser possível empreender uma reforma do povo. 17 YAHU ULHÍM trouxe o rei da
Babilónia contra eles, que lhes matou os jovens, mesmo quando fugiam para
dentro do próprio Templo, que não teve piedade com ninguém, que matou donzelas
e velhos! YAHU ULHÍM usou o rei da Babilónia para os destruir completamente.
18Também levou consigo todos os utensílios do Templo, coisas grandes e
pequenas, assim como todo o resto dos tesouros da casa de YAHU UL e do palácio
real. Tomou também consigo os filhos dos reis e altos dignitários. 19O seu
exército deitou fogo ao Templo, derrubou as muralhas de YAHUSHUA-oléym, queimou
as casas apalaçadas, destruiu, enfim, tudo o que havia de precioso no Templo.
20Os sobreviventes levou-os como escravos para Babilónia, ao seu serviço
pessoal e dos seus filhos. Mais tarde aconteceu que o reino de Babilónia foi
vencido pelo rei da Pérsia. 21Assim se cumpriu a palavra de YAHU UL, comunicada
através de YARMIYAHU, de que a terra deveria repousar durante setenta anos,
para compensar os anos em que o povo recusou observar o Shábbos. 22-23No
primeiro ano do rei Kerósh, da Pérsia, YAHU ULHÍM despertou o espírito deste
rei, levando-o a fazer a seguinte proclamação, através de todo o reino, a qual
mandou pôr por escrito: Todos os reinos da terra me foram dados pelo YAHU ULHÍM
o Criador Eterno dos shua-ólmaYa, que me deu instruções para que lhe
construísse um Templo em YAHUSHUA-oléym, na terra de YAHUDAH. Todos os que são
seu povo devem regressar a Yashorúl, para dar cumprimento a essa tarefa, e YAHU
ULHÍM será com eles.

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: