ministeriohorafinal

1 Shamu-UL (Samu-l) Em Revisão e formatação!

1 SHAMUUL 1

 

O nascimento de SHAMUUL

 

1Houve um homem chamado Ulkana, da tribo de Efroím, que vivia em Ramataim de Zofim, nos montes de Efroím. O nome de seu pai era Yeroão; o do seu avô Ulihu; do bisavô Toú; e do tetravô Zufe.

2Tinha duas mulheres: Ana e Penina. Esta última tinha filhos, porém Ana não tinha nenhum.


3-5Cada ano Ulkana ia com a sua família até ao tabernáculo em Sheló para adorar
YAHU ULHÍM dos shua-ólmaYa e sacrificar-lhe. (Nesse tempo os intermediários em
funções eram os dois filhos de Uli – Hofni e Pinkhós.) No dia em que apresentava o seu sacrifício, Ulkana assinalava o fato, dando presentes a Penina e aos seus filhos; mas ainda que amasse muito Ana, apenas lhe podia dar um só presente, porque YAHU ULHÍM lhe tinha fechado a madre; por essa razão não recebia presentes que pudesse ela própria passar também aos seus filhos.

6As coisas complicavam-se ainda mais porque Penina provocava Ana e a humilhava pelo fato de ser estéril.

7Todos os anos era a mesma coisa – Penina troçando e rindo

da outra, quando iam a Sheló. Ana chorando muito e deixando de comer.

8 O que é que se passa, Ana?, exclamava Ulkana. Por que é que não comes? Por que é toda essa agitação por não teres filhos? Não sou eu para ti melhor do que dez
filhos?

9-11Uma noite depois de jantar, quando foram a Sheló, Ana dirigiu-se ao
tabernáculo. Uli, o intermediário, encontrava-se sentado no lugar habitual, ao
lado da entrada. Ana encontrava-se profundamente angustiada e chorava
amargamente enquanto orava a YAHU ULHÍM. Fez então este voto. Ó YAHU UL
Tzavulyáo celestiais, se te debruçares sobre a minha tristeza e responderes à
minha oração, dando-me um filho, então eu to tornarei a dar; será teu por toda
a sua vida e o cabelo nunca lhe será cortado.

12-13Uli reparou que ela mexia os lábios mas sem se lhe ouvir a voz, visto que orava em silêncio; pensou que estaria toldada pelo vinho e dirigiu-se-lhe:

14Então tu vens para aqui embriagada? Vai curar a tua bebedeira para outro lugar.

15-16Oh, não, meu Amo!, replicou ela. Eu não bebi! Encontro-me mas é muito triste e estava a abrir o coração a YAHU ULHÍM. Peço-te que não penses de mim uma tal coisa, que eu estivesse embriagada!

17Nesse caso, olha, anima-te! Que YAHU ULHÍM de Yashorúl responda à tua oração, conforme o que lhe pediste!

18Fico-te muito grata. E regressou mais feliz, começando de novo a alimentar-se normalmente.

19-20Toda a família se levantou cedo na manhã seguinte, e foi ao tabernáculo adorar YAHU ULHÍM mais uma vez, regressando depois a Roéma. Ulkana e Ana foram deitar-se e YAHUULHÍM tomou em consideração o pedido dela. Ao cabo do tempo próprio nasceu-lhe um menino, a quem chamou SHAMUUL, porque o pedi a YAHU ULHÍM, disse ela.


21-22No ano seguinte, Ulkana, Penina e os filhos foram, como todos os anos, ao
tabernáculo mas sem Ana; esta dissera ao marido: Prefiro esperar até que o
menino seja desmamado; depois então levá-lo-ei ao tabernáculo, para o deixar
lá.

23Está bem. Faz como melhor te parecer, concordou Ulkana. Faça-se a vontade
de YAHU UL. Ela ficou pois em casa, até que o menino fosse desmamado.

24Então, ainda que muito pequenino, levaram-no ao tabernáculo em Sheló. E tomaram consigo um touro de três anos, para o sacrifício, trinta e cinco litros de farinha e algum vinho.

25Depois do sacrifício, entregaram a criança a Uli.

26-28 YAHU ULHÍM, disse Ana, eu sou aquela mulher que aqui esteve certa vez orando a YAHU ULHÍM. Pedi-lhe que me desse um filho, e a minha petição foi ouvida. Venho agora oferecê-lo a YAHU ULHÍM por toda a sua vida. Deixou-o pois desta forma no tabernáculo para o serviço de YAHU UL.

 

1 SHAMUUL 2

 

A oração de Ana

 

1Ana fez a seguinte oração:


Como me sinto feliz em YAHU ULHÍM! Como ele me abençoou! Agora já posso
responder a quem me quer mal,porque YAHU ULHÍM deu solução ao meu problema. Como me sinto feliz!


2Ninguém é tão santo como YAHU ULHÍM. Não há outro YAHU ULHÍM,nem há
segurança alguma semelhante à de YAHU ULHÍM.


3Deixem de ser tão orgulhosos e altivos! YAHU ULHÍM sabe tudo quanto
vocês têm feito,e julgará as vossas ações.

4A força dos fortes foi quebrada. Os que fraquejam foram revestidos de força.


5Os que viviam na fartura agora dão tudo por uma côdea de pão;e os que
andavam a morrer de fome agora são fartos. A que era estéril tem agora sete
filhos;e a que ia tendo sempre filhos agora deixou de os ter.

6 YAHU ULHÍM é quem tira a vida, mas é também quem a dá.

7 YAHU ULHÍM tira riquezas, mas também sabe dá-las;abaixa, mas também exalta.


8Tira o pobre do pó da terra – sim, da mais baixa miséria – e trata-os
como príncipes, fazendo-os sentarem-se em lugares de honra. Toda a terra
pertence a YAHU ULHÍM;foi ele quem deu estruturas a todo este mundo.


9Protegerá os seus santos;mas o malvado será silenciado, lançado nas
trevas. O ser humano não tem capacidade de o enfrentar pela força.


10Os que contendem com YAHU ULHÍM serão aniquilados;trovejará desde os
shua-ólmaYa sobre eles. YAHU ULHÍM julga sobre a terra, duma extremidade à
outra;dará força ao seu rei, exaltará o poder do seu ungido.

11Então resgressaram todos a Roéma, mas sem SHAMUUL; este menino tornou-se um servidor de YAHU ULHÍM, ajudando o intermediário Uli.

 

A maldade dos filhos de Uli

 

12-15Acontecia no entanto que os filhos de Uli eram pessoas de muito má conduta, que não manifestavam interesse de espécie nenhuma pelo YAHU ULHÍM. Tinham por hábito, sempre que alguém estava a oferecer um sacrifício, e enquanto a carne do animal do sacrifício cozia, mandar um criado, com um grafo de três dentes, e pô lo dentro da caldeira, dizendo que fosse o que fosse que o garfo espetasse, seria levado para os filhos de Uli. Faziam isso com todas as pessoas que iam a Sheló para adorar. Outras vezes o criado vinha mesmo antes do rito de queima da gordura sobre o altar, e reclamava um determinado pedaço da carne, antes que fosse cozida, para a assar depois.

16Se aquele que apresentava o sacrifício dissesse: Leva quanto quiseres, mas deixa primeiro que a gordura seja queimada, então o criado respondia: Não. Dá-mo agora, senão tiro-te à força.

17Assim, o pecado destes jovens era muito grande aos olhos de YAHU UL, pois tratavam com desprezo as ofertas que o povo trazia perante YAHU ULHÍM.

18-21SHAMUUL, apesar de uma criança, estava já ao serviço de YAHU UL, e trazia vestido um éfode de linho, tal como o dos intermediários. A mãe, todos os anos, fazia-lhe uma túnica de linho, à sua medida, que trazia quando vinha com o marido para o sacrifício anual. Antes de regressarem a casa, Uli abençoava Ulkana e Ana, pedindo a YAHU ULHÍM que lhes desse outros filhos que substituíssem aquele que tinham oferecido a YAHU ULHÍM. E YAHU ULHÍM respondeu dando a Ana três rapazes e duas meninas. Entretanto SHAMUUL continuava crescendo e permanecia ao serviço de YAHU UL.

22Uli era já muito idoso, mas mantinha-se ao corrente de tudo o que se ia
passando à sua volta. Sabia, por exemplo, que os seus filhos seduziam mulheres
que se juntavam em grupos à entrada do tabernáculo.

23-25Tenho ouvido coisas terríveis sobre o que vocês têm feito, e que o povo de YAHU UL me vem contando, dizia Uli aos filhos. É muito grave levar o povo de YAHU ULHÍM a pecar. O pecado tem sempre o seu castigo; e isso é tanto mais verdade no vosso caso, que isso que fazem é pecar contra YAHU ULHÍM! Mas eles não ligavam ao que o pai lhes dizia; por isso YAHU ULHÍM tinha já decidido tirar-lhes a vida.

26O pequeno SHAMUUL ia crescendo em tamanho e também em simpatia perante toda a gente, além de que se tornava objecto do favor de YAHU UL.

 

Profecia contra a casa de Uli

 

27-29Um dia veio ter com Uli um profeta que lhe comunicou a seguinte mensagem da parte de YAHU ULHÍM: Não revelei eu o meu poder quando o povo de Yashorúl era escravo no Egito? Não escolhi eu o teu antepassado Leví, de entre todos os seus irmãos, para ser meu intermediário e sacrificar junto do altar, queimar incenso e trazer as vestimentas sacerdotais enquanto me servia? E não dei também as ofertas apresentadas em sacrifício a vocês os intermediários? Então porque são tão vorazes em relação às outras ofertas que me são trazidas? Porque tens tu respeitado mais a vontade dos teus filhos do que a minha? Porque tanto tu como eles têm engordado com o melhor de todos os sacrifícios que me são oferecidos pelo meu povo!

30-34Por isso, eu, YAHU ULHÍM o Criador Eterno de Yashorúl, declaro que apesar de ter prometido que os descendentes da tribo de Leví poderiam ser sempre meus intermediários, seria insensato pensar que os vossos actos poderiam continuar. Eu darei honra apenas a quem me honra, e afastarei aqueles que me desprezam. Porei um fim à tua família, para que não mais sirvam como intermediários. Cada um dos seus membros morrerá antes do tempo normal. Nenhum chegará a velho. Terás ocasião de constatar a prosperidade que darei ao meu povo, mas tu e a tua família achar-se-ão na necessidade e na angústia. Ninguém entre vocês alcançará a idade avançada. Os que prolongarem o seu tempo de vida será para viverem na amargura e no desgosto; os seus filhos morrerão na guerra. E para te provar que é verdade
aquilo que te foi dito, e que há-de acontecer, farei com que os teus dois filhos, Hofni e Pinkhós, morram no mesmo dia!

35-36Depois suscitarei um intermediário fiel para me servir e fazer tudo quanto eu disser. Abençoarei os seus descendentes; e todos os da sua linhagem serão intermediários diante do meu ungido para sempre. Então os da tua família se inclinarão perante ele, para pedir dinheiro e comida: ‘Rogamos-te’, dirão eles, ‘que nos deixes ter alguma função entre os intermediários, para que tenhamos alguma coisa para comer.

 

1 SHAMUUL 3

 

SHAMUUL chamado pelo YAHU ULHÍM

 

1Entretanto, o menino SHAMUUL continuava a servir YAHU ULHÍM, como assistente de Uli. As mensagens directas, da parte de YAHU UL, eram muito raras naqueles tempos,

2-3mas uma certa noite aconteceu o seguinte:Uli, que tinha já quase perdido a vista devido à sua muita idade, foi deitar-se; SHAMUUL dormia também no Templo, perto da arca.

4E YAHU ULHÍM chamou por ele: SHAMUUL! SHAMUUL!Sim! Que é?, respondeu SHAMUUL.

5Levantou-se e correu ter com Uli: Aqui estou. Que desejas?Mas eu não te chamei, disse-lhe Uli. Vai já deitar-te. SHAMUUL retirou-se e foi outra vez deitar-se.

6Então YAHU ULHÍM chamou-o novamente; SHAMUUL tornou a saltar da cama e a ir ter com Uli: Que é? Necessitas de alguma coisa?Mas eu não te chamei, meu filho, respondeu-lhe Uli. Vai outra vez para a cama.

7(SHAMUUL nunca tinha recebido mensagem alguma da parte de YAHU ULHÍM, anteriormente.)

8Então YAHU ULHÍM chamou por ele terceira vez, e tal como antes, SHAMUUL ergueu-se da cama e apresentou-se junto de Uli: De que é que precisas?Mas desta vez Uli deu-se conta de que era YAHU ULHÍM falando com a criança.

9Por isso disse a SHAMUUL: Olha, vai deitar-te de novo e se ouvires chamar-te mais uma vez, diz assim, ‘Fala, YAHU ULHÍM, porque o teu servo está a ouvir’. Então SHAMUUL voltou para a cama.

10E YAHU ULHÍM chamou-o como das outras vezes: SHAMUUL! SHAMUUL!E SHAMUUL respondeu: Fala, YAHU ULHÍM, porque o teu servo está a ouvir.

11-14E YAHU ULHÍM disse a SHAMUUL: Vou fazer algo de espantoso em Yashorúl. Vou dar cumprimento a todas as tremendas coisas de que avisei Uli. Avisei-o continuamente, a ele e à sua família, de que os castigaria por causa dos filhos andarem a blasfemar de YAHU ULHÍM, sem que ele tivesse feito nada para os impedir. Agora pois, jurei que os pecados de Uli e dos seus filhos não serão mais perdoados com sacrifícios ou ofertas.

15SHAMUUL ficou na cama até amanhecer; depois abriu as portas do Templo como
habitualmente, mas estava com receio de dizer a Uli o que YAHU ULHÍM lhe
mandara.

16-17No entanto Uli chamou-o: Meu filho, o que é que YAHU ULHÍM te
disse? Conta-me tudo. E que YAHU ULHÍM te castigue a ti se me esconderes alguma
coisa!

18Então SHAMUUL comunicou-lhe tudo o que YAHU ULHÍM lhe dissera. É a
vontade de YAHU UL, replicou; que ele faça o que melhor lhe parecer.


19-21Enquanto SHAMUUL crescia, YAHU ULHÍM estava com ele; e cumpriu com tudo quanto tinha prometido. Todo Yashorúl, de Dayán até Beer-Shéva, ficou sabendo que SHAMUUL tinha sido confirmado como profeta de YAHU UL. YAHU ULHÍM continuou a transmitir mensagens, em Sheló no tabernáculo, e ele comunicava-as ao povo de Yashorúl.

 

1 SHAMUUL 4

 

A arca é capturada pelos Filisteus

 

1-2Nesse tempo Yashorúl estava em guerra contra os Filisteus. O exército Yashorulíta estava acampado perto de Éban-OZOR, e os Filisteus junto de Afeque. Estes derrotaram Yashorúl, matando quatro milhares dos seus soldados.

3Depois do combate, o exército de Yashorúl regressou ao acampamento e os seus líderes interrogavam-se por que razão YAHU ULHÍM os tinha conduzido àquela derrota: Vamos trazer para aqui a arca, desde Sheló. Se a trouxermos connosco, YAHU ULHÍM estará no nosso meio e nos salvará seguramente dos nossos inimigos.

4-5Então mandaram vir a arca da aliança de YAHU UL Tzavulyáo celestiais, que habita entronizado acima dos querubins. Hofni e Pinkhós, os filhos de Uli, vieram com ela até ao campo da batalha. Quando os Yashorulítas viram chegar a arca, deram um brado de alegria tão forte que até a terra tremeu!

6-9O que é que se passa?, perguntaram-se os Filisteus. Para que foi aquele grito no campo dos YAshorulitas? (Hebr-us) Quando souberam que era a arca de YAHU UL que tinha chegado ali, entraram em pânico.


YAHU ULHÍM veio para o campo deles!, gritavam. Ai de nós, que nunca
enfrentámos uma situação destas antes! Quem é que nos vai salvar destes
poderosos falsos criadores o estatuas de Yashorúl? É que são os mesmos que
destruíram o Egito com pragas, quando Yashorúl lá morava. Então, lutem agora, ó
Filisteus, como nunca o fizeram antes, pois doutra forma tornar-se-ão seus
escravos, tal como eles já foram nossos escravos.

10Dessa forma os Filisteus lutaram desesperadamente, e Yashorúl foi novamente derrotado. Trinta mil homens de Yashorúl morreram nesse dia, e o restante fugiu para as tendas.

11A arca de YAHU ULHÍM foi capturada e Hofni mais Pinkhós foram mortos.

 

A morte de Uli

 

 

12-13Um homem da tribo de Benyamín veio a correr da batalha e chegou no mesmo dia a Sheló, com a roupa rasgada e a cabeça coberta de terra. Uli estava sentado à beira do caminho à espera de notícias da batalha, porque o seu coração tremia de cuidados pela segurança da arca de YAHU ULHÍM. Quando o mensageiro chegou da frente de combate e relatou o que acontecera, levantou-se um grande clamor em toda a cidade.

14-15O que é este barulho todo?, perguntou Uli mensageiro apressou-se a vir ter com Uli, dando-lhe a conhecer o que sucedera. (Uli era um ancião já de noventa e oito anos, e perdera totalmente a vista.)

16-17Acabei agora de chegar da batalha; hoje ainda eu lá estava, disse a Uli. Yashorúl foi derrotado e milhares dos das tropas Yashorulítas morreram no campo de batalha. Hofni e Pinkhós também foram mortos, e a arca capturada.

18Quando o mensageiro mencionou o que acontecera à arca, Uli caiu para trás no seu assento ao lado do portão de entrada, partiu o pescoço e faleceu (porque era já muito velho e pesado). Uli julgou Yashorúl durante quarenta anos.

19-22Quando a nora de Uli, a mulher de Pinkhós, que estava grávida, ouviu dizer que a arca fora tomada, que o marido tinha sido morto e o sogro falecera, o processo de gravidez precipitou-se e começou a sentir as dores de parto, ao mesmo tempo que se lhe ia apagando a vida. Antes de morrer, as mulheres que a assistiam disseram-lhe que tudo estava a correr bem e que tinha tido um rapaz. Mas ela nada respondeu nem vibrou com a notícia. Apenas murmurou: Chamem ao menino Icabode- porque foi-se a glória de Yashorúl. Ela deu esse nome ao bebê porque a arca de YAHU ULHÍM tinha sido capturada e porque o marido e o sogro tinham morrido.

 

1 SHAMUUL 5

 

A arca em Ashdod e em Ekron

 

1-2Os Filisteus levaram pois a arca de YAHU ULHÍM do campo de batalha em Éban-OZOR para o Templo do seu ídolo Dagom, na cidade de Ashdod.

3-5Mas no dia seguinte, quando os cidadãos daquela localidade vieram vê-la logo pela manhã, verificaram que Dagom tinha caído com o rosto para o chão perante a arca de YAHU ULHÍM! Levantaram-no, mas na manhã seguinte aconteceu a mesma coisa – o ídolo tinha caído sobre o seu rosto perante a arca de YAHU UL novamente. Só que desta vez tinha a cabeça e as mãos separadas do
resto do corpo, caídas sobre o limiar da porta da entrada; unicamente o tronco
tinha ficado intacto. (É por isso que até ao dia de hoje nem os intermediários
nem os adoradores de Dagom quando entram no seu Templo pisam o limiar da entrada.)


6-7Então YAHU ULHÍM começou a destruir o povo de Ashdod e das localidades
circunvizinhas, por meio de uma praga de tumores. Quando o povo se deu conta do
que estava a acontecer exclamaram todos: Não podemos conservar aqui mais tempo a arca de YAHU ULHÍM de Yashorúl, porque a mão de YAHU ULHÍM está a pesar duramente sobre todos nós assim como sobre o nosso idolo Dagom.

8-10E foram convocados os governadores das cinco cidades dos Palestinos para uma
conferência em que decidissem o que fazer da arca. Resolveram então levá-la
para Gate. Mas quando a arca lá chegou, YAHU ULHÍM começou a destruir a gente
dali, tanto novos como velhos, com a mesma praga, gerando-se um pânico
colectivo enorme. Enviaram pois a arca a Ekron. Mas também a gente dali quando
a viu chegar clamou: Estão a trazer a arca de YAHU ULHÍM de Yashorúl para aqui
para nos matarem também!

11-12Por isso convocaram novamente os governadores e foi-lhes pedido que mandassem a arca de volta para o seu país, se não toda a povoação acabava por morrer. Porque já a praga tinha começado e se espalhava um grande terror por toda a cidade. Os que não tinham morrido estavam às portas da morte, gravemente doentes; havia choro por toda a parte.

 

1 SHAMUUL 6

 

A arca é devolvida a Yashorúl

 

 1-2A arca ainda ficou na Filisteia uns sete meses ao todo. Os Filisteus por fim chamaram os seus intermediários e adivinhos, perguntando-lhes: Que vamos nós fazer com a arca de YAHU ULHÍM? Que espécie de ofertas havemos de mandar a acompanhá-la, quando a enviarmos de volta para a sua terra? 3Sim, em todo o caso devem devolvê-la com uma oferta a acompanhar, disseram. Enviem uma oferta de culpa, para que a praga seja suspensa. Se isto não acontecer, saberão que afinal não foi YAHU ULHÍM quem mandou a praga.

4-5Mas que oferta de culpa vamos nós mandar?Mandem cinco modelos, em ouro, do tumor causado pela praga e cinco outros modelos, em ouro, dos ratos que devastaram a terra toda – as cidades principais e as outras povoações. Se assim fizerem e depois derem haolúlim (louvores) a YAHU ULHÍM de Yashorúl, é possível que ele faça parar de vos perseguir, a vocês e aos vossos falsos criadores de estátuas.

6Mas não sejam teimosos e rebeldes, como o foram o Faraóh e os egípcios, que não deixaram partir Yashorúl sem que YAHU ULHÍM os tivesse destruído com pragas tremendas.

7-9Façam então um carro novo, atrelem-lhe duas vacas que tenham tido crias há pouco tempo e que nunca tenham levado um jugo; separem as crias delas, mantendo-as no estábulo. Ponham a arca de YAHU ULHÍM no carro, e ao lado um cofre com os modelos, em ouro, dos ratos e dos tumores, e deixem as vacas partir na direção que quiserem. Se atravessarem o limite da nossa terra em Beth-Shemesh, então ficarão a saber que foi YAHU ULHÍM quem trouxe este grande mal sobre nós; se não, é porque se tratou simplesmente de um acaso, não foi nada enviado por YAHU ULHÍM.

10-13Deram pois execução a estas indicações. Duas vacas, que ainda amamentavam as crias, foram atreladas a um carro e os bezerros encerrados no estábulo. Puseram depois a arca, mais o cofre contendo os ratos e os tumores de ouro, em cima do carro. E logo as vacas se encaminharam diretamente em direção a Beth-Shemesh, berrando à medida que iam andando; os governadores Palestinos seguiram o carro até lá, até à fronteira. O povo daquela localidade Yashorulita estava a ceifar o trigo no vale; e ao verem chegar a arca exultaram de alegria!

14-15O carro veio até ao campo de um homem chamado YAHUSHUA e parou ao pé duma grande rocha. A gente dali fez uma grande fogueira com a própria madeira do carro, matou as vacas e ofereceram-nas em sacrifício a YAHU ULHÍM, como holocausto. Vários homens da tribo de Leví desceram previamente do carro a arca mais o cofre com os ratos e os tumores de ouro, e colocaram-nos sobre aquela grande pedra. Muitos outros holocaustos e sacrifícios foram oferecidos a YAHU ULHÍM naquele dia pela povoação de Beth-Shemesh.

16Os cinco governadores Filisteus, depois de terem ficado a ver
aquilo durante um certo tempo, retiraram-se, regressando a Ekron no mesmo dia.


17Os cinco modelos de tumores que tinham sido enviados pelos Palestinos como
oferta de expiação de culpa a YAHU ULHÍM representavam ofertas por cada uma das cinco cidades dos Palestinos: Ashdod, Gaza, Aquelom, Gate e Ekron.

18Os ratos de ouro eram para aplacar a ira de YAHU ULHÍM, em representação das outras cidades Filistéias, tanto as que tinham muralhas como as povoações do campo, e que eram controladas pelos cinco governadores principais. (Note-se até que aquela grande rocha em Beth-Shemesh, que foi testemunha destes acontecimentos, pode ainda ser vista hoje, no campo de YAHUSHUA.)

19Aconteceu no entanto que YAHU ULHÍM teve de matar setenta homens de Beth-Shemesh, porque se atreveram a olhar, por curiosidade, para dentro da arca. O povo entristeceu-se por causa daquele grande destroço feito entre a população.

20Mas quem é que pode manter-se perante YAHU ULHÍM, este YAHU ULHÍM santo?, gritavam. Para onde havemos nós de mandar daqui a arca?

21E resolveram enviar mensageiros a Kiryat-Yearim dizendo-lhes que os Palestinos tinham enviado a arca de YAHU UL. Venham buscá-la, pediram-lhes.

 

1 SHAMUUL 7

 

1Então o povo de Kiryat-Yearim veio buscar a arca; e levaram-na para o outeiro onde estava a casa de Abinaodáb. Depois consagraram Úlozor, o filho dele, como guarda responsável pela arca.

2Esta ficou ali durante vinte anos, e todo esse tempo Yashorúl se lamentava porque YAHU ULHÍM parecia que os tinha abandonado.

3Por fim SHAMUUL dirigiu-se a eles todos dizendo: Se realmente estão desejosos de se voltarem e converterem a YAHU ULHÍM, então abandonem os vossos falsos criadores o estatuas estranhos e os ídolos astarotes. Decidam-se a obedecer unicamente a YAHU ULHÍM e ele vos livrará dos Filisteus.

4Foi o que fizeram: destruíram enfim os ídolos de Baal e Astarote e adoraram apenas YAHU ULHÍM.

5Depois, SHAMUUL disse-lhes: Venham todos até Mizpá e eu orarei a YAHU ULHÍM por vocês.

6Juntaram-se em Mizpá e numa grande cerimónia solene tiraram água do poço e derramaram-na perante YAHU ULHÍM. Yejuaram também todo aquele dia em sinal de tristeza pelos seus pecados. Foi assim em Mizpá que SHAMUUL se tornou juiz de Yashorúl.

 

A derrota dos Filisteus em Mizpá

 

7Quando os líderes dos Palestinos ouviram acerca da grande multidão que se concentrava em Mizpá, mobilizaram o seu exército e avançaram sobre Yashorúl. Os Yashorulítas ficaram aterrorizados ao saberem do avanço do inimigo.

8Não cesses de clamar a YAHU ULHÍM por nós para que nos salve e nos livre deles!, imploraram a SHAMUUL.

9-11SHAMUUL pegou num cordeirinho de mama e sacrificou-o inteiro em holocausto a YAHU ULHÍM, a favor de Yashorúl. YAHU ULHÍM pois respondeu. Na própria altura em que SHAMUUL estava a sacrificar o holocausto, chegaram os Palestinos para a batalha; e aconteceu que YAHU ULHÍM fez trovejar com grande violência sobre os Palestinos; estes ficaram de tal modo aterrados que os Yashorulítas puderam derrotá-los, perseguindo-os de Mizpá até Beth-Car, ferindo-os por todo aquele caminho.

12SHAMUUL pegou então numa pedra e colocou-a entre Mizpá e Sem, dando-lhe o nome de Éban-OZOR, explicando que: Até aqui nos ajudou YAHU ULHÍM!

13-14Os Filisteus foram enfim subjugados e nunca mais invadiram Yashorúl durante todo o resto da vida de SHAMUUL porque YAHU ULHÍM foi contra eles. As cidades Yashorulítas entre Ekron e Gate, que tinham sido conquistadas pelos Filisteus tornaram à posse de Yashorúl, porque o exército Yashorulíta pôde resgatá-las das mãos dos seus conquistadores Filisteus. Houve enfim paz entre Yashorúl e os amorreus naqueles dias.

15-17SHAMUUL continuou como juiz de Yashorúl durante todo o resto da sua vida. Visitava as diferentes regiões do território anualmente, estabelecendo a base do seu tribunal primeiro em Bohay-Úl, depois em Gilgal, e enfim em Mizpá; todos os
casos de litígio eram-lhe trazidos, vindos de todo o território, a cada uma das
três cidades indicadas. Depois regressava a Roéma, porque era ali que morava e
ali também continuava a julgar os conflitos. Também construiu um altar a YAHU
ULHÍM em Roéma.

 

1 SHAMUUL 8

 

Os Yashorulítas querem um rei

 

1Sendo já muito idoso, SHAMUUL retirou-se e constituiu os seus filhos como juízes em seu lugar.

2-3YAUL, seu filho mais velho, e Abi-YAHU estabeleceram os seus postos de juízo em Beer-Shéva; porém estes não andavam nos mesmos caminhos do seu pai, antes se deixaram levar pela cobiça, vendiam-se a troco de presentes, pervertendo a administração da justiça.

4-5Finalmente os chefes de Yashorúl reuniram-se em Roéma para debater o assunto com SHAMUUL. Disseram-lhe então que depois de ele se ter retirado, as coisas já não corriam da mesma maneira, pois que os seus filhos não se conduziam retamente. É melhor que nos dês um rei, como acontece com todas as outras nações que também têm um, pediram.

6Este pedido, contudo, pareceu muito mal a SHAMUUL, e foi aconselhar-se com YAHU ULHÍM, em oração.

7-9Faz como eles dizem, respondeu-lhe YAHU ULHÍM, porque é a mim que eles estão a rejeitar, não a ti. O que não querem é que seja mais eu a reinar sobre eles. Já desde o tempo em que os tirei do Egito que me têm constantemente esquecido e seguido outros falsos criadores e estátuas. E agora fazem contigo o mesmo. Faz pois como eles dizem, mas avisa-os de como se passarão as coisas quando tiverem um rei!


10Então SHAMUUL comunicou ao povo o que YAHU ULHÍM lhe dissera:

11-18Se insistem em ter um rei, saibam que este recrutará os vossos filhos e os porá a correr diante dos seus carros; outros serão tomados para fazerem as guerras,
como soldados e oficiais; enquanto outros ainda irão, em serviço obrigatório,
trabalhar para os campos; forçá-los-ão a lavrar as terras da coroa e a ir para
as ceifas, sem renumeração; terão também de fazer as armas de guerra e os
apetrechos dos carros de combate. Levará as vossas filhas, obrigando-as a
trabalhar como cozinheiras, pasteleiras e perfumistas na sua corte. Tomará para
si as vossas melhores terras, vinhas e olivais, dando-as aos seus amigos.
Levará igualmente o dízimo das vossas colheitas e distribuí-las-á aos seus
favoritos. Tirar-vos-á também os vossos criados e o melhor da vossa juventude;
usará dos vossos animais para seu proveito pessoal. Pedir-vos-á a décima parte
dos vossos rebanhos e vocês mesmo deverão ser seus escravos. Haverão de
derramar lágrimas amargas por causa desse rei que agora estão a pedir, mas
nessa altura YAHU ULHÍM não vos há-de ajudar.

19-20Mas o povo recusou dar seguimento aos avisos de SHAMUUL. Mesmo assim, sempre queremos um rei, responderam; queremos ser iguais às outras nações, à nossa volta. Será ele quem nos há-de governar e conduzir nas batalhas.

21-22Então SHAMUUL expôs a YAHU ULHÍM aquilo que o povo respondera; e YAHU ULHÍM voltou a replicar: Faz então como eles pretendem; dá-lhes um rei. SHAMUUL acabou enfim por ceder àquela proposta e mandou-os regressar aos seus lares.

 

1 SHAMUUL 9

 

Shaúl procura SHAMUUL

 

1-2Cis era um homem rico e influente daTribo de Benyamín. Era filho de Abiel, neto de Zeror e bisneto de Becorate e ainda trineto de Afias. Tinha um filho, Shaúl, que era o moço mais bem parecido que havia em Yashorúl. Em altura, ultrapassava acima dos ombros fosse quem fosse de entre os seus concidadãos.

3-5Um dia aconteceu que os jumentos de Cis se extraviaram; então mandou Shaúl com um criado à procura deles. Percorreram toda a zona das colinas de Efroím, mais a terra de Salisa, e ainda a área de Saalim, assim como todo o território de Benyamín, mas não os encontraram. Finalmente, depois de os terem procurado na terra de Zufe, Shaúl disse para o criado: Vamos embora; a esta hora meu pai deve estar mais preocupado connosco do que com os jumentos!

6Mas o moço respondeu-lhe: Eu pensei numa coisa! Há um profeta que vive aqui nesta terra; é tido em grande consideração por todo o povo, porque tudo quanto diz é verdade; vamos ter com ele, talvez possa indicar-nos alguma pista para encontrarmos os animais.

7Mas é que não temos aqui nada com que lhe pagar, replicou Shaúl. Até a comida que trazíamos se acabou já; não temos mais nada.

8Bom, eu tenho aqui uma moeda de prata; podemos ao menos oferecer-lhe isto, e logo se vê o que acontece.

9-11Está bem, concordou Shaúl, vamos tentar. E dirigiram-se para a povoação onde vivia o profeta. Enquanto subiam a encosta em direção à localidade, viram umas moças que saíam da povoação à procura de água, e perguntaram-lhe se o vidente estava na cidade. (Naqueles dias os profetas eram chamados videntes. As pessoas diziam que iam consultar o vidente, e não consultar o profeta, como dizemos hoje.)


12-13Sim, responderam elas, vão sempre por esse caminho, porque vai direito à
casa dele. Ele mora mesmo da parte de dentro da entrada da povoação. Acabou
agora mesmo de chegar de fora e tem de estar presente num sacrifício público,
no alto da colina. Por isso despachem-se porque deve estar mesmo a sair de
casa; os convidados habitualmente não começam a comer sem que ele chegue e
abençoe os alimentos.

14Entraram na cidade e, ao passarem a entrada, viram precisamente SHAMUUL que saía para ir ao alto da colina.

15SHAMUUL aliás estava prevenido. YAHU ULHÍM tinha dito no dia anterior:

16Amanhã, por esta altura, vou-te mandar um homem da terra de Benyamín. Deveras ungi-lo como chefe do meu povo. Ele livrá-lo-á dos Filisteus. Olhei para o meu povo com misericórdia, e ouvi o seu choro.

17Quando SHAMUUL viu Shaúl, YAHU ULHÍM disse-lhe: É este o homem de quem te falei! Ele regerá o meu povo.

18Nesse preciso momento Shaúl aproximou-se de SHAMUUL e perguntou-lhe: Diz-me por favor onde é a casa do vidente.

19-20Sou eu o vidente, replicou SHAMUUL. Sobe a colina à minha frente e comeremos juntos; amanhã dir-te-ei o que pretendes saber e poderás ir-te embora. Entretanto não te preocupes mais com os jumentos que se perderam há já
três dias, porque já foram achados. De qualquer maneira, és tu que tens na mão
os destinos de Yashorúl, a partir de agora!

21Perdão, chefe, replicou Shaúl. Eu sou da tribo de Benyamín, a mais pequena de Yashorúl, e a minha família é a menos importante de todas as tribos. Deves ter-te enganado!

22Contudo SHAMUUL levou Shaúl e o moço para a sala do banquete e fê-los sentarem-se à cabeceira da mesa, dando-lhe um lugar de honra acima dos outros trinta convidados especiais.

23SHAMUUL entretanto tinha já dado ordens ao cozinheiro para
reservar o melhor pedaço da carne, destinada ao convidado de honra.

24O cozinheiro trouxe-a então e pô-la diante de Shaúl. Vá, come, disse-lhe SHAMUUL, foi para ti que a mandei reservar, mesmo antes de ter convidado estes outros. Shaúl comeu na companhia de SHAMUUL.

25Depois daquela celebração, quando regressavam à cidade, SHAMUUL trouxe Shaúl para o terraço sobre a casa e esteve ali a conversar com ele.

26Ao romper do dia seguinte, chamou-o: Levanta-te; tens de te pôr já a caminho. Shaúl levantou-se e preparou-se, e SHAMUUL acompanhou-o até à saída da cidade.

27Quando chegaram às muralhas disse a Shaúl que mandasse o criado à frente, e dirigiu-se-lhe nestes termos: Recebi da parte de YAHU UL uma mensagem especial para ti.

 

1 SHAMUUL 10

 

Shaúl ungido por SHAMUUL

 

1Pegou então num recipiente contendo azeite
e derramou-lho sobre a cabeça; beijou-o no rosto e disse-lhe: Estou a fazer
isto porque YAHU ULHÍM te designou para seres o rei do seu povo Yashorúl.
2Depois de me deixares, verás dois indivíduos junto ao túmulo de Roqaúl, em
Zelza, na terra de Benyamín; dir-te-ão que os jumentos já foram encontrados, e
que o teu pai está preocupado contigo e a perguntar-se: ‘Mas onde estará o meu
filho?’ 3Quando chegares ao carvalho de Tabor verás três homens vindo na tua direção,
os quais vão adorar YAHU ULHÍM em Bohay-Úl; um deles trás consigo três
cabritinhos, outro, três pães e o terceiro tem um garrafão com vinho. 4Eles
hão-de cumprimentar-te e oferecer-te-ão dois dos pães, que deveras aceitar.
5Após isso virás até Gibeate-Eloim, conhecido por o outeiro de YAHU ULHÍM, onde
está a guarnição dos Palestinos. Quando lá chegares encontrarás um grupo de
profetas descendo o outeiro e tocando vários instrumentos, um saltério, um
tamborim, uma flauta e uma harpa e profetizando ao mesmo tempo. 6-8Nessa altura
o RÚKHA de YAHU UL virá sobre ti com poder, e profetizarás no meio deles;
sentir-te-ás e actuarás como uma pessoa diferente. A partir daquela altura, as
tuas decisões basear-se-ão no que melhor te parecer, de acordo com as
circunstâncias, porque YAHU ULHÍM te guiará. Vai então para Gilgal e espera
sete dias por mim, porque hei-de lá ir para sacrificar holocaustos e
sacrifícios de paz. Dar-te-ei mais instruções quando lá chegar.

 

Shaúl feito rei

 

9-10Depois de se despedir, ao encetar o
caminho de regresso, YAHU ULHÍM deu a Shaúl uma nova atitude, e todas as
profecias de SHAMUUL se realizaram. Quando ele e o criado chegaram ao outeiro
de YAHU ULHÍM, depararam com os tais profetas que vinham na direção deles, e o
RÚKHA de YAHU UL desceu sobre ele, começando também a profetizar. 11-12Quando
as pessoas que o conheciam ouviram aquilo exclamaram: O quê? Shaúl um profeta?
E um dos seus vizinhos acrescentou: E com um pai como o dele? É esta a origem
do provérbio que diz: Está Shaúl também entre os profetas? 13-14Quando Shaúl
acabou de profetizar, subiu o resto do outeiro até ao altar. Um tio dele
perguntou-lhe nessa altura: Mas então por onde é que tu andaste?Fomos à procura
dos jumentos, e não pudemos encontrá-los; depois resolvemos ir ao profeta SHAMUUL
para lhe perguntar onde poderiam estar os animais. 15Ah sim? E que foi que ele
disse?, perguntou-lhe o tio. 16Que os jumentos já tinham sido encontrados! Mas
Shaúl não quis contar o resto, que tinha sido ungido como rei. 17-19SHAMUUL
convocou todo o povo para uma assembleia em Mizpá, e deu-lhe esta mensagem de YAHU
ULHÍM Criador Eterno: Trouxe-te do Egito e resgatei-te de todas as nações que
te torturavam. Mas ainda que tenha feito tantas coisas a teu favor,
rejeitas-te-me e disseste: ‘Queremos antes ter um rei!’. Pois bem,
apresentem-se todos perante YAHU ULHÍM, tribo a tribo, família a família. 20-21SHAMUUL
chamou portanto os chefes de tribo, todos juntamente, perante YAHU ULHÍM, e a
tribo de Benyamín foi escolhida por sorteio sagrado. Depois trouxe cada família
de Benyamín perante YAHU ULHÍM, e foi escolhida a família de Matri. Até que
finalmente, sempre por sorteio sagrado, foi seleccionado Shaúl, filho de Cis.
Mas quando foram à sua procura, tinha desaparecido! 22E perguntaram a YAHU
ULHÍM: Onde é que ele estará? Estará aqui entre nós? YAHU ULHÍM respondeu: Está
escondido entre a bagagem. 23Foram então lá buscá-lo, trouxeram-no e puseram-no
no meio de toda a gente – ele sobressaía em altura, acima dos ombros, em
relação a fosse quem fosse! 24SHAMUUL disse a todos: É este o homem que YAHU
ULHÍM escolheu para vosso rei. Não há outro igual em todo Yashorúl!E o povo
inteiro gritou: Viva o rei! 25SHAMUUL expôs-lhes novamente os direitos e
deveres de um rei; escreveu-os num livro e guardou-o perante YAHU ULHÍM. Depois
despediu o povo. 26-27Quando Shaúl foi para casa, em Gibeá, formou-se um grupo
de homens, cujo coração foi tocado pelo YAHU ULHÍM, que se tornaram seus
companheiros constantes. Houve no entanto alguns marginais que exclamavam: Mas
como é que esse indivíduo nos pode livrar? E desprezaram-no, recusando
trazer-lhe presentes. Porém Shaúl não ligou a isso.

 

1 SHAMUUL 11

 

Shaúl salva a cidade de Yabesh

 

1Por essa altura, Naás, à frente do exército
dos amonitas, atacou a cidade Yashorulíta de Yabesh-Gaúliod. Os cidadãos de
Yabesh no entanto pediram-lhe tréguas: Faz connosco uma aliança de paz e te
serviremos. 2Está bem, disse Naás, mas só numa condição: esvaziar-vos, a cada
um de vocês, o olho direito, para vergonha de toda a nação! 3Então dá-nos ao
menos sete dias, para vermos se conseguimos obter auxílio de alguém em Yashorúl,
responderam os anciãos de Yabesh. Se nenhum dos nossos irmãos vier
socorrer-nos, aceitamos a tua proposta. 4Quando um mensageiro da povoação
chegou a Gibeá onde Shaúl vivia, e expôs às pessoas o apuro em que se
encontravam, toda a gente desatou a chorar e a lamentar-se em voz alta. 5Shaúl
tinha estado a lavrar no campo e regressava com os bois: O que é que se passa?
Para que é este choro todo? Contaram-lhe então o que aconteceu com a gente em
Yabesh. 6-8O RÚKHA de YAHU UL desceu poderosamente sobre Shaúl, que ficou
extremamente irado. Pegou assim em dois bois, cortou-os em pedaços e enviou-os
por todo o Yashorúl. Isto é o que vai acontecer aos bois de todo aquele que
recusar seguir Shaúl e SHAMUUL à batalha!, anunciou. YAHU ULHÍM fez com que o
povo tomasse em consideração, com todo o temor, a cólera de Shaúl, e assim
juntaram-se todos a ele, como um só homem. Contou-os depois em Bezeque, e eram
trezentos mil, além dos de YAHUDAH que eram, só eles, trinta mil. 9-10Mandou
pois mensageiros a Yabesh-Gaúliod, que lhes dissessem: Salvar-vos-emos amanhã
antes do meio-dia.Que alegria não foi na cidade quando esta mensagem chegou! Os
homens de Yabesh disseram então astutamente aos seus inimigos: Rendemo-nos.
Amanhã vamos ter convosco e poderão fazer-nos o que vos apetecer. 11Na manhã
seguinte, logo muito cedo, Shaúl chegou, dividiu o exército em três destacamentos
militares e caiu de surpresa sobre os amonitas, matando neles toda a manhã; os
que escaparam com vida foram de tal maneira perseguidos que nem sequer
conseguiram ficar dois juntos.

 

Shaúl confirmado como rei

 

12Então o povo exclamou para SHAMUUL: Onde
está essa gente que dizia que Shaúl não haveria de ser nosso rei? Que sejam
trazidos aqui para os matarmos! 13Mas Shaúl respondeu: Ninguém será castigado
hoje; porque foi um dia em que YAHU ULHÍM salvou Yashorúl! 14Depois SHAMUUL
disse para o povo: Venham, vamos todos a Gilgal confirmar Shaúl como nosso rei.
15Ali, numa cerimónia solene perante YAHU ULHÍM, coroaram-no rei. Depois
ofereceram ofertas de paz a YAHU ULHÍM; Shaúl e todo o Yashorúl estavam muito
felizes.

 

1 SHAMUUL 12

 

O discurso de SHAMUUL

 

1SHAMUUL dirigiu-se de novo ao povo: Fiz
portanto como pediram. Dei-vos um rei, 2-3que está agora à frente dos vossos
destinos. Eu estou já velho e encanecido. Partirei, mas ficam os meus filhos
convosco. Quanto a mim, estive ao serviço de todo o povo desde a minha
meninice. Agora, diante de YAHU UL e daquele que ele ungiu como rei, digam-me a
quem defraudei, ficando-lhe com algum boi ou jumento. Alguma vez vos enganei ou
oprimi? Alguma vez me deixei aliciar com presentes? Digam-me pois, para que
possa restituir qualquer dívida que tenha para convosco. 4Não, responderam-lhe,
em nada nos defraudaste nem oprimiste. Nunca te deixaste vender com presentes
de espécie alguma. 5Portant YAHU ULHÍM e o seu ungido rei são testemunhas de
que nunca vos explorei, declarou SHAMUUL.Sim, é verdade, responderam. 6-7Foi YAHU
ULHÍM quem escolheu Mehushúa e Aharón, continuou SHAMUUL, e que trouxe os
vossos antepassados para fora do Egito. Agora dêem atenção, e deixem que vos
recorde, perante YAHU ULHÍM, todas as boas coisas que ele vos fez, a vocês a
aos vossos pais. 8-9Quando os Yashorulítas ainda estavam no Egito e clamaram a YAHU
ULHÍM, enviou-lhes Mehushúa e Aharón para que os trouxesse a esta terra. Mas em
breve se esqueceram de YAHU ULHÍM, seu Criador Eterno, por isso permitiu que
fossem vencidos por Sísera, o general do exército do rei Hazor, e pelos
Palestinos e ainda pelo rei de Moabe. 10-11Após isso clamaram de novo a YAHU
ULHÍM e confessaram que tinham pecado, desviando-se dele e adorando os ídolos
de Baal e de Astarote. E garantiram, ‘Só a ti adoraremos, somente a ti, se nos
livrares dos nossos inimigos’. Ora YAHU ULHÍM enviou Gideon, Boruháo, Yaptákh e
SHAMUUL para vos livrar, e ficaram a viver em segurança. 12-13Aconteceu também
que, quando estavam com medo de Naás, o rei dos amonitas, vocês vieram ter
comigo dizendo que queriam um rei que reinasse sobre vocês. No entant YAHU
ULHÍM vosso Criador Eterno era já um rei para vocês; ele sempre foi o vosso
rei. Pois bem, aqui está o rei que escolheram. Pediram-no, e YAHU ULHÍM
respondeu ao vosso requerimento. 14-15Portanto, se respeitarem e adorarem YAHU
ULHÍM e obedecerem aos seus mandamentos, sem se insurgirem contra YAHU ULHÍM, e
se, tanto vocês como o vosso rei, seguirem os caminhos de YAHU UL vosso Criador
Eterno, tudo vos correrá bem. Caso contrário, se se revoltarem contra os
mandamentos de YAHU ULHÍM e recusarem acatá-los, a sua mão se tornará pesada
sobre vocês, tal como o foi sobre os vossos antepassados. 16-17Quero que dêem
agora bem atenção a uma intervenção milagrosa da parte de YAHU UL. Sabem bem
que normalmente não chove nesta altura do ano, durante o tempo da ceifa. Mas
vou orar a YAHU ULHÍM, e ele mandará uma trovoada e chuva hoje, para que se
dêem conta da extensão da vossa maldade, pedindo um rei! 18SHAMUUL então clamou
a YAHU ULHÍM, que mandou trovões e chuva. O povo ficou muito temeroso de YAHU
UL e de SHAMUUL. 19Ora já a YAHU ULHÍM por nós, se não vamos todos morrer!,
gritaram a SHAMUUL. Reconhecemos que acrescentámos aos nossos pecados ainda
mais este, de ter pedido um rei para nós. 20-21Não estejam com medo,
tranquilizou-os SHAMUUL. É certo que fizeram mal, mas agora a questão é estarem
certos de que adoram YAHU ULHÍM com verdadeiro entusiasmo e que não se desviam
dele, de forma alguma. Dos outros falsos criadores o estatuas, nenhum há que
possa salvar-vos. 22 YAHU ULHÍM não abandonará o seu povo escolhido; tal coisa,
a suceder, seria um descrédito para o seu grande nome. Ele fez de vocês uma
nação especial, para si próprio; foi essa a sua vontade. 23Quanto a mim, pois,
longe de mim o pecar contra YAHU ULHÍM, deixando de orar por vocês; e hei-de
continuar a ensinar-vos o que é bom e o que é recto. 24-25Confiem em YAHU ULHÍM
e adorem-no com sinceridade; lembrem-se das coisas tremendas que fez por vocês.
Mas se continuarem a pecar, tanto vocês como o vosso rei serão destruídos.

 

1 SHAMUUL 13

 

SHAMUUL repreende Shaúl

 

1-2Shaúl tinha já reinado durante um ano, e
agora, no segundo ano da sua função, seleccionou um contingente especial de
três mil combatentes, levando dois mil consigo para Micmás e para o monte
Bohay-Úl, enquanto os outros mil ficavam com Yanaokhán, seu filho, em Gibeá, na
terra de Benyamín. O resto do exército foi mandado para casa. 3Yanaokhán atacou
e destruiu a guarnição dos Palestinos em Gibeá. A notícia desta iniciativa
militar depressa se espalhou pela terra da Filisteia, e Shaúl chamou às
fileiras os combatentes, em todo Yashorúl. 4Anunciou que tinha destruído a
guarnição dos Palestinos e avisou as tropas de que se tinham tornado alvo de
ódio dos seus inimigos. Por isso todo o exército Yashorulíta foi novamente
mobilizado e se concentrou em Gilgal. 5Por seu lado os Palestinos recrutaram
igualmente um poderoso exército de três mil carros de combate, seis mil
cavaleiros e tantos soldados de infantaria que de longe mais se pareciam com a
areia das praias do que com outra coisa; estes acamparam em Micmás, a oriente
de Beth-Aven. 6Quando os Yashorulítas viram aquele vasto conglomerado de tropas
inimigas, descontrolaram-se inteiramente e foram esconder-se em cavernas,
matas, penhascos, fendas de rochas e até em túmulos e cisternas. 7Alguns deles
atravessaram o rio Yardayán e fugiram para a terra de Gaóld e de Gaúliod
ntretanto Shaúl ficou em Gilgal, e os que estavam com ele tremiam de medo à espera
do que poderia acontecer. 8-9SHAMUUL tinha avisado anteriormente Shaúl de que
deveria esperar sete dias pela sua chegada; mas Shaúl, impaciente, vendo que
ele não chegava, e perante aquela fuga das tropas, decidiu sacrificar ele
próprio o holocausto e as ofertas de paz. 10Mas, estava ele a acabar a
cerimónia quando chegou SHAMUUL. Shaúl veio ao encontro dele para o saudar.
11Mas SHAMUUL perguntou-lhe: Que foi que fizeste?Bem, é que quando comecei a
ver os meus homens a fugirem e que tu não chegavas na altura prevista, e
perante toda essa concentração de Palestinos em Micmás prontos para o combate,
12disse para comigo, ‘Os Palestinos estão aí prontos a lançaram-se ao ataque
contra nós e eu nem sequer pedi ajuda de YAHU ULHÍM!’ Por isso, ainda que com
relutância, ofereci o holocausto sem esperar que viesses. 13-14Procedeste como
um louco!, exclamou SHAMUUL. Desobedeceste ao mandamento de YAHU UL teu Criador
Eterno. Ele estava a planear fazer de ti, e dos teus descendentes, reis de Yashorúl
para sempre, mas sendo assim, a tua governação não terá continuidade. YAHU
ULHÍM pretende um homem que lhe obedeça; até já escolheu quem há-de ser e já o
nomeou para rei sobre o seu povo; porque tu não guardaste as ordens que ele te
deu.

 

Yashorúl sem armas

 

15-18SHAMUUL deixou Gilgal e foi para Gibeá
na terra de Benyamín. Shaúl contou a gente que ainda tinha consigo e viu que
eram apenas seiscentos soldados! Shaúl e Yanaokhán mais esses seiscentos homens
acamparam em Gibeá, na terra de Benyamín; os Palestinos continuavam em Micmás.
Três companhias de tropa de choque dos Palestinos em breve deixaram o seu
acampamento militar e dirigiram-se, uma a Ofra na terra de Shual, outra a
Beth-Horom e a terceira em direção à fronteira, acima do vale de Seboim, perto
do deserto. 19-21Não havia, nessa altura, em toda a terra de Yashorúl um só
ferreiro; os próprios Palestinos tinha criado essa situação entre os Yashorulítas
por temerem que eles fizessem as suas próprias armas, espadas e lanças. Assim,
os HEBREUS eram obrigados, sempre que precisavam a amolar as suas relhas,
enxadas, machados ou sachos, a ir ter com os ferreiros Palestinos. Chegavam
mesmo para afiar os seus instrumentos de trabalho a pagar os seguintes preços:
uma relha ou uma enxada, sete gramas e meia de prata; os outros instrumentos,
ou um aguilhão de bois, metade daquela tarifa. 22-23Por essa razão não havia
sequer uma só espada ou lança no meio daquele povo, com excepção de Shaúl e de Yanaokhán
que estavam armados. O desfiladeiro de Micmás estava sob vigilância dum contingente
militar Palestino.

 

1 SHAMUUL 14

 

Yanaokhán ataca os Palestinos

 

1Uns dias mais tarde, disse Yanaokhán ao
moço que lhe levava as armas: Vamos atravessar o vale até à guarnição dos
Palestinos. Mas não avisou o pai do que tencionava fazer. 2-3Shaúl mais os seus
seiscentos homens continuava acampado nos limites de Gibeá, no lugar da romeira
de Migrom. Entre a sua gente encontrava-se Aías o intermediário (filho de
Aitube, irmão de Icabode; Aitube era neto de Pinkhós e bisneto de Uli, o
intermediário de YAHU UL em Sheló.)Ninguém se deu conta aliás da ausência de Yanaokhán.
4Para chegar à guarnição inimiga, Yanaokhán era obrigado a passar por um
intervalo entre duas rochas muito íngremes, às quais se tinha dado o nome de
Bozez e de Sené. 5A rocha a norte estava defronte de Micmás e ao sul diante de
Gibeá. 6Vamos ter com estes pagãos, disse Yanaokhán ao seu escudeiro. Talvez YAHU
ULHÍM faça um milagre a nosso favor; para ele, não conta o número das tropas
inimigas que aqui se encontram! 7Está certo!, replicou o escudeiro. Faz como
melhor entenderes; estou contigo de alma e coração, seja qual for a tua
decisão. 8-9Bom, então vamos fazer assim: Quando eles nos virem, se disserem,
‘Fica onde estás, se não matamos-te!’, deixamo-nos ficar e esperamos que eles
se cheguem. 10Mas se disserem, ‘Vem, sobe já até aqui!’, faremos o que nos
disserem; pois será o sinal de que YAHU ULHÍM nos ajudará a derrotá-los.
11-12Quando os Palestinos os viram aproximar-se, gritaram: Olha! Os Yashorulítas
já estão a surgir das tocas para onde fugiram! E depois, para Yanaokhán: Vá,
sobe já até aqui para que vos demos uma boa lição!Anda, trepa atrás de mim,
exclamou Yanaokhán ao moço escudeiro, porque YAHU ULHÍM vai ajudar-nos a
vencê-los! 13-14Então amarinharam, apoiando-se nos pés e nas mãos, e, chegando
junto dos Palestinos, começaram a dar neles. Yanaokhán derrubava-os, e o
escudeiro, atrás dele, acabava de os matar; assim uns vinte homens foram
abatidos no espaço dum simples campo cultivável.

 

Yashorúl derrota os Palestinos

 

15Mas isso foi o suficiente para que
repentinamente o pânico se apoderasse de todo o exército Palestino e até da
própria tropa de choque. E para cúmulo um grande tremor de terra veio aumentar
o pavor deles. 16As sentinelas de Shaúl, em Gibeá, olharam, e viram aquela vasta
multidão do exército inimigo desbaratando-se e fugindo em todas as direções.
17-19Vejam quem é que falta, dos nossos, mandou Shaúl. Fizeram a chamada e
verificaram que era Yanaokhán e o seu escudeiro que faltavam. Tragam aqui a
arca de YAHU ULHÍM, ordenou Shaúl a Aías. (Nessa altura a arca andava entre o
povo.) Mas enquanto Shaúl falava com o intermediário, os gritos e o alvoroço no
campo dos Palestinos ia aumentando cada vez mais, pelo que lhe disse então:
Retira a tua mão, já não há tempo! 20-23Então Shaúl mais os homens que com ele
estavam lançaram-se à peleja e deram com os Palestinos a matarem-se uns aos
outros, numa tremenda confusão. Aconteceu até que havia, do lado dos
Palestinos, HEBREUS que se tinham passado para eles, e que agora se juntavam aos
Yashorulítas. Finalmente, todos aqueles que se tinham escondido nas montanhas,
quando viram os Palestinos a fugir, vieram também e puseram-se a persegui-los.
Foi assim que YAHU ULHÍM salvou Yashorúl nesse dia; e a batalha continuou para
além de Beth-Aven.

 

Shaúl amaldiçoa quem comer

 

24-26Shaúl declarou: Maldito todo aquele que
ingerir seja o que for antes da noite – antes que eu tenha vingado
completamente os meus inimigos. Por isso ninguém comeu coisa nenhuma durante
todo esse dia, mesmo quando, chegando a um bosque, encontraram muito mel pelo
chão, porque toda a gente receava a maldição de Shaúl. 27Mas Yanaokhán não
tinha ouvido a ordem do pai e, pegando num pau, meteu-o no mel, levou-o à boca,
comeu e sentiu-se muito melhor. 28Foi nessa altura só, que alguém lhe comunicou
que seu pai tinha amaldiçoado quem comesse alguma coisa antes da noite; até em
consequência disso todos os homens estavam esgotados e desfaleciam. 29-30É
ridículo!, exclamou Yanaokhán. Uma ordem dessas só serve para vos tirar as forças.
Vejam como eu me sinto muito mais renovado, agora que comi este pedaço de mel.
Se o povo tivesse tido autorização para comer todo o alimento que tivesse
encontrado entre os nossos inimigos, pensem só em como poderíamos ter feito uma
matança muito maior! 31-32Mas mesmo assim, cansados e com fome, continuaram a
perseguir e a matar Palestinos, todo esse dia, desde Micmás até Ayalon, até que
já não podiam mais, com a falta de forças com que estavam. Por fim, lançaram-se
sobre os despojos da batalha, mataram ovelhas, bois, vacas e bezerros e
comeram-nos mesmo com sangue. 33Alguém veio dar a notícia disso a Shaúl,
dizendo-lhe o que estava a acontecer, que o povo comia carne com o sangue.Isso
é muito mal feito, disse Shaúl. Tragam para aqui uma grande pedra; 34vão por
entre as tropas e digam para trazerem os bois e os cordeiros; que os comam
então, mas depois de terem escorrido o sangue; que não pequem contra YAHU ULHÍM
comendo-o. Os outros assim fizeram. 35E Shaúl construiu um altar; foi o
primeiro altar que edificou a YAHU ULHÍM. 36Após isso declarou o seguinte:
Vamos perseguir os Palestinos toda a noite, e não deixemos um só com vida.De
acordo!, disseram os que estavam com ele. Faz como melhor entenderes.No entanto
o intermediário lembrou: Temos primeiro que consultar YAHU ULHÍM. 37Shaúl
perguntou a YAHU ULHÍM: Deveremos nós ir atrás dos Palestinos? Ajudar-nos-ás a
derrotá-los? Mas YAHU ULHÍM nada respondeu, durante toda a noite. 38-39Então
Shaúl dirigiu-se aos chefes do povo: Há qualquer coisa de errado! Temos de
saber que pecado é que foi cometido hoje. Juro pelo Shúam (Nome) de YAHU ULHÍM
o qual salvou Yashorúl que, nem que se trate do meu próprio filho Yanaokhán,
certamente morrerá! Mas ninguém de entre o povo lhe disse de que perturbação se
tratava. 40Shaúl propos o seguinte: Yanaokhán e eu próprio nos poremos aqui, e
vocês estarão aí defronte de nós. Todo o povo concordou. 41Depois, Shaúl
dirigiu-se a YAHU ULHÍM: Ó YAHU ULHÍM o Criador Eterno de Yashorúl, porque é
que não respondeste à minha pergunta? O que é que está errado? Seremos nós, Yanaokhán
e eu, que somos culpados, ou estará o pecado no lado dos outros? Ó YAHU ULHÍM o
Criador Eterno, mostra-nos de quem é a culpa. Yanaokhán e Shaúl foram
escolhidos, pelas sortes sagradas, como sendo os culpados; e o povo foi
declarado inocente. 42Saúl então acrescentou: Sendo assim lancem de novo sortes
entre mim e Yanaokhán. E desta vez foi Yanaokhán o escolhido como culpado.
43Diz-me o que foi que fizestes, pediu ele ao filho.Provei um bocado de mel,
confessou Yanaokhán. Foi apenas uma pequena porção na ponta dum pau, e agora
sei que devo morrer. 44Sim, Yanaokhán, deves morrer. Que YAHU ULHÍM me tire a
vida a mim, se não fores efectivamente executado por causa do que fizeste. 45No
entanto o povo interveio. Como é isso? Yanaokhán, que salvou hoje Yashorúl, ter
de morrer? Isso nunca. Tão certo como YAHU ULHÍM ser vivo, que não se tocará
num só cabelo da sua cabeça; porque foi usado por YAHU ULHÍM para fazer hoje um
grande milagre entre nós. Desta forma o povo o salvou. 46Shaúl mandou recolher
o exército; os Palestinos deixaram de ser perseguidos e recolheram às suas
próprias terras. 47-48Agora que já se encontrava seguro com o rei de Yashorúl,
Shaúl enviou o exército de Yashorúl por toda a parte, lutar contra Moabe, Amom,
Edom, os reis de Zobá e os Palestinos. Por todo o lado para onde se voltasse
triunfava. Cometeu grande feitos e conquistou os amalequitas, salvando Yashorúl
daqueles que tinham antes sido seus conquistadores.

 

A família de Shaúl

 

49Shaúl tinha três filhos: Yanaokhán, Isví e
Molkhishúa; mais duas filhas: Merabe e Mical, a mais nova. 50-51A mulher de
Shaúl chamava-se Ainoã; era filha de Ahimaóz. O general comandante do exército
era seu primo Abner, filho de Ner, tio de Shaúl. (Quer dizer, portanto, que
Ner, o pai de Abner, e Cis, o pai de Shaúl, eram irmãos, filhos de Abiel.)
52Durante todo o tempo do reinado de Shaúl, os Yashorulítas combateram os
Palestinos. E sempre que Shaúl via um homem valente e forte, alistava-o no seu
exército.

 

1 SHAMUUL 15

 

YAHU ULHÍM rejeita Shaúl como rei

 

1Um dia disse SHAMUUL a Shaúl: Coroei-te rei
de Yashorúl por indicação de YAHU UL. Por isso agora ouve bem isto que YAHU
ULHÍM te manda: 2-3’Decidi lembrar à nação dos amalequitas o que ela fez, que
recusou permitir que o meu povo atravessasse o seu território quando vinha do Egito,
e castigá-los-ei por isso. Deveras agora destruí-los totalmente – homens,
mulheres, crianças, mesmo os bebês; e também bois, ovelhas, camelos e
jumentos.’ 4-6Shaúl mobilizou então o exército em Telaim. Eram ao todo duzentos
mil soldados de infantaria, além de dez mil só de YAHUDAH. Os amalequitas
acamparam-se num vale mais abaixo donde eles estavam. Shaúl enviou uma mensagem
aos queneus, dizendo-lhes para sairem do meio dos de Amaleque, porque se não, morreriam
com eles: Pois que vocês foram bons com o povo de Yashorúl quando voltava do Egito,
explicou-lhes. Os queneus seguiram o aviso e retiraram-se. 7-9Shaúl matou
amalequitas desde Havilá por todo o caminho até Sur, a oriente do Egito.
Capturou Agague, o rei deles, mas matou o resto da gente toda. No entanto Shaúl
e os seus homens conservaram com vida o melhor dos bois, das ovelhas, os
cordeiros mais gordos – tudo, enfim, que mais os interessou. Só destruíram o
que lhes pareceu desprezável e sem qualidade. 10Então YAHU ULHÍM disse a SHAMUUL:
11-13Lamento ter posto Shaúl como rei; deixou de me seguir, de executar a minha
palavra. SHAMUUL ficou profundamente contristado quando ouviu YAHU ULHÍM dizer
aquilo, de tal maneira que passou toda a noite a chorar. Logo de manhã cedo foi
ao encontro de Shaúl. Mas alguém lhe disse que ele tinha ido ao monte Carmiúl
erigir um monumento em sua própria honra, seguindo depois para Gilgal. Quando
finalmente SHAMUUL o encontrou, Shaúl veio logo ter com ele, saudando-o:Como
passas? Tenho a dizer-te que já dei cumprimento às ordens de YAHU UL! 14Sim?
Mas então que balido de ovelhas e que mugido de vacas é esse que estou a ouvir?
15Pois, com efeito, é verdade que o exército poupou o melhor que havia de
ovelhas e de vacas. Mas é para serem sacrificadas a YAHU ULHÍM, teu Criador
Eterno. Tudo o resto destruímos totalmente. 16Não digas mais nada! Escuta agora
o que YAHU ULHÍM me disse esta noite!Mas que foi?, perguntou Shaúl. 17-19Numa
altura em que ainda não te tinhas em grande consideração a ti próprio, YAHU
ULHÍM fez de ti rei de Yashorúl. Depois mandou-te cumprir esta ação,
ordenando-te: ‘Vai destruir completamente esses pecadores amalequitas, até que
todos estejam mortos.’ Sendo assim, por que razão não obedeceste a YAHU ULHÍM?
Porque é que te lançaste sobre o despojo, fazendo exatamente aquilo que YAHU
ULHÍM mandara que não fizesses? 20-21Mas eu obedeci a YAHU ULHÍM!, insistiu
Shaúl. Fiz o que ele me disse; trouxe o rei Agague, mas matei todo o resto da
gente. Foi só quando as tropas pediram para ficarem com o melhor dos animais e
do saque que eu as autorizei, para oferecerem isso a YAHU ULHÍM. 22-23Mas
alguma vez YAHU ULHÍM tem o mesmo prazer nos holocaustos e sacrifícios do que
na obediência à sua palavra? Obedcer é muito melhor do que sacrificar! Ele está
muito mais interessado em que o escutes e sigas, do que na gordura de
carneiros. A rebelião é pecado tão grave como a própria feitiçaria; a
obstinação é coisa tão má como a idolatria. Portanto, já que rejeitaste a
palavra de YAHU UL, também YAHU ULHÍM te pôs de parte como rei. 24-25Sim, eu
pequei, admitiu finalmente Shaúl. É verdade que desobedeci às tuas instruções e
às ordens de YAHU UL, porque tive medo do povo; por isso fiz o que eles me
pediram. Rogo-te que me perdoes o meu pecado desta vez, e vem comigo adorar YAHU
ULHÍM. 26Não. Não vou contigo, visto que desprezaste a palavra de YAHU UL, e
que por consequência YAHU ULHÍM também já te rejeitou como rei de Yashorúl.
27-29E quando SHAMUUL se ia retirar, Shaúl ainda o agarrou pela aba da capa
para o fazer voltar, rasgando-lhe um pedaço. E SHAMUUL disse-lhe: Também YAHU
ULHÍM já rasgou de ti o reino de Yashorúl, hoje mesmo, e o deu a um compatriota
teu, melhor do que tu. Aquele que é a força de Yashorúl não mente, nem muda de intenções;
pois não é nenhum homem! 30Shaúl teimou: Pequei, com certeza. Mas ao menos
honra-me perante os chefes e o povo, indo comigo adorar YAHU ULHÍM, teu Criador
Eterno. 31SHAMUUL concordou, desta vez, e foi com ele. 32Depois SHAMUUL
ordenou: Tragam-me aqui o rei Agague. Este chegou-se, todo confiante, pensando
consigo mesmo, Com certeza que o pior já passou. Eles vão seguramente poupar-me
a vida! 33Mas SHAMUUL falou-lhe assim: A tua espada tirou os filhos a muitas
mães; por isso agora será a tua mãe a ser desfilhada. E a seguir despedaçou-o
ali mesmo, perante YAHU ULHÍM em Gilgal. 34SHAMUUL regressou a sua casa em
Roéma; e Shaúl voltou para Gibeá. 35SHAMUUL nunca mais tornou a encontrar-se
com Shaúl, embora tendo ficado a ter muita pena dele. Também YAHU ULHÍM ficou
triste por o ter feito rei de Yashorúl.

 

1 SHAMUUL 16

 

Dáoud é escolhido e ungido

 

1Finalmente YAHU ULHÍM disse a SHAMUUL: Não
há razão para continuares assim a ter pena de Shaúl, porque eu já o rejeitei
como rei de Yashorúl. Por isso pega num recipiente de azeite e vai a
Beth-Lékhem encontrar-te com um homem chamado Yashái. Escolhi um dos seus
filhos para ser o novo rei. 2-3Mas SHAMUUL perguntou: Como é que eu posso fazer
uma coisa dessas? Se Shaúl vier a saber, tentará matar-me!Leva contigo uma
bezerra, continuou YAHU ULHÍM, e diz que vieste para fazer um sacrifício a YAHU
ULHÍM. Depois convidarás Yashái, e para o resto mostrar-te-ei como hás-de fazer
e qual o filho que deveras ungir. 4Então SHAMUUL fez como YAHU ULHÍM lhe disse.
Quando chegou a Beth-Lékhem os anciãos da cidade vieram ter com ele muito
receosos: O que é que se passa? É alguma coisa que não está bem? 5SHAMUUL
respondeu: Está tudo bem. Eu vim cá para fazer um sacrifício a YAHU ULHÍM.
Purifiquem-se e venham comigo ao sacrifício. Cumpriu então o rito da
purificação. Fez o mesmo para com Yashái, mais seus filhos, e convidou-os
igualmente. 6Quando chegaram ao local do sacrifício, SHAMUUL reparou em Uliab e
pensou para consigo: É com certeza este, o homem que YAHU ULHÍM escolheu! 7Mas YAHU
ULHÍM disse-lhe: Não julgues pelo aspecto da pessoa, ou pela sua estatura. Não
é esse aquele que eu escolhi. Eu não julgo da mesma forma que os homens. Estes
fazem juízos de acordo com a aparência das coisas; mas eu olho para as
intenções dos corações. 8Depois Yashái disse ao seu outro filho, a Abinaodáb,
que avançasse perante SHAMUUL. Mas YAHU ULHÍM disse-lhe: Também não é este, o
que eu escolhi. 9A seguir Yashái mandou Samá avançar. E ainda desta vez YAHU
ULHÍM disse: Ainda não é este. E passaram diante de SHAMUUL os seus sete
filhos, sendo todos rejeitados. 10-11 YAHU ULHÍM não escolheu nenhum deles,
disse SHAMUUL a Yashái. São estes todos os teus filhos?Bom, há ainda o mais
novito. Mas está fora, está a apascentar as ovelhas.Manda-o já vir aqui, disse SHAMUUL.
Não nos sentaremos à mesa enquanto não tiver chegado. 12Yashái mandou que
fossem buscá-lo. Era um rapazinho de bela aparência, de rosto formoso e
saudável. YAHU ULHÍM disse: É este. Unge-o. 13Assim, enquanto Dáoud ali estava
em pé, entre os irmãos, SHAMUUL pegou no azeite que trouxera e derramou-o sobre
a cabeça de Dáoud; o RÚKHA de YAHU ULHÍM veio sobre Dáoud desse dia em diante. SHAMUUL
regressou então a Roéma.

 

Dáoud ao serviço de Shaúl

 

14-16O RÚKHA de YAHU UL deixou Shaúl, mas em
seu lugar enviou um espírito atormentador, que lhe causava depressão e medo.
Alguns dos seus ajudantes sugeriram-lhe: Deixa-nos ir à procura dum harpista
que toque para ti sempre que esse espírito atormentador te dominar. A música de
harpa acalmar-te-á e logo tornarás a ficar bem. 17Pois sim, disse Shaúl.
Arranjem então um harpista. 18Um deles disse que conhecia um moço de
Beth-Lékhem, filho de um homem chamado Yashái, que não só era um harpista
talentoso, mas ainda um indivíduo hábil, corajoso, forte, de boa presença e
inteligente. E o que é ainda mais importante, acrescentaram eles,  YAHU ULHÍM está com ele. 19-21Shaúl mandou
mensageiros a Yashái, pedindo-lhe que lhe enviasse Dáoud, o apacentador. Yashái
respondeu, enviando não só Dáoud mas também um cabrito mais um jumento
carregado com alimentos e com vinho. Logo que viu Dáoud, Shaúl sentiu-se
atraído por ele, fazendo-o seu pajem de armas. 22Shaúl escreveu a Yashái:
Peço-te que deixes Dáoud fazer parte da minha corte. Estou muito satisfeito com
ele. 23Sempre que o espírito atormentador atacava Shaúl, da parte de YAHU
ULHÍM, Dáoud tocava harpa e ele sentia-se melhor; o espírito mau deixava-o,
depois.

 

1 SHAMUUL 17

 

Dáoud e Goliath

 

1Os filisteus convocaram o seu exército para uma guerra, e acamparam entre Sukkós em YAHUDAH e Azeca, em Efes-Damim.


2Shaúl opunha-se-lhes com um ajuntamento de tropas, reunidas no vale de Elá.


3Desta forma, os filisteus e os Yashorulítas encontravam-se frente a frente em duas colinas opostas, com o vale entre eles.

4-7Goliath, um grande guerreiro, originário de Gate, avançou, vindo das fileiras dos Palestinos e pôs-se diante das forças militares Yashorulítas. Tratava-se de um verdadeiro gigante, media para cima de três metros de altura! Trazia um capacete de bronze, vestia uma couraça que pesava uns cem quilos, tinha as pernas protegidas com caneleiras também de bronze, e a sua lança, do mesmo metal, era de vários centímetros de espessura, guarnecida com uma ponta de ferro de perto de doze quilos. O seu escudeiro ia à frente, carregando-lhe com um grande escudo.

8-10Goliath parou então e gritou para os Yashorulítas: Para que precisam vocês de um exército inteiro para resolver esta questão? Eu serei o delegado de todos os filisteus, e vocês escolham alguém que vos represente, e resolveremos este combate entre os dois. Se o vosso homem conseguir matar-me, seremos vossos escravos. Mas se for eu a matá-lo, serão vocês nossos escravos! Desafio pois os exércitos de Yashorúl! Mandem ter comigo um homem que combata comigo!

11Ao ouvirem isto, Shaúl e todo
o exército Yashorulíta ficaram extremamente angustiados e aterrorizados.


12-15Dáoud, o filho de Yashái (da tribo de Efroím, que vivia em Beth-Lékhem de YAHUDAH), tinha sete irmãos mais velhos que ele. Os três mais velhos – Uliab, Abinaodáb e Samá – tinham seguido, como voluntários, o exército de Shaúl para combaterem os Palestinos. Dáoud, que era o mais novo dos irmãos, fazia parte da corte de Shaúl, mas a tempo parcial. O resto do tempo voltava para ajudar o pai nos
rebanhos.

16Entretanto e durante quarenta dias, duas vezes por dia, de manhã e
de tarde, o gigante filisteu pavoneava-se perante as forças Yashorulítas.


17-18Um dia Yashái disse a Dáoud, seu filho: Leva-me estes trinta e cinco litros de grão torrado mais estes dez bolos aos teus irmãos. Dá também esses queijos ao capitão deles e vê se estão a passar bem. Toma conta de algum recado que me queiram mandar.

19Shaúl e as suas forças militares estavam acampados no
vale de Elá.

20-21Dáoud deixou as ovelhas entregues a outro apacentador e partiu
de manhã cedo com o que o pai mandava aos filhos. Chegou assim à entrada do acampamento quando o exército Yashorulíta se preparava para a batalha com gritos e apelos à luta. Ambas as forças inimigas se encontravam frente a frente, em disposição de combate.

22Dáoud entregou o seu fardo ao bagageiro e
correu para as fileiras à procura dos irmãos.

23Enquanto conversava com estes, viu Goliath avançar de entre os pelotões Palestinos e gritar o seu desafio às tropas de Yashorúl.

24Estas, assim que o viram, recuaram de terror.

25Viste? Viste aquele gigante?, perguntavam os soldados. Tem insultado o exército de Yashorúl. O rei ofereceu já uma enorme recompensa a quem o matar: dar-lhe-á uma das suas filhas, e toda a sua família ficará isenta de impostos!

26Foi assim que Dáoud se informou, junto de alguns que ali estavam perto, sobre o que fariam àquele que matasse o filisteu e parasse com aqueles insultos a Yashorúl. Quem é este pagão filisteu que ousa assim desafiar os exércitos de YAHU ULHÍM vivo?,
perguntava.

27E davam-lhe sempre a mesma resposta.

28O irmão mais velho de Dáoud, Uliab, quando ouviu Dáoud a falar desta maneira, ficou muito zangado: Mas afinal o que é que estás tu aqui a fazer? A quem deixaste tu aquelas poucas ovelhas lá no deserto? Sei bem como és maroto e gabarola. O que queres é vir
ver a peleja!

29-30Que foi agora que eu fiz? Fiz apenas uma pergunta! E
afastou-se para continuar a falar com outros, dizendo-lhe toda a gente sempre a mesma coisa.

31As pessoas começaram a reparar nele e no que dizia e foram
contar a Shaúl; este mandou chamá-lo.

32Que ninguém se angustie por causa
daquele gigante, disse Dáoud. Eu me encarregarei desse filisteu!

33Olha lá, como é que um rapazinho como tu poderia fazer frente a um homem daqueles, que é soldado desde a sua mocidade?

34-37Mas Dáoud insistiu: Quando estou a tomar
conta das ovelhas do meu pai, se me aparece um leão ou um urso para me roubar um animal do rebanho, corro atrás dele com uma tranca e tiro-lhe o cordeiro da boca. Se ele se volta contra mim, agarro-o pelas mandíbulas e despedaço-o, até morrer. Fiz isto já, tanto com ursos como com leões; certamente que poderei fazer o mesmo em relação a esse pagão filisteu que teve a ousadia de desafiar os exércitos de YAHU ULHÍM vivo! YAHU ULHÍM, que me salvou dos dentes das
feras, salvar-me-á também deste filisteu!Shaúl por fim consentiu: Está bem, vai lá então, e que YAHU ULHÍM seja contigo!

38-39Shaúl deu-lhe a sua própria armadura – uma couraça de bronze e uma cota de malha. Dáoud pôs aquilo tudo sobre si, cingiu a espada, e deu dois ou três passos para ver como se sentia, porque era a primeira vez que usava um equipamento de combate. Mas eu nem sequer me posso mexer! Nunca andei com coisas destas! exclamou, e tirou tudo de sobre si.

40-42Foi depois buscar à torrente que por ali passava cinco pequenos
seixos e pô-los no seu alforge de apacentador; pegou no bordão, na funda e dirigiu-se na direção de Goliath. Este veio também ao encontro dele, com o homem que lhe levava o escudo, à sua frente, olhando com desprezo para aquele mocinho de rosto corado e de gentil aspecto!

43-44Ouve lá, sou eu algum cão, rugiu para Dáoud, para vires contra mim com um pau? E amaldiçoou Dáoud pelos nomes dos seus falsos criadores o estatuas. Vem cá, vem, para que dê a tua carne comer às aves e aos animais selvagens, gritou Goliath.

45Dáoud por sua vez gritou-lhe como resposta: Tu vens contra mim armado de lança e de escudo; mas eu lutarei contigo em Shúam (Nome) de YAHU UL Tzavulyáo celestiais e de Yashorúl – o verdadeir YAHU ULHÍM, a quem tens afrontado.

46-47Hoje YAHU ULHÍM te entregará na minha mão; hei-de matar-te e cortar-te a cabeça e depois darei os corpos mortos dos teus homens aos pássaros e às feras; todo o mundo ficará assim a saber que há um YAHU ULHÍM em Yashorúl! Yashorúl, também, aprenderá assim que YAHU ULHÍM não está dependente de armas de guerra para dar
cumprimento aos seus planos de salvação – ele actua sem estar sujeito a meios humanos. Esta questão agora é só dele, e ele vos entregará na nossa mão.


48-51Goliath aproximou-se, Dáoud correu ao seu encontro e, tirando do alforge uma das pequenas pedras, pô-la na funda e feriu o Palestino na cabeça. O seixo cravou-se-lhe mesmo na fronte de tal forma que o homem caiu com o rosto em terra. Dáoud conseguiu assim vencer o gigante filisteu com uma simples funda e uma pedra. Como não tinha espada, correu para Goliath, tirou a dele da bainha, matou-o e cortou-lhe a cabeça. Quando os filisteus viram aquilo, e que o seu
campeão estava morto, desataram a fugir.

52-53Os Yashorulítas deram um grande grito de triunfo e foram atrás deles, perseguindo-os mesmo até Gate e até às portas de Ekron. Os corpos dos mortos e dos feridos espalhavam-se por todo o caminho de Saaraim. As tropas Yashorulítas regressaram e despojaram o acampamento abandonado pelos Palestinos.

54Mais tarde Dáoud levou a cabeça de Goliath para YAHUSHUA-oléym, mas guardou as armas de Goliath na sua própria tenda.

55Shaúl, quando estava a ver Dáoud a dirigir-se em direção de Goliath,
perguntou a Abner, o general do seu exército: Abner, a que família pertence este mocinho?Realmente não sei!

56Bom, então procura informar-te, disse-lhe o rei.

57Depois de Dáoud ter matado Goliath, Abner trouxe-o junto de Shaúl, com a cabeça do gigante ainda nas mãos. 58Fala-me lá então de teu pai, meu rapaz, pediu-lhe Shaúl Dáoud: Chama-se Yashái. Vivemos em Beth-Lékhem.

 

1 SHAMUUL 18

 

Shaúl tem ciúmes de Dáoud

 

1-4Depois de Shaúl ter conversado com Dáoud,
este encontrou-se com Yanaokhán, o filho do rei; imediatamente se estabeleceu
entre os dois uma grande amizade, e fizeram entre os dois uma aliança. Yanaokhán
ligou-se a Dáoud como se fosse o seu próprio irmão. Como penhor dessa grande
amizade deu-lhe a sua capa, a espada, o arco e o cinto que trazia rei Shaúl
guardou Dáoud consigo em YAHUSHUA-oléym e não o deixou regressar mais a casa.
5Tornou-se oficial do exército e todas as directrizes que recebia executava-as
inteligentemente. Essa nomeação foi aplaudida não só pelos que estavam ao
serviço do rei como por toda a população em geral. 6Mas aconteceu uma coisa:
quando o exército Yashorulíta regressava vitorioso, depois de Dáoud ter morto
Goliath, muitas mulheres, vindas de todas as cidades de Yashorúl, vieram ao
encontro do rei Shaúl para o aclamar, cantando e com danças, acompanhadas de
adufes e de instrumentos de música, e tudo no meio de grande alegria. 7No
entanto, nos seus cantares diziam assim: Shaúl matou os seus milhares, e Dáoud
os seus dez milhares! 8Shaúl indignou-se muito com isto: O quê? Então louvam
Dáoud por dez milhares e a mim só por milhares. Por este andar, pouco falta
para que façam dele rei!, pensou consigo. 9Assim, a partir dessa altura, o rei
Shaúl ficou sempre de pé atrás em relação a Dáoud. 10-13Logo no dia seguinte,
com efeito, o espírito atormentador veio sobre ele, da parte de YAHU ULHÍM.
Dáoud, para o acalmar, começou a tocar a harpa, como das outras vezes que tal
acontecia. Mas Shaúl, que tinha ali ao seu alcance uma lança, lançou-a
repentinamente contra Dáoud, com a intenção de o cravar contra a parede. Dáoud
contudo saltou a tempo para o lado e conseguiu escapar-lhe: Isto aconteceu
também noutra ocasião, porque Shaúl temia-o e tinha ciúmes dele por YAHU ULHÍM
o ter deixado a si e estar agora com Dáoud. Finalmente Shaúl baniu-o da sua
presença e demitiu-o do cargo de oficial do exército. Mas tudo isto colocou
Dáoud ainda mais em evidência aos olhos da população. 14-16Dáoud continuava a
ser bem sucedido em tudo o que empreendia, porque YAHU ULHÍM estava com ele.
Shaúl, perante tais fATOS, ia-se tornando cada vez mais receoso dele. Mas todo
o Yashorúl e YAHUDAH amava Dáoud, porque ele se conduzia como se fosse igual a
eles. 17Um dia Shaúl disse a Dáoud: Estou pronto a dar-te a minha filha mais
velha, Merabe, por esposa. Mas primeiramente terás de provar que és um verdadeiro
soldado, combatendo as guerras de YAHU UL. Porque Shaúl pensava consigo: Vale
mais que o mande lutar contra os Palestinos e que morra assim, do que ser eu a
tirar-lhe a vida. 18Mas quem sou eu para me tornar genro do rei?, exclamou
Dáoud. A família de meu pai pouco vale! 19Entretanto, quando chegou a altura de
Merabe ser dada a Dáoud, Shaúl casou-a antes com a Adriel, um homem de Meolate.
20Aconteceu no entanto que Mical, outra filha de Shaúl, amava muito Dáoud;
Shaúl ficou satisfeito ao saber disso. 21Aqui está uma oportunidade de o fazer
matar pelos Palestinos!, pensou Shaúl. Contudo ao próprio Dáoud disse assim:
Tens ainda ocasião de te tornares genro do rei; posso dar-te a minha filha mais
nova. 22-23Shaúl deu instruções aos seus homens para que dissessem
confidencialmente a Dáoud que o rei no fundo gostava mesmo muito dele, que
todos, aliás, gostavam dele e achavam que deveria aceitar a proposta do rei de
se tornar seu genro. Mas ele replicava-lhes: Como pode um pobre homem como eu,
vindo de uma família sem quaisquer pergaminhos, achar um dote suficiente para
poder vir a casar com a filha do rei? 24-25Quando vieram contar isto a Shaúl,
este disse-lhes: Digam a Dáoud que o único dote de que eu preciso é de uma
centena de Palestinos mortos! Vingança sobre os meus inimigos é tudo o que eu
pretendo. No entanto, o que ele tinha em mente era que Dáoud fosse morto nesse
combate. 26-27Dáoud ficou muito contente com essa proposta. E assim, muito
antes que o prazo fixado tivesse acabado, partiu, acompanhado dos seus próprios
homens e matou duzentos Palestinos, apresentando os seus prepúcios ao rei.
Sendo assim, Mical foi-lhe dada por mulher. 28-30Quando o rei se deu conta de
quanto YAHU ULHÍM estava com Dáoud, e como se ia tornando imensamente popular,
ficou-lhe ainda com mais medo, aumentando o ódio que nutria contra ele, dia
após dia. Sempre que as tropas dos Palestinos atacavam, Dáoud era muito mais
bem sucedido contra os inimigos do que o resto dos soldados de Shaúl. Dessa
forma o nome de Dáoud se tornou famoso em toda a terra.

 

1 SHAMUUL 19

 

Shaúl tenta matar Dáoud

 

1-2Shaúl, agora, apertava com os ajudantes e
com o próprio Yanaokhán, para assassinarem Dáoud. Mas Yanaokhán, por causa da
sua grande amizade por Dáoud, disse-lhe o que seu pai estava a planear. Amanhã
de manhã, avisou ele, terás de procurar um lugar escondido nos campos. 3Pedirei
a meu pai que venha comigo até esse lugar e falar-lhe-ei de ti. Depois te direi
tudo o que se tiver passado. 4-5Na manhã seguinte, Yanaokhán conversou com o
pai e falou-lhe bem de Dáoud, pedindo-lhe que não se voltasse contra ele. Nunca
fez nada que fosse contra ti. Pelo contrário, procurou ajudar-te sempre que
pôde. Ter-te-ás já esquecido daquele momento em que arriscou a vida para matar
o Goliath, e como YAHU ULHÍM deu em resultado uma vitória tão grande a Yashorúl?
Nessa altura estavas bem satisfeito com isso, não é verdade? Porque havias tu
agora de assassinar um homem inocente? Não há razão nenhuma para uma coisa
dessas! 6Shaúl acabou por concordar e prometeu: Tão certo como YAHU ULHÍM estar
vivo, que não o matarei. 7A seguir a isso Yanaokhán chamou Dáoud e relatou-lhe
o que acontecera. Levou depois Dáoud à presença de Shaúl e tudo ficou como nos
primeiros tempos. 8Aliás, pouco tempo depois, rebentou nova guerra e Dáoud conduziu
as tropas contra os Palestinos, matando grande número e pondo em fuga o resto
do exército inimigo. 9-10Mas uma noite em que Shaúl estava a sentar nos seus
aposentos ouvindo Dáoud tocar harpa, o espírito atormentador, da parte de YAHU
UL, atacou-o de repente. Havia uma lança ali perto à mão, e atirou-a contra
Dáoud com o intuito de o matar. Mas este esquivou-se a tempo, fugindo para
fora, para o escuro da noite; a lança ficou cravada na parede. 11Shaúl chegou a
mandar tropas para vigiarem a casa de Dáoud e para o matarem pela manhã, quando
saísse. Se não fugires esta mesma noite, avisou-o Mical, amanhã de manhã
estarás morto. 12Ela própria o ajudou a descer por uma janela. 13Então pegou
num ídolo, pô-lo na cama, cobriu-o com cobertores e colocou sobre a almofada
uma pele de cabra. 14-16Quando os soldados vieram para prender Dáoud e levá-lo
a Shaúl, ela disse-lhes que estava doente, que não podia sair da cama. Shaúl
disse aos soldados para lhe trazerem Dáoud mesmo na cama, para que pudesse
matá-lo. Mas quando vieram a fim de o transportar, descobriram que se tratava
apenas de uma imagem! 17Porque é que me enganaste e deixaste escapar o meu
inimigo?, perguntou Shaúl a Mical.Fui obrigada a isso. Ele ameaçou que me
matava se não o ajudasse. 18Dessa forma Dáoud conseguiu fugir para Roéma, para
se encontrar com SHAMUUL, e contou-lhe o que Shaúl lhe tinha feito. SHAMUUL
levou-o para ir viver consigo em Naiote. 19-20Quando Shaúl soube que Dáoud
estava em Naiote de Roéma, enviou uma tropa para o capturar; mas ao chegarem e
ao verem SHAMUUL mais os outros homens de YAHU ULHÍM profetizando, o RÚKHA-YAHU
veio também sobre eles e começaram a profetizar. 21Shaúl, sabendo o que
acontecera, mandou outras tropas; mas também lhes sucedeu a mesma coisa! E
ainda com um terceiro contingente se passou idêntico fato. 22Shaúl decidiu ir
ele próprio em pessoa até Roéma. Chegado ao grande poço de Secu, perguntou:
Onde estão SHAMUUL e Dáoud?Alguém lhe disse que estavam em Naiote. 23Mas ao
dirigir-se para lá, também o RÚKHA-YAHU veio sobre ele e profetizou, à
semelhança dos outros! 24Despiu a sua roupagem, e permaneceu assim todo o dia e
toda a noite, profetizando na companhia dos profetas de SHAMUUL. O quê?,
exclamavam as pessoas, Shaúl está também a profetizar?

 

1 SHAMUUL 20

 

Dáoud e Yanaokhán fazem uma aliança

 

1Dáoud então fugiu de Naiote em Roéma e
encontrou-se com Yanaokhán. Que foi que eu fiz?, exclamou. Porque é que teu pai
procura tirar-me a vida? 2Não é verdade!, protestou Yanaokhán. Tenho a certeza
de que ele não está a planear uma tal coisa, pois que sempre me diz tudo o que
pensa fazer, mesmo as mais pequenas coisas, e sei que não me esconderia um
projecto desses. Não, isso não pode ser. 3Tu é que não sabes o que se passa!
Teu pai sabe bem da nossa amizade e por isso pensa para consigo, ‘Não vou dizer
nada a Yanaokhán para não o magoar.’Mas a verdade é que eu ando constantemente
a dois passos da morte – tão verdade como YAHU ULHÍM ser vivo e ser viva a tua
alma! 4Yanaokhán disse-lhe: Então diz-me o que poderei fazer em teu favor.
5-8Amanhã começa a celebração da lua nova. Anteriormente sempre passei essa
ocasião com o teu pai, mas amanhã escondo-me no campo e fico lá até à noite do
terceiro dia. Se o teu pai perguntar onde estou eu, diz-lhe que pedi licença
para ir a casa a Beth-Lékhem, para a reunião anual de família. Se responder,
‘Está bem!’, saberei assim que não há novidade. Mas se ele se encolerizar, isso
será o sinal de que na verdade quer mesmo matar-me. Faz isso para mim, que
jurámos ser como irmãos. Se não, mata-me tu mesmo, se é verdade que pequei
contra o teu pai, mas não me entregues a ele! 9Com certeza que não faria uma
coisa dessas!, exclamou Yanaokhán. Eu não deixaria de te avisar se soubesse que
o meu pai estava com intenções de te matar! 10Então Dáoud perguntou, Como
hei-de eu saber se o teu pai está ou não zangado? 11Vamos para o campo,
convidou Yanaokhán. E sairam juntos. 12-15Yanaokhán disse então a Dáoud:
Prometo, pelo YAHU ULHÍM o Criador Eterno de Yashorúl, que amanhã por esta
altura do dia, ou depois de amanhã o mais tardar, falarei ao meu pai a teu
respeito e dar-te-ei a conhecer definitivamente o que ele sente por ti. Se
estiver encolerizado e com a intenção de te matar, então que seja YAHU ULHÍM a
matar-me se eu não to disser, para que possas escapar e viver. Que YAHU ULHÍM
seja contigo como foi antes com o meu pai. E lembra-te de que deves demonstrar
o amor e a bondade de YAHU UL não só para comigo, durante a minha vida, mas
também para com os meus filhos, depois de YAHU UL ter destruído todos os teus
inimigos. 16-17Assim Yanaokhán fez uma aliança com a família de Dáoud, e este
jurou respeitar essa aliança, sob o risco de terríveis maldições contra si
próprio e contra os seus descendentes no caso de vir a ser infiel à sua
promessa. Yanaokhán fez que Dáoud jurasse segunda vez, pela grande amizade que
havia entre eles; porque lhe queria tanto quanto a si próprio. 18-23Então Yanaokhán
disse: Sim, amanhã eles darão pela tua falta à mesa, quando virem o teu lugar
vazio. Depois de amanhã, toda a gente perguntará por ti; por isso mantém-te no
esconderijo onde te encontrares, junto à pedra de Ezel. Eu aproximar-me-ei
desse lugar e atirarei três setas em direção à pedra, como se estivesse a
atirar ao alvo. A seguir mandarei um moço ir buscar as setas. Se me ouvires
dizer-lhe: ‘Procura-as aí, que estão aí mesmo’, então saberás que tudo vai bem
e que não há problemas. Mas se lhe disser: ‘Mais adiante, as setas estão lá
mais para a frente’, então isso quererá dizer que deves pôr-te imediatamente a
salvo. Que YAHU ULHÍM nos ajude a sermos fiéis ao que prometemos um ao outro,
pois que ele próprio foi testemunha disso. 24-27Assim Dáoud escondeu-se no
campo. Quando a celebração da lua nova começou, o rei sentou-se para comer no
seu lugar habitual, junto à parede. Yanaokhán sentou-se à sua frente e Abner ao
lado de Shaúl, ficando vazio o lugar de Dáoud. Shaúl nada disse sobre o fato,
durante o dia todo, porque supos que qualquer coisa teria acontecido a Dáoud
que o tivesse tornado ritualmente impuro. Mas quando no dia seguinte o seu
lugar continuou vazio, perguntou a Yanaokhán: Porque é que Dáoud não veio
comer, nem ontem nem hoje? 28-29Ele pediu-me se podia ir a Beth-Lékhem tomar
parte na celebração que faz a família, respondeu Yanaokhán. O irmão pediu para
ele lá estar, e eu disse-lhe que fosse. 30-31Shaúl ficou ardendo em ira: Filho
duma cadela!, gritou-lhe. Pensas tu que eu não sei muito bem que aliaste a esse
filho de Yashái, envergonhando-te a ti mesmo e à tua família? Enquanto esse
indivíduo for vivo, tu nunca serás rei. Vai já à procura dele para que o mate!
32Mas que mal fez ele? Porque é que havia de morrer? 33-34Então Shaúl
atirou-lhe com a lança para o matar. Yanaokhán deu-se bem conta com efeito de
que o seu pai estava absolutamente decidido a matar Dáoud. Deixou a mesa
profundamente revoltado e recusou comer naquele dia por causa do vergonhoso
comportamento do seu pai para com Dáoud. 35Na manhã seguinte, como combinado,
saiu para o campo, e levou consigo um moço que lhe fosse apanhar setas.
36-39Vai a correr apanhar as setas que eu atirar. Este partiu e ele atirou uma
seta que fez passar adiante dele. Quando o rapaz estava quase a chegar ao lugar
gritou-lhe: A seta está mais à frente de ti. Avia-te, não demores. O moço
apanhou as setas, e veio entregá-las a Yanaokhán, sem ter percebido nada das
intenções do seu chefe. Só Yanaokhán e Dáoud sabiam do significado daquelas
palavras. 40Yanaokhán entregou as setas e o arco ao rapaz, e disse-lhe que
regressasse à cidade. 41Logo que o rapaz partiu, Dáoud saiu do lugar onde estava
escondido, para o lado sul do campo, veio ao seu encontro, abraçaram-se
tristemente e ficaram ambos a chorar. Dáoud estava mesmo inconsolável! 42Por
fim Yanaokhán disse-lhe: Olha, tem coragem, porque no fundo confiámos as nossas
vidas e as vidas de nossos filhos nas mãos de YAHU ULHÍM para sempre. Então
separaram-se, e Yanaokhán regressou à cidade.

 

1 SHAMUUL 21

 

Dáoud em Nobe

 

1Dáoud foi à cidade de Nobe ver o
intermediário Abimeleque. Este ficou a tremer quando o viu. Porque é que vens
só? Porque não vem ninguém contigo? 2-3O rei enviou-me cá para um assunto
confidencial, mentiu Dáoud. Disse-me que ninguém deveria saber que eu estou
aqui. Os meus homens sabem onde me hão-de encontrar, mais tarde. Para já, tens
alguma coisa que comer? Dá-me uns cinco pães, ou outra coisa qualquer. 4Mas nós
aqui não temos pão nenhum, a não ser o pão sagrado, que eu suponho que vocês
podem levar, contanto que os teus moços se tenham abstido de mulheres. 5Sim,
podes estar descansado. Há três dias que os meus homens mantêm a sua santidade
ritual, embora estejamos numa campanha vulgar. Mas assim irão mantê-la com
muito mais razão! 6Então, como não havia ali outro alimento, o intermediário
deu-lhe daquele pão santo (o pão da presença) que estava colocado perante YAHU
ULHÍM no tabernáculo. Tinha aliás sido substituído por pão fresco naquele mesmo
dia. 7(Por acaso, aconteceu que Doegue, edomita, o chefe dos anciãos de Shaúl,
se encontrava ali naquela altura, para se purificar cerimonialmente.) 8Dáoud
pediu ainda a Abimeleque se tinha à mão uma flecha ou uma espada que pudesse
utilizar: O serviço do rei exigiu-me tamanha pressa que tive de partir
precipitadamente, e vim desarmado! 9Bem, o que eu tenho aqui é a própria espada
de Goliath, o Palestino, que mataste no vale de Elá. Está embrulhada num pano,
ali no armário. Leva-a se quiseres, pois aqui não tenho mais nada.Dáoud
respondeu: É mesmo disso de que eu precisava! Dá-ma já.

 

Dáoud em Gate

 

10-11Dáoud foi-se logo embora, pois estava
com medo de Shaúl e veio ter com o rei Aquis, de Gate. Contudo, os conselheiros
deste não ficaram satisfeitos com a presença dele ali: Afinal, não é este um
chefe máximo de Yashorúl?, perguntavam. Não é este a quem o povo honrava com
danças, cantando – Shaúl matou um milhar, e Dáoud dez milhares? 12-15Dáoud,
ouvindo estes comentários, receava o que o rei Aquis lhe pudesse fazer, e então
pensou em fazer-se passar por louco. Punha-se a arranhar as portas e deixava a
baba escorrer-lhe pela boca até à barba, até que finalmente o rei Aquis disse
para a sua gente: Faltam-me doidos cá, para que me tragam ainda mais um? Para
que me serve um maluco destes aqui na minha casa?

 

1 SHAMUUL 22

 

Dáoud em Adulão e Mizpá

 

1-2Dáoud deixou Gate e foi-se esconder na
caverna de Adulão, onde aliás em breve se lhe juntaram os irmãos e outros
parentes. E mais gente ainda começou a vir ter com ele – pessoas que de alguma
maneira se encontravam em apertos, ou endividados, ou revoltados por qualquer
coisa – de tal forma que reuniu à sua volta uns quatrocentos homens. 3-4Mais tarde
Dáoud foi a Mizpá, em Moabe, pedir licença ao rei para deixar viver ali seus
pais, sob proteção real, até saber o que YAHU ULHÍM faria dele. E lá ficaram
então todo o período em que Dáoud se manteve no seu refúgio fortificado.

 

Shaúl mata os intermediários de Nobe

 

5-6Um dia, o profeta Gaóld disse a Dáoud
para deixar a caverna e voltar para a terra de YAHUDAH. Dáoud foi pois para a
floresta de Herete. Rapidamente a sua chegada a YAHUDAH chegou aos ouvidos de
Shaúl, que se encontrava em Gibeá naquela altura, instalado debaixo dum
carvalho, jogando com a lança, rodeado da corte. 7-8Ouçam-me bem, gente de
Benyamín! exclamou o rei quando recebeu a notícia. Será porque Dáoud vos
prometeu campos, vinhas e postos no exército para toda a gente, será por isso
que estão todos contra mim? Porque é que não houve um só sequer de vocês que me
tivesse avisado de que o meu próprio filho tinha feito aliança com Dáoud! Vocês
não têm pena nenhuma de mim! Pensem só no que me acontece: o meu próprio filho
encorajando Dáoud a vir aqui matar-me! 9-10Doegue, o edomita, que ali estava,
acompanhando a corte de Shaúl, pediu para falar: Quando estive em Nobe vi Dáoud
a conversar com o intermediário Abimeleque. Este consultou YAHU ULHÍM sobre o
que Dáoud havia de fazer e depois deu-lhe alimento, mais a espada de Goliath.
11-12O rei convocou imediatamente Abimeleque, assim como os outros
intermediários em Nobe. Quando estes chegaram, Shaúl gritou: Ouve lá, tu, filho
de Aitube!Estou a ouvir, meu chefe!, respondeu Abimeleque a tremer. 13Porque é
que tu e Dáoud conspiraram contra mim. Porque lhe deste de comer, mais uma
espada, e ainda consultaram YAHU ULHÍM a favor dele? Porque é que o encorajaste
a revoltar-se contra mim e vir aqui atacar-me? 14-15Mas, chefe, haverá entre os
vossos servos alguém que vos seja mais fiel do que o vosso genro? Porque razão
é ele afinal vosso pajem e dos membros mais honrados da vossa corte? Nem foi
esta, com certeza, a primeira vez que consultei YAHU ULHÍM a favor dele! Não é
justo que eu seja acusado, mais a minha família, dessas coisas que ouvi; nós
nada sabíamos de semelhante conspiração! 16Terás de morrer, Abimeleque, tu e
toda a tua família!, gritou-lhe o rei. Depois, 17dirigindo-se aos ajudantes:
Matem estes intermediários, porque são aliados na conspiração de Dáoud; eles
bem sabiam que ele andava fugido e nada me disseram! No entanto os soldados
recusaram fazer mal aos intermediários. 18Então Shaúl disse para Doegue: Faz tu
isso. Doegue foi para eles e matou-os, oitenta e cinco intermediários, no
total, todos trazendo as vestimentas sacerdotais. 19Depois foi a Nobe, à cidade
dos intermediários, e matou as famílias dos intermediários – homens, mulheres,
crianças e até bebês; assim como bois, jumentos e cordeiros. 20-22Só AbYater,
um dos filhos de Abimeleque conseguiu escapar e fugir para junto de Dáoud, e
lhe contou o que acontecera. Ao ouvir isto, Dáoud exclamou: Eu já estava à
espera disto! Quando vi ali Doegue, fiquei logo com a certeza de que Shaúl
havia de ser avisado. Fui eu o culpado da morte de toda a tua família. 23Fica
comigo e proteger-te-ei como à minha própria vida. Só poderão fazer-te mal
depois de me tirarem a vida.

 

1 SHAMUUL 23

 

Dáoud salva Queila

 

1-2Um dia chegou aos ouvidos de Dáoud que os
Palestinos estavam em Queila a saquear as eiras; e perguntou a YAHU ULHÍM:
Deverei ir atacá-los?Sim, vai e salva Queila, respondeu-lhe YAHU ULHÍM. 3Mas os
homens de Dáoud disseram: Nós aqui em YAHUDAH vivemos constantemente em temor,
quanto mais ainda se formos atacar todo o exército dos Palestinos! 4Dáoud tornou
a consultar YAHU ULHÍM e a obter a mesma resposta: Vai a Queila, pois que te
ajudarei a vencer os Palestinos. 5-6Foram até lá e conseguiram na verdade matar
os Palestinos e confiscar-lhes gado; dessa forma o povo de Queila foi salvo.
Aliás AbYater, o intermediário, acompanhou Dáoud nessa expedição, levando
consigo o éfode para obter as respostas que YAHU ULHÍM dava a Dáoud.

 

Shaúl persegue Dáoud

 

7Shaúl em breve soube que Dáoud estava em
Queila. Óptimo, exclamou. Apanhámo-lo. YAHU ULHÍM entregou-mo, pois que ficará
encurralado numa cidade murada! 8-9Mobilizou todo o exército e marchou em direção
a Queila para sitiar Dáoud com os seus homens. Dáoud teve conhecimento dos
planos de Shaúl e disse a AbYater para trazer o éfode a fim de consultar YAHU
ULHÍM sobre o que deveria fazer. 10-11Ó YAHU ULHÍM o Criador Eterno de Yashorúl,
disse Dáoud, ouvi que Shaúl planeia vir e destruir Queila por eu estar aqui.
Será que a gente de Queila me entregará na sua mão? E será que Shaúl vem cá
efectivamente, como ouvi dizer? Peço-te, YAHU ULHÍM o Criador Eterno de Yashorúl,
que me respondas.E YAHU ULHÍM respondeu-lhe: Sim, ele virá. 12E a população de
Queila entregar-me-á a Shaúl?, insistiu Dáoud.Entregar-te-ão. 13Então Dáoud,
com os seus homens – que já eram agora uns seiscentos – deixaram Queila e
andaram a vaguear por aquela região. Shaúl depressa soube que Dáoud escapara,
por isso não chegou a ir lá. 14-15Dáoud agora vivia nas grutas do deserto, na
região das colinas de Zife. Um dia, perto de Hores, teve conhecimento de que
Shaúl se dirigia a Zife, procurando matá-lo. Shaúl andava dia após dia à
procura dele, mas YAHU ULHÍM não permitia que o encontrasse. 16O seu filho Yanaokhán
foi ter com Dáoud e encontrou-se com ele em Hores, encorajando-o a ter
confiança em YAHU ULHÍM: 17Não tenhas receio. O meu pai nunca te encontrará! Tu
virás a ser rei em Yashorúl e eu serei o segundo, no reino, ao teu lado; aliás
o meu pai sabe muito bem isso. 18Assim ambos renovaram o seu pacto de amizade.
Dáoud ficou em Hores e Yanaokhán voltou para casa. 19-20Mas os homens de Zife
foram ter com Shaúl em Gibeá e trairam Dáoud: Sabemos onde é que ele se
esconde. Está nas grutas de Hores nas colinas de Haquila, para o sul do
deserto. Vem, que nós o apanharemos para to entregar e assim o teu maior desejo
será cumprido! 21-23Óptimo. Louvado seja YAHU ULHÍM!, disse Shaúl. Até que
enfim que alguém teve piedade de mim. Vão-se embora, verifiquem melhor isso,
para terem a certeza do lugar onde ele está e tomem nota de quem é que o viu.
Olhem que ele é muito astuto. Vejam bem onde é que se esconde, depois voltem cá
para me darem um relato detalhado da situação. Após isso irei convosco. Se
realmente ele lá se encontrar achá-lo-ei de certeza, nem que tenha de verificar
cada centímetro de terreno! 24-29Os homens de Zife regressaram. Mas Dáoud soube
que Shaúl tinha intenções de vir a Zife, por isso resolveu ir, com os
companheiros, para mais longe, para o deserto de Maom, para os lados do sul.
Shaúl contudo seguiu-os até lá. A certa altura Dáoud e Shaúl encontravam-se nas
vertentes opostas da mesma montanha. Shaúl começou a cercá-lo, e Dáoud
procurava, com os seus, escapar-lhe, sem o conseguir, contudo. Estavam nisto
quando chegou a Shaúl uma mensagem em como os Palestinos atacavam de novo Yashorúl;
por isso desistiu da perseguição e foi combater os outros. Desde então o lugar
onde se acampara ficou a ser chamado a Rocha de Fuga. Dáoud dali foi viver para
as grutas de Engedi.

 

1 SHAMUUL 24

 

Dáoud poupa a vida a Shaúl

 

1-2Voltando Shaúl de combater os Palestinos,
disseram-lhe que Dáoud tinha ido para os lugares desertos de Engedi. Levou
então consigo três mil homens da tropa de elite e foi em busca dele por entre
os desfiladeiros rochosos e por caminhos de acesso a cabras monteses! 3Chegado
a um lugar onde costumavam descansar rebanhos de ovelhas, Shaúl retirou-se para
uma gruta, para fazer as suas necessidades. Ora aconteceu que nessa gruta
estavam justamente escondidos Dáoud e os companheiros! 4É agora a tua vez!,
murmuraram-lhe os seus homens. Este é o dia do que YAHU ULHÍM falava quando
dizia, ‘Dar-te-ei o teu inimigo nas tuas mãos e far-lhe-ás como melhor
entenderes’. Dáoud rastejou com muito cuidado até Shaúl e cortou-lhe, sem ele
sentir, um pedação da capa que trazia. 5Contudo, logo a seguir, a sua
consciência ficou a acusá-lo. 6Não devia ter feito isto, disse para a sua
gente. É um grave pecado atacar de alguma maneira o rei que foi escolhido por YAHU
ULHÍM. 7E foi com estas palavras que persuadiu os companheiros a não matarem
Shaúl epois de deixar aquela gruta, Shaúl continuou o seu caminho. 8Dáoud saíu
e gritou atrás dele: Ó rei, meu chefe! Shaúl olhou para donde vinha a voz, e
Dáoud inclinou-se por terra. 9A seguir continuou: Porque é que dás ouvidos às
pessoas que te dizem que eu quero o teu mal? 10-11Hoje vais ter a prova de que
tal não é verdade. YAHU ULHÍM pôs-te à minha mercê, ali naquela gruta, e até
alguns dos meus homens me disseram para te matar; mas eu poupei-te. Porque
disse para comigo, ‘Não lhe hei-de fazer mal, pois é o rei que YAHU ULHÍM
escolheu’. Olha aqui o que eu tenho nas mãos. É um pedaço da tua capa. Cortei-o
sem te ter feito mal algum! Será que isto não te convence ainda de que não
tenho a mínima intenção de te fazer mal algum e de que não pequei em nada
contra ti, apesar de andares todo o tempo a perseguir-me? 12-13 YAHU ULHÍM é
que há-de julgar entre nós dois. É possível que ele te venha a matar por aquilo
que procuras fazer-me; mas eu quanto a mim nunca te farei mal. Como diz aquele
velho provérbio: ‘O perverso actua pervsersamente’. Mas apesar da tua maldade,
eu não te hei-de tocar. 14-15E, ao fim e ao cabo, atrás de quem anda o rei de Yashorúl?
O que é que o faz andar a perder o seu tempo, perseguindo um indivíduo que vale
tanto como um cão morto, ou como uma pulga? Que seja pois YAHU ULHÍM a julgar
qual de nós tem razão e que ele castigue aquele que é culpado. Ele é o meu juiz
e o meu advogado. Ele me defenderá da tua mão! 16-21Dáoud, meu filho, és tu
mesmo quem estou a ouvir?, disse Shaúl depois de ele acabar. Então desatou a
chorar. Acrescentou a seguir: Tu és melhor do que eu, porque me pagaste o mal
com o bem. Sim foste extremamente bom para comigo hoje, pois que quando YAHU
ULHÍM me entregou nas tuas mãos, não me mataste. Quem mais no mundo deixaria o
seu adversário ir-se embora depois de o ter ao seu alcance? Que YAHU ULHÍM te
recompense pelo bem que hoje me fizeste. Dou-me conta agora de que tu te
tornarás efectivamente rei e que Yashorúl será bem governado sob a tua mão.
Jura-me em todo o caso, pelo YAHU ULHÍM, que, quando isso acontecer, pouparás a
minha família e não acabarás com a linha da minha descendência. 22Dáoud
prometeu, e Shaúl foi-se embora. Mas Dáoud regressou à gruta.

 

1 SHAMUUL 25

 

Dáoud, Nabal e Abigaúl

 

1Algum tempo depois morreu SHAMUUL e todo o Yashorúl
se juntou para o funeral, sepultando-o no local próprio da sua família, em
Roéma ntretanto Dáoud desceu para o deserto de Parã. 2Havia um homem rico de
Maom que tinha uma grande propriedade para criação de gado perto da aldeia de
Carmiúl. Possuia três mil ovelhas e um milhar de cabras. Naquela altura
encontrava-se na sua quinta tosquiando as ovelhas. 3O seu nome era Nabal, e a
sua mulher, que era bela e inteligente, chamava-se Abigaúl. No entanto aquele
indivíduo, descendente de Caleb, tinha um mau carácter e uma natureza ruim.
4-5Ao ouvir que Nabal estava a tosquiar as ovelhas, Dáoud mandou dez dos seus
companheiros a Carmiúl com esta mensagem: 6-8Que YAHU ULHÍM aumente a tua
prosperidade, bem como a da tua família, e que tenhas muita paz, tu e todos os
teus! Disseram-me que estás a tosquiar os animais. Hás-de saber certamente que
aos teus anciãos, enquanto estiveram no nosso meio, nunca lhes aconteceu
qualquer mal, e nada lhes faltou enquanto estiveram no Carmiúl. Pergunta-lhes e
verás se é ou não assim. Agora, envio-te aqui alguns dos meus homens para te
pedir um donativo, pois sabemos que é uma altura de fartura para ti. Por favor,
dá-nos qualquer coisa do que tiveres à mão. 9Os moços de Dáoud deram o recado e
ficaram à espera. 10-11Mas quem é esse Dáoud, exclamou. Quem pensa, esse filho
de Yashái, que é ele? Há montes de servos nestes tempos que correm, fugidos aos
seus chefees, porque é que eu havia de pegar no meu pão, na minha água, na
carne das reses que eu abati para os meus criados e dá-la a um bando de gente
que aparece não se sabe donde? 12Os mensageiros de Dáoud voltaram para trás e
contaram-lhe a resposta de Nabal. 13Peguem nas espadas!, foi a resposta de
Dáoud, enquanto embainhava a sua. Quatrocentos partiram com ele e duzentos
ficaram a guardar as bagagens. 14-17Entretanto, um dos criados de Nabal foi
contar tudo a Abigaúl: Dáoud mandou cá uns homens seus, desde o deserto, que
falaram com muito boas maneiras ao nosso amo, mas este insultou-os e pô-los na
rua. E é verdade que a gente de Dáoud nos tratou sempre bem e nada sofremos
enquanto estivemos com eles; a bem dizer, de dia e de noite, eles eram como um
muro de proteção para nós e para o gado; nada nos foi roubado durante todo o
tempo que estivemos com eles. Vê bem o que há a fazer, porque as coisas vão
correr mal para o nosso amo e a sua família – ele tem tão mau feitio que
ninguém pode falar com ele! 18Então Abigaúl preparou à pressa duzentos bolos de
farinha, dois odres de vinho, cinco ovelhas guisadas, setenta litros de grão
torrado, cem bolos de passas, duzentos bolos de figo e carregou tudo em
jumentos, dizendo ao criados: 19Vão já andando com isso, que eu vou a seguir.
Mas não disse nada ao marido. 20Quando ela vinha a caminho montada no seu
jumento, encontrou-se com Dáoud. 21-22Dáoud tinha vindo a pensar durante a
marcha: Ora aqui está como nos fartámos de fazer bem a este indivíduo, sem
recompensa alguma. Protegemos-lhe os rebanhos no deserto de tal forma que nada
lhes foi roubado nem lhes faltou, e agora paga-nos desta maneira o bem que lhe
fizemos. Tudo o que acabámos por receber foi insultos. Que YAHU ULHÍM me
castigue se até amanhã de manhã ficar vivo algum homem naquela casa! 23Abigaúl
ao ver Dáoud desmontou rapidamente e inclinou-se. 24Recaia sobre mim a culpa
disto tudo, meu chefe, disse. Peço-te que ouças aquilo que pretendo dizer-te.
25Nabal é um homem mau; por favor não ligues ao que diz. É um louco, aliás tal
como o seu nome indica. Mas a questão é que eu não soube da vinda dos teus
mensageiros. 26E agora, sendo que YAHU ULHÍM te impediu de matares e de te
vingares por tuas próprias mãos, a minha oração a YAHU ULHÍM, a favor da tua
vida, é que todos os teus inimigos sejam tão castigados como Nabal for.
27-31Portanto, aqui está um presente que vos trouxe, para ti e para os teus
homens. Perdoa-me a ousadia em ter vindo até aqui. YAHU ULHÍM certamente te
recompensará com uma realeza firme, assim como aos teus descendentes, pois que
combates as guerras de YAHU UL, e nunca se viu que agisses erradamente em toda
a tua vida. Mesmo quando és perseguido por aqueles que procuram tirar-te a
vida, YAHU ULHÍM, teu Criador Eterno te protege como se estivesses na palma da
sua mão! Mas as vidas dos teus inimigos desaparecerão como pedras atiradas numa
funda. Quando YAHU ULHÍM tiver cumprido todas as coisas que te prometeu e te
tiver feito rei de Yashorúl, certamente não quererás ter a consciência dum
assassino, que procurou fazer justiça por suas próprias mãos! Portanto, quando YAHU
ULHÍM tiver realizado todas essas grandes coisas a teu favor, peço-te que te
lembres de mim! 32Dáoud respondeu a Abigaúl desta forma: Seja bendit YAHU ULHÍM
o Criador Eterno de Yashorúl que te mandou ao meu encontro neste dia!
33-34Graças a YAHU ULHÍM pelo teu bom senso! Abençoada sejas tu por me teres
impedido de matar um homem e de me ter vingado por minhas próprias mãos.
Porque, com efeito, juro-te pelo YAHU ULHÍM, o Criador Eterno de Yashorúl, que
me guardou de te fazer mal, que se não tivesses vindo ao meu encontro, nenhum
dos homens de Nabal estaria com vida amanhã de manhã. 35Dáoud aceitou os
presentes e disse-lhe que regressasse a casa sem temor, porque não lhe mataria
o marido. 36-38Quando ela chegou a casa verificou que Nabal tinha dado uma
grande celebração e que estava a cair de bêbado; por isso nada lhe disse do seu
encontro com Dáoud até chegar à manhã seguinte. Nessa altura, estando Nabal já
recuperado da embriaguês, quando ela lhe contou tudo o que acontecera, ele teve
um ataque e caiu paralisado; ficou assim durante dez dias, até que morreu. Foi YAHU
ULHÍM quem lhe tirou a vida. 39Ao ouvir da morte dele Dáoud disse: Louvado seja
YAHU ULHÍM! YAHU ULHÍM deu a Nabal a recompensa que merecia e preservou-me de
ser eu a fazê-lo. Recebeu assim a paga do seu pecado. Dáoud enviou então
mensageiros ter com Abigaúl, pedindo-lhe que se tornasse sua mulher.
40-42Quando chegaram a Carmiúl e lhe apresentaram o pedido, ela aceitou e
aprontou-se para partir. Levou consigo cinco das suas moças, montou no jumento
e foi com os homens de Dáoud. Assim se tornou mulher de Dáoud. 43-44Dáoud casou
também com Ainoã de Yazoro-Úl. O rei Shaúl entretanto tinha obrigado a primeira
mulher de Dáoud, Mical sua filha, a casar com um indivíduo de Galim chamado
Palti, filho de Laís.

 

1 SHAMUUL 26

 

Dáoud poupa de novo a vida de Shaúl

 

1-2Os homens de Zife vieram ter com Shaúl em
Gibeá dizer-lhe que Dáoud tinha voltado para o deserto e estava escondido nas
colinas de Haquila. Shaúl reuniu a tropa de elite, com três mil combatentes e
foi em sua perseguição. 3-4Acampou junto à estrada, à entrada do deserto em que
Dáoud se escondia; mas Dáoud, sabendo da sua vinda, enviou espias para lhe
estudar os movimentos. 5-7Uma noite Dáoud esgueirou-se pelo acampamento de
Shaúl. Este, acompanhado do general Abner, estavam a dormir no centro do
acampamento, rodeado de soldados.Há algum voluntário que queria vir comigo até
ali?, perguntou Dáoud a Aimeleque (o heteu) e a Abishái (irmão de Yoab e filho
de Zeruía.)Vou eu, respondeu Abishái. Desceram ambos até ao lugar em que estava
Shaúl e viram que estava a dormir, com a lança ao lado, no chão. 8 YAHU ULHÍM
pôs-te o teu inimigo nas mãos, sem dúvida alguma, sussurrou Abishái a Dáoud.
Deixa-me ir a mim atravessá-lo com a lança. Cravo-o no chão. Faço de um só
golpe! 9-11Não. Não o matarás. Quem é que seria considerado inocente depois de
ter morto aquele que YAHU ULHÍM escolheu como rei? YAHU ULHÍM certamente que o
castigará um dia, e virá a morrer, ou numa batalha ou simplesmente de velho.
Mas que YAHU ULHÍM nunca permita que eu venha a matar aquele que foi escolhido
por ele para ser rei! Vou-te dizer o que faremos – tiramos-lhe a lança e a
bilha de água e vamo-nos daqui! 12-13Dáoud pegou na lança, na bilha de água, e
foram-se ambos embora sem que ninguém desse por coisa nenhuma, nem sequer
acordasse, pois que tinha side YAHU ULHÍM mesmo que os tinha posto a dormir.
Subiram a encosta do monte que estava em frente ao acampamento e puseram-se a
uma distância segura. 14Então Dáoud gritou para Abner e para Shaúl: Acorda,
Abner!Quem é que está a chamar?, perguntou Abner. 15-16Então, Abner, és um
militar exemplar!, disse Dáoud com ironia. Onde é que se encontraria em Yashorúl
uma pessoa assim? Mas olha que não soubeste guardar o teu chefe, o rei, quando
houve alguém que veio para matá-lo! Isso não é bom sinal! Garanto-te, em Shúam
(Nome) de YAHU UL, que deverias morrer por causa da tua incúria. Repara só,
onde estão a lança e a bilha de água que estavam à cabeceira do rei? 17-18Shaúl
reconheceu a voz de Dáoud e disse: És tu, Dáoud meu filho?Sim, chefe, sou eu.
Porque me persegues tu? Que fiz eu? Qual é o meu crime? 19Se foi YAHU ULHÍM
quem te incitou contra mim, então que ele aceite a minha oferta de paz. Mas se
tudo isto não for mais do que o fruto da vontade dum homem, então que esse
homem seja amaldiçoado por YAHU ULHÍM. Tu fizeste que fugisse da minha casa, e
não posso viver com o povo de YAHU UL; têm chegado a propôr-me prestar culto a
falsos criadores o estatuas estranhos. 20Estarei eu destinado a morrer em terra
estrangeira, longe da presença de YAHU ULHÍM? Porque é que o rei de Yashorúl
haveria de correr atrás da minha vida, como se fosse atrás duma perdiz dos
montes? 21Então Shaúl confessou: Actuei erradamente. Regressa a casa, meu
filho, e nunca mais te hei-de fazer mal; porque hoje poupaste-me a vida. Tenho
sido como um louco, e errei profundamente. 22-24Aqui está a tua lança, meu
chefe, respondeu Dáoud. Que um dos vossos moços venha aqui buscá-la. YAHU ULHÍM
recompensa cada um pela sua rectidão e pela sua lealdade. Quanto a mim, ele bem
viu que recusei matar-te mesmo tendo-te, YAHU ULHÍM, posto entre as minhas
mãos. Agora, que YAHU ULHÍM guarde a minha vida, tal como eu poupei a tua hoje.
Que YAHU ULHÍM me livre de todas as minhas tribulações. 25E Shaúl disse a
Dáoud: Que YAHU ULHÍM te abençoe, meu filho Dáoud. Tu farás grandes coisas e
serás um grande guerreiro. Então Dáoud foi-se embora e Shaúl voltou para o lugar
onde estava antes.

 

1 SHAMUUL 27

 

Dáoud entre os Palestinos

 

1No entanto Dáoud continou a pensar consigo
mesmo: Pode ainda acontecer que Shaúl me apanhe. O melhor é tentar a minha
sorte entre os Palestinos, até que Shaúl realmente desista e acabe de
perseguir-me. Só então estarei seguro novamente. 2-4Por isso, pegou nos seus
seiscentos homens, e com as famílias, e foi viver para Gate, sob a proteção do
rei Aquis. Tinha consigo as suas duas mulheres – Ainoã de Yazoro-Úl e Abigaúl
de Carmiúl, a viúva de Nabal. Shaúl veio a saber, em breve, que Dáoud tinha
fugido para Gate, e parou de o perseguir. 5Um dia Dáoud disse a Aquis: Meu
chefe, se não te parecesse mal, nós gostaríamos de viver antes numa das cidades
da província, e não aqui na capital. 6-7Então Aquis deu-lhe Ziklag (cidade essa
que ainda hoje pertence aos reis de YAHUDAH) e ali viveram entre os Palestinos
durante um ano e quatro meses. 8Dáoud e os seus homens passavam ao tempo
fazendo incursões sobre os gesuritas, os girzitas e os amalequitas (povos
Palestinos que vivera perto de Sur, ao longo do caminho do Egito, desde tempos
remotos). 9Não deixavam alma viva nas localidades sobre que caiam, e traziam
como despojo carneiros, bois, jumentos e camelos, além de vestuário, quando
regressavam a casa. 10-12Então, hoje, onde foi a vossa incursão?,
perguntava-lhes Aquis, quando voltavam Dáoud respondia: Caímos sobre o sul de YAHUDAH,
sobre o povo jerameelita e sobre os queneus. Porque não ficava ninguém vivo
para vir dizer onde eles tinham estado realmente. Fizeram isto muitas vezes
enquanto viveram no meio dos Palestinos. Aquis acreditava no que Dáoud dizia e
pensava que o povo de Yashorúl devia aborrecê-lo profundamente. Ele agora vê-se
obrigado a ficar aqui e a servir-me até ao fim da vida!, pensava o rei.

 

1 SHAMUUL 28

 

Shaúl e a bruxa de Endor

 

1A certa altura os Palestinos convocaram o
seu exército e prepararam-se para nova guerra contra Yashorúl. Vem ajudar-nos a
combater, disse o rei Aquis a Dáoud e aos seus companheiros. 2Está bem,
concordou Dáoud. Verás em breve como podemos ser-vos úteis.Se assim for,
tornar-te-ás meu escudeiro para toda a vida, acrescentou Aquis. 3(Entretanto SHAMUUL
tinha morrido e Yashorúl chorara o seu desaparecimento. Foi enterrado em Roéma,
sua cidade natal. Note-se também que Shaúl tinha banido da terra de Yashorúl
tudo o que era bruxaria e consulta dos mortos.) 4-8Os Palestinos, pois,
acamparam em Sunem, e Shaúl, mais os seus batalhões, em Gilboa. Quando Shaúl
viu o vasto exército que os inimigos constituíam, ficou paralisado de terror e
perguntou a YAHU ULHÍM o que deveria fazer. No entant YAHU ULHÍM recusou
responder-lhe, fosse por sonhos fosse através do urim ou mesmo pelos profetas.
Então Shaúl deu instruções aos seus ajudantes para tentarem encontrar alguém
que consultasse o espírito dos mortos, e a quem perguntasse o que devia fazer;
com efeito ainda acharam uma mulher que fazia isso, em Endor. Shaúl
disfarçou-se, vestindo roupas de gente vulgar e dirigiu-se a casa dela, de
noite, acompanhado por dois dos seus homens.Eu pretendia falar com um homem que
já morreu, disse ele. Consegues chamar o seu espírito? 9Mas tu queres que eu
seja morta?, protestou ela. Sabes bem o que Shaúl mandou fazer a todos os
adivinhos e feiticeiros. O que tu estás é a armar-me uma cilada! 10-11Shaúl
jurou-lhe solenemente que não a trairia. E por fim a mulher disse: Bom, e então
quem é que tu queres que eu faça vir em espírito?Traz-me SHAMUUL. 12Quando a
mulher viu SHAMUUL, gritou: Enganaste-me! Tu és Shaúl! 13Não tenhas medo de
coisa nenhuma! Diz-me o que é que estás a ver.Vejo um espectro subindo da
terra. 14Como é que é ele?, perguntou Shaúl,É um ancião; está envolto numa
túnica, respondeu-lhe aul viu então que se tratava de SHAMUUL e inclinou-se
perante ele. 15Porque é que me incomodaste, fazendo-me subir?, perguntou-lhe SHAMUUL.Porque
estou profundamente perturbado. Os Palestinos estão em guerra contra nós, YAHU
ULHÍM abandonou-me e não me responde, nem pelos profetas nem por sonhos. Por
isso te chamei, para te perguntar o que devo fazer. 16-19Mas SHAMUUL respondeu:
E por que razão me perguntas a mim, se YAHU ULHÍM já te deixou e se tornou teu
inimigo? Ele actuou tal como tinha dito antes e já te tirou o reino a ti para o
dar ao teu rival Dáoud. Tudo isto veio sobre ti porque não obedeceste às
instruções de YAHU UL, dando cumprimento ao ardor da sua ira sobre Amaleque.
Agora, todo o exército de Yashorúl será derrotado e destruído amanhã pelos
Palestinos. Tu e os teus filhos estarão aqui comigo. 20-22Shaúl então caiu
estendido no chão, fulminado de terror pelas palavras de SHAMUUL. É preciso
dizer que ele também se encontrava muito enfraquecido, pois não tinha comido
nada em todo aquele dia. Quando a bruxa viu a reação dele, e o estado em que
tinha ficado, disse:  YAHU ULHÍM, eu
apenas obedeci às tuas ordens, com o risco da minha vida. Agora faz o que eu te
digo – deixa-me dar-te qualquer coisa para comer, a fim de que ganhes forças
para a viagem de regresso. 23-25Ele recusou. No entanto os companheiros
insistiram para que aceitasse a oferta da mulher; por fim acedeu e sentou-se à
beira da cama. A mulher tinha em casa uma bezerra cevada que se apressou a
degolar; amassou também farinha e cozeu uns bolos asmos. Trouxe a comida ao rei
e aos outros; eles comeram, encetando depois a viagem de regresso naquela mesma
noite.

 

1 SHAMUUL 29

 

Os Palestinos rejeitam o apoio de Dáoud

 

1O exército Palestino concentrou-se em
Afeque, os Yashorulítas nas fontes de Yazoro-Úl. 2Na altura em que os
Palestinos organizavam as suas tropas em batalhões e companhias, Dáoud e os
seus puseram-se na retaguarda, com o rei Aquis. 3Mas os comandantes Palestinos
perguntaram: Que estão estes Yashorulítas aqui a fazer?Este é Dáoud, o servo do
rei Shaúl que fugiu de Yashorúl. Já há muito tempo que está comigo e não
encontrei nele nada de culpável, desde que cá chegou, foi a resposta de Aquis.
4-5Manda essa gente embora!, pediram-lhe, zangados. É evidente que não irão à
batalha connosco – voltar-se-iam contra nós; haveria melhor maneira, para eles,
de se reconciliarem com o seu YAHU ULHÍM do que nos trairem durante a luta? Não
te esqueças que este é o homem de quem as mulheres Yashorulítas diziam a
dançar, ‘Shaúl matou mil, mas Dáoud dez mil!’ 6-7Aquis acedeu por fim, e
chamando Dáoud mais os companheiros: Juro pelo YAHU ULHÍM, que vocês são os
melhores homens que eu já tive, e a minha vontade é que viessem lutar connosco;
mas os meus chefes militares não pensam assim. Por favor, não os irritem e
vão-se embora sossegadamente. 8Que fizemos nós para merecer este tratamento?,
perguntou Dáoud. Porque não posso eu combater os vossos inimigos? 9-10No que me
diz respeito, insistiu Aquis, tu és tão recto como um anjo de YAHU ULHÍM. Mas é
que os meus comandantes militares receiam ter-vos com eles durante a batalha.
Por isso, levantem-se cedo e vão-se embora logo que amanheça. 11Então Dáoud
voltou para a terra dos Palestinos, enquanto o exército deles se dirigia para Yazoro-Úl.

 

1 SHAMUUL 30

Dáoud destrói os amalequitas

 

1-4Três dias mais tarde quando Dáoud,
acompanhado dos seus homens, chegou a casa na cidade de Ziklag, constatou que
os amalequitas tinham feito uma incursão na cidade e queimado tudo
inteiramente, levando consigo mulheres e crianças. Ao olharem para aquilo, e ao
darem-se conta do que acontecera às suas famílias, choraram todos
dolorosamente. 5As duas mulheres de Dáoud, Ainoã e Abigaúl, encontravam-se
também entre as cativas. 6Dáoud estava seriamente preocupado, porque os homens,
na sua grande dor por causa dos filhos que os amalequitas lhes tinham levado,
falavam até de o apedrejarem. No entanto Dáoud tomou forças em YAHU ULHÍM, seu
Criador Eterno. 7-8Então disse ao intermediário AbYater: Traz-me aqui o éfode!
E perguntou a YAHU ULHÍM: Vou no encalço deles? Apanhá-los-emos? YAHU ULHÍM
respondeu-lhe: Vai, persegue-os; recuperarás tudo o que eles vos levaram!
9-12Dáoud, mais os outros seiscentos homens, partiram atrás dos amalequitas.
Quando alcançaram o ribeiro de Besor, duzentos deles estavam de tal maneira
exaustos que nem conseguiram atravessá-lo; mas os outros quatrocentos
prosseguiram na corrida. Pelo caminho, a certa altura encontraram um moço
egípcio num campo e trouxeram-no a Dáoud. O rapaz não tinha comido nem bebido
nada durante três dias e três noites; deram-lhe parte dum bolo de figos, duas
mãos-cheias de uvas secas, água para beber, e depois disso recuperou as forças.
13-14Quem és tu? Donde vens?, perguntou-lhe Dáoud.Sou egípcio, servo dum
amalequita. O meu chefe abandonou-me há três dias porque eu estava muito
doente. Vínhamos de uma incursão militar no Négev e também no sul de YAHUDAH, e
ainda na terra de Caleb; também destruímos Ziklag. 15Podes dizer-me para onde
foram eles?Se me jurares em Shúam (Nome) de YAHU ULHÍM que não me matas nem me
entregas de novo ao meu amo, então guiar-te-ei até eles. 16-20E assim levou-os
ao acampamento dos amalequitas. Estavam todos espalhados numa grande área
daquela terra, comendo, bebendo, dançando de alegria por causa do enorme
despojo que tinham trazido da Filisteia e de YAHUDAH. Dáoud e os companheiros
saltaram-lhes em cima e mataram neles durante a noite toda, mais o dia seguinte
até ao anoitecer. Os únicos que conseguiram escapar foram quatrocentos rapazes
que fugiram montados em camelos. Dáoud recuperou tudo o que eles tinham levado.
Os homens retomaram as famílias e os haveres; Dáoud pôde libertar as suas duas
mulheres. Toda a gente juntou o gado e os rebanhos, conduzindo-os diante de si
e exclamavam: Este é o teu despojo, Dáoud! 21-22Quando chegaram de novo ao ribeiro
de Besor e se juntaram aos tais duzentos que não tinham podido continuar por se
encontrarem esgotados, sem forças, Dáoud saudou-os pacificamente. Mas alguns
dos que vinham com Dáoud, homens ruins, perversos, começaram a dizer: Esses não
vieram connosco, não hão-de de ter parte no despojo. Que se lhes dê as mulheres
e os filhos e que se vão embora. 23-24Não, meus irmãos! YAHU ULHÍM guardou-nos
e ajudou-nos a derrotar o inimigo. Numa altura destas alguém poderia dar
ouvidos a uma tal proposta? Vamos todos repartir o que obtivemos irmãmente – os
que foram à batalha e os que guardaram as bagagens. 25Foi então que Dáoud fez
disso uma lei em todo o Yashorúl, e que ainda hoje é válida. 26-31Quando chegou
a Ziklag enviou parte do saque aos anciãos de YAHUDAH: Isto é um presente para
vocês, tirado aos inimigos de YAHU UL, escreveu-lhes. Estes presentes foram
enviados aos anciãos das seguintes cidades onde Dáoud e os companheiros tinham
estado: Bohay-Úl, Sul de Ramote, Yatir, Aroer, Sifmote, Estemoa, Racal, as cidades
dos jerameelitas, as cidades dos queneus, Horma, Borasã, Atace, Hebron.

 

1 SHAMUUL 31

 

Morte de Shaúl e dos filhos

 

1Entretanto os Palestinos tinham iniciado o
combate contra os Yashorulítas; estes fugiram deles e foram mortos e
aniquilados no monte Gilboa. 2Aí cercaram Shaúl e mataram-lhe os filhos Yanaokhán,
Abinaodáb, e Molkhishúa. 3Os frecheiros cairam sobre Shaúl e feriram-no
gravemente. 4Shaúl disse para o seu pajem: Mata-me com a tua espada antes que
estes pagãos Palestinos me prendam e me torturem.O pajem contudo teve muito
medo disso. Shaúl pegou ele próprio na espada e atirou-se sobre ela, a qual lhe
ficou atravessada no corpo. 5Ao ver que estava morto, o pajem fez o mesmo –
atirou-se sobre a sua espada e morreu com ele. 6Assim Shaúl, o seu pajem, os
três filhos e as suas tropas morreram todos no mesmo dia. 7Quando os Yashorulítas
do outro lado do vale e para lá do Yardayán ouviram que os seus compatriotas
tinham fugido e que Shaúl mais os filhos tinham morrido, abandonaram as
cidades, e os Palestinos foram viver nelas. 8-9No dia seguinte, os Palestinos,
ao virem para despojar os mortos, encontraram os corpos de Shaúl e dos filhos
no monte Gilboa. Cortaram a cabeça a Shaúl, tiraram-lhe as armas e anunciaram
isso nos Templos dos seus falsos criadores o estatuas e ao seu povo por toda a
terra. 10As suas armas foram postas no Templo de Astarote e o corpo pendurado
no muro de Betesã. 11-13Mas quando o povo de Yabesh-Gaúliod ouviu aquilo que os
Palestinos tinham feito, uns soldados valentes daquela localidade foram de
noite até Betesã, tiraram de lá os corpos de Shaúl e dos filhos, e
trouxeram-nos para Yabesh onde os queimaram; os ossos que restaram
enterraram-nos sob o carvalho de Yabesh, jejuando depois por sete dias.

Anúncios
  1. Em Primeiro Lugar o Nome Verdadeiro só é Revelado pelo ESPÍRITO de YAHUSHUA, ou se Preferir RUKHA YHVHSHUA!

    Em segundo lugar o ditongo “AO” não existe.O Qâmats não contém som para “AO”; somente “A” ou”O”
    Você fala: Shalom ou Shaolom?

    Em terceiro lugar o TETRAGRAMA são 4 (quatro) consoantes e não pentagrama (cinco)

    Em quinto lugar o Som da letra aplicado no final do “Nome” “H” é sem som, simplesmente para se oporem aos que sabem o Nome Verdadeiro.

    Em sexto lugar, há os que dizem ser o Nome do Messias YESHUA, que vem do Aramaico, e não do hebraico arcaico! Ademais, não se abrevia os Nomes Sagrados “YA E YE” são abreviações irreverentes, que não dizem o Nome Completo!

    Em sétimo lugar temos ainda a turma dos que professam; YAHOVÁ,YAUÊ,YEHÚSHUA,(ex ‘padre’)YAHOSHUA,YAHO,YAOHUSHUA e um rabino antigo, que afirmava quando vivo, que recebeu a revelação do Nome do Messias: YEHOSHUA. E agora? Vejo que você é um principiante; chegará o dia em que sentir-se-á confuso…então procure apender pelo ESPÍRITO SANTO!

    Em caso de dúvidas relacionar-se com a Triunidade Diretamente Usando Seus Títulos Honrosos e Exclusivos quando vier a dúvida!
    O Ministério Hora Final, em http://www.verdadesquelibertam.wordpress.com tem mais de 600 (seiscentos Estudos) que tratam de tudo o que você procura. Coloque no Google ou browser de sua preferência:Hebraistas não hebraizantes, sobre nossas divulgações do hebraico e em seguida ‘Verdades que Libertam!’

    Se precisar de ajuda…

    ministeriohorafinal@hotmail.com-sempre Epígonos do RUKHA YAHUSHUA.

    Até Já!

  2. Só em “Verdades que Libertam”, você encontrará mais de 600 Estudos Inspirados Pelo RUKHA YAHUSHUA!. Estude, pesquise, Examine!

    Conheço as outras “transliterações” e porque não as pratico é fácil de entender.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: